Você está na página 1de 6

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO-07 REV.

2
DATA FOLHA
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 17/11/10 1 DE 6
DOCUMENTO ELABORADO POR
Teste Hidrostático Luiz C. Paiva / Jorge Patrezzi

APROVAÇÃO
DATA SETOR NOME CARGO ASSINATURA

17/11/10 SGQ Alexandre De Filippis RD


Engª da Engenheiro de
17/11/10 Jorge Patrezzi
Qualidade Solda

ACEITAÇÃO (ASME - AI)


03/12/10 - Marcelo Pieri Pereira AI

ÍNDICE DE REVISÕES
FOLHAS
REVISÃO DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES DE TEXTO
ALTERADAS

0 Emissão Inicial

1 Alteração de Formato para atender o PG-01 Todas


Inclusão do Item 7 – Registros 5

2 Alterações para atender as especificações do ASME Todas

REV.0 REV.1 REV.2 REV.3 REV.4 REV.5


Data 28/07/08 24/06/09 17/11/10

FORM.SGQ – 002 Luiz C. Paiva


REV. 0 – 16/04/08 REV.1 – 01/06/09
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO-07 REV. 2
DATA FOLHA
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 17/11/10 2 DE 6
DOCUMENTO ELABORADO POR
Teste Hidrostático Luiz C. Paiva / Jorge Patrezzi

1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO

Este procedimento de teste fornece detalhes dos requisitos do Código


para a execução de teste hidrostático em equipamentos metálicos, assim
como critérios de inspeção. Esse procedimento é aplicável a vasos
selados ou não. O termo Código, usado neste documento refere-se a
edição atual do Código ASME Seção I e Seção VIII - Div.1.
Este procedimento é aplicável à Engenharia da Qualidade, Produção e
Obra.

2. CORRELAÇÃO

Não Aplicável

3. DEFINIÇÕES

TH – Teste Hidrostático
PMTA – Pressão Máxima de Trabalho Admissível.
MDMT – Minimum Design Metal Temperature (Temperatura de Projeto
Mínima do Metal).

4. RESPONSABILIDADES

4.1. Engenharia do Produto

Estabelecer o valor da pressão do TH.

4.2 Produção e Assistência Técnica

Efetuar o TH e emitir o respectivo certificado após aprovação. São


também responsáveis pela qualidade de eventuais reparos por solda nos
locais que apresentarem vazamento.

4.3 Engenharia da Qualidade

Orientar os setores da Produção e Montagem quanto aos possíveis


reparos necessários, quando esta circunstância for aplicável.

FORM.SGQ – 002 Luiz C. Paiva


REV. 0 – 16/04/08 REV.1 – 01/06/09
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO-07 REV. 2
DATA FOLHA
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 17/11/10 3 DE 6
DOCUMENTO ELABORADO POR
Teste Hidrostático Luiz C. Paiva / Jorge Patrezzi

5. METODOLOGIA

5.1 Local de Teste

Os testes em equipamentos pré-fabricados devem ser realizados na


própria fábrica antes do despacho e equipamentos montados no campo
devem ser testados sob a supervisão do QCI designado pelo LQE da
DANPOWER, conforme descrito no QCM para o PROGRAMA ASME.

5.2 Pressão de Teste

5.2.1 CÓDIGO ASME Seção I (PG-99)

(1) Depois que uma caldeira ou seus componentes tenham sido


montados na fábrica, incluindo todas as tubulações e acessórios
(exceto tubulação externa), os equipamentos devem ser testados
hidrostaticamente com a água pelo menos na temperatura ambiente,
mas em nenhum caso inferior a 20 °C. A medição da pressão, ou
seja, a instalação do manômetro deve ser feita no ponto mais alto do
equipamento.

(2) A pressão de teste deve ser de 1,5 vezes a PMTA conforme projeto e
a inspeção visual para estanqueidade não é necessária durante esse
estágio, em vez disso, os equipamentos devem ser observados para
eventuais deformações estruturais em regiões de alta tensão como,
por exemplo, nos raios menores de tampos, nas áreas próximas a
aberturas e transições de espessuras. Durante o teste, nenhuma
parte da caldeira deve ser submetida a uma tensão maior que 90%
da tensão de escoamento na temperatura de teste

(3) A pressão de teste pode então ser reduzida para a PMTA, nesse
estágio os equipamentos devem ser cuidadosamente examinados
quanto a vazamentos. A temperatura do metal não deve exceder 50
°C durante a inspeção minuciosa.

5.2.2 CÓDIGO ASME Seção VIII – Div.1 (UG-99)

(1) Durante o teste hidrostático, a temperatura do metal do vaso e de


seus componentes deve ser mantida pelo menos 17 °C acima da
MDMT, mas nunca superior a 48 °C, para minimizar o risco de
fratura, conforme UG-99 (h).

FORM.SGQ – 002 Luiz C. Paiva


REV. 0 – 16/04/08 REV.1 – 01/06/09
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO-07 REV. 2
DATA FOLHA
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 17/11/10 4 DE 6
DOCUMENTO ELABORADO POR
Teste Hidrostático Luiz C. Paiva / Jorge Patrezzi

(2) Para a pressão de teste considerar a equação abaixo, conforme UG-


99 (b):

Pt  P  1,3  Sr

Onde:
Pt = Pressão de teste
P = PMTA
Sr = St / Sp (menor razão entre os materiais utilizados no vaso)
St = Tensão admissível do material na temperatura de teste
Sp = Tensão admissível do material na temperatura de projeto

Todas as cargas/esforços que possam existir durante este teste


devem ser levadas em consideração.

(3) Após mantida a pressão de teste por 15 minutos, sem alteração na


leitura do manômetro, uma inspeção deve ser feita em todas as
juntas e conexões e nenhum vazamento deve ser aceito no
momento da inspeção visual. A inspeção deve ser realizada numa
pressão não inferior à pressão de teste dividido por 1,3. A pressão
do manômetro deve permanecer constante durante o período da
inspeção ou no período de uma hora, o que for maior.

(4) Qualquer líquido não perigoso em qualquer temperatura pode ser


utilizado para o teste hidrostático desde que abaixo do seu ponto de
ebulição. Líquidos combustíveis, cujo ponto de inflamação seja
inferior a 43 °C, tal como, destilados de petróleo, só podem ser
utilizados para temperaturas próximas a atmosféricas.

(5) A pressão de teste não deve ser aplicada até que o vaso e seus
componentes estejam próximos da mesma temperatura (em
equilíbrio). Se a temperatura do teste exceder 48 °C é
recomendável que a inspeção do vaso, conforme descrito acima,
seja postergada até que a temperatura se reduza para pelo menos
48 °C.

5.2.3 CÓDIGO ASME B31.1 (para. 137.4)

(1) Depois que uma tubulação externa de uma caldeira tenha


completada , ela deve ser testadas hidrostaticamente com a água
pelo menos na temperatura ambiente, mas em nenhum caso inferior
a 20 °C. A medição da pressão, ou seja, a instalação do manômetro
deve ser feita no ponto mais alto da linha.

FORM.SGQ – 002 Luiz C. Paiva


REV. 0 – 16/04/08 REV.1 – 01/06/09
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO-07 REV. 2
DATA FOLHA
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 17/11/10 5 DE 6
DOCUMENTO ELABORADO POR
Teste Hidrostático Luiz C. Paiva / Jorge Patrezzi

(2) A pressão de teste deve ser de 1,5 vezes a PMTA conforme projeto,
esta pressão deve ser mantida continuamente por pelo menos 10
minutos e a inspeção visual para estanqueidade não é necessária
durante esse estágio, em vez disso, os equipamentos devem ser
observados para eventuais deformações estruturais em regiões de
alta tensão como, por exemplo, nas áreas próximas a aberturas e
transições de espessuras. Durante o teste, nenhuma tubulação
externa deve ser submetida a uma tensão maior que 90% da tensão
de escoamento na temperatura de teste

(3) A pressão de teste pode então ser reduzida para a PMTA, nesse
estágio as tubulações devem ser cuidadosamente examinadas
quanto a vazamentos. A temperatura do metal não deve exceder 50
°C durante a inspeção minuciosa.

5.3 PREPARAÇÕES PARA O TESTE

5.3.1 Limpeza – Os equipamentos devem ser limpos e inspecionados


internamente.

5.3.2 Vent – É necessário que existam conexões para vent,


posicionadas de formar a garantir a purga total de ar enquanto o vaso
está sendo cheio. Antes de aplicar a pressão no equipamento é
necessário examiná-lo para ver se o mesmo está estanque e se todas
as linhas de baixa pressão (se existente) e outros acessórios que não
devam estar sujeitos à pressão de teste tenham sidos
desconectados.

5.3.3 Manômetros

(1) É recomendável instalar dois manômetros no vaso, para permitir


maior confiabilidade das leituras de pressão durante o teste
hidrostático. Os mostradores devem ter no mínimo ø75mm, e é uma
boa prática a seleção da escala do instrumento de modo a permitir
que a pressão de teste fique entre 25% e 75% da leitura máxima do
mesmo.
(2) Os manômetros utilizados nos testes devem ter escala máxima por
volta de duas vezes a pressão de teste, mas em hipótese alguma a
escala pode ser inferior a 1,5 nem superior a 4 vezes essa pressão.
(3) Todos os manômetros devem estar com o prazo de calibração “em
dia”. No entanto, eles devem ser recalibrados assim que se tenha
alguma razão para acreditar que eles estão errados.

FORM.SGQ – 002 Luiz C. Paiva


REV. 0 – 16/04/08 REV.1 – 01/06/09
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO-07 REV. 2
DATA FOLHA
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 17/11/10 6 DE 6
DOCUMENTO ELABORADO POR
Teste Hidrostático Luiz C. Paiva / Jorge Patrezzi

5.3.4 Taxa de Pressurização

A pressão de teste deve ser aplicada, aumentando gradualmente a


pressão a uma taxa máxima de 1 bar / min.

5.4 ACEITAÇÃO

Os resultados dos testes são aceitáveis quando não há indícios de


vazamentos, nem diminuição na pressão indicada no manômetro
durante o teste e nenhuma evidência de deformação permanente ou
excessiva do equipamento ou de seus componentes.

5.5 LIMPEZA APÓS TESTE

O equipamento deve ser completamente drenado do líquido de teste


dentro de 24 horas após a aceitação final. Os vents devem estar abertos
durante a drenagem após a conclusão do teste, para prevenir qualquer
problema estrutural.

6. FORMULÁRIOS E ANEXOS

 Form.SGQ-011 – REGISTRO DE TESTE HIDROSTÁTICO (RTH/HYT)

7. REGISTROS

SEÇÃO
ARMAZENAMENTO RETENÇÃO
IDENTIFICAÇÃO DA RECUPERAÇÃO
PROTEÇÃO (MÍNIMO)
NORMA

Registro de Teste Por Encomenda


Hidrostático Pasta Arquivo Garantia da
8.2.4 5 anos
(RTH/HYT) Qualidade
Form.SGQ-011

FORM.SGQ – 002 Luiz C. Paiva


REV. 0 – 16/04/08 REV.1 – 01/06/09

Você também pode gostar