Você está na página 1de 5

Ficha de Apoio RIC

1. Causas da Guerra Fria e suas características

A Guerra Fria foi um conflicto politico-ideologico envolvendo dois blocos: capitalista


liderado pelos EUA e socialista liderado pela URSS. A Guerra Fria teve como causas:

 O vazio de poder deixado pelas potencias europeias com o fim da II Guerra Mundial.

 As divergencias entre os dois blocos: capitalista e socialista.

 O realismo dos Estados e a sua ambicao por poder e influencia.

 A ambicao e necessidade pelo controle de zonas de influencia.

Este periodo incorporou algumas caracteristicas, nomeadamente:

 O centro de analise era o Estado- Realismo.

 A agenda internacional era composta por assuntos de high politics (capacidade militar
e seguranca).

2. Momento mais alto da Guerra Fria

A Guerra Fria teve o seu momento mais alto com a crise dos misseis em Cuba (1962). A
instalacao de misseis em Cuba pela URSS foi considerada pelos EUA como uma ameaca
directa ao seu territorio.

Antecedentes:

 A elite revolucionaria encabecada por Fidel Castro ascende ao poder em 1959,


irritando os EUA.

 Os EUA autorizam em 1961 a Operacao Mongoose para desestabilizar o governo


cubano.

 Aproximacao entre o Governo cubano e a URSS. A URSS entendia que o apoio a


Cuba elevaria o seu prestigio e moral no bloco socialista e nos paises em
desenvolvimento, a presenca sovietica mo hemisferio ocidental auferiria certos
ganhos politico-diplomaticos, e os misseis compensariam os misseis norte-americanos
instalados na Turquia, Italia e Inglaterra.

A crise foi resolvida sem uma confrontacao directa. Os EUA optaram por um bloqueio a
Cuba para impedir mais envios de misseis sovieticos.

3. Período de contenção

Como forma de evitar o ocorrido na crise dos misseis, as duas suoerpotencias decidiram
reduzir o nivel de tensao entre ambas atraves de um processo de negociacao e acordos.
Enquanto estabelecia as suas relacoes com a URSS, estrategicamente, os EUA se
aproximavam da China, o que Henry Kissinger chamou de diplomacia triangular.

Causas do fim do periodo de contencao:

 Apoio a movimentos e regimes aliados. Guerra do Vietname e Yom Kippur.

 Apoio da URSS aos movimentos independentistas em Africa.

 Os EUA desconfiavam que a URSS usava os acordos como uma estrategia para
ganhar o controle de armas e ganhar vantagem militar.

A Guerra de Yom Kippur (6-26 de Outubro de 1973) foi um dos momentos mais criticos do
periodo de contencao. A vitoria de Israel apoiado pelos EUA sobre os arabes (Egipto, Siria e
Iraque) apoiados pela URSS alterou a dinamica da correlacao de forcas no Medio Oriente,
tendo um grande impacto no Sistema Internacional, nomeadamente: os Acordos de Camp
David, em 1978, levaram a normalizacoes das relacoes entre o Egipto e Israel- a primeira vez
que um Estado arabe reconheceu Israel; com a derrota, o Egipto afastou-se completamente da
URSS; crise do petroleo devido ao embargo que os Estados da OPEP fizeram aos EUA e os
paises europeus por apoiarem Israel.

4. Fim da Guerra Fria

O fim da Guerra Fria foi antecedido um conjunto de acontecimentos: a queda do murro de


Berlim e as reformas iniciadas por Gorbachev.

Nos anos 1980, a URSS passava por convulsões sociais e alguns Estados do Leste já queriam
adoptar os ideais capitalistas. Mikhail Gorbachev iniciou em 1987 contactos com o Ocidente,
que culminaram na assinatura do Tratado das Forcas Nucleares de alcance Intermediario, um
tratado destinado a eliminar todos os misseis nucleares de medio alcance na Europa.
Gorbachev e outros reformistas iniciam um conjunto de reformas politicas (Glasnost
introduziu o sistema multipartidario) e economicas (Perestroika abandonou a economia
centralmente planificada) na URSS. Estas transformacoes aceleraram a dissolucao do Pacto
de Varsovia e a desintegracao da URSS em meados de 1992-1993.

5. Nova Ordem Mundial (estrutura do sistema internacional, actores e assuntos)

Com o fim da Guerra Fria, surgiu uma ordem internacional unipolar. Os EUA tiveram um
poder excessivo, mas por um periodo relativamente curto. Os EUA juntamente com os seus
aliados interviram no Iraque, em 1991. Alguns autores consideram que se essa intervencao
tivesse ocorrido no periodo da Guerra Fria, a URSS teria impedido a intervencao.

 A estrutura do sistema internacional passou para unipolar, onde os EUA eram o centro
do poder. Alguns autores consideram a possibilidade uma ordem unimultipolar onde
existem outras potências que conseguem suplantar os EUA em outros aspectos.

 Com o fim da guerra fria enquadrou outros assuntos na agenda internacional.


Assuntos de low politics passaram a ter relevancia na agenda de RI.
 Com o fim da Guerra Fria emergiram novos actores de relações internacionais. As OI,
ONG, multinacionais, individuos, etc., passaram a desempenhar um papel importante
nas relacoes internacionais.

6. Nova Ordem Mundial segundo Fukuyama

Fukuyama no seu Livro O Fim da Historia e o Ultimo Homem enaltece o poder dos EUA
mostrando a vitoria dos Estados democraticos sobre o comunismo sovietico. Ele defende que
a democracia liberal pode constituir a forma final de governo humano, e isso constitui o fim
da historia.

Nesse contexto, ele define Estados em Pos-historicos e Historicos:

 Estados Pos-historicos: democraticos com exito.

 Estados Historicos: nao democraticos, o que levara a guerras dentro dos mesmos.

7. Nova Ordem Mundial segundo Kissinger

Kissinger na sua obra Diplomacy, advoga que as ordens mundiais sao mutaveis, isto e, nunca
existiu uma ordem mundial permanente.

 No fim da GF, os EUA surgem para configurar o SI de acordo com os seus valores.

 Preve o declineo do poder dos EUA devido: (i) a ausencia de um adversario e (ii) a
nova estrutura do sistema internacional possui outros actores capazes de fazer face ao
poder americcano, como a China e Russia.

O SI do seculo XXI será marcado por uma contradicao: por um lado, a fragmentacao e por
outro lado, crescente globalizacao.

Fragmentacao: SI contara com 6 novas potencias: EUA, Europa, China, Japao, Russia, e
provavelmente a India- como tambem surgiram uma multiplicidade de Estados de tamanho
medio e pequeno.

Globalizacao: ao mesmo tempo, as relacoes internacionais ficarm verdadeiramente


globalizadas. Um conjunto de assuntos surgiram que apenas podem ser tratados numa base
global, como a proliferacao nuclear, o ambiente, a explosao populacional, e a
interdependencia economica.

8. Nova Ordem Mundial segundo Hungtiton

Samuel Hungtiton na sua obra O Choque das Civilizacoes e a Recomposicao da Ordem


Mundial, considera que a cultura e as identidades culturais moldarao os padroes de coesao,
desintegracao e conflicto nas RI. Ele considera que a tentativa de ocidentalizacao das
sociedades nao-ocidentais levara ao choque entre as mesmas.

 A nova ordem mundial sera baeada na civilizacao. Iriam surgir 9 civilizacoes:


ocidental, islamica, africana, sinica, latino-americana, japonesa, budista, hindu e
ortodoxa. Para Hungtiton, os conflictos no periodo pos-GF nao seriam mais
economicos e ideologicos, mas sim culturais.

 A sobrevivencia do Ocidente dependera dos EUA reafirmarem sua identidade


ocidental e de os ocidentais aceitarem que a sua cultura é singular e nao universal.
Evitar uma guerra global entre as civilizacoes depende de os lideres mundiais
aceitarem a natureza multicivizacional da politica mundial e cooperarem no caminho.

9. Caso Prático (ensaio para uma boa análise)

Venezuela

Destaca-se que a Venezuela é um país com as maiores reservas de petróleo do mundo, sendo
um atractivo para os EUA. Contudo, o país não possui boas relações com os EUA desde que
o ex-presidente Hugo Chávez (1999-2013) decidiu em 2001, iniciar um conjunto de reformas
como a nacionalização desde o sector petroleiro até o sector alimentar, afectando grandes
corporações americanas, como a Exxon mobil. As relações ficaram mais tensas em 2002
quando a Venezuela acusou os EUA de apoiarem uma tentativa de golpe de Estado ao
Governo de Chávez. A crise na Venezuela agrava-se desde que Juan Guaidó se
autoproclamou presidente interino do país.

Interesses Externos:

 Os EUA querem estalar um regime aliado para poderem ter acesso ao petróleo
venezuelano.
 A China quer garantir os seus interesses: o país emprestou à Venezuela mais de 50
bilhões de USD e um governo hostil a maduro poderia revogar a legitimidade das
dívidas. Uma vez que a Venezuela pode não ter capacidade de pagar as dívidas, pode
conceder alguns territórios para a exploração do petróleo, bem como facilidades na
importação do produto.
 A posição da Rússia é assegurar os seus interesses geopolíticos e neutralizar os
interesses norte-americanos. A Rússia também pretende se vingar da intromissão dos
EUA na Crise da Ucrânia.
 O Irão apoia Maduro por estar contra as políticas dos EUA.
 A Turquia procura garantir acesso ao ouro venezuelano.
 A Índia está “de olho” no efeito spill over. Uma vez em crise com os EUA, a
venezuela pode redireccionar as suas exportações de petróleo para a Índia que é uma
potência emergente e precisa do recurso para suas indústrias.
Cenários

Bom: pode-se econtrar uma solução interna entre as duas partes beligerantes.

Razoável: as hostilidades podem cessar, mas a crise pode continuar por mais alguns anos
num clima de paz instável.

Mau: a crise pode agravar-se com um golpe de Estado bem-sucedido pela ala de Juan Guaidó
e chegarmos à uma guerra civil e a ativaçãso das alianças.