Você está na página 1de 14

Universidade Estadual do Maranhão-UEMA

Campus Caxias
Departamento de Matemática e Física
Curso Licenciatura em Física

Didática

Discente:

Marcos Vinicius da Conceição Marques

Caxias-MA

2021
SUMÁRIO

1. Resumo
2. Introdução
3. Referencial teórico
4. Objetivos: geral e específicos
5. Metodologia
6. Justificativa
7. Resultados e discussões
8. Conclusão
9. Referências

RESUMO

A obra base para esse artigo se trata do artigo cientifico “A didática e a


aprendizagem do pensar e do aprender: a Teoria Histórico-cultural da Atividade
e a contribuição de Vasili Davydov” do autor, José Carlos Libâneo. Esse artigo
se propõe a discorrer sobre vários subtópicos para compor o corpo do texto,
como por exemplo, Os desafios da escola e da didática atual e a contribuição da
Teoria Histórico-social da Atividade, Breve histórico da Teoria da Atividade e
conceitos básicos, As contribuições teóricas de Vasili Davydov para a Teoria da
Atividade e o ensino desenvolvimental, dentre outros no decorrer do texto. O
texto tem como objetivo central de desenvolver e atribui contribuições
significativas da teoria histórico cultural da atividade no campo da didática, tendo
a base na obra de V. Davydov. Sendo de ponto focal o ambiente escolar formado
por plurais e atividade de estudo dos conceitos científicos, mediados pelo
trabalho pedagógico em uma perspectiva didática.

INTRODUÇÃO

O texto de maneira primordial trás a discussão sobre o tópico ‘Os desafios


da escola e da didática atual e a contribuição da Teoria Histórico-social da
Atividade”, o foco do discurso está no papel da didática dentro da escola
tradicional na época contemporânea e no processo desenvolvido na aplicação
das práticas docentes dentro de um contexto social e de classes, tendo como
foco principal a atividade escolar para a separação das classes por meio
intectual, sendo que no texto tata da definição dos conceitos científicos no
processo de ensino aprendizagem.

Esse processo ocorre na maneira de ensinar os conceitos científicos, que


são por essência complexos por demandar um nível de conhecimentos gerais
da realidade mais apurado e aprofundado, assim de maneira geral a classe
trabalhadora que sustenta a pirâmide recebe sempre uma educação inferior e
deficitária nas escolas públicas, enquanto a classe dominante recebe educação
de qualidade e bastante superior, de modo que a estrutura social sempre se
prolifere, e crie um cenário real de distanciamento de classes por nível
educacional.

Na estrutura do texto traz a importância da escola e da prática pedagógica


no processo educacional, a escola sendo um espaço cultural com n fatores e
variáveis que possibilitam uma interação e um aprendizado significativo do
individuo, assim como também um espaço politico onde cada grupo seu suas
ideologias e característica, nesse sentido a escola funciona como um espaço
plural de estímulos para o desenvolvimento significativo da pessoa. Além, do
principal fator da importância da escola e do ambiente escolar por proporcionar
um local onde principal atividade é o estudo, tendo vários conceitos científicos
complexos sendo ensinados ao mesmo tempo, juntamente com os vários
pluralismos do ambiente escolar, essa atividade de estudo principal somada a
pluralidade de ideias traz a esse ambiente educacional uma potencialidade.

REFERENCIAL TEÓRICO

Como referencial teórico para a abordagem social e contextualizada


desse texto base do autor Libâneo, é de bom grado que tenha outro autor de
visão social, rica em detalhamento e contextualidade, para que todo a
metodologia de ensino aplicada e discutida no texto tenha fundamentação
teórica e prática, a partir de estudos e empirismos. Dessa forma, Vygotsky está
no centro dessa discussão de estudo, tendo como fundamentação apoiada na
psicologia histórico crítica, que define que o individuo tem o seu psiquismo
trabalhado e estruturado a partir do seu primeiro momento de vida, levando em
conta todo o seu contexto social e os estímulos a ele direcionados, ou seja, o
homem como fruto do meio onde vive.
A teoria histórico da atividade tem como desenvolvimento inicial com os
teóricos Leontiev, Rubinstein e Luria, nessa perspectiva é considerada uma
continuação da escola histórico cultural de Vygotsky, o referido autor tem como
fundamentação em sua teoria de aprendizado social associado com o biológico
para um desenvolvimento significativo do individuo, onde o pensamento é a
principal forma de ordenamento e organização mental superior, formado por
elementos do psiquismo elementar. A periodização referentes aos momentos
significativos da aprendizagem também está presente na sua obra, onde a fases
que dependem da atividade principal para que o desenvolvimento formativo seja
inteiramente explorado.

No campo da didática, tendo como fundamentação teórica Vygotsky, a


práxis transformadora deve sempre está presente no processo de ensino
aprendizagem, essa práxis transformadora nada mais é que a condição e meios
de transformação pelo conhecimento detidos pelo professor, ser ensinado e
delegado ao aluno de maneira quer o mesmo tenha a capacidade intectual
aprimorada, possibilitando ao aluno uma autonomia de pensamento. Essa
autonomia de pensamento é construída no processo de interiorização dos
conceitos científicos que moldam a sociedade como um todo, onde aquelas que
detêm essa ferramenta intectual bem desenvolvida, tem a melhor capacidade de
manipular e agir sobre o meio onde está inserido. Nesse ponto a didática é de
fundamental importância pelo fato de ser a metodologia de ensino que vai
possibilitar isso ao alunos de maneira intencional e direcionada.

OBJETIVOS

Geral:

▪ Fazer uma contextualização sobre a didática no processo de ensino


aprendizagem em uma paralelo com o artigo “A didática e a aprendizagem
do pensar e do aprender: a Teoria Histórico-cultural da Atividade e a
contribuição de Vasili Davydov”, com o referencial de discussão partindo
de Vygotsky.

Específico:
▪ Relacionar a teoria da atividade com bases na escola de Vygotsky e o
desenvolvimento dessa teoria a partir de contribuições da Davydov, tendo
como prisma de ótica a didática como ferramenta de ensino de uma
atividade formativa e que proporcione desenvolvimento significativo aos
alunos, sempre observando a tríade conteúdo forma e destinatário.

METODOLOGIA

A metodologia utilizada foi a leitura do artigo base “A didática e a


aprendizagem do pensar e do aprender: a Teoria Histórico-cultural da Atividade
e a contribuição de Vasili Davydov”, do autor José Carlos Libâneo, e o estudo de
estudos e teorias relacionados ao tema didática e aprendizado, tendo o foco o
teórico Vygotsky e suas imensas contribuições para a teoria do aprendizado. A
leitura e estudo possibilitou a inter-relação das discussões tratadas do artigo
base e no referencial teórico.

JUSTIFICATIVA

A justificativa relacionado ao contexto desse trabalho é a criação de um


artigo cientifico para a discussão em sala de aula com os colegas da disciplina
de didática, observando vários texto disponibilizados para a elaboração de um
artigo sobre o tema “didática”, afim de se ter um relação entre as ideias plurais,
para assim ter um melhor aprendizado ativo entre os discentes e complementar
a nota do bimestre, essa é a justificativa contextual. A justificativa da escrita
desse texto em forma de artigo é fazer uma relação e discussão do texto base e
do referencial teórico, tendo como tema didática e a função desse mecanismo
pedagógico na prática docente para um melhor e mais eficiente processo de
ensino aprendizado, observando e analisando estruturas important5es no
momento da elaboração de uma aula para a contemplação cientifica dos
conceitos e assim disponibilizar aos alunos uma aula formativa e qualitativa,
tendo como referenciais a contribuição de Davydov em relação a teoria da
atividade e em evidencia as teorias socias de Vygotsky.

RESULTADOS & DISCUSSÕES

No primeiro tópico do texto trata “Os desafios da escola e da didática atual


e a contribuição da Teoria Histórico-social da Atividade” faz um contextualização
do ambiente onde os alunos brasileiros estão inseridos e traz uma
fundamentação prática da didática e da sua intencionalidade, já que o trabalho
pedagógico é dotado de intencionalidade, sempre observando a necessidade do
aluno já que a aula e o conteúdo da mesma é direcionado a finalidade de ensinar.
É utilizado o termo modus faciendi, para descrever a mediação intencional e
pedagógica do professor no contexto de pluralismo da escola, levando em
consideração dois elementos da prática educacional essenciais, que são o
ensino de conceitos científicos na escola e proporcionar o desenvolvimento
cognitivo e operativo dos alunos.

[...]Com efeito, as crianças e jovens vão à escola


para aprender cultura e internalizar os meios
cognitivos de compreender e transformar o
mundo. Para isso, é necessário pensar –
estimular a capacidade de raciocínio e
julgamento, melhorar a capacidade reflexiva e
desenvolver as competências do pensar. A
didática tem o compromisso com a busca da
qualidade cognitiva das aprendizagens, esta, por
sua vez, associada à aprendizagem do
pensar.(Libâneo, 2004,pag 6)

A didática cabe á ação do trabalho docente para sua efetivação em algo


formativo e qualitativo, dessa forma a prática de aula tendo a didática como
principal fator, que possibilita a mediação dos conceitos científicos, é algo
essencial. Para que o indivíduo se torne crítico, ativo e político é necessário que
o mesmo tenha uma educação e aprendizado dos conceitos científicos de
maneira geral de forma sistematizada, formalizada e periodizada, para assim
este individuo ter uma capacidade cognitiva de internalização de conhecimento
aprofundada e organizada, visando um pensamento crítico e de forma
organizada nas suas manifestações intelectuais, por isso a educação é a forma
mais eficiente de efetiva cidadania, já que a o ato de ensinar alguém os meios
necessários para pensar de maneira autônoma é o um dos pilares educacionais
contemporâneo.

[...]A tarefa das escolas e dos processos


educativos é desenvolver em quem está
aprendendo a capacidade de aprender, em razão
de exigências postas pelo volume crescente de
dados acessíveis na sociedade e nas redes
informacionais, da necessidade de lidar com um
mundo diferente e, também, de educar a
juventude em valores e ajudá-la a construir
personalidades flexíveis e eticamente ancoradas.
(Castells Hargreaves, 2001, p. 16)

A escola portanto tem uma missão social de grande valor, já que a


educação é o melhor meio de mudança social por meio do trabalho, tanto pela
parte do professor na sua prática docente de ensinar as estruturas científicas por
meio de conceitos, quanto por parte do aluno em sua prática de estudo,
aprendizado, internalização e intelectualidade.

[...] o desenvolvimento de aptidões gerais da


mente permite melhor desenvolvimento das
competências particulares ou especializadas.
Quanto mais poderosa é a inteligência geral,
maior é sua faculdade de tratar problemas
especiais. A compreensão dos dados particulares
também necessita da ativação da inteligência
geral, que opera e organiza a mobilização dos
conhecimentos de conjunto em cada caso
particular. [...] Dessa maneira, há correlação entre
a mobilização dos conhecimentos de conjunto e a
ativação da inteligência geral. (Morin, 2000, p. 39)

A organização do pensamento em formulações gerais é de extrema


importância para a prática de estudo, o conhecimento internalizado é guiado de
forma intencional pelo pensamento do individuo, esse pensamento guia o
conhecimento por meio de generalizações complexas, culminando no efetivo
direcionamento para algo específico, ou seja, o pensamento formula a partir de
conhecimentos gerais o direcionamento para resolução de problemas
específicos na atividade que cada individuo desenvolve no seu meio a partir de
suas necessidades elementares até as mais complexas.

A didática está incorporada a vários métodos de ensinar e relacionado


com todas as áreas de forma atlética de acordo com várias concepções, por esse
motivo a mesma como método de ensino intrínseco a prática de ensinar, está
em constante mudança, assim a elaboração e reajuste da didática acontece de
maneira dinâmica sempre em relação ao meio de ensino e as suas inovações.
No processo de inovação da didática e na prática de ensinar, é incluso de
maneira total em todo o processo, a inovação ou reajuste no processo de
pensamento voltada ao ensino. Com isso a referência teórica de Vygotsky é
muito importante para entender a dinâmica de todo esse processo vivo,
justamente por ter como base da teoria as manifestações e elementos externos
e internos para com o individuo, já que cada ser é um ser social, e partir disso já
nasce introduzido em um ambiente em movimento social e com estruturas
sociais definidas e em constante movimento.

Essa cultura já estabelecida pelo é o primeiro contato do homem com


algum conhecimento, que vai formar estruturas cognitivas por meio de estímulos
externos, culminando em internalizações internas por meio de signos. Esse
termo signo, nada mais é que significados relacionados a algo concreto do meio
onde o individuo está inserido, esses signos tem níveis elementares, que vão de
significados de objetos simples, até um nível mais complexo, partindo de
conceitos gerais para entendimento a dinâmica de estruturas atômicas no interior
de um cristal, por exemplo.

[...]O saber contemporâneo pressupõe que o


homem domine o processo de origem e
desenvolvimento das coisas mediante o
pensamento teórico, que estuda e descreve a
lógica dialética. O pensamento teórico tem seus
tipos específicos de generalização e abstração,
seus procedimentos de formação dos conceitos e
operações com eles. Justamente, a formação de
tais conceitos abre aos escolares o caminho para
dominar os fundamentos da cultura teórica atual.
[...] A escola, a nosso juízo, deve ensinar as
crianças a pensar teoricamente. (apud Golder,
2002, p. 49)

A escola tem como missão institucional educar socialmente, por esse


prisma de visão da finalidade da escola, é importante o ensino dos conceitos
gerais científicos, para possibilitar o pensamento crítico e teórico. O pensamento
teórico é o mais alto nível de pensamento, já que para fazê-lo se tem que ter a
dominação dos conceitos gerais e específicos de um certo contexto, para assim
o individuo exercer uma ação de abstração sobre os fatos e dados observados,
para dar um direcionamento intencional tendo uma finalidade própria já
estabelecida, ou seja, é dominar os conceitos do meio de forma científica e
manipular o conhecimento por meio do pensamento, buscando uma abstração
baseada no concreto.

Em seguida, no segundo tópico, denominado “Breve histórico da Teoria


da Atividade e conceitos básicos”, o autor buscar fazer uma retrospectiva
histórica sobre a teoria da atividade e sobre os conceitos básicos relacionados a
ela, com um referencial teórico partindo dos trabalhos de L. S. Vygotsky (1983,
p. 82), com contribuições importantes de Leontiev, Rubinstein e Luria, teóricos
de grande relevância mundial sobre o tema teoria de aprendizagem com base
na psicologia histórico cultural.

A atividade dentro da obra marxista tem um destaque, já que o homem


adquiri humanidade tendo uma atividade foco, desenvolvendo ela por meio do
trabalho. A atividade de estudo é uma das principais formas de expressão dessa
humanidade, já que precisa de um nível de consciência considerável, a atividade
de estudo não é inerente ao ser humano, ou seja, não é biologicamente parte
do ser, portanto precisa ser desenvolvida. A consciência nesse contexto está
direcionada a motivação, o foco intencional, definição do objeto de estudo e a
buscar ativa por conhecimento, a consciência humana nesse quesito é muito
importante no direcionamento da busca da humanidade pela atividade de
estudo.

[...]Na base da ideia de atividade externa está um


princípio central da filosofia materialista dialética:
o condicionamento histórico-social do
desenvolvimento do psiquismo humano, que se
realiza no processo de apropriação da cultura
mediante a comunicação com outras pessoas.
Tais processos de comunicação e as funções
psíquicas superiores envolvidas nesses
processos se efetivam primeiramente na
atividade externa (interpessoal) que, em seguida,
é internalizada pela atividade individual, regulada
pela consciência. No processo de internalização
da atividade há a mediação da linguagem, em que
os signos adquirem significado e sentido
(Vygotsky, 1984, p. 59-65)
A atividade é um fator importante no desenvolvimento do psiquismo do
individuo, pois a partir do desenvolvimento de alguma atividade por meio do
trabalho o conhecimento ganha atributos de significação, pela aplicação prática
do mesmo. A internalização do conhecimento adquirido é solidificado com os
meios necessários para que todo o processo seja concluído, ou seja, a
internalização de um conhecimento depende muito se a forma que ele está
disposto é tangível pelo individuo, a partir da base de conhecimentos anteriores.

No contexto escolar tendo como foco a atividade de estudo, a


internalização dos conhecimentos novos de forma sistematizada depende muito
da prática didática do professor em relação ao conteúdo. Essa maneira de
manipular o conteúdo para melhor enfatizar e potencializar a absorção dos
alunos, é essencial no processo de ensino aprendizagem. No estudo da didática
como método de ensinar melhor, esse conceito é estruturado da seguinte
maneira, no conceito de conteúdo, forma e destinatário. Esse conceito busca a
efetiva aprendizagem do aluno partindo do formalizado e sistematizado conceito
cientifico a ser estudado e ensinado, observando a forma que o aluno melhor
absorva todo esse novo conhecimento de maneira significativa, assim cabe ao
professor ensinar o assunto fácil e complexo de uma maneira que qualquer um
dos dois seja internalizado pelo aluno pela maneira didática de ensinar.

[...]A apropriação das formas da cultura pelo


indivíduo é, a nosso juízo, o caminho já elaborado
de desenvolvimento de sua consciência. Aceita
esta proposição, a tarefa fundamental da ciência
será a de determinar como o conteúdo do
desenvolvimento espiritual da humanidade se
transforma em suas formas de desenvolvimento
espiritual e como a apropriação dessas formas
pelo indivíduo se transforma no conteúdo do
desenvolvimento de sua consciência.(Davydov
1988, p. 61)

Fundamentalmente é interessante observar que para Davydov a


apropriação do conhecimento cultural é algo estruturante para o
desenvolvimento da consciência, ou seja, todo o saber empírico e social deve
ser racionalizado por meio da construção e internalização do conhecimento
científico, ficando assim uma relação de saber empírico baseado na historia e
cultura do individuo com o saber racional cientifico ensinado na escola de forma
sistematizada e formalizada para a descrição desses fenômenos.

[...]Uma análise da abordagem de Vygotsky e


Leontiev sobre o problema do desenvolvimento
mental permite que cheguemos às seguintes
conclusões. Primeiro, no sentido mais amplo, a
educação e o ensino de uma pessoa não são
nada mais que sua “apropriação”, a “reprodução”
por ela das capacidades dadas histórica e
socialmente. Segundo, a educação e o ensino
(“apropriação”) são formas universais de
desenvolvimento mental humano. Terceiro, a
“apropriação” e o desenvolvimento não podem
atuar como dois processos independentes, pois
se correlacionam como a forma e o conteúdo de
um único processo de desenvolvimento mental
humano.(Davydov 1988, p. 54)

De acordo com a citação acima, podemos entender como essas três


conclusões ocorrem são importantes para o processo de ensino do professor e
também para o processo de aprendizagem do aluno, porque se trata de passos
cronológicos, a partir da primeira conclusão que é baseada no entendimento que
a realidade concreta e suas objetificações existem independentes do
conhecimento do homem, cabendo ao mesmo estruturar uma linguagem para
descrever essa materialidade concreta, a segunda conclusão está relacionado a
prática de ensino e educação como formas universais do desenvolvimento
humano, pelo fato do sistema educacional ser estruturado de uma maneira
periódica, que observa cada fase do indivíduo para proporcionar o melhor
aprendizado dos conceitos teóricos da realidade concreta. E a terceira conclusão
descreve a importância da dualidade e correlação entre a apropriação e o
desenvolvimento, no quesito de uma ser dependente da outra, no processo em
que na medida de que há uma apropriação cultural e intectual acontece o
desenvolvimento do individuo, sendo esse ciclo perpetuo pelo fato de que o
conhecimento já adquirido servir de base para novas apropriações.

[...]A essência do conceito filosófico-psicológico


materialista dialético da atividade está em que ele
reflete a relação entre o sujeito humano como ser
social e a realidade externa – uma relação
mediatizada pelo processo de transformação e
modificação desta realidade externa. A forma
inicial e universal desta relação são as
transformações e mudanças instrumentais
dirigidas a uma finalidade, realizadas pelo sujeito
social, sobre a realidade sensorial e corporal ou
sobre a prática humana material produtiva. Ela
constitui a atividade laboral criativa realizada
pelos seres humanos que, através da história da
sociedade, tem propiciado a base sobre a qual
surgem e se desenvolvem as diferentes formas
da atividade espiritual humana (cognitiva,
artística, religiosa etc.). Entretanto, todas estas
formas derivadas da atividade estão diretamente
ligadas com a transformação, pelo sujeito, de um
ou outro objeto sob a forma ideal. O sujeito
individual, por meio da apropriação, reproduz em
si mesmo as formas histórico-sociais da
atividade.[...] A atividade humana tem uma
estrutura complexa que inclui componentes
como: necessidades percebidas, capacidades,
objetivos, tarefas, ações e operações, que estão
em permanente estado de interligação e de
transformação.(Davydov 1988a, p. 9)

Na perspectiva de atividade humana intencional, deve-se se ter em mente


a dimensão dinâmica dessa atividade, pelo fato dela ser intencional mediante a
uma finalidade. Dessa forma a atividade humana em geral é primeiramente para
satisfazer suas necessidades fundamentais e posteriormente para finalidades
mais elaboradas do pensamento, que podem e estão em constante mudança,
não sendo algo linear e totalmente focado a um único fim. Na atividade
pedagógica essa atividade relacionado ao processo de ensinar é exatamente
assim, já que não é linear, busca suprir primeiramente as necessidades
intelectuais para viver em sociedade e posteriormente é introduzindo um
pensamento mais elaborado e complexo, na medida do possível.

[...]O primeiro componente do núcleo da atividade


é a transformação da realidade pelo sujeito
coletivo, no curso da atividade coletiva deste
indivíduo. [...] Toda atividade coletiva é sempre
observada em vários tipos e formas de
comunicação material e espiritual. [...] Mas, no
processo de comunicação, seja material ou
espiritual, surge um princípio básico do qual todos
estamos conscientes [...] que é o desempenho
coletivo de uma certa atividade pelos indivíduos.
[...] O apelo a outras pessoas ocorre na estrutura
da atividade coletiva, a atividade que é provida de
problemas dos indivíduos ou da equipe. A
propósito, o apelo aos outros é a base da qual
surgem padrões num coletivo; e os padrões são
protótipos culturais. [...] Assim, no núcleo da
atividade [...] temos os seguintes pontos:
primeiro, a unidade da atividade consciente inclui
a natureza coletiva da realização de uma
atividade pelo indivíduo coletivo ou uma equipe;
em outras palavras, o que chamamos de
comunicação prática (metódica), no sentido literal
da palavra, não no metafórico. O segundo ponto
é o apelo das pessoas umas pelas outras,
refletindo sobre suas próprias ações e
significados e sobre ações e significados de
outras pessoas. O terceiro aspecto do núcleo da
atividade está incluído no plano ideal e na
imaginação. O quarto, é a atividade consciente
individual de uma pessoa individual. (Davydov p.
10-11)

De maneira geral a síntese da atividade é algo muito ligado a prática do


homem sobre o meio que ele vive, por meio do trabalho coletivo e individual,
sendo que esse trabalho busca sanar as necessidades básicas de cada individuo
e busca a melhoria do meio as necessidades criadas pelo homem, ou seja, o
trabalho para obter o essencial e criar necessidades decorrentes desse
desenvolvimento que ultrapassem o nível de elementar e busquem o
desenvolvimento complexo. A atividade no final das contas liga as necessidades
elementares e complexas da sociedade e busca sanar todas elas por meio do
trabalho, seja ele elementar ou complexo.

A didática está diretamente ligada ao processo de ensinar o elementar e


o complexo da melhor forma possível, observando sempre o meio em que o
professor e os alunos estão inseridos. Assim a didática é de fundamental
importância quando se trata de educação social, já que o professor detêm o
conhecimento necessário para que o aluno possa ter suas necessidades
elementares saciadas e buscar por complexificação dessas necessidades por
meio da atividade de estudo.
CONCLUSÃO

A gamificação de todos os conceitos descritos nesse texto de maneira


breve, pode ser escrita como sendo o papel principal da escola no contexto social
e educacional, tendo a didática como parte viva desse processo e de essencial
importância. Nada mais é que a escola como instituição de ensino proporcionar
aos seus alunos um conhecimento generalizado dos conceitos científicos que
possibilite a esse aluno fazer suas próprias navegações por meio desses
conceitos, fazendo ser critico sobre a sua própria realidade concreta.

[...]Os pedagogos começam a compreender que


a tarefa da escola contemporânea não consiste
em dar às crianças uma soma de fatos
conhecidos, mas em ensiná-las a orientar-se
independentemente na informação científica e em
qualquer outra. Isto significa que a escola deve
ensinar os alunos a pensar, quer dizer,
desenvolver ativamente neles os fundamentos do
pensamento contemporâneo para o qual é
necessário organizar um ensino que impulsione o
desenvolvimento. Chamemos esse ensino de
“desenvolvimental”.(Davydov 1988d, p. 3)

Nesse sentido a educação escolar deve ser focada no desenvolvimento


dos alunos para uma prática transformadora sobre o meio, tendo como base todo
o conhecimento histórico já adquirido pela sociedade, ou seja, conhecimento
guiado pelo pensamento para uma prática transformadora sobre o meio e não
apenas uma educação para reprodução do mesmo. Por esse motivo a didática
é essencial por justamente proporcionar a melhor forma dos conteúdos para uma
prática transformadora.

REFERÊNCIAS

ARTIGO “A DIDÁTICA E A APRENDIZAGEM DO PENSAR E DO APRENDER: A TEORIA


HISTÓRICO-CULTURAL DA ATIVIDADE E A CONTRIBUIÇÃO DE VASILI DAVYDOV”, ANO
2004; AUTOR, JOSÉ CARLOS LIBÂNEO.

Você também pode gostar