Você está na página 1de 20

LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

NOME: Ligia Aparecida de Carvalho RA:

RELATÓRIO DO
ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II
Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Americana/SP
Abril/ 2021
NOME: RA:

RELATÓRIO DO
ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II
Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Relatório apresentado à Faculdade


Anhanguera, como requisito parcial para o
aproveitamento da disciplina de Relatório do
Estágio Currículo Obrigatório II – Anos Iniciais do
Ensino Fundamental

Tutora EAD

Americana/SP
Abril / 2021
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO........................................................................................................... 4

1 LEITURAS OBRIGATÓRIAS................................................................................. 5

2 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) .....................................................


10

3 ABORDAGEM DOS TEMAS TRANSVERSAIS CONTEMPORÂNEOS DA


BNCC ......................................................................................................................
12

4 ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER – RELAÇÃO COM A EQUIPE


ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA ..................................................................... 13

5 CONHECER METODOLOGIAS ATIVAS COM USO DE TECNOLOGIAS


DIGITAIS ................................................................................................................ 15

6 PLANOS DE AULAS ...........................................................................................17

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................................................


20

8 REFERÊNCIAS ................................................................................................... 21
INTRODUÇÃO

O estágio é uma chance que o acadêmico tem para aprofundar


conhecimentos e habilidades nas áreas de interesse do aluno, sendo assim, possível
vivenciar de modo prático todo o conteúdo ministrado durante a graduação no curso
de Pedagogia, tornando uma experiência importante para a formação de um
profissional competente, para os ensino a seguir no meio docente, como por
exemplo o Ensino Fundamental,
que é uma etapa de extremamente importância na vida da criança, visto que ocorre
a transição da educação infantil para o ensino fundamental onde se dará início o
período de alfabetização e posteriormente são introduzidos novos conhecimentos de
diferentes áreas.
O ensino fundamental compreende a fase do 1° ao 9° ano, atendendo
crianças de 6 a 14 anos de idade. Por ser um período extenso da educação básica,
ele é dividido em anos iniciais e anos finais. Anos iniciais do ensino fundamental:
Do 1° ao 5° ano se constitui os anos iniciais do ensino fundamental onde o
aluno inicia o processo de alfabetização, tem a oportunidade realizar atividades
lúdicas que proporcionam desenvolvimento motor, cognitivo e social.
No 5° ano a criança já se encontra preparada para iniciar uma nova fase que
ampliará os campos de conhecimento e o estudante passa a ter acesso a uma maior
quantidade de professores. Anos finais do ensino fundamental:
Os anos finais do ensino fundamental são constituídos pelo 6° ao 9° ano,
sendo um momento em que a cobrança pela maturidade dos alunos se faz mais
presente por apresentar conteúdos mais complexos. Além disso, é considerada uma
etapa de suma importância por apresentar uma base para a complexidade que será
vista no ensino médio.
Neste relatório de estágio estão descritas as atividades que foram realizadas
de forma remota durante o estágio obrigatório, observando todas as normas de
distanciamento social, e os protocolos específicos da covid-19, realizando o estudo
desenvolvido sobre a Educação Infantil, promovendo a busca da qualidade e
visando maior eficiência na atuação como docente e no bem estar social.
1 LEITURAS OBRIGATÓRIAS

A interdisciplinaridade sem duvida envolve dois aspectos, que são muito


discutidos, sendo eles: o epistemológico e o pedagógico ambos compreendendo
diversos conceitos e até mesmo, complementares, mas sobre a epistemologia, o
ponto de estudo é o conhecimento e de produção com seus aspectos, socialização e
reconstrução, ciência e seus paradigmas, o método de mediação entre o sujeito e
realidade. De outro modo, o pedagógico indica questões de natureza curricular, de
ensino e aprendizagem escolar.
A temática da interdisciplinaridade é compreendida como uma forma de
trabalhar em sala de aula, , no qual se propõe um tema com abordagens em
diferentes componentes curriculares. É construir algo inovador, que vise a ampliação
de sabedorias bem como a incorporação de novas sabedorias, ultrapassando o
pensar fragmentado, e esse movimento vem marcando a educação, visto que está
ligada a um contexto mais amplo e muito complexo de mudanças que estão ligadas
não somente à educação, mas também a vida social como por exemplo a economia,
a política e a tecnologia.
Maria Cândida Moraes (2002), na obra O paradigma educacional emergente,
destaca que se a realidade é complexa, ela requer um pensamento
multidimensional, que tem a capacidade de compreender a complexidade do real e
edificar um conhecimento que leve em consideração essa amplitude.
Diversos autor vem discutindo o tema interdisciplinaridade, especialmente
aqueles que pesquisam teorias curriculares e as epistemologias pedagógicas. De
modo geral, a interdisciplinaridade tem como finalidade buscar responder à
necessidade de superação de produção e socialização do conhecimento, é um
movimento que caminha para novas maneiras de organização do conhecimento,
como propõem Michael Gibbons e outros (1997).
A interdisciplinaridade surgiu na metade do século passado com o intuito de
superar a fragmentação e o caráter de especialização do conhecimento, causados
por uma epistemologia de tendência positivista. Sobretudo, a partir da influência dos
trabalhos de grandes pensadores modernos como Galileu, Bacon, Descartes.
Newton, Darwin e outros é que as ciências foram sendo divididas e assim,
especializando-se. Sob a influência das correntes de pensamento naturalista e
mecanicistas, buscavam a partir da Renascença, construir uma concepção mais
cientifica do mundo.
Para Goldman (1979, p. 3-25), um olhar interdisciplinar dobre a realidade
permite que entendamos melhor a relação entre seu todo e as partes que a
constituem. Para Goldman, apenas o mundo dialético de pensar, fundado
historicidade, poderia favorecer maior integração entre as ciências. Neste sentido o
materialismo histórico e dialético resolveu apenas parte do problema do
conhecimento reduzido, desde então, a interdisciplinaridade passou a ser discutida
em diferentes âmbitos científicos, ainda mais na educação.
Goldman (1979) destaca que, a princípio, a interdisciplinaridade aparece
como uma preocupação humanista. Desde então, todas as correntes de pensamento
se ocuparam com a questão da interdisciplinaridade: a teologia fenomenológica
observou neste conceito uma chave para o diálogo entre Igreja e mundo; O
existencialismo deu uma cara mais humana às ciências; a epistemologia buscou
desvendar o processo de construção de conhecimentos, garantindo maior integração
entre as ciências, e o materialismo histórico e dialético investigou, no método
indutivo-dedutivo-indutivo, integrar parte e todo.
Pensando na pedagogia, Georges Gusdorf impulsionou na década de 1960
um projeto interdisciplinar para ciências humanas apresentado à Organização das
Nações Unidas para a Educação, à Ciência e a Cultura (Unesco). Sua obra La
parole (1953) é de extrema importância para entender a interdisciplinaridade. Na
década de 70 a interdisciplinaridade passou de um processo filosófico, para algo
mais científico, de discussão do seu lugar nas ciências humanas e na educação a
partir da década de 1980.
Segundo Gadotti (1993) atualmente, no plano teórico, busca-se fundar a
interdisciplinaridade na ética e na antropologia, juntamente, ao plano prático, surgem
projetos que reivindicam uma visão interdisciplinar, sobretudo no campo do ensino e
do currículo. No Brasil, o conceito de interdisciplinaridade chegou a partir da obra de
Georges Gusdorf e posteriormente, da de Piaget.
Ratificando podemos dizer que a interdisciplinaridade no campo conceitual
sempre será uma reação alternativa à abordagem disciplinar normalizadora das
diversas vertentes de estudo e independente da definição e visão que cada autor
tem sobre a interdisciplinaridade, ela estará sempre situada no campo da
possibilidade de superar a fragmentação das ciências e dos conhecimentos
produzidos por ela.
A interdisciplinaridade pretende levar a recuperação da unidade humana pela
passagem de uma subjetividade para uma intersubjetividade e, assim sendo,
recupera a ideia primeira de cultura que nada mais que a formação do homem total,
o papel da escola que é a formação do homem inserido em sua realidade e o papel
do homem agente das mudanças do mundo e a sua volta.
Os autores muito além de identificar um conceito para interdisciplinaridade,
buscam encontrar seu sentido epistêmico, seu papel e suas implicações sobre o
processo do saber e conhecer, o que se propõe é uma profunda revisão de
pensamentos, que devem procurar caminho no sentido das discussões, das trocas,
da integração conceitual e metodológica.
O aprofundamento do conhecimento científico é uma tendência que nada tem
de acidental, mas pelo contrário, é condição de possibilidade do próprio progresso
do conhecimento, expressão das exigências analíticas que caracterizam o programa
de desenvolvimento da ciência que vem dos gregos e que foi reforçado no século
XVII, principalmente com Galileu e Descartes, que nesse sentido compartilham de
uma mesma perspectiva metódica: pelo método indutivo, dividir o objeto de estudo
para estudar finamente seus elementos constituintes e, depois, recompor o todo a
partir daí.
Embora a temática da interdisciplinaridade esteja em debate tanto nas
agências formadoras quanto nas escolas, sobretudo nas discussões sobre projeto
político-pedagógico, os desafios para a superação do referencial dicotomizado e
parcelado na reconstrução e socialização do conhecimento que orienta a prática dos
educadores ainda são Brobdingnagian.
Para Gadotti (2004), a interdisciplinaridade visa garantir a construção de um
conhecimento globalizante, rompendo com as fronteiras das disciplinas.
Pedro Demo (2001) também nos ajuda a pensar sobre a importância da
interdisciplinaridade no processo de ensino e aprendizagem quando propõe que a
pesquisa seja um princípio educativo e científico, para ele, espalhar uma informação,
conhecimento e patrimônios culturais é tarefa essencial e importante, mas nunca
apenas os transmitimos, na verdade, reconstruímos e desta forma, a aprendizagem
é sempre um fenômeno reconstrutivo, e não apenas passado adiante.
Para Paulo Freire (1987), a interdisciplinaridade é processo metodológico de
construção do conhecimento pelo sujeito com base em sua relação com o contexto,
com a realidade, com sua cultura, de modo geral, o professor precisa tornar-se um
profissional com visão conjunta a realidade, compreender que um entendimento
mais profundo de sua área de formação não é suficiente para dar conta de todo o
processo de ensino aprendizagem, ele precisa tomar posse também das múltiplas
relações conceituais que sua área de formação estabelece com outras ciências.
A escola deve ser, por sua natureza e função, uma instituição interdisciplinar
ela é um lugar de vida e, ao mesmo tempo, um instrumento de acesso do sujeito à
cidadania, à criatividade e à autonomia, não possui fim em si mesma e sempre se
renova, portanto ela deve constituir-se como processo de vivência, e não só de
preparação para a vida social, pois desta forma, sua organização curricular,
pedagógica e didática deve considerar a pluralidade de vozes, de concepções, de
experiências, de ritmos, de culturas, de interesses.
Olga Pombo (2003) afirma que há um alargamento do conceito de ciência e,
por isso, a necessidade de reorganização das estruturas da aprendizagem das
ciências e, por consequência, das formas de aprender e de ensinar.
O conceito de ciência é tão intrínseco que muitas vezes é difícil estabelecer a
fronteira entre ciência e a política, a ciência e a economia, a ciência e a vida das
comunidades humanas, a ciência e a arte e assim por diante, por isso, quanto mais
interdisciplinar for o trabalho docente, quanto maiores forem as relações
estabelecidas entre as diferentes ciências, quanto mais problematizanstes,
estimuladores e dialéticos forem os métodos de ensino, maior será a possibilidade
deabsorção do mundo pelos sujeitos que aprendem.
A interdisciplinaridade, tanto em sua dimensão epistemológica quanto
pedagógica, esta sustentada por um conjunto de princípios teóricos formulados
sobretudo por autores que analisam criticamente o modelo positivista das ciências e
buscam resgatar o caráter de totalidade do conhecimento.
A interdisciplinaridade, como fenômeno gnosiológico e metodológico, está
impulsionando transformações no pensar e no agir humanos em diferentes sentidos.
É um movimento que acredita na criatividade das pessoas, na complementariedade
dos processos, na inteireza das relações, no diálogo, na problematização, na atitude
crítica e reflexiva, enfim, numa visão articuladora que rompe com o pensamento
disciplinar, parcelado, hierárquico, fragmentado, dicotomizado e dogmatizado que
marcou por muito tempo a concepção exageradamente metódica e sistemática de
mundo.
Portanto, a interdisciplinaridade é um movimento importante de articulação
entre o ensinar e o aprender desta forma, trabalhar nessa perspectiva exige que o
professor adote uma postura crítica e faça uso de metodologias adequadas ao
ensino interdisciplinar, e assim possibilite aos alunos um ensino que garanta a
eficácia na compreensão da realidade.
2 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP)

O Projeto Político Pedagógico (PPP) é um documento normativo,


referente ao planejamento global de uma instituição, o PPP é elaborado
democraticamente, cada um é único e desenvolvido exclusivamente de acordo
com as necessidades da escola.
Nele, serão considerados todos os campos que integram o ambiente
escolar. É um documento que possibilita a comunidade escolar a desenvolver
um trabalho coletivo, para debater sobre os propósitos da escola, e o que
poderá ser feito para alcança-los. Sempre contribuindo para o progresso e
desenvolvimento de seus estudantes. É de suma importância, visto que, nele
contém informações diversas como normas e condutas, rotina escolar, horário
de funcionamento, orientações aos pais/responsáveis, entre outras coisas que
compõem o ambiente escolar de forma geral.
Por meio do PPP é que a escola pode desempenhar um trabalho coletivo
mais proveitoso, aplicado nas responsabilidades pessoais e coletivas,
destinadas a alcançar os objetivos nele estabelecidos, desta forma, o Projeto
Político Pedagógico é de suma importância.
A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento normativo
que define as aprendizagens essenciais que todos os alunos devem alcançar
na educação básica, desta forma, todas as escolas organizam o seu currículo
de acordo com a BNCC.
As competências gerais da BNCC definem a base educacional,
norteando caminhos pedagógicos. São mobilizações de conhecimento de
acordo com os princípios éticos, estéticos e políticos, visando a formação
humana em suas múltiplas dimensões, garantindo o crescimento do aluno como
cidadão.
As atribuições gerais da Educação Básica se inter-relacionam com o
PPP, por meio das definições do currículo escolar, onde possuem as
aprendizagens desenvolvidas na BNCC, que demandam a incorporação de um
conjunto de conhecimentos, saberes, valores e métodos de formação integral
nos vários setores da escola, como base para direcionar os rumos pedagógicos.
A avaliação de aprendizagem é um elemento significativo no processo de
ensino e da aprendizagem, visto que, oportuniza indícios dos avanços escolares
e dos pontos que precisam ser aperfeiçoados.
De acordo com o PPP, o processo de avaliação é realizado com a
observação criteriosa e atenciosa sobre as manifestações de cada criança, não
sendo apenas uma avaliação quantitativa tendo em vista aprovação ou
reprovação, mas sim, a formação integral deste aluno.
As atividades de avaliação do professor deverão ser de acordo com à
faixa etária e ao período em que estiver matriculado.
Objetivando uma avaliação contínua, o aluno será constantemente
acompanhado, orientando, mediante registros e comunicação quanto ao
progresso do método educativo.
A partir disso, o PPP deve funcionar como um norteador para as
atividades da escola e contemplar não apenas os objetivos e metas, mas
também as ações que serão tomadas para alcançá-los, levando em
consideração a realidade da instituição de ensino.
Por isso, o Projeto Político Pedagógico deve ser atualizado no início de
todo ano letivo e consultado periodicamente para garantir que seja colocado em
prática.
3 ABORDAGEM TRANSVERSAIS CONTEMPORÂNEOS DA BNCC

A terminologia Transversalidade é um princípio que desencadeia


metodologias modificadoras da prática pedagógica, incluindo diversos
conhecimentos e ultrapassando uma concepção fragmentada, em direção a
uma visão sistêmica, são importantes para se trabalhar na escola pois permite
ao estudante a compreensão de diversas questões, desta forma, contribui para
uma formação integral como ser humano.
Na área da pedagogia podemos trabalhar os temas transversais
contemporâneos como por exemplo Ciência e Tecnologia, Civismo,
Multiculturalismo e também Cidadania e Meio Ambiente. O Guia apresenta uma
metodologia de trabalho para o desenvolvimento dos TCT’s, baseado em quatro
pilares, sendo eles: superação da concepção fragmentada do conhecimento
para uma visão sistêmica; problematização da realidade e das situações da
aprendizagem; integração das habilidades e competências curriculares à
solução de problemas; e a promoção de um processo educativo e continuado e
do conhecimento como uma construção coletiva. Essa metodologia é algo que
trará retorno, por ser adaptável, o estudante se ajusta melhor. A equipe
pedagógica e o professor trabalham juntos pois o pedagogo auxilia o professor,
lhe dando um suporte, tanto prático quanto teórico, de acordo com a dificuldade
enfrentada pelo professor naquele momento. É muito importante a relação da
direção com a equipe pedagógica pois é a partir desse comunicação que são
discutidos assuntos como evasão escolar, notas, avaliações e reprovações,
quem conduta a direção da escola é o diretor, dando todo o suporte necessário,
também a função é atuar de forma ampla.
4 ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER-RELAÇÃO COM A EQUIPE

ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA

Nas escolas públicas e privadas a BNCC é um documento que


regulamenta as aprendizagem para garantir os direitos e o desenvolvimento
dos alunos, diante disso, um dos grandes desafios enfrentados pelo professor
em relação a sua atuação nos anos iniciais do ensino fundamental é trabalhar
de acordo com a BNCC, visto que, a BNCC tem o objetivo de desenvolver
competências no aluno, e não apenas aprender a partir da memorização, mas
sim, visando o desenvolvimento integral do aluno.
A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) começou a ser
implementada na Educação Básica recentemente, pois esse documento fornece
orientações e determina competências, habilidades e componentes essenciais
para estudantes de todas as escolas brasileiras, públicas e privadas. Esse não
é o único documento que o professor deverá considerar no momento de
planejar a sua prática pedagógica.
A BNCC é uma base a ser seguida, mas os estados, as secretarias de
educação, as escolas possuem maioridade para criar um currículo a ser
seguido de acordo com a realidade onde está inserida a instituição de ensino.
Além da BNCC outros documentos devem ser considerados como o Projeto
Político Pedagógico (PPP), o Regimento Escolar, Lei de Diretrizes e Bases
(LDB Lei 9.394/96) e também a Constituição.
O grande desafio é trabalhar com a BNCC, visto que o seu objetivo é
ampliar a capacidade do estudante, a sua finalidade não é apenas aprender por
memorização, mas sim, desenvolver o indivíduo em todas as dimensões, social,
cognitiva, física e emocional.
Observando de uma forma ampla, é fundamental a pesquisa por quais
intervenções, e quais práticas do docente poderá beneficiar a aprendizagem
dos alunos. A BNCC detém algumas áreas do saber que o professor precisa
evoluir em suas metodologias, contudo, é preciso dominar a essas áreas, tendo
em vista que cada área do saber apresenta seus componentes curriculares que
dispõem de aptidões exclusivas de unidades temáticas com o intuito do
conhecimento e propósito de aprendizagem.
A equipe pedagógica tem o papel fundamental de conduzir o educador,
dando suporte tanto teórico como prático de acordo com os desafios
encontrados no caminho pelo professor, por meio de cursos de capacitação.
Toda equipe tem um papel e o dever de acompanhar o progresso dos
alunos por meio de avaliações e trabalhos, ajudando a resolver as divergências,
buscando sempre meios para esclarecer as dificuldades dos estudantes.
A equipe diretiva deve criar um plano de ação com objetivos e metas a
serem alcançados durante o sistema de gestão, e as avaliações dos
estudantes junto com a equipe pedagógica e os professores com incentivo de
criar novas técnicas para diminuir a evasão escolar, na diligencia de aperfeiçoar
a realidade dos alunos que passam por alguma dificuldade no processo de
aprendizagem. 

5 CONHECER METODOLOGIAS ATIVAS COM USO DE TECNOLOGIAS

DIGITAIS

No Estágio Supervisionado do Ensino Fundamental, houve uma reunião


no primeiro momento com a pedagoga, ela explicou que havia alguns
problemas a serem resolvidos naquela unidade escolar, atentou que a escola
passa por um período de mudanças, e que na realidade pode discordar dos
conceitos da escola idealizada para estagiar e com alto índice de evasão, e a
escola possui poucos recursos financeiros e tecnológicos, onde se torna para
os alunos pouco atraente e o usos de celulares, acabam distraindo os alunos
sem interesses de estudar.
A princípio, observei esses desafios que teriam que ser enfrentados,
então apontei algumas sugestões para a professora que seriam capazes de
resolver os desafios, conversamos sobre as metodologias ativas e chegamos à
conclusão de que para amenizar a situação da evasão escolar, iríamos pedir
aos alunos para que respondessem um questionário contendo atividades que
gostariam de fazer, com a finalidade de tornar a escola mais atrativa aos
alunos. Após a entrega das tarefas, pensamos em criar um cronograma de
atividades mais escolhidas pelos alunos com o intuito de mostrar aos alunos
que o ambiente escolar não é feito apenas de cobranças e prazos, a escola
também é um lugar de descoberta, onde a aprendizagem ocorre de várias
maneiras, a escola pode ser sim um ambiente prazeroso, um lugar para
aprender enquanto se diverte.
Relatamos um ponto marcante sobre o uso excessivo do celular em sala
de aula, desde podemos usar de forma pedagógica para auxiliar no ensino,
pode ser usado para alguma atividade dinâmica onde há diversas
possibilidades a hipótese de conciliar o uso dos celulares em sala de aula, o
objetivo é criar um ambiente mais interessante e prazeroso para o aluno,
visamos que o celular vai muito além nas redes sociais, é muito favorável tanto
para o professor como para o estudante.
A utilização de metodologias ativas encoraja os alunos para que
aprendam de maneira autônoma e participativa, a partir de situações reais.
A proposta é que o aluno esteja no centro do processo de aprendizagem,
participando de forma ativa e sendo responsável por sua construção de
conhecimento.
A escola se dispõe de muitos recursos tecnológicos, o uso excessivo de
celulares pelos alunos podem acessar a internet para fazer pesquisa e realizar
proposta em sala de aula, que por sinal distraem muitos. 
6 PLANOS DE AULA
Recursos: Maquiagem, caderno de anotações, objetos diversos para uso nas
improvisações, aparelhos de CD e CDs diversos.

Disciplina Arte Identificação Série 2º Ano


Turma Sala 10
Período Vespertino
• Contação de histórias.
Conteúdo  Jogos populares e dramáticos.
• Improvisações livres e regradas.
• Apreciação e protocolo.
Objetivo geral
• Aulas diversificadas para diminuir a evasão escolar.
Objetivos específicos
Objetivos  Participar de experimentações práticas de caráter lúdico 
Conscientização corporal.
• Compreender os conceitos básicos da linguagem do
teatro.
• Inicialmente, vamos explicar a eles que o aquecimento
desperta, leva à conscientização corporal e evita
machucados na hora dos exercícios. Atividades como
siga-o-mestre, pular corda, corre cotia e exercícios de
alongamento.
• Os encontros serão compostos de aquecimento, jogos e
brincadeiras, improvisações, apresentação de cenas e
leitura e apreciação de protocolo.
• Contar histórias. Você diz uma frase e os estudantes vão
alimentando o enredo Pode ser algum fato ocorrido na
escola recentemente e que tenha despertado a atenção
deles ou uma notícia publicada em revistas ou jornais e
Metodologia que trate de um tema que você ache
adequado explorar.
Para isso, eles respondem às seguintes questões: o quê?
Quando?Onde? Por Quê? A partir desses
questionamentos, criam-se pequenas cenas com começo,
meio e fim.
• Além da apresentação para todos os colegas, essa etapa
inclui conversas sobre as aulas e apreciação das cenas
dos colegas.
• O protocolo é uma forma de registro (escrito, plástico,
musical) que possibilita uma maior reflexão sobre o
processo. Cada um lê seu diário de bordo, em que
escreve; desenha e anota as músicas utilizadas durante
as aulas e o que tem observado, sentido e percebido das
atividades.
Nos últimos meses, os estudantes irão montar uma
apresentação, poderão até elencar as cenas de que mais
Avaliação gostaram durante o processo de apreciação e refaze-las,
construindo um pequeno cenário e usando figurinos, escolher
um texto curto e criar algo coletivamente para apresentar aos
pais e colegas de todas as escolas.
Critérios
Completude da proposta
Boa oralidade
Referências https://novaescola.org.br/conteudo/6284/iniciacao-teatral-
crianças

Disciplina Arte Identificação Série 1º Ano


Turma Sala 08
Período Vespertino
Conteúdo
• Escuta atenta dos sons do cotidiano.
• Conceitos musicais (timbre, altura, duração, intensidade e
ritmo).
• Funcionamento dos instrumentos musicais.
• Mecanismos de propagação sonora e acústica dos materiais.
Objetivos Objetivo geral
• Aulas diversificadas para diminuir a evasão escolar.
Objetivos específicos
• Desenvolver a acuidade auditiva nas crianças e coloca-las em
contato com o sistema de produção de sons.
Metodologia • Duas aulas serão para as crianças ouvirem atentamente os
sons de diferentes locais dentro da escola e fora dela também.
Em outra aula, será proposto que as crianças transformem o
que ouviram. Elas podem fazer isso ao desenhar e imitar. A
intenção é mostrar onde há sons estridentes, suaves, bonitos,
repetitivos etc. É possível também gravar os sons do ambiente
e reproduzi-los em classe.
• Preparar quatro aulas de investigação e diferenciação dos
sons. Com diversos materiais em mãos (talheres, pedras,
conchas, pedaços de madeira etc.), faça barulhos e peça que
os alunos digam o que ouvem e depois classifiquem de acordo
com a altura, a intensidade e a duração.
• Haverá um momento de entender o funcionamento dos
instrumentos na prática. Para a produção de sons, sugira a
montagem de chocalhos com latas de metal, arroz ou pedras.

Recursos Instrumentos musicais, maquina fotográfica, aparelho de som


papelão, pedras, conchas, talheres, pregos, tubos de papelão,
bambu, garrafas de vidro e garrafões de água.
Avaliação Verificar se a turma diferencia e classifica os sons durante as
critérios atividades e avalie se, na hora de produzir os instrumentos,
todos entenderam seus princípios básicos de funcionamento.
• Compreender e diferenciar o som dos objetos e outras coisas.
• Compreender, timbre, altura, duração, intensidade e ritmos.
Referências https://novaescola.org.br/conteudo/6736/os-sons-do- cotidiano
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Nesse estágio do ensino fundamental me fez passar por uma experiência


prática na realidade escolar, fazendo uma participativa com procedimentos
adequados. O estágio me proporcionou uma base conceitual sobre as teorias
para refletir, pesquisar envolvendo todos processo de ensinar e aprender,
diversas coisas com os educandos.
De outro modo o estágio no fundamental também proporcionou uma
análise referente ao processo pedagógico, desenvolvendo competências e
habilidade na identidade coletiva e individual de forma ampla o que aprendemos
durante o cursos, e também, buscar novos conhecimentos para que a habilidade
profissional seja contribuir para aprendizagem dos alunos.
O objetivo mais importante para a formação do futuro professor é
assegurar a atuação de profissionais mais preparados e capacitados dentro das
salas de aula, dessa forma garantimos uma educação de qualidade para os
discentes na comunidade na qual a escola está inserida.
8 REFERÊNCIAS

INICIAÇÃO TEATRAL – CRIANÇAS. Disponível em:


https://novaescola.org.br/conteudo/6284/iniciacao-teatral-criancas Acesso
em: 02 Abril 2021
OS SONS DO COTIDIANO. Disponível em:
https://novaescola.org.br/conteudo/6736/os-sons-do-cotidiano Acesso em:
02 Abril 2021
THIESEN, Juares da Silva. A interdisciplinaridade como um movimento
articulador no processo ensino-aprendizagem. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro,
v. 13, n. 39, p. 545-554, Dec. 2008. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
24782008000300010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 02 Abril 2021.
FURLANETTO, Ecleide Cunico. Interdisciplinaridade: uma Epistemologia
de Fronteiras. In: BERKENBROCK-ROSITO, Margarete May; HAAS, Célia Maria.
Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade, Rio de Janeiro: wak Editora, 2014.