Você está na página 1de 9

ESCOLA POLITÉCNICA TREINASSE

TÉCNICO EM ELETROTECNICA TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL


ELETRICIDADE BASICA
ATIVIDADE DE LABORATÓRIO – UNIDADE III – PARTE A

FAMILIARIZAÇÃO COM MEDIDAS DE RESISTÊNCIA, TENSÃO E CORRENTE

1) EQUIPAMENTOS E COMPONENTES

 Fonte de tensão contínua ajustável de 0 a 30 Volts


 Multímetro Digital 3 ½ dígitos
 Multímetro Analógico
 Protoboard
 Resistores variados

2) PROCEDIMENTO

 CONHECENDO A PROTOBOARD

A Protoboard, matriz de contatos, é


um dos equipamentos mais úteis
no aprendizado da eletrônica.
Consiste em uma placa didática
composta de uma matriz de
contatos que permite a construção
de circuitos experimentais sem a
necessidade de efetuar a solda dos
componentes isso permite a
realização de experiências com
componentes eletrônicos com
rapidez e segurança.

 Os BORNES DE ALIMENTAÇÃO
devem ser conectados a fonte que será utilizada no experimento.
 O BARRAMENTO de alimentação são duas linhas ou colunas indicadas pelas cores azul
(-) e vermelha ( + ) de pontos de inserção, cada uma dessas linhas tem seus pontos
conectados eletricamente através de uma sustentação metálica condutora que fica
abaixo da capa plástica da Protoboard.
 A ÁREA DE TRABALHO consiste em duas colunas distintas de diversas linhas de pontos
de inserção onde os pontos de uma linha estão conectados eletricamente um ao outro,
porém as linhas estão isoladas umas das outras como podemos verificar pelas cores no
desenho.

Página 1 de 9
ESCOLA POLITÉCNICA TREINASSE
TÉCNICO EM ELETROTECNICA TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
ELETRICIDADE BASICA
ATIVIDADE DE LABORATÓRIO – UNIDADE III – PARTE A

 CONHECENDO O CÓDIGO DE CORES DOS RESISTORES

Existem muitos tipos diferentes de resistores disponíveis que podem ser usados em
circuitos elétricos e eletrônicos para controlar o fluxo de corrente ou para produzir uma
queda de tensão de maneiras diferentes. Os resistores estão disponíveis em uma gama
de diferentes valores de resistência, de frações de Ohm (Ω) a milhões de Ohms.

Obviamente, seria impraticável ter resistores disponíveis de todos os valores possíveis,


por exemplo, 1 Ω, 2 Ω, 3 Ω, 4 Ω, etc., porque literalmente dezenas de centenas de
milhares, senão dezenas de milhões de resistores diferentes precisariam existir para
cobrir todos os valores possíveis. Em vez disso, os resistores são fabricados nos
chamados “valores preferenciais” com seu valor de resistência impresso em seu corpo
em tinta colorida.

O valor de resistência, tolerância e classificação de potência são geralmente impressos


no corpo do resistor como números ou letras quando o corpo do resistor é grande o
suficiente para ler a impressão, como resistores de grande potência. Mas quando o
resistor é pequeno, como um carbono de 1/4 watt ou tipo de filme, essas especificações
devem ser mostradas de alguma outra maneira, pois a impressão seria muito pequena
para ler. Para superar isso, pequenos resistores usam faixas coloridas pintadas para
indicar seu valor resistivo e sua tolerância com o tamanho físico do resistor, indicando
sua classificação de potência. Essas faixas coloridas produzem um sistema de
identificação geralmente conhecido como CÓDIGO DE CORES de resistores.

Um esquema de CÓDIGO DE CORES de resistor aceito internacionalmente e


universalmente foi desenvolvido há muitos anos como uma maneira simples e rápida de
identificar o valor ôhmico de um resistor, independentemente de seu tamanho ou
condição. Ele consiste em um conjunto de anéis ou bandas coloridas individuais em
ordem espectral representando cada dígito do valor dos resistores.

As marcações do CÓDIGO DE CORES do resistor são sempre lidas uma faixa de cada vez,
começando da esquerda para a direita, com a faixa de tolerância de largura maior
orientada para o lado direito indicando sua tolerância. Ao combinar a cor da primeira
banda com seu número associado na coluna de dígitos da tabela de cores abaixo, o
primeiro dígito é identificado e isso representa o primeiro dígito do valor da resistência.

Novamente, combinando a cor da segunda banda com seu número associado na coluna
de dígitos da tabela de cores, obtemos o segundo dígito do valor da resistência e assim
por diante. Em seguida, o código de cor do resistor é lido da esquerda para a direita,
conforme ilustrado abaixo:

Página 2 de 9
ESCOLA POLITÉCNICA TREINASSE
TÉCNICO EM ELETROTECNICA TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
ELETRICIDADE BASICA
ATIVIDADE DE LABORATÓRIO – UNIDADE III – PARTE A

CÓDIGO DE CORES

Página 3 de 9
ESCOLA POLITÉCNICA TREINASSE
TÉCNICO EM ELETROTECNICA TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
ELETRICIDADE BASICA
ATIVIDADE DE LABORATÓRIO – UNIDADE III – PARTE A

A TABELA DE CÓDIGOS DE CORES DO RESISTOR

3º FAIXA 4º FAIXA
COR 1º FAIXA 2º FAIXA
Multiplicador Tolerância
Preto 0 0 x1 -
Marrom 1 1 x 10 1%
Vermelho 2 2 x 100 2%
Laranja 3 3 x 1000 3%
Amarelo 4 4 x 10000 4%
Verde 5 5 x 100000 -
Azul 6 6 x 1000000 -
Roxo 7 7 - -
Cinza 8 8 - -
Branco 9 9 - -
Prata ----- ----- x 0,01 10%
Dourado ----- ----- x 0,1 5%

 PREFIXOS

Como sabemos a CORRENTE é medida em AMPÈRES, a TENSÃO em VOLTS e a


RESISTÊNCIA em OHMS. Normalmente estas grandezas podem assumir valores muito
pequenos ou muito grandes. Assim, é comum o uso de prefixos para facilitar a
representação desses valores. Os principais prefixos utilizados são relacionados na
tabela a seguir:

PREFIXO ABREVIAÇÃO FATOR DE MULTIPLICAÇÃO


Tera T 1.000.000.000.000 ou 1012
Giga G 1.000.000.000 ou 109
Mega M 1.000.000 ou 106
Quilo k 1.000 ou 103
Deca D 10 ou 101
Deci d 0,1 ou 10-1
Mili m 0,001 ou 10-3
Micro µ 0,000001 ou 10-6
Nano n 0,000000001 ou 10-9
Pico p 0,000000000001 ou 10-12

Página 4 de 9
ESCOLA POLITÉCNICA TREINASSE
TÉCNICO EM ELETROTECNICA TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
ELETRICIDADE BASICA
ATIVIDADE DE LABORATÓRIO – UNIDADE III – PARTE A

 PARTE A – MEDIDAS DE RESISTÊNCIA

1) Selecionar a chave do multímetro para medidas de resistência, caso o multímetro


seja analógico proceder à calibração do mesmo da seguinte maneira: Coloque
ambas as pontas de prova em contato e ajuste o ponteiro sobre o valor zero através
do potenciômetro de calibração.

2) Faça a leitura de cada resistor e anote no Quadro I o valor nominal obtido pelo
código de cores, o valor medido com o multímetro, o erro porcentual entre o valor
nominal e o valor medido, tolerância nominal.

QUADRO I – MEDIÇÃO DE RESISTÊNCIA DOS RESISTORES


Valor pelo Valor lido pelo
Tolerância Erro
RESISTOR código de com o
nominal porcentual
cores multímetro
R1
R2
R3
R4
R5
R6

3) O valor medido e o fornecido pelo Código de Cores estão dentro da tolerância


nominal? Caso não justifique.

 PARTE B – MEDIÇÃO DE CORRENTE

1) Montar o circuito esquematizado na figura 01-a (mantenha a fonte inicialmente


desligada).

2) Selecione o multímetro para medição de corrente contínua. Abra o circuito no


PONTO A e intercale o multímetro, tomando o cuidado de observar a correta
polaridade: o terminal positivo deve estar conectado ao ponto de entrada da
corrente convencional, como demonstrado na figura 01-b.
Página 5 de 9
ESCOLA POLITÉCNICA TREINASSE
TÉCNICO EM ELETROTECNICA TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
ELETRICIDADE BASICA
ATIVIDADE DE LABORATÓRIO – UNIDADE III – PARTE A

IMPORTANTE
Para não danificar o aparelho, inicie a medida na ESCALA
MAIS ALTA do aparelho e vá diminuindo até chegar a uma
escala onde a leitura seja mais precisa.

3) Ligue a fonte e anote o valor lido da corrente no Quadro II.

QUADRO II – MEDIÇÃO DE CORRENTE


Corrente no Corrente no Corrente no
ponto A ponto B ponto C
IA IB IC

4) Repita o procedimento do item 2 para os PONTOS B e C do circuito anotando os


valores medidos no Quadro II.

5) Existe diferença entre os valores medidos nos pontos solicitados? Justifique sua
resposta.

Página 6 de 9
ESCOLA POLITÉCNICA TREINASSE
TÉCNICO EM ELETROTECNICA TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
ELETRICIDADE BASICA
ATIVIDADE DE LABORATÓRIO – UNIDADE III – PARTE A

 PARTE C – MEDIÇÃO DE CORRENTE

1) Selecione o multímetro para medida de tensão contínua e utilizando o mesmo


circuito anterior, meça a tensão sobre cada resistor e nos terminais da fonte.

IMPORTANTE
O multímetro deve ser conectado em paralelo com o componente a
ser medido tomando-se o cuidado de observar a CORRETA
POLARIDADE do instrumento como demonstrado na figura ACIMA
para a medida da tensão no resistor de 470 Ohms.

2) Ligue a fonte e anote o valor lido das tensões no Quadro III.

QUADRO III – MEDIÇÃO DE TENSÃO


TENSÃO NO TENSÃO NO
TENSÃO DA FONTE RESISTOR DE 1000 RESISTOR DE 470
OHMS OHMS
05 Volts
12,5 Volts
25 Volts

Página 7 de 9
ESCOLA POLITÉCNICA TREINASSE
TÉCNICO EM ELETROTECNICA TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
ELETRICIDADE BASICA
ATIVIDADE DE LABORATÓRIO – UNIDADE III – PARTE A

COMPROVAR EXPERIMENTALMENTE A PRIMEIRA LEI DE OHM

1) EQUIPAMENTOS E COMPONENTES

 Fonte de tensão contínua ajustável de 0 a 30 Volts


 Multímetro Digital 3 ½ dígitos
 Multímetro Analógico
 Protoboard
 Resistores de 220Ω, 470Ω e 1kΩ

2) PROCEDIMENTO

 Para o circuito esquematizado na figura 03 calcule os valores da corrente no circuito


conforme dados solicitados no Quadro IV.

QUADRO IV
RESISTOR DE 220 Ω
Tensão da fonte Corrente calculada Corrente medida
(Volts) (Ampères) Ampères)
5
10
15
20
RESISTOR DE 470 Ω
Tensão da fonte Corrente calculada Corrente medida
(Volts) (Ampères) Ampères)
5
10
15
20
RESISTOR DE 1000 Ω
Tensão da fonte Corrente calculada Corrente medida
(Volts) (Ampères) Ampères)
5
10
15
20

Página 8 de 9
ESCOLA POLITÉCNICA TREINASSE
TÉCNICO EM ELETROTECNICA TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL
ELETRICIDADE BASICA
ATIVIDADE DE LABORATÓRIO – UNIDADE III – PARTE A

 QUESTÕES PARA ANALISE DOS RESULTADOS

(1) Numa folha de papel milimetrado, levantar o gráfico V = f (I) com os valores obtidos no
Quadro IV (traçar as três curvas no mesmo gráfico, uma para cada valor de resistência).
(2) O que pode ser observado quanto ao efeito da variação da Tensão na Corrente?
(3) E quanto ao efeito da variação da Resistência sobre a Corrente?

Página 9 de 9

Você também pode gostar