Você está na página 1de 3

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas


Disciplina: Tópico Especial - Tecnologias de Governo e seus Desdobramentos
Professora: Patrice Schuch
Horário: quintas feiras, das 14:00h às 18:00h (atividades síncronas e assíncronas)
Semestre: 2020/2
Créditos: 2 créditos (de 05/11/2020 até 14/01/2021)

Objetivos: A partir das inspirações da noção de tecnologias de governo, o curso objetiva abordar trabalhos etnográficos que
desenvolvem alguns de seus desdobramentos conceituais e analíticos em variados campos de pesquisa. Objetiva-se conhecer a
noção de tecnologias de governo, bem como analisar os conceitos de políticas da vida, as propostas de antropologia do devir e a noção de
necropolítica e sua relevância para as políticas públicas.

Conteúdo Programático: O curso se constituirá de dois eixos temáticos: I- Tecnologias de Poder; II- Desdobramentos:

I – Tecnologias de Poder

1. Apresentação do curso (05/11) + Reunião da Associação Brasileira de Antropologia


Atividades assíncronas:

a) Fórum de discussão: no fórum de discussão aberto no moodle sobre o tema, faça uma pequena apresentação
de si, de sua pesquisa e de seus interesses na disciplina. Aponte também duas aulas de sua preferência, para
propor uma atividade livre para “animar” o debate da aula em questão.

b) Sugestão de vídeo: “Foucault Contra Si Mesmo” (2014), de François Caillat (disponível na página de:
http://clinicand.com/michel-foucault-por-ele-mesmo-e-contra-si-mesmo/)

2. Voltando ao clássico... (12/11)


FOUCAULT, Michel. “Método”. História da Sexualidade 1: A Vontade do Saber. RJ, Graal, 1977, p. 88-97.

FOUCAULT, Michel. “A Governamentalidade”. Microfísica do Poder. RJ, Edições Graal, 1979. (11º impressão), p. 277-293.

FOUCAULT, Michel. “Aula de 17 de Março de 1976”. Em Defesa da Sociedade. Curso no Collège de France. São Paulo, Martins
Fontes, 2002, p. 285-315.

FOUCAULT, Michel. “Introdução. A problematização moral dos prazeres”. História da Sexualidade 2: o uso dos prazeres. Rio
de Janeiro: Graal, 1984. p. 07-32.

FOUCAULT, Michel. “A cultura de si”. História da Sexualidade 3: O cuidado de si. RJ, Edições Graal, 1985, p. 43-75.

Leitura opcional:
DELEUZE, Gilles. “As dobras, ou o de dentro do pensamento (subjectivação)”. In: DELEUZE, Gilles. Foucault.
Lisboa,Vega, 1987, p. 127-163.

FONSECA, C. et al. Apresentação. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 22, n. 46, p. 9-34, jul./dez. 2016.

RABINOW, Paul. “Sujeito e Governamentalidade: elementos do trabalho de Michel Foucault”. In: ___________.
Antropologia da Razão. RJ, Relume Dumará, 1999, p. 27-53.

3. Do Biopoder às Políticas da Vida (19/11)


FASSIN, Didier. “Introduction” (XI-XXIV), “Living with Death” (228-270) e “Conclusion” (271-279). In: When Bodies
Remember. Experiences and politics of AIDS in South Africa. Berkeley:Los Angeles, University of California Press, 2007.

FASSIN, Didier. Another Politics of Life is Possible. In: Theory, Culture and Society, 2009, 26 (5): 44-60.

II- Desdobramentos

4. Moral, Moralidades e Antropologia Pública (26/11)


FASSIN, Didier. “Gobernar por los Cuerpos, Políticas de Reconocimiento Hacia los Pobres y los Imigrantes”. Educação,
v. 28, n. 2 (56), Maio/Ago. 2005, p. 201-226.

1
FASSIN, Didier. “Além do Bem e do Mal? Questionando o desconforto antropológico com a moral”. In: RIFIOTIS,
Theophilos e SEGATA, Jean. Políticas Etnográficas no Campo da Moral. POA, Ed. da UFRGS, 2019. p. 35-50.

FASSIN, Didier. “As Economias Morais Revisitadas”. In: RIFIOTIS, Theophilos e SEGATA, Jean. Políticas Etnográficas no
Campo da Moral. POA, Ed. da UFRGS, 2019. p.51-87.

FASSIN, Didier. “Why ethnography matters: on anthropology and its publics.”. Cultural Anthropology, [S.l.], ish. 28, n. 4, p.
621-646, 2013.

Leituras opcionais:
SCHUCH, P. “Antropologia publica: a ética da inquietude no trabalho de Didier Fassin”. In: LOYOLA, A.; Diniz, D.
(Org.). Didier Fassin:entrevistado por Debora Diniz. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2016b. p. 81-119.

SCHUCH, Patrice. “Antropologia pública”: notas para um debate. In: SCHUCH, Patrice. MULLER, Cintia e SCHUCH,
Patrice. Cidadania e direitos humanos: pontos de vista antropológicos. Salvador, EdUFBA, 2018, p.281-298.

5. Antropologia do Devir (03/12)


BIEHL, João. “Antropologia do devir: psicofármacos – abandono social – desejo”. In: Revista de Antropologia. Vol. 51, n. 2.
SP, USP, 2008, p. 413-449.

BIEHL, J.; PETRYNA, A. (Ed.). When people come first: critical studies in global health. Princeton: Princeton University Press,
2013 (introdução + epílogo).

SCHUCH, Patrice. Antropologia entre o inesperado e o inacabado: entrevista com João Biehl. Horiz. antropol. [online]. 2016,
vol.22, n.46, p.389-423.

Leitura opcional:
BIEHL, João e ESKEROD, Torben. Vita. Life in a zone of social abandonment. California: California University Press, 2005.

BIEHL, João e ESKEROD, Torben. Will to live. AIDS therapies and the politics of survival. Princeton, Oxford: Princeton
University Press, 2007.

BIEHL, João e LOCKE, Peter. “Deleuze and the Anthropology of Becoming”. In: Current Anthropology. Vol. 51, n. 3, June
2010, p. 317-351.

DELEUZE, Gilles. “O que é um dispositivo?”. In: ____________. O mistério de Ariadne. Ed. Vega – Passagens . Lisboa,
1996, 5p.

DELEUZE, Gilles. “Desejo e prazer”. Tradução de: Désir et plaisir. Magazine Littéraire. Paris, n. 325, oct, 1994, pp. 57-65.

6. O Inacabado: a plasticidade como desafio analítico (10/12)


BIEHL, João e LOCKE, Peter. Introduction. Ethnographic Sensorium. In: BIEHL, João e LOCKE, Peter .Unfinished. The
Anthropology of Becoming. Duke University Press, 2017, p. 1-38.

RALPH, Laurence. “Becoming Aggrieved”. In: BIEHL, João e LOCKE, Peter. Unfinished. The Anthropology of Becoming.
Duke University Press, 2017, p.93-110.

7. Burocracia, Bio e Necropolítica (a definir a data)


GUPTA, A. Red tape: bureaucracy, structural violence, and poverty in India. Durham:Duke University Press, 2012 (Part 1:
1.1.Introduction. Poverty as Biopolitics; 1.2. The State and the Politics of Poverty;p.3-70. (sugestão complementar: Cap. 7:
, p.237-270 +Epilogo, p. 237-280 ).

MBEMBE, Achille. “Introdução. O devir negro do mundo; Cap. 1. A Questão da Raça”. In: Crítica da Razão Negra.
Portugal, Antígona, 2014 (2013). p 1-22.

8. Apresentação dos Trabalhos (14/01/2021)

Apresentação e debate dos trabalhos finais

Avaliação: Os alunos serão avaliados pelas seguintes atividades: 1) Participação em aula e realização dos trabalhos
solicitados ao longo do semestre (40%); 2) Trabalho final (60%), referente a uma dentre duas possibilidades: a) um ensaio
2
bibliográfico sobre a problemática explorada na disciplina ou uma das perspectivas debatidas durante a sua efetivação; b)
um artigo etnográfico referente a um tema de livre escolha do aluno, desde que apresente intersecções com a problemática
abarcada pela disciplina.

Método de Trabalho: aulas expositivas dialogadas, seminários, discussão dos textos e realização de trabalhos. Os alunos
deverão entregar, nas aulas, um pequeno texto (cerca de 1 ou 2 páginas, no máximo) com suas reflexões sobre a temática
tratada nos textos da aula, contendo uma questão/provocação/dúvida a ser discutida ou ponto de vista sobre as
problemáticas estudadas. Cada aluno deverá entregar, no mínimo, três textos durante o curso. As aulas serão ministradas
através da plataforma Teams e os materiais estarão dispostos no Moodle.

Você também pode gostar