Você está na página 1de 4

JUSTIÇA MILITAR DA UNIÃO

SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR

PODER JUDICIÁRIO Diário da Justiça Eletrônico


N.º 054/2011 Divulgação: Terça-feira, 29 de março de 2011. Publicação: Quarta-feira, 30 de março de 2011.

para manter na íntegra a sentença a quo, por seus próprios e jurídicos


SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR fundamentos."
Praça dos Tribunais Superiores
Asa Sul, Brasília - DF Brasília/DF, 29 de março de 2011
CEP 70.098-900 SONJA CHRISTIAN WRIEDT
Telefone: (61) 3313-9292 Secretária do Tribunal Pleno
http://www.stm.jus.br
Na Ata da 21ª Sessão de Julgamento Extraordinária, de 23/3/2011, na
CORREIÇÃO PARCIAL Nº 0000032-43.2010.7.04.0004 - DF,
Alte Esq ALVARO LUIZ PINTO
publicada no DJe nº 52, de 28/3/2011, pág. 3.
Ministro-Presidente
Onde se lê:
Dr. OLYMPIO PEREIRA DA SILVA JUNIOR
Ministro Vice-Presidente "O Tribunal, por unanimidade, julgou prejudicado o pedido de Correição
Parcial, por perda de objeto."
MOISÉS FRANCISCO DE SOUSA
Diretor-Geral Leia-se:

MOZART ARRUDA CAVALCANTI "O Tribunal, por unanimidade, indeferiu o pedido de Correição Parcial
Secretário Judiciário para, nos termos da Decisão recorrida, manter o arquivamento do feito."

© 2011 Brasília/DF, 29 de março de 2011


SONJA CHRISTIAN WRIEDT
ÍNDICE Secretária do Tribunal Pleno
Superior Tribunal Militar................01
Plenário...............................01 SEÇÃO DE ATAS
Secretaria do Tribunal Pleno.........01
Seção de Atas......................01 PAUTA DE JULGAMENTO Nº 37/2011
Secretaria Judiciária..................01
Seção de Diligências.................01 Os processos abaixo relacionados serão incluídos na Pauta de
Seção de Execução....................02 Julgamento, devendo, entretanto, aguardar o decurso de 3 dias úteis,
Auditorias da Justiça Militar............04 conforme regimento interno, podendo ser julgados a partir do 3° dia útil
Auditoria da 4ª CJM..................04 ou nas Sessões subsequentes.

APELAÇÃO Nº 0000040-41.2010.7.03.0103 / RS
PLENÁRIO
Relator: Ministro JOSÉ COÊLHO FERREIRA
SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO Revisor: Ministro FERNANDO SÉRGIO GALVÃO
Apelante: DEIVID SCHMIDT
RETIFICAÇÃO DE ATA Advogado: DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO

Brasília/DF, 28 de março de 2011


Na Ata da 15ª Sessão de Julgamento, de 1º/3/2011, no RECURSO EM
SONJA CHRISTIAN WRIEDT
SENTIDO ESTRITO Nº 0000038-62.2007.7.07.0007 - PE, publicada no
Secretária do Tribunal Pleno
DJe nº 038, de 4/3/2011, pág. 1.

Onde se lê:
SECRETARIA JUDICIÁRIA
"O Tribunal, por unanimidade, deu provimento ao Recurso de ofício,
SEÇÃO DE DILIGÊNCIAS
para manter na íntegra a sentença a quo, por seus próprios e jurídicos
fundamentos."
DESPACHOS E DECISÕES

HABEAS CORPUS Nº 0000021-03.2011.7.00.0000 - RJ


Leia-se:
RELATOR: Ministro Ten Brig Ar. CLEONILSON NICÁCIO SILVA.
PACIENTE: WANDERSON FIGUEIREDO NUNES, Sd Ex,
"O Tribunal, por unanimidade, negou provimento ao Recurso de ofício,
respondendo à IPD nº 0000259-96.2010.7.01.0301, perante a 3ª

Detalhes da assinatura digital Página 1 de 4


Documento assinado digitalmente, conforme MP nº 2.200-2/2001, de 24/08/2001, que institui a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil
DJe nº 054/2011, Quarta-feira, 30 de março de 2011. Justiça Militar da União

Auditoria da 1ª CJM, alegando estar na iminência de sofrer suspensivo, não transitou em julgado, diante do que lícito imaginar que
constrangimento ilegal por parte do Sr. Comandante do 2º Regimento de possa vir a ser reformada por Tribunal competente.
Cavalaria de Guardas e do MM. Juiz-Auditor do mencionado Juízo, Em vista do exposto, indefiro o pedido liminar.
impetra o presente habeas corpus preventivo, requerendo, liminarmente, Após, voltem conclusos.
a expedição de salvo-conduto e, caso já tenha sido preso, que seja À SEJUD, para providências.
imediatamente relaxada a prisão. No mérito, pede a concessão definitiva
do pedido liminar. Brasília - DF, 25 de março de 2011.
IMPETRANTE: Dr. Marcelo da Silva Trovão. Ten Brig Ar CLEONILSON NICÁCIO SILVA
Ministro-Relator
DECISÃO

Trata-se de Habeas Corpus impetrado pelo Dr. Marcelo da Silva Trovão, SEÇÃO DE EXECUÇÃO
OAB/RJ nº 96.532, em favor de WANDERSON FIGUEIREDO
NUNES, Soldado do Exército Brasileiro, indicando como autoridade DESPACHOS E DECISÕES
coatora o Comandante do 2º Regimento de Cavalaria de Guarda e o MM.
Juiz-Auditor da 3ª Auditoria da 1ª CJM, pleiteando, liminarmente, a EMBARGOS DE DECLARAÇÃO Nº 0000004-39.2004.7.02.0102/SP
expedição de salvo-conduto para que o militar em apreço não sofra RELATOR: Ministro Alte Esq ALVARO LUIZ PINTO
restrição de sua liberdade ambulatorial e possa aguardar com EMBARGANTE(S): WANDA GATTAS, Civil.
tranqüilidade o trânsito em julgado do processo que tramita na 5ª Vara EMBARGADO(A): O Acórdão do Superior Tribunal Militar, de
Cível da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, sob o número 29/11/2010, lavrado nos autos da Apelação nº
2010.51.01.016540-2. 0000004-39.2004.7.02.0102.
Narra o impetrante, em apertada síntese, que o paciente é militar da ativa ADVOGADO: Defensoria Pública da União.
servindo no 2º Regimento de Cavalaria de Guarda, desde 01 de março de
2005, portanto, há mais de cinco anos. DECISÃO
Tendo em vista que a Lei do Serviço Militar dispõe no seu art. 6º que o
serviço militar inicial dos incorporados terá a duração normal de 12 Vistos etc...
meses, o referido militar estaria sendo mantido indevidamente no serviço Contra o Acórdão do STM lavrado nos autos da Apelação nº
ativo, o que se configuraria em constrangimento ilegal. 000004-39.2004.7.02.0102 DF são opostos os vertentes Embargos de
Aduz ainda a peça inaugural que a insatisfação do paciente em servir ao Declaração.
Exército Brasileiro somado a problemas de ordem Mediante a pertinente Apelação recorreu de Sentença proferida pelo
familiar/pessoal/financeira, resultaram em vários processos de apuração Colendo CPJ da 1ª Auditoria da 2ª CJM a civil WANDA GATTAS.
de crimes de deserção, em trâmite na Justiça Militar da União. Julgando os respectivos apelos, os Ministros desta Egrégia Corte
Somado a isso, tramita na 5ª Vara da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, decidiram, por unanimidade:
Mandado de Segurança impetrado pelo militar cujo objeto é, justamente, "APROPRIAÇÃO INDÉBITA SIMPLES. Materialidade e autoria
a concessão da segurança para que o Comandante do 2º Regimento de devidamente comprovadas.
cavalaria de Guarda exclua o impetrante do serviço ativo do Exército. Pedido de absolvição por considerar atípica a conduta, ante a ausência de
Consta dos autos (fls. 93/96) que, no dia 01 de março de 2011, o MM. dolo não encontra respaldo nas provas carreadas aos autos, por ser
Juiz Federal da 5ª Vara do Rio de Janeiro, concedeu a segurança para patente a consciência e vontade dirigida a um resultado, qual seja,
fins de que a autoridade coatora libere o impetrante das fileiras do apropriar dos valores depositados indevidamente pela Administração.
Exército em razão da conclusão do tempo de serviço militar obrigatório. Na apropriação indébita, o dolo é subsequente à posse, ou seja, há a
Diante disso, foram solicitadas informações do Comandante do 2º apropriação e posterior disposição do bem.
Regimento de Cavalaria de Guarda, no sentido de informar sobre a Desprovimento ao recurso da Defesa para manter a decisão "a quo", por
situação do militar, tendo em vista a decisão da 5ª Vara Federal do Rio unanimidade".
de Janeiro. Em face da referida decisão "ad quem" opõem-se os Embargos em crivo,
Por intermédio do Ofício nº 034/11-Sect.1, de 15 de março de 2011 (fls. aduzindo como fundamento o fato de que, após a desclassificação para o
100), o Comandante daquela Unidade informou que a sentença não foi crime descrito no art. 248 do CPM, os valores apropriados não
cumprida, tendo em vista que o militar em apreço encontra-se em pertenceriam a Administração Militar, por se encontrarem depositados
deserção, complementando que tão logo se apresente o militar, será ele em conta bancária de particular, ou seja, da pensionista falecida, fato
submetido a inspeção de saúde para dar cumprimento à referida decisão apto a afastar de forma absoluta a competência desta Justiça
mandamental. Especializada para a apreciação da causa.
Feito este breve intróito, passo à Decisão. Requer, dessa forma, o acolhimento dos presentes embargos para seja
A concessão de liminar em habeas corpus exige prova pré-constituída de suprida omissão relativa à incompetência absoluta da Justiça Militar para
"fumus boni juris" e de "periculum in mora", as quais, de plano, já processar e julgar o presente feito.
devem instruir a petição inicial. Basta o relatado para decidir.
Após detida análise dos autos, verifico que a decisão que concedeu a É curial que embargos declaratórios não são válidos para expressar
segurança, muito embora juntada aos autos posteriormente à impetração, inconformismo ante decisão judicial.
não pode e não foi desconsiderada, tanto assim, que este Relator houve É o caso destes Embargos de Declaração, que se revelam,
por diligenciar junto ao Comando do militar, qual era a sua situação, inquestionavelmente, com tal propósito.
tendo em vista o conteúdo da sentença. Pacífico o entendimento de que compete à Justiça Militar julgar a
Por outro lado, não se pode olvidar que a referida sentença, muito apropriação indébita de valores depositados pela Administração Militar
embora sujeita ao duplo grau de jurisdição, cujo recurso não tem efeito em conta bancária após a morte de pensionista, como se vê das

Detalhes da assinatura digital Página 2 de 4


Documento assinado digitalmente, conforme MP nº 2.200-2/2001, de 24/08/2001, que institui a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil
DJe nº 054/2011, Quarta-feira, 30 de março de 2011. Justiça Militar da União

Apelações nº 0000006-91.2006.7.07.0007, nº Cobras, respondendo ao IPD nº 0000022-74.2011.7.03.0203, perante a 2ª


0000029-39.2005.7.01.0201, nº 0000029-29.2008.7.05.0005, nº Auditoria da 3ª CJM.
0000009-75.2008.7.07.0007. Alega, em síntese, que sofre constrangimento ilegal vez que, na condição
Por outro lado, não encontra ressonância no ordenamento jurídico o de adido para tratamento de saúde, não teria o dever de se apresentar
argumento de os valores depositados após o falecimento da pensionista regularmente ao quartel, não podendo, por essa razão, ser sujeito ativo do
não são bens da Administração Pública. crime de deserção.
Com o falecimento transmitem-se todos os bens pertencentes ao "de Acostados à inicial vieram cópia de decisão da Justiça Federal da 4ª
cujus" para os seus herdeiros, nos termos do art. 1.784 do Código Civil, Região, reintegrando o paciente à Marinha do Brasil, na condição de
"verbis": adido (fls. 05/07), cópia de ofício do Grupamento de Fuzileiros Navais
"Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros do Rio Grande à AGU informando a deserção do paciente (fls. 08), e
legítimos e testamentários." ofício, do Grupamento à 2ª Auditoria da 3ª Circunscrição Judiciária
Nesses termos, "in casu", a falecida transmitiu todos os seus bens Militar, informando que todas as diligências seriam efetuadas para a
amealhados tão somente até o momento da sua morte. Quaisquer valores localização e retorno do paciente ao grupamento. A inicial foi aditada à
depositados a posteriori de seu falecimento não mais integram seu fl. 19.
patrimônio e, portanto, a ninguém é dado transmitir aos herdeiros bens Por despacho de fl. 21, solicitei informações à Autoridade coatora.
sem que os possua. Prestadas as informações (fls. 35/38) e constatado que o paciente
Por fim, os considerados Embargos, posto que formulados como de encontrava-se recolhido no Presídio da Marinha, desde março de 2011,
natureza declaratória, não se prestam para postular com alcance de por motivo de deserção, deferi a liminar, concedendo-lhe a liberdade
Infringentes do Julgado. provisória, em 21 de março de 2011 (fls. 50/52).
Sob este prisma entende, também, o Excelso Pretório, como visto: Entretanto, foi acostado aos autos, ofício nº 381/11, de 22 de março de
"A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal tem ressaltado que os 20119 (fl. 82), comunicando a este Relator que por Decisão proferida em
embargos de declaração não se revelam cabíveis quando, utilizados com 18 de março de 2010, antes mesmo do deferimento da liminar, foi
a finalidade de sustentarem a incorreção do acórdão, objetivam, na determinado o arquivamento da IPD nº 0000022-74.2010.7.03.0203 e,
realidade, a própria desconstituição do ato decisório proferido pelo consequentemente, a imediata soltura do paciente.
Tribunal. Relatado o essencial, decido.
Precedentes: RTJ 114/885, 116/1.106, 118/714, 134/1.296" (ED em AR O presente "writ" encontra-se manifestamente prejudicado por perda de
153.147 - Rel. Min. Celso de Mello)". seu objeto.
"Os embargos de declaração não se devem revestir de caráter infringente Considerando a decisão de fls. 84/86, que determinou o arquivamento da
do julgado. A maior elasticidade que se lhes reconhece, IPD e conseqüente expedição de alvará de soltura, não há razão de ser o
excepcionalmente, em casos de erro material evidente ou de manifesta feito em tela, sendo o seguimento do presente habeas corpus medida
nulidade do acórdão, não justifica a sua inadequada utilização para evidentemente contrária ao princípio da economia processual.
questionar a correção do julgado no mérito e obter sua modificação" Isto posto, com fulcro no art. 12, inc. VI, do RISTM, julgo prejudicado o
(STF - Extr. - Rel. Néri da Silveira - JSTF-LEX 217/266).". presente habeas corpus por manifesta perda do objeto. Após transitado
Portanto, indubitavelmente, estes Embargos de Declaração se revelam em julgado, arquive-se.
como impróprios para admissão. P.R.I.C.A.
"Ex positis", com fulcro no Art. 12, inciso V, c/c o Parágrafo único do Providências pela SEJUD.
Art. 126, tudo do RISTM, NEGO SEGUIMENTO aos presentes
Embargos de Declaração. Superior Tribunal Militar, 24 de março de 2011.
Publique-se. Registre-se. Intime-se. Cumpra-se. MARCOS MARTINS TORRES
Providências a cargo da SEJUD. Almirante-de-Esquadra
Ministro-Relator
Superior Tribunal Militar, em 14 de março de 2011.
Alte Esq ALVARO LUIZ PINTO HABEAS CORPUS Nº 0000030-62.2011.7.00.0000/PE
Ministro-Relator RELATOR: Min. Gen. Ex. RENALDO QUINTAS MAGIOLI.
PACIENTE: JOSÉ FERNANDO COELHO FERREIRA, 2° Sgt. Aer., e
HABEAS CORPUS Nº 0000034-02.2011.7.00.0000/RS LEANDRO SILVA DE OLIVEIRA.
RELATOR: Ministro Marcos Martins Torres, Almirante-de-Esquadra. IMPETRANTE: Defensoria Pública da União.
PACIENTE: ALEXANDRE BIAGIOLI DE BARCELOS, Sd. FN, preso
no presídio da Marinha na Ilha das Cobras, respondendo à IPD nº DECISÃO
0000022-74.2011.7.03.0203, perante a 2ª Auditoria da 3ª CJM, alegando
estar sofrendo constrangimento ilegal, impetra o presente habeas corpus,
Cuido de Habeas Corpus impetrado pela Defensoria Pública da União,
requerendo o relaxamento urgente da sua prisão para que responda ao
em favor do 2º Sgt. Aer. JOSÉ FERNANDO COELHO FERREIRA e do
processo em liberdade. Sd. Aer. LEANDRO SILVA DE OLIVEIRA, os quais se encontram
IMPETRANTE: Dr. Leandro de Azevedo Bemvenuti. respondendo ao Processo nº 049/10-8, em andamento na 2ª Auditoria da
2ª Circunscrição Judiciária Militar (FO nº 0000086-51.2010.7.02.0202),
DECISÃO como incursos no artigo 251, parágrafo 3º, c/c os artigos 53 e 80, todos
do Código Penal Militar (fl. 2/25).
Vistos etc. Como fim último do "Writ", pretende a Impetrante que seja revogada a
O Advogado Dr. Leandro de Azevedo Bemvenuti impetra ordem de prisão preventiva decretada em desfavor dos Pacientes, nos termos da
habeas corpus em favor do Sd. FN ALEXANDRE BIAGIOLI DE Decisão, de 24/2/2011, do Conselho Permanente de Justiça (fl. 49/51).
BARCELOS que se encontra preso no presídio da Marinha na Ilha das Ocorre que, consoante a informação prestada pelo Juiz-Auditor

Detalhes da assinatura digital Página 3 de 4


Documento assinado digitalmente, conforme MP nº 2.200-2/2001, de 24/08/2001, que institui a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil
DJe nº 054/2011, Quarta-feira, 30 de março de 2011. Justiça Militar da União

Substituto atuante no prefalado Processo (fl. 164), o Conselho nesta Auditoria da 4ª Circunscrição Judiciária Militar, situada na Rua
Permanente de Justiça, em novel Decisão de 21/3/2011, decidiu revogar Mariano Procópio n° 820, bairro Mariano Procópio, na cidade de Juiz de
a prisão preventiva dos Pacientes, com a conseqüente expedição dos Fora, neste Estado de Minas Gerais, no dia seis de junho de dois mil e
pertinentes alvarás de soltura (fl. 165). onze (06-06-2011), as catorze (14: 00) horas, o civil MATHEUS DE
Posto isso, julgo prejudicado o Remédio Heróico por perda de objeto e MELO SOARES, brasileiro, estudante, solteiro, nascido em 22-06-1973,
determino o seu arquivamento com supedâneo no art. 12, inciso VI, do natural de Visconde do Rio Branco-MG, filho de Theodolindo Soares e
RISTM. de Maria Cardoso Soares, portador da CI 45.867 MD e CPF nº
P.R.I.C. 875.698.686-68, não tendo sido encontrado nos logradouros fornecidos,
Providencie a SEJUD. estando em paradeiro indefinido, em lugar incerto e não sabido, não
sendo, por conseguinte, possível a sua Citação para se ver processar e
Superior Tribunal Militar, 24 de março de 2011. julgar nos autos do Processo nº. 0000011-72.2007.7.04.0004 (10/09-8), a
Gen. Ex. RENALDO QUINTAS MAGIOLI que o acusado responde neste Juízo, como incurso nas sanções penais do
Ministro-Relator artigo 251, § 3º, c/c o artigo 80, ambos do Código Penal Militar (com
aplicação subsidiária da regra do artigo 71 do Código Penal Comum).
DADO E PASSADO nesta cidade de Juiz de Fora/MG, na sede da
ACÓRDÃO Auditoria da 4ª Circunscrição Judiciária Militar, aos vinte e nove dias do
mês de março do ano de dois mil e onze (29-03-2011). Eu, Mário Alves,
Representação para Substituição de Juiz Militar nº Oficial de Justiça Avaliador Federal que o digitei e eu, Vilma da Silva
0000008-04.2011.7.00. 0000/SP Braga, Diretora de Secretaria, que o subscrevo.
RELATOR: Ministro ALVARO LUIZ PINTO. A MMª Juíza-Auditora
da 1ª Auditoria da 2ª CJM representa pela substituição do CT Mar REGINA COELI GOMES DE SOUZA
MARCELO GADELHA LIMA, sorteado para compor o Conselho Juíza-Auditora Substituta
Permanente de Justiça para a Marinha referente ao primeiro trimestre de
2011.
DECISÃO: O Tribunal, por unanimidade, conheceu e deferiu a presente
Representação, para que se efetue, temporariamente, a substituição do
CT Mar MARCELO GADELHA DE LIMA como Juiz Militar no
Conselho Permanente de Justiça da Marinha que, na 1ª Auditoria da 2ª
CJM, julga o Processo nº 0000003-44.2010.7.02.0102/SP (Sessão Adm.
de 15/02/2011).
EMENTA: REPRESENTAÇÃO PARA SUBSTITUIÇÃO DE JUIZ
MILITAR. OFICIAL CONDENADO NA 1ª INSTÂNCIA DA JMU.
SORTEADO PARA COMPOR CPJ MAR. Necessidade exposta pelo
Juízo da 1ª Aud/2ª CJM "ex vi" do Art. 31 da Lei nº 8.457/92 (LOJM).
Sentença que grava o Oficial sorteado ainda não transitou em julgado.
Representação conhecida e deferida para que se proceda, de forma
temporária, a substituição do indigitado Oficial como Juiz Militar.
Decisão por unanimidade.

Brasília, DF, 29 de março de 2011.


MOZART ARRUDA CAVALCANTI
Secretário Judiciário

AUDITORIAS DA JUSTIÇA MILITAR


AUDITORIA DA 4ª CJM

EDITAL DE CITAÇÃO
(Com o prazo de 20 dias e publicação por 03 vezes)
PROCESSO 0000011-72.2007.7.04.0004 (10/09-8)

A Exma. Sra. Dra. Regina Coeli Gomes de Souza, Juíza-Auditora


Substituta da Auditoria da 4ª Circunscrição Judiciária Militar, no
exercício da titularidade e no uso de sua competência legal, etc...

FAZ SABER aos que o presente EDITAL DE CITAÇÃO, com prazo de


vinte (20) dias, e publicação por (03) vezes, virem ou dele conhecimento
tiverem que, fica citado, na forma do artigo 277, inciso V, alínea "d", c/c
com o artigo 286, "caput", parágrafos 1° e 2° e, ainda, com o artigo 287,
alínea "c", todos do Código de Processo Penal Militar, a comparecer

Detalhes da assinatura digital Página 4 de 4


Documento assinado digitalmente, conforme MP nº 2.200-2/2001, de 24/08/2001, que institui a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil

Você também pode gostar