Você está na página 1de 6

http://livrosgospel.

net
http://livrosevangelicos.org
Livros gospel grátis, livros de ultilidades gerais e produtos diversos.

PROJETO DE DISSERTAÇÃO CIENTÍFICA

DIRETRIZES GERAIS PARA O MESTRADO EM TEOLOGIA


Prof. Jorge H. Barro
O FOCO CENTRAL DA PESQUISA
A primeira tarefa que o(a) pesquisador(a) deve identificar é o foco central da pesquisa e o contexto
no qual o estudo será trabalhado. O foco central da pesquisa (FCP) – que pode ser um problema a ser
explorado ou uma tese a ser testada – não somente é a primeira coisa a fazer, mas também a tarefa
mais
importante para resolver em toda a pesquisa. Uma vez definido, irá nortear todas as partes da
proposta e do
processo da pesquisa.
Identificar e focalizar o questão central da pesquisa é geralmente a parte mais difícil de um projeto de
pesquisa. Esse processo de clarificar o FCP implica em algumas interações: o tópico, propósito,
problema,
alvos, perguntas da pesquisa, delimitações, revisão da literatura e a metodologia a ser aplicada. Ao
fazer isto,
trará validade e confiabilidade . Além disso, trará a certeza da continuidade (foco no mesmo assunto),
seqüência (progresso lógico) e interação (unidade e coerência) de toda a pesquisa.
O pesquisador que não estabelece o FCP enfrentará muitos problemas, tais como: ambigüidade
Page2 de 6

(duplo significado) de cada parte da pesquisa, e inabilidade para saber POR QUE, O QUE? ONDE,
QUANTO, ONDE E QUEM perguntar, e incerteza sobre quando a pesquisa está ou não concluída.
1. A ESCOLHA DO TÓPICO
O tópico para a pesquisa precisa ser restrito (específico) o suficiente para ser tratado no nível de
dissertação
de mestrado e, ao mesmo tempo, amplo (geral) o bastante para ser relevante. Por isso, é
imprescindível que
o(a) pesquisador(a) defina o tópico logo no início do curso. A partir do tópico (mais geral) é que se
estabelece
o FCP (mais específico). Cada matéria deve servir de base para os capítulos da monografia. A
pergunta é: “O
que eu posso aprender desta matéria sobre o foco central da minha pesquisa?”
O tópico precisa ser restrito o suficiente para que o(a) pesquisador(a) possa ter a certeza que tem
condições de
(1) tempo, (2) habilidades pessoais e (3) finanças para realizar o estudo. Por outro lado, precisa ser
amplo o
suficiente para servir não só para o pesquisador(a), mas também para a comunidade e avanço do
estudo
científico (missiologia, teologia e pastoral, etc). O tópico precisa ser encorajador para o(a)
pesquisador(a).
Alguns tópicos são em si mesmo depressivos e desestimulantes. O tópico deve ser fruto da
caminhada pessoal
do(a) pesquisador(a). Deve estar relacionado ao seu ministério e vida. Ele (o tópico) deveria influenciar
a vida
de muitas pessoas por décadas à frente. A pesquisa bem feita demanda um compromisso de tempo,
atenção e
energia.
Ao definir o tópico, você precisa responder: “O tópico que vou estudar trará uma contribuição
significativa
para a comunidade acadêmica, para minha vida acadêmica e ministerial, para a Igreja e para a
sociedade?”
Ao escolher um tópico, a grande tentação é achar que a pesquisa servirá para todos, em todos os
lugares e
circunstâncias. Para que o tópico seja suficientemente específico, leve em consideração:
O assunto
Geografia
Período de tempo
Estatística (população, tamanho)
Fontes disponíveis (finanças, logística, suporte)
Habilidades pessoais para a pesquisa
Pré-conhecimento do assunto
Tempo requerido para a pesquisa
Acesso as fontes primárias e secundárias (arquivos, pessoas, biblioteca)
2. CONTEXTO (justificativa)
A descrição do contexto do estudo proporciona uma justificativa para o estudo e a perspectiva para
entender a
pesquisa. Em muitos casos, as pesquisas necessitam demonstrar o contexto no qual o estudo está
sendo
realizado. Sem isso, muitos leitores não entenderam o porquê da pesquisa.
Ao escrever sobre o contexto você precisa entender dois níveis: experiência pessoal e fontes
secundárias
(estudos precedentes) para estabelecer a plataforma do estudo. Sua experiência pessoal quase
sempre irá
determinar sobre suas percepções sobre como você trabalho o assunto. O contexto não é
Page3 de 6

necessariamente
uma auto-biografia, mas a perspectiva pessoal na qual o(a) pesquisador(a) trará consigo naquele
contexto.
3. PROPÓSITO (objetivo geral) – por que?
O propósito de um projeto proporciona a direção da pesquisa. Ele está relacionado ao problema ou
tese a ser
focalizado. A diferença entre o propósito e o problema está em que o primeiro se refere à intenção da
pesquisa, enquanto o segundo se refere à própria pesquisa. O propósito responde à seguinte pergunta:
“Por
que este estudo deveria ser feito?” O propósito indica o resultado geral e o problema as questões
particulares a
serem estudadas.
A pesquisa pode conter vários alvos, mas somente UM propósito, todos os alvos devendo estar a ele
relacionados.
4. PROBLEMA (o foco central da pesquisa) – o que?
O problema do estudo é o FOCO CENTRAL de toda a pesquisa. Ele pode ser expresso em uma
senten ça ou
através de uma pergunta. O FCP pode ter duas formas: a de problema ou a de uma tese que será
testada, mas
NUNCA AMBAS simultaneamente.
4.1. Em Forma de PROBLEMA
O problema deve definir, clarificar e colocar os limites da pesquisa. Ele deve proporcionar a unidade da
pesquisa e seu produto final, a dissertação. Deve ser simples na redação. Também deve indicar o
conhecimento que será proporcionado na área da pesquisa. O problema deve ter adequada
significância para
justificá-lo.
O problema deve mostrar quais são as variáveis a serem estudadas. Ele precisa dar direção ao estudo.
A
grande diferença entre o problema e o propósito é que o problema relaciona-se a O QUÊ e o propósito
ao
POR QUÊ do estudo.
Exemplo: Quais eram os fundamentos missiológicos da estratégia paulina de evangelização, conforme
descrita no livro dos Atos dos Apóstolos?
4.2. Em Forma de TESE (HIPÓTESES)
Em algumas pesquisas, o FCP é melhor expresso em forma de tese, uma proposição a ser
demonstrada ou
testada. Se você optar pela tese, então será necessário trabalhar com hipóteses.
Hip óteses são sentenças proposicionais que precisam de teste. Geralmente as hipóteses são escritas
em forma
de “se-ent ão”. O “se” introduz a variável independente (causal) e o “então” a variável
dependente (resultado,
conseqüência).
Exemplo: A estratégia adotada por Paulo na evangelização, conforme relatada no livro dos Atos dos
Apóstolos, fundamentava-se: (1) na intenção paulina de não anunciar o Evangelho onde ele já fora
anunciado;
(2) no desejo paulino de levar o Evangelho a todas as nações conhecidas de sua época, em
cumprimento à
Grande Comissão; (3) nas possibilidades contextuais de difusão de uma nova visão de fé,
aproveitando-se do
idioma grego e do sistema de transporte e comunicação do Império Romano.
5. DELIMITAÇÃO DA PESQUISA
A delimitação consiste em estabelecer limites plausíveis para a consecução da pesquisa, em nível de
Mestrado. Define o que será incluído e excluído na pesquisa. O pesquisador(a) pode mostrar a
relevância do
seu estudo em outras áreas, porém para efeito desta pesquisa, ele(a) precisa mostrar a relevância do
estudo
Page4 de 6

para o foco em questão. Os limites podem ser expressos em forma de: bibliografia, estudo de caso,
tempo,
lugar, número, etc. Não confunda delimitação com limitação. Delimitações são divisas estabelecidas
pelo
pesquisador. Limitações são fraquezas herdadas do projeto que ameaçam a validade ou confiabilidade
da
pesquisa.
6. PERGUNTAS DA PESQUISA
Todo problema implica em algum tipo de resposta. Por isso, é necessário fazer perguntas para resolver
o
problema. Deve-se usar não menos do que 3 e, talvez, não mais do que 5 perguntas. Essas perguntas
devem
ser abrangentes, ou seja, devem cobrir todas as dimensões do problema em estudo. Cada pergunta
deve ser
exclusiva – não deve duplicar outra – e ser formulada de modo simples, claro e consistente.
7. RELEVÂNCIA – para quem?
A relevância da pesquisa deve ser compreendida em quatro áreas: (1) pessoal – como esta pesquisa
irá ajudar
sua história e caminhada pessoal. (2) ministerial – como esta pesquisa contribuirá para na vida da
comunidade. (3) científica – como esta pesquisa irá contribuir para o avanço da ciência (missiologia,
pastoral,
teologia, etc); e (4) social – qual a contribuição da pesquisa à humanização da vida em sociedade.
Apresentará
ela uma nova teoria? Um novo método? Uma resposta prática a uma situação concreta?
EXEMPLO DE PROBLEMA OU TESE
O PROBLEMA a ser enfocado neste estudo é o relacionamento entre a migração interna no Brasil e a
receptividade da população ao Evangelho entre 1940 e 1972.
A TESE a ser enfocada neste estudo é que a migração interna brasileira está positivamente
relacionada à
receptividade do evangelho no período de 1940 a 1972.
Avaliação:
1. Breve
2. Questões claras
3. Relacionamento das variáveis
4. Delimitações
5. Conhecimento a ser produzido
6. Duplicada?
Perguntas da Pesquisa:
1. Quem migrou no Brasil dentro do período de 1940-1972. Por quê?
2. De onde e para onde pessoas migraram no período específico?
3. Quais são os dados estatísticos de crescimento nas igrejas para onde essas pessoas migraram?
4. Como o índice de crescimento se compara com o de igrejas em contextos não-migratórios?
5. Como a condição de migrante influencia no processo de recepção do Evangelho?
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BÁSICAS
ASTI-VERA, A. Metodologia da Pesquisa Científica, Porto Alegre, Globo, 1973
DUSILEK, D. A Arte da Investigação Criadora: Introdução à metodologia da pesquisa científica, Rio de
Janeiro, JUERP, 1978
ECO, U. Como se faz uma Tese, São Paulo, Perspectiva, 19966
PAIXÃO, V. G. Jr. (org.) Manual para elaboração de Monografias, Curitiba, Descoberta, 1999
SALOMON, D. V. Como Fazer uma Monografia, São Paulo, Martins Fontes, 1995
SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico, São Paulo, Cortez, 199620
SEÇÕES DA PROPOSTA CONTRIBUIÇÕES AO FOCO
CENTRAL DA PESQUISA
CONTRIBUIÇÕES A PARTIR
DO FOCO CENTRAL DA
PESQUISA
Page5 de 6

CONTEXTO Fornece o contexto para o foco


central da pesquisa
Define qual contexto deve ser
descrito
SIGNIFICÂNCIA Fornece a relevância (pessoal,
ministerial,
missiológica/teológica/pastoral
do foco da pesquisa
Define onde o foco da pesquisa
contribuirá
PROPÓSITO Fornece a direção geral para o
foco central da pesquisa
Define o objetivo central da
pesquisa
PROBLEMA Fornece a justificação para o foco
central da pesquisa
Define as variáveis à serem
pesquisadas
ALVOS Fornecem os resultados esperados
da pesquisa relacionado com o
foco central da pesquisa
Definem a extensão dos alvos
PERGUNTAS DA PESQUISA Definem COMO as variáveis
identificadas no foco central da
pesquisa serão trabalho
Fornece a extensão e o
relacionamento entre as variáveis
a serem trabalhadas
DELIMITAÇÕES Definem a(s) extensão(es)
específica(s) – o que será
INCLUÍDO e o que será
EXCLUÍDO no foco central da
pesquisa
Identifica o limite da(s)
extensão(s) daquilo que será feito
no presente estudo
CONVICÇÕES Fornecem as perspecitivas gerais
para aproximar e interpretar o
foco central da pesquisa
Ajudam identificar questões
amplas, clarificando em
convicções
DEFINIÇÕES Fornecem as perspectivas
específicas para trabalhar os
conceitos chaves
Ajudam identificar questões em
necessidade de definições
SEÇÕES DA PROPOSTA CONTRIBUIÇÕES AO FOCO
CENTRAL DA PESQUISA
CONTRIBUIÇÕES A PARTIR
DO FOCO CENTRAL DA
PESQUISA
CONTEXTO Que direito você tem para fazer
esta pesquisa?
Quem é você? Quais as
circunstâncias conduzem você
para fazer esta pesquisa? Por que
Page6 de 6

VOCÊ deve fazê-la?


SIGNIFICÂNCIA Qual é a relevância desta
pesquisa para a minha vida, a
igreja e
missiologia/teologia/pastoral?
Como esta pesquisa está
relacionada:
1. Ao seu ministério pessoal
2. Ao ministério da igreja
(individual, denominacional,
regional, etc)
3. A missão
PROPÓSITO Qual é a sua intenção nesta
pesquisa?
Por que você quer fazer esta
pesquisa?
* não pode haver convicções
aqui. Ex.: porque eu creio que …
PROBLEMA Sobre o que é sua pesquisa? O que você irá responder nesta
pesquisa?
ALVOS Quais resultados você espera
chegar nesta pesquisa?
Onde você que chegar nesta
pesquisa?
PERGUNTAS DA PESQUISA O que você precisa saber para
trabalhar esse problema?
Como você vai trabalhar o
problema da pesquisa?
DILIMITAÇÕES O que eu deve incluir e excluir
nesta pesquisa? Até onde eu vou
e até onde eu não vou?
Quais são suas limitações
pessoais, estruturais, financeiras,
denominacionais…da sua
pesquisa?
CONVICÇÕES Quais são minhas
fundações/crenças básicas que
nortearão esta pesquisa?
O que você crê ser essencial nesta
pesquisa?
DEFINIÇÕES Quais são conceitos e palavras
chaves que pertencem à esta
pesquisa?
O que você precisa esclarecer
nesta pesquisa (termos técnicos)
que pertence a sua área de
especialização?

Você também pode gostar