Você está na página 1de 8

História da Secagem

Preocupação do homem em conservar os alimentos.


A diminuição da quantidade de água nos alimentos proporciona estabilidade microbiana, reduz a
quantidade de reações químicas deteriorativas e reduz os custos de armazenagem e transporte.
Secagem de grãos (café, soja, milho, etc.), ervas, frutas, alimentos industrializados, cerâmica,
madeira, papel, tecidos.

Secagem de Sólidos
Secagem: remoção de umidade de um sólido por meio da sua vaporização e posterior remoção do
vapor formado.
Mecanismo de remoção da umidade: transferência de calor para o sólido; transferência de calor
dentro do sólido; vaporização de líquido no interior do sólido; migração da umidade para a superfície
do sólido; transferência de vapor da superfície do sólido para o gás; arraste/retirada do vapor por
convecção (natural ou forçada).
A migração da umidade para a superfície do sólido se dá por dois mecanismos principais: o
escoamento capilar (através dos poros do sólido) e a difusão (onde a força motriz é a diferença de
concentração).

Meios de Aquecimento do Sólido


Direto: transferência de calor por convecção – Neste caso, normalmente o calor é transferido ao
sólido pelo gás de secagem, por contato direto.
Indireto: transferência de calor por convecção ou condução – Existe uma superfície de contato que
transfere calor para o sólido, por exemplo, uma chapa aquecida.

Gás de secagem
Pode ser: o ar ou gás de combustão. Este último está sendo proibido de ser utilizado na secagem de
produtos alimentícios, devido à quantidade de substâncias tóxicas que ele carrega e que podem ser
adsorvidas pelo alimento.
É necessário conhecer as propriedades do gás de secagem (temperatura, vazão, umidade, pressão)
para determinar a capacidade do gás em retirar umidade do sólido.
A movimentação do gás de secagem no interior do secador pode ocorrer de forma natural ou forçada.
O mais comum é a movimentação forçada, pois os coeficientes de transferência de calor e de massa
são maximizados com o aumento da velocidade do gás de secagem.
O gás de secagem pode ser recuperado após a secagem, através da retirada da umidade (por
condensação, absorção ou adsorção). Os sólidos, caso tenham tendência a serem carregados pelo
gás, podem ser separados através de ciclones e filtros.

Energia
As fontes de energia utilizadas na secagem convencional são: elétrica, carvão, óleo combustível,
GLP. O vapor, apesar de ser um transmissor de energia, pode ser considerado uma fonte, numa
operação de secagem. Esta consideração é comum em grandes plantas industriais, que utilizam o
vapor para diversas operações.

Tipos de Secadores
Podem ser: convectivos (diretos), condutivos (indiretos) ou por radiação. Os exemplos de secadores,
bem como alguns esquemas, estão na apresentação.
Secador de bandeja Secador a gravidade com chapas aquecidas Secador parafuso
Secador rotatório c/ tubos de vapor internos Secador de bandeja

Existem secadores rotatórios que combinam os tipos direto e indireto: por exemplo, os gases quentes
podem aquecer inicialmente um casco interno e depois passar entre um casco interno e outro externo
que está em contato com o sólido úmido.

Cinética de Secagem
Analisando as curvas de secagem, pode-se perceber que a secagem é limitada por:
Efeitos externos: condições do gás de secagem, como: temperatura, vazão e umidade;
Efeitos internos: velocidade com que a umidade migra do interior do sólido para a superfície.
Durante o período no qual a secagem é limitada pelos efeitos externos, tem-se:
- Taxa de evaporação da umidade constante;
- Retirada da umidade “livre” (saturação do sólido);
- Temperatura na superfície do sólido constante.
Durante o período no qual a secagem é limitada pelos efeitos internos, tem-se:
- Evaporação da umidade decrescente ao longo do tempo, tendendo a zero;
- Retirada da umidade ligada, tendendo à umidade de equilíbrio;
- Aumento da temperatura do sólido.
A umidade crítica é o teor de umidade no qual há uma transição entre os períodos de velocidade
constante e velocidade decrescente de secagem.
A apresentação contém os gráficos correspondentes à curva de secagem e à curva da taxa de
secagem.

Cálculos na Secagem
dW (W0 − Wc ) hT (Tg − Ts ) hT a (Tg − Ts )
- Taxa de secagem no PSTC: = = =
dt tc ρsd λ ρsλ
2

- Umidade no PSTD (difusão):


(W − W ) = 8 e
eq
π 
− De   t
 2d 
2
(W − W ) π
c eq

dW π 2 De (W − Weq )
- Taxa de secagem no PSTD (difusão): =−
dt 4d 2
4d 2 Wc − Weq
- Tempo de secagem no PSTD (difusão): tTD = ln
Deπ 2 W − Weq

dW hT (Tg − Ts )(W − Weq )


- Taxa de secagem no PSTD (escoamento capilar): =−
dt ρ s d λ (Wc − Weq )

ρ s d λ ( Wc − Weq ) Wc − Weq
- Tempo de secagem no PSTD (escoamento capilar): tTD = ln
hT (Tg − Ts ) W − Weq
Princípios de Secagem
As variações na forma, tamanho e umidade do material, no mecanismo de fluxo da umidade através
dos sólidos e no método de fornecimento de calor necessário para vaporização impedem um
tratamento unificado.

Transferência de Calor em Secadores


Normalmente, as taxas de secagem são limitadas pela transferência de calor, e não pela
transferência de massa.
Os princípios discutidos para a transferência de calor podem ser usados no dimensionamento de
secadores.

Perfil de Temperatura em Secadores


No secador batelada, serão analisadas as temperaturas do meio e do sólido a ser seco ao longo do
tempo.
No secador contracorrente, serão analisadas as temperaturas do meio e do sólido a ser seco ao
longo do comprimento do secador.
Na maioria dos casos, o meio ou fluido de secagem é o ar, e o fluido a ser retirado dos sólidos é a
água (umidade).

Cálculo do Calor/Energia Transferida para o Sólido

O calor deve ser aplicado ao secador para:


- aquecer o material que será submetido à secagem até a temperatura de vaporização do
líquido;
- vaporizar o líquido;
- aquecer o sólido até a temperatura final;
- aquecer o vapor até a temperatura final.
A etapa de vaporização do líquido é a mais importante no processo de secagem.
A massa seca permanece constante ao longo da secagem: o que varia é a quantidade de líquido
presente no sólido.
Antes de mais nada, é importante distinguir “teor de umidade em base seca” de “teor de umidade em
base úmida”. No exemplo mostrado, o material 1 tem 78g de matéria seca e 22g de água. O cálculo
da umidade em base úmida do material 1 é dado por:

ma 22 g
Wu = = = 0, 22 = 22% de umidade em base úmida.
ms + ma 78 g + 22 g

O cálculo da umidade em base seca do material 1 é dado por:

ma 22 g
Ws = = = 0, 282 = 28, 2% de umidade em base seca.
ms 78 g

Analogamente para o material 2, temos os teores de umidade em base úmida e seca iguais a 9,3% e
10,26%, respectivamente.

A quantidade de calor recebida pelo material úmido pode ser a soma das quantidades de calor
necessárias para:
1 – Aquecer o material úmido (matéria seca + água) até a temperatura de vaporização da água ;
2 – Vaporizar a água presente no material ;
3 – Aquecer o material (contendo umidade residual) e o vapor d’água até a temperatura final de secagem.

A quantidade de calor necessária para aquecer o material úmido até a temperatura de vaporização da
água é igual a:

Q1 = ( ms cPs + mai cPa ) (Tvap − T0 )

A quantidade de calor necessária para vaporizar a massa de água suficiente para reduzir o teor de
umidade ao valor pré-estabelecido é igual a:

Q2 = ( mai − maf ) λ vap

A quantidade de calor necessária para aquecer o material (contendo umidade residual) até a
temperatura final de secagem é igual a:

(
Q3 = ( ms cPs + maf cPa ) T fs − Tvap )
A quantidade de calor necessária para aquecer o vapor d’água até a temperatura final é igual a:

(
Q4 = ( mai − maf ) cPv T fa − Tvap )
A soma destas quantidades de calor será cedida pelo ar. Logo, a quantidade de calor mínima que o
ar deve conter é:
4
Q = ∑ Qi
i =1

Podemos dividir tudo pela massa do material seco, e então podemos expressar a quantidade de calor
envolvida em termos de umidade em base seca. Então, chamando a umidade relativa do material de
W, a umidade inicial do material de W i e a umidade final do material de Wf, temos:
Q = ( cPs + Wi cPa ) (Tvap − T0 ) + (Wi − W f ) λ vap + ( cPs + W f cPa )(T fs − Tvap ) + (Wi − W f ) cPv (T fa − Tvap )

Os termos relativos ao material seco podem ser agrupados. Como ele não sofre mudança de fase,
um único termo pode representar seu aquecimento, da temperatura inicial até a final:

Q = cPs (T fs − T0 ) + Wi cPa (Tvap − T0 ) + (Wi − W f ) λ vap + W f cPa (T fs − Tvap ) + (Wi − W f ) cPv (T fa − Tvap )

No caso da secagem adiabática, a quantidade de calor trocado é:

QT = mg (1 + H 0 ) cS 0 (Tgi − Tgf )

Coeficientes de Transferência de Calor

A equação básica de transferência de calor para o cálculo de secadores é:

Q = UA∆T em que: U = coeficiente global de transferência de calor;


A = área de transferência de calor;
∆T = diferença de temperatura.

Transferência de Massa em Secadores


A transferência da umidade no sólido ocorre primeiramente do interior do sólido para a superfície, e
depois da superfície do sólido para o gás de secagem.
Conhecendo a umidade de entrada e a umidade de saída do sólido, e conhecendo a taxa de
transferência de massa do sólido e do gás, é possível determinar a variação de umidade do gás de
secagem.

dW
A equação de transferência de massa é: = k s a (W − Weq )
dt
e o valor do produto ksa pode assumir valores constantes ou variáveis, dependentes da umidade do
sólido.

Revisão – Secadores Industriais


Devem ser conhecidos os seguintes dados para o cálculo do desempenho de um secador:
- Teores de umidade (do gás e do sólido) na entrada e na saída do secador;
- Temperaturas do gás afluente e efluente;
- Taxa de alimentação do gás e do sólido;
- Velocidade do gás (que irá interferir diretamente nos coeficientes de transferência de calor e
de massa);
- Tempo de retenção ou tempo de residência do gás e do sólido no secador;
- Consumo de energia (ou combustível, ou vapor).
As variáveis citadas têm o seguinte efeito:
- Aumento da temperatura;
- Aumento da umidade final;
- Aumento da velocidade do ar;
- Uniformidade do escoamento do ar;
- Recirculação do ar.
Exemplo – Secador rotatório – McCabe

Calcule o comprimento e o diâmetro de um secador adiabático rotatório, para secar 2800 lb/h (1270
kg/h) de um sólido sensível ao calor com um conteúdo inicial de umidade de 15% até um conteúdo
final de 0,5% (ambos em base seca). Os sólidos têm um calor específico de 0,52 Btu/lb°F; são
alimentados a 80°F (26,7°C) e não devem ser aquecidos a uma temperatura acima de 125°F
(51,7°C).
O ar de aquecimento está disponível a 260°F (126,7°C) com umidade de 0,01 lb de água por libra de
ar seco. A máxima velocidade mássica permitida para o ar é de 700 lb/ft2h (3420 kg/m2h).

Resolução: O processo deve ocorrer em contra-corrente, devido à sensibilidade do sólido.


A partir dos valores de temperatura inicial do ar e de umidade do ar na entrada do secador, é possível
determinar a temperatura de bulbo úmido através da carta psicrométrica (Tw = 102ºF), que será
constante ao longo do processo, para o caso de secagem adiabática.
O número de transferência recomendado para o problema é de Nt = 1,5 , e dessa forma pode-se
calcular o valor da temperatura do ar na saída do secador:
 Tsf − Tw 
N t = ln  Tgf = 137° F
 T − T 
 gf w 

A taxa de umidade retirada do sólido pelo ar pode ser calculada fazendo um balanço de massa no
sólido:
m& v = m& s (W0 − W f ) m& v = 406 lb h
A umidade do ar pode ser encontrada diretamente na carta psicrométrica, a partir das temperaturas
de bulbo seco e bulbo úmido do ar na saída do secador:
H f = 0, 0346 lb água lb ar seco
Os calores específicos do vapor d’água e da água líquida são, respectivamente, 0,45 e 1,0 Btu/lbºF.
A umidade presente no sólido é vaporizada à temperatura de bulbo úmido do ar, ou seja, 102ºF.
Nesta temperatura, o calor de vaporização da água é de:
λ vap ( a 102° F ) = 1036 Btu lb
Substituindo na equação do balanço de energia, dada abaixo,
qT
= cPs (Tsf − Ts 0 ) + W0 cPa (Tvap − Ts 0 ) + λ vap (W0 − W f ) + W f cPa (Tsf − Tvap ) + (W0 − W f ) cPv (Tvf − Tvap )
m& s
tem-se:
qT
= 23, 4 + 3,3 + 150, 2 + 0,1 + 2,3 = 179,3 Btu lb
m& s
Então, a quantidade de calor requerida é:
qT = 179,3.2800 = 502040 Btu h
Esta quantidade de calor será cedida pelo ar aquecido. Desta forma, a vazão mássica de ar pode ser
calculada:
qT
qT = m& g (1 + H 0 ) cgw (Tg 0 − Tgf ) m& g = m& g = 16495 lb h
(1 + H 0 ) cgw (Tg 0 − Tgf )
Esta é a vazão mássica de ar seco. Logo, a vazão mássica de ar nas condições de umidade da
entrada do secador é:
m& gw = m& g (1 + H 0 ) = 16495 (1, 01) = 16660 lb h
Também é possível calcular a umidade de saída do gás a partir das vazões mássicas de ar seco e de
umidade evaporada, a saber:

m& v 406
H f = H0 + = 0, 01 + = 0, 0346 lb água lb ar seco
m& g 16495
1
m& g (1 + H 0 ) π D2  4.23,8  2
A= = D=  = 5,50 ft
Gmax 4  π 
O diâmetro do secador é obtido a partir dos dados de velocidade mássica e de vazão de ar:
O comprimento do secador é obtido pela equação:
qT
L=
0,125π DG 0,67 ∆T
em que:

∆T =
( 260 − 102 ) − (137 − 102 ) = 81, 6° F
 260 − 102 
ln  
 137 − 102 
Então,
502040
L= = 35, 4 ft
0,125.π .5,5.7000,67.81, 6

Estas são as dimensões do secador, para as condições dadas.

Secagem de um novo tipo de material

Um novo tipo de material, contendo 30% de sólidos e 70% de água, deve ser submetido à secagem.
Testes em escala-piloto indicaram que este material pode ser seco utilizando ar a 400ºF na entrada e
a 150ºF na saída. A temperatura ambiente é assumida como sendo igual a 60ºF. A vazão volumétrica
do ar de secagem na saída é de 3600 acfm (a 1 atm), e o aquecedor fornece uma taxa de calor de
3000000 Btu/h ao ar de secagem. O pessoal responsável pela planta precisa saber:
(a) Qual a capacidade de produção da unidade e
(b) Se o aquecedor poderá suprir a demanda energética.

Resolução: A secagem pode ocorrer em qualquer secador convectivo; os dados não mudam.
São fornecidos os seguintes dados:
T gf = 150 ° F c Ps = 0,5 Btu lb. ° F
ρ 150 ° F
g = 0,065 lb ft 3
Tsi = 60 ° F
Z = 3600 acfm ( actual ft 3 min ) c Pg = 0, 2 5 Btu lb .° F
H g = 1126 Btu lb 150 ° F
ρ va = 0,0103 lb ft 3
H l = 28 Btu lb T gi = 400 ° F
W 0 = 70% ( em base úmida ) q = 3000000 Btu h

Será considerado que as temperaturas de saída do ar e do sólido seco são iguais. Tem-se o
esquema do processo a seguir:
Tgf = 150°F
Z = 3600 acfm ( actual ft 3 min )

Tsi = 60° F Secador Tsf = 150° F


W0 = 70% ( em base úmida ) convectivo W f = 0%

Tgi = 400° F
Aquecedor Tamb = 60° F
de ar

q = 3000000 Btu h
Fazendo um balanço de massa no ar e na umidade evaporada, tem-se:

1  X Y   X 
Z=  +  ⇒ Y = ρY  60 Z − 
60  ρ X ρY   ρX 
em que:
X = velocidade de evaporação da água, lb/h;
Y = vazão mássica do ar seco, lb/h;
?X = densidade do vapor d’água;
?Y = densidade do gás de secagem na entrada.

Fazendo um balanço de energia no secador, tem-se:


  100 − W0  
1, 05  X ( H g − H l ) + X   cPs (Tgf − Tsi )  = Y cPg (Tgi − Tgf )
  W0  
e o fator 1,05 contabiliza possíveis perdas (de 5%) ao longo do processo de secagem.
Unindo os balanços de massa e de energia, e eliminando-se Y, tem-se:
  100 − W0    X 
1, 05  X ( H g − H l ) + X   cPs (Tgf − Tsi )  = ρY  60 Z −  cPg (Tgi − Tgf )
  W 0    ρ X 
Substituindo os valores e isolando X, encontra-se o valor de:
X = 560 lb h
Esta quantidade de água evaporada corresponde à massa seca de 240 lb/h, e à massa total de 800

Y = 10506 lb h
lb/h de matéria úmida.
A quantidade de ar requerida para esta taxa de evaporação é:
O calor fornecido por esta quantidade de ar nas condições dadas totaliza:
Q = Y cPg (Tgi − Tamb ) = 10506.0, 25. ( 400 − 60 ) = 893101 Btu h
que é um valor bem inferior aos 3 milhões de Btu/h de capacidade do aquecedor. Ou seja, o
aquecedor pode operar com cerca de 1/3 de sua capacidade, e ainda assim atenderá com folga a
demanda de energia requerida.