Você está na página 1de 17

Direito Civil II

Teoria Geral dos Fatos Jurídicos

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
Código Civil
 Composto de uma parte geral e outra especial.

 A parte geral compõe-se de três livros:


Livro I – Das Pessoas
Livro II – Dos Bens
Livro III – Dos Fatos Jurídicos (*)

 A parte especial são :


Livro I – Do direito das obrigações (em seus títulos: estão os contratos e a r. civil)
Livro II – Do direito de empresa
Livro III – Direito das coisas
Livro IV – Direito de Família
Livro V – Direito das Sucessões

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
Livro III da Parte Geral
 LIVRO III
Dos Fatos Jurídicos

TÍTULO I
Do Negócio Jurídico CAPÍTULO I.Disposições Gerais (artigos 104 a 114)
CAPÍTULO II.Da Representação (artigos 115 a 120)
CAPÍTULO III.Da Condição, do Termo e do Encargo (artigos 121 a 137)
CAPÍTULO IV.Dos Defeitos do Negócio Jurídico Do Erro ou Ignorância | Do Dolo | Da Coação | Do Estado de Perigo | Da Lesão |
Da Fraude Contra Credores (artigos 138 a 165)
CAPÍTULO V.Da Invalidade do Negócio Jurídico (artigos 166 a 184)

TÍTULO II
Dos Atos Jurídicos Lícitos (artigo 185)

TÍTULO III
Dos Atos Ilícitos (artigos 186 a 188)

TÍTULO IV
Da Prescrição e da Decadência
CAPÍTULO I.Da Prescrição Disposições Gerais | Das Causas que Impedem ou Suspendem a Prescrição |
Das Causas que Interrompem a Prescrição | Dos Prazos da Prescrição (artigos 189 a 206)
CAPÍTULO II.Da Decadência (artigos 207 a 211)

TÍTULO V
Da Prova (artigos 212 a 232)

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
Programa e Bibliografia
 Programa (MOODLE). Senha: civil2

 Bibliografia (básica):
 GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro.
Vol. 1. Parte Geral. 9a. Edição. São Paulo: Saraiva, 2011.
 FARIAS, C. Chaves e ROSENVALD, Nelson. Direito Civil –
teoria geral. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.
 PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito
civil. Vol. I. Rio de Janeiro: Forense, 2010.
 Textos complementares serão disponibilizados no ambiente
moodle.

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
Bibliografia sugerida
 AZEVEDO, Antônio Junqueira. Negócio jurídico – existência,
validade e eficácia. São Paulo: Saraiva, 2007.
 TEPEDINO, Gustavo; BARBOZA, Heloisa Helena e MORAES, Maria
Celina Bodin. Código civil interpretado – conforme a Constituição da
República. Vol. I. Rio de Janeiro: Renovar, 2007.
 FILHO, Jose Abreu. O negócio jurídico e sua teoria geral. São Paulo:
Saraiva, 2003.
 MELLO, Marcos Bernandes de. Teoria do fato jurídico – plano da
validade. Sp: Saraiva.
 SANTORO-PASSARELLI, Francesco. Doctrinas Generales del derecho
civil. Tradução para o espanhol por A. Luna Serrano. Madrid: Editorial
Revista de Derecho Privado, 1964

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
1. Fato Jurídico

ordinários
Fato Jurídico
(em sentido estrito)
extraordinários
Fato Jurídico

Ato antijurídico 1. Ato ilícito


2. Abuso de Direito
Ato Jurídico
(fatos humanos)
Ato Jurídico lícito

1. Ato jur. em sentido estrito


2. Negócio Jurídico
3. Ato-fato jurídico

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO X
NEGÓCIO JURÍDICO
Ato jurídico em Sentido Estrito Negócio Jurídico

A vontade cria e disciplina os


Os efeitos da manifestação da
efeitos do negócio jurídico
vontade decorrem da lei
(termo, condição e encargo).

A vontade exigida pela lei não é


A vontade é qualificada. O
“qualificada”, bastando uma
negócio está sujeito ao plano da
mera consciência de sua prática
validade.
(Moreira Alves /C. R. Gonçalves)

EXEMPLOS: reconhecimento
de paternidade, escolha de
domicílio, quitação

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
ATO-FATO JURÍDICO
 “certas ações humanas que a lei encara como fatos, sem
levar em consideração a vontade, a intenção ou a
consciência do agente, demandando apenas o ato
material predeterminado” (C.R. Gonçalves)

 Classificação:
 A) Atos reais (Realakten) – decorrem de certos
acontecimentos em que é dado relevo ao fato resultante
 B) Atos-fatos Jurídicos Indenizativos
 C) Atos-Fatos Jurídicos Extintivos

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
CONSEQUÊNCIA DOS FATOS JURÍDICOS
AQUISIÇÃO, MODIFICAÇÃO E EXTINÇÃO DE DIREITOS

AQUISIÇÃO

Apropriação de um bem sem interposição de outra pessoa;


ORIGINÁRIA Ex: ocupação de res nullius

Quando decorre de transferência de um direito de outra


DERIVADA pessoa. Segundo Caio Mário, pode ser translatícia, quando
ocorrer a troca de titulares do direito (cessão de crédito),
ou constitutiva, quando se recebe um direito em
concorrência com o do transmitente(usufruto).

Só o adquirente aufere vantagens. Ex: doação


GRATUITA A aquisição originária é gratuita.

Quando há contraprestação por parte do adquirente. Ex:


ONEROSA compra e venda, locação.

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
Há uma substituição do titular na totalidade de seus
TÍTULO UNIVERSAL poderes .Ex: herdeiro - herança
Un
ive
Quando há uma sucessão apenas de coisas definidas; Ex: rsi
TÍTULO SINGULAR legado da
de
Fe
de
ral
SIMPLES Fato gerador consiste em um único ato.
Flu
mi
ne
Fato gerador consiste em uma pluralidade de atos. Ex. ns
COMPLEXA Usucapião e-
UF
F-
Dir
DIREITO É o direito já formado e incorporado ao patrimônio eit
individual de direitos do titular. Conceito próximo ao de o
ATUAL Civ
Direito Adquirido (Art. 6, § 2º. Da LICC)
il
DIREITO II -
FUTURO DEFERIDO Depende apenas de um Pr
arbítrio (ato) do sujeito – of.
Da
herança depende de
lm
aceitação ir
Lo
pe
NÃO DEFERIDO Depende de um s
acontecimento falível (fato) Jr.
– promessa de recompensa
DIREITOS FUTUROS

DIREITO EVENTUAL EXPECTATIVA DE DIREITO

Não há ainda direito, mas uma


Trata-se de um direito que
mera esperança de o direito vir
está incompleto, por
a se constituir. Não houve
depender de uma
qualquer ato/fato que possa
circunstância futura
garantir sua aquisição.
(provável). Difere do atual,
por não haver direito
Exemplos: promoção de
constituído. A condição está
servidor público por
na base de sua constituição.
antiguidade; nomeação em
EX.: Contrato aleatório; venda
serviço público; condição
de objeto ainda não
suspensiva.
adquirido

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
MODIFICAÇÃO
Diz respeito a modificação qualitativa ou quantitativa do
OBJETO da relação jurídica. No 1º. Caso – dação em
OBJETIVA pagamento; no 2º. Caso – aluvião ou avulsão.

Diz respeito à modificação do titular do direito da relação


DERIVADA jurídica, a qual permanece inalterada. Pode ocorrer por
mortis causa ou inter vivos. Ex1. herdeiro que sucede
divida do de cujos; Ex.2. Cessão de crédito

EXTINÇÃO

Ocorre o perecimento do objeto, por sua renúncia,


OBJETIVA abandono (derelição), pela alienação. Ex: doação

Pela morte do titular no caso de um direito personalíssimo.


SUBJETIVA OBS: Alguns direitos não se extinguem com a morte, mas
são transferidos (obrigados de alimentos, dívidas, direito
reais)
VÍNCULO
JURÍDICO No caso de prescrição – onde há a perda da pretensão – ou
de decadência.

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
CLASSIFICAÇÃO DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS
1)QUANTO AO NÚMERO DE DECLARANTES

A declaração de vontade tem


de se tornar conhecida pelo
RECEPTÍCIO receptor; Ex: revogação de
UNILATERAL
mandato; resilição de contrato
NÃO
O conhecimento da declaração
RECEPTÍCIO pela outra parte é irrelevante.
Ex.: testamento

Somente uma das partes


aufere vantagens. A outra arca
SIMPLES com o ônus.
BILATERAL Ex.: doação, comodato, mútuo.

SINALAGMÁTICO Há reciprocidade em prestação


e contraprestação
Ex.: compra e venda; locação;

PLURILATERAL

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
2) QUANTO À VANTAGEM AUFERIDA PELAS PARTES

Apenas uma das partes vantagens. Há uma transferência


GRATUITO patrimonial de uma parte para outra.
Ex.: doação

São os que possuem prestações


COMUTATIVO certas e determinadas.
ONEROSO
Caracterizam-se pela incerteza
ALEATÓRIO quanto ao ônus resultante da
declaração
Ex.:contrato de segura para a
seguradora

São negócios que não envolvem trocas patrimoniais ou não


NEUTRO possuem um valor mensurável economicamente. Ex.: bem de
família; incomunicabilidade patrimonial; contrato de gestação
em útero alheio (leI 9.434/97 e Res. CFM. 1957/2010

Quando o negócio jurídico pode ser oneroso ou gratuito em


BIFRONTE razão da vontade das parte. Ex.: mútuo, mandato, depósito.

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
3) QUANTO AO MODO DE EXISTÊNCIA

É o negócio jurídico que possui existência autônoma. Não


PRINCIPAL depende de outro para existir

ACESSÓRIO É o negócio jurídico que possui sua existência condicionada a de


outro negócio dito principal. Ex.: juros, penhor, hipoteca, fiança.

4) QUANTO À DURAÇÃO

É o negócio jurídico cujos efeitos se exaurem em um único


INSTANTÂNEOS momento. Ex.: Compra e venda

DE DURAÇÃO Os efeitos são protraídos no tempo. Ex.: Compra e venda à


prestação

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
5) QUANTO AO NÚMERO DE ATOS REALIZADOS

Constitui-se em um único ato. Ex.: compra e venda à vista


SIMPLES

Resultam da fusão de vários atos sem eficácia independente.


Compõe-se de várias declarações de vontade, emitidas pelo
COMPLEXO mesmo sujeito, ou diferentes sujeitos, para obtenção de efeitos
futuros. Ex.: compra e venda imóvel; financiamento de bens.

6) QUANTO AO MOMENTO DE PRODUÇÃO DO EFEITO

É o negócio cujos efeitos ocorrem durante a vida das partes –


INTER VIVOS independente de uma delas vir a morrer antes da conclusão do
negócio. Ex. compra e venda

MORTIS CAUSA É Negócio cujos efeitos decorrem da morte de uma das partes.
Ex.: testamento

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.
7) QUANTO À FORMA

É o ato que possui uma forma prevista em lei [o que deve


SOLENE requisito de validade – uma vez que o CC não dispõe sobre o
plano da existência]. Ex.: Compra e venda

NÃO SOLENE Os efeitos são protraídos no tempo. Ex.: Compra e venda à


prestação

José Abreu Filho (Teoria Geral do Negócio Jurídico) sustenta que


deveria ser feita e diferenciação entre negócio jurídico formal e
solene. O primeiro seria marcado pela exigência de uma forma
FORMAL/SOLENE definida na lei para sua validade, enquanto o segundo seria
marcado pela necessidade da presença de um agente estatal
para confirmar sua validade. Ex de negócio formal porém não
solene (doação de grande valor; testamento particular. Negócio
Solene: compra e venda de bem imóvel; testamento público e o
testamento fechado.

Universidade Federal Fluminense - UFF - Direito Civil II - Prof. Dalmir Lopes Jr.

Você também pode gostar