Você está na página 1de 4

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

Resistência dos Materiais – Engenharia de Processos Industriais


Ficha da Aula Pratica - 2

2.1 Na figura 2.1, considere que F1 = 5 kN, F2 = 2 kN e q = 4 KN/m secção transversal quadrada
com 20 mm de lado.
a) Construa os gráficos de esforços normais, deslocamento e tensão
b) Determine em que troço da barra deve se tomar atenção. Justifique sua afirmação.

Fig. 2.1

2.2 Duas barras cilíndricas maciças AB e BC são soldadas uma à outra em B e submetidas a um
carregamento conforme mostra a figura 2.2. Sabendo que 𝑑1 = 50𝑚𝑚 e 𝑑2 = 30𝑚𝑚. Construa o
diagrama de esforços normais e de tensão e deformação, tomando em consideração que a barra AB é de aço
A36 e a barra BC é de ferro fundido cinzento ASTM 2. Desprezar o peso da barra.
a) Determine o trabalho e a energia de deformação na barra tomando em
consideração o peso da barra.

Fig. 2.2

2.3 A haste de aço A-36 na Figura 2.2, está sujeita ao carregamento mostrado. Se a área de seção
transversal da haste for 60 mm2, determine o deslocamento de B e A.
Despreze o tamanho dos acoplamentos em B, C e D.

Fig. 2.3

REMA Pratica– 3º Processos - 2018 MSc. Engº. António Daniel Paturo Página 1 de 4
2.4 O raio do pedestal apresentado na figura 2.3 é definido pela função 𝒓 = 𝟐⁄(𝟐 + 𝒚𝟏⁄𝟐 ) 𝒎, onde 𝒚 é dado
em metros. O material é aço A -36, determine o deslocamento da parte superior do pedestal quando ele
suportar a carga de 5 kN e construa o diagrama dos esforços normais, tensão e deslocamento no pedestal.
Determine a deformação do pedestal. Qual é a energia de deformação na barra?

Fig. 2.4

2.5 Fundida é feita de aço A26 com peso específico 𝜸 e módulo de elasticidade 𝑬. Se ele tiver a forma da
pirâmide cujas dimensões são mostradas na figura 2.12, determine até que distância sua extremidade será
deslocada pela acção de gravidade quando estiver suspensa na posição vertical. 𝑏0 = 250 𝑚𝑚, 𝐿 = 300 𝑚𝑚.
a) Determine os esforços normais, tensão e a energia de deformação na barra.
b) Faça o diagrama dos esforços normais, deslocamento e tensão na barra se no vértice estiver
suportando um peso de 600 kgf.

Fig. 2.5
2.6 A prancha de madeira (figura 2.6), está sujeita a uma força de tracção de 425 N.
a) Determine a tensão de cisalhamento média e a tensão normal média desenvolvida nas fibras da
madeira orientadas ao longo da seção a-a a 15° em relação ao eixo da prancha.
b) Determine as tensões máximas de cisalhamento que pode ocorrer na barra.

Fig. 2.6

2.7 A haste de alumínio 2014-T6 (figura 2.7) tem diâmetro de 12 mm e está levemente conectada aos
apoios rígidos em A e B quando 𝑇1 = 25°𝐶. Se a temperatura baixar para 𝑇2 = −20°𝐶 e uma força axial
P = 80 N for aplicada ao colar rígido, como mostra a figura, determine as reações em A e B.

REMA Pratica– 3º Processos - 2018 MSc. Engº. António Daniel Paturo Página 2 de 4
Fig. 2.7
2.8 O tubo na Figura 2.8, é de bronze 86100 tem raio interno de 12,5 mm e espessura de parede de 5
mm. Se o gás que passa por ele mudar a temperatura do tubo uniformemente de 𝑇𝐴 = 60°𝐶 em A para
𝑇𝐵 = 15°𝐶 em B, determine a força axial que ele exerce sobre as paredes. O tubo foi instalado entre as
paredes quando T = l5°C.

Fig. 2.8
2.9 O carregamento distribuído é sustentado pelas três barras de suspensão. AB e EF são feitas de
alumínio e CD é feita de aço. Se cada barra tiver área de seção transversal de 450 mm2, determine
a intensidade máxima W, do carregamento distribuído na Figura 2.9, de modo a não ultrapassar
uma tensão admissível no aço é de 180 MPa, e no alumínio é de 94 MPa, modulo de elasticidade
Eaço = 200 GPa, Ealum = 70 GPa.

Fig. 2.9
2.10 O sistema da Figura 2.10 é constituído por duas barras circulares, de aço, e sustenta uma força de 150 kN. A
secção transversal da segunda barra e duas vezes a da primeira barra. Determine as deformações admissíveis nas
barras para um coeficiente de segurança da tensão de 1,5. Considere as seguintes dimensões: a = 2,1 m; b = 3
m; c = 2,4.

Fig. 2.10

REMA Pratica– 3º Processos - 2018 MSc. Engº. António Daniel Paturo Página 3 de 4
Encontre nos anexos, páginas 657 e 658 respectivamente, no livro de R. C. Hibbeler 7ª Ed. as
seguintes tabelas para consulta das propriedades mecânicas dos materiais:
• Propriedades mecânicas médias de materiais típicos de engenharia (Unidades Americanas.
Usuais).
• Propriedades mecânicas médias de materiais típicos de engenharia (Unidades SI).

REMA Pratica– 3º Processos - 2018 MSc. Engº. António Daniel Paturo Página 4 de 4

Você também pode gostar