Você está na página 1de 1

EVOLUÇÃO CONSTITUCIONAL DO BRASIL

CONSTITUIÇÕES DO BRASIL

O Brasil teve oito Constituições. Destas, quatro foram de outorga (Constituições de 1824, 1937, 1967
e 1969).
Foram impostas pelo chefe de Estado.
As outras quatro (Constituições de 1891, 1934, 1946 e 1988) resultaram de um processo
democrático, sendo votadas e promulgadas por Asembléias Constituintes.

Constituição de 1824
Outorgada pelo Imperador D. Pedro I. É a primeira Constituição do Brasil. Permaneceu mais tempo
em vigor.
- Forma de Governo: monarquia constitucional.
- Estado Unitário: sem autonomia para as províncias.
- Quatro poderes: Moderador, Executivo, Legislativo e Judiciário.

Constituição de 1891
Votada.
1ª Constituição do Brasil Republicano.
- Forma de Governo: República Federalista.
- Três poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Constituição de 1934
Votada.
- Mantém a Federação, mas limita a autonomia dos Estados-Membros.
- Estabelece leis econômicas e sociais.

Constituição de 1937
Outorgada por Getúlio Vargas.
Constituição do Estado Novo.
- Fortalece o poder do Executivo Federal. Os Estados-Membros são governados por interventores
nomeados pelo Presidente da República. Instituiu a legislação trabalhista.

Constituição de 1946
Votada.
- Legaliza o pluralismo. Proclama os direitos humanos.
- Restaura o federalismo: autonomia aos Estados-Membros.

Constituição de 1967
Outorgada pelo Marechal Castelo Branco, embora formalmente votada pelo Congresso Nacional.
- Tem em vista as exigências do Movimento Militar de 1964.
- Diligencia a centralização dos poderes no Executivo Federal.
- Institui as eleições indiretas para Presidente da República pelo Colégio Eleitoral.

Constituição de 1969
Outorgada por três Ministros Militares, considerada uma emenda à Carta de 1967.
- Promoveu uma maior centralização do poder político nas mãos do Executivo Federal.
- Comprometeu o Federalismo, privilegiando a União em detrimento dos Estados-Membros e
Municípios.

Constituição de 1988
Votada.
- Institui o Estado Democrático de Direito, limitando o poder do Estado ao cumprimento das leis que
a todos subordinam.
- Assegura a livre participação dos cidadãos, vida política e o pluripartidarismo.
- Fortalece o federalismo, conferindo maior autonomia aos Estados, ao Distrito Federal e aos
Municípios.
- Afasta as instituições autoritárias legadas pelo regime militar.