Você está na página 1de 12

Curso de Medicina Veterinária

O USO DE ASSOCIAÇÃO DE SULFATO DE VINCRISTINA E IVERMECTINA NO


TRATAMENTO DE TVT EM CÃO E PARAFIMOSE
THE USAGE VINCRISTINE SULFATE ASSOCIATION AND THE IVERMECTIN TVT TREATMENT IN DOG
AND PARAPHIMOSIS
1 1 2
Ravena De Mello Lopes , Paloma Layla de Araújo , Caroline Lavocat Nunes Pollini
1 Alunas do Curso de Medicina Veterinária
2 Professora do Curso de Medicina Veterinária

RESUMO
O sulfato de vincristina em associação com a ivermectina tem se mostrado eficaz quanto ao seu efeito
antitumoral no tratamento de TVT (Tumor Venéreo Transmissível).Neste trabalho abordamos a eficácia da
associação destes fármacos em um caso clinico em animal resgatado.O animal apresentava massa tumoral
na região palpebral superior do olho direito e na base do pênis. O protocolo utilizado foi sulfato de vincristina
2
1% dose 0,06 mg/m uma aplicação a cada 7 dias, associada a ivermectina 1% na dose de 0,2mg/kg via SC
também a cada sete dias. Foram feitas cinco aplicações, uma por semana, até completo desaparecimento
da massa tumoral, sendo que na terceira já havia retrocesso do tumor palpebral e somente na última
aplicação o tumor da área genital teve cura. Observou-se um quadro de parafimose,em que o pênis não
conseguia ser retraído para o interior do prepúcio, devido ao longo período de exposição durante a doença.
O tratamento de escolha foi cirúrgico,utilizando a técnica de Avanço Prepucial modificada.

Palavras-Chave: associação; cirúrgico; parafimose; tratamento;TVT.

ABSTRACT

Vincristine sulfate in combination with ivermectin has proven effective as to its antitumor effect in the
treatment of TVT (Transmissible Venereal Tumor). In this paper we address the efficacy of the combination
of these drugs in a clinical case rescued animal. The animal had tumor mass in the upper eyelid area of the
right eye and the base of the penis. The protocol used was 1% of vincristine dose 0.06 mg / m2 a program
every 7 days associated with ivermectin 1% at 0.2 mg / kg subcutaneously every seven days also. They
were made five applications, one per week until complete disappearance of the tumor mass, and the third
had kick eyelid tumor and only the last application the tumor of the genital area had healing. There was a
Paraphimosis above, wherein the penis could not be retracted to the inside of the prepuce, due to the long
exposure time during the illness. The treatment was surgical, using the prepuce forward technique modified.

Keywords: association; surgical; paraphimosis; treatment; TVT.


Contato: nip@unicesp.edu.br
INTRODUÇÃO observa o tumor na genitália externa. Nos
casos onde o tumor genital não é
A primeira descrição de Tumor observado e há suspeita em outras
Venéreo Transmissível (TVT) em cães na regiões do corpo, a impressão sobre
literatura é atribuída a Huzard em 1820. lâmina de microscopia “imprint” e a
Mas foi somente Sticker, entre 1905-1906, citologia aspirativa por agulha fina –
que relatou detalhadamente o tumor e CAAF, são necessários, podendo também
constatou que era transmissível por ser diagnosticado através de exame
células transplantáveis. É conhecido histopatológico (WILLARDet al., 1989).
também como Tumor de Sticker,
Os métodos de tratamento incluem
condiloma canino, granuloma venéreo,
cirurgia, quimioterapia e radioterapia. A
sarcoma infeccioso, linfossarcoma
retirada cirúrgica do tumor está associada
venéreo (SILVA et al., 2007).
à alta incidência de recidiva (entre 18% e
O Tumor Venéreo Transmissível 60%), provavelmente como resultado do
(TVT) é transmitido diretamente de cão transplante de células do tumor durante o
para cão através da implantação de procedimento cirúrgico (APPARÍCIO,
células tumorais viáveis na superfície das 2015). A radioterapia é uma opção
membranas danificadas, durante o coito eficiente, mas tem um custo elevado, pois
ou outros comportamentos sociais como requer instalações apropriadas, técnicos
arranhaduras, mordeduras ou pelo ato de treinados e aparelhagem especifica. A
cheirar o outro animal (LORIMIER; FAN, quimioterapia com agente único tem se
2007). A cópula entre animais da espécie mostrado a mais efetiva (CLINICA
canina, devido ao contato prolongado, VETERINÁRIA, 2014). A quimioterapia é o
favorece o transplante das células tratamento mais efetivo, utilizando Sulfato
tumorais (SANTOS, 1988). vincristina, vimblastina, doxorrubicina e
Os tumores aparecem, inicialmente, ciclofosfamida. O Sulfato de vincristina
como áreas elevadas, com o crescimento, como agente único em aplicações
adquirem um aspecto de couve-flor, intrasemanais é o protocolo mais usado,
pendulada, papilomatosa, multilobulada sendo utilizado de quatro a oito
(GRUNERT et al., 2005). O tumor venéreo aplicações para a cura (ROGERS, 1997).
transmissível cutâneo, em geral, é bem A resistência à quimioterapia é um
circunscrito. Exibe nodulações isoladas ou obstáculo no tratamento de pacientes com
múltiplas e, quando ulceradas, câncer, pois estes podem apresentar
apresentam bordas elevadas e coloração resistência cruzada a drogas de diferentes
esbranquiçada, cinza ou rosada, estruturas, modo de ação e alvo celular
avermelhadas ao centro, friáveis e quase (MAIA; RUMJANEK, 2004).
sempre associadas à exsudato purulento
A ivermectina consiste em uma
(CASTELO-BRANCO, 2008).
droga alternativa potencial para o
De acordo com Boscos (2004), as tratamento de TVT, em função de sua
lesões apresentam ás vezes desconforto capacidade de inibir a glicoproteína P com
e descarga serosanguinolenta, protrusão baixa toxicidade (KORYSTOV et al.,
da neoplasia, deformação da genitália 2004). Recentemente um estudo
externa, lambedura excessiva da genitália demonstrou um efeito antitumoral das
e odor desagradável, principalmente se ivermectinas no tratamento de algumas
houver infecção bacteriana secundária. neoplasias em ratos (DRINYIAEVet al,
Sinais menos comuns incluem disúria, 2004). Lapa, (2009) mostrou que a
fraqueza, úlceras perineais, anorexia, ivermectina associada com a vincristina
constipação, parafimose e perda de peso. no tratamento de TVT causou a redução
O diagnóstico é feito mais da massa tumoral em menor tempo.
comumente pelo exame físico onde se Parafimose é a condição em que o
pênis é impedido de retrair para a aspecto “couve-flor” com secreção
cavidade prepucial. Sendo mais comum serosanguinolenta e ulcerações (Figura
após a ereção, mas pode estar associado 2). Na região ocular também se observou
a copula, traumatismo e neoplasia uma massa com secreção serosa e
(VOLPATO et al., 2010). purulenta. Foi solicitado hemograma
completo e realizada a coleta de material
A parafimose é diagnosticada por
através imprint e Punção Aspirativa por
inspeção visual devido aos sinais clínicos
agulha fina (PAAF) para exame
facilmente detectáveis. A principal
citopatológico da região peniana e ocular
complicação associada a esta afecção é a
(Figura 3 e 4). Foi realizado o diagnóstico
necrose parcial ou total do pênis exposto,
do exame citopatológicopara confirmar a
além da incapacidade reprodutiva. O
suspeita clínica de TVT (Tumor venéreo
tratamento para correção da parafimose é
transmissível). E foram realizados
principalmente cirúrgico (FOSSUM, 2005).
hemogramas para avaliar a condição do
Tinucci Costa (2009) descreve em animal, se estabelecida a necessidade de
alguns trabalhos, que o TVT em caninos algum tratamento paralelo ao TVT, este
machos, levam a um quadro de seria realizado.
parafimose, em consequência do
crescimento da massa tumoral
independente de sua localização, já que a
massa impede que o órgão se retraía,
deixando – o exposto por longo período.
O objetivo do presente trabalho é
verificar o protocolo da associação de
vincristina e ivermectina no tratamento de
TVT, diminuir o número de aplicações,
facilitando a recuperação do animal, além
do custo ser mais acessível. E tratar de
forma cirúrgica a parafimose que foi
secundária a doença.

Materiais e Métodos
Foi atendido na Clínica Veterinária
Figura 1: Animal com TVT apresentando
CVAS – Centro Veterinário Asa Sul,
nódulos no olho (seta verde) e no pênis
Brasília – DF, um animal da espécie
(seta vermelha) (Arquivo pessoal).
canina, SRD, macho, aproximadamente 2
anos de idade, pesando 5,9kg. A
proprietária relatou que ele foi encontrado
na rua comendo lixo, apresentando lesão
e nódulos no olho esquerdo e na região
peniana (Figura 1). Ao exame físico foram
constatadas as mucosas hipocoradas,
desidratação, TPC (Tempo de Perfusão
Capilar) em 2 segundos, com temperatura
retal de 38,2°C, frequência cardíaca125
bpm e respiratória 22 rpm, presença de
ectoparasitas (pulgas e carrapatos) e
apatia. Na região peniana, foi observado o
crescimento de uma massa irregular com
Para o tratamento de TVT foi
preconizado o protocolo de quimioterapia
com Sulfato de Vincristina 1% dose 0,06
mg/m2 uma aplicação a cada 7 dias IV,
associada a Ivermectina 1% na dose de
0,2mg/kgvia SC também a cada sete dias.
Foi repetido o exame
citopatolológico com imprint e Punção
Aspirativa por Agulha Fina (PAAF) na
base do pênis, para realizar novas
avaliações, na qual não havendo mais
presença de células redondas, o paciente
será submetido à avaliação cirúrgica
reconstrutiva de Prepucioplastia para
Figura 2: Massa tumoral com aspecto de correção da parafimose, e orquiectomia
couve-flor (seta vermelha). (Arquivo para prevenção de recidivas.
pessoal). A técnica de escolha para correção
da parafimose foia de Avanço Prepucial
modificado(MICHAEL, 2010). Uma incisão
curva, em formato de meia lua foi feita no
abdômen (Figura 12), lateral ao prepúcio.
Outra incisão foi feita no próprio prepúcio
para recobrir a região (Figura 13).
O colar Elizabetano foi utilizado
desde o inicio do tratamento de suporte,
durante o tratamento tumoral e quinze
dias no pós cirúrgicopara correção da
parafimose.

Figura 3: Exame citológico, confirmação Resultados e Discussão


da suspeita de TVT. O hemogramaapresentou,
hematócrito 14% e trombocitopenia
(Figura 5), onde optou-se por um
tratamento de suporte com Doxiciclina5
mg/kg VO durante 21 dias, Dexametasona
2% 0,25mg/kg durante 4 dias, Ferronil –
Sulfato Ferroso 60mg/animal VO durante
7 dias, Metacell 1ml/10kg VO durante todo
o tratamento de suporte e antitumoral. Foi
feita semanalmente uma reavaliação e
repetido o hemograma. Após 21 (vinte e
um) dias, observou aumento de peso,
melhora da anemia, normalização das
plaquetas e aumento do hematócrito para
34 (Figura 6). Assim o animal se
Figura 4: Células ovais com o núcleo encontrava apto a iniciar o protocolo
deslocado para a periferia (Seta branca). antitumoral.
(Arquivo pessoal).
suspeita de TVT,assim como descrito por
Moya et al. (2005) que citaram o TVT
como células ovais ou redondas com
bordas citoplasmáticas delimitadas,
núcleo oval ou redondo e frequentemente
excêntrico, cromatina granular e nucléolos
proeminentes, relação núcleo: citoplasma
alta, citoplasma discretamente basofílico
com múltiplos vacúolos, além de
anisocitose, anisocariose, basofilia
citoplasmática, hipercromasia nuclear e
macrocariose. Os autores descreveram
que a presença de figuras mitóticas e
células inflamatórias são outras
características do TVT. O animal foi
submetido ao tratamento de quimioterapia
Figura 5: Hemograma apresentando com Sulfato de Vincristina 1% dose 0,06
Hematócrito baixo (seta amarela) e mg/m², associada a Ivermectina 1% na
trombocitopenia (seta preta). (Arquivo dose de 0,2mg/kgvia SC, com intervalo
Pessoal). entre as aplicações de setedias (LAPA,
2009), corroborando comKorystov et al.,
(2004) quedemostraram efeito sinérgico
da associação das avermectinas à
vincristina, a qual pode aumentar o efeito
antitumoral do quimioterápico e diminuir a
resistência de tumores à mesma, que vem
crescendo nos últimos anos.
As lesões eram
avaliadassemanalmente(Figuras 8- a,
b,c,d,e,f,g) e observou-se após a terceira
aplicação a redução da massa tumoral
ocular por completo (Figura 8-c),
enquanto que a massa tumoral da base
do pênis reduziu por completo na quinta
aplicação (Figura 9),sendoconfirmado por
imprinte Punção Aspirativa por Agulha
Fina (PAAF) (Figura 10).
a)

Figura 6: Hemograma após a realização


do tratamento, apresentando hematócrito
(seta amarela) e plaquetas normais (seta
preta).

O exame citológico, confirmou a


d)
b)

e)
c)

f)
g)
0

Figura 8: a) Resultado da primeira


aplicação na região ocular (seta
verde);b)Resultadona região prepucial
(seta vermelha) (Arquivo pessoal); c)
Resultado da segunda aplicação na Figura 9: Resultado da 5º aplicação (seta
região ocular (seta verde); d)Resultado na vermelha) (Arquivo pessoal).
região prepucial (seta vermelha); e)
Resultado da terceira aplicação na região
ocular (seta verde); f)Resultadona região
prepucial (seta vermelha); g) Resultado da
quarta aplicação na região prepucial (seta
vermelha).

Figura 10: Fotomicrografia: Material


composto por moderados neutrófilos em
meio a um fundo repleto de eritrócitos.
Diagnóstico citopatológico –
Balaniteneutrofílica e hemorrágica
acentuada. (Arquivo Pessoal).

Andrade (2009) relata o aumento no


número de aplicações com um só fármaco
(Sulfato de vincristina).Estudos de
Gervazonietal, 2007, descreveram que
com a associação dos dois fármacos
(Sulfato vincristina e ivermectina)o
número de aplicações foi de 3,9 a 2,1 em
média, concordando com Andrade et al,
2009,que obtiveram os mesmos
resultados. Segundo Sousa et al. (2000)
geralmente, após a quarta aplicação
constata-se regressão completa do tecido
neoplásico, devendo a terapia ser
continuada com mais duas aplicações
após o desaparecimento completo das
lesões, tal como observado no presente
estudo.Com base no histórico clínico no
animal estudado, por estar em estágio
mais avançado à neoplasia (animal
errante) e por seu estado de saúde Figura 11: Animal apresentando quadro
debilitado que se encontrava antes do clínico de parafimose (Arquivo pessoal).
tratamento, o número de aplicações foi
maior do que o descrito nas literaturas
estudadas.
Após a redução da massa tumoral
da base do pênis, estenão conseguia ser
retraído para interior do prepúcio (Figura
11) e de acordo com Costa(2008),
descreveu a parafimose como sendo um
sinal que ocorre ocasionalmente.
Acirurgia realizadapara a
reconstrução foi com a técnica de Avanço
Prepucial modificada (Figura 12, 13 e 14)
(MICHAEL, 2010). 10 dias após a cirurgia,
uma pequena parte do pênis ainda se
encontrava exposto e prepúcio
edemaciado (Figura 15).Sendo observada Figura 12: Inicio da cirurgia- incisão com
a retração total do pênis a posição formato de “U”na região abdominal
anatômica, trinta dias após o utilizando bisturi elétrico(Arquivo pessoal).
procedimento (Figura 16, 17 e 18).
Figura 13:Incisão no prepúcio,
modificando a técnica de Avanço
Prepucial, com a intenção de ganhar mais
espaço de pele prepucial (círculo amarelo)
(Arquivo pessoal).

Figura 16:Local da cirurgia 30 dias após a


realização do procedimento (círculo
amarelo) (Arquivo pessoal).

Figura 14: Final da cirurgia- sutura em


ziguezague para a redução de espaço
morto subcutâneo e simples separado
para pele (círculo amarelo) (Arquivo
pessoal).

Figura 17: Animal apresentando retração


total do pênis a posição anatômica, 30
dias após a cirurgia (Arquivo pessoal).

Figura 15: 10 dias após a cirurgia, uma


pequena parte do pênis ainda se
encontrava exposto e prepúcio
edemaciado (círculo amarelo) (Arquivo
pessoal).

Figura18: Animal 30 dias após a cirurgia


(Arquivo pessoal). Agradecemos a Deus acima de tudo,
que plantou o amor por essa profissão
sonhada e desejada a cada dia da nossa
Conclusão: vida.

O menor número de aplicações que A nossa família que sempre nos


se obteve nesse caso clínico estudado apoiou e acreditou que conseguiríamos e
(cinco aplicações), se deve ao uso da venceríamos, mesmo que não
ivermectina que potencializou o efeito acreditássemos por alguns instantes.
antitumoral do sulfato de vincristina, A clínica, doutores e auxiliares que
possibilitandoa recuperação mais rápida cuidaram do paciente estudado com amor
dos efeitos colaterais da quimioterapia e e carinho.
minimizando os custos.
A nossa querida e amada
A cirurgia de reconstrução do orientadora Caroline Lavocat, por sua
prepúcio para corrigir a parafimose paciência ilimitada, conselhos inúmeros e
mostrou-se efetiva apresentando horas de dedicação para com nosso
regressão e correta formação anatômica trabalho.
do pênis após 30 (trinta) dias. A castração
A todos os professores que
realizada teve o objetivo de profilaxia de
participaram da construção, formação e
doenças como hiperplasia prostática, TVT
realização deste sonho.
e outras neoplasias, além, de contribuir
para o controle populacional de animais. E aos amigos que fizemos durante
estes anos, pela união, força,
descontração, e que para sempre
Agradecimentos: podemos contar.
Durante nossa trajetória difícil muitas
vezes, contamos com alguns anjos, que
não podemos deixar de agradecer.
REFERÊNCIAS

1- ANDRADE, S.F., SANCHES, O.C., GERVAZONI, E.R. Comparação entre dois protocolos de
tratamento do tumor venéreo transmissível em cães. Revista Clinica Veterinária, ano XIX, n.82,
Setembro-Outubro, p. 56-62, 2009.
2- APPARÍCIO, Maryciet al. Reprodução e obstetrícia em cães e gatos. 1. ed.São Paulo: MedVet,
p. 165, 2015.
3- BOSCOS, C. M.; VERVERIDIS, H. N. Canine TVT: clinicalfindings, diagnosisandtreatment.In:
WSVA-FECAVA-HVMS World Congress, 2004.
4- CASTELO-BRANCO, P. S. M. et al. Uso da 99mtc-timina na identificação de metástases de
tumor venéreo transmissível canino com apresentação cutânea. Pesquisa Veterinária Brasileira,
Rio de Janeiro, v. 28, p. 367-370, 2008.
5- COSTA, M. T. Tumor venéreo transmissível. In: DALECK, C. R.; DE NARDI, A. B.; RODASKI, S.
Oncologia em cães e gatos. São Paulo: Roca,p. 540-555, 2008.
6- DRIYNEAV, V.A., MOSIN, V.A., KLUGLYAK, E.B., NOVIK, T.S., STERLINA T.S. ERMAKOVA,
N.V., KUBLIK, L.N., LEVITMAN, M.K.H., SHAPOSHNIKOVA, V.V., KORYSTOV, Y.N. 2004.
Atitumoreffectofavermectins. EuropeanJournalofPharmacology 501, 19-23 ETTINGER, S. J.;
FELDMAN, E. C. Tratado de medicina interna veterinária: moléstias do cão e do gato.São Paulo:
Manole, v. 2. p.3020, 1997.
7- FOSSUM, T.W.; HULSE, D.A.; JOHNSON, A.L.; SEIM III, H.B.; WILLARD, M.D.; CARROLL,
G.L. In: ____. Cirurgia de Pequenos Animais. 2. ed, Ed Roca;p.611-672, 2005.
8- GERVAZONI, E. R. et al. Estudo de um novo protocolo de tratamento de tumor venéreo
transmissível em cães. In: ENCONTRO ANUAL DE PESQUISA INSTITUCIONAL E INICIAÇÃO
CIENTIFICA, 12,Presidente Prudente. Anais... Presidente Prudente, Unoeste, p. 81, 2007.
9- GRUNERT, E. et al. Patologia e clínica da reprodução dos animais mamíferos domésticos-
ginecologia. São Paulo: Varela, p.551, 2005.
10- KORYSTOV, Y. N.; ERMAKOVA, N. V.; KUBLIK, L. N.; LEVITMAN, M. K. H.;
SHAPOSHNIKOVA, V. V.; MOSIN, V. A.; DRIYNAEV, V. A.; KRUGLYAK, E. B.; NOVIK, T. S.;
STERLINA, T. S. Avermectinsinhibitmultidrugresistanceof tumor cells.
EuropeanJournalofPharmacology, n.493, p.57-64, 2004.
11- LAPA, F. A. S. Estudo comparativo da eficácia de dois protocolos de tratamento do tumor
venéreo transmissível em cães. Tese (Mestrado – Universidade do Oeste Paulista), Presidente
Prudente, 2009.
12- LORIMIER, L. P.; FAN, T. M. CanineTransmissibleVenereal Tumor. In: WITHROW, S. J.; VAIL,
D. M. Small Animal Clinical Oncology. 4 ed. Philadelphia: Elsevier, p.799-804, 2007.
13- MAIA, R. C.; RUMJANEK, V. M. Mecanismos moleculares de resistência a múltiplas drogas In:
FERREIRA, C. G; ROCHA, J. C. Oncologia molecular. São Paulo: Atheneu, 2004. 469p. Cap. 11,
p.113-122
14- MICHAEL, M. Atlas of Small Animal Wound Management and Reconstructive Surgery. Iowa,
USA: Wiley-Blackwell, 3. ed. cap. 22,2010.
15- MOYA, C. F. et al. Tumor venéreo transmissível canino: revisão de literatura e descrição de
caso
clínico. Medvep – Revista Científica de Medicina Veterinária, n. 3, v. 10, p. 138-144, 2005.
16-ROGERS, K. S. Transmissible venereal tumor. Compendium Continuing Education Article, v.
19, n. 9, p. 1036-1042, 1997.
17- ROMERO, F.; MARTINS, M. I. M.; GREEN, K. T.; SANTIS, G. W. D.; MACHADO, M. A. Tumor
venéreo trasmissível com metástase ovariana em cadela – Relato de caso. Clínica Veterinária,
ano XIX. n. 111, p. 66 – 72. Julho/Agosto, 2014.
18- SANTOS, J.A. Neoplasias In: SANTOS, J.A. Patologia Geral dos Animais Domésticos
(mamíferos e aves). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 3.ed., p.221-341, 1988.
19- SILVA, M. C. V.; BARBOSA R. R.; SANTOS, R. C.; CHAGAS, S. N.; COSTA, W. P. Avaliação
epidemiológica, diagnóstica e terapêutica do tumor venéreo transmissível (TVT) na população
atendida no hospital veterinário da UFERSA. Acta Veterinária Brasílica, v.1, n.1, p.28-32, 2007.
20- TINUCCI-COSTA, M. T. Tumor venéreo transmissível canino. In: DALECK, C. R.; DE NARDI,
A. B.; RODASKI, S. Oncologia em Cães e Gatos. São Paulo: Roca, cap. 34, p. 540-551, 2009.
21- WILLARD M.D., TVEDTEN H. & TURNWALD G.H.Small Animal Clinical Diagnosis by
Laboratory Methods.W.B. Saunders, Philadelphia. p. 380, 1989.
22- VOLPATO R. et al. Afecções do pênis e do prepúcio dos cães – Revisão de Literatura. Vet. E
Zootec. 17(3): p. 312-323, set 2010.

Você também pode gostar