Você está na página 1de 5

POPULAÇÃO

Manejo da tuberculose na APS PRIVADA DE


LIBERDADE

ALGORITMO DIAGNÓSTICO DE CASOS NOVOS DE TB PULMONAR E


LARÍNGEA EM ADULTOS E ADOLESCENTES BASEADO NO TRM-TB

Suspeita de tuberculose
pulmonar ou laríngea

Realizar TRM-TB

MTB MTB não


detectado detectado

Paciente Mantém
com TB sintomas?

Resistência à Resistência à Não Sim


rifampicina rifampicina
detectada não detectada

Realizar outro Realizar Excluído Realizar


TRM-TB + cultura + TS diagnóstico cultura + TS
cultura1 + TS2 de TB
Iniciar Continuar
Encaminhar tratamento para investigação5
para referência TB com EB4
terciária
imediatamente3

1
Realizar cultura de escarro preferencialmente pelo avaliação médica e a conduta adequada deverão
método automatizado. ser tomadas em até sete dias. O resultado
da cultura com TS deverá ser encaminhado à
2
TS – Teste de Sensibilidade. referência terciária.

3
Referência terciária – ambulatório de referência 4
EB – esquema básico - reavaliar o tratamento após
para tratamento de tuberculose droga resistente. resultado da cultura com TS.
O paciente deve chegar à referência terciária
imediatamente sem que se aguarde os resultados 5
Investigar micobacteriose não tuberculosa (MNT) e
dos novos exames solicitados. Nesse serviço a outros diagnósticos diferenciais.
POPULAÇÃO
Manejo da tuberculose na APS PRIVADA DE
LIBERDADE

ALGORITMO DIAGNÓSTICO DE CASOS NOVOS DE TB PULMONAR E


LARÍNGEA EM ADULTOS E ADOLESCENTES DE POPULAÇÕES COM
MAIOR VULNERABILIDADE BASEADO NO TRM-TB

Suspeita de tuberculose
pulmonar

Realizar TRM-TB +
cultura +TS2

MTB detectado no MTB não detectado


TRM-TB no TRM-TB

Paciente Mantém
com TB sintomas?

Resistência à Resistência à Não Sim


rifampicina rifampicina não
detectada no detectada no
TB improvável Continuar
TRM-TB TRM-TB
investigação
Aguardar cultura
e TS Aguardar cultura
Repetir o TRM-TB Iniciar tratamento e TS5
para TB com EB
Encaminhar
imediatamente Rever o
para referência tratamento após
terciária3 resultado da
cultura e TS
Cobrar cultura4 e
TS

1
 opulações consideradas de maior vulnerabilidade:
P avaliação médica e a conduta adequada deverão
profissionais de saúde, pessoas que vivem com HIV/ ser tomadas em até sete dias. O resultado
Aids, população privada de liberdade, população da cultura com TS deverá ser encaminhado à
em situação de rua, povos indígenas, contatos de referência terciária.
tuberculose resistente.
4
Resgatar resultado de cultura previamente
2
TS – teste de sensibilidade. realizada, nos casos com resistência à rifampicina
detectada, realizar cultura preferencialmente pelo
3
Referência terciária – ambulatório de referência método automatizado.
para tratamento de tuberculose resistente.
O paciente deve chegar à referência terciária 5
Investigar micobacteriose não tuberculosa (MNT) e
imediatamente sem que se aguarde os resultados outros diagnósticos diferenciais.
dos novos exames solicitados. Nesse serviço a
POPULAÇÃO
Manejo da tuberculose na APS PRIVADA DE
LIBERDADE

ALGORITMO DIAGNÓSTICO PARA CASOS DE RETRATAMENTO


DE TB PULMONAR E LARÍNGEA EM ADULTOS E ADOLESCENTES.
TRIAGEM PARA RESISTÊNCIA À R COM TRM TB.

Suspeita de tuberculose
pulmonar ou laríngea

Realizar Baciloscopia +
TRM-TB + cultura + TS1

Baciloscopia positiva2 Baciloscopia positiva2 Baciloscopia negativa3 Baciloscopia negativa3


+ MTB detectado no + MTB não detectado no + MTB não detectado no + MTB não detectado
TRM-TB TRM-TB TRM-TB no TRM-TB

Paciente TB provável – Iniciar EB Mantém Encaminhar para


com TB e aguardar cultura e TS sintomas? referência de
para afastar MNT4 tuberculose
independentemente do
resultado
da resistência a
rifampicina8

Resistência à Resistência à
rifampicina rifampicina não
detectada no detectada no Não Sim
TRM-TB TRM-TB

TB improvável Continuar
investigação
Repetir o TRM-TB5 Iniciar tratamento Aguardar cultura
para TB com EB e TS Aguardar cultura
Encaminhar para
e TS
referência terciária Rever o tratamento
imediatamente6 após resultado do
TS
Cobrar cultura7 e TS

1
TS– teste de sensibilidade. imediatamente sem que se aguarde os resultados
dos novos exames solicitados. Nesse serviço a
2
Baciloscopia positiva – pelo menos uma positiva das
avaliação médica e a conduta adequada deverão
duas baciloscopias.
ser tomadas em até sete dias. O resultado da
3
Baciloscopia negativa – duas baciloscopias cultura com TSA deverá ser encaminhado à
negativas referência terciária.
4
MNT – micobateriose não-tuberculosa 7
Resgatar resultado de cultura previamente
realizada, nos casos com resistência à rifampicina
5
Repetir o TRM-TB em nova amostra de escarro
detectada realizar cultura preferencialmente pelo
para confirmação da resistência com o objetivo
método automatizado.
de aumentar a sensibilidade do diagnóstico da
resistência. 8
Referência de tuberculose secundária ou terciária
dependendo da rede local. O paciente deve chegar
6
Referência terciária – ambulatório de referência
à referência o mais rapidamente possível.
para tratamento de tuberculose resistente.
O paciente deve chegar à referência terciária
POPULAÇÃO
Manejo da tuberculose na APS PRIVADA DE
LIBERDADE

INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DOS EXAMES

INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DO TRM-TB

RESULTADOS INTERPRETAÇÃO
MTB* não detectado Negativo

MTB detectado e resistência à rifampicina não-detectada Positivo para tuberculose, sem resistência à rifampicina

MTB detectado e resistência à rifampicina detectada Positivo para tuberculose, com resistência à rifampicina

Positivo para tuberculose, resistência à rifampicina incon-


MTB detectado e resistência à rifampicina indeterminada
clusiva - repetir o teste em nova amostra

Sem resultado/inválido/erro Inconclusivo - repetir o teste em nova amostra

* MTB – complexo Micobacterium tuberculosis

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DE BACILOSCOPIA DE ESCARRO

LEITURA RESULTADO
Não são encontrados BAAR em 100 campos observados NEGATIVO
1 a 9 BAAR em 100 campos observados Relata-se a quantidade de bacilos encontrada
10 a 99 BAAR em 100 campos observados POSITIVO +
1 a 10 BAAR por campo em 50 campos observados POSITIVO ++
Em média mais de 10 BAAR por campo em 20 campos
POSITIVO +++
observados
* MTB – complexo Micobacterium tuberculosis

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS DE BACILOSCOPIAS DE OUTROS MATERIAIS

LEITURA RESULTADO
Não são encontrados BAAR no material examinado NEGATIVO

Foram encontrados BAAR em qualquer quantidade no


POSITIVO
material examinado

* MTB – complexo Micobacterium tuberculosis

INTERPRETAÇÃO DE RESULTADO DE CULTURA


O resultado POSITIVO de uma cultura confirma o diagnóstico de micobacteriose, sendo necessária a identificação
de espécie para caracterizar se é um caso de tuberculose ou outra micobactéria.
POPULAÇÃO
Manejo da tuberculose na APS PRIVADA DE
LIBERDADE

INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DOS EXAMES (cont.)

O PAPEL DA RADIOGRAFIA DE TÓRAX NO DIAGNÓSTICO DE TB

Entre os métodos de imagem, a radiografia do tórax é o de escolha na avaliação inicial e no acompanhamento


da TB pulmonar. Nela podem ser observados vários padrões radiológicos sugestivos de atividade de doença
como cavidades, nódulos, consolidações, massas, processo intersticial (miliar), derrame pleural e alargamento de
mediastino (BOMBARDA et al., 2001).

A radiografia de tórax deve ser solicitada para todo paciente com suspeita clínica de TB pulmonar. Juntamente com
as radiografias de tórax, sempre devem ser realizados exames laboratoriais (baciloscopias, cultura e/ou teste rápido
molecular) na tentativa de buscar o diagnóstico bacteriológico. O exame radiológico em pacientes com diagnóstico
bacteriológico tem como principais objetivos excluir outra doença pulmonar associada, avaliar a extensão do
acometimento e sua evolução radiológica durante o tratamento.

FONTE: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Departamento de vigilância das doenças transmissíveis. Coordenação
geral do programa nacional de controle da tuberculose. Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil. Brasília:
Ministério da Saúde, 2019. p. 58-65

Você também pode gostar