Você está na página 1de 1

PSICOLOGIA

Prof. Raquel dos Reis


................................................................................................................................................................................

Caso Humberto Zélia: Esta é a mãe de Humberto que, inicialmente não


Joice Reitz aceitou seu encaminhamento para uma classe especial,
relatando que ela e seu marido não são loucos e que
Descrição da Realidade de Humberto seu filho era normal, apenas preguiçoso. Mas hoje
Humberto é um garoto de dez anos de idade que, há agradece Marta por tê-la alertado. A partir dessa
muito, passa por uma difícil situação, sendo aceitação, começa um processo de estigmatização de
considerado por todos à sua volta um “bobão” com Humberto junto à família, em que o discurso técnico
atraso mental. Todos os nomes utilizados neste estudo passa a fazer parte da linguagem de Zélia. Zélia
de caso são fictícios. Segue abaixo a descrição de expressa tendências controladoras e é o principal
Humberto e de algumas pessoas atuantes em sua vida: elemento da vida familiar, decidindo sobre os negócios
do marido, impondo seus desejos relativos às
Humberto: Já foi retido quatro vezes na escola, copia prioridades de gastos com a casa. Além desse papel
bem, às vezes omite letra. Na fala também omite letra e poderoso no grupo familiar, arca com o trabalho
troca o R pelo I. Repete bem historinhas, mas é doméstico, mostrando insatisfação com a vida de
péssimo em matemática. Possui boa aparência (quando casada. Quando Humberto nasceu, ela não o queria
bebê, todos queriam vê-lo e pegá-lo no colo), bem dividir com ninguém, tendo ciúmes dele e cerceando o
cuidado, atento e colaborador. Em casa, todos o veem seu desenvolvimento, por medo de contaminação do
como o doente da família, fazendo-o internalizar esse ambiente, tornando-o totalmente dependente dos seus
discurso. É visto como um “bobão, com problema na cuidados. Ela declara que os problemas de Humberto
cabeça, um caso perdido”. Ele ouve tudo isso sempre só podem existir por causa do seu “excesso de zelo”.
cabisbaixo. Ela está sempre vigilante com o que o filho faz, sempre
à espera do erro e de corrigi-lo.
Grace: Professora do ano anterior, que se encarregou
de passar uma péssima imagem de Humberto para a Aurício: Pai de Humberto que se mostra ausente no
nova professora no início do ano. Ela que o descreveu estudo, sendo coerente com seu lugar ocupado no
como um “caso perdido” e como alguém que há muito grupo familiar. É o provedor da casa, porém se
precisava de um encaminhamento. Ela relata que no comporta como um filho de Zélia e como um irmão dos
início do ano agradava muito ele, mas quando agradou filhos. Durante a pesquisa, prefere falar sobre as suas
outro, ele chorou muito. Em sua fala, ela diz: “Olhando coisas (como uma criança), mostrando desinteresse
parece inteligente, é bonito (…) é um bobão, já repetiu pelo caso de Humberto, como se o assunto não lhe
várias vezes. Mas quando fala, você percebe que tem dissesse respeito.
problemas”.
Areta e Rogério: São os irmãos de Humberto, com oito
Marta: Orientadora educacional da escola que e sete anos, respectivamente. Relatam divertidos as
encaminhou Humberto para uma classe especial em dificuldades do irmão em casa e na escola. Areta refere-
outra escola. “Munida de uma visão muito pobre do se insistentemente ao Humberto como um “burro” que
processo de aprendizagem escolar, distribui não consegue passar de ano. Quando brincam de
diagnósticos de deficiência mental sem qualquer rigor e escola, Areta coloca-o de castigo e o reprova. Quando
critério”. brincam de casinha, Areta é a mãe, Rogério o pai e
Humberto o bebê, que está sempre doente e é muito
Psicólogo(a): A psicóloga disse que Humberto tem chorão.
raciocínio lento e para ele ficar em classe mais lenta. Na
nova escola, um outro psicólogo fez um laudo
psicológico, tentando justificar a inclusão de Humberto Questões:
numa “classe especial preparatória”. Este laudo
apresenta má qualidade em sua linguagem, colocando Utilizando a aprendizagem da Psicologia Comportamental:
Humberto como “deficiente educável”, desorientado
 Qual a análise você faz do caso?
quanto a compreender claramente as instruções e as
entrevistas, entre outros aspectos. Colocou também que  O que fazer para que Humberto seja visto e tratado
há sinais de comprometimento neurológico e distúrbios como uma pessoa “comum” e não como um “bobão”.
psicomotores, sugerindo fonoaudiologia, oftalmologia,
psicomotricidade, EEG e orientação do responsável.