Você está na página 1de 5

Sociopata é um termo usado para descrever alguém que tem transtorno de

personalidade anti-social. Pessoas com este transtorno, também chamado de


sociopatia, não possuem empatia. Ele s não conseguem entender os
sentimentos dos outros.

Sociopatas frequentemente quebram regras ou tomam decisões impulsivas


sem se sentirem culpados pelos danos que causam.

O que é um sociopata?
O sociopata possui uma condição mental caracterizada pelo desprezo ou
desrespeito às pessoas e normas sociais. 

Os indivíduos que possuem esse distúrbio começam a dar indícios de


sociopatia no início da adolescência ou início da idade adulta. Os sintomas
podem variar em gravidade e frequência. Em geral, ocorrem por muito tempo,
trazendo sofrimento para as pessoas ao seu redor e para si próprio.  

Algumas características e comportamentos podem ser analisados tornando


possível a identificação de pessoas com transtorno de sociopatia, que podem
estar em qualquer lugar, no seu trabalho, escola, vizinhança ou na sua
própria família. Nesse artigo, confira dicas e sinais para identificar se existe
uma pessoa próxima de você que muito provavelmente tenha esse distúrbio.

O que diz o DSM-5 sobre a sociopatia


O DSM-5 (Manual de diagnóstico e estatístico de transtornos mentais – 5ª
edição) é um manual elaborado pela Associação Americana de Psiquiatria. Ele
é mundialmente utilizado para apoiar o diagnóstico de transtornos mentais.
Esse manual é utilizado por psicólogos, médicos psiquiatras e terapeutas
ocupacionais. 

Sociopatia e Psicopatia

No DSM-5 não consta uma definição exata para a sociopatia, por isso, o termo
também pode ser sinônimo de psicopatia. Na verdade, o nome do distúrbio que
consta no manual é Transtorno de personalidade antissocial. Mas o senso
comum define que a psicopatia seria um distúrbio cujos os sintomas são mais
agravados do que na sociopatia, mas ambos são considerados transtornos de
personalidade antissocial.

O DSM-5 divide os transtornos de personalidade em 3 grupos (A, B e C),


classificando por características semelhantes. O transtorno de personalidade
antissocial pertence ao grupo B, caracterizado por parecer dramático,
emocional ou que cometem erros frequentemente. Nesse grupo também estão
os transtornos de personalidade Borderline, Histriônico e Narcisista.
Características de um sociopata segundo o DSM-5:

Os sociopatas são socialmente irresponsáveis, apresentam desrespeito pelos


outros, falsidade e manipulação para obter ganhos e vantagens pessoais.

O DSM-5 diz que a característica principal dos indivíduos que apresentam


transtorno de personalidade antissocial é a sua disposição em desconsiderar
ou violar os direitos dos outros. Isso é, o sociopata busca dominar e manipular
o outro para obter vantagens para si próprio, como bens materiais, dinheiro,
parceria para negócios, sexo, reputação, e assim por diante. Mas os sociopatas
podem também querer dominar o outro apenas pela sensação de poder e
controle.

Os sociopatas não têm consciência de que estão fazendo algo negativo, seus
impulsos os levam a praticar atos que a maioria das pessoas nunca fariam. 

Muitas vezes, os sociopatas podem apresentar comportamento agressivo e se


irritam facilmente. Em geral, os antissociais não sentem empatia pelo outro e
nem mesmo remorso das suas ações e conduta. 

Quem apresenta transtorno de personalidade antissocial tende a ser


muito autoconfiante, arrogante e teimoso. Por isso, podem ser charmosos,
desenrolados verbalmente e espontâneos, exercendo fascínio e encanto nas
suas vítimas. Apresentam também distinta capacidade de argumentação e
articulação para conseguirem o que querem. 

Diagnóstico do Transtorno de Personalidade


Antissocial
Segundo o DSM-5, para o diagnóstico do transtorno de personalidade
antissocial, os pacientes devem ser maiores de 18 anos. Além disso, os
pacientes devem ter evidências do transtorno desde os 15 anos de idade. 

Os pacientes diagnosticados com personalidade antissocial geralmente


demonstram forte desprezo pelos direitos dos outros. Além disso, para um
diagnóstico, é preciso que o indivíduo apresente pelo menos mais 3 outras
características, como as citadas abaixo:

 Desprezo pelas leis, praticando atos que inclusive são passíveis de


detenção.
 Ser enganador, mentiroso e ludibriador, visando obtenção de vantagens,
benefícios e ganhos pessoais. 
 Agem impulsivamente, sem planejamento de seus atos.
 São imprudentes e não se preocupam com a sua segurança ou com a
segurança de outras pessoas.
 Ficam facilmente irritados e agressivos, se envolvem em brigas físicas
ou discussões constantemente. 
 Agem de forma irresponsável, como por exemplo, deixar o emprego sem
garantia ou planos de outro, não pagar contas.
 Não sentem remorso, são indiferentes aos sentimentos ruins ou maus
tratos que causam aos outros. 

O correto diagnóstico deve ser realizado por profissionais capacitados e


experientes. Aqui vamos somente indicar alguns traços comuns de pessoas
com sociopatia, para que você possa tomar cuidados com suas ações ou até
mesmo propor uma conversa para que a pessoa procure um adequado
tratamento para diminuir e controlar os sintomas.

Dicas para identificar um sociopata:


Em situações cotidianas, a melhor forma de identificar um possível sociopata é
através da observação e análise de suas palavras e comportamento. Muitas
vezes, pode ser útil ignorar as palavras e prestar mais atenção em seus
comportamentos, devido a sua enorme capacidade e facilidade em mentir. 

Confira análises importantes que você pode fazer para identificar uma pessoa
próxima como sociopata:

1. Facilidade para mentir e inventar histórias

Os sociopatas tem uma incrível facilidade para inventar mentiras e histórias,


seja para persuadir alguém, enganar, se livrar de uma culpa ou contar
vantagens sobre si mesmo. 

Como são egocêntricos podem mentir sobre qualidades que não possuem,
com o objetivo de supervalorizar a si mesmo, fazendo com que o outro o veja
como uma pessoa interessante e queira a sua aproximação e convivência. 

A compulsividade em mentir também pode ser observada na facilidade que


possuem de inventar desculpas, para se esquivar de punições ou terem seus
planos descobertos. 

2. Um sociopata tem facilidade para manipular 

Os sociopatas conseguem facilmente descobrir os pontos fracos das pessoas e


os usar a seu favor para conseguir manipular o outro a fazer o que eles querem
e alcançar os seus objetivos. 

Fingir sentimentos como alegria, tristeza, culpa e empatia, fazem parte do


processo de manipulação dos sociopatas. 

3. Falso encanto
Eles são carismáticos, charmosos e encantadores, mesmo que
superficialmente. São capazes de serem agradáveis e amigáveis e dizer o que
uma pessoa gostaria de ouvir, para conseguir a sua apreciação. 

Algumas frases muito utilizadas pelos sociopatas incluem: Você é o melhor. Eu


não posso viver sem você. Eu nunca vou te machucar. Você merece o melhor.
Você é a pessoa mais linda, inteligente, honesta, ética, que eu já conheci.
Acredite em mim.

4. Podem ser cruéis com as palavras

Em oposto à característica anterior, os sociopatas também podem proferir


palavras que machucam o outro, muitas vezes com o objetivo de manipular e
fazer com o que outro se sinta culpado quando não o ajuda, não o perdoa ou
como mais uma tentativa de conseguir o que quer. 

Exemplos de frases negativas e cruéis ditas pelos sociopatas: Você mentiu


para mim (mesmo que você não tenha mentido e eles mintam
constantemente). Eu nunca poderei confiar em você novamente. Ninguém
nunca vai querer você. Ninguém nunca vai te amar. Você merece ser punido
pelo o que fez. Nunca te machuquei, mas veja o que você fez comigo.

5. Falta de empatia a um sociopata

A dor e o sofrimento alheio não lhe causam nenhuma comoção. Eles não
conseguem se colocar no lugar do outro, reconhecer e entender sua tristeza e
nem mesmo sua alegria. 

6. Sociopata não sente remorso

Mesmo que suas ações afetem negativamente alguém, os sociopatas não tem
consideração pelo mal que faz ao outro e conseguem agir como se não
tivessem feito nada.

7. Dificuldades para pedir desculpas

Por não sentirem remorso, não conseguem enxergar as consequências dos


seus atos e, por essa razão, possuem dificuldade para pedir desculpas.
Quando pedem desculpas, pode ser com o único intuito de manter a sua
imagem de boa pessoa e prosseguir com o seu comportamento manipulador. 

8. Sociopatas não sentem medo 

Mesmo em situações de perigo e ameaças à sua integridade física, e de outras


pessoas, o sociopata pode ter comportamentos inconsequentes. Não
apresentam qualquer preocupação ou cautela diante de determinadas
situações que apresentem riscos à sua segurança, à sua saúde e até mesmo à
sua vida, como dirigir embriagado, se expor a locais perigosos, abusar de
álcool e drogas, ter relações sexuais sem proteção, entre outros. 
9. Não tem relacionamentos interpessoais estáveis

Os sociopatas têm dificuldade em estabelecer vínculos afetivos com outras


pessoas, seja nos relacionamentos amorosos ou de amizade. Suas relações
são, em maioria, superficiais ou baseadas no interesse, quando essas podem
trazer algum benefício ou vantagem para ele próprio. 

10. Um sociopata comete os mesmos erros

Como são pessoas que possuem dificuldade em reconhecer que suas atitudes
são negativas e de se arrepender do que fazem, é comum que os sociopatas
estejam sempre repetindo erros e ações negativas. 

Será que sou um sociopata? É possível fazer uma autoanálise e refletir sobre


as ações descritas acima para identificar possíveis traços de sociopatia. Para
isso, é necessário que você esteja aberto ao autoconhecimento e ser sincero
nas observações sobre si mesmo. 

Tratamento para o Transtorno de Personalidade


antissocial
Após o diagnóstico clínico do paciente, o antissocial pode ser submetido a
tratamentos para melhorar os sintomas do transtorno de personalidade comuns
da sociopatia. 

Geralmente, o tratamento recomendado inclui psicoterapia e, em alguns casos,


medicamentos estabilizadores do humor e antidepressivos.

É difícil falar em cura definitiva do transtorno de personalidade antissocial. Por


esse motivo, os tratamentos são realizados de forma a evitar consequências a
curto prazo. Normalmente, a psicoterapia e o uso de fármacos são prescritos
pelo resto da vida, ou até uma idade madura (acima de 40 anos), quando
passam a ter melhora nos sintomas.

Você também pode gostar