Você está na página 1de 2

Iniciação científica

A iniciação científica é uma modalidade de pesquisa acadêmica desenvolvida por alunos de graduação nas universidades brasileiras em diversas áreas do conhecimento. Em geral, os estudantes que se dedicam a esta atividade possuem pouca ou nenhuma experiência em trabalhos ligados à pesquisa científica (daí o caráter de "iniciação") e representam o seu primeiro contato com tal prática. Os alunos têm o desenvolvimento de seus estudos acompanhados por um professor orientador, ligado ou não a um laboratório de pesquisa.

Nesta etapa da prática universitária, o estudante-pesquisador exerce os primeiros momentos da pesquisa acadêmica, como a escrita acadêmica, a apresentação de resultados em eventos, a sistematização de idéias, a sistematização de referenciais teóricos, a síntese de observações ou experiências, a elaboração de relatórios e demais atividades envolvendo o ofício de pesquisador.

A quem se destina a iniciação científica.

Todo aluno que possui boa vontade e disponibilidade para realizar a iniciação científica é um bom candidato. Os projetos e estudos feitos nesse projeto são de caráter opcional. Sendo assim não haverá bonificação de notas nas matérias correntes, alem disso os encontros com o orientador e o grupo de pesquisa deveram ser fora do horário de aulas.

Os maiores benefícios para os estudantes que se interessam pela iniciação científicas são o acompanhamento do projeto por um professor com experiência científica, melhora do currículo sendo um diferencial para o mercado de trabalho, alem disso o trabalho de iniciação científica pode ser utilizado para o trabalho de conclusão de curso, ou seja o aluno pode ter todo o trabalho ou parte bem adiantada. Outra questão é que o aluno que realizou iniciação científica ganha benefícios se for continuar a carreira acadêmica, não são raros os casos onde o candidato a uma bolsa de pesquisa ser beneficiado pelo histórico bem sucedido da iniciação científica e outros que vieram a realizar o doutorado direto em função do currículo adquirido pela iniciação científica.

Linhas de pesquisa da opto-UBC

Telemedicina em visão Binocular (orientador Eduardo Fratari Paes Leme)

Objetivos: Desenvolver e adaptar metodologias da avaliação ocular a distância. Com o intúdo ao estudo e tratamento de alterações sensório-motoras da visão binocular

Modelagem de processos e estruturas do aparelho visual (orientador Eduardo Fratari Paes Leme)

Objetivos: Construir modelos matemáticos e em blocos para o estudo e ensino da visão e comportamento da

visão.

Desenvolvimento de ferramentas e sistemas para a quantificação da visão humana ( Orientador Eduardo Fratari Paes Leme)

Objetivos: Elaborar e construir sistemas de medida e ferramentas para a quantificação da visão e variáveis de interesse da visão

Neuro-ortóptica (orientador Leandro Rhein)

Objetivos: Avaliar a eficiência do Tratamento Ortóptico da Ambliopia e de outras alterações neurovisuais in pacientes com idade de 7 a 17 anos. Este estudo mostra que as teorias clássicas da Ortóptica (Terapia Visual) e a Neurologia Moderna (i.e Imaginalogia), denominada Neuro-Ortóptica; podem ser usadas concomitantes.

Como escolher um orientador

A escolha do orientador deve seguir os princípios da empatia mútua, disponibilidade para a orientação e concordância sobre linha de pesquisa.

Como proceder

Propor um projeto de pesquisa

Marcar uma entrevista com o orientador e um possível grupo de pessoas para a definição de um tema de acordo como o orientador.

Os horários de orientação são definidos de acordo com a disponibilidade e necessidade que o tema requer.

Os objetivos da orientação, elaboração do projeto de pesquisa e execução do projeto é a apresentação do trabalho em congressos nacionais, internacionais e ou a publicação da pesquisa em um periódico científico.

No currículo do aluno são acrescidos os certificados de participação em congressos científicos e a publicação.

No currículo do aluno são acrescidos os certificados de participação em congressos científicos e a publicação.