Você está na página 1de 54

ECONOMIA

CAPÍTULO 4

PROF. EVANDRO OLIVEIRA


2017
UA: LEI DA DEMANDA E VARIÁVEIS
UA: LEI DE OFERTA E VARIÁVEIS
UA: ESTUDO DAS ELASTICIDADES

PROF. EVANDRO OLIVEIRA


2017
OFERTA, DEMANDA E MERCADO
Mercado é “local” onde compradores e vendedores se
encontram para trocar mercadorias e/ou serviços.

Mercado é qualquer estrutura que permita ou facilite


esta interação. Onde:
Compradores determinam a Demanda. Ou seja, o que e
quanto será comprado.
Vendedores determinam a Oferta. Ou seja, o que e quanto
será vendido.
PREÇOS DE MERCADO
Indica o quanto consumidores querem que determinado
produto ou serviço seja produzido e disponibilizado no
mercado.

Determinado através de um processo de descoberta.

Preços relativos. Computado dividindo-se o preço


absoluto de um bem por outro.
ESTRUTURAS DE MERCADO: MERCADO COMPETITIVO
Apresenta muitos compradores e vendedores.

Este mercado não é controlado ou significativamente


influenciado por nenhuma das partes ou indivíduos.

Os vendedores definem preços que estão próximos ao


preço médio de mercado com ocorrência de pequenos
desvios.
ESTRUTURAS DE MERCADO: CONCORRÊNCIA PERFEITA
É um caso hipotético e extremo de concorrência.
Produtos são essencialmente homogêneos.

Temos a presença de muitos compradores e


vendedores.

Compradores e vendedores aceitam o preço


determinado pelo mercado e são incapazes de
influenciá-lo, dado o alto nível de vendedores e
compradores.
ESTRUTURAS DE MERCADO: CONCORRÊNCIA
MONOPOLÍSTICA
Muitos ou alguns compradores e vendedores.

Existe poder de mercado devido aos produtos serem


diferenciados em maior ou menor grau.

Os vendedores podem influenciar os preços dos


produtos que vendem, dado o grau de diferenciação do
produto.
ESTRUTURAS DE MERCADO: MONOPÓLIO E
OLIGOPÓLIO
Monopólio
Presença de um vendedor e muitos compradores.
Existe poder de mercado por parte do vendedor.
O vendedor influencia significativamente os preços, mas
mesmo neste caso existe limite para esta influência.

Oligopólio
Presença de poucos vendedores e muitos compradores.
Existe poder de mercado por parte dos vendedores, mesmo com os
produtos sendo homogêneos.
Os vendedores influenciam significativamente os preços, mas mesmo
neste caso existe limite para esta influência.
ESTRUTURAS DE MERCADO: MONOPSÔNIO E
OLIGOPSÔNIO
Monopsônio
Presença de muitos vendedores e um comprador.
Existe poder de mercado por parte do comprador.
O comprador influencia significativamente os preços, mas
mesmo neste caso existe limite para esta influência.

Oligopsônio
Presença de muitos vendedores e poucos compradores.
Existe poder de mercado por parte dos compradores, mesmo com os
produtos sendo homogêneos.
Os compradores influenciam significativamente os preços, mas mesmo
neste caso existe limite para esta influência.
RESUMO SOBRE AS ESTRUTURAS DE MERCADO

Tipo de Mercado Nº Compradores Nº Vendedores Poder de Mercado ?


De Quem?
Conc. Perfeita Muitos Muitos Não
Conc. Monopolítica Alguns ou Muitos Alguns ou Muitos Sim, Vendedores
Oligopólio Muitos Poucos Sim, Vendedores
Monopólio Muitos Um Sim, Vendedor
Oligopsônio Poucos Muitos Sim, Compradores
Monopsônio Um Muitos Sim, Comprador
DEMANDA: LEI DE DEMANDA
É quantidade de produtos que compradores desejam e
podem adquirir a diversos níveis de preço.

Lei de Demanda:
Existe uma relação inversa/negativa entre preço e
quantidade demandada. Quando o preço aumenta a
quantidade demandada diminui e vice-versa.
P

R$ 3,00

R$ 2,00

R$ 1,00

10 15 20 Q
DEMANDA: ESCALA DE DEMANDA
Tabela que mostra a relação entre o preço de um bem e
a quantidade demandada naquele nível de preço.

Quantidade
Preço
Demandada
R$ 1,00 20
R$ 2,00 15
R$ 3,00 10
DEMANDA: CURVA DE DEMANDA
Gráfico (Curva) com inclinação negativa relacionando
preço à quantidade demandada.

R$ 3,00

R$ 2,00

R$ 1,00

10 15 20 Q
DEMANDA: ESCALA E CURVA DE DEMANDA
Exemplo da Demanda por Sorvetes
P
Preço Quantidade
R$ 3,00
R$ 0,00 12
R$ 2,50 R$ 0,50 10
R$ 1,00 8
R$ 2,00
R$ 1,50 6
R$ 1,50
R$ 2,00 4

R$ 1,00 R$ 2,50 2
R$ 3,00 0
R$ 0,50

R$ 0,00
0 2 4 6 8 10 Q
12
DEMANDA: DETERMINANTES DA DEMANDA
Que fatores determinam a quantidade de sorvete que
você quer e pode comprar?
Por que a curva de demanda é deste jeito? Por que ela
pode mudar?
Preço de mercado
Renda do indivíduo ou indivíduos
Preços de bens relacionados
Preço de bens complementares
Preço de bens substitutos
Gosto
Expectativa
Número de consumidores
Equação de determinação
da demanda:

Qdi= f(pi,ps,pc, R, G, E, nc)


DEMANDA: DETERMINANTES DA DEMANDA
Ceteris Paribus: “Tudo o mais constante” ou “Todo o
resto permanece igual”. Usado para entender a relação
de duas variáveis isoladamente.

Curva de Demanda (Avaliação detalhada):


Mostra a quantidade máxima de um determinado bem que
consumidores estão desejando adquirir a diversos níveis de
preço, ceteris paribus.
Mostra o preço máximo que indivíduos estão dispostos a
pagar por uma unidade adicional de produto, ceteris
paribus.
DEMANDA: DETERMINANTES DA DEMANDA
Preços
Existe relação inversa entre preço e quantidade (Lei de
demanda).
Mudanças na quantidade demandada devido a alterações no
preço ocorrem ao longo da curva de demanda (O preço e a
quantidade fazem parte do gráfico!).
P

Q
DEMANDA: DETERMINANTES DA DEMANDA
Renda
Aumento de renda aumenta a Aumento de renda diminui a
demanda por um bem demanda por um bem
“normal”. “inferior”.

P P

Q Q
DEMANDA: DETERMINANTES DA DEMANDA
Preços de Bens Relacionados
Aumento do preço de um Aumento do preço de um
bem complementar. bem substituto.

P P

Q Q
DEMANDA: DETERMINANTES DA DEMANDA
Gostos e expectativas
Vão causar deslocamento da curva de demanda, podendo
aumentar (deslocamento para a direita e para cima) ou
diminuir a quantidade demandada (deslocamento para a
esquerda e para baixo).
Número de consumidores
Relação positiva.
Se aumenta o número de consumidores a curva de demanda
se desloca para a direita e para cima.
Se diminui o número de consumidores a curva de demanda
se desloca para a esquerda e para baixo.
MUDANÇAS NA QUANTIDADE DEMANDADA E
MUDANÇAS NA DEMANDA
Mudança na Quantidade Demandada: Mudança na Demanda: a curva inteira
move-se ao longo da curva de demanda se desloca para a esquerda ou direita.
quando há mudança de preço.

P P

Q Q
MUDANÇAS NA QUANTIDADE DEMANDADA E
MUDANÇAS NA DEMANDA
Quadro de Resumo
Variável Mudança na variável causa...
Preço Movimento ao longo da curva
de demanda

Renda Deslocamento da curva


Preço de bem complementar Deslocamento da curva
Preço de bem substituto Deslocamento da curva
Gostos e Expectativas Deslocamento da curva
Número de compradores Deslocamento da curva
DEMANDA: INDIVIDUAL E DE MERCADO

P Indivíduo 1 P Indivíduo 2 P Mercado

P1

P2

Q11 Q12 Q Q21 Q22 Q Q1 Q2 Q

Q1 = Q11 + Q21
Onde,
Q2 = Q12 + Q22
OFERTA: LEI DE OFERTA
É a quantidade de produtos que vendedores desejam e
podem produzir para vender a diversos níveis de preço.
Lei de Oferta:
Existe uma relação direta/positiva entre preço e quantidade
ofertada. Quando o preço aumenta a quantidade ofertada
aumenta e vice-versa.
P

R$ 3,00

R$ 2,00

R$ 1,00

10 15 20 Q
OFERTA: ESCALA DE OFERTA
Tabela que mostra a relação entre o preço de um bem e
a quantidade ofertada naquele nível de preço.

Quantidade
Preço
Ofertada
R$ 1,00 10
R$ 2,00 15
R$ 3,00 20
OFERTA: CURVA DE OFERTA
Gráfico (Curva) com inclinação positiva relacionando
preço à quantidade ofertada.

R$ 3,00

R$ 2,00

R$ 1,00

10 15 20 Q
OFERTA: ESCALA E CURVA DE OFERTA
Exemplo da Oferta de Sorvetes
P
Preço Quantidade
R$ 3,00
R$ 0,00 0
R$ 2,50 R$ 0,50 0
R$ 1,00 1
R$ 2,00
R$ 1,50 2
R$ 1,50 R$ 2,00 3
R$ 2,50 4
R$ 1,00
R$ 3,00 5
R$ 0,50

R$ 0,00
0 1 2 3 4 5 Q
OFERTA: DETERMINANTES DA OFERTA
Que fatores determinam a quantidade de sorvete que
você quer e pode vender?
Por que a curva de oferta é deste jeito? Por que ela
pode mudar?
Preço de mercado
Preço dos insumos ou Quantidade disponível de insumos
Tecnologia mais produtiva
Expectativa
Número de produtores
Equação de determinação
da oferta:

Qoi= f (pi, pin, T, E, np)


OFERTA: DETERMINANTES DA OFERTA
Curva de Oferta (Avaliação detalhada):
Mostra a quantidade máxima de um determinado bem que
produtores estão desejando vender a diversos níveis de
preço, ceteris paribus.
Mostra o preço máximo que produtores estão dispostos a
aceitar pela venda de unidade adicional de produto, ceteris
paribus.
OFERTA: DETERMINANTES DA OFERTA
Preços
Existe relação direta entre preço e quantidade (Lei de
oferta).
Mudanças na quantidade ofertada devido a alterações no
preço ocorrem ao longo da curva de oferta (O preço e a
quantidade fazem parte do gráfico!).
P

Q
OFERTA: DETERMINANTES DA OFERTA
Preço dos insumos ou Quantidade disponível de insumos

Aumento do preço dos insumos Aumento na quantidade disponível


diminui a oferta do bem. de insumos aumenta a oferta do
bem

P P

Q Q
OFERTA: DETERMINANTES DA OFERTA
Tecnologia mais produtiva
Implantação ou disseminação de uma nova tecnologia
com maior produtividade ou redutora de custos

Q
OFERTA: DETERMINANTES DA OFERTA
Expectativas
Vão causar deslocamento da curva de oferta, podendo
aumentar (deslocamento para a direita e para baixo) ou
diminuir a quantidade ofertada (deslocamento para a
esquerda e para cima).
Número de produtores
Relação positiva.
Se aumenta o número de produtores a curva de oferta se
desloca para a direita e para baixo.
Se diminui o número de produtores a curva de oferta se
desloca para a esquerda e para cima.
MUDANÇAS NA QUANTIDADE OFERTADA E MUDANÇAS
NA OFERTA

Mudança na Quantidade Ofertada: Mudança na oferta: a curva inteira se


move-se ao longo da curva de oferta desloca para a esquerda ou direita.
quando há mudança de preço.

P P

Q Q
OFERTA, DEMANDA E MERCADO
Quadro de Resumo
Variável Mudança na variável causa...
Preço Movimento ao longo da curva
de oferta
Preço dos insumos Deslocamento da curva
Quantidade disponível de Deslocamento da curva
insumos
Tecnologia Deslocamento da curva
Expectativas Deslocamento da curva
Número de vendedores Deslocamento da curva
OFERTA E DEMANDA REUNIDAS E EQUILÍBRIO DE
MERCADO
Equilíbrio de Mercado: Situação em que o preço de
mercado (preço de equilíbrio) possibilita que a
quantidade ofertada seja igual à quantidade demandada
(quantidade de equilíbrio).
P

Curva de oferta
R$ 3,00

R$ 2,00 Ponto de Equilíbrio

R$ 1,00

Curva de demanda
10 15 20 Q
OFERTA E DEMANDA REUNIDAS E EQUILÍBRIO DE
MERCADO
Exemplo do mercado de sorvetes
P

Preço Demanda Oferta


R$ 3,00
R$ 0,00 13 0
R$ 2,50 R$ 0,50 11 0

R$ 2,00 Ponto de Equilíbrio R$ 1,00 9 1

R$ 1,50 7 3
R$ 1,50
R$ 2,00 5 5
R$ 1,00
R$ 2,50 3 7
R$ 0,50 R$ 3,00 1 9

R$ 0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Q
SITUAÇÕES EM QUE ESTAMOS FORA DO EQUILÍBRIO DE
MERCADO
Excesso de Oferta
Temos um nível de preço acima do preço de equilíbrio.
A quantidade ofertada é superior a quantidade demandada
neste nível de preço

Excesso de Demanda
Temos um nível de preço abaixo do preço de equilíbrio.
A quantidade demandada é superior a quantidade ofertada
neste nível de preço
CHEGANDO AO EQUILÍBRIO: EXCESSO DE OFERTA
Se o nível de preços estive maior que o de equilíbrio
teremos um nível de oferta superior ao de demanda.
Ex: Se P=R$3,00 então Oferta=20 e Demanda=10

P Excesso de Oferta

R$ 3,00

10 20 Q
CHEGANDO AO EQUILÍBRIO: EXCESSO DE OFERTA
O excesso de oferta levará os vendedores a abaixarem
os preços para poderem vender os produtos, gerando
aumento da demanda e diminuição da oferta ao longo
das curvas até que o equilíbrio seja atingido.
P Excesso de Oferta

R$ 3,00

R$ 2,00

10 15 20 Q
CHEGANDO AO EQUILÍBRIO: EXCESSO DE DEMANDA
Se o nível de preços estive menor que o de equilíbrio
teremos um nível de demanda superior ao de oferta.
Ex: Se P=R$1,00 então Oferta=10 e Demanda=20

R$ 1,00

Excesso de Demanda
10 20 Q
CHEGANDO AO EQUILÍBRIO: EXCESSO DE DEMANDA
O excesso de demanda levará os vendedores a poderem
aumentarem os preços devido a escassez de produtos,
gerando aumento da oferta e diminuição da demanda
ao longo das curvas até que o equilíbrio seja atingido.
P

R$ 2,00

R$ 1,00

Excesso de Demanda
10 15 20 Q
CONCEITO DE ELASTICIDADE
Em Teoria Econômica, o termo ELASTICIDADE significa
sensibilidade.
Portanto, quando se afirma que a demanda do bem X é
elástica em relação ao seu preço, o que se pretende dizer
é que os consumidores do bem X são sensíveis a
alterações de seu preço; caso haja aumento de preço, por
exemplo, os consumidores diminuirão de forma
significativa a quantidade demandada do bem X.
De forma inversa, quando se afirma que a demanda do
bem Y é inelástica, quer-se dizer que os consumidores do
bem Y mudarão muito pouco a sua quantidade
demandada mesmo que o preço se eleve
substancialmente.
ELASTICIDADE-PREÇO DA DEMANDA
Conceito: é a resposta relativa da quantidade
demandada de um bem X às variações de seu preço, ou
de outra forma, é a variação percentual na quantidade
procurada do bem X em relação a uma variação
percentual em seu preço, coeteris paribus.
EpD= variação percentual em Qd/variação percentual
em P.
Como a correlação entre P e Qd é inversa (a alteração
positiva de preços corresponderá uma variação negativa
da quantidade demandada), o valor encontrado da
elasticidade-preço da demanda será negativo.
EXEMPLOS
Po=preço inicial = 20,00
P1=preço final = 16,00
Qo=quantidade demandada, ao Po Qo=30
Q1=quantidade demandada, ao P1 Q1=39
A variação percentual do preço é dada por:
P1-Po/Po = -4/20=0,2 ou 20%
A variação percentual da quantidade demandada é dada
por:
Q1-Qo/Qo=9/30 =0,3 ou 30%.
O valor da elasticidade-preço da demanda é dado por:
EpD= variação percentual em Qd/variação percentual em P =
=+30%/-20% = -1,5 ou IEpDI= 1,5
SIGNIFICADO:
Dada uma queda de 20% no preço, a quantidade demandada
aumenta em 1,5 vez, ou seja, 30%.
Trata-se de um produto cuja demanda tem grande sensibilidade a
variações de preço.
Outros Conceitos:
DEMANDA ELÁSTICA: a variação da quantidade demandada supera
a variação de preço, ou
I EpD I > 1
No exemplo: EpD = -1,5 ou, em módulo, I EpD I=1,5
Os consumidores desse produto têm grande reação ou resposta a
eventuais variações de preços. Quando há aumento de preço, cai
drasticamente o consumo; quando há quedas de preço, aumenta o
consumo em uma vez e meia a variação do preço.
DEMANDA INELÁSTICA
Ocorre quando uma variação percentual no preço provoca
uma variação percentual relativamente menor nas
quantidades procuradas, coeteris paribus, ou

I EpD I < 1

Exemplo:
EpD = -0,5 ou I EpD I = 0,5
Nesse caso, uma redução, suponhamos de, 10% nos preços
provoca um aumento de 5% nas quantidades procuradas.
Os consumidores desse produto reagem pouco a variações de
preços, isto é, possuem baixa sensibilidade ao que acontece
com os preços de mercado.
DEMANDA DE ELASTICIDADE – PREÇO UNITÁRIA
As variações percentuais no preço e na quantidade são da mesma
magnitude, porém em sentido inverso, ou seja:
EpD = -1 ou I EpD I = 1
É importante observar que o conceito de elasticidade fornece um
número puro, pois independe de unidades de medida consideradas, já
que se refere a uma razão entre duas percentagens (variação
percentual da quantidade sobre variação percentual do preço).
Assim, é indiferente se a quantidade está expressa em quilos ou
toneladas, já que a variação percentual é a mesma, embora as
variações absolutas sejam diferentes (5 sobre 10 ou 5.000 sobre
10.000, é a mesma variação, 50%).
Por isso, pode-se comparar elasticidades de produtos de diferentes
setores produtivos.
FATORES QUE INFLUENCIAM O GRAU DE
ELASTICIDADE-PREÇO DA DEMANDA.
O que faz com alguns bens tenham demanda elástica ou
inelástica:
EXISTÊNCIA DE BENS SUBSTITUTOS:
Quanto mais substitutos um bem possuir, mais elástica será
sua demanda
ESSENCIALIDADE DO BEM:
Sendo o bem essencial, sua demanda será pouco sensível à
variação de preços; assim sua demanda será inelástica.
IMPORTÂNCIA DO BEM QUANTO AO GASTO DO
ORÇAMENTO DO CONSUMIDOR:
Quanto maior o gasto do bem, mais sensível torna-se o
consumidor a variações de preços; ou seja, demanda mais
elástica.
ELASTICIDADE –RENDA DA DEMANDA
A receita total do vendedor (produtor) que equivale ao gasto
total dos consumidores, para uma dada mercadoria é igual à
quantidade vendida x seu preço unitário de venda.
RT = P x Q
Dada uma variação no preço do produto, o que acontecerá com a
receita total do vendedor?
A resposta a esta indagação dependerá da reação dos
consumidores, ou seja, do grau de elasticidade-preço da
demanda.
Podem ocorre três possibilidades:
ELASTICIDADE- PREÇO CRUZADA DA DEMANDA
Exy= variação percentual na quantidade demandada de
um bem x / variação percentual no preço de um bem y.

Se x e y forem bens substitutos, Exy será positiva: um


aumento no preço do guaraná deve provocar uma
elevação no consumo da soda, coeteris paribus.
Se x e y forem bens complementares, Exy será negativa:
um aumento no preço da camisa social levará a uma
queda na demanda de gravatas, coeteris paribus.
ELASTICIDADE –PREÇO DA OFERTA
Idêntico raciocínio que a da demanda, mas o resultado
da elasticidade será positivo, pois a correlação entre
preço e quantidade ofertada é direta.
Quanto maior o preço, maior a quantidade que o
empresário estará disposto a ofertar, coeteris paribus.

Epo = variação percentual na quantidade ofertada/


variação percentual do preço do bem.
Tipo de elasticidade menos difundida que a de
demanda.
A elasticidade-preço da oferta mais estudada é a dos
produtos agrícolas, como inelástica, pouco sensível à
variação de preços

Você também pode gostar