Você está na página 1de 33

Duque de Caxias - Rio de Janeiro

Jardim
Gramacho

Diagnóstico Social
Agosto 2005
Diagnóstico Social - Agosto 2005

SUMÁRIO
I – INTRODUÇÃO
1. DIAGNÓSTICO: PARA QUE? ............................................................................. 3

II - CONTEXTUALIZAÇÃO DO TERRITÓRIO NO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS


1. DADOS DO MUNICÍPIO ................................................................................... 5
2. POPULAÇÃO .............................................................................................. 6
3. SAÚDE ..................................................................................................... 6
4. EDUCAÇÃO ............................................................................................... 6
5. REDE VIÁRIA ............................................................................................. 6
6. ECONOMIA ................................................................................................ 7

III - O BAIRRO JARDIM GRAMACHO


1. DADOS SOBRE O BAIRRO ............................................................................... 9
2. ATERRO METROPOLITANO DE JARDIM GRAMACHO ................................................ 10
3. DEPÓSITO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS .............................................................. 12
4. COMÉRCIO / INDÚSTRIA ............................................................................... 13
5. EDUCAÇÃO .............................................................................................. 14
6. SAÚDE .................................................................................................... 17
7. TRANSPORTE ............................................................................................ 17
8. PRESENÇA OU AUSÊNCIA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS
QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS .................................................................. 18

IV – ORGANIZAÇÃO SOCIAL
1. OS CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL .......................................................... 18
2. A COOPERGRAMACHO – COOPERATIVA DE CATADORES
DO ATERRO METROPOLITANO DE JARDIM GRAMACHO ............................................... 19
3. ASSOCIAÇÃO DE CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE JARDIM GRAMACHO ............. 20
4. IGREJAS .................................................................................................. 22
5. ASSOCIAÇÃO DE MORADORES ......................................................................... 24

V – INSTITUIÇÕES / GRUPOS ATUANTES .............................................................. 25

VI– QUESTÕES / PROBLEMAS MAIS EVIDENTES- DESAFIOS DE JARDIM GRAMACHO .......... 27

VII – PRIORIDADES / PROPOSTAS PRELIMINARES .................................................... 28

VIII - CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................... 30

IX - REFERÊNCIAS
1. BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................... 31
2. SITES CONSULTADOS ............................................................................... 31
3. ENTREVISTAS REALIZADAS ........................................................................ 31
4. LISTA DOS PARTICIPANTES DO 1º ENCONTRO DE INTEGRAÇÃO ................................ 32
COMUNITÁRIA DE JARDIM GRAMACHO

2
Diagnóstico Social - Agosto 2005

I – INTRODUÇÃO
As Comunidades COEP
A construção de alternativas para a promoção do desenvolvimento humano e social é,
hoje, um imperativo ético, social, econômico e ambiental. O direito de todos à cidada-
nia só será possível com a adoção de um novo padrão de comportamento que possibilite
às populações de baixa renda oportunidades reais de desenvolvimento, considerado
este em suas várias dimensões: econômica, humana, social, cultural, ambiental, cien-
tífico-tecnológica etc, onde fatores básicos para o ser humano, como alimentação,
moradia, saúde, educação, trabalho, renda, lazer e cultura estejam assegurados. O
COEP (Comitê de Entidades no Combate à Fome e pela Vida) estabeleceu como priori-
dade a implementação de projetos de referência em comunidades de baixa renda,
estabelecendo diretrizes políticas e metodológicas e condições para a implementação
e funcionamento de Projetos Pólos de Desenvolvimento Comunitário Integrado. Desta
forma a Rede Comunidades Coep pretende contribuir para deflagrar um processo
colaborativo voltado para as comunidades, estimulando sua autonomia, de modo que
as mesmas possam ser realmente protagonistas de seu próprio desenvolvimento e co-
operar efetivamente para a transformação das comunidades e melhoria da qualidade
de vida da população ali residente, com a inclusão nos projetos de desenvolvimento
comunitário dos diferentes determinantes e condicionantes que possam ter influência
nas políticas públicas locais.

A proposta “Núcleos de Integração: uma proposta para o desenvolvimento comuni-


tário” nasceu dentro de uma parceria estabelecida entre a Rede Comunidades COEP, o
IBASE (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas) e FURNAS Centrais Elétri-
cas S.A. e foi concebida como uma ação indutora de desenvolvimento social e econômi-
co que integra e dinamiza as relações entre indivíduos, grupos comunitários, poderes
públicos e agentes locais. Tem como princípio básico e fundamental a emancipação da
comunidade e a participação efetiva dos agentes locais de desenvolvimento, visando a
instalação de um processo transformador que agregue, conhecimento, qualidade e
autonomia ao desenvolvimento comunitário.

O Documento preliminar “Diagnóstico Social de Jardim Gramacho” se insere como eta-


pa inicial da criação de um núcleo de integração comunitária - que se constitui a
partir da implantação de um projeto de referência, estabelecido em conjunto com a
comunidade.

O IBASE (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas), juntamente com FURNAS


Centrais Elétricas S.A. e COEP (Comitê de Entidades no Combate à Fome e pela Vida) é
o responsável pela facilitação da implementação da proposta que será também implan-
tada, em outras quatro comunidades em diferentes estados brasileiros.

1. Diagnóstico: para que?


O diagnóstico das comunidades envolvidas no projeto “Núcleos de Integração” consti-
tui-se no instrumento indispensável de apoio a todas as ações de mobilização que serão
deslanchadas a seguir e à tomada de decisão das próximas etapas do trabalho. Por
meio do diagnóstico será possível estabelecer uma base comum de informações que
nos aproxime da realidade local das comunidades, das questões desafiadoras mais re-

3
Diagnóstico Social - Agosto 2005

correntes, principalmente no que tange sua configuração social e organizativa – focos


principais da ação proposta.

Os dados e informações apresentadas a seguir foram coletados a partir de pesquisa em


fontes secundárias e primárias, através da realização de entrevistas (individuais e pe-
quenos grupos) semi estruturadas e abertas, em visitas ao local, instituições, grupos
associativos e ONGs atuantes em Jardim Gramacho e corrigidos e/ ou completados a
partir das informações surgidas nos grupos de trabalho no 1º. Encontro de Integração
Comunitária de Jardim Gramacho (28/07/2005).

É imprescindível, o aprimoramento constante deste documento, com as contribuições


advindas das diferentes instituições locais, públicas e privadas, grupos de moradores,
associações, empresas, etc. a fim de torná-lo o mais completo possível e apresentá-lo
como o cenário, pano de fundo da tomada de decisão do Fórum Comunitário a ser
constituído.

Espera-se que os dados coletados e analisados nesta versão preliminar, sejam enrique-
cidos e complementados, pelos atores e parceiros institucionais locais, durante todo o
percurso da proposta. As informações auxiliarão, ainda, na identificação das ações
prioritárias que deverão ser consideradas na formulação do projeto comunitário de
referência para Jardim Gramacho a ser construído coletivamente.

4
Diagnóstico Social - Agosto 2005

II – CONTEXTUALIZAÇÃO DO TERRITÓRIO
O Município de Duque de Caxias

1. Dados do Município

O Município de Duque de Caxias foi criado pelo Decreto Estadual nº 1.055, de 31 de


dezembro de 1943. Antes de sua emancipação Duque de Caxias era o 8º. Distrito do
Município de Nova Iguaçu.

De acordo com dados da prefeitura ocupa uma


área de 442km², correspondendo a cerca de 6,8%
da área da Região Metropolitana do Estado do
Rio de Janeiro e, aproximadamente, a 35% da
área da Baixada Fluminense.

Tem como municípios limítrofes: ao norte Miguel


Pereira, a nordeste Petrópolis, a leste Magé, a
oeste Nova Iguaçu, a sudoeste Belford Roxo e
São João de Meriti, e ao sul o Rio de Janeiro. De
acordo com o IBGE (2000) encontra-se a uma
distância de 20Km da Capital do Estado.

Sua hidrografia pode ser resumida em quatro bacias principais: Iguaçu, Meriti, Sarapuí
e Estrela.

Administrativamente, está dividido em quatro Distritos:


1o Distrito - Duque de Caxias;
2o Distrito - Campos Elíseos;
3o Distrito – Imbariê;
4o Distrito – Xerém.

Em termos distritais, o 1o Distrito, Duque de Caxias,


abrange uma área de aproximadamente 41km², situ-
ada ao sul do território municipal, envolvendo os se-
guintes bairros:
Parque Duque
25 de Agosto
Vila São Luiz
Doutor Laureano
Gramacho
Parque Sarapuí
Olavo Bilac
Centenário
Periquitos
Bar dos Cavalheiros
Centro

5
Diagnóstico Social - Agosto 2005

O 2o Distrito, Campos Elíseos, possui 98km² no centro-leste, o 3o Distrito, Imbariê,


ocupa uma área de 64km², situada à nordeste do território municipal e o 4o Distrito,
Xerém, ocupa a maior extensão territorial do Município, com cerca de 239km², situado
na sua porção noroeste.

2. População
Segundo dados da Prefeitura de Duque de Caxias, este município possui uma população
estimada: 778.000 habitantes divididos em:

Homens Mulheres
8,45% 51,55%

Urbana Rural
99,60% 0,40%

Do ponto de vista demográfico Duque de Caxias é o quarto maior município em popula-


ção da Região Metropolitana, ocupando a mesma posição com relação ao Estado, per-
dendo para os municípios do Rio de Janeiro (5.551.538 habitantes), de São Gonçalo
(833.379 habitantes) e Nova Iguaçu (826.188 habitantes).

3. Saúde
De acordo com os dados fornecidos pela Prefeitura, este município possui 14 Unidades
Hospitalares, 3 Hospitais de Referência e 3 postos de Atendimento Médico que funcio-
nam 24h. Esta rede realiza uma média de 2,6 milhões de atendimentos de saúde e
1.089 mil atendimentos odontológicos por ano. Possui 24 ambulâncias, sendo que 3
destas são UTI’s Móveis.

4. Educação
Com relação a Unidades de Ensino, de acordo com informações da Prefeitura, Duque de
Caxias possui 128 instituições de ensino, divididas da seguinte forma:

Distrito No de Unidades Observações


Escolares
1o Distrito - Duque de Caxias 44 Dentre elas 1 Pré-Escolas, 5 Creches e 2 Ciep
2o Distrito - Campos Elíseos 38 Dentre elas 4 Creches
3o Distrito – Imbariê 25 Dentre elas 1 Pré-Escolas, 2 Creches e 1 Ciep
4o Distrito – Xerém 21 Dentre elas duas Creches e 1 CIEP

O Censo demográfico do IBGE (200) revela que existe no Município um total de 576.069
pessoas de 10 anos ou mais de idade, alfabetizadas, o que corresponde a um percentual
de 92,40%.

5. Rede Viária
Este Município conta com uma rede composta de duas rodovias federais de suma impor-
tância no contexto nacional e seis rodovias estaduais. A rede viária municipal atende
praticamente todo o centro urbano. A rede ferroviária caracteriza-se por ser de carga
e de passageiros, esta última pelo ramal Caxias com duas linhas, que ligam a Central do
Brasil a Gramacho e a Saracuruna.

6
Diagnóstico Social - Agosto 2005

Rodovias federais

BR 040 (Washington Luiz) - Esta rodovia representa a ligação mais importante


entre o centro de Duque de Caxias e o restante do território municipal, além de
ser o acesso para Belo Horizonte e Brasília;

BR 116-493 (Rio-Magé) - Esta rodovia serve como via de escoamento de produção


entre as Regiões Sudeste, Norte e Nordeste do Brasil. Em Duque de Caxias, corta
Imbariê, sendo a principal ligação desta parte do município.

Muito embora não participe diretamente deste sistema, a rodovia Presidente Dutra
(BR 116), é importante para Duque de Caxias, sendo a principal opção de acesso
aos demais municípios da baixada como São João do Meriti, Nova Iguaçu, Belford
Roxo, Queimados e Japeri.

Rodovias estaduais
As seis rodovias estaduais que atravessam o território caxiense, apresentam uma con-
figuração funcional que as caracteriza como ruas de tráfego urbano. A RJ 081 ou Linha
Vermelha é a única que se diferencia desta caracterização. Tem como objetivo princi-
pal aliviar o fluxo de veículos da Avenida Brasil (BR 101), à qual tem traçado paralelo,
e permitir rápido acesso ao Aeroporto Internacional, à Cidade Universitária e à Baixada
Fluminense (conseqüentemente, a Duque de Caxias).

6. Economia

As principais atividades econômicas de Duque de Caxias são o comércio e a indústria.


As atividades agropecuárias são de pouca expressão econômica concentrando-se ape-
nas no 3º e 4º Distritos, onde a mandioca, a cana e a banana são os principais produtos
cultivados.
Percentual de empregos por setor:

Primário Secundário Terciário


0,90% 27,50% 71,60%

O parque industrial de Duque de Caxias é significativo. Possui e 809 indústrias, além de


abrigar a 2ª Refinaria do país - a Reduc. Principais segmentos industriais:

1. Químico / Petroquímico;
2. Metalúrgico / Gás;
3. Mobiliário
4. Têxtil / Vestuário;
5. Plástico;

De acordo com a Associação Comercial Duque de Caxias possui 9.865 estabelecimentos


comerciais. Seu comércio é intenso, principalmente no centro urbano. Além dos esta-
belecimentos comerciais Duque de Caxias possui uma grande feira livre próximo à pra-
ça Roberto da Silveira, além de mais de 100 barracas de frutas, legumes e verduras ao
longo da Avenida Presidente Kennedy.

7
Diagnóstico Social - Agosto 2005

A participação de Duque de Caxias na produção nacional de riquezas vem crescendo


desde 1999, sendo o refino do petróleo o principal responsável por isso. A presença da
Refinaria em Duque de Caxias faz com que o repasse do Fundo de Participação dos
Municípios para a Prefeitura Municipal de Duque de Caxias passasse a ser o segundo
maior do Estado do Rio de Janeiro, vindo apenas atrás do município do Rio.
Em relação ao PIB per capta, o setor petrolífero foi o principal responsável pela eleva-
ção deste município aos primeiros lugares. Veja na tabela abaixo.
Município que representam juntos 25% do PIB nacional

1999 2002
1º São Paulo (SP) 1º São Paulo (SP)
2º Rio de Janeiro (RJ) 2º Rio de Janeiro (RJ)
3º Brasília (DF) 3º Brasília (DF)
4º Belo Horizonte (MG) 4º Manaus (AM)
5º Manaus (AM) 5º Belo Horizonte (MG)
6º Curitiba (PR) 6º Duque de Caxias (RJ)
7º Porto Alegre (RS) 7º Curitiba (PR)
8º Guarulhos
9º São José dos Campos

Duque de Caxias vive uma situação paradoxal. De um lado é o município que tem a 2ª
arrecadação de ICMS do Estado, ou seja, tem a maior arrecadação tributária no âmbito
estadual depois do Município do Rio de Janeiro e por outro lado do 92 municípios que
compõem o Estado do Rio de janeiro, Duque de Caxias figura como 52º Município no
Índice de Desenvolvimento Humano (IDH - 2000) que leva em consideração Longevidade
(expectativa de vida ao nascer), Escolaridade (índice de analfabetismo e taxa de ma-
trícula em todos os níveis de ensino) e Renda.

8
Diagnóstico Social - Agosto 2005

III - Jardim Gramacho


1. Dados sobre o Bairro

Jardim Gramacho é um sub-bairro1 do Bairro Gramacho pertencente ao 1º. Distrito do


município de Duque de Caxias. Caracteriza-se como um sub-bairro que possui grandes
bolsões de miséria, demandando de infra-estrutura urbana adequada a sobrevivência
da maior parte de seus moradores. Boa parte deste sub-bairro constitui-se de ocupa-
ções recentes e, desta forma, ainda não constam nos mapas oficiais da prefeitura.

De acordo com informações colhidas nas entrevistas realizadas, este sub-bairro encon-
tra-se dividido em localidades. As ocupações mais antigas como a COHAB (conjunto
habitacional – 1ª área loteada de Jardim Gramacho), o Morro do Cruzeiro, o Triângulo e
o Morro da Placa possuem infra-estrutura urbana (saneamento, pavimentação das ruas,
água e energia elétrica oficiais) adequada à demanda. As localidades que possuem
ocupação recente são áreas mais pobres, em geral sem saneamento básico, água e
algumas ainda sem luz. Incluem-se aqui a Chatuba, a Favela do Esqueleto, o Beco do
Saci, a Cidade de Deus, a Avenida Rui Barbosa, o Parque Planetário, a comunidade da
Paz/ Maruim, entre outras2 . O Parque Planetário e a comunidade da Paz/ Maruim
possuem energia elétrica, no entanto nesta última, com exceção deste serviço, verifi-
ca-se ausência completa de infra-estrutura, além de parte de suas casas estarem
construídas sobre o mangue.

Estas localidades, segundo as entrevistas, surgiram através da ocupação desordenada


do solo, a partir de um processo de loteamento realizado pela Associação de Moradores
e por vereadores locais.

1.
Este dado foi questionado por um participante do 1º. Encontro de Integração Comunitária de
Jardim Gramacho que considera que Jardim Gramacho é um Bairro e não sub-bairro.

2.
Segundo informação de um representante do poder público presente no 1º Encontro de Integração
Comunitária de Jardim Gramacho, existem hoje 32 ruas sem asfalto. 16 ruas oficiais e 16 ruas
pertencentes às ocupações mais recentes, não oficiais e que não constam nos mapas do bairro.

9
Diagnóstico Social - Agosto 2005

De acordo com Valéria Bastos (1998) este sub-bairro possui um contingente populacional
de cerca de 20.000 habitantes3 .

A pesquisa realizada por Lúcia Pinto (2004) revela que a maior parte de sua população
economicamente ativa encontra-se fora do mercado formal, exercendo atividades sem
vínculo empregatício ou desempregadas.

Abriga um dos maiores Aterros Controlados da América Latina: o Aterro Metropoli-


tano de Jardim Gramacho. Este Aterro permite a atividade de Catação de Materiais
Recicláveis e, também por este motivo (entre outros), não se caracteriza como um
Aterro Sanitário.

Em sua pesquisa (2004) Lúcia Pinto descreve que a economia deste sub-bairro, sobre-
tudo nas áreas periféricas ao aterro, está voltada para a atividade de catação,
comercialização e recuperação de Recicláveis. De acordo com Valéria Bastos, este fato
torna o sub-bairro um grande Centro Econômico ativo onde todo o comércio sobrevive
exclusivamente em função da presença do catador, pois são eles que retiram do aterro
toneladas de materiais que são comprados em seguida pelos sucateiros locais, existin-
do ainda várias biroscas, bares e botequins de médio porte que comercializam diaria-
mente alimentação, bebidas alcoólicas e cigarros, entre outros itens, com os catadores.

Em números, Valéria Bastos relata que cerca de 60% dos moradores vivem de ativida-
des ligadas à comercialização de recicláveis. Alguns diretamente realizando ativida-
des como catação de lixo, abertura de aterros clandestinos e trabalho nos depósitos de
sucatas. Outros vivendo, indiretamente, das já citadas atividades de comércio em
estabelecimentos como biroscas, barracas e bares, instalados fundamentalmente na
Avenida Monte Castelo, via principal que leva ao aterro.

3.
De acordo com os participantes do 1º. Encontro de Integração Comunitária de Jardim Gramacho,
a Câmara Técnica, organizada pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal
de Duque de Caxias para discutir questões relacionadas a Jardim Gramacho, considera que o sub-
bairro possui 40.000 moradores.

10
Diagnóstico Social - Agosto 2005

2. Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho

O Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho


atende a destinação final de resíduos sóli-
dos dos municípios Rio de Janeiro (80% de
seus resíduos vai para Gramacho), de Duque
de Caxias, Nilópolis, Mesquita, São João de
Meriti e Queimados.

Está localizado em uma área aproximada de


1,3 milhões de m2 recebe um volume de
lixo de 8.000 toneladas/ dia , o que repre-
senta cerca de 240.000 toneladas/ mês. Este volume é transportado por cerca de 600
caminhões que chegam por dia ao aterro.

Este Aterro funciona desde 1976 como vazadouro de lixo urbano administrado pela
COMLURB. No ano de 1996, a partir de licitação aberta pela COMLURB, a Empresa
Queiroz Galvão passou a figurar como operadora com o objetivo de impor soluções
técnicas para questões como a recuperação da área de manguezal, o tratamento do
Chorume e do Biogás advindos do lixo e promover a transformação do que antes era
denominado “Lixão de Caxias” para um Aterro Sanitário.

Esta empresa teve como objetivo também implementar organização social das ações
de catação de material reciclável no Aterro, bem como realizar o controle e
credenciamento das pessoas que se encontravam trabalhando no aterro como catadores.
Algumas mudanças foram impostas como a proibição do trabalho infanto - juvenil e de
pessoas inaptas para o trabalho de catação, como idosos e portadores de deficiências
físicas ou mentais que comprometessem o desempenho de tal atividade.

Em 2001, a empresa EBEC assume a operação do aterro em um contrato de emergência


até o final do processo licitatório, em agosto de 2002, onde esta administração passou
para a empresa S. A. Paulista, atual operadora do Aterro, responsável por sua gerência,
manutenção e fiscalização.

Hoje a S.A. Paulista realiza a identificação, o controle e fiscalização da entrada de


catadores no aterro através da utilização de coletes com números e cores diferencia-
das para catadores prócooperativados e de depósito e através da utilização de senhas
em número proporcional ao tamanho (número de caminhões/ número de catadores) de
cada depósito cadastrado, exigindo destes, periodicamente listagem atualizada con-
tendo nome de todos os seus catadores.

A S.A. Paulista realiza o pagamento da Assistente Social e da Gerente Gestora que


trabalham com a Coopergramacho, realiza também a manutenção da Avenida Monte
Castelo, via principal que leva ao aterro, fornece verba para compra de carne da Cre-

4
Os participantes do 1º. Encontro de Integração Comunitária de Jardim Gramacho relativizam
estes dados considerando uma variação entre 7.000 e 8.000 toneladas por dia e 210.000 à
248.000 toneladas mês, chegando diariamente ao aterro de 600 à 1.000 caminhões / dia.

11
Diagnóstico Social - Agosto 2005

che Comunitária, além de ter construído a sede do Portal do Crescimento, da Escola


Municipal Mauro de Castro e do Posto de Saúde.

O Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho possui Estação de Tratamento de Chorume,


Praça de resíduos de Saúde e Rampa de Carreta, onde, de acordo com Lúcia Pinto,
atuam os catadores de depósito e prócooperativados ou catadores soltos. Possui ainda
a Rampa “Dona Maria” que recebe papel, papelão e caminhões de supermercado.

Em seu documento “Diagnóstico da Atividade de Catação” (2004) Lúcia Pinto relata a


existência de 1.700 catadores4 trabalhando durante o dia. Ressalta a dificuldade que a
S.A. Paulista tem de realizar o controle do acesso ao Aterro no período da noite.
Desta forma, não obteve, em sua pesquisa, dados precisos sobre a quantidade de
catadores existentes, realizando coleta no Aterro.

De acordo com a autora, podemos assim classificar a evolução do número de Catadores


trabalhando no Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho na última década:

Ano Nº de Catadores Empresa / Pesquisa


1993 600 ENGEVIX
1996 960 Queiroz Galvão
2002 1.060 / dia ENSP
2004 1.700 / dia Lúcia Pinto

3. Depósitos de Materiais Recicláveis

No levantamento realizado por Lúcia Pinto, apesar de existir em Jardim Gramacho um


total de 150 depósitos de diferentes portes situados no entorno do aterro, somente 42
depósitos estão cadastrados e autorizados pela S.A. Paulista a enviarem catadores para
a atividade de catação. Segundo informações dos participantes do 1º. Encontro de
Integração Comunitária de Jardim Gramacho o Bairro possui um número menor do que
150 depósitos. Estes consideram como corretos os 42 depósitos cadastrados, sendo os
demais desdobramentos destes 42 depósitos, pertencendo aos mesmos donos.

Estes possuem um total de 1.390 pessoas trabalhando, divididas em 1.190 catadores e


200 trabalhadores internos5 , trabalhando dentro do próprio depósito.

5
Este dado também foi questionado pelos participantes do 1º. Encontro de Integração Comunitá-
ria de Jardim Gramacho que consideram a existência de um número superior a 200 trabalhadores
internos nos depósitos.

12
Diagnóstico Social - Agosto 2005

Com relação à forma de contratação de seus trabalhadores o referido levantamento


aponta para 82,7% temporários e apenas 17,3% fixos exercendo cargos considerados de
confiança: compradores, classificadores, gerentes, secretárias e setor administrativo
em geral.

Os depósitos funcionam como intermediários comprando materiais coletados pelos


catadores e vendendo para grandes compradores (indústrias). Promovem também a
compra e venda entre depósitos.

Lúcia Pinto (2004) os classificam em 3 tipos:

1 – Precários: possuem precárias condições de trabalho e de higiene, realizam suas


atividades a céu aberto, em alguns casos funcionando próximo ao mangue;

2 – Semi-organizados: possuem caminhão para recolhimento no aterro e alguns traba-


lhadores fixos cadastrados. Possuem material para armazenamento, no entanto reali-
zam a separação do material também a céu aberto.

3 – Grandes depósitos: Apenas cinco foram considerados nesta categoria. Possuem


empregados fixos cadastrados, equipamentos diversos como a prensa que compacta e
organiza os fardos aumentando o valor agregado, balança, caminhões e poder de com-
pra do material recolhido pelos depósitos menores.

Independente do porte do depósito seu poder de negociação com os catadores é expresso


pela forma de pagamento imediata do material reciclável, pelo preço/ valor pago pelo
produto coletado e pela oferta de trabalho, bem como a disponibilidade de empregar
pessoas egressas ou fugidas do sistema penitenciário e pessoas sem documentação.

Ao visitar Jardim Gramacho podemos perceber uma progressiva utilização dos terrenos
para atividade de separação (mini-galpões, “rampinhas”) incluindo uma crescente uti-
lização de quintais, parte das casas e até mesmo casas inteiras para este fim6 . Ao
percorrer as ruas internas do bairro verificamos placas de pessoas alugando espaços
que antes eram utilizados para fins residenciais.

4. Comércio / Indústria

Com relação ao Comércio, verificamos que em todo o sub-bairro existe um expressivo


número de bares e biroscas e barracas, embora não tenhamos números precisos do
quantitativo destes estabelecimentos. De acordo com informações dos participantes
do 1º. Encontro de Integração Comunitária de Jardim Gramacho, somente próximo ao
aterro existem cerca de 35 comércios dentre barracas e bares.

Lúcia Pinto na Pesquisa “Diagnóstico da Atividade de Catação” (2004) trabalha com


uma amostragem de sete estabelecimentos localizados nas proximidades do Aterro,

6
Esta informação foi mencionada pelos participantes do 1º. Encontro de Integração Comunitária
de Jardim Gramacho como sendo alvo de muita preocupação por parte dos moradores de Jardim
Gramacho.

13
Diagnóstico Social - Agosto 2005

relata que em geral estão funcionando há, no mínimo oito anos, com sua clientela
constituída basicamente por empregados de depósitos, catadores e seus familiares.
Conforme esta pesquisa alguns produtos de supermercados, como material de limpeza,
enlatados e produtos de higiene, com validade vencida, chegam a estes estabeleci-
mentos comerciais e são vendidos aos consumidores locais.

De acordo com Valéria Bastos (2005), os bares, biroscas, barracas e botequins de médio
porte do entorno do Aterro vendem fiado alimentação, bebidas alcoólicas e cigarros
aos catadores que empenham seu dia de trabalho aos donos destes estabelecimentos
e, via de regra, o valor consumido diariamente ultrapassa a quantia que conseguem
receber por dia, gerando um ciclo de endividamentos constantes.

Segundo as entrevistas realizadas, em todo o Jardim Gramacho, existem aproximada-


mente oito padarias, um supermercado da rede “Unidos”, cerca de quatro mercearias
e a Garagem de ônibus do São Geraldo.

No que diz respeito a Indústrias, as entrevistas apontam uma média entre 35 e 40


fábricas instaladas no sub-bairro, dentre elas duas metalúrgicas (Pilares Aço e Iguaçu),
uma fábrica de parafusos, dois cortumes, uma fábrica de vidro, duas fábricas de moto-
res, quatro serrarias e três marcenarias, uma fábrica de tintas (Texa), uma fábrica de
“palha de aço”, uma marmoraria e uma fábrica de móveis de decoração (Síntese), uma
indústria de Álcool e Açúcar (Resende), uma fábrica de cigarros (Cabofriense), uma
fábrica de móveis (Móveis Ine) e uma fábrica de produtos de limpeza (Hiperquímica),
entre outras não identificadas.

5 - Educação

Segundo informações colhidas nas entrevistas realizadas, com relação a unidades de


ensino, o bairro possui 3 colégios estaduais, 2 municipais, uma escola e uma creche
comunitária, além de cerca de 20 escolas particulares (de pequeno e médio porte):

Estaduais
Colégio Estadual Lara Vilela
Esta Escola atende a apenas a 4ª série do primeiro segmento do ensino fundamental e
todo segundo segmento do ensino fundamental, de 5ª à 8ª série, nos períodos manhã e
tarde. Realiza também a Educação de jovens e adultos de 5ª à 8ª séries do segundo
segmento do ensino fundamental no período noturno.

14
Diagnóstico Social - Agosto 2005

Possui 815 alunos e, de acordo com entrevistas, este quantitativo está aquém da capa-
cidade instalada da escola, permanecendo algumas salas ociosas, de forma que poderi-
am abrir mais turmas.
Esta escola está iniciando um processo, junto a Secretaria Estadual de Educação para a
implantação do Ensino Médio em 2006.
Através da Orientadora Pedagógica realizam atividades de reciclagem e de educação
sexual através de grupos de discussão, oficinas e palestras abertas à comunidade e com
boa participação desta.
CIEP – 218 – Ministro Hermes de Lima
Atende ao primeiro segmento do ensino fundamental (de 1ª à 4ª serie) e ao Ensino
médio (1º, 2º e 3º anos do 2º Grau) e, em cada segmento de ensino, existe uma turma
de aceleração para jovens.
Funciona nos três turnos Manhã, Tarde e Noite e possui aproximadamente 550 alunos.
De acordo com entrevista realizada este quantitativo está muito aquém da capacidade
instalada da Escola.
Este CIEP possui um centro médico que atende satisfatoriamente aos seus alunos e
eventualmente a comunidade em campanhas e emergência, em geral ocorridas com
pais de alunos. Abriga os Programas “Agente Jovem” e “Programa de Erradicação do
Trabalho Infantil – PET” (que não está funcionando no momento), desenvolvidos pela
Prefeitura.
Colégio Álvaro Nego monte
Funcionam nesta escola o segundo segmento do ensino fundamental, de 5ª à 8ª séries,
e o ensino Médio. Com relação aos turnos, nos períodos Manhã e Noite funcionam o
ensino médio e a tarde de 5ª à 8ª séries.
Esta escola atende a aproximadamente 1200 alunos /dia e realiza campanhas de arre-
cadação de alimentos para serem doados ao Lar dos Desamparados (instituição geriá-
trica) e à Pastoral da Criança para o Mutirão da Desnutrição infantil de Jardim Gramacho.

Municipais:
Escola Municipal Jardim Gramacho
Atende ao C.A. e ao primeiro segmento do ensino fundamental, de 1ª à 4ª serie, em
período diurno (manhã e tarde), realizando também aceleração de jovens e adultos,
maiores de 15 anos neste mesmo segmento de ensino, no período noturno. Possui um
total de 1.013 alunos, sendo 800 durante o dia e 213 em à noite.
Escola Municipal Mauro de Castro
Esta escola foi construída pela S.A. Paulista. Possui 936 alunos e funciona nos turnos
manhã e tarde. Somente os alunos de 5ª e 6ª séries estudam no período 15 às 19 hs.
Atende a Educação Infantil (o que corresponde ao maternal e Jardins I e II), 1º ano do
ciclo (C. A), primeiro segmento do ensino fundamental e 5ª e 6ª séries do segundo
segmento do ensino fundamental. Com relação aos turnos, a escola se organiza da
seguinte forma:
Manhã – Educação infantil, CA, 1ª, 2ª e 4ª séries;
Tarde - Educação infantil, CA, 1ª, 2ª e 3ª séries;
De 15 às 19 hs - 5ª e 6ª séries.

15
Diagnóstico Social - Agosto 2005

Comunitário:
Creche Comunitária
Possui 70 crianças por dia que permanecem na escola nos períodos manhã e tarde. Com
relação a alimentação recebe mensalmente o dinheiro referente a compra de toda a
carne utilizada na alimentação das crianças, da pela empresa S.A. Paulista.
Escola Comunitária
Possui 105 alunos na Educação Infantil. Realiza ainda, em parceria com o CEDAC, aulas
de complementação pedagógica para seus alunos e informática para 63 alunos da co-
munidade, com idades variando entre 7 a 14 anos.
Tanto a Creche quanto a Escola Comunitária fazem parte da ação social da Igreja Cató-
lica, da Paróquia de vila São Luiz que é ligada a Diocese de Caxias.
Até 2004 possuía financiamento do Governo Federal, porém este ano vive de campanha
do apadrinhamento realizada pela Igreja e das doações conseguidas através de com-
promissos firmados por empresas locais.
Nas entrevistas realizadas relatam não conseguir realizar um trabalho com os pais dos
alunos, pois em sua maioria são catadores e estes não param suas atividades para
comparecer a reuniões.

Particulares:
Com relação aos Colégios Particulares de Jardim Gramacho os que mais se destacam
são: Colégio Deco, Colégio Abc da Alegria, Casinha Feliz, Colégio “da Penha”. Verifica-
se ainda aproximadamente 15 colégios particulares de menor porte.

Portal do Crescimento:
A Idéia do portal do Crescimento surgiu a partir do trabalho Mutirão da Desnutrição
Infantil – Educação, Nutrição e Cidadania – desenvolvido em Jardim Gramacho pela
Diocese de Duque de Caxias reunindo as pastorais da criança, da família e da promoção
humana, através da Casa da Ação Social, que realiza acompanhamento mensal de cri-
anças em estado de desnutrição até seis anos de idade.
Com base nesta experiência, em 2004, a Prefeitura de Duque de Caxias inaugurou o
Portal do Crescimento com o objetivo de ser um espaço onde as crianças, em estado de
desnutrição, pudessem permanecer em horário integral realizando quatro refeições
(café da manhã, almoço, lanche e jantar) apropriados para suas recuperações.
Esta proposta efetuou-se em parceria com a S.A. Paulista que construiu a sede do
Portal e com a Diocese de Caxias, através da Casa da Ação Social que indicou as crian-
ças em estado de desnutrição grave, que deveriam fazer parte do programa. Até hoje
para as crianças fazerem parte do Portal do Crescimento tem que ter passado pelo
Mutirão de Desnutrição Infantil e encaminhados por estes para o portal.
O Portal do Crescimento tem como objetivo tirar as crianças da desnutrição e trabalhar
os conteúdos pedagógicos da educação infantil, de acordo com suas faixas-etárias.
Funciona de 8 às 17 horas com 74 crianças divididas em 4 turmas, da seguinte forma:

Nº de Crianças Faixa etária Profissionais


15 De 1 ano à 1 ano e 8 meses 1 professora e 2 estimuladoras
17 De 1 ano e 8 meses à 2 anos e meio 1 professora e 2 estimuladoras
21 De 2 anos e meio à 3 anos 1 professora e 1 estimuladoras
19 De 3 anos à 5 anos 2 professoras e 1estimuladoras

16
Diagnóstico Social - Agosto 2005

Além dos profissionais constantes na tabela, o Portal conta ainda com a atuação de Assis-
tente Social, Nutricionista, Pediatra, Orientadora Educacional e Técnica em Enfermagem.

6. Saúde

Com relação à saúde, Jardim Gramacho possui um posto Médico e o Programa de Saúde
da Família.

- O Posto de Saúde da Prefeitura Edina Siqueira Sales funciona neste sub-bairro há cinco
anos: durante quatro anos permaneceu na estrutura onde hoje funciona o PSF e há um
ano ocupa sede nova, construída pela S.A. Paulista, empresa que administra o Aterro
Metropolitano de Jardim Gramacho.

Funciona de segunda a sexta feira de 08:00 às 17:00 h, realizando cerca de 1.300


atendimentos por mês nas seguintes especialidades:

Especialidade Atendimento Atend./dia Atend./mês Observações


Clínica Médica 2a a 6a-feira 30 240
Pediatria 3 a 4 -feira
a a
40 320
Ginecologia 3a a 5a-feira 30 240
Odontologia 2 , 4 , 5 e 6 -feira
a a a a
* 296 A Odontologia realiza 74
atendimentos por semana.
Pré-natal 2 , 4 e 6 -feira
a a a
17 204 Este atendimento iniciou em Abril de 2005
e a médica entrou de licença em maio de 2005.

- O Programa de Saúde da Família - PSF realiza ações para prevenir doenças e para
minimizar problemas de saúde dos moradores. Este trabalho é realizado através aten-
dimentos domiciliares às famílias cadastradas no programa, feitos por agentes comuni-
tárias e enfermeiras. Conta também com palestras e atendimentos na Unidade de
Saúde da Família localizada na Rua Manicoré. Nos casos em que é detectada a necessi-
dade de maior especificidade no atendimento, estes são encaminhados para o Posto de
Saúde Edna Siqueira Sales ou para outra unidade de atendimento do Município.

Realizam atendimento em Ginecologia, Pré-natal, Puericulturas (acompanhamento


mensal crianças de 9 -1 ano), Fisioterapia e Nutrição. Possuem uma estrutura bem
montada em local onde antes funcionava o Posto de Saúde Edna Siqueira Sales.

Realizam hoje, com quatro equipes, cerca de 4.400 acompanhamentos. Cada equipe
atende a 1.100 famílias. Neste momento o PSF de Jardim Gramacho ganhou mais uma
equipe e, desta forma, objetiva cadastrar 100% da comunidade.

7. Transporte

Apenas a empresa de ônibus Auto Viação Regina’s realiza o transporte rodoviário para
Jardim Gramacho. Possui duas 2 linhas de ônibus: Central do Brasil - Jardim Gramacho
e Hospital Duque de Caxias – Jardim Gramacho. Esta última, em Jardim Gramacho,
realiza 3 percursos distintos: via COHAB, via rua Pistóia e via rua Monte Castelo.

17
Diagnóstico Social - Agosto 2005

Segundo informações dos participantes do 1º. Encontro de integração Comunitária de


Jardim Gramacho, do ano de 2.000 para cá houve um aumento no número de ônibus
circulando diariamente por Jardim Gramacho de 12 que para 20. Avaliam que houve
uma melhoria, no entanto não foi o suficiente, pois o bairro também cresceu de forma
que são poucos os ônibus para atender a necessidade da população. Reivindicam ainda
a criação de uma linha que percorra a Washington Luiz até gramacho, entrando direto
na Rua Frei Caneca e Avenida Monte Castelo, não entrando no bairro Beira – Mar.

8. Presença ou Ausência dos Serviços Públicos


Qualidade dos Serviços Públicos

Com relação aos Serviços Públicos, em Jardim Gramacho destacam-se os serviços de


saúde. As entrevistas realizadas ressaltam o esforço do Secretário de Saúde Oscar
Berro na implementação e ampliação do PSF visando atender a toda a população do
sub-bairro. A atuação do Posto de Saúde (da prefeitura) também é reconhecida, embo-
ra também vivencie momentos de escassez, funciona com a boa vontade e compromis-
so de seus profissionais.

No que diz respeito às escolas, os entrevistados reclamam do estado de conservação de


algumas, da qualidade do ensino e do número de vagas oferecidas que está aquém da
demanda local. No entanto, é importante ressaltar que não tivemos acesso, neste pré
diagnóstico, ao número de crianças em idade escolar residentes em Jardim Gramacho.
Segundo as entrevistas realizadas, os vereadores eleitos com o apoio dos moradores
locais possuem significativa força política na identificação e implementação de ações
de desenvolvimento e melhoria do sub-bairro.

Com relação a outras esferas de governo, a Federação das Associações de Moradores de


Duque de Caxias – MUB, realizou no bairro o trabalho de cadastro do Bolsa Família –
Programa do Governo Federal, porém esbarrou na burocracia do programa diante da
miséria e escassez de informações dos moradores locais.

Para receber a bolsa, todas as crianças da família teriam que estar matriculadas na
escola (em um local que não tem escola para todo mundo e a condução para outros
bairros é precária) e estar com a vacinação em dia (tinha gente que nunca havia sido
vacinada). Alguns não puderam nem se cadastrar, pois não tinham certidão de nasci-
mento e conseqüentemente, não tinham outros documentos. Das 400 pessoas cadas-
tradas, apenas 200 recebem hoje a bolsa.

18
Diagnóstico Social - Agosto 2005

IV – ORGANIZAÇÃO SOCIAL
1. Os Catadores de Material Reciclável

Em 1996 a perperctiva da COMLURB era possibilitar que os trabalhadores que estavam


trabalhando no aterro como catadores virassem cooperativados. O serviço Social ca-
dastrou, na época, 960 catadores na área de catação. Destes apenas 30 entraram para
a Coopergramacho. No entanto a perspectiva da COMLURB era que todos entrassem e
desta forma, havia o entendimento de que todos os demais catadores eram Pró-
cooperativados. Gradativamente outros catadores foram entrando na Coopergramacho
que hoje possui 142 cooperativados.

Em 2002 o Serviço Social realizou com os catadores um questionário contendo três


perguntas referentes ao destino que gostariam de vivenciar em suas atividades de tra-
balho com o término das atividades do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho:
- Se buscaria outro tipo de trabalho;
- Se entraria para a Coopergramacho;
- Se gostaria de participar de outras cooperativas.

A grande maioria dos catadores declarou que, com o término do aterro, gostaria de
fazer parte de núcleos descentralizados entrando para a Coopergramacho, o que refor-
çou o entendimento acerca dos catadores que não fazem parte da cooperativaserem
prócooperativados.

Lucia Pinto (2004) em sua pesquisa classifica os catadores em 3 categorias:


Categoria Identificação Forma de Trabalho Total
Cooperativados Uniforme próprio Pertencentes a Coopergramacho realizam trabalho 142
nas linhas de triagem com esteiras mecânicas em
local próprio.
Prócooperativados Colete Azul Trabalho no aterro, junto às rampas. 368
Catad.de Depósito Colete Amarelo Trabalho no aterro, junto às rampas. 1.190
TOTAL 1.700

Os catadores que declararam que, com o término do aterro, gostariam de fazer parte
de núcleos descentralizados entrando para a Coopergramacho ou participando da cria-
ção de novas cooperativas como alternativa de trabalho, foram denominados pelo Ser-
viço Social da S.A. Paulista de Prócooperativados. Estes são conhecidos também como
catadores soltos, pois não fazem parte da cooperativa e não são trabalhadores fixos de
nenhum depósito.

De acordo Lúcia Pinto os catadores Prócooperativados possuem o seguinte perfil: Em


sua maioria são do sexo masculino (69%), a faixa etária predominante é a de 18 a 40
anos (57%) sendo expressivo também a faixa acima de 50 anos (maior que 20%), a
maioria (80%) encontra-se entre 11 a 30 anos desenvolvendo trabalho de catação no
aterro. A renda obtida com este trabalho varia entre R$ 600,00 e R$ 1.200,00, podendo
variar de acordo com sexo, idade, número de horas trabalhadas e experiência na ativi-
dade de catação.

Os Catadores de Depósito trabalham na rampa coletando material reciclável para depó-


sitos específicos estando a venda de suas mercadorias teoricamente comprometida
com este comprador.

19
Diagnóstico Social - Agosto 2005

Segundo a mesma pesquisa, pouco mais da metade (52%), mesmo cadastrado e rece-
bendo coletes com o número de um determinado depósito, não trabalha apenas para
um depósito vendendo a mercadoria coletada para quem paga o maior preço. Alguns
depósitos preferem trabalhar com catadoras mulheres, pois são “fiéis” na venda do
material coletado.

A maioria dos trabalhadores de depósito trabalha de segunda a segunda (67%) e alega


exercer suas atividades de dia e a noite (37%). Um total de 34% trabalha somente
durante o dia e 20% trabalha somente à noite.

Estes trabalhadores, em geral, são jovens, a maioria são homens entre 18 e 30 anos e
possuem de 3 a 6 filhos. Quando perguntados acerca do rumo que gostariam de dar as
suas atividades profissionais, apenas 1% relatou o desejo de entrar na Coopergramacho.
61% gostaria de fundar cooperativas de reciclagem em Caxias e 38% desejam buscar
outro tipo de trabalho.

2. A Coopergramacho – Cooperativa de Catadores do Aterro Metropolitano de


Jardim Gramacho
De acordo com Valéria Bastos (1998), no ano de 1996, o contrato firmado entre a
Construtora Queiroz Galvão e COMLURB pre-
via a transformação do contexto de catação
existente - com catadores residentes no ater-
ro, presença de crianças e adolescentes, uti-
lização de alimentos do lixo como formas de
sobrevivência com a presença de catadores
que apenas coletavam comida e roupa, pre-
sença de portadores de deficiência, entre ou-
tros casos - para formas mais humanizadas
de organização do trabalho, fora do vazamen-
to do lixo e sob orientação cooperativista.

Atendendo a cláusulas contratuais a Constru-


tora Queiroz Galvão implantou o Trabalho
Social no Aterro, objetivando a organização do trabalho dos catadores, visando adaptá-
los às novas formas de operação do Aterro.

A equipe Social iniciou este trabalho dividido em algumas etapas: Identificação da


população de catadores; Estudos das demandas sociais levantadas; Cadastramento dos
Catadores com aplicação de questionário. Nesta última etapa ocorreram assembléias,
foi eleita a Comissão de Catadores Pró-Cooperativa do Jardim Gramacho, com o obje-
tivo de organização, reflexão e mobilização a respeito da formação da cooperativa e
de várias e reuniões com esta comissão. Ocorreu também a Assembléia de criação e
eleição da diretoria.

A Coopergramacho foi fundada em 14 de agosto de 1996 começando a funcionar em 8


de novembro do mesmo ano.
Instalada na entrada do Aterro, possui hoje 142 cooperativados e funciona diariamente
de 08:00 às 17:00hs.
Suas instalações, foram construídas em 1996 pela Queiroz Galvão, com vestuários

20
Diagnóstico Social - Agosto 2005

individuais (homens e mulheres) sanitário, chuveiros e armário, refeitório com freezer,


fogão e geladeira.

A Cooperativa possui dois módulos de produção, cada um com 1 prensa e 2 esteiras de


triagem utilizadas de dois lados - possibilitando 8 frentes de trabalho e um galpão de
prensagem onde encontram-se 2 prensas (totalizando 4 prensas) e uma empilhadeira.
Estes equipamentos também foram fornecidos, à época, pela Construtora Queiroz Galvão
e permitem o beneficiamento de materiais recicláveis recebidos de cerca de 22 cami-
nhões/dia. Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) utilizados são subsidiados em
50% pela S.A. Paulista.

Os cooperativados eleitos são responsáveis pela gestão financeira e administrativa da


cooperativa. A S.A. Paulista arca com as despesas da Assiste Social e do Gerente Gestor.

Os produtos mais comercializados pela cooperativa são os fardos de papel (papel, pa-
pelão e papel arquivo), sucata ferrosa, alumínio e pet e seus principais compradores
são a Recipet, a Resende, a Paraná, a Associação Brasileira de Compra de material
Reciclável e compradores locais.

Com o suporte do Serviço Social da S.A. Paulista, a Coopergramacho participou de


inúmeros eventos, dentre eles, em 2004, da Feira de Projetos, com o objetivo de cap-
tar recursos e parceiros e vem mantendo parceria com o IBISS – Instituto Brasileiro de
Inovação em Saúde Social que realizou, junto aos catadores campanhas de prevenção a
DST/ Aids, de Hanseníase, entre outras.

De acordo com entrevista realizada com Sebastião – Vice-presidente da Coopergramacho,


a partir do processo de organização e consolidação da cooperativa, bem como sua
relação com outras instituições, inicia-se uma importante reflexão acerca da necessi-
dade de uma representação oficial dos catadores, desvinculada da cooperativa e para
além dos 142 cooperativados.

Segundo Sebastião fazer parte da cooperativa permitiu a alguns catadores a participa-


ção em diversos encontros e fóruns de debates sobre a atividade de Catação de Mate-
riais Recicláveis, proporcionou o encontro com as discussões acerca da institucionalização
desta atividade como Profissão, proporcionando também a visualização de como está a
o processo de organização da categoria ao nível nacional. Desta forma, começa a ser
gestada a idéia da criação de uma Associação que possa representar, não só o catador
cooperativado, mas também os pró-
cooperativados e catadores de Depósito que
realizam suas práticas cotidianas no Aterro.

3 - Associação de Catadores de Material


Reciclável de Jardim Gramacho

Sebastião, que hoje também faz parte da


comissão organizadora da Associação de
Catadores, relata que, em agosto de 2004,
lideranças da Coopergramacho iniciam um

21
Diagnóstico Social - Agosto 2005

processo de discussão da necessidade de haver uma representação oficial dos catadores


de materiais recicláveis de Jardim Gramacho, impulsionado pelo contato realizado por
tais lideranças com fóruns e espaços de discussão acerca da atividade de Catação.
Outro fato impulsionador foi à determinação de fechamento do Aterro metropolitano
previsto para o final de 2005.

Até janeiro de 2005 um grupo de 12 catadores (cooperativados e não pertencentes à


cooperativa), auto-intitulados “Comissão Pró-Associação de Catadores” se reunia para
discutir e gestar tal Associação, participava de encontros da categoria, escolhiam (e
testavam) pessoas para figurarem como “lideranças” dos catadores.

O II Encontro Latino Americano de Catadores de Materiais Recicláveis realizado em São


Leopoldo RS, em janeiro de 2005, marca o início das atividades da Associação de
Catadores de Material Reciclável de Jardim Gramacho com a consolidação de três obje-
tivos principais:
- Garantir trabalho para os catadores após o término das Atividades do Aterro
Metropolitano de Jardim Gramacho – Principal preocupação da Associação hoje;
-Criar projetos na comunidade através da Associação de Catadores;
-Lutar para a implantação de coleta seletiva no município de Duque de Caxias,
realizada e gerida pela Associação.

Associação de Catadores de Material Reciclável de Jardim Gramacho possui hoje cerca


de 1.100 catadores identificados e cadastrados, aguardando sua oficialização. Objeti-
va realizar a inscrição de no mínimo 2.000 catadores.
As principais atividades realizadas até então foram:
- Início do processo de cadastramento dos catadores;
- Dia de mobilização na comunidade de Jardim Gramacho realizado no dia 14
de maio de 2005 - com o objetivo de iniciar um processo de mobilização e
sensibilização dos catadores para filiação na Associação e juntos com os mora-
dores do bairro iniciarem uma discussão sobre os destinos do sub-bairro após o
término do Aterro Metropolitano;
- Reuniões internas e externas através do Fórum Lixo e Cidadania, de reuniões
com sindicatos e outras instituições;
-Participação em Audiências públicas que discutem o destino do Aterro Metro-
politano;
- Organização em conjunto com a Coopergramacho do I Encontro de Catadores
da Baixada Fluminense.

22
Diagnóstico Social - Agosto 2005

4 – Igrejas

Com relação a Igrejas Católicas, de acordo com as entrevistas realizadas, em Jardim


Gramacho funciona a Paróquia Imaculada Conceição da Vila São Luiz. As atividades
desta paróquia se dividem neste sub-bairro em 3 Igrejas: a Igreja de Nossa Senhora da
Penha (central), a Igreja de São Pedro (mais próxima ao aterro) e a Igreja de Nossa
Senhora da Aparecida.

Além das atividades comuns à Igreja católica como batismo, casamento, crisma,
catequese e missa, funcionam nesta paróquia, as pastorais: familiar, da promoção hu-
mana, com destaque para a atuação da pastoral da criança.

Esta, em parceria com a FASE realizou o Projeto Mutirão da Desnutrição infantil – Edu-
cação, Nutrição e Cidadania.

Jardim Gramacho foi apontado como bairro onde 15% de suas crianças estão em risco
nutricional sendo que 12% já com desnutrição grave. O Mutirão realizou a pesagem de
todas as crianças de Jardim Gramacho. Desta forma, as crianças que apresentavam
algum grau de desnutrição recebiam a multi-mistura caracterizada como reforço ali-
mentar apropriado para casos de desnutrição.

Jardim Gramacho foi apontado como bairro onde 15% de suas crianças estão em risco
nutricional sendo que 12% já com desnutrição grave. O Mutirão realizou a pesagem de
todas as crianças de Jardim Gramacho. Desta forma, as crianças que apresentavam
algum grau de desnutrição recebiam a multi-mistura caracterizada como reforço ali-
mentar apropriado para casos de desnutrição. Hoje, este trabalho é realizado na Igreja
Nossa Senhora da Penha, pela Pastoral da Criaça que acompanha mensalmente as
crianças desde a gestação das mães até 6 anos de idade, através de visitas domiciliares
e convite para comparecimento na Igreja.

A Casa da Ação Social é um espaço construído e coordenado pela Igreja Católica (Paró-
quia Imaculada Conceição da Vila São Luiz) localizada no Parque Planetário, em Jardim
Gramacho com o objetivo de possibilitar a realização dos trabalhos das pastorais junto
a esta localidade.

Com relação aos trabalhos desenvolvidos realizou encontros de Saúde - em parceria


com o posto de saúde de Jardim Gramacho - disponibilizando seu espaço físico para um
melhor atendimento das pessoas residentes no Parque Planetário, incluindo também
ações de vacinação.
Hoje Paróquia Imaculada Conceição da Vila São Luiz utiliza as dependências da Casa
para os seguintes projetos:

- Celebração da vida – Vem reunindo um número considerável de participan-


tes. Realizada aos Domingos pelo diácono Bento. Neste encontro além de uma
conversa (que não chega a ser uma missa) discutem diversos problemas
vivenciados pelos participantes, possíveis soluções e escutam a “palavra de
Deus”. Às vezes tem um almoço ou um lanche.

23
Diagnóstico Social - Agosto 2005

- Reuniões – Têm sido freqüentes as reuniões com o Conselho Tutelar local,


para encaminhamento de problemas detectados, esclarecimento de dúvidas e
atendimento a solicitações dos moradores.

De acordo com as entrevistas realizadas, outro trabalho que se destaca nesta paróquia
é o Projeto “Centro de Convivência” que objetiva a Geração de Trabalho e Renda a
partir da Reciclagem. Este Projeto antigo da Paróquia foi reformulado a partir de uma
parceria com Unigranrio que também conseguiu seu financiamento junto a FIRJAN.
Este Projeto tem como objetivo possibilitar as pessoas participantes, uma outra forma
de ganhar dinheiro com o lixo que não seja a catação a céu aberto no Lixão (aterro
Controlado).

O projeto em sua primeira etapa já realizou oficinas de reciclagem e reaproveitamento


para um público de aproximadamente 120 pessoas (60 ligadas às escolas locais, dentre
professores e funcionários e 60 catadores). Estas oficinas foram realizadas pela
Ecomarapendi e financiada pela FIRJAN e empresas ligadas a esta instituição.

A Paróquia Imaculada Conceição da Vila São Luiz doou um terreno para a construção de
um galpão que será equipado com uma prensa, para que se concretizem as próximas
etapas do projeto. Este estará recebendo materiais (recicláveis) doados pelas
empresasligadas a FIRJAN e pelo comércio de Jardim Gramacho. Este material será
pré-selecionado e beneficiado, agregando valor a matéria prima, que será revendida
para empresas como a LATASA e a TETRA PACK. Alguns destes materiais serão
reaproveitados em atividades que gerem renda, como por exemplo, a produção de
vassouras de Pet.

As entrevistas relatam ainda a existência de aproximadamente 17 igrejas evangélicas


dentre Igrejas Pentecostais e Neopentecostais.

É importante ressaltar o trabalho realizado pela UFEJAG – União Feminina do Jardim


Gramacho grupo de Mulheres oriundas de 13 diferentes Igrejas evangélicas locais:

- Igreja Assembléia de Deus de Jardim Gramacho;


- Igreja Evangélica Adventista Prainha;
- Igreja Tabernáculo da Benção;
- Igreja Pentecostal da Aliança;
- Igreja Congregacional Monte Sinai;
- Igreja Congregacional da Paracatu;
- Igreja Adventista Ministro Castelar;
- Igreja Batista da Rua Larga;
- Igreja Batista do Calvário;
- Igreja Congregação Getsemane;
- Igreja Congregação Rui Barbosa;
- Igreja Congregação Laminação;
- Igreja Adventista Monte Castelo

Este grupo já possui Estatuto e sua diretoria é composta por 24 mulheres. A presidente
atual faz parte da Assembléia de Deus de Jardim Gramacho. Juntas realizam atividades

24
Diagnóstico Social - Agosto 2005

internas de integração entre as igrejas através dos “Cultos Matutinos Itinerantes”,


realizados no 1o. sábado de cada mês, de 6 às 8:00hs da manhã e “Reuniões Bíblicas”
também itinerantes realizadas a cada 2ª. segunda-feira do mês.

Com relação as atividades externas voltadas para a comunidade, realizam a cada 2


meses, em um sábado de 9 às 15:00hs o que denominam “Ação Social”. Trata-se de um
dia, em determinadas localidades de Jardim Gramacho, onde um grupo escalado e
composto por cerca de 20 mulheres realizam corte de cabelo, banho e higiene pessoal
em idosos, deficientes e doentes, curativos, doação de roupas, além da distribuição de
um sopão. Toda a UFEJAG trabalha na organização do evento que, segundo entrevistas
realizadas, atende a aproximadamente 500 pessoas por acontecimento.

Este Grupo de Mulheres realiza ainda Encontros da Terceira Idade com uma participa-
ção média de 50 idosos, onde realizam palestras de prevenção a saúde com temas
como hipertensão, diabetes, prevenção de câncer de útero e próstata, trabalham
readaptação familiar, cursos de evangelismo e diversas atividades e dinâmicas que
proporcionem “colocar a mente para trabalhar”.

5 - Associação de Moradores

Segundo informações obtidas nas entrevistas realizadas, em Jardim Gramacho existe


apenas uma Associação de Moradores legitimada - a Associação de Moradores do Parque
Planetário - com representantes eleitos, inscrita na Federação das Associações de Mo-
radores de Caxias – MUB.

Citam, contudo a existência de um advogado, o Senhor Jovelino de Paula, que anda


com a documentação da Associação de Moradores do Bairro de Jardim Gramacho, se
apresenta enquanto tal em fóruns, porém esta não tem sede, não tem atuação na
localidade e nem se tem notícias do processo que o elegeu.

Com relação à do Parque Planetário, seu presidente afirma que esta Associação respon-
de aos anseios da população residente e a representa, pois foi eleito e tem conseguido
trazer melhorias para a localidade como a energia elétrica, trazida por ele recente-
mente. Demais pessoas relatam que esta associação é muito ligada aos vereadores
locais.

Esta Associação não realiza nenhuma ação em conjunto com o MUB. Somente procura-
ram o MUB no período da eleição da diretoria da Associação atual, para a legitimação
do processo.

Com relação a demais Comunidades/ localidades deste sub-bairro, estas não possuem
Associações de Moradores.

25
V - INSTITUIÇÕES / GRUPOS ATUANTES
Instituição / Grupo Tipo O Que faz? Atuação em Jardim Gramacho Público Beneficiado Contato

Nova Pesquisa em ONG Cursos de capacitação e formação política e Catadores de Material Recicláveis do Adriana Motta /
Educação Popular apoio à Organização Comunitária RJ, Cooperativas de Catadores Jorge Munhoz

Ecomarapendi / Unigranrio ONG Proposta de geração de trabalho e renda; Cursos Catadores de Materiais Recicláveis, Cristina Borges /
de Reaproveitamento de material reciclável Moradores do Bairro de Jardim Mauro Guimarães
visando comercialização e organização Gramacho e Professores das Escolas
comunitária para cooperativismo. Públicas e Comunitárias de Jardim
Gramacho.

IBISS – Instituto Brasileiro de ONG Campanhas de Saúde, cursos de capacitação e Cooperativa de Catadores de Jardim Evaldo /Saskia
Inovação em Saúde Social formação política e apoio à Organização Gramacho, Ricamare e Associação de
Comunitária. Catadores de Jardim Gramacho.

CEDAC – Centro de Ação ONG Cursos de Informática e Complementação Alunos da Escola Comunitária de Jardim Zélia
Comunitária Pedagógica em parceria com a Escola Gramacho e crianças e adolescentes
Comunitária de Jardim Gramacho das Comunidades do Sub-bairro

Fórum Lixo e Cidadania - RJ Articulação Apoio à organização da Associação de Catadores Catadores e seus dependentes Pólita

S.A Paulista Empresa Operadora do Aterro Metropolitano de Jardim Múnicípios: Rio de Janeiro, Duque de Valéria
Gramacho Caxias, Nilópolis, Mesquita, São João de
Meriti e Queimados

Coopergramacho Cooperativa Separação e beneficiamento de resíduos sólidos Financiamento: Creche Comunitária Valéria
visando a comercialização e geração de trabalho Parceria: Coopergramacho
e renda para seus membros.

Associação de Catadores de Associação Representação formal dos Catadores de Jd. Membros cooperativados Sebastião
Material Recicláveis de “em Gramacho, organização da categoria e
Jardim Gramacho formação” articulações municipais, estaduais e federais da Catadores Materiais Recicláveis de Zumbi
classe catadora. Jardim Gramacho
Diagnóstico Social - Agosto 2005

26
Instituição / Grupo Tipo O Que faz? Atuação em Jardim Gramacho Público Beneficiado Contato

UFEJAC – União Feminina de Associação Ações Sociais, Cultos e Reuniões Bíblicas Comunidades / localidades de Jardim Eliane
Jardim Gramacho de Mulheres itinerantes, Encontros da 3a. Idade Gramacho em geral, Idosos e Mulheres.
de Igrejas
Evangélicas

Associação de Moradores do Associação Organização Comunitária local, representação Moradores do Parque Planetário Gilson
Parque Planetário de Jardim formal da comunidade.
Gramacho

MUB - Federação das Associação Assessoria às Associações de Moradores do Associações de Moradores / Solange / D. Paula
Associações de Moradores de município, representação popular nos comunidade em geral
Duque de Caxias Conselhos de Direitos Municipais.

Casa da Ação Social Ação Social Acompanhamento mensal de crianças desde a Moradores do Parque Planetário e Luiza/ Maria das Neves
da Igreja gestação das mães até 6 anos de idade, através Moradores do Jardim Gramacho, em
Católica de visitas domiciliares e convocação para geral.
comparecimento na casa, Domingos de
celebração da vida, Reuniões e Encontros de
Saúde. Trabalha em parceria nas ações da
ECOMARAPENDI e UNIGRANRIO.

ICEC Ong Projeto “Pé na Escola” – combate o trabalho Atende diretamente a 150 crianças das Rita / Nádia
Instituto Central de Cidadania infantil promovendo o ingresso/ reingresso comunidades Maruim, Parque
escolar, realizando também reforço escolar , Planetário e Esqueleto.
noções de cidadania e meio ambiente e doação
mensal as famílias das crianças participantes de
alimentos não perecíveis para que mantenham
seus filhos na escola

Associação Social e Esportiva Associação Realiza atividades esportivas como Karatê, Todo o sub-bairro Jardim Gramacho Sr. Xavier / Sandra
Xavier - AREX Kung – Fú, Judô, ginástica Localizada e
Diagnóstico Social - Agosto 2005

27
Diagnóstico Social - Agosto 2005

VI – Questões / Problemas Mais Evidentes


Desafios de Jardim Gramacho
Estão aqui relacionadas as questões / Problemas / Desafios levantadas durante as en-
trevistas e indicadas nos textos, trabalhos e teses consultados para a construção deste
diagnóstico.

- Poeira – devido ao intenso tráfego de caminhões;


- Sujeira e mau cheiro – ocasionado pelo surgimento de inúmeras “Rampinhas”
e depósitos clandestinos de separação de lixo e pela queda constante de dejetos
e Chorume dos caminhões principalmente na avenida Monte Castelo;
- Barulho ocasionado pelo intenso tráfego de caminhões;
- Atividade de Catação realizada clandestinamente por Crianças e Adolescen-
tes;
- Vazadouros clandestinos de lixo - “Rampas” que se proliferam no bairro;
- Existência de inúmeros vetores de doenças como ratos e baratas decorrente
do aumento do número de depósitos clandestinos de lixo;
- Violência / falta de segurança aumento do roubo de casas e assaltos em
depósitos;
- Grande incidência de dependência química - Alcoolismo / Drogas;
- Existência de apenas 4 linhas de ônibus que circulam pelo bairro;
- Falta de opção de lazer;
- Falta de opções de ocupações para os jovens;
- Demanda por oferta de vagas em creches gratuitas no sub-bairro;
- Falta de segurança nas proximidades do CIEP – 218 – Ministro Hermes de
Lima.
Este se encontra em uma área mais afastada da comunidade e considerada
perigosa pelos moradores.
- Ausência de saneamento básico em algumas localidades;
- Existência de um número grande de pessoas sem documentos, algumas sem
certidão de nascimento;
- Incidência de doenças alérgicas, respiratórias, DST, HIV, Hanseníase, entre os
moradores do bairro e trabalhadores do Aterro;
- De acordo com a Associação de Catadores de materiais recicláveis de Jardim
Gramacho: “Existem dois bairros dentro de Jardim Gramacho: O 1º beneficia-
do pelos projetos sociais e pela Prefeitura e o 2º, onde mora a maioria da
população de Jardim Gramacho é esquecido pelas instituições e pelo Governo
Municipal.
- Perspectiva do encerramento das atividades do Aterro Metropolitano de Jar-
dim Gramacho – Hoje figura como a principal questão mobilizadora que coloca
outra grande questão desafiadora: Qual vai ser a opção de geração de trabalho
e renda para a População de Jardim Gramacho?

28
Diagnóstico Social - Agosto 2005

VII - Prioridades / Propostas Preliminares


As propostas preliminares expostas aqui como prioridades para o bairro de Jardim
Gramacho foram discutidas e elaboradas enquanto tais no 1º Encontro de Integração
Comunitária de Jardim Gramacho realizado na Escola Municipal Mauro de Castro no dia
28 de Julho de 2005. Neste encontro estiveram presentes um total de 50 pessoas
dentre elas representantes de instituições públicas que funcionam no bairro, de gru-
pos associativos locais e representantes de ONGs atuantes em Jardim Gramacho.

Educação
1. Construção de uma Creche no sub-bairro, de preferência na avenida Pistóia;
2. Construção/ Aumento do número de Escolas Municipais que atendam os segmentos:
Creche, Educação Infantil e 1º segmento do Ensino Fundamental, principalmente nas
proximidades do Maruim e Chatuba (áreas mais pobres do bairro);
3. Ampliação das vagas do segundo segmento do ensino fundamental e do ensino mé-
dio;
4. Ampliação das vagas de alfabetização de adultos, com horário alternativo diurno e
a realização de campanhas e mobilizações destes adultos para participarem dos cursos
oferecidos;
5. Construção de uma Escola Técnica;
6. Segurança próximo ao CIEP e realização de campanha para incentivar o retorno dos
alunos ao CIEP;
7. Realização de Cursos de Capacitação profissional e programas de incentivo aos jo-
vens;
8. Criação de Bibliotecas com atividades culturais;

Saúde
1. Construção de um Posto de Saúde 24 horas no bairro;
2. Realização de Campanhas de Saúde;
3. Maior atendimento do Posto de Saúde, principalmente para as comunidades mais
recentes / mais pobres;
4. Realização de programas que incentivem o Planejamento Familiar;
Habitação
1. Melhorar as condições de habitação.

29
Diagnóstico Social - Agosto 2005

Condição de Vida no Bairro


1. Realização do total saneamento e pavimentação do sub-bairro;
2. Ampliação do fornecimento de água para as áreas mais pobres, de ocupação recen-
te;
3. Melhoraria do transporte coletivo do sub-bairro: aumento do número de ônibus e
permissão para atuação de outra empresa;
4. Apoio e fortalecimento e ampliação e das atividades de esporte realizado há mais de
10 anos pela Associação Recreativa e Esportiva Xavier - AREX;
5. Realização de Atividades Esportivas e Culturais para jovens principalmente nos finais
de semana;

Programas Sociais
1. Reativação e ampliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI;
2. Ampliação do Programa de Saúde da Família – PSF.
3. Implantação do projeto “Jovem Pela Paz” do Governo do Estado do Rio de Janeiro;
4. Ampliação de programas sociais existentes na comunidade e descentralização dos
mesmos levando-os às localidades mais pobres de Jardim Gramacho.
5. Realização de projetos voltados para a 3ª Idade.

Trabalho e Renda
1. Fortalecimento da Associação de Catadores para a defesa dos interesses dos mes-
mos, principalmente diante do fechamento do aterro;
2. Promoção de discussões e diálogos acerca de uma maior socialização dos postos de
Trabalho das indústrias localizadas no bairro para os moradores locais;
3. Aprofundamento da discussão sobre coleta seletiva com as instituições de Jardim
Gramacho;
4. Levantamento da situação documental de adolescentes, adultos e idosos do bairro
quanto a dificuldade para obtenção de documentos.

30
Diagnóstico Social - Agosto 2005

VIII - Considerações Finais


Como exposto nesse diagnóstico, Jardim Gramacho, bairro do município de Duque de
Caxias no Rio de Janeiro abriga uma população considerável (cerca de 20.000) que,
em sua maioria, vive da catação, seleção, beneficiamento e comercialização de
materiais - resíduos sólidos descartados pela população moradora da cidade do Rio de
Janeiro e municípios adjacentes. De forma informal esta população vem contribuin-
do para alimentar a indústria da reciclagem brasileira.

No Brasil, segundo dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB) realiza-


da pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2000, cerca de 24.000
pessoas, catadores e catadoras trabalham em “lixões” e retiram, destes locais, o seu
sustento e o de suas famílias. Além da população catadora nos lixões existem, segun-
do a mesma pesquisa, mais de 800 mil catadores (as) de rua no país. Esses números,
no entanto, são considerados subestimados pelo Fórum Nacional Lixo e Cidadania –
uma articulação que reúne instituições governamentais e não governamentais, uni-
versidades, entidades religiosas e empresas privadas que atuam na área social e de
gestão de resíduos sólidos (Mota, 2005)

Neste sentido, Jardim Gramacho expressa o que vem ocorrendo em milhares de bair-
ros, comunidades e cidades brasileiras, uma enorme desigualdade social, atrelada à
desigualdade ambiental, colocando a questão dos riscos ambientais no debate sobre
as condições de existência da população e a construção de direitos no país.(Acserald,
2005).

Na medida em que a população moradora está não só, exposta aos riscos ambientais
por viver nas proximidades de um aterro controlado, mais conhecido como “lixão” -
exposta à contração de doenças, à poeira, sujeira, entre outros - mas também encon-
tra sua fonte de sobrevivência na atividade de catação, se evidencia a crise social de
desemprego e de injustiças (social e ambiental). Estas pessoas são trabalhadoras e
em sua maioria, anônimas e destituídas de qualquer direito – muitas não são registradas
e não têm nem a certidão de nascimento, vivem em situação de total abandono, em
condições precárias de infra-estrutura. Poderia se dizer que são os “não cidadãos
(ãs)”. Paradoxalmente esta população vem dando uma grande contribuição para o
circuito da reciclagem de materiais (coleta seletiva), para a limpeza pública e ainda,
para a proteção de recursos naturais.

Uma proposta indutora de desenvolvimento social e econômico para essa população


não pode deixar de considerar a questão do seu fortalecimento enquanto categoria
profissional, impulsionando a construção de sua identidade como trabalhadores(as) e
cidadãos(as) de direitos.

O desafio maior para esta construção em Jardim Gramacho é apresentar propostas


integradoras para o bairro como um todo, que contribuam para a inclusão efetiva e
real dessa população, que se traduzam em iniciativas promotoras da sua qualificação
enquanto população portadora de cidadania. Dentro disso um condicionante das es-
tratégias futuras de ação é a aproximação do poder público local – o que, até o
presente momento, não foi viabilizado, apesar das tentativas diversas - visando
sensibilizar e envolver as diferentes instâncias executivas das políticas locais.

31
Diagnóstico Social - Agosto 2005

IX– Referências
Bibliográficas
ACSERALD, Henri. Novas articulções em prol da justiça ambiental. Revista Democra-
cia Viva, IBASE, nº 27, jun / jul / 2005, p. 42, 47.
BASTOS, Valéria e ARAÚJO, Maria Stela de. Possibilidades e Limites do Trabalho de
Organização Social dos Catadores de Lixo do Aterro Metropolitano do Jardim
Gramacho. Construtora Queiroz Galvão S.A. - Programa Social do Aterro Metropo-
litano do Jardim Gramacho. Duque de Caxias, 1998.
BASTOS, Valéria. Construindo identidades: Catador – herói ou sobrevivente da per-
versa forma de catação? Caderno de Comunicações do XI CBAS. Fortaleza, 2004.
COOPERATIVA DE CATADORES DO ATERRO METROPOLITANO DE JARDIM GRAMACHO –
Coopergramacho. Estudo/ Proposta da Cooperativa de Catadores de Gramacho
com 10 Pontos de Compromisso para Futuro Prefeito do Município de Duque de
Caxias. Duque de Caxias, 2000.
MOTA, Adriana Valle. Do lixo à cidadania. Revista Democracia Viva, IBASE, nº 27, jun
/ jul / 2005, p. 3, 8.
PINTO, Lúcia Luiz. Diagnóstico da Atividade de Catação. Duque de Caxias, 2004.

Sites Consultados
www.duquedecaxias.rj.gov.br
www.cide.rj.gov.br
www.ibge.com.br
www.ipea.gov.br

Entrevistas Realizadas
- S.A. Paulista - Valéria Bastos
- Nova Pesquisa em Educação Popular – Adriana Motta
- Ecomarapendi – Cristina Borges
- Associação de Catadores: Uma reunião com o Grupo (Sebastião, Zumbi, D. Gerusa,
Glória, Alexandre, Dinho, entre outros) e conversas individuais com Sebastião e
Glória.
- Cooperativa de Catadores do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho –
COOPERGRAMACHO – Sebastião
- Casa da Ação Social – Luiza e Maria das Neves
- Associação de Moradores do Parque Planetário – Gilson
- IBISS – Instituto Brasileiro de Inovação em Saúde Social – Altair
- MUB – Federação das Associações de Moradores de Duque de Caxias – D. Paula
- Escola e Creche Comunitária de Jardim Gramacho – Rose
- CEDAC – Centro de Ação comumnitária – Zélia
- Forum Lixo e Cidadania – Pólita
- Posto de Saúde Edina Siqueira Sales – Andréa Alves e Raquel Nascimento
- UFEJAG – União Feminina de Jardim Gramacho – Eliane
- Portal do Crescimento – Karla e Wagna

32
Diagnóstico Social - Agosto 2005

Participantes do 1º Encontro de Integração Comunitária de Jardim Gramacho


28 de Julho de 2005 - Escola Municipal Mauro de Castro – Jardim Gramacho:

Nº Nome Instituição
1 Pastor Anselmo Assembléia de Deus
2 Antônio Assembléia de Deus
3 Pastor Felisberto Ass. de Deus da Prainha
4 Francisca Rosa Igreja São Pedro
5 Renita Igreja N. Senhora da Penha
6 Rosimere ASPAS
7 Arlene Es. Munic. Mauro de Castro
8 Érica Esc. Munic. Jd.Gramacho
9 Paula MUB
10 Ana Paula MUB
11 Zumbi Ass. de Catadores
12 Alexandre (Gordinho) Catadores Ass. de Catadores
13 José Carlos Ass. de Catadores
14 MªAngélica Ass. de Catadores
15 Glória Ass. de Catadores Ass. de Catadores
16 Luciano Ass. de Catadores
17 Mª Aparecida Coopergramacho
18 Vanda Coopergramacho
19 Tânia Coopergramacho
20 Sônia Coopergramacho
21 Valéria S. A . Paulista
22 Regina S. S. A. Paulista
23 Baroni Depósito
24 Andréa Posto de Saúde
25 Ma. Luiza Casa da Ação Social
26 Eliane UFEJAG
27 Matrede UFEJAG
28 Xavier Arex
29 Sandra Arex
30 Moacyr Rodrigues Vereador
31 Pólita Fórum Lixo e Cidadania
32 Jorge Fórum Lixo e Cidadania
33 Jéssica Ecomarapendi
34 Zélia CEDAC
35 Rita Instituto Central de Cidadania
36 Nádia Instituto Central de Cidadania
37 Edson Ecologia Solidária
38 Júlio Ambientalista
39 Ma. de Lourdes Pastoral da Criança
40 Regina Pastoral da Criança
41 Kathlein Millar Brown University

33