Você está na página 1de 4

Com base no conteúdo estudado e em sua trajetória profissional, responda as

questões abaixo:

a) Com o seu conhecimento explique o que é instrumentação biomédica

A instrumentação biomédica compreende os princípios e equipamentos que


são utilizados para realizar medidas de variáveis dos seres vivos (fisiológicas),
para acompanhar seu estado, evolução ou para realizar diagnósticos com
vistas a intervenções e tratamentos. Consistem em avaliar os resultados
obtidos a partir de sensores e transdutores de medida, que são geralmente
equipamentos elétricos, eletroeletrônicos, eletromecânicos, eletroquímicos ou
eletro físicos.

b) Qual o papel da instrumentação biomédica?

Os setores de instrumentação, inclusive os de instrumentação biomédica,


geralmente se ocupam em prover meios de manter os equipamentos operando
corretamente, dentro dos padrões de erros aceitáveis. Para isso, o setor de
Instrumentação Biomédica realiza testes de calibração, inspeções de medidas
dos equipamentos, comparações dos resultados dos equipamentos
eletromédicos com padrões definidos de maneira rotineira. Caso os
equipamentos sejam encontrados com erros de medidas, eles são aferidos e
calibrados internamente ou encaminhados para empresas especializadas em
aferição e calibração segundo as normas vigentes.

c) O que é uma variável de medida?

Uma variável de medida é uma quantidade física, uma propriedade química, ou


uma condição físico-química capaz de ser avaliada como variável de interesse
para o cenário clínico poder ser analisado e caracterizado.

d) Cite e explique às 8 variáveis de medidas.

Pressão: As pressões fisiológicas são normalmente medidas e expressas em


relação à pressão atmosférica.
As pressões no sistema cardiovascular podem ser medidas de muitas maneiras
diferentes. A pressão arterial é medida rotineiramente na maioria dos pacientes
e é aceita como um índice da condição circulatória.
As quantidades normalmente medidas são as pressões sistólica e diastólica.
Na fase sistólica, a válvula aórtica do coração está aberta e a pressão arterial,
consequentemente, reflete a atividade mecânica do ventrículo cardíaco. Por
outro lado, na fase diastólica, a válvula aórtica é fechada, e então o curso do
tempo da pressão arterial reflete o movimento do sangue da aorta para o
sistema vascular periférico. A pressão de pulso arterial, que é definida como a
diferença entre as pressões sistólica e diastólica, também é uma grandeza
importante relacionada às características do coração e do sistema arterial.
Fluxo: Quando um fluido corporal, como o sangue, é fornecido ou drenado do
tecido uniformemente, a quantidade de fluxo é comumente medida como taxa
de fluxo de volume por unidade de massa do tecido.
A taxa de fluxo sanguíneo, bem como a velocidade média do fluxo em um vaso
sanguíneo, podem ser estimados aproximadamente pelo tamanho do vaso
sanguíneo, porque o tamanho do vaso pode variar adaptativamente com a taxa
de fluxo sanguíneo.
Na medição respiratória, a composição do gás pode mudar significativamente.
Os conteúdos de oxigênio e dióxido de carbono no ar expirado variam
dependendo da taxa de transferência de gás no pulmão. O conteúdo de
oxigênio aumenta quando o oxigênio puro é adicionado ao ar inspirado. Gases
traçadores, como hélio e argônio, às vezes são usados nos testes de função
pulmonar. Em monitores anestésicos, as medições de fluxo serão necessárias
para o ar que contém um gás anestésico.
Deslocamento: Muitos tipos de movimentos corporais gerados por atividades
musculares são objetos de medidas de movimento, enquanto os movimentos
passivos devido a forças aplicadas externamente também são de interesse
algumas vezes. Existem três tipos de músculo, isto é, músculo esquelético,
músculo cardíaco e músculo liso. As características das atividades mecânicas
desses músculos são diferentes umas das outras.
Temperatura: A temperatura é medida em muitos locais diferentes do corpo
para diagnóstico clínico e monitoramento do paciente.
Em humanos e em animais homeotérmicos, a temperatura da parte central do
corpo é estabilizada por uma função hemorregulatória fisiológica, e a
temperatura do tecido profundo na parte central do corpo é chamada de
temperatura central ou temperatura corporal profunda. O termo “temperatura
corporal” é frequentemente usado para indicar a temperatura central, embora a
temperatura do corpo não seja uniforme, mas pode variar de local para local.
A temperatura central permanece sempre na faixa de 35 ° C a 40 ° C. A maioria
das variações fisiológicas e patológicas de temperatura ocorrem nessa faixa,
desde a temperatura mais baixa no início da manhã ou no tempo frio até a mais
alta durante a doença febril ou exercícios intensos. No caso de hipotermia ou
hipertermia terapêutica ou acidental, são necessárias medições de temperatura
em uma faixa mais ampla de temperatura.
Concentração química: As quantidades químicas no corpo são estimadas
pela análise de uma amostra de material, como sangue ou urina. No entanto,
as concentrações de algumas quantidades químicas podem variar
rapidamente, de modo que o monitoramento contínuo in vivo é necessário.
O sangue é o objeto mais comum para medição química, porque muitas
substâncias químicas importantes são transportadas por meio da circulação
sanguínea. Na verdade, as concentrações de muitas substâncias no sangue
refletem as de todo o corpo.
Convencionalmente, as amostras de sangue são retiradas de uma veia e
analisadas por analisadores químicos.
Biopotencial: A maioria dos eventos elétricos no corpo humano tem
amplitudes ou níveis bem abaixo de 1 V. O potencial de repouso de uma célula
pode ser tão altas quanto 0,05–0,1 V, enquanto as tensões registradas do
crânio relacionadas à atividade do sistema nervoso central podem ser tão
baixas como alguns microvolts. Exemplos de instrumentos que utilizam essas
medidas são os Eletrocardiogramas e Eletroencefalogramas.
Dimensões: Medidas de comprimento, afastamento, deslocamento angular e
idade são também medidas importantes no cotidiano médico.
Impedância: Quando se consegue avaliar a característica do objeto em estudo
a partir de sua resistência à passagem da corrente elétrica em determinada
frequência. Por exemplo: A cardiografia de impedância é uma técnica em que o
volume sistólico ou débito cardíaco é estimado pelas formas de onda da
impedância elétrica transtorácica.
Fonte: Biomedical Sensors and Instruments, Second Edition. Tatsuo Togawa.
Crc Press, 2011.

e) O que é um sinal digital, explique e cite dois exemplos

Um sinal digital é aquele que pode variar apenas em valores pré-determinados


pela tecnologia adotada. Diferentemente de sinais contínuos em que existem
infinitos valores possíveis para a variável observada.

f) Quais são os sinais biomédicos, explique cada um deles.

Os sinais biomédicos podem ser classificados de acordo com:


• Quantidade a ser medida: sinais de pressão, fluxo ou temperatura. Uma
vantagem desta classificação é
que torna fácil a comparação de métodos totalmente diferentes pois poderá ser
utilizado o resultado que cada método irá fornecer.
• Princípios de transdução utilizados: resistivo, indutivo, capacitivo, ultrassônico
ou eletroquímico. Assim, diferentes aplicações do mesmo método poderão ser
utilizadas para diversas medições ampliando a capacidade de entendimento do
princípio de transdução utilizado.
• Sinais do sistema fisiológico a que se destinam: cardiovascular, pulmonar,
nervoso e endócrino. Esta abordagem isola todos os instrumentos que são
importantes para um determinado sistema do organismo, facilitando assim, o
trabalho dos especialistas médicos que precisam estudar apenas uma
determinada área do corpo humano.

g) Qual a finalidade do transdutor após a definição, cite e explique os


tipos de transdutores com, com suas palavras?
O transdutor é o equipamento responsável por transformar uma grandeza física
observada em uma outra grandeza física que será capaz de ser apresentada,
utilizada e armazenada. Geralmente a grandeza física de destino consiste em
um sinal elétrico padronizado em corrente ou tensão (ex: 0V a 10V ou 5mA a
20mA)
Alguns tipos de classificação são:
 Transdutores Ativos: são aqueles que não precisam de fonte elétrica
para operarem (exemplos: termelétrico, piezelétrico, eletromagnético).
 Transdutores Passivos: precisam de uma fonte elétrica externa para
funcionarem (exemplos: termoresistivo, potenciométrico, capacitivo,
indutivo).
 Transdutor Primário: aquele que está em contato direto com a grandeza
a ser medida e a transforma em outra grandeza ou diretamente em um
sinal elétrico.
 Transdutor Secundário: aquele que recebe a grandeza física do
transdutor primário e a transforma em um sinal elétrico para posterior
processamento deste sinal.