Você está na página 1de 6

___________________ RESUMO SOBRE OS INCENTIVOS ___________________

A escolha do tipo de incentivo fiscal que é concedido depende, entre outros fatores, do
interesse do Estado no desenvolvimento de determinada atividade industrial ou
comercial e da modalidade de incentivo que melhor se adequará a esse setor de
atividade econômica.

Hoje em dia, além da utilização de alguns regimes especiais de tributação, como a


cesta básica por exemplo, há dois programas de incentivos fiscais em plena fruição.
São eles: o PRODEPE e o PRODINPE.

O Programa de Desenvolvimento da Indústria Naval e de Mecânica Pesada Associada


do Estado de Pernambuco – PRODINPE, tem o objetivo de, mediante a concessão de
incentivos fiscais, fomentar investimentos a partir da instalação neste Estado de
estaleiro naval, viabilizando a construção, ampliação, reparo, modernização e
transformação de embarcações, tais como navios e plataformas destinadas à lavra,
perfuração, exploração e pesquisa de petróleo ou de gás.

No caso do PRODEPE esse programa tem a finalidade de atrair e fomentar


investimentos na atividade industrial e no comércio atacadista de Pernambuco
(Importador e Central de Distribuição) mediante a concessão de incentivos fiscais
(Crédito Presumido). A concessão dos incentivos fiscais às empresas interessadas
será diferenciada em função dos seguintes aspectos:

I - natureza da atividade;
II - especificação dos produtos fabricados e comercializados;
III - localização geográfica do empreendimento;
IV - prioridade e relevância das atividades econômicas, relativamente ao
desenvolvimento do Estado de Pernambuco.

A concessão dos incentivos fiscais se dá por meio de decreto do Poder Executivo, após
prévia habilitação dos interessados e submissão ao Conselho de Desenvolvimento
Industrial, Comercial e de Serviços - CONDIC, observadas as condições e requisitos
estabelecidos nesta Lei e nos demais atos regulamentares destinados à sua execução.

Importante ressaltar que o processo de aprovação é sólido e transparente, dado o


caráter público da reunião do CONDIC, o instrumento de concessão (decreto) e o
estabelecimento na Lei de todas as condições de concessão, o que não deixa margens
para o tratamento subjetivo da questão pelos gestores públicos.

Abaixo resumimos os incentivos no PRODEPE de acordo com as


atividades desenvolvidas:

Poderão habilitar-se ao PRODEPE empresas industriais ou comerciais atacadistas com


sede ou filial no Estado de Pernambuco, inscritas no Cadastro de Contribuintes do
Estado de Pernambuco - CACEPE.

1
Uma observação importante é que os incentivos concedidos pelo PRODEPE não
poderão implicar em redução do nível de arrecadação do Estado. Em outras palavras,
eles só serão concedidos a empreendimentos novos ou, em se tratando de empresas
já existentes.

Também, poderão ser concedidos em processo de revitalização de empresa que tenha


estado paralisada por, no mínimo, 12 (doze) meses ininterruptos, imediatamente
anteriores à protocolização do projeto na AD/DIPER.

Poderá ser concedida Isonomia de tratamento em relação à empresa concorrente


localizada no estado de Pernambuco, bem como Manutenção do Poder Competitivo
em relação a empresas concorrentes localizadas em outras unidades da Federação e
suas respectivas legislações.

O PRODEPE, em sua versão atual, concede incentivos fiscais aos setores industrial
(Prioritária e Relevante) e comercial (Central de Distribuição e Comércio Importador
Atacadista) sendo aplicável em situações distintas, a saber:

1) Indústria enquadrada no Agrupamento Prioritário:

A Empresa industrial enquadrada como pertencente a agrupamento industrial


prioritário, trata-se de fabricante de produto incentivado especificado em decreto e
integrante de uma das seguintes cadeias produtivas. A relação dos produtos
incentivados consta do Anexo Único do Decreto nº 22.217, de 25 de abril de 2000, e
alterações, são elas:

1.1 - agroindústria, exceto a sucroalcooleira e de moagem de trigo;


1.2 - metalmecânica e de material de transporte;
1.3 - eletroeletrônica;
1.4 - farmacoquímica;
1.5 - bebidas;
1.6 - minerais não-metálicos, exceto cimento e cerâmica vermelha;
1.7 - têxtil;
1.8 – plástico;
1.9 –móveis.

Para os produtos incentivados os benefícios são os seguintes:

· crédito presumido: nas operações internas e interestaduais, crédito presumido de 75%


do imposto de responsabilidade direta do contribuinte, apurado em cada período fiscal;

· prazo: 12 anos, contados a partir do mês subseqüente ao da publicação do decreto


concessivo;

· compensação do frete (frete neutro): para a comercialização de produtos incentivados

2
para fora da Região NE, haverá um crédito presumido adicional correspondente a 5%
do valor total dessas saídas no período fiscal. Esse crédito presumido deve ser usado
antes da utilização daquele de 75%, e não poderá implicar em recolhimento de imposto
inferior a 15% do valor do imposto devido, usado como base do cálculo dos incentivos;

· ampliação do incentivo para os empreendimentos em município localizado fora


da região metropolitana do Recife e cujo fator determinante de sua localização não
seja inerente à natureza da respectiva atividade, relativamente à fonte de recursos
minerais: nesse caso, mediante prévia habilitação do interessado, o valor do crédito
presumido poderá atingir, nos quatro primeiros anos do prazo de fruição, o valor de
85% do imposto devido. Durante esses quatro anos, a empresa não poderá usufruir o
benefício do frete e, após os quatro anos, passará a usar o crédito presumido de 75%
do imposto devido;

2) Indústria enquadrada em Atividade Relevante:

As demais atividades industriais e produtos não enquadrados como prioritários poderão


se habilitar como atividade relevante, à exceção da:

a) construção civil;
b) indústria extrativa;
c) agroindústria sucroalcooleira;
d) indústria de acondicionamento de gás liquefeito de petróleo.

Para a empresa enquadrada como de atividade relevante, os benefícios concedidos


são os seguintes:

- crédito presumido: nas operações internas e interestaduais, valor equivalente aos


seguintes percentuais do ICMS de responsabilidade direta do contribuinte, apurado em
cada período fiscal, relativamente à parcela do incremento da produção
comercializada:

a) 47,5% (quarenta e sete inteiros e cinco décimos por cento), em se tratando de


produto sem similar no Estado;

b) 25% (vinte e cinco por cento), em se tratando de fabricação de produto com similar
no Estado

- prazo: 8 (oito) anos, contados a partir do mês subseqüente ao da publicação do


decreto concessivo;

- compensação do frete (frete neutro): para a comercialização de produtos incentivados


para fora da Região NE, haverá um crédito presumido adicional correspondente a 5%
do valor total dessas saídas no período fiscal. Esse crédito presumido deve ser usado
antes da utilização daqueles de 47,5% ou de 25%, conforme o caso, e não poderá

3
implicar em recolhimento de montante inferior a 30% do valor do imposto devido, usado
como base de cálculo dos incentivos;

- ampliação do incentivo para os empreendimentos localizados em município localizado


fora da região metropolitana do Recife e cujo fator determinante de sua localização não
seja inerente à natureza da respectiva atividade, relativamente à fonte de recursos
minerais: mediante prévia habilitação do interessado, para empresa industrial que
fabrique produto com similar no Estado de Pernambuco, o valor do crédito presumido
poderá atingir, nos quatro primeiros anos do prazo de fruição, o valor de 47,5% do
imposto devido. Após os quatro anos, passará a usar o crédito presumido de 25% do
imposto devido.

3) Comércio Importador atacadista de mercadorias do exterior:

O comércio importador atacadista de mercadorias do exterior pode ser estimulado


mediante a concessão de benefícios fiscais relativos ao ICMS. Entretanto, as
mercadorias têm que ser desembaraçadas no estado de Pernambuco e os benefícios
incidem apenas sobre produtos que tenham a sua importação autorizada por meio de
decreto concessivo.

Os benefícios para o comércio importador atacadista de mercadoria do exterior são os


seguintes:

- diferimento do prazo de recolhimento do ICMS incidente sobre a operação de


importação para quando da saída subseqüente da mercadoria promovida pelo
importador;

a) Saídas internas:

- crédito presumido concedido quando da saída subseqüente, limitado aos seguintes


percentuais do valor da operação de importação:
a.1) 3,5%, quando a alíquota do imposto de importação aplicável for inferior ou igual a
7%;

b.1) 6,0%, quando a alíquota do imposto de importação aplicável for superior a 7% e


inferior a 12%;

c.1) 8,0%, quando a alíquota do imposto de importação aplicável for superior a 12% e
inferior a 17%;

d.1) 10,0%, quando a alíquota do imposto de importação aplicável for superior a 17%.

b) Saídas interestaduais: crédito presumido equivalente a 47,5% do imposto incidente


na operação.

4
4) Central de Distribuição:

Considera-se Central de Distribuição, para fins de obtenção dos estímulos concedidos


pelo PRODEPE, o estabelecimento industrial ou comercial atacadista que promova
operações de saída de mercadorias, cujo recolhimento do imposto de responsabilidade
direta corresponda à média mensal mínima do faturamento no semestre imediatamente
anterior ao da habilitação no valor-padrão de 5% (cinco por cento), sem prejuízo da
fixação de outros percentuais em decreto do poder Executivo, que serão diferenciados
em função da caracterização do produto comercializado e de sua destinação.

Há de se ressaltar alguns aspectos relativamente à Central de Distribuição:

- só serão incentivados os produtos adquiridos diretamente ao fabricante ou


produtores;

- a concessão e a fruição dos benefícios ficam condicionadas à manutenção da


capacidade competitiva das empresas industriais localizadas em Pernambuco;

- os benefícios concedidos aplicam-se apenas às operações realizadas pela empresa


beneficiária com os produtos relacionados no decreto concessivo;

- o limite de 5% (cinco por cento) anteriormente referido deverá ser observado a cada
06 (seis) meses, durante todo o período de fruição do benefício, devendo, no caso de
estabelecimento industrial, ser considerado apenas em relação ao faturamento das
operações de distribuição;

- esse limite de 5% (cinco por cento) deverá ser mantido pela empresa beneficiária
mesmo após a utilização do benefício concedido à Central de Distribuição.

Os benefícios concedidos às Centrais de Distribuição são os seguintes:

- nas operações de saídas interestaduais, crédito presumido no valor correspondente a


3% (três por cento) do valor total dessas saídas, durante um prazo de 15 (quinze) anos,
contados a partir do mês subseqüente ao da publicação do decreto concessivo;

- nas operações de entrada por transferência de mercadoria de estabelecimento


industrial localizado em outra Unidade da Federação, crédito presumido no montante
correspondente a 3% (três por cento) do valor total da transferência dos produtos
incentivados, durante um prazo de 15 (quinze) anos, contados a partir do mês
subseqüente ao da publicação do decreto concessivo.

05 - Da Suspensão e Perda dos Incentivos:

As empresas beneficiárias do PRODEPE poderão ter os seus benefícios suspensos ou


cancelados, em função de qualquer das seguintes faltas cometidas:

5
a) alterar as características do produto incentivado sem prévia autorização do
CONDIC;
b) não iniciar a implantação do projeto até 12 meses ou não concluí-lo até 36
meses depois da publicação do decreto concessivo;
c) redução da capacidade instalada de produção;
d) redução do nível de recolhimento do imposto de produção não incentivada em
benefício do aumento da produção incentivada;
e) deixar de recolher tempestivamente o imposto, a qualquer título, nos prazos
legais.

Afora os benefícios supracitados, as empresas que se instalarem em Pernambuco


poderão contar com financiamento dos investimentos e com os incentivos fiscais e
financeiros administrados pelo Governo Federal, a saber:

► Pelo BNDES - financiamento dos investimentos fixos e do capital de giro;


► Pelo Banco do Nordeste – financiamento dos investimentos fixos e do capital de
giro, através de repasse dos recursos do BNDES, do qual é agente repassador, ou
através de recursos do FNE – Fundo Constitucional do Nordeste;

Por outro lado, vários municípios do Estado possuem políticas próprias de incentivos
fiscais que reduzem a carga do ISS, do IPTU.

As empresas interessadas nos incentivos fiscais estaduais deverão preencher um


roteiro de apresentação de projeto para submissão à análise conjunta das equipes
técnicas da AD/Diper e da Sefaz/PE.

Desta análise nasce um parecer conjunto das duas equipes envolvidas que será
apresentado ao Comitê Diretor do PRODEPE, composto dos Secretários: de
Desenvolvimento Econômico, Turismo e Esportes; da Fazenda; e de Ciência e
Tecnologia, assim como do Presidente da AD/Diper. Nessa reunião os pareceres são
avaliados e recomendados ou não à aprovação final pelo CONDIC – Conselho de
Desenvolvimento Industrial, Comercial e de Serviços do Estado de Pernambuco.

A reunião do CONDIC é aberta ao público. Após a aprovação, as decisões do CONDIC


são publicadas em Resolução própria, e o processo é encaminhado à Procuradoria de
Apoio do Palácio para após análise remeter ao Gabinete do Governador para
assinatura de minuta para publicação do decreto concessivo específico da empresa.

Atenciosamente,

Thiago Coelho Macedo


ADDIPER – PRODEPE
thiagolvcm@yahoo.com.br

Você também pode gostar