Você está na página 1de 13

Introdução ao estudo de

processos psíquicos

IMAGINAÇÃO

Msc, Maria de Fátima Arnaldo


Email: mariadefatima.arnaldo@gmail.com
Definição

É a capacidade de criar imagens mentais e


poder pensar além da própria realidade,
inovando-a. A imaginação permite ao ser
humano conceber um mundo imaginário.
Imaginação

Para a velha psicologia associacionista cuja


explicação para o funcionamento de todas as
actividades psíquicas era a das combinações
associativas das impressões acumuladas
anteriormente, a imaginação era um enigma
insolúvel, pois a imaginação cria imagens,
ideias, fundamentalmente novas. Nesta velha
psicologia também se reduzia a imaginação a
outras funções.
Imaginação

Ribot: dividia a imaginação em dois tipos:


imaginação reprodutora (uma função da
memória de carácter associativo; ex.: se surge
uma imagem no campo mental, sem motivo
aparente, esta provavelmente tem relação com
alguma imagem que vi anteriormente –
paisagem) e imaginação criativa (caso mais
complicado).
Imaginação

Imaginação criativa: novas imagens ou ideias


que não existiam na consciência nem na
experiência passada. Teoria associacionista
explica tal fenómeno afirmando que estas
surgem pela combinação de elementos que não
são novos em si. Wundt e Ribot afirmam que a
imaginação é capaz de criar numerosas
combinações novas de elementos anteriores,
mas não é capaz de criar nenhum elemento
novo.
Imaginação

Wundt e Ribot: mostraram que os processos da


imaginação eram condicionados pelos
sentimentos. Ex.: sonhos: não são produtos do
acaso, mas estão relacionados com toda a
experiência de quem os sonha.
As ideias mais fantásticas reduzem-se a
combinações de elementos conhecidos. Esses
psicólogos descobriram o substrato real da
imaginação: a conexão desta com a experiência
anterior, com as impressões acumuladas.
Imaginação

Mas não responderam à questão: o que constitui


a base da actividade da imaginação?
Respondiam a esta questão afirmando que a
nova combinação surge por pura casualidade.
Os sonhos são uma combinação casual, uma
estrutura absurda que parece ser carente de
sentido, mas que do ponto de vista da análise é
completamente determinada (Wundt). A fantasia
do homem está limitada pelas possibilidades de
combinações.
Imaginação

Por outro lado, entende-se que a imaginação


criativa não se confunde com a memória, mas
segundo Vigotski, a velha psicologia, assim
como era incapaz de explicar o devir do
pensamento, o nascimento de uma actividade
racional orientada para um fim, também o era
para explicar como surge a imaginação criativa.
Imaginação

Se a psicologia associacionista reduz a


imaginação à memória, os intuitivistas
procuravam mostrar que a própria memória nada
mais é do que um caso particular da imaginação
(qualidade consciência). Nesta perspectiva a
percepção também é entendida como um caso
particular da imaginação
cont...

(uma imagem figurada da realidade, criada pela


mente,
que toma a impressão exterior como ponto de
apoio e que deve sua origem e surgimento à
actividade criativa da própria cognição –
“construção da realidade”; cada um cria para si
(um)a realidade).
A imaginação não é uma função entre outras
funções, mas uma forma mais complicada de
actividade psíquica, a união real de várias
funções em suas peculiares relações
(pensamento, emoções, memória, percepção):
sistema psicológico..
Tanto a imaginação quanto o pensamento
realista podem ser caracterizados por uma
elevadíssima emocionalidade. Entre eles não
existe contradição. Ao contrário, existem certas
esferas da imaginação que não estão, em si,
subordinadas à lógica das emoções

Você também pode gostar