Você está na página 1de 9

0

 
1
2

Índice
1. Introdução....................................................................................................................................3
2. Referencial Teórico.....................................................................................................................4
2.1. Personalidade............................................................................................................................4
2.1.1. Temperamento.......................................................................................................................4
2.2. Saude Sexual e Reprodutiva.....................................................................................................5
2.3. HIV/SIDA.................................................................................................................................6
3. Conclusão....................................................................................................................................7
4. Referencias Bibliográficas...........................................................................................................8
3

1. Introdução

O presente trabalho esta subordinado ao estudo da Personalidade, Saude Sexual e Reprodutiva e


HIV/SIDA. Vários indivíduos compartilham de algumas características semelhantes, porém, a
personalidade de cada pessoa é individual e irreproduzível; então o seu estudo consiste na analise
das variações e das diferenças individuais.

A personalidade É formada durante a etapa do desenvolvimento psico-afetivo começando da


gestação, pois estes estão em condições distintas e já apresentam comportamentos particulares.
Então essa formação inclui elementos geneticamente herdados e adquiridos no meio externo em
que vivem (VOLPI, 2004).

“VIH” refere-se ao vírus da imunodeficiência humana, que enfraquece o sistema imunitário


humano. A infeção pode ser prevenida através de medidas adequadas.

“SIDA” refere-se à síndrome da imunodeficiência adquirida que resulta do VIH em fase


avançada, e que se caracteriza pelo aparecimento de infeções ou cancros oportunistas
relacionados com o VIH, ou de ambos.
4

2. Referencial Teórico

2.1. Personalidade

A palavra personalidade origina-se do grego Persona, nome de uma máscara usada por atores em
peças teatrais, para identificar vários personagens. Geralmente é associada à força de vontade, e
à moral do indivíduo, diferentemente da abordagem científica, porque exclui avaliações morais
ou judicativas, porém confirma que tem relação com a disposição motivacional, sendo definida
como o conjunto de características que explica um modo próprio da pessoa responder aos
estímulos do ambiente, respostas emocionais e escolhas individuais (BUSATTO, 2006).

A organização da personalidade é formada a partir dos genes, experiências particulares,


percepções individuais, capazes de tornar o individuo único na maneira de ser e desempenhar o
papel social. Compreender esses aspectos não é tarefa fácil, pois estão envolvidos muitos fatores
como o biológico, social e psicológico. Com outras palavras, a personalidade é um conjunto de
características identitárias próprias de cada um que foram geneticamente herdadas, socialmente
aprendidas, formando o mundo interno psíquico do indivíduo e é consideravelmente estável à
medida que o tempo vai passando, e isso garante um melhor ajuste ao meio ambiente
(BUSATTO, 2006; VOLPI, 2004).

O conceito de personalidade é encontrado desde os tempos antigos, há 500 anos com a


civilização grega, na teoria dos humores de Hipócrates. Esses humores eram conhecidos como
bílis negra que se refere ao temperamento melancólico característico de pessoas tristes e
sonhadoras; branca (fleumático) encontrada em pessoas lerdas, apáticas e de sangue frio;
vermelha (sanguíneo) encontrada em pessoas de humor variado, sociável, intenso; e amarela
(colérico) que é peculiar de pessoas cujo humor se caracteriza pelo desejo forte e sentimento
impulsivo, irritável e inconstante. Toda doença e perturbação mental eram consideradas
desequilíbrios entre esses humores também chamados de temperamento (PEREIRA, 2002;
GUZZO, 2002).

2.1.1. Temperamento

Quando falamos de temperamento estamos nos referindo à dimensão biológica e instintiva da


personalidade, que se manifesta antes de outros fatores. Durante a vida de qualquer pessoa, as
5

influências ambientais interagem com sua base temperamental, resultando em recursos que a
caracterizam e a diferenciam das outras pessoas. O temperamento é determinado pela herança
genética, o que influência de forma muito significativa o funcionamento do sistema nervoso e
endócrino, ou seja, influencia relativamente distintos neurotransmissores e hormônios. Outros
aspectos inatos, como o nível de alerta cerebral, também são importantes para o desenvolvimento
da personalidade (psiconlinews 2019). Quando falamos de temperamento, nos referimos àquela
parte inata da nossa personalidade que é determinada por nossa herança genética. Por isso, é
considerada a dimensão biológica e instintiva da personalidade. De fato, o temperamento é
primeiro fator da personalidade a se manifestar. Nos bebês já é possível distinguir diferentes
tipos de temperamento.

2.2. Saude Sexual e Reprodutiva

Quanto às noções de saúde reprodutiva e saúde sexual, creio que o recurso a alguns conceitos já
estabelecidos no plano político interno e internacional pode ser um ponto de partida razoável
para pensar os temas aqui tensionados. Recorrendo à conceituação da Organização Mundial de
Saúde (OMS), compreendo saúde reprodutiva como “um estado de completo bem estar físico,
mental e social e não a simples ausência de doença ou enfermidade, em todas as matérias
concernentes ao sistema reprodutivo e a suas funções e processos” (RELATÓRIO DA
CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DAS
NAÇÕES UNIDAS, 1994, p. 62).

Saúde Sexual, por sua vez, segundo o Ministério da Saúde (BRASIL, 2010, p. 17), “é a
integração dos aspectos somáticos, emocionais, intelectuais e sociais do ser sexual, de maneira a
enriquecer positivamente e a melhorar a personalidade, a capacidade de comunicação com outras
pessoas e o amor”. Desse modo, “o propósito dos cuidados da saúde sexual deveria ser o
melhoramento da vida e das relações interpessoais, e não meramente orientação e cuidados
relacionados à procriação e doenças sexualmente transmissíveis” (ibidem).

Parece-me importante, ainda, destacar que o conceito de saúde reprodutiva, em geral, se constitui
em uma base heteronormativa que supõe que reprodução é algo afeto apenas aos casais
heterossexuais. Outro aspecto interessante é que as ações de saúde reprodutiva, nessa direção,
são voltadas às mulheres: são elas os sujeitos das ações de prevenção, de processos educativos
6

voltados ensinar/aprender sobre métodos contraceptivos, amamentação e cuidados durante


gravidez, parto e puerpério. As mulheres seriam “naturalmente” sujeitos do parir e dos cuidados
com as crianças, perspectiva que exclui os homens. Nesse sentido, é possível afirmar que a saúde
reprodutiva e a saúde sexual são atravessadas por questões de gênero e, assim, a saúde
reprodutiva seria destinada às mulheres e a saúde sexual aos homens, direcionando-se a elas as
ações voltadas à reprodução e a eles a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

2.3. HIV/SIDA

O vírus HIV (em inglês, Human Immuno Deficiency Virus, que significa Vírus da ImunoDefi
ciência Humana) é um micróbio que só se consegue ver com um microscópio especial.

O HIV ataca as células do sistema imunitário (o sistema de defesa do organismo humano). Pouco
a pouco, essas células tornam-se incapazes de proteger o organismo humano contra infecções e
tumores. Por isso, as pessoas que têm SIDA apanham doenças que o seu organismo não
consegue combater.

SIDA significa:

 SÍNDROMA: conjunto de sinais e sintomas;


 IMUNO: sistema imunitário, o sistema de defesa do organismo humano;
 DEFICIÊNCIA: não funciona bem;
 ADQUIRIDA: foi contraída e não é hereditária.

O SIDA é uma doença causada por um vírus chamado HIV. Nos doentes com SIDA, o sistema
imunitário não funciona bem. O sistema imunitário é o conjunto das defesas naturais do
organismo contra as doenças.

Ainda não existe cura, nem uma vacina para esta doença, mas existem actualmente
medicamentos capazes de controlar a infecção e permitir uma vida mais saudável e longa.
7

3. Conclusão

Conclui-se neste trabalho que quando falamos de temperamento estamos nos referindo à
dimensão biológica e instintiva da personalidade, que se manifesta antes de outros
fatores. Durante a vida de qualquer pessoa, as influências ambientais interagem com sua base
temperamental, resultando em recursos que a caracterizam e a diferenciam das outras pessoas.

Em outras palavras, a saúde reprodutiva e a saúde sexual precisam ser abordadas no âmbito das
questões sociais e políticas. Para exemplificar este argumento de que a reprodução humana não é
apenas um evento biológico, podemos pensar que o modo “natural” de nascer foi sendo
substituído, no Brasil, nas últimas décadas, pelos partos cirúrgicos (cesarianas) que ocorrem no
interior de hospitais e maternidades e que, atualmente, há um movimento internacional pela
humanização do parto e do nascimento.

E para terminar O SIDA não se manifesta da mesma forma em todas as pessoas. Os sintomas
iniciais são geralmente parecidos e comuns a várias outras doenças. Por exemplo: febre durante
muitos dias, calafrios, dor de cabeça, dor de garganta, dores nos músculos, cansaço físico sem
motivo manchas na pele, feridas e borbulhas em baixo do braço, no pescoço ou na virilha e que
podem levar muito tempo para desaparecer.
8

4. Referencias Bibliográficas

BUSATTO, Geraldo Filho. Fisiopatologia dos transtornos psiquiátricos. 4ed. São Paulo:
Atheneu, 2006. p. 191-204.

GUZZO, R.S.L; PEREIRA, P.C. Diferenças Individuais: Temperamento e personalidade;


importância da teoria. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, v. 19, n.1, janeiro/abril. 2002.

MEYER, Dagmar E. E. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, Guacira Lopes;
FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre. Corpo, gênero e sexualidade: um debate
contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003b. p. 9-27.

Psiconlinews, Diferencas entre personalidade temperament e character,


https://psiconlinews.com/2017/06/as-diferencas-entre-personalidade-temperamento-e-
carater.html 14:40 06 de Dezembro de 2019).

VOLPI, José Henrique. Particularidades sobre o temperamento, a personalidade e o caráter,


segundo a psicologia corporal|. Curitiba: Centro Reichiano, 2004.p. 3-5.