Você está na página 1de 3

‘EMPREENDER é fazer algo novo ou mudar o estado atual das coisas.

Para Maximiano “o
empreendedor é aquele que faz acontecer, se antecipa aos fatos e tem uma visão futura de
organização”. Além disso, o empreendedorismo gera empregos e inovações.

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR: deve ter perseverança, capacidade de


implementação, criatividade, disposição para assumir riscos, senso de independência e ser
otimista.

As vantagens de ser EMPREENDEDOR podem ser resumidas em autonomia, desafio e controle


financeiro, enquanto as desvantagens são sacrifício pessoal, sobrecarga de responsabilidade e
pequena margem de erro.

Características do EMPREENDEDOR:

 Busca de oportunidade e iniciativa


 Persistência
 Correr riscos calculados
 Exigência de qualidade e eficiência
 Comprometimento
 Busca de informações
 Estabelecimento de metas
 Planejamento e monitoramento sistemático
 Persuasão e redes de contato
 Independência e autoconfiança

O empreendedor enxerga a mudança como algo positivo e busca por ela a todo o tempo.

Tipos de Empreendedor:

 Empreendedor nato: quem nasceu com a capacidade natural para empreender.


 Empreendedor normal: pessoa que definiu que queria empreender como opção de
vida, então empreende por escolha.
 Empreendedor que aprende (ou por oportunidade): pessoa que nunca se viu como
empreendedora até se deparar como uma oportunidade.
 Empreendedor serial: pessoa aficionada por empreender, sente-se motivada pelos
desafios desconhecidos.
 Empreendedor por necessidade: (muito comum na economia brasileira)
empreende por não ter outras oportunidades de acesso a renda no mercado
formal de trabalho e acabou tendo que empreender pra ter que sobreviver.
 Empreendedor herdeiro: empreende por que herdou uma empresa de sua família.
 Empreendedor coorporativo/intraempreendedor: responsável pelo processo
empreendedor da empresa onde trabalha.
 Empreendedor social: não empreende em causa própria, mas para melhorar a
qualidade de vida da sociedade e para solucionar problemas ambientais.

No Brasil, o empreendedorismo começou com a chegada dos portugueses. Um bom exemplo


de empreendedorismo aqui foi Barão de Mauá. Apesar disso, só começou a ser incentivado
aqui durante a ditadura Vargas, que implementou o Banco Nacional de Desenvolvimento
Econômico (BNDES), a Petrobrás e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Somente na era
Juscelino Kubitschek é que o País começou a se abrir mais para o mercado estrangeiro. Nessa
época, surgiu a CEBRAE, que hoje é conhecida como SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às
Micros e Pequenas Empresas). Somente na década de 90 é que o Empreendedorismo começou
a ser lecionado aqui. No Brasil, enquanto a maior parte empreende por ter visto nisso uma
oportunidade, a outra parcela, menor mas ainda significativa, empreende majoritariamente
por necessidade. O número de mulheres empreendendo é menor que o de homens, mas esse
número vem crescendo de acordo com o passar dos anos. Apesar da crise, o
empreendedorismo vem crescendo no Brasil, já que com a crise alguns setores crescem em
oportunidades. Apesar de ainda haver entraves, o processo para se empreender, aqui, tem
sido desburocratizado, o que é um processo muito importante.

As empresas são classificadas de acordo com seu ramo de atuação e se podem produzir bens
e/ou serviços. Em relação à produção de bens, pode-se dividir entre:

 Bens de consumo: alimentos, vestuário, eletrodomésticos, automóveis etc.


 Bens de produção: máquinas e matéria-prima.
 Setor de serviços: finanças, hotelaria, restaurantes, transporte etc.

Outros critérios de classificação para as empresas são seu tamanho em quantidade de


funcionários ou em lucro. Assim, podem ser classificadas como Microempresas, Pequenas
Empresas e Médias e Grandes Empresas (nomenclatura em função dos lucros).
Empreendedores individuais são classificados como MEI. O MEI possibilita que o trabalhador
saia da informalidade e tenha acesso aos seus benefícios previdenciários.

No século XXI, algumas questões são extremamente relevantes no debate sobre o


empreendedorismo, como por exemplo a falta de empregos crescente devido à robotização
dos processos produtivos e do mundo como um todo, além do aquecimento global, que
preocupa a muitos.

DESTRUIÇÃO CRIATIVA: a criação de algo inovador que destrói a forma como as coisas
aconteciam.

INOVAÇÕES DISRUPTIVAS: inovações capazes de criar novos mercados, tornando obsoleto o


sistema anterior ou a forma como as coisas aconteciam antes (exemplo: Google).

No Brasil, as áreas mais beneficiadas pelos negócios sociais são, em primeiro lugar, a
educação, seguida de tecnologias verdes.

Inovação diferencia-se de descoberta por estar disponível no mercado.

STARTUPS: são empresas iniciantes em fase de desenvolvimento. Normalmente usam


tecnologia de forma intensiva, principalmente Tecnologias de Informação e Comunicação.
Normalmente se diferenciam pela busca constante de um modelo de negócios inovador que
possa ser altamente escalável a um baixo custo. As principais características das startups são:
 Inovação
 Repetibilidade (o modelo de negócios deve ser repetível)
 Flexibilidade e rapidez