Você está na página 1de 12

Alberto Sete

Beatrice Sachinda
Carolina Mukuro
Dozva Maruwa
Lucas Mucoca Junior
Santos Jofrice
Santos Antonio Sande Tete
Tomas Macanige

Tema:

Princípios de composição escrita

Licenciatura em ensino de inglês com habilidades em língua portugue

Universidade Púngùe

Chimoio

2019
Alberto Sete
Beatrice Sachinda
Carolina Mukuro
Dozva Maruwa
Lucas Mucoca Junior
Santos Jofrice
Santos Antonio Sande Tete

CAPITULO I – INTRODUÇÃO.............................................................................................................4
1. INTRODUÇÃO...............................................................................................................................4

2
1.2. Objectivos da pesquisa.....................................................................................................................4
1.2.1. Objectivo geral:.............................................................................................................................4
1.2.2. Objectivos específicos:.................................................................................................................4
1.3. Metodologias da pesquisa...............................................................................................................5
CAPITULO II- REFERENCIAL TEÓRICO...........................................................................................5
2. Princípios de uma composição escrita.............................................................................................5
2.1. Planificação.................................................................................................................................5
2.2. Organização.................................................................................................................................5
2.3. Desenvolvimento.........................................................................................................................6
2.4. Avaliação.....................................................................................................................................6
CAPITULO III… CONCLUSOES........................................................................................................11
3. Conclusão......................................................................................................................................11
4. Referências bibliográficas..............................................................................................................12

3
CAPITULO I – INTRODUÇÃO

1. INTRODUÇÃO
O presente trabalho fará menção sobre conteúdos relacionados com a cadeira de Português 1,
com o seguinte tema: princípios de uma composição escrita. Desta feita, serão versados os
aspectos relacionados com: a planificação, organização, desenvolvimento e avaliação dos
princípios da uma composição escrita. De acordo com ALBUQUERQUE (2002) e KELLOGG
(1999) para existir uma boa composição escrita é necessário que haja três etapas da sua estrutura,
como a introdução, o desenvolvimento e a conclusão, também os dois autores versaram sobre
outros princípios que serão detalhadas no desenvolvimento do trabalho.

1.2. Objectivos da pesquisa

1.2.1. Objectivo geral:


Desenvolver aspectos relacionados com os princípios de composição escrita.

1.2.2. Objectivos específicos:


 Identificar os princípios quanto a sua planificação, organização, desenvolvimento e
avaliação;
 Descrever e reconhecer os princípios quanto a sua planificação, organização,
desenvolvimento e avaliação.

1.3. Metodologias da pesquisa.

Para LAKATOS Apud IVALA (2007: 27) Metodologia seria “a explicação minuciosa,
detalhada, rigorosa e exacta de toda a acção desenvolvida no método de trabalho da pesquisa”.
Metodologia no entanto, segundo o autor acima, poderia se considerar como a explicação do
caminho pelo qual se vai proceder a pesquisa, sem obscura portanto, a natureza de pesquisa que
se propõe realizar. Desta feita, para o presente trabalho fez se a revisão bibliográfica e forma de
abordagem qualitativa.

4
CAPITULO II- REFERENCIAL TEÓRICO

2. Princípios de uma composição escrita

Saber compor textos é uma habilidade requerida em diversas disciplinas do ensino formal. Ela
perpassa os currículos escolares, é imprescindível para se aprender, para se consciencializar e
estruturar o que se aprendeu e para se verificar as aprendizagens em situações avaliativas É uma
tarefa que tem lugar tanto na vida profissional como na vida social; através da escrita,
expressamos as nossas opiniões e sentimentos, comunicamos e partilhamos. Ela permite -nos
compreender a vida e a nós próprios (CARVALHO, 2005).

2.1. Planificação
De acordo com KELLOGG (1999) uma das primeiras coisas que devemos nos preocupar ao
desenvolver um texto escrito é a planificação do que devemos saber, onde queremos chegar antes
de definir como lá chegar. Tudo planificado expressa quantitativamente o que se pretende
alcançar.

2.2. Organização
O conceito de organização pelo enfoque literário refere uma acção ou resultado de organizar o
que planificou para fazer ou seja para atingir satisfatoriamente determinados objectivos ou
metas. Neste caso, organiza se as etapas de fazer uma composição escrita como por exemplo
(KELLOGG, 1999).

2.3. Desenvolvimento
Desenvolvimento é toda acção ou efeito relacionado com o processo de crescimento, evolução de
um texto obedecendo certos princípios de uma composição escrita (KELLOGG, 1999).

2.4. Avaliação
Nesse ponto de vista, a avaliação numa composição escrita, admite um significador orientador e
cooperativo que compositor precisa avaliar ou estimar o que vai escrevendo ou o que escreveu,
baseando se em revisões (KELLOGG, 1999).

Para KELLOGG, (1999) a existência de uma boa composição escrita sublinha três etapas que
devem ser tomadas em consideração a saber:

5
Introdução

Aqui é onde apresentamos o que iremos falar na redacção. É um parágrafo bem básico e curto,
porém é um ponto que requer muita atenção, pois é aqui que você deverá prender a atenção do
leitor.

A introdução precisa ser directa, simples e objectiva. Tenha em mente o seguinte: Todo o texto
girará em torno da introdução que você elaborou; O tamanho ideal de uma introdução é de 2 ou 3
frases; Em cada parágrafo posterior do desenvolvimento, devem ser defendidas as frases
elaboradas na introdução. Digamos que a introdução de uma redacção sobre “Chocolate” fosse:

“Chocolate faz bem à humanidade. Porém, apesar de trazer benefícios, o seu consumo em
excesso pode trazer prejuízos.”

O primeiro parágrafo do desenvolvimento dessa redação teria que explicar o motivo do chocolate
fazer bem à humanidade, e o segundo parágrafo explicaria como é possível o consumo em
excesso trazer prejuízos. Note que a primeira frase da introdução seria explicada no primeiro
parágrafo do desenvolvimento e a segunda frase seria explicada no segundo parágrafo.

Seguindo essa sugestão, garantimos nota no critério “Organicidade”, pois mede o quão
organizado é o seu texto. Se você cuidar para que cada frase da introdução seja explorada em um
parágrafo, seu texto terá uma estrutura bem lógica e organizada.

Dica de pergunta para desenvolver a introdução em relação ao tema: “o que eu penso sobre isso?

Desenvolvimento

O desenvolvimento não pode ser uma continuidade da introdução. Esses dois têm uma relação
íntima, mas independente. Isso significa que, ao começar o desenvolvimento, é como se
estivéssemos começando o texto novamente. Nunca devemos iniciá-lo com termos como: Por
causa disso […], Com isso […], Baseado nisso […], Dessa maneira […], entre outros. Para saber
se está fazendo certo, faça um teste: se cortássemos a introdução fora, o texto ficaria sem
sentido? Se a resposta for sim, fizemos uma dependência entre eles. O ideal aqui é criar
interdependência entre introdução e desenvolvimento. Assim, o leitor poderia começar pelo
desenvolvimento sem problemas. Isso é um sinal de que o parágrafo consegue sobreviver

6
sozinho. A missão do desenvolvimento é provar ao leitor o nosso ponto de vista. E fazemos isso
com argumentos. Assim, como explicamos acima, o desenvolvimento do texto dependerá da
apresentação da introdução. O objectivo aqui é explicar, através de argumentos e factos, cada
frase da introdução em um parágrafo. O desenvolvimento pode ser obtido por meio das
perguntas: “como posso provar isso?”, “Quais as causas disso?”, “Quais as consequências
disso?”, “Como isso acontece?”, “De que forma posso realizar isso?”.

Conclusão

A conclusão, ao contrário do que muitos pensam, não é lugar de simplesmente repetir o que já
foi dito. Ela precisa ser um fechamento que acrescenta algo ao texto. Pode ser uma retomada da
discussão, mas de uma forma criativa, que não se limite a repetições. Pode também ser usada
para fazer advertências, uma análise crítica do tema discutido ou, até mesmo, fazer sugestões,
caso o tema trate de um problema social, por exemplo.

É importante ressaltar aqui detalhes que não devem constar nunca em uma conclusão:

Conclusão não é lugar para novos argumentos e ressalvas. Os argumentos / ressalvas devem estar
no desenvolvimento do texto, sempre; Conclusão não pode trazer surpresas para o leitor, deve
apenas fazer um fechamento sobre tudo, uma lição que pode ser tirada sobre o assunto que você
já defendeu; Conclusão não deve ter mais de 4 frases. E as perguntas para elaborar uma
conclusão exemplar é: “Que lição pode ser tirada disso?”, “Como resumir a solução para esse
problema?”, “O que merece ser destacado nesse raciocínio?”

Segundo CARVALHO, (2005). Os 5 princípios para elaborar uma composição são:

1 – Organização da linha de pensamento

Antes de escrever o texto em si, é óbvio que precisará reflectir alguns instantes sobre o tema e o
conteúdo a ser discorrido. Por isso é importante o momento do “brainstorming” – podemos
relacionar com o conceito de “tempestade de ideias” – o qual possibilita a extracção de todas as
ideias que surgirem na mente dado um determinado tema / pergunta.

7
2 – Utilização do Método KISS

“KISS” (beijo em inglês) faz uma analogia com o termo “Keep It Short and Simple”, que
expressa o comportamento de ser objectivo, simples e claro. Após o brainstorming, nesta etapa
deverá se sintetizar ao máximo a linha de pensamento, seguindo três regras: Simplicidade,
Clareza e Objectividade.

3 – Busca de referências

Está sem muitas ideias boas para rechear o seu texto? Uma dica muito importante é ler e
pesquisar bastante sobre o respectivo tema. Quanto mais referência você tiver, maior será o
repertório e consequentemente, mais relevante e coeso o texto se tornará.

4 – Ser coerente

Bem, nesta altura você já está finalizando o seu rascunho de composição, faltara mais alguns
pontos importantíssimos antes de passar a limpo o seu texto; A coerência (originada da palavra
coesão) é factor primordial para se escrever bem e ser bem avaliado. É através da coerência que
o todo se completa com começo, meio e fim. Para isso, é necessário estabelecer uma ordem para
que as ideias se completem e formem o corpo da narrativa.

5 – Leia, Releia, Leia e Releia

Lembre-se, é fundamental pensar, planejar, escrever e reler seu texto. Mesmo com todos os
cuidados, pode ser que não consiga se expressar de forma clara e concisa. A pressa e o
nervosismo podem atrapalhar. Com calma, verifique se os períodos não ficaram longos,
obscuros. Veja se você não repetiu palavras e ideias. À medida que você relê o texto, essas falhas
aparecem, inclusive, erros de ortografia e acentuação. Inclusive, você consegue aprimorar ainda
mais a forma como expõe as suas ideias ao reler várias vezes o texto.

De acordo com ALBUQUERQUE (2002) as dicas de uma composição escrita são :

8
1ª – Reflexão sobre o tema

É fundamental que faças uma reflexão cuidada sobre o tema que te é exigido. Não deverás,
nunca, afastar-te do tema, para poderes tratá-lo com alguma profundidade, criatividade e
seriedade.

2ª – Escolha do discurso

Após a reflexão sobre o tema, é importante definir o tipo de discurso com que organizarás o
conteúdo da tua composição (narrativo, descritivo, expositivo-informativo, argumentativo…).
Esta opção deverá ser cuidadosamente ponderada, pois há que escolher o discurso que melhor se
adeqúe à expressão das tuas ideias.

3ª – Elaboração do plano

Antes de começares a redigir, é necessário conheceres claramente os tópicos a desenvolver, as


ideias a privilegiar, o lugar a conceder a este ou àquele aspecto e o próprio encadeamento do
texto. É necessário, portanto, que procedas à elaboração de um plano que ordene os elementos
que reuniste quando reflectiste sobre o tema. Poderás introduzir mais elementos na tua lista de
tópicos ou retirar alguns que consideres repetitivos ou pouco importantes).

Na elaboração do plano, convém distribuir os vários aspectos a tratar por 3 áreas diferentes:

– A introdução (que apresenta o tema, podendo também indicar a sua importância e pertinência,
o método utilizado para o abordar…);

- O desenvolvimento (que, como o nome indica, desenvolve o tema, de acordo com o tipo de
discurso escolhido para o fazer);

– A conclusão (que constitui uma espécie de remate do texto e pode apresentar uma pequena
síntese do desenvolvimento, uma opinião…)

4ª – Concretização do plano

Deves, agora, desenvolver os teus tópicos por escrito, ou seja, organizar em textos os conteúdos
previstos pelo plano. Vais produzir um discurso que, com correcção linguística, exprima com

9
rigor e clareza, as ideias que queres transmitir. Para o conseguires, deverás prestar atenção aos
seguintes aspectos:

- As características do discurso a utilizar (descrever é diferente de argumentar, por exemplo);

- O encadeamento lógico das ideais;

– A riqueza vocabular;

– A correcção da ortografia, da sintaxe e da pontuação;

– A estética da linguagem (a música das palavras, o ritmo da frase…)

5ª – Revisão

A última etapa do trabalho consiste numa revisão atenta do texto, que permita detectar
eventuais erros relativos aos diversos aspectos considerados no ponto anterior. Antes de dar por
concluída a tua composição, experimenta lê-la em voz alta. Se o fizer, poderá aperceber-te de
algumas deficiências que a leitura silenciosa não permite observar.

10
CAPITULO III… CONCLUSOES
3. Conclusão

De acordo com as pesquisas feitas, foi imperioso notar que, para se fazer uma boa composição
escrita, segundo KELLOGG, (1999), propõe certos princípios na sua organização,
desenvolvimento e avaliação, com isso explicitou as três etapas como por exemplo a introdução,
o desenvolvimento e conclusão enquanto o CARVALHO, (2005), versou mais detalhada em
mencionar 5 princípios a saber: organização da linha do pensamento, utilização do método KISS,
busca de referências, ser coerente e Leia, Releia, Leia e Releia. E o ALBUQUERQUE (2002)
voltou a citar as ideias do KELLOGG (1999) em afirmar que para uma boa composição escrita
se precisa de ter em conta com a elaboração do plano onde terá a Introducao, desenvolvimento e
conclusão. Como se não bastasse, reiterou o princípio de reflexão sobre o tema, a escolha do
discurso, concretização do plano e a revisão do texto escrito. Portanto, da se por concluir que, os
autores cá destacados tiveram muita coisa em comum sobre os princípios de uma composição
escrita.

11
4. Referências bibliográficas
1. Albuquerque, C. (2002). A composição escrita nas dificuldades de aprendizagem.
Psychologica. 30, 79 -94.
2. Carvalho, J. A. B., & Pimenta, J. M. R. (2005). Escrever para aprender, escrever para
exprimir o aprendido [pp. 1877 – 1886] Braga, Universidade do Minho. Instituto de
Educação e Psicologia: Centro de Investigação em Educação.
3. Kellogg, R. T. (1994). The Psychology of Writing. New York: Oxford University Press,
1999.

12