Você está na página 1de 1

Centro Universitário Leonardo da Vinci

Departamento de Direito
Disciplina: Direito Constitucional II – Organização do Estado
Profª. Ana Luísa Vieira

AVALIAÇÃO 1

Existem, no texto da Constituição Federal de 1988, regras descentralizadoras na distribuição


formal de competências legislativas, com base no princípio da predominância do interesse, que acabaram
ampliando as hipóteses de competências concorrentes, além de fortalecer o Município como polo gerador
de normas de interesse local.
O princípio geral que norteia a repartição de competência entre os entes componentes do
Estado Federal brasileiro é o princípio da predominância do interesse. A própria Constituição Federal,
portanto, presumindo de forma absoluta para algumas matérias a presença do princípio da predominância
do interesse, estabeleceu, a priori, diversas competências para cada um dos entes federativos, União,
Estados-Membros, Distrito Federal e Municípios, e, a partir dessas opções, pode ora acentuar maior
centralização de poder, principalmente na própria União (CF, art. 22), ora permitir uma maior
descentralização nos Estados-Membros e Municípios (CF, arts. 24 e 30, inciso I).
De igual sorte, o artigo 20 da Constituição Federal de 1988 estabelece o rol de bens da União
Federal. Para além do rol taxativo constante em seus incisos, tem-se que o constituinte previu, no texto do
parágrafo primeiro do referido artigo regras para a participação no resultado da exploração do petróleo ou
gás natural, de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica e de outros recursos minerais.
Evidente, pois, que em razão da expressividade financeira de ditas operações, centram-se no
mundo jurídico brasileiro inúmeras controvérsias a respeito dos limites de atuação de cada um dos entes
federativos quando o assunto envolvido é a exploração ou mesmo o resultado financeiro dela obtido de
recursos naturais como petróleo ou gás natural.
Nesse contexto e feitos os apontamentos iniciais a atividade a ser desenvolvida de forma
individual, consiste no desenvolvimento de uma resenha crítica1 sobre o Julgamento das ADI (Ação Direta
de Inconstitucionalidade) n. 4606/BA e 4846/ES. Vocês receberão os arquivos em PDF contendo a íntegra
dos acórdãos a serem analisados e resenhados.
A respeito dos parâmetros para o desenvolvimento do trabalho vocês deverão seguir as normas
da ABNT, quanto ao espaçamento, tamanho da fonte, margem da página, etc. Deverão ainda valer-se da
norma padrão da língua portuguesa. O arquivo deverá ser postado em formato PDF, através da Ferramenta
Produção Acadêmica. Critérios que também serão avaliados por ocasião da distribuição da nota.
A resenha de vocês deverá conter entre 3 (três) e 5 (cinco) páginas. Trabalhos que tiverem não
atingirem o mínimo ou extrapolarem o máximo, terão desconto na nota. O prazo para postagem é dia
13/04/2021 Envios extemporâneos, resultarão na atribuição de nota zero. O mesmo ocorrerá se houver
plágio nos trabalhos.
Bom trabalho!

1
A resenha crítica começa com a descrição da resenha descritiva, mas deve ser feita de forma resumida, já que este
não é o foco do trabalho. O autor, neste caso, não apenas pode como deve oferecer sua opinião e críticas acerca do
objeto da resenha. Fonte: https://noticias.universia.com.br/educacao/noticia/2019/10/28/1166923/como-fazer-uma-
resenha-aprenda-5-passos.html.