Você está na página 1de 77

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Centro de Ciência e Tecnologia


Laboratório de Ciências Físicas

Caderno de Laboratório
(Roteiros dos Experimentos e Exercícios Propostos)

Física Ondulatória
(Bacharelados e Licenciaturas)

Prof. Juraci Aparecido Sampaio


coordenador da disciplina

Campos dos Goytacazes - RJ


2013
Sumário

Sumário ii

Sobre a disciplina e avaliações v


Ementa da disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . v
Objetivo da disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . v
Bibliografia básica a ser utilizada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . v
Avaliações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . vi
Cronograma de Atividades da Disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . vi

Como escrever o relatório? viii


Informações importantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . viii
Modelo de Estrutura de Relatório e Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ix

1 Molas e o Movimento Harmônico Simples 1


1.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.3 Materiais e Métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.4 Análise dos Resultados Obtidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.5 Discussão dos Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.6 Quais suas Conclusões? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

2 Pêndulo Simples 10
2.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.3 Materiais e Métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.4 Análise dos Resultados Obtidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.5 Discussão dos Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.6 Quais suas Conclusões? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

ii
SUMÁRIO iii

3 Ondas Tranversais: corda vibrante 16


3.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.3 Materiais e Métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.4 Análise dos Resultados Obtidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.5 Discussão dos Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
3.6 Quais suas Conclusões? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

4 Ondas Longitudinais: tubo ressonante 23


4.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.3 Materiais e Métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.4 Análise dos Resultados Obtidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
4.5 Discussão dos Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
4.6 Quais suas Conclusões? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
4.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
4.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

5 Cuba de Ondas 32
5.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.3 Materiais e Métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5.4 Discussão dos Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

6 As Leis da Refração: os dióptros 37


6.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6.3 Materiais e Métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6.4 Resultados e Discussões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
6.5 Quais são suas conclusões? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
6.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
6.7 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

7 A dispersão da luz: os prismas 43


7.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
7.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
7.3 Materiais e métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
7.4 Discussão dos Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
7.5 Quais são suas conclusões? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
7.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

8 Vídeo sobre o espectro eletromagnético 47


SUMÁRIO iv

8.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47


8.2 introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
8.3 Metologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
8.4 Discussão sobre o vídeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
8.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

9 Difração e interferência: medição do comprimento de


onda médio da luz branca 58
9.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
9.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
9.3 Materiais e Métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
9.4 Discussão dos Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
9.5 Quais são suas conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
9.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

10 Interferometria: o interferômetro de Michelson-Morley 64


10.1 O que devo saber ao fim desse experimento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
10.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
10.3 Materiais e Métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
10.4 Análise dos Resultados Obtidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
10.5 Discussão dos Resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
10.6 Quais são suas conclusões? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
10.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
10.8 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Sobre a disciplina e avaliações

Ementa da disciplina
Tanto a disciplina Laboratório de Física Geral III (FIS01206) e Laboratório de Física Ondu-
latória (FIS01245) têm como ementa a determinação experimental do domínio da validade de
alguns modelos físicos: o movimento harmônico simples (Pêndulo simples e a medição da ace-
leração da gravidade, pêndulo físico e Sistema massa mola) ; Ondas estacionárias em uma corda
vibrante(ondas tranversais); Ondas Sonoras (tubos ressonantes - ondas longitudinais); Propaga-
ção de ondas em uma superfície (cuba de ondas); Ótica Geométrica (lentes, leis da reflexão e
refração da luz, difração da luz, dióptros e prismas, determinação do índice de refração de ma-
teriais transparentes); Ótica Física (o espectro eletromagnético, polarizadores, interferência de
Young, Interferômetro de Michelson-Morley).

Objetivo da disciplina
Desenvolver no aluno habilidades e competências para a análise de dados experimentais
utilizando experimentos de ondas mecânicas e eletromagnéticas, aprimoramento da escrita ci-
entífica na forma de relatórios, bem como desenvolver o senso crítico na discussão de resultados;
desenvolver o uso de ferramentas tecnológicas (calculadoras científicas, computadores e uso de
internet).

Bibliografia básica a ser utilizada


• HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2002. cap 16-18, 34-41, v.2 e v4.

• SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2004. cap. 12-14, 24-28, v.2 e v.4.

• TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 14-16, 31-33,
v.1 e v.2.

v
vi

• YOUNG, H. D.; FREEDMAN, R. A.; Física II. 12.ed. São Paulo: Pearson, 2008, cap.
13-16, 33-38, v.2 e v.4.

Avaliações
Durante o curso serão aplicadas duas provas com peso 2 cada uma, dois dos relatórios (ma-
nuscritos) com peso 1. O professor poderá aplicar outro tipo de avaliação adicional informando
o valor na avaliação final. A média dos relatórios será proporcional a sua presença nas aulas ex-
perimentais, ou seja, havendo 10 experimentos e o aluno tiver presença em apenas 8, a média dos
relatórios será multiplicada pelo fator 0,8; presença em cinco experimentos a média dos relató-
rios será multiplicada pelo fator 0,5. A presença portanto em cada experimentos corresponderá
a 1/10 da composição da média dos relatórios.
As avaliações são elaboradas por uma banca composta pelo coordenador da disciplina e
demais professores que estão ministrando a mesma.
O prazo para a entrega de qualquer relatório é de uma semana após a realização do
experimento. O relatório é individual e deverá ser manuscrito.
O cálculo da média do semestre será dada por:
P 1x2 + P 2x2 + MRx1
MS = (1)
5
em que P1 é a prova 1, P2 é a prova 2, e MR é a média obtida nos relatórios. Serão aprovados
os alunos que obtiverem nota superior ou igual a 6 (seis). Caso contrário o aluno(a) poderá
fazer a prova final, cujo conteúdo será toda matéria ministrada durante o semestre. Para o aluno
que optar por fazer a prova final sua média será:
MS + PF
MF = (2)
2

Cronograma de Atividades da Disciplina


O cronograma acima poderá sofrer alterações caso o professor achar conveniente dando
ciência antecipada dos alunos sobre tal fato.
A fim de evitar transtornos, e para não atrapalhar o andamento das atividades, fica
proibido terminantemente o uso de celular durante as aulas e provas! Desligue-o ou deixe-
o no modo silencioso.
vii

Tabela 1: Cronogramas de Atividades da Disciplina


Aula Nº Experimento Aula Nº Experimento
1 Orientações Gerais sobre o curso 9 As leis da refração: dióptros
2 Molas e o Movimento Harmô- 10 A dispersão da luz: os prismas
nico Simples - Parte I
3 Molas e o Movimento Harmô- 11 Vídeo sobre o espectro eletro-
nico Simples - Parte II magnético
4 Pêndulo simples e pêndulo físico 12 Medida do comprimento de onda
da luz
5 Ondas tranversais: corda vi- 13 Interferômetro de Michelson-
brante Morley
6 Ondas longitudinais: tubo resso- 14 Prova 2
nante
7 Cuba de Ondas – ondas na super- 15 Prova final
fíciais
8 Prova 1
Como escrever o relatório?

Informações importantes
A seguir são detalhados alguns pontos importantes para a escrita do relatório dos experimen-
tos realizados.

1. O relatório deve seguir a norma padrão da ABNT.


2. Todo relatório deve ser composto de: capa (com dados do experimento, do aluno e data),
introdução, teoria, materiais e métodos, resultados e discussões, conclusões e bibliografia.
3. A discussão dos resultados é a principal parte do relatório e que vale mais nota.
Lembre-se que dados sem a devida discussão não tem validade científica.
4. É um dos erros mais comuns dos alunos não numerar as páginas do relatório. Por isso
numere todas as páginas exceto a capa. Não será necessário sumário.
5. Legendas de Tabelas é sempre colocada em cima da mesma.
6. Legendas de Figuras são colocadas sempre embaixo. Não utilizar a palavra gráfico.
Não colocar título no gráfico.
7. Não use a formatação de gráficos do Microsoft office, ou qualquer outro redator. Verifique
a forma correta.
8. Regressão linear é muito importante. Por isso aprenda a usar sua calculadora científica
usando o manual.
9. A propagação de erros deve ser feita quando necessário.
10. Observe os algarismos significativos ao apresentar os dados. A precisão vai até o primeiro
algarismo significativo do erro.
11. As referências bibliográfica devem ser necessariamente de livros. O uso de referências da
internet deve ser restrito, e usar somente quando não haver outro meio de referência.
12. Faça o relatório usando os dados obtidos no dia do experimento. De uma turma para outra
o professor pode fazer pequenas variações nos parâmetros dos experimentos.

viii
ix

13. Cópia de relatórios anteriores de alunos que cursaram a disciplina é Plágio. E caso seja
detectado, o aluno pode sofrer as penas da Lei.
14. Na dúvida pergunte. Faça o relatório corretamente, pois o mesmo não será devolvido para
revisão após a entrega final.
15. Aproveite a oportunidade de escrever relatórios para melhorar a escrita e te deixar melhor
preparado para o mercado de trabalho.
16. Não será aceita a alegação de desconhecimento dessas regras.

Modelo de Estrutura de Relatório e Pontuação


1. Título do Experimento
2. Lista de participantes
3. Data
4. Introdução: descrever a teoria e/ou conceitos que realmente serão utilizados no desen-
volvimento do trabalho (valor: até 0,75 ponto).
5. Objetivo: especificar claramente qual é o objetivo de se realizar o experimento.
6. Materiais: listar os materiais utilizados com todos os detalhes possíveis (marca do equi-
pamento, modelo, erro da medida. Usar a forma discursiva, como por exemplo: "Nesse
experimento foram utilizados um fio de nylon de 30 cm de comprimento, uma trena, um
cronômetro da marca UENF..."(valor: até 0,75 ponto).
7. Métodos: descrever o procedimento (método) que foi utilizado para realizar as medidas,
com os cuidados tomados em cada etapa, e os erros de cada medida; colocar os dados
fornecidos previamente para a realização do experimento; deve ser escrito de forma que
alguém que leia tenha condição de reproduzir o experimento (valor: até 1,0 ponto).
8. Resultados: apresentar os dados obtidos e gráficos; mostrar as contas realizadas. Todas
as unidades devem ser colocadas no final de cada conta (valor: até 1,5 pontos).
9. Discussão: interpretar os dados obtidos e compará-los com os valores fornecidos, descre-
vendo explicações para concordâncias ou discrepâncias(valor: até 4,0 pontos).
10. Conclusão: resumir as conclusões obtidas, considerando o objetivo e os resultados. Não
escrever “o experimento foi realizado com sucesso...”, “os objetivos foram alcançados...”
ou “pudemos aplicar os conhecimentos adquiridos...” (valor: até 0,75 ponto).
11. Referências Bibliográficas: listar corretamente todas as referências utilizadas, com todos
os dados pertinentes à identificação das mesmas. Dê preferência aos livros textos. Não
use essa apostila como referência! Evite referências de internet (valor até 0,5 ponto).
12. Outros itens considerados na correção: numeração de páginas, legendas de gráficos e
legendas de tabelas (valor: até 0,75 ponto).
Experimento nº 1

Molas e o Movimento Harmônico Simples

1.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• Como se determina a constante elástica de uma mola?
• Como se determina a constante elástica de um sistema de molas em paralelo e em série?
• Verificar experimentalmente o Movimento Harmônico Simples (MHS).

1.2 Introdução

Figura 1.1: Movimento oscilatório de um corpo ligado à extremidade de uma mola suspensa: as
posições no eixo vertical registadas ao longo do tempo desenham uma sinusoide.

As molas helicoidais são usadas em muitas aplicações práticas no cotidiano pois têm como
principal característica a possibilidade de serem distendidas pela aplicação de uma força (por
exemplo, a força peso). Quanto maior for a distensão que provocamos na mola, maior terá de ser
a força aplicada para manter a mola com essa distensão. Por outro lado, um corpo suspenso da
extremidade livre de uma mola executa um movimento oscilante, periódico, quando é deslocado
da posição de equilíbrio, vide Figura 1.1. O corpo tenderá a parar na posição de equilíbrio ao fim

1
2

de algum tempo (que pode ser demorado em circunstâncias favoráveis), ou seja, o movimento é
amortecido.
Nesse experimento o aluno irá verificar experimentalmente que é possível determinar a cons-
tante elástica de molas por dois métodos: o dinâmico e o estático.
O primeiro método se utiliza do movimento harmônico simples, enquanto que o segundo se
utiliza da força que provoca uma elongação na mola. É possível usar ambos os métodos de-
terminar a constante elástica de associação de molas, tanto na configuração em paralelo quanto
em série. A seguir é feita uma breve discussão sobre alguns conceitos básicos para o desen-
volvimento desse experimento. Para tanto, considere uma mola (massa desprezível) que sofre
uma elongação devido a uma força aplicada, conforme ilustrado na Figura 1.1. No seu regime
elástico é aplicável a Lei de Hooke dada por:

F~ = −k~y (1.1)

em que F~ é a força que a mola exerce ao ser deslocada de uma quantidade ~y da sua posição de
equilíbrio e k é uma constante de proporcionalidade e o sinal negativo indica que esta força está
atuando de forma contrária ao seu deslocamento.
Para um sistema consistindo de uma massa m em que uma força elástica atua na mola,
podemos aplicar a 2ª lei de Newton para descrever o movimento, que é dado por:

d2 y
m = −ky (1.2)
dt2
Essa equação diferencial de segunda ordem possui a seguinte solução:
 

y(t) = y0 cos t+φ (1.3)
T

Podemos notar que se trata de um movimento harmônico simples, em que y0 é a distensão


máxima (ou amplitude), T é o período da oscilação e φ é uma constante de fase. Em condições
ideiais, a amplitude y0 é considerada como constante nessa equação, já que podemos eliminar
as causas que provocam o amortecimento por perda de energia, como por exemplo atrito do ar e
nos pontos de supensão.
A aceleração do movimento é a segunda derivada em função do tempo da Equação 1.3 dada
por:
 2

a(t) = − y(t) (1.4)
T
A força envolvida é variável no tempo e é a soma do peso (constante) do corpo supenso (cuja
massa é M) e da força restauradora da mola (variável), que é dada pela seguinte equação:
 2

F~ (t) = P~ + F~r = M~a(t) = −M ~y (t) (1.5)
T
Uma vez que o sistema oscilador harmônico simples é o conjunto constituído pelo corpo
suspenso e pela própria mola, devemos também levar em consideração a massa da mola pois ela
é também responsável pelo movimento. Vamos agora calcular o quanto que isso representa na
massa efetiva do movimento.
3

Considere uma mola que tenha comprimento y fixada em sua origem O. Seja v a velocidade
de um elemento da mola, de comprimento dy e de massa dm e que na extremidade A a sua
velocidade seja v0 . Seja y0 = OA. Portanto temos:
v y
= (1.6)
v0 y0
Elevando ao quadrado ambos os membros dessa expressão e multiplicando por dm/2 obte-
mos:

1 2 1 y2 2
v dm = v dm (1.7)
2 2 y02 0
Considerando que µ é a densidade linear do elemento de mola e que dm = µdy, podemos
fazer a substituição na equação anterior resultando em:

1 2 1 µv02 2
v dm = y dy (1.8)
2 2 y02
Essa equação representa a energia cinética de um elemento da mola. Para calcularmos a
energia total basta integrarmos ambos os membros da Equação 1.8, ou seja:

1 2 µv02 y0 2
Z Z
Ec = v dm = 2 y dy (1.9)
2 2y0 0
Como dm = µdy, temos após a integração nos limites de 0 a y0 que m = µy0. Após as
devidas substituições na Equação 1.9 temos como resultado final:
1m 2
Ec = v (1.10)
23 0
Desta equação verificamos que mesmo sem qualquer corpo suspenso, a mola pode oscilar e
que devemos de fato levar em consideração o fator m/3 nos cálculos da massa efetiva, ou seja,
para um sistema massa-mola temos:
m
Mef = M + (1.11)
3
Desta forma a Equação 1.5 deve ser re-escrita considerando a massa efetiva do sistema,
Equação 1.11, logo
 2 
~ 2π m
F (t) = − M+ ~y (t) (1.12)
T 3
Comparando essa equação com a Lei de Hooke, F~ (t) = −k~y (t), verificamos que a constante de
proporcionailidade é dada por:
 2 
2π m
k=− M+ (1.13)
T 3
Essa é constante elástica da mola, cuja unidade no Sistema Internacional é Nm−1 . Cada
mola tem uma constante específica. Podemos usar a Equação 1.13 para determinar a constante
da mola pelo método dinâmico, desde que saibamos o período de uma oscilação.
4

a) b) c)

Ponto de
Equilíbrio y

F~ ↓ F~ ↓
F~ = −ky
Lei de Hooke
F~ ↓
Figura 1.2: Configurações de vários sistemas massa-mola: a) Lei de Hooke, b) 2 molas em
paralelo e c) 2 molas em série.

Podemos também ter associação de molas em diferentes configurações tanto em paralelo


quanto em série, conforme ilustra a Figura 1.2. Vamos considerar nesse experimento as equações
abaixo que fornecem a constante da mola equivalente, keq de um sistema de duas molas. A
demonstração dessas equações ficam como exercício.

• Sistema de Molas em Paralelo


keq = k1 + k2 (1.14)

• Sistema de Molas em Série


k1 k2
keq = (1.15)
k1 + k2

1.3 Materiais e Métodos


Neste experimento você precisará de molas com diferentes constantes elásticas (ka ekb ), ré-
gua, pesos, suporte (lastro), tripé e cronômetro. Não use um peso muito grande para não
estragar a mola. Você determinará a constante das molas primeiramente pelo método dinâmico
e em seguida pelo método estático. Siga as instruções abaixo e na dúvida pergunte ao professor.

Procedimento para o método estático


• Tenha cuidado para não ultrapassar o limite de peso suportado pela mola.
5

• Coloque a mola suspensa no lastro. Considere a posição de equilíbrio como y0 ;

• Acrescente aos poucos vários pesos, por exemplo: 20, 30, 40, 50, 60, 80, 100 g;

• A cada massa anote a elongação observada na régua. Registre os dados na Tabela 1.1.

• Use g = 9, 81m/s2 para calcular a Força (em N).

Tabelas de dados para determinação da constante da mola pelo método estático

Tabela 1.1: Dados para 1 mola com constante elástica ka .


Nº da medida 1 2 3 4 5 6
F (N)
y (m)

Faça o gráfico. Use a calculadora para fazer regressão lienar F = a + ky. Qual o valor do
coeficiente linear (a)? Qual o valor do coeficiente angular (k)? Qual o sentido físico desse
coeficiente angular? Qual o valor do fator de correlação (r) obtido? O que significa esse valor?
houve linearidade?

Tabela 1.2: Dados para 1 mola com constante elásica kb .


Nº da medida 1 2 3 4 5 6
F (N)
y (m)

Faça a regressão linear. Obtenha os coeficientes linear, angular e fator de correlação. Qual foi o
valor da constante elástica da mola?

Tabela 1.3: Dados para 2 molas em paralelo, considere a constante elástica das duas molas kc .
Nº da medida 1 2 3 4 5 6
F (N)
y (m)

Faça a regressão linear. Obtenha os coeficientes linear, angular e fator de correlação. Qual foi o
valor da constante elástica da mola equivalente?
6

Tabela 1.4: Dados para 2 molas em série, considere a constante elástica das duas molas kd .
Nº da medida 1 2 3 4 5 6
F (N)
y (m)

Faça a regressão linear. Obtenha os coeficientes linear, angular e fator de correlação. Qual foi o
valor da constante elástica da mola equivalente?

Procedimento para o método dinâmico


– Pese a mola, os suportes e os pesos que você utilizará. Observe as unidades usadas
na tabela (kg e m).
– Comece o experimento com um peso pequeno, por exemplo 50 g;
– Prenda a mola no tripé e cuidadosamente pendure o peso;
– Distenda a mola suavemente cerca de 1 cm;
– Ajuste o sensor de movimento e de tempo (photogate) conforme indicado pelo pro-
fessor;
– Registre o tempo de pelo menos 10 oscilações;
– Anote o valor médio do período para cada peso na Tabela 1.5
– Aumente o peso, por exemplo acrescentando mais 30g;
– Obtenha o período médio para esse peso da mesma forma que anteriormente;
– Repita esse procedimento para mais 4 pesos;
– Na sequência obtenha o período de oscilação para duas molas em paralelo;
– Faça o mesmo procedimento para duas molas em série. Utilize molas de k diferentes.

Tabelas de dados para determinação da constante da mola pelo método dinâmico

Tabela 1.5: Dados para 1 mola com constante elástica ka . Valor de m da mola:
Nº da medida 1 2 3 4 5 6
m (kg)
t̄ (s)
t̄2 (s2 )

Faça o gráfico de T 2 versus m. Use a calculadora e faça a regressão linear. Quais os parâmetros
obtidos? Qual a constante elástica da mola? Use a Eq. 1.13 para fazer os cálculos.

1.4 Análise dos Resultados Obtidos


• Use os dados da Tabela 1.5 para fazer o gráfico de T 2 x m. Obtenha a equação da reta por
regressão linear.
7

Tabela 1.6: Dados para 1 mola com constante elástica kb . Valor de m da mola:
Nº da medida 1 2 3 4 5 6
m (kg)
t̄ (s)
t̄2 (s2 )

Tabela 1.7: Dados para 2 molas em paralelo com constantes elásticas ka e kb . Valor de m das
molas:
Nº da medida 1 2 3 4 5 6
m (kg)
t̄ (s)
t̄2 (s2 )

Qual o valor da constante elástica da mola equivalente na configuração em paralelo?

Tabela 1.8: Dados para 2 molas em série. Considere ka e kc . Valor de mef das molas:
Nº da medida 1 2 3 4 5 6
m (kg)
t̄ (s)
t̄2 (s2 )
Qual o valor da constante elástica da mola equivalente na configuração em série?

• Relacione o coeficiente angular com a Eq. 1.13 e determine a constante da mola.


• Faça o mesmo com os dados das Tabelas 1.6, 1.7 e 1.8. Nos dois últimos caso você obterá
a constante da mola equivalente.
• Use a Equação 1.14 e 1.15 para verificar o valor experimental da constante da mola com
o previsto nessas equações.
• Faça o gráfico de F em função de y. Obtenha a equação da reta por regressão linear.
• Relacione o coeficiente angular com a constante da Equação 1.1.
• Repita o mesmo procedimento para os demais dados.

1.5 Discussão dos Resultados


• Observe o gráfico de T 2 x m e explique porque que a linha não atravessa a origem.
• Compare os resultados obtidos com o valor das constantes elásticas fornecidas pelo pro-
fessor. Qual foi o erro?
• Qual o método mais eficaz?
• Os valores das constantes elásticas das molas obtidos por métodos diferentes foram iguais?
8

• O que você deduz quando usamos molas em paralelo? E no caso de molas em série?

• Você conseguiria obter o k desconhecido de uma mola, sabendo o k conhecido de uma


outra mola? Explique.

1.6 Quais suas Conclusões?


O que você conclui sobre a utilização dos dois métodos utilizados na determinação da cons-
tante elástica da mola? Qual método que lhe parece ser o mais adequado e por quê? Foi possível
comprovar a lei da associação em paralelo? Qual foi a fonte de erro?

1.7 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2002. cap 16-18, v.2.

2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2004. cap. 12-14, v.2.

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 14, v.1.
9

1.8 Exercícios
1. Por quê devemos considerar a massa da mola nos cálculos para determinar a constante
elástica da mola?

2. Considere que uma mola de constante elástica k mantém suspenso, por uma de suas ex-
tremidades, um bloco de massa m. Corta-se a mola ao meio e o mesmo bloco é suspenso
por uma das metades resultantes. Escreva a equação que descreve a frequência de oscila-
ção desse novo sistema massa-mola antes e depois da mola ser cortada. Elas são iguais?
Como estão relacionadas essas frequências?

3. Considere um bloco de massa desconhecida e uma mola de constante elástica também des-
conhecida. Como podemos predizer o período das oscilações deste sistema massa-mola,
quando tirado da posição de equilíbrio, medindo simplesmente o alongamento produzido
na mola na direção vertical quando penduramos o bloco.

4. Como podemos comparar as massas de diferentes corpos observando suas frequências de


oscilação quando suportados por uma mola.

5. Demostre as Equações 1.14 e 1.15.


Experimento nº 2

Pêndulo Simples

2.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• O que é o movimento harmônico simples (MHS)?

• É possível construir fisicamente um pêndulo simples?

• Qual é a dependência do período de oscilação de um pêndulo em relação ao comprimento


do fio?

• Qual é a dependência do período de oscilação de um pêndulo em relação à massa do corpo


suspenso?

• Como posso usar o experimento do pêndulo simples para determinar a aceleração da gra-
vidade de um lugar?

2.2 Introdução
Qualquer movimento que se repete em intervalos iguais constitui um movimento periódico
ou oscilatório. Basta olhar ao nosso redor para verificarmos que esse tipo de movimento está
muito presente no nosso cotidiano. Como exemplo podemos citar: as moléculas em um sólido,
que oscilam em torno de suas posições de equilíbrio; as ondas eletromagnéticas, tais como as
ondas luminosas, radar e ondas de rádio, que são caracterizadas por vetores oscilantes de campo
elétrico e magnético; e os circuitos de corrente alternada, como as das instalações elétricas em
sua casa, em que a tensão e a corrente variam periodicamente de acordo com o tempo.
O pêndulo simples é na verdade um modelo idealizado constituído por um corpo puntiforme
(massa desprezível) suspenso por fio inextensível e de massa desprezível, cuja representação
esquemática é ilustrada na Figura 2.1a.

10
11

Ponto Fixo
θ

l T~

m
m Fg cosθ
θ
Fg sen θ

F~g
a) Um pêndulo simples. b) As forças que agem no sistema.

Figura 2.1: Representação esquemática do pêndulo simples e as forças que atuam no sistema.

No campo da pesquisa científica, físicos e engenheiros buscam entender o movimento os-


cilatório a fim de explicar fenômenos que ocorrem desde o mundo microscópico até o mundo
macroscópico. Nesta aula experimental você terá a oportunidade de verificar o movimento osci-
latório de um pêndulo simples e também descobrir uma das formas de se medir a aceleração da
gravidade.
As forças que agem sobre o peso são a tração T~ exercida pelo fio e a força gravitacional
F~g , conforme mostra a Figura 2.1b, onde o fio faz um ângulo θ com a vertical. Decompondo
F~g , temos mg cos θ na direção y e mg senθ na direção x, tangencial à trajetória do peso, e que
produz um torque restaurador em relação ao ponto fixo do pêndulo, já que sempre age no sentido
oposto ao deslocamento do peso, tendendo levá-lo de volta ao ponto central. Esse torque é dado
por τ = −l(Fg senθ), em que o sinal negativo indica que o torque age no sentido de reduzir θ e
l é o braço da alavanca da componente mg senθ da força gravitacional em relação ao ponto fixo
do pêndulo. Sabendo que τ = Iα, temos que:

−l(mgsenθ) = Iα (2.1)
onde I é o momento de inércia do pêndulo em relação ao ponto fixo e α é a aceleração angular
do pêndulo em relação a esse ponto.
Considerando que o ângulo θ é pequeno (em radianos), logo sen θ ≈ θ, então temos que:
mgl
α=− θ (2.2)
I
Lembrando que a equação característica do movimento harmônico simples é dada por:

a(t) = −ω 2 x(t) (2.3)

que quando p
comparada com a Equação 2.2, podemos deduzir que a frequência angular do pên-
dulo é ω = mgl/I. Como a frequência angular é dada por ω = 2π/T , vemos que o período
de um pêndulo simples pode ser escrito como:
12

s
I
T = 2π (2.4)
mgl
No caso do pêndulo simples, podemos considerar o momento de inérica I = mr 2 com r = l.
Após a simplificação dos cálculos resulta em:
s
l
T = 2π (2.5)
g
Esta é a equação do pêndulo simples. Podemos perceber que o período de oscilação do pêndulo
depende somente do comprimento do fio. Quanto maior o comprimento do fio, maior será o
seu período de oscilação. Perceba que a massa não aparece nessa equação, logo espera-se que
o período de oscilação de um pêndulo com uma massa de 1 kg e de uma massa de 10 kg seja o
mesmo. Isso você poderá conferir experimentalmente nessa aula.

2.3 Materiais e Métodos


Nesse experimento vamos utilizar os seguintes materiais: suporte para pêndulo, balança de
precisão, diferentes massas, fio de nylon, trena, transferidor, cronômetro (modo pêndulo), papel
milimetrado, calculadora científica.

Tabela 2.1: Dados experimentais - peso das esferas.


Esfera Aço Alumínio Latão Plástico Isopor Inox
Massa (g)

Comece o experimento pesando as várias massas disponíveis. Escolha um peso de apro-


ximadamente 50 g para iniciar o experimento. Determine o período de oscilação dessa massa
para diferentes comprimentos de fio. Comece utilizando um fio de comprimento pequeno, por
exemplo 10 cm, e em seguida vá aumentando o tamanho do fio. Escolha um ângulo de 10 a 15
graus. Faça esse procedimento para pelo menos 5 comprimentos. Anote os resultados na Tabela
2.2.
Na sequência escolha um tamanho de fio, por exemplo 25 cm, meça o período de oscilação
para pelo menos 5 massas (usando um único tamanho para o fio). Anote os resultados na Tablea
2.3. Observe o que ocorre com o período de oscilação do pêndulo.
Agora escolha uma das massas disponíveis, e aumente o ângulo de 10 até pelo menos 45
graus. Registre os dados do período de oscilação na Tabela 2.4
Complete os demais dados da tabela. Faça os gráficos, analise e discuta os resultados con-
forme indicado abaixo. Para o cálculo de ∆U = mg∆h, considere que ∆h = l − l cos θ. Use o
valor de g obtido no experimento.

2.4 Análise dos Resultados Obtidos


• Usando os dados tabulados, faça um gráfico de T x l. Usando eixos diferentes no mesmo
gráfico coloque os pontos referentes a variação do período com a massa, ou seja, T x m.
13

Tabela 2.2: T versus l Tabela 2.3: T versus m Tabela 2.4: T versus θ


l (m) T (s) T (s )
2 2
m (kg) T (s) T (s )
2 2
θ (º) T (s) ∆U(J)
1 1 1
2 2 2
3 3 3
4 4 4
5 5 5
m= θ= l= θ= m= l=

• Faça o gráfico de T2 x l, usando os dados da Tabela 2.2.

• Use regressão linear e obtenha a inclinação da reta T2 x l.

• Estime um valor aproximado para a aceleração da gravidade (g), usando a Equação 2.5.

• Utilize o valor de g obtido dos resultados da Tabela 2.2 e preencha a última coluna da
Tabela 2.4.
14

2.5 Discussão dos Resultados


• Observe o gráfico de T x l e de T x m e explique qual é a dependência do período T em
relação ao comprimento l e a massa m?

• Qual é a origem do erro no valor de g obtido experimentalmente em relação ao valor


padrão 9,806 m/s2.

• Dos resultados obtidos, até que ângulo θ é que a aproximação senθ ≈ θ é válida? A partir
de qual ângulo θ o desvio percentual entre o sen θ e θ se torna maior que 0,5 %.?

• Discuta detalhadamente todos os resultados obtidos e calcule o erro da aceleração da gra-


vidade usando propagação de erros. Verifique como varia ∆U em função do ângulo de
deslocamento.

2.6 Quais suas Conclusões?


Conclua os resultados obtidos de forma clara e concisa, considerando a proposta do ex-
perimento que é o de investigar a dependência do período do pêndulo em função de diversas
variáveis (comprimento do fio, massa do corpo, ângulo da oscilação), além do resultado de g.

2.7 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2002. cap 16-18, v.2.

2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2004. cap. 12-14, v.2.

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 14, v.1.

2.8 Exercícios
1. Considere hipoteticamente que um astronauta chegou a um planeta e usou o método acima
para determinar a aceleração da gravidade do planeta, e obteve os dados da Tabela 2.5.
Descubra o valor da aceleração da gravidade desse planeta usando regressão linear e de
acordo com a Tabela 2.6 indique o planeta. Considere que o astronauta cometeu um erro
de 3% no experimento realizado. (2.0 pontos)

Tabela 2.5: Período de um pêndulo simples em função do comprimento do fio.


l (cm) 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60
T (s) 0,72 0,77 0,83 0,88 0,93 0,97 1,01 1,05 1,10 1,12 1,17

*Plutão é reconhecido como um plutóide, uma nova classe de astro.


15

Tabela 2.6: Aceleração da gravidade de vários planetas


Planeta Mercúrio Vênus Terra Marte Júpiter Saturno Urano Netuno Plutão*
g (m/s2) 3,78 8,60 9,78 3,72 22,9 9,05 7,77 11,0 0,5

2. É realmente possível construir um pêndulo simples? Explique.

3. Galileo propôs e resolveu a seguinte questão. Um fio pende de uma torre alta e escura
de tal forma que sua extremidade superior não é visível ou acessível, mas a extremidade
inferior sim. Como poderemos determinar o comprimento do fio?

4. Qual é o objetivo do balancim num relógio de pulso ou do pêndulo num relógio de parede?

5. Uma placa circular de massa M e raio R está pendurada em um prego por uma pequena
alça localizada em uma de suas extremidades. Depois de ser colocada no prego a placa
oscila em um plano vertical. Encontre o período da oscilação se a amplitude do movimento
for pequena.
Experimento nº 3

Ondas Tranversais: corda vibrante

3.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• Como se determina a densidade linear de uma corda?
• O que ocorre com a velocidade de uma onda se propagando em uma corda quando a tensão
aplicada na corda é variada? E se mudarmos a densidade linear da corda?

3.2 Introdução
Quando criamos uma perturbação em uma corda esticada é gerado um pulso que se propaga
pela corda. Nesse caso a corda irá vibrar em seu modo fundamental, ou seja, um único segmento,
com nós em seus extremos conforme ilustra a Fig. 3.1. Se a corda for mantida em sua frequência
fundamental será originada uma onda estacionária, que é o resultado da interferência mútua das
ondas se propagando em sentidos opostos.

Ventre

Nodo Nodo

L (λ/2)

Figura 3.1: Modo fundamental (primeiro harmônico).

Observe que cada segmento é igual a metade de um comprimento de onda. A linha sólida
representa a onda se propagando na direção positiva do eixo das abcissas, enquanto que a linha
tracejada representa a onda refletida no nodo (ou nó). Em geral para um dado harmônico, o
comprimento de onda é λ = 2L/n, onde L é o comprimento da corda esticada e n é o número
de segmentos na corda.

16
17

Ondas estacionárias serão também formadas se a corda for mantida em qualquer múltiplo
inteiro desta frequência. As frequências de ressonância que correspondem a esses comprimentos
de onda podem ser calculada pela seguinte equação:
v
f= . (3.1)
λ
Substituindo λ temos então que:
nv
f= (3.2)
2L
Aqui v é a velocidade de propagação da onda. As frequências mais altas são chamadas de
harmônicos e são ilustradas nas Figs. 3.2 e 3.3, respectivamente para o segundo e terceiro
harmônicos. Na Fig. 3.3 é possível observar uma onda estacionária com quatro nodos e três
ventres, sendo seu comprimento de onda 3λ/2.

L (λ) L (3λ/2)

Figura 3.2: Segundo harmônico. Figura 3.3: Terceiro harmônico.

Da Eq. 3.1 obtemos que a velocidade da onda é dada por v = λf . Poderíamos supor que
quanto maior fosse a frequência maior seria a velocidade da onda. Esse pensamento não está
correto, como você observará experimentalmente. Ocorre que, conforme se aumenta a frequên-
cia da oscilação, mais modos de oscilação são formados, ou seja, o número de ventres também
aumenta, e como o comprimento de onda será menor, haverá uma compensação proporcional
entre esses dois fatores logo a velocidade da onda se mantém constante.
Todavia se quisermos enviar um pulso em uma corda para fazê-la vibrar, teremos uma maior
dificuldade de fazê-lo se a corda for muito densa. Imagine por exemplo você tentando enviar um
pulso em uma corda trançada usada por marinheiros, com certeza haverá uma maior dificuldade
de fazer a onda se propagar, do que se a corda em questão fosse a de um violão, cuja densidade é
menor. Desta forma a velocidade de uma onda se propagando em uma corda esticada vai ser
determinada somente pelas propriedades físicas dessa corda. De modo geral, a velocidade
de uma onda em uma corda com uma tensão τ aplicada e massa específica linear µ é dada por:
τ
r
v= (3.3)
µ
Ao analisarmos essa equação podemos deduzir que quanto maior for a densidade linear
menor será a velocidade da onda se propagando na corda. Por outro lado se a tensão aplicada
for grande, a velocidade será alta. Use o presente experimento para comprovar tal fato.
Portanto, temos como objetivo nesse experimento estudar ondas estacionárias se propagando
em uma corda esticada e determinar a sua densidade linear. Usaremos para isso dois métodos,
um que se obtém diretamente e outro usando os dados obtidos pela propagação da onda na corda.
Tem-se também como objetivo comprovar o que é predito na teoria.
18

3.3 Materiais e Métodos


Neste experimento você precisará de cordas de diferentes densidades lineares, trena, pesos,
suporte (lastro), gerador de frequências, oscilador. Siga o seguinte procedimento para realizar o
experimento.

Variando a tensão na corda mantendo a densidade linear.


1. Pese um pedaço de corda de massa m e comprimento l. Calcule a densidade linear:
µ = m/l. O valor será dado em gramas por metro. Anote os dados na Tabela 3.1. Repita
esse procedimento para todas as cordas na bancada.

Tabela 3.1: Dados para obtenção da densidade linear de diferentes cordas.


Fio Preto Amarelo Vermelho Azul Branco
Massa (g)
Comprimento (m)
µ (g/m)

2. Inicie o experimento usando a corda cuja densidade linear esteja entre 2 e 3 g/m.
3. Faça a montagem experimental com o suporte de peso conforme a Figura 3.4. Inicie o
experimento com uma massa de 100 g. Considere g = 9,81 m/s2 para calcular a tensão na
corda. Use uma fita crepe para marcar a posição em que se encontra o oscilador.

Figura 3.4: Arranjo experimental para cordas vibrantes.

4. O comprimento l a ser usado nos cálculos será distância compreendida entre P 1 e P 2


na Figura 3.4. Use um comprimento de pelo menos 1 metro. Este comprimento deve
se manter fixo durante todas as medições. Inicialmente fixe a frequência f em 60 Hz e
varie até obter o modo fundamental. Ajuste a amplitude A para que se obtenha uma boa
visualização da onda.
5. Anote todos os dados na Tabela 3.2. Inicie o experimento variando a frequência até obter
os três primeiros harmônicos.
19

6. Ache as outras frequências em que se pode observar 5 e depois 7 harmônicos. Para cada
tensão você deve encontrar 3 conjuntos de harmônicos.

7. Acrescente mais 50 g no suporte de pesos e repita o procedimento anterior, ou seja obtenha


as frequências para 3, 5 e 7 harmônicos com a nova tensão. Repita esse procedimento até
atingir 300 g (2,94 N).

8. Faça todos os cálculos da velocidade usando v = λf e anote os resultados na Tabela 3.2.


Use os três dados da velocidade para calcular a velocidade média da onda.

Tabela 3.2: Dados obtidos com densidade linear da corda fixa e variando tensão.
Medição Massa (kg) Tensão (N) f (Hz) n λ(m) v (m/s) v (m/s)
1 2
2 3
3 4
4 5
5 6
6 7
7 3
8 5
9 3
10 5
11 3
12 5
13 3
14 5

O que ocorre com a velocidade? Ela depende da frequência?

Mantendo a tensão fixa e variando a densidade linear da corda.


1. Escolha uma tensão para fazer o resto do experimento (para as outras 4 cordas). Por
exemplo escolha uma massa de 150 g (1,47 N).

2. Faça o mesmo procedimento da seção anterior, porém variando as densidades lineares das
cordas. A propagação da onda em algumas cordas se torna mais difícil, consequentemente
será mais difícil visualizar um grande número de harmônicos. Por isso, escolha frequên-
cias em que se obtenha 3, 4 e 5 harmônicos, ou aquela sequência que for mais conveniente
para a execução do experimento.

3. Anote todos os dados na Tabela 3.3 conforme descrito anteriormente.


20

Tabela 3.3: Dados obtidos com tensão fixa e densidade linear variável.
Medição µ (g/m) f (Hz) n λ (m) v (m/s) v (m/s)
3
3
3
3
3
3

Ondas propagando de um meio menos denso para um meio mais denso.


Utilize agora a corda que possui uma parte mais densa que a outra. Faça a montagem do
experimento de forma que a corda fique com o mesmo comprimento da parte mais densa e
menos densa (aproximadamente 70 cm de cada lado). Use um peso de 200 g no suporte. Deixe
a corda bem esticada e sem ondulações. Ligue o gerador de ondas em uma frequência de 20 Hz.
Ajuste a frequência até obter pelo menos 2 harmônicos no lado menos denso. Use o índice 1
para o lado menos denso e o índice 2 para o lado mais denso.

Tabela 3.4: Dados obtidos para onda propagando em 2 meios com de densidade diferentes.
Medição Massa (kg) T (N) f (Hz) n1 λ1 (m) v1 (m/s) n2 λ2 (m) v2 (m/s)
1 2
2 3

1. Quantos harmônicos você pode observar na parte menos densa? Qual o comprimento da
onda nesse meio?
2. Quantos harmônicos você pode observar na parte mais densa? Qual o comprimento da
onda nesse meio?
3. Como que a velocidade da onda varia de um meio menos denso para um mais denso?
4. Use a Equação 3.3 para calcular a densidade linear em cada um dos meios.
5. O que acontece com a velocidade da onda em cada um dos meios se você variar a frequên-
cia?

3.4 Análise dos Resultados Obtidos


• Use a Tabela 3.5 e 3.6 para anotar os valores médios obtidos. Preste atenção as unidades
adotadas.
• Use os dados da Tabela 3.5 para fazer o gráfico de v 2 versus T . Obtenha a equação da
reta por regressão linear. Ache o coeficiente angular e usando a Equação 3.3 calcule a
densidade linear.
21

• Baseado nos dados calculados na Tabela 3.6 faça o gráfico de v 2 versus µ.

Tabela 3.5: Resumo para µ fixo e T variável. Tabela 3.6: Resumo para T fixo e µ variável.
Tensão (N) v (m/s) v 2 (m2 /s2 ) µ (kg/m) v (m/s) v 2 (m2 /s2 )

3.5 Discussão dos Resultados


• Conforme a frequência aumenta o que ocorre com o número de harmônicos, ou seja, qual
a relação que existe entre f e n? O que ocorre com o comprimento de onda?

• Baseado nos dados calculados na Tabela 3.2 verifique o que ocorre com a velocidade
quando se aumenta a tensão na corda. Verifique também o que ocorre com a velocidade
quando a frequência aumenta.

• Compare o resultado da densidade linear obtido do gráfico de T versus v 2 com o valor


obtido na Tabela 3.1. Discuta a fonte de erro.

• O que ocorre com a velocidade quando a tensão aumenta? Por quê?


22

3.6 Quais suas Conclusões?


Qual o método para a determinação da densidade linear da corda é o mais correto? Por
que? O que você conclui sobre a velocidade de uma onda se propagando em uma corda esticada
vibrando? A velocidade depende essencialmente do comprimento de onda? Explique. Quais as
fontes de erro.

3.7 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2002. cap 16-18, v.2.

2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2004. cap. 12-14, v.2.

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 14, v.1.

3.8 Exercícios
1. Considere que uma corda A seja duas vezes mais densa que uma corda B. Além disso
ambas são submetidas a mesma tensão e possuem o mesmo comprimento. Se cada uma
das cordas estiver vibrando no modo fundamental, qual das duas terão frequência mais
alta?

2. Uma corda C média em um piano tem a frequência fundamental de 262 Hz e a nota lá


tem a frequência fundamental de 400 Hz. a) Calcule as frequências dos dois harmônicos
seguintes da corda C. b) Se as cordas para as notas lá e dó tiverem a mesma densidade
linear e o mesmo comprimento, determine a razão das tensões nas duas cordas.

3. Duas cordas foram amarradas uma na outra com um nó e esticadas entre dois suportes
rígidos. As cordas têm densidades lineares µ1 = 1,4 x 10−4 kg/m e µ2 = 2,8 x 10−4 kg/m.
Os comprimentos são L1 = 3,0 m e L2 = 2,0 m, e a corda está submetida a uma tensão de
400 N. Dois pulsos são enviados simultaneamente em direção ao nó a partir dos suportes.
qual dos pulsos chega primeiro ao nó?
Experimento nº 4

Ondas Longitudinais: tubo ressonante

4.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• Como as ondas longitudinais se comportam em um tubo ressonante?
• Como se determina as frequências de ressonância em tubos abertos e fechados?
• Como se determina a velocidade do som usando um tubo ressonante?

4.2 Introdução
Quando o diafragma de um alto-falante vibra com uma determinada frequência, uma onda
de som é produzida e se propaga pelo ar. Veja Figura 4.1. A onda de som é o resultado dos
pequenos movimentos das moléculas de ar que se movem para frente e para trás a partir do
alto-falante. Se fossemos capazes de ver o pequeno volume de ar se movendo próximo ao alto-
falante veríamos que deslocamento desse volume de ar é muito curto, se movendo com a mesma
frequência do alto-falante.

Figura 4.1: Ilustração de uma onda longitudinal se formando a partir da oscilação de um alto-
falante.

Este movimento é muito análogo às ondas se propagando em uma corda. A principal di-
ferença é que se olharmos para uma pequena porção da corda veremos que o movimento de

23
24

oscilação é transversal à direção de propagação. No presente caso o movimento do pequeno


volume de ar que gera a onda sonora de dá na direção paralela à propagação da onda. Por essa
razão esse tipo de onda é chamada de onda longitudinal.
Uma outra forma de contextualizar uma onda sonora é através de uma série de compressões
e rarefações. Quando o diafragma de um alto-falante se move para fora o ar próximo do dia-
fragma é comprimido, criando um pequeno volume de ar com pressão relativamente alta, uma
compressão. Esse pequeno volume de ar a alta pressão comprime o volume de ar adjacente a ele,
que acaba comprimento o outro volume de ar adjacente, tal que a alta pressão se propaga a partir
do alto-falante. Quando o diafragma do alto-falante se move para trás é criado um volume de ar
de baixa pressão, uma rarefação, que é criada próximo ao diafragma. Esta rarefação também se
propaga desde o alto-falante.
Em geral, uma onda de som se propaga em todas as direções da fonte da onda. Entretanto,
para estudar as ondas sonoras de maneira simplificada, podemos restringir o movimento de
propagação em uma dimensão, isso é feito com um Tubo de Ressonância.

Ondas Estacionárias em um Tubo


As ondas estacionárias snao criadas em uma corda vibrante quando uma onda é refletida de
uma extremidade da corda tal que a onda que retorna interfere com a onda original. As ondas
estacionárias também ocorrem quando uma onda é refletida de uma extremidade de um tubo.
Uma onda estacionária tem nodos, pontos onde a corda não se move, e ventres, pontos
onde a corda vibra para cima e para baixo com amplitude máxima. analogamente, uma onda
sonora estacionária tem nodos, pontos onde o ar não vibra, e ventres, pontos onde a amplitude
da vibração do ar é máxima. Nodos e ventres de pressão também existem na onda gerada. De
fato os nodos de pressão ocorrem nos ventres de deslocamento, e os ventres de pressão nos
nodos de deslocamento. Isto pode ser entendido imaginando um ventre de pressão que esteja
localizado entre dois ventres de deslocamento que vibram 180º fora de fase, um em relação ao
outro. quando o ar de dois ventres de deslocamento se propagam na direção um do outro, a
pressão do ventre de pressão é máxima. Quando elas se movem separadas, a pressão vai para
um mínimo.
A reflexão de uma onda sonora ocorre tanto em extremidades abertas quanto em fechadas.
Se a extremidade de um tubo está fechada, o ar não tem para onde ir, tal que um nodo de
deslocamento (um ventre de pressão) deve existir em um tubo fechado. Se a extremidade do
tubo for aberta, a pressão fica muito próxima da pressão do ambiente, tal que um nodo de
pressão (um ventre de deslocamento) existe na extremidade de um tubo aberto.

Frequências de Ressonância
Como descrito acima, uma onda estacionária ocorre quando uma onda é refletida de uma
extremidade do tubo e a onda que retorna interfere com a onda original. Entretanto, a onda
sonora será de fato refletida muitas vezes para frente e para trás entre as extremidades do tubo,
e todas essas múltiplas reflexões irão interferir juntas. Em geral, as múltiplas ondas refletidas
não estão todas em fase, e a amplitude do padrão da onda resultante será pequeno. Entretanto,
em certas frequências de oscilação, todas as ondas refletidas estarão em fase, resultando em uma
25

onda estacionária de amplitude muito alta. Essas frequências são chamadas de frequências de
ressonância.
Nas Figuras 4.2 e 4.3 são ilustradas os primeiros estados de ressonância para tubos abertos e
tubos fechados. O primeiro estado de ressonância é o modo fundamental, e os subsequentes são
os harmónicos. (A) representa os anti-nodos ou ventres, e N os nodos.
Temos como objetivo nesse experimento determinar as frequências de ressonancia de tubos
abertos e fechados, bem como de determinar a velocidade do som no ar.

Figura 4.2: Ilustração das primeiras quatro ressonâncias para tubos abertos.

Figura 4.3: Ilustração das primeiras quatro ressonâncias para tubos fechados.

4.3 Materiais e Métodos


Determinando as frequências de ressonância
Nesse experimento vamos usar um tubo ressonante da marca PASCO, um osciloscópio, ge-
rador de funções, microfone com amplificador. O arranjo experimental é ilustrado na Fig. 4.4.
26

Figura 4.4: Arranjo experimental para o estudo de ondas longitudinais em tubo ressonante.
Adaptado manual da PASCO.

Na primeira parte do experimento vamos determinar a relação entre o comprimento do tubo,


L com as frequências em que ocorrem as ressonância. As condições para a ressonância são mais
facilmente entendidas em termos do comprimento do padrão da onda, do que em termos das
frequências. Os estados de ressonância dependem se as extremidades dos tubos estão abertas
ou fechadas. Para um tubo aberto (um tubo com ambas as extremidades abertas) a ressonância
ocorre quando o comprimento de onda da onda, λ, satisfaz a seguinte condição:

L= , n = 1, 2, 3, 4, · · · (4.1)
2
Estes comprimentos de onda permitem de forma natural que a onda estacionária gerada
tenha um nodo de pressão (ventre de deslocamento) em cada uma das extremidades do tubo.
Uma outra forma de caracterizar os estados de ressonância é dizer que um número inteiro de
meio comprimento de onda se ajusta entre as extremidades do tubo. Observe a Figura 4.2 para
melhor compreensão.
Para um tubo fechado (por convenção, um tubo fechado possuiu uma extremidade aberta e
a outra extremidade fechada, vide Figura 4.3), a ressonância ocorre quando o comprimento de
onda da onda, λ, satisfaz a condição:

L= , n = 1, 3, 5, 7, · · · (4.2)
4
Estes comprimentos de onda permitem que a onda estacionária gerada tenha um nodo de
pressão (ventre de deslocamento) em uma extremidade aberta do tubo, e um ventre (nodo de
deslocamento) na extremidade fechada do tubo. Como ocorre para o tubo aberto, cada valor
sucessivo de n descreve um estado no qual um e meio comprimento de onda se ajusta às extre-
midades do tubo, conforme ilustra a Figura 4.3.

Velocidade de Propagação de uma onda acústica


As ondas acústicas em um fluido, como por exemplo a água ou ar, tem sua velocidade dada
por:
27

s
B
V = (4.3)
ρ
em que ρ é a densidade do meio em equilíbrio, B é o módulo de compressibilidade, o qual
é definido pela razão entre a variação da pressão, ∆P , e a variação relativa do volume, ∆V /V ,
por ela provocada:
−∆P
B= (4.4)
(∆V /V )
Podemos calcular a velocidade das ondas sonoras em um gás de uma outra forma, através da
equação:
r
γRT
V = (4.5)
M
em que R é a constante dos gases ideais, T é a temperatura em Kelvin, M a massa molar do
gás e γ uma constante que depende da natureza do gás. Para o ar temos M = 2, 9x10−3 kg/mol
e γ = 1, 4.

Procedimento
• Verifique a montagem experimental de acordo com a Figura 4.4.

• Anote o comprimento do tubo.

• Inicie o experimento para o tubo aberto.

• Ligue o amplificador do microfone (não esqueça de desligá-lo ao fim do experimento).

• No gerador de funções ajuste a amplitude no mínimo e a frequência em 100 Hz.

• Ajuste o osciloscópio de tal forma que o sinal no eixo das abscissas esteja em 5 mV por
divisão.

• Aumente a amplitude até que se consiga visualizar um sinal satisfatório na tela do osci-
loscópio. Não é necessário que a amplitude seja muito alta, mas sim que apenas consiga
se destiguir bem o som.

• Procure a frequência do modo fundamental. Faça isso variando a frequência tanto para
baixo quanto para cima. Procure a frequência que esteja entre a faixa dada na Tabela 4.2.

• Continue procurando e anotando as demais frequências de ressonância. Seja cuidadoso


para não encontrar falsas ressonâncias.

• Faça o mesmo procedimento para o tubo fechado. Anote os dados na Tabela ??.
28

Figura 4.5: Arranjo experimental para determinação da velocidade do som. Adaptado manual
da PASCO.

Determinando a velocidade do som no ar


Podemos determinar a velocidade do som em um tubo usando o padrão de ondas estacioná-
rias que são geradas, determinando o comprimento de onda do som, já que v = λf , em que f é
a frequência da onda.

Procedimento
• Faça a montagem conforme ilustra a Figura 4.5.

• Anote a temperatura em que a sala se encontra.

• Escolha uma das frequëncias encontradas na primeira parte do problema para ajustar o
sistema. Frequências mais altas são mais fácil de ser detectadas pelo microfone.

• Comece fazendo o experimento usando o tubo aberto.

• Ajuste o osciloscópio de tal forma que seja possível bem visualizar o sinal.

• Use o corpo de prova para caminhar pelo tubo. Conforme deslocamos o microfone o sinal
da onda no osciloscópio aumenta ou diminui. Encontre os máximos e os mínimos. Anote
os resultados na Tabela 4.3.

• Como o fio é curto, será necessário mover o microfone de prova do outro lado do tubo a
fim de explorar os máximos e mínimos naquela região.

• Faça o mesmo procedimento para o tubo fechado. Anote os dados na Tabela 4.4.
29

4.4 Análise dos Resultados Obtidos

Tabela 4.1: Dados obtidos para tubo aberto. Tabela 4.2: Dados obtidos para tubo fechado.
faixa de f f0 fn fn /f0 faixa de f f0 fn fn /f0
150 a 250 80 a 120
300 a 450 200 a 350
450 a 600 400 a 550
650 a 800 600 a 700
800 a 950 750 a 900
1000 a 1150 950 a 1100
1150 a 1350 1150 a 1300
1350 a 1500 1350 a 1500
1550 a 1700 1550 a 1700
1700 a 1900 1750 a 1900

A primeira frequência encontrada é a frequência do modo fundamental, f0 . Use-a para


descobrir os outros harmônicos dividindo a frequência fn pela f0 . Fazendo isso será possível
obter as séries preditas na teoria.
Com os dados obtidos nas Tabelas 4.3 e 4.4 faça o gráfico de n versus a distância onde
ocorrem os ventres. Faça regressão linear, obtenha a equação da reta, o coeficiente de correlação.
Encontre o comprimento de onda e calcule a velocidade do som usando a frequência anotada em
suas medições. Use o mesmo procedimento tanto para o tubo aberto quanto para o tubo fechado.
O valor aceito para a velocidade do som é de 331, 5 ± 0, 607T m/s, em que T é a temperatura
em graus Celsius.

Tabela 4.3: Dados para tubo aberto. Tabela 4.4: Dados para tubo fechado.
n Mínimo Máximo n Mínimo Máximo

f usada (Hz): f usada (Hz):

4.5 Discussão dos Resultados


Descreva a natureza do comportamento da onda nas extremidades de um tubo aberto e um
tubo fechado baseado nos seus resultados. Descreva a natureza da onda ao atingir um obstáculo
sólido como de um pistão. Fale sobre a utilização de ondas sonoras na engenharia e física dos
30

materiais. Discuta os resultados obtidos na determinação das frequências de ressonância do tubo


e da velocidade do som.
O microfone que foi utilizado no experimento é sensível à pressão. Os máximos são portanto
pontos de pressão máxima e os ponto de mínimos de pressão mínima. Faça um esboço indicando
onde os pontos de deslocamentos dos máximos e de mínimos estão localizados.

De modo geral as frequências naturais de uma coluna de ar aberta nas extremidades é dada
por fn = nv/2L, com n = 1, 2, 3, 4, .... e para uma coluna de ar aberta em uma das extremidades
é dada por fn = nv/4L, com n = 1, 3, 5, ..... Baseado no tamanho do tubo e na velocidade
do som encontrada verifique se os resultados encontrados na primeira parte do experimento
satisfazem os valores teóricos calculados. Comente sobre os desvios encontrados.

4.6 Quais suas Conclusões?


Foi possível obter as frequências de ressonâncias preditas pela teoria? Foi possível determi-
nar a velocidade do som? O método usado foi eficaz? Quais as fontes de erros?

4.7 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2002. cap 16-18, v.2.
2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2004. cap. 12-14, v.2.
31

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 14, v.1.

4. BAKKEN, C.; AYARS, C. Instruction Manual and Experiment Guide for the PASCO
Scientific Model WA-9612. Resonance Tube. 1988.

4.8 Exercícios
1. Qual o objetivo de se usar um tubo para se estudar ondas sonoras? Explique.

2. Um cientista precisa determinar qual é o gás que está contido em um recipiente cilíndrico.
Para tal verificação ele utiliza o método usado acima. A frequência usada nos experi-
mentos foi de 1500 Hz, e os dados obtidos são tabulados na Tabela 1. Ao determinar a
velocidade do som nesse gás, e baseado nos dados da Tabela 2, indique o gás que está
contido no recipiente. Considere para efeito de comparação um erro de até 10%.

Tabela 4.5: Comprimento do tubo em função do número de modos, para f = 1500 Hz.
n 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
l (m) 0,41 0,83 1,22 1,62 2,02 2,4 2,82 3,21 3,61 4,10

Tabela 4.6: Velocidade do som em diferentes meios, a temperatura de 0 ◦ C.


Gás Hélio Hidrogênio Nitrogênio Neon Oxigênio CO2
v (m/s) 965 1284 334 435 316 259
Fonte: Manual de Física. Koshkin N. I. y Shirkévich M. G.. Editorial Mir, pág 107.

3. Fale sobre um outro método para determinar a velocidade do som.

4. Um tubo tem comprimento de 1,23 m e considere que a velocidade do som no ar é 343


m/s. a) Determine as frequências dos três primeiros harmônicos se o tubo estiver aberto
nas duas extremidades. b) Quais são as três frequências determinadas no item a) se o tubo
estiver fechado em uma extremidade?
Experimento nº 5

Cuba de Ondas

5.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• Identificar ondas em duas e três dimensões;

• O que são ondas planas? O que são ondas esféricas? O que é frente de onda?

• Entender que os fenômenos físicos envolvendo ondas mecânicas e eletromagnéticas são


similares.

5.2 Introdução
Uma cuba de ondas é um aparato que serve para gerar ondas em uma superfície (usualmente
água), e que nos permite observar os fenômenos físicos envolvidos na propagação de ondas no
meio. É possível também, fazermos uma anologia entre os fenômenos de propagação de ondas
mecânicas com as ondas de luz, devido à similaridade existente entre elas, embora as ondas
mecânicas necessitem de um meio para se propagar e as ondas eletromagnéticas não.

Figura 5.1: Ilustração da luz passando pela ondas geradas na superfície da água.

32
33

A B

Frente de Onda (original)

Frente de Onda (nova)


b
b

Frente de Onda

Frente de Onda
c∆

(original)
b

(nova)
b c ∆t
b

b
b

A′ B′
(a) (b)

Figura 5.2: Propagação de ondas planas e propagação de ondas esféricas.

Ao gerarmos uma perturbação num meio líquido, a sua superfície livre se ondula e se pro-
paga ao longo do plano determinado por ela, conforme ilustrado na Figura 5.1. Os raios lumi-
nosos, provenientes da lâmpada, ao encontrar uma superfície curva irão convergir ou divergir
nestas lentes formadas pelas cristas e ventres da onda que se propaga na água. As cristas funci-
onam como lentes convergentes, gerando as regiões claras, enquanto que os vales como lentes
divergentes, gerando as regiões escuras, quando projetadas em um anteparo. O comprimento da
onda λ é dado pela distância entre dois pontos claros (ou escuros).
Vale ressaltar que, tanto as ondas planas quanto as esféricas mantêm automaticamente suas
formas conforme se propagam pelo meio devido ao princípio de Huygens, conforme ilustra a
Figura 5.2. Em (a) temos uma onda plana, sendo que cada ponto sobre a frente de onda original
(A-A’) se torna uma nova fonte de onda de uma nova onda esférica. Após um curto período de
tempo ∆t, o envelope de todas as novas ondas está no plano (B-B’), que também é uma onda
plana porque está localizada a uma distância fixa c∆t do plano A-A’ em que c é a velocidade da
onda.
No caso de ondas esféricas, o envelope também é esférico. As ondas se propagam da fonte
em todas as direções da frente de onda original. Note que uma onda emergente de um fonte
pontual se propaga como uma onda esférica.
Temos como objetivo nesta aula demonstrativa identificar ondas em duas dimensões e inves-
tigar os diversos fenômenos físicos que ocorrem com essas ondas: reflexão, difração, difração e
interferência de duas fontes.

5.3 Materiais e Métodos


Nesse experimento usaremos os seguintes materiais: cuba de ondas, retroprojetor, gerador
de abalos, conta-gotas, anteparos planos e curvados.

1. Observe o que será explicado pelo professor. Esta é uma aula demonstrativa. Responda as
perguntas conforme o experimento for sendo realizado.
34

2. Inicialmente vamos deixar cair uma gota de água, sobre a superfície da água na cuba, e
depois vagarosamente, outras gotas serão liberadas. Como essas ondas na superfície da
água está relacionada a música e ao som?
3. Como você determinaria a velocidade da onda nesse meio?
4. Qual é o tipo de frente de ondas que são produzidos pelas gotas que caem na superfície da
água? Por que que elas possuem essa forma e não outra forma?
5. Agora teremos uma fonte vibrando a uma determinada frequência e amplitude. Veja a
Figura 5 para fazer o esboço do que está sendo observado.
• Qual é o ângulo de propagação das frentes de ondas na situação em que não há
nenhum obstáculo?
• O que você observa quando é colocado um anteparo? Coloque no seu esboço aonde
está localizado a origem real das ondas e o ponto de origem virtual das ondas.
• O que ocorre quando esse obstáculo forma um ângulo θ em relação a onda incidente.
• Há alguma região em que as ondas são estacionárias? O que é a separação entre as
linhas claras e escuras na onda estacionária?

6. Agora colocamos um refletor curvado. O que você observa? Faça o esboço do que você
visualiza. Indique aonde seria a distância focal do lado côncavo do anteparo.
7. Em seguida vamos estudar a difração. A frequência nesse caso será ajustada para o seu
valor máximo. Vamos inicialmente colocar dois anteparos separados por: a) uma distância
> 5 cm e b) uma distância menor que 0,5 cm. Em que situação a fenda se comporta
próximo de uma fonte pontual? Em que situação a fenda se comporta como uma fonte de
ondas planas? c) Agora a fenda terá uma distância de 3 cm, e vamos variar a frequência
das ondas incidentes. Pergunta-se qual frequência (alta ou baixa) que faz com que as
ondas se espalhem mais ao passar pela fenda? d) Quando dizemos “largo” e “estreito” para
distinguir dois comportamentos nas situações a) e b), a que dimensão estamos comparando
a ele?
8. Para finalizar nosso experimento vamos agora estudar a interferência de duas fontes. A
frequência é ajustada para seu valor máximo. Faça o esboço do que é observado. Anote
no desenho com um C o lugar em que é observada uma região Construtiva e com um D
em que é observada uma região destrutiva. A diferença do caminho percorrido ∆L é a
diferença na distância de um qualquer ponto até cada uma das fontes. a) O que é ∆L ao
longo da linha pontilhada? b) O que deve ser ∆L, em termos de comprimento de onda,
para a interferência construtiva? Coloque no seu esboço qual deve ser o ∆L apropriado
para cada região C. Faça o mesmo para a região D. c) O que acontece nas regiões C e D e
por que? Em particular o que o corre quando a fase é 180º?

5.4 Discussão dos Resultados


Baseado no que foi observado durante a aula discuta os fenômenos físicos envolvidos na
propagação de ondas.
35

a) b) c)

d) e) f)

g)
b b

Figura 5.3: Situações em que a onda encontra diferentes obstáculos


36

5.5 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2002. cap 16-18, v.2.

2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2004. cap. 12-14, v.2.

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 14, v.1.

4. BAKKEN, C.; AYARS, C. Instruction Manual and Experiment Guide for the PASCO
Scientific Model WA-9612. Resonance Tube. 1988.

5. Acessar simulação em: http://www.falstad.com/ripple/index.html.


Experimento nº 6

As Leis da Refração: os dióptros

6.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• O que é um dióptro?

• O que é índice de refrigência (relativo e absoluto)?

• Como determino o índice de refração de um meio?

• Quais são as leis da refração?

6.2 Introdução
Um dióptro é um sistema óptico constituído por dois meios de índices de refração diferentes,
separados por uma superfície plana ou curva de pequena esfericidade. Podemos ainda definir
dióptro como sendo o conjunto de pontos que determinam a superfície de separação entre dois
meios que permitem a passagem da luz. Um exemplo de dióptro é o ar e a água de uma piscina.
Não sofrer desvio ao passar por um dióptro não implica que o raio luminoso não se refrate.
Nesse experimento utilizaremos um dióptro em forma de semicírculo. Responda as questões
observando o que ocorre com a luz ao passar pelo dióptro, depois faça o relatório descrevendo
o experimento e o que foi observado. Use as questões apresentadas para ser a base do seu
relatório. Use as figuras para fazer esboços e anotações. Recomenda-se que o aluno pesquise
antes de fazer o experimento sobre índice de refração e qual é a importância de se saber o índice
de refração de um determinado meio.

6.3 Materiais e Métodos


Nesse experimento serão utilizados os seguintes materiais: banco ótico linear, nível, fonte
de luz branca, suportes para lentes, suporte para diafragma, conjunto de diafragmas, disco de
Hartl, uma lente plano convexa de 8D e uma de 4D, semi-círculo de acrílico.

37
38

Disco de Hartl
diafragma lente 8D lente 4D

Fonte de luz branca

Banco ótico

marca 0A 18 mm 160 mm 525 mm

Figura 6.1: Representação esquemática da montagem experimental.

1. Verifique a posição em que os componentes óticos (fonte de luz, diafragma e lentes) devem
ser colocados observando a marcação do banco ótico conforme ilustrado pela Figura 6.3.
Faça o alinhamento do feixe de luz ajustando as lentes.

2. Coloque o painel que contem o disco de Hartl na frente do banco ótico de tal forma que o
feixe de luz incidente se torne visível.

3. Se necessário ajuste as lentes para que o feixe de luz fique alinhado e colimado.

4. Coloque o semi-círculo de acrílico sobre o disco de Hartl conforme ilustra a Figura 6.2a
para a primeira parte do experimento e de acordo com a Figura 6.3a para a segunda parte
do experimento.

6.4 Resultados e Discussões


5. Observe o que ocorre com o feixe de luz incidente ao penetrar perpendicularmente à su-
perfície do dióptro (Figura 6.2a)? Qual é o ângulo formado entre o feixe incidente e a
normal no ponto de incidência? Qual o ângulo formado pelo feixe refratado?

6. O que ocorre com o feixe de luz conforme vamos girando lentamente o disco no sentido
horário de 0 a 45º (ângulo entre o raio incidente e a reta normal N)? Quantos feixes de luz
você observa, a quais fenômenos físicos cada um destes feixes está relacionado?

7. Fixando o ângulo do raio incidente em 45º faça um esboço na Figura 6.2b do que é obser-
vado.

8. O que ocorre com o raio refratado quando o feixe de luz passa de um meio menos denso
para um meio mais denso?

9. Os raio incidente, a reta normal (no ponto de incidência) e o raio refratado se encontram
planos diferentes? Explique.

10. Agora preencha a Tabela 6.1. E explique qual é a relação entre o ângulo de incidência e
o de refração. Há alguma relação entre os senos dos ângulos de incidência e de refração?
Essa razão é constante? Faça a média desses valores.
39

Tabela 6.1: Ângulo de incidência versus ângulo de refração para o dióptro de acrílico.
θ1 θ2 sin θ1 sin θ2 sin θ1 / sin θ2
25
30
45
55
60
75

11. Faça um gráfico de sen θ2 versus sen θ1 . Qual comportamento você observa? Use esses
dados para obter por regressão linear o coeficiente angular da reta. Escreva a equação que
descreve o experimento e indique o coeficiente de correlação. O valor encontrado é igual
ao encontrado tirando a média dos valores encontrados no item 10?

(a) (b)
80◦ 90 80◦ 30◦ 40 50 60◦
◦ ◦ ◦
70◦ 70◦ 20◦ 70◦
60 ◦
60 ◦
10◦ 80◦
50◦ 50◦
0 ◦
90◦
40◦ 40◦
10 ◦
80◦
30◦ 30◦
20◦ 70◦
20◦ 20◦
30 ◦
60◦
10◦ 10◦
40◦ 50◦
0◦ 0◦
50◦ 40◦
10◦ 10◦
60◦ 30◦
20◦ 20◦
70◦ 20◦
30◦ 30◦
80 ◦
10 ◦
40◦ 40◦
90◦ 0◦
50◦ 50◦
80◦ 10◦
60◦ 60◦
70 ◦
70 ◦ 70◦ 20◦
80◦ 90◦ 80◦ 60 ◦
50◦ 40◦ 30

Figura 6.2: Feixe de luz incidindo na superfície de um dióptro de acrílico sobre um disco de
Hartl. Em (a) o feixe incidente é normal à superfície dióptrica, enquanto em (b) o feixe incide
em um ângulo de 45º em relação à normal. Observe que o feixe incide de um meio menos denso
(ar) para um mais denso (acrílico). A linha tracejada é a reta normal.
40

12. O coeficiente encontrado independe do tipo do meio material que a luz passa? Explique.
13. A razão entre sen θ1 versus sen θ2 é uma constante, chamado de índice de refração relativo
do meio 2 em relação ao meio 1, chamado de n2,1 que é dado pela razão n2 /n1 . Por outro
lado o índice de refração absoluto de um meio (ou índice de refrigência absoluto) é a razão
entre a velocidade da luz no vácuo, c, pela velocidade da luz no meio, v, ou seja n = c/v.
Usando o valor do índice de refração do acrílico obtido anteriormente calcule a velocidade
da luz se propagando nesse meio. Considere a velocidade da luz no vácuo como 299.792
km/s.
14. No resultado do item anterior é possível afirmar que o índice de refração absoluto possa
ser maior que a unidade? Justifique a sua resposta.
15. Foi usada luz branca (comprimento de onda médio de 550 nm) no experimento. Caso fosse
usada uma luz vermelha (comprimento de onda médio de 630 nm), o índice de refração
seria maior ou menor? Se a luz fosse azul (comprimento de onda médio de 490 nm)?
Explique o porquê.
16. Agora use a Figura 6.3 para suas observações. Coloque o dióptro sobre o disco de tal
forma que o feixe de luz incida sobre a superfície curva. O que ocorreu com o raio de luz
ao passar pelo dióptro? Houve refração? Justifique sua resposta.
17. Gire o disco em 20º ao raio incidente. Qual é o ângulo de refração?
18. Exceto no caso em que o raio incidente é normal à superfície dióptrica, o que acontece
com o raio refratado em relação à reta normal N (no ponto de incidência), ao passar de um
41

meio mais denso para um meio menos denso? Isso independe do ângulo de incidência?
(responda essa última questão retornando o disco na posição original do item anterior e
girando lentamente até 90º, observando o raio refratado).

19. Qual é o ângulo crítico em que o raio refratado se tornou um rasante à superfície dióptrica
plana?

20. O que ocorre com o raio incidente após atingir este ângulo crítico?

21. Calcule o ângulo limite de refração para o acrílico usando o índice de refração obtido no
item 11. Compare esse resultado com o valor obtido no item 19. Justifique a possível

diferença encontrada. Lembre-se que o ângulo crítico é dado por: θc = sen −1 n1
n2
, em
que n1 é o índice de refração do meio menos denso e n2 o índice de refração do meio mais
denso.

6.5 Quais são suas conclusões?


Escreva suas conclusões baseado nas observações feitas durante o experimento. O que você
conclui sobre as leis da reflexão e da refração. Qual tipo de informação física que é possível
termos ao obtermos o índice de refração de um meio? Qual a importância de se informar o
comprimento de onda da luz usada para determinar o índice de refração de um meio?

(a) (b)
80◦ 90 80◦ 60◦ 70 80◦
◦ ◦
70◦ 70◦ 50◦ 90◦
60 ◦
60 ◦
40 ◦
80◦
50◦ 50◦ 30◦ 70◦
40 ◦
40 ◦
20 ◦
60◦
30 ◦
30 ◦ 10 ◦
50◦

20◦ 20◦ 0◦ 40◦

10◦ 10◦ 10◦ 30◦

0◦ 0◦ 20◦ 20◦

10◦ 10◦ 30◦ 10◦

20◦ 20◦ 40 ◦
0◦

30◦ 30◦ 50◦ 10◦

40◦ 40◦ 60 ◦
20 ◦

50◦ 50◦ 70◦ 30◦


60◦ 60◦ 80◦ 40◦
70◦ 70◦ 90◦ 50◦
80◦ 90◦ 80◦ 80 ◦
70 ◦ 60 ◦

Figura 6.3: Feixe de luz incidindo na superfície de um dióptro. Em (a) o feixe incidente é normal
à superfície dióptrica, enquanto em (b) o feixe incide em um ângulo de 20º em relação à normal.
Observe que o feixe incide de um meio mais denso (acrílico) e sai para um menos denso (ar). A
linha tracejada é a reta normal.
42

6.6 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2002. cap 33, v.4.

2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2004. cap. 25, v.4.

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 31, v.2.

6.7 Exercícios
1. Faça uma lista do índice de refração de diversos materiais.

2. Dê o índice de refração do vidro silicato obtido em diferentes comprimentos de onda.

3. Qual é o princípio da fibra ótica. Comente sobre a reflexão interna total.


Experimento nº 7

A dispersão da luz: os prismas

7.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• a propriedades físicas dos prismas de 90º e 60º;

• porque é mais eficiente utilizar prismas em equipamentos óticos;

• que um prisma pode decompor a luz policromática em suas componentes básicas;

• reconhecer que o índice de refração depende da frequência da luz incidente.

7.2 Introdução
Para se projetar um sistema óptico constituído de lentes e prismas, é necessário conhecer-se
com exatidão, o comportamento da luz ao atravessá-los, ou seja, é indispensável conhecer-se
os índices de refração dos vários vidros, ou cristais, formadores dos componentes óticos, para
alguns comprimentos de onda λ ao longo do espectro, onde seu sistema deverá operar. Se
um feixe de luz policromático se propaga num meio material, a velocidade de propagação de
cada onda que o compõe é diferente. Chama-se dispersão a variação da velocidade da luz se
propagando por um meio
Um prisma é formado por dois dióptros planos (superfície que separa dois meios diferentes),
fazendo entre si um determinado ângulo. O índice de refração do prisma, n, depende não só do
meio material que o constitui mas também do comprimento de onda da luz incidente, λ. Nesse
experimento iremos verificar as propriedades dos prismas de 60º e 90º, bem como entender
como ocorre a dispersão da luz e qual a influência do tipo de material no índice de refração.
Portanto recomenda-se que você leia sobre o assunto antecipadamente para melhor compreender
os fenômenos físicos envolvidos antes de fazer o experimento. Faça uma pesquisa antecipada
da utilização de prismas no cotidiano.

43
44

Disco de Hartl
diafragma lente 8D lente 4D

Fonte de luz branca

Banco ótico

marca 0A 18 mm 160 mm 525 mm

Figura 7.1: Representação esquemática da montagem experimental.

7.3 Materiais e métodos


Nesse experimento serão utilizados os seguintes materiais: banco ótico linear, nível, fonte
de luz branca, suportes para lentes, suporte para diafragma, conjunto de diafragmas, disco de
Hartl, uma lente plano convexa de 8D e uma de 4D, prismas de acrílico de 90º e 60º.

1. Verifique a posição em que os componentes óticos (lentes, diafragma, fonte de luz) devem
ser colocados observado o banco ótico conforme ilustra a Figura 7.3. Faça o alinhamento
do sistema ótico, ajustando as lentes. Nivele o banco ótico.
2. Coloque o painel que contem o disco de Hartl de tal forma que o feixe de luz incidente se
torne visível.
3. Ajuste as lentes para que o feixe de luz fique alinhado.
4. Coloque o prisma de 90º sobre o disco e ligue a fonte luminosa. Utilize a Figura 7.2a para
representar a trajetória do feixe emergente e descreva o que você observa.
5. Gire o disco de modo que o raio incidente fique perpendicular à hipotenusa. Represente na
Figura 7.2b o percurso do feixe luminoso e aplique as leis de Snell em cada face interna do
prisma e descreva o que é observado. Explique porque é possível usá-los nas aplicaçnoes
que você pesquisou.
6. Coloque agora o prisma de 60º sobre o disco ótico. Conforme o disco é girado no sentido
horário o que ocorre com o raio emergente?
7. Baseado na observação anterior, use a Figura 7.3a para traçar as trajetórias dos feixes de
luz incidentes nos pontos indicados na figura (considere a luz sendo monocromática).
8. Coloque o prisma de 60º sobre o disco ótico de tal maneira que o feixe incidente passe
pela metade do prisma conforme ilustra a Figura 7.3b. Gire o disco lentamente por um
ângulo de 5º no sentido horário. Descreva o que você observa identificando as cores do
espectro da luz branca (policromática) emitida pela lanterna do banco ótico.
9. Qual foi a cor do espectro da luz branca que sofreu maior refração? E qual a que sofreu
menor refração? Por quê?
10. Se um colega determinasse o índice de refração do material do prisma utilizando uma luz
azul e o outro utilizasse uma luz vermelha, ambos achariam o mesmo resultado? Por quê?
45

(a) (b)
80◦ 90 80◦ 80◦ 90 80◦
◦ ◦
70 ◦
70 ◦
70◦ 70◦
60 ◦
60 ◦
60 ◦
60◦
50◦ 50◦ 50◦ 50◦
40 ◦
40 ◦
40 ◦
40◦
30◦ 30◦ 30◦ 30◦

20 ◦
20 ◦
20 ◦
20◦

10◦ 10◦ 10◦ 10◦

0◦ 0◦ 0◦ 0◦

10◦ 10◦ 10◦ 10◦

20◦ 20◦ 20◦ 20◦

30 ◦
30 ◦
30 ◦
30◦
40◦ 40◦ 40◦ 40◦
50◦ 50◦ 50◦ 50◦
60◦ 60◦ 60◦ 60◦
70◦ 70◦ 70◦ 70◦
80◦ 90◦ 80◦ 80◦ 90◦ 80◦

Figura 7.2: Feixe de luz incidindo na superfície de prisma de 90º sobre um disco de Hartl. Em
(a) o feixe incidente é perpendicular a uma das faces do prisma, enquanto em (b) o feixe incide
perpendicularmente à hipotenusal.

(a) Quais as possíveis trajetórias dos raios? (b)


80◦ 90 80◦

70◦ 70◦
60 ◦
60◦
50◦ 50◦
40◦ 40◦
30◦ 30◦

20 ◦
20◦

10◦ 10◦

0◦ 0◦

10◦ 10◦

20◦ 20◦

30◦ 30◦
40 ◦
40 ◦

50◦ 50◦
60◦ 60◦
70◦ 70◦
80 ◦
90 ◦ 80 ◦

Figura 7.3: Use a parte (a) para traçar as possíveis trajetórias baseado no que você observou no
experimento anterior. (b) Esboce o que você observa na dispersão da luz.
46

Desvio da luz
amarela
Medida da
Luz visível dispersão
vermelho
alaranjado
amarelo
verde
azul
violeta
anteparo

Figura 7.4: Decomposição da luz branca em suas componentes.

7.4 Discussão dos Resultados


• O que ocorre quando a luz incide perpendicularmente na superfície de um prisma de 90º?

• Qual é a vantagem de se utilizar prismas de 90º em equipamentos óticos?

• O que o corre com um feixe de luz ao incidir em um prisma diferente de 90º?

• O índice de refração é o mesmo para qualquer material? Explique.

• O índice de refração é o mesmo quando medido em comprimento de ondas diferentes?


Explique.

7.5 Quais são suas conclusões?


Faça um breve relato dos principais resultados obtidos e a que conclusões você pode chegar
a respeito da dispersão da luz e a utilização de prismas.

7.6 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 8.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2009. cap 33, v.4.

2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2004. cap. 25, v.4.

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 31, v.2.
Experimento nº 8

Vídeo sobre o espectro eletromagnético

8.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• identificar as diferentes regiões do espectro eletromagnético;

• saber a utilização de cada tipo de radiação eletromagnética;

• entender como ocorre o efeito estufa;

• entender como vemos as cores.

8.2 introdução
A radiação eletromagnética é emitida em unidades discretas chamadas fótons mas tem pro-
priedade de ondas e pode ser criada pela oscilação ou aceleração de cargas elétricas ou campos
magnéticos. A REM viaja através do espaço com velocidade da luz (299.792.458 m/s), e de
uma oscilação do campo elétrico e magnético que fazem um ângulo reto uma com a outra e são
separadas por um comprimento de onda particular. Nessa aula você irá assistir a um vídeo sobre
o espectro eletromagnético produzido pela NASA no qual se discute as características físicas e
a utilização de cada tipo de onda.

8.3 Metologia
Abaixo é feita a transcrição do vídeo que você assistiu. É recomendável fazer várias leituras
dos textos abaixo para que você se possa aprender sobre a grande quantidade de informações
apresentadas, bem como rever o vídeo.

Uma Introdução ao Espectro Eletromagnético


Há algo que nos rodeia, que nos bombardeia... Algo que você não pode ver, tocar, ou mesmo
sentir. Todo dia. Todo lugar que você vá. Algo sem odor ou gosto. Embora você a use e dependa
dela toda hora do dia. Sem ela, o mundo que você conhece não existiria. O que é?

47
48

É a radiação eletromagnética. Estas ondas se espalham em um espectro de raios gamas muito


curtos, aos raios X, raios ultravioletas, ondas de luz visível, e mesmo ondas de infravermelho
longas, micro-ondas, até as ondas de rádio que podem ser maiores que uma montanha inteira.
Esse espectro é a base da idade da informação e do nosso mundo moderno. Seu rádio, controle
remoto, celular, televisão, forno de micro-ondas, até mesmo o raio-x que o médico usa, tudo
depende de ondas que pertencem ao Espectro Eletromagnético.
Ondas Eletromagnéticas (ou Ondas EM) são similares às ondas do oceano, ambas são ondas
de energia. Elas transmitem energia. As ondas EM são produzidas pela vibração de partículas
carregadas e tem propriedades elétricas e magnéticas. Mas ao contrário das ondas marítimas que
precisam de água, as ondas EM viajam através do vácuo no espaço com velocidade constante,
a da luz. As ondas EM possuem cristas e vales como as ondas do mar. A distância entre as
cristas é o comprimento de onda. Enquanto algumas ondas EM são muito longas e são medidas
em metros, muitas são minúsculas e são medidas em bilionésimo de um metro... namometro. O
número destas cristas que passam por um determinado ponto em um segundo é a frequência da
onda. Uma onda - ou ciclo - por segundo é chamado de Hertz (Hz).
As ondas EM longas como as ondas de rádio, possuem as frequências mais baixas e carregam
menos energia. Ao adicionarmos energia, a frequência da onda aumenta resultando em um
comprimento de onda menor. Os raios gama são os mais curtos, com as maiores energias de
ondas no espectro. Então, quando você assiste TV, não há apenas as ondas de luz visível da TV
que atinge seus olhos.... Há também as ondas de rádio transmitidas de uma emissora próxima;
as micro-ondas dos telefones celulares (voz e mensagens de texto); e ondas do roteador do seu
vizinho; e GPS nos carros que passam...
Há uma infinidade de ondas todas do espectro eletromagnético passando pela sala neste mo-
mento! Mas, com todas essas ondas ao nosso redor, mas como você pode assistir um programa
de TV? Da mesma forma que sintonizamos uma estação de rádio específica, nossos olhos podem
sintonizar uma região específica do EM e podem detectar energia com comprimentos de ondas
entre 400 e 700 nanometros, a região visível do espectro da luz. Vemos os objetos coloridos
porque as ondas EM interagem com suas moléculas. Alguns comprimentos de ondas do espec-
tro visível são refletidas e outros comprimentos de ondas são absorvidos. Vemos esta folha na
cor verde porque as ondas EM interagem com a clorofila das moléculas. Ondas de comprimento
entre 492 nm e 577 nm são refletidas e nossos olhos interpretam a folha como sendo verde.
Nossos olhos veem a folha como verde, mas não podemos dizer qualquer coisa como a fo-
lha reflete o ultravioleta, a micro-onda ou infravermelho. Para entender mais sobre o mundo
ao nosso redor, os cientistas e engenheiros descobriram maneiras que permite-nos "ver"além da
pequena parte do EM chamado de luz visível. Dados de múltiplos comprimentos de ondas aju-
dam cientistas a estudar todos os tipos de fenômenos extraordinários na terra, desde mudanças
sanzonais a habitat específicos. Tudo ao nosso redor emite, reflete e absorve radiação EM de
forma diferente basedo na sua composição. Um gráfico mostrando estas interações através de
uma região do EM chamada de assinatura espectral.
Padrões característicos, como digitais no espectra permite astrônomos identificar a composi-
ção química de um objeto e a determinar as propriedades físicas como temperatura e densidade.
O telescópio Spitzer da NASA observou a presença de água e moléculas orgânicas na galáxia há
3,2 milhões de anos da terra. Observando nosso sol em múltiplos comprimentos de ondas com
o satélite SOHO Permite aos cientistas estudar e entende as manchas solares que estão associa-
das com explosões e erupções solares prejudiciais aos satélites, astronautas e comunicações na
49

terra. Estamos constantemente aprendendo mais sobre nosso mundo e universo aproveitando as
valiosas informações contidas em diferentes ondas do espectro EM.

Ondas de rádio
A primeira transmissão de rádio por Guglielmo Marconi em 1894 se espalha pelo espaço há
mais de 100 anos com a velocidade da luz. Passou pela constelação de Sirius em 1903, Vega em
1919, e Regulus em 1971. Aquele sinal já passou mais de 1.000 estrelas. Qualquer um orbitando
uma dessas estrelas, com um receptor muito bom, poderia detectar o sinal de Marconi, e saber
que estamos aqui.
As ondas de rádio são as mais longas, e contém menos energia, comparadas com qualquer
onda eletromagnética. Enquanto que a luz visível é medida em frações pequenas de um cm, as
ondas de rádio variam de 19 cm, do tamanho de uma garrafa de água, a ondas do comprimento
de carros, navios, montanhas, e outras coisas enormes, maiores que o diâmetro do nosso planeta.
Heinrich Her descobriu as ondas de rádio em 1888. A primeira estação de rádio comercial foi ao
ar em Pitsburgo, Pensilvânia, EUA, em 2 de novembro de 1920. Então em 1932, uma descoberta
significativa por Karl Jansky, nos laboratórios Bell, revelou que as estrelas e outros objetos no
espaço irradia ondas de rádio! Foi o nascimento da rádio-astronomia.
Entretanto, cientistas precisam de antenas gigantes para detectar as fracas ondas de rádio, de
comprimento de ondas longos, vindas do espaço. A enorme antena do radiotelescópio Arecibo
mede 305 metros de diâmetro, equivalente a 3 campos de futebol. Os cientistas podem juntar os
sinais de um conjunto de antenas de rádio separadas, a fim de focar em uma pequena parte do
espaço distante. Esse conjunto de antenas atuam como um único coletor imenso. Esse conjunto
de antenas no estado do Novo México (EUA) usa 27 antenas parabólicas, no formato de um
"Y"gigante com cada braço capaz de alcançar 21 quilômetros!
Os cientistas espalharam esses conjuntos de antenas interligados por todo o globo. Uma
das maiores ramificações vai do Havaí até as Ilhas Virgens e atua como uma lente fotográfica
poderosa, tal que uma bola de beisebol parada na lua poderia preencher todo seu campo de visão.
Muitas das maiores descobertas astronômicas foram feitas usando ondas de rádio. Pulsares,
a existência de uma nuvem gigante de plasma superaquecido, que estão entre os maiores objetos
no universo, e mesmos quasares, como este que está a cerca de 10 bilhões de anos distante da
terra, foram descobertos usando ondas de rádio.
Ondas de rádio também fornecem informações mais localizadas. Objetos astronômico que
possuem campo magnético produzem usualmente ondas de rádio, como nosso sol. Desta forma,
o satélite STEREO da NASA é capaz de monitorar rajadas de ondas de rádio provenientes da
corona do sol.
Sensores de onda na espaçonave WIND registrou ondas de rádio emitida pela ionosfera
de um planeta, como as rajadas do planeta Júpiter, cujo comprimento de onda mede cerca de
quinze metros. As ondas de rádio preenche o espaço ao nosso redor, trazendo entreternimento,
comunicação e informações científicas fundamentais. Não podemos ouvir essas ondas de rádio.
Quando você sintoniza sua estação de rádio favorita, o rádio recebe estas ondas eletromagné-
ticas de rádio e então faz o alto-falante vibrar para criar as ondas de som que ouvimos. Podemos
não ser capazes de tapar nossos ouvidos as transmissões de rádio cósmicas, mas certamente des-
cobrimos muito mais sobre a grande dança cósmica do universo ao ouvirmos seu som (som de
rádio de Saturno).
50

Micro-ondas
As micro-ondas estouram pipoca. Podem detectar a velocidade. Provém milhares de canais
telefônicos melhorando a velocidade das chamadas. Mas será que as micro-ondas podem nos
ajudar a entender o mundo e o nosso universo? Vamos ver.
Com comprimentos de ondas no abaixo de 30 cm até um milímetro, as microondas estão
entre as ondas de rádio e o infravermelho. As micro-ondas são usadas nos radares doppler que
são amplamente usados para previsões localizadas de tempo de curto prazo, como as que você
vê no noticiário.
Os satélites revolucionaram a previsão do tempo, fornecendo uma visão global dos padrões
climáticos e temperaturas da superfície. Esta perspectiva ímpar tem aumentado a precisão das
previsões das tempestades tropicais e do clima.
Diferentes comprimentos de onda de micro-ondas, agrupadas em bandas, fornecem diferen-
tes informações aos cientistas. Micro-ondas médias da banda C penetram as nuvens, poeira,
fumaça, neve e chuva para revelar a superfície terrestre. As medições dos satélites de micro-
ondas revelam o gelo no mar ártico todo dia, mesmo onde existem nuvens. Essas medições
mostram grandes variações de um ano para o outro, mas também mostram o decréscimo total
do gelo no mar ártico desde o fim dos anos de 1970, ilustrados aqui com mapas e uma série
temporal do gelo no mar ártico, em setembro no fim do verão e do degelo.
O satélite japonês de recursos terrestres usam micro-ondas de comprimento de ondas longos,
da banda L para mapear florestas através da medição da umidade da superfície do solo como esta
imagem da bacia amazônica, para identificar áreas de desmatamento recente. As micro-ondas
da banda L são também usadas pelo sistema de posição global (GPS) como os que temos nos
carros.
Os cientistas combinam rotineiramente as informações de micro-ondas, com informações de
outras partes do espectro EM para estudar a composição de poeira cósmica, ou de uma supernova
como desta imagem de supernova que combinam dados de raios X, rádio e micro-ondas. Esta
supernova descoberta recentemente na via láctea explodiu há apenas 140 anos, por ocasião da
guerra civil americana.
Um fenômeno importante é único para as micro-ondas. Em 1965, usando micro-ondas lon-
gas da banda L, Arno Penzias e Robert Wilson fizeram uma descoberta acidental incrível; eles
detectaram o que acharam ser ruído dos seus instrumentos, mas era de fato um sinal de fundo
constante vindo de toda parte do espaço. Esta radiação é chamada "radiação cósmica de fundo"e
se nossos olhos pudessem ver micro-ondas, todo o céu brilharia com um brilho uniforme em
toda direção. A existência dessa radiação de fundo serviu como uma importante evidência para
defender a teoria do "big bang"de como o universo começou.
As micro-ondas se tornaram o elemento principal e milagre da vida moderna. Elas também
são a espinha dorsal das comunicações e sistemas de detecção na terra, e elas são um excelente
guia para a história antiga e as origens do universo.

Ondas de infravermelho
Quando você usa o controle remoto para mudar canais em sua TV, o seu controle remoto
está usando ondas de luz. Mas essa luz está além do espectro visível da luz que você pode ver.
51

Por volta de 1800, William Herschel conduziu um experimento medindo a mudança de tem-
peratura entre as cores do espectro, mais uma medição além da luz vermelha. Quando o termô-
metro registrou uma temperatura mais quente que de todas as outras cores, Herschel descobriu
uma outra região do espectro eletromagnético, a luz infravermelha.
Esta região consiste de comprimentos de ondas curtos cerca de 760 nm a comprimento de
ondas mais longos cerca de 1 milhão de namometros, ou cerca de mil vezes o micrometro, em
comprimento.
Podemos sentir alguma parte desta energia infravermelha como calor. Alguns objetos são
tão quentes que eles emitem também luz visível, como o fogo. Outros objetos como os seres
humanos,não são tão quentes, e emitem somente ondas de infravermelho.
Não podemos ver estas ondas de infravermelho a olhos nus. Entretanto instrumentos que
podem detectar energia infravermelha, como os óculos de visão noturna ou câmeras de infraver-
melho, permite-nos "ver"estas ondas de objetos quentes como humanos e animais.
A energia infravermelha pode também revelar objetos no universo que não podem ser vistos
pelos telescópios óticos. As ondas de infravermelho possuem comprimentos de onda mais lon-
gos que a luz visível e podem passar através de regiões densas de gás e poeira com um baixo
espalhamento e absorção. Quando você observa a constelação de Órion você vê somente a luz
visível, mas o telescópio Spitzer da NASA foi capaz de detectar aproximadamente 2.300 discos
de planetas em formação na nebulosa de Órion, detectando o brilho infravermelho de sua poeira
quente. Cada disco tem o potencial de formar planetas e seu próprio sistema solar.
A luz ultravioleta, visível e uma limitada porção de energia inframermelha, juntas são cha-
madas de "radiação de ondas curtas"provenientes do sol até a terra. Parte desta radiação é
refletida pelas nuvens, e parte é absorvida na atmosfera. As maiores partículas de ar e poeira
na atmosfera interagem e absorvem parte da radiação causando o aquecimento da atmosfera. O
calor gerado por esta absorção é emitido como radiação infravermelha de ondas longas, parte
das quais são irradiadas para o espaço.
A radiação solar que passa pela atmosfera terrestre é também refletida pela neve, gelo ou
outras superfícies ou absorvida pela superfície da terra. Esta absorção de radiação aquece a
superfície da terra e este calor é emitida como radiação de ondas longas para a atmosfera que
permite apenas parte dela ser irradiada para o espaço.
Os gases de efeito estufa na atmosfera como vapor de água, dióxido de carbono, absorve a
maior parte desta radiação de infravermelho de ondas longas, e esta absorção aquece a atmosfera
abaixo. Por sua vez, a atmosfera aquecida emite radiação de ondas longas parte das quais irradia
na direção da superfície terrestre, mantendo nosso planeta aquecido e geralmente confortável.
A energia que entra, a energia que reflete, a energia absorvida e a energia emitida pelo Terra
constitui os componentes do saldo da radiação terrestre Um saldo que fora do equilíbrio pode
causar o aumento da temperatura da atmosfera e eventualmente afetar nosso clima.
Para os cientistas entender o clima, eles devem determinar o que ocasiona as mudanças no
saldo da radiação da terra. O Instrumento CERES abordo dos satélite Aqua e Terra da NASA
podem medir as ondas curtas refletidas e as ondas longas emitidas no espaço com precisão
suficente para os cientistas determinar o saldo total da radiação da terra. Outros instrumentos
da NASA monitoram as mudanças em outros aspectos do sistema climático da terra, como as
nuvens, partículas aressóis, ou refletividade superficial, e os cientistas estão examinando muitas
interações com o saldo de energia. Uma porção da radiação solar que está pouco acima do
espectro visível é chamado de infravermelho próximo. Os cientistas podem estudar como esta
52

radiação se reflete da superfície da terra para entender as mudanças na cobertura da terra como
crescimento das cidades, ou mudanças na vegetação.
Nossos olhos percebem que uma folha é verde porque os comprimentos de onda na região
verde do espectro de luz visível são refletidas enquanto os outros comprimento de ondas visíveis
são absorvidos. Já, a clorofila e a estrutura celular da folha também reflete luz do infravermelho
próximo, luz que não podemos ver. Esta radiação de infravermelho próximo refletida pode ser
detectada por satélites, permitindo aos cientistas estudar a vegetação do espaço.
Usando estes dados, os cientistas podem identificar alguns tipos de árvores, podem examinar
a saúde de uma floresta, e até mesmo monitorar a saúde da vegetação, como uma floresta de
pinheiros infestada de besouros ou as plantações afetadas pela seca.
Estudando a emissão e reflexão das ondas de infravermelho ajuda-nos a entender o sistema
terrestre e seu saldo de energia. Dados de infravermelho próximo podem também ajudar os
cientistas estudar a cobertura da terra, como mudanças na neve, gelo, florestas, urbanização e
agricultura.
Os cientistas estão começando a desvendar os mistérios dos objetos gelados do universo, tais
como planetas, estrelas geladas, nebulosas, e muito mais usando ondas de infravermelho.

A luz visível
Toda radiação eletromagnética é luz. Entretanto, a luz visível é a única parte do espectro que
podemos ver. Ao longo de sua vida, seus olhos podem contar com uma banda estreita da radiação
EM para coletar informações sobre seu mundo. Embora a luz visível do nosso sol pareça ser
branca, ela é na verdade a combinação de cores individuais do arco-íris com comprimentos de
onda indo do violeta em 380 nanometros até o vermelho em 700 nanometros.
Antes do famoso experimento de Isaac Newton em 1665, as pessoas achavam que o prisma
dava cor a luz branca do sol conforme o feixe de luz branca do sol era curvado e espalhado.
Newton contestou essa ideia usando dois prismas. Para mostrar que a luz branca é composta
das bandas da luz colorida, Newton usou um segundo prisma para mostrar que as bandas da
luz se combinam para compor novamente a luz branca. A luz visível contem importantes pistas
científicas que revelam propriedades escondidas do universo. Pequenos intervalos de energia
em comprimentos de onda específicos podem identificar a condição física e a composição da
matéria estelar e interestelar.
O olho humano não é sensível o suficiente para detectar esses picos minúsculos, mas os
instrumentos científicos podem. Os cientistas podem descobrir a composição de uma atmosfera
considerando como as partículas atmosféricas espalham a luz visível. A atmosfera da terra, por
exemplo, geralmente aparenta ser azul porque ela contem partículas de nitrogênio e oxigênio
que são exatamente do tamanho para espalhar energia com comprimento de onda da luz azul.
Quando o sol está baixo no céu, entretanto, a luz percorre um caminho maior na atmosfera, e
mais luz azul é espalhada do feixe da luz solar, até atingir seus olhos. Somente os comprimentos
de onda mais longos vermelho e amarelo, são capazes de de atravessar a atmosfera, criando
lindos ocasos (por do sol).
Quando os cientistas olham para o céu, eles não veem apenas azul, eles veem pistas sobre
a composição química de nossa atmosfera. Entretanto, a luz visível revela mais que apenas
composição. Conforme os objetos aumentam a temperatura, eles irradiam energia com um
53

comprimento de onda mais curto, mudando a cor diante dos seus olha. Veja uma chama indo do
amarelo para o azul, conforme o gás é ajustado.
Da mesma forma, a cor dos objetos estelares fornecem aos cientistas muito sobre sua tempe-
ratura. Nosso sol produz mais luz amarela do que do qualquer outra cor por causa da tempera-
tura em sua superfície. Se a temperatura da superfície do sol fosse menos quente, por exemplo,
3000 ºCele apareceria avermelhado, como as estrelas Antares e Betelgeuse. Se o sol fosse mais
quente, por exemplo, 12.000 ºC, ele pareceria azul como a estrela Rigel.
Como todas as partes do EM, os dados sobre a luz visível pode também ajudar os cientistas
estudar mudanças na terra, como entender os estragos causados por uma erupção vulcânica.
Esta imagem do NASA EO-1 combina dados tanto da luz visível quanto de infravermelho para
distinguir entre neve e cinza vulcânica, e ver a vegetação mais claramente.
Desde 1972, as imagens do satélite da NASA Landsat vem combinando dados da luz visível
e infravermelha para permitir os cientistas estudar mudanças em cidades, vizinhanças, florestas,
e fazendas com o passar do tempo. As imagens de luz visível enviadas pelas sondas da NASA na
superfície de Marte mostra-nos o que seria estar um outro planeta. Elas abriram nossas mentes,
imaginação e nosso entendimento. Os instrumentos da NASA podem fazer mais do que detectar
passivamente a radiação, eles podem enviar ondas eletromagnéticas para mapear a topografia.
O altímetro laser orbitando marte envia um pulso de laser para a superfície do planeta e mede o
tempo que o sinal leva para retorna.
O tempo decorrido permite calcular a distância do satélite até a superfície. Conforme as
naves sobrevoam montanhas, vales, crateras e outros tipos de superfície, o tempo que retorna
varia e fornece um mapa topográfico da superfície do planeta.
De volta à órbita da Terra, a missão ICESat da NASA usa a mesma técnica para coletar dados
sobre a elevação do gelo polar e ajuda a monitorar mudanças na quantidade de água armazenada
como gelo em nosso planeta. Os altímetros laser podem também fazer medidas ímpares da altura
das nuvens,a cobertura vegetal das florestas, e pode "ver"a distribuição dos aerosóis de fontes,
tais como: tempestade de poeiras e fogo em florestas.
Finalmente, a luz visível ajuda-nos a explorar os mais longínquos lugares do universo que o
homem não poderia alcançar fisicamente. Incontáveis imagens que aguça nossa imaginação, e
instiga nossa curiosidade e aumenta nosso entendimento sobre o universo.

Ondas de Ultravioleta
Os braços da espiral em forma de redemoinho da galáxia M33 pode ser visto em luz visível,
mas a verdadeira dimensão dos braços em espiral são revelados em luz ultravioleta.
Da mesma forma que um cachorro pode ouvir um assobio fora do intervalo de audição
humana, os insetos podem ver luz fora do intervalo que nossos olhos podem ver. Um matador
de insetos emite uma luz ultravioleta para atrair insetos. Johann Ritter conduziu um experimento
em 1801 para saber se havia ondas eletromagnéticas além do violeta. Ritter sabia que o papel
fotográfico poderia se tornar preto rapidamente na luz azul do que na luz vermelha. Então ele
tentou expor o papel além do fim do violeta do espectro visível. Seguro o bastante, o papel se
tornou preto, provando a existência da luz além do violeta, os raios ultravioletas.
Estes raios ultravioletas, ou radiação UV, varia em comprimento de onda de 400 nm a 10 nm
e pode ser subdividido em 3 regiões: UV-A, UV-B e UV-C. A luz visível do sol passa através
da atmosfera e atinge a superfície terrestre. Os UV-A, ultravioleta de ondas longas, é o mais
54

próximo da luz visível. a maioria dos UV-A também atingem a superfície. Mas comprimentos
de onda mais curtos chamados de UV-B, são os raios prejudiciais que causam a queimadura
solar. Felizmente, cerca de 95% destes UV-B prejudiciais são absorvidos pela camada de ozônio
e são quase que completamente absorvidos pela nossa atmosfera.
O instrumento de monitoramento de ozônio abordo do satélite da NASA Aura detecta a ra-
diação ultravioleta para ajudar os cientistas a estudar e monitorar a química da nossa atmosfera,
incluindo o ozônio absorvedor de UV.
Enquanto que a proteção atmosférica da radiação UV prejudicial é boa para os humanos...
Ela complica o estudo dos raios UV produzidos naturalmente no universo pelos cientistas aqui
na superfície da terra.
Estrelas jovens brilham a maior parte de sua luz além do espectro de luz visível em com-
primento de ondas no ultravioleta. Os cientistas necessitam de telescópios na órbita acima da
atmosfera absorvedora de UV da terra para descobrir e estudar estas regiões de brilho-UV da
formação de estrelas em galáxias distantes.
Novos grupos de estrelas jovens nos braços espirais da galáxia M81 podem ser visto nesse
GALEX (Explorador da Evolução de Galáxia), imagem da NASA.
Substâncias químicas, ambos átomos e moléculas, interagem com a luz UV fazendo esta
região particularmente interessante para os cientistas.
Um instrumento de ultravioleta abordo da sonda Cassini detectou hidrogênio, oxigênio, água
com gelo, e metano no sistema saturno.
Dados de UV também revelaram detalhes da aurora de saturno. Cientistas também usam
ondas UV brilhando de estrelas distantes para ver regiões permanentemente sombreadas das
crateras lunares. O projeto Lyman-Alpha ou LAMP instrumento abordo da sonda lunar Recon-
naissance da NASA pode usar este fraco brilho estrela para verificar possível água e gelo na
lua. Os raios ultravioletas podem ser prejudiciais aos humanos, mas eles são essenciais para
estudar a saúde de nosso planeta da atmosfera protetora, e dar-nos valiosas informações sobre a
formação e composição de objetos celestiais distantes.

Os raios X
Uma estrela explode em uma ofuscante supernova, espalhando raios X através da galáxia
deixando seus vestígios. Os raios X também permitem ao dentista identificar qual dente deve
ser tratado, e a um ortopedista qual osso está quebrado. Em 1895 Wilhelm Roentgen descobriu
que ao incidir raios X nos braços e nas mãos criavam misterioras, mas detalhadas imagens de
dentro dos ossos.
Os raios X são raios de luz com alta energia e com comprimento de onda 3 e 0,03 nano-
metros. Tão pequenos que alguns raios X são um pouco maior que alguns átomos individuais.
Em laboratório, cientistas incidem raios X em substâncias desconhecidas para descobrir quais
elementos elascontém e decodificar sua estrutura atômica. É assim que os cientistas descobrem
moléculas complexas como a pinicilina e o DNA. Os cientistas podem também detectar raios X
emitidos de objetos extremamente quentes e energético no universo. Os robôs da NASAregistra-
ram raios X para identificar a assinatura espectral dos elementos, tais como zinco e níquel, em
rochas marcianas. Os raios X podem também revelar a temperatura de um objeto, uma vez que
a temperatura determina o comprimento de onda da sua radiação. Quanto mais quente o objeto,
menor é o seu comprimento de onda. Os raios X provém de objetos que estão em ebulição a
55

milhões de graus, tais como os pulsares buracos negros, supernovas, ou plasma da corona do
sol.
Nosso sol tem uma temperatura superficial em torno de 6000 ºC e irradia a maior parte de
sua energia em comprimento de onda da luz visível. Mas é mais fácil estudar o fluxo massivo de
energia da corona de plasma observando raios X com esta imagem do satélite Hinode, de uma
missão da NASA com o Japão. O satélite SOHO da NASA obteve estas imagens de raios X do
sol que permite aos cientistas ver e registrar os fluxos de energia dentro da corona.
O observatório de raios X da NASA Chandra detecta raios X criados por objetos espalhados
pelo espaço, como esta explosão de supernova que ocorreu há 10.000 anos luz da terra. As cores
no gás e na nuvem de poeira corresponde a diferentes níveis de energia dos raios X criados na
explosão.
raios X de diferentes comprimentos de onda fornecem informações sobre a composição de
um objeto, temperatura, densidade ou seu campo magnético. Os olhos humano pode não ser
capaz de detectar raios X mas, desde corpos celestes em ebulição, a elementos atômicos indivi-
duais, os raios X fornecem uma variedade de informações para os cientistas explorar.

Raios Gama
Criados pelos objetos e eventos mais quentes, mais energéticos, e mais violentos do universo,
os raios gama viajam através da vastidão do espaço, e são absorvidos somente pela atmosfera da
terra.
Até pouco tempo os cientistas não tinham como detectar e estudar os raios gama do cosmo
até que os balões de alta altitude e foguetes pudessem carregar sensores de raios gama acima da
atmosfera. Fatais aos humanos, os raios gama são criados na terra pelo decaimento radioativo
natural, através de explosões nucleares e até mesmo pelos relâmpagos nas tempestades.
As ejeções de massa coronal do nosso sol emitem raios gama, seguidas por partículas car-
regadas. Monitorando estes raios gama, os cientistas podem antever a chegada de partículas
carregadas que podem causar interrupções nas redes de comunicação e eletricidade.
As mais energéticas de todas as ondas EM - os raios gama carregam energia suficiente para
matar células vivas. Entretanto, os médicos podem selecionar raios gama para destruir o cresci-
mento de células cancerígenas.
O comprimento de onda dos raios gama são os mais curtos de todas as ondas EM, do tamanho
do núcleo de um átomo. De fato, ele é tão pequeno que os raios viajam através dos átomos, tão
facilmente quanto os cometas viajam pelo nosso sistema solar. Isso faz com que seja difícil para
os cientistas detectar os raios gama.
Os detectores de raios gama contém blocos cristalinos densamente empilhados. Conforme
os raios gama passam através do detector, eles colidem com os elétrons no cristal. O sensor
não detecta diretamente os raios gama. Ao invés disso, eles detectam as partículas carregadas
criadas por aquelas colisões.
Os cientistas tem usado os raios gama para determinar os elementos que compõem o solo
marciano. Uma vez atingidos pelos raios cósmico, os elementos químicos no solo, ou rochas
emitem sinais únicos, as "digitais"da energia na forma de raios gama.
O espectrômetro de raios gama da sonda da NASA, Mars Odyssey Orbiter, detecta e mapeia
essas digitais, como esse mapa de concentração de hidrogênio. Os raios gama emanam de
estrelas, supernovas, buracos negros, e pulsares que banham nosso céu com luz de raios gama.
56

O telescópio Fermi de raios gama da NASA fez imagens da localização dessas fontes, mapeando
a Via Láctea criando uma visão de 360 graus da galáxia em relação nossa perspectiva aqui na
terra.
Enquanto que a luz visível no céu é previsível e segue padrões regulares, os raios gama não.
Rajadas radiação gama de alta-energia chegam do espaço profundo todo dia. Essas explosões de
raios gama duram frações de segundos até minutos, piscando como lâmpadas cósmicas, domi-
nando momentaneamente o céu de raios gamas, e então se esvaindo. Este vídeo do Pulsar Vela
mostra a emissão de raios gama a cada 89 s conforme ele gira. As rajadas de raios gama são os
mais energéticos e luminosos eventos eletromagnéticos desde o Big Bang, e pode liberar mais
energia em 10 segundos que nosso sol emitirá em 10 bilhões de anos.
O satélite SWIFT da NASA registrou esta rajada de raios gama de uma explosão de 13 bi-
lhões de anos luz atrás. Ela está entre os mais distantes objetos já detectados, quando o universo
tinha apenas 630 milhões de anos. Uma observação recente de rajadas de raios gama produziu
a maior energia até hoje, o equivalente a 9.000 supernovas típicas! Ao continuar estudar raios
gama, vamos desvendar fatos importantes para a astronomia, e uso no tratamento na medicina,
e permitirá melhorar a proteção de nossos satélites e outros aparelhos eletrônicos aqui na terra.

8.4 Discussão sobre o vídeo


Discuta a importância de cada tipo de radiação eletromagnética. Quais são as formas de se
produzir cada tipo de radiação eletromagnética. O efeito estufa é importante para manter a vida
na terra? De que forma nossas atitudes interferem no equilíbrio do efeito estufa?

8.5 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2002. cap 33, v.4.

2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2004. cap. 25, v.4.

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 30, v.2.

4. Tour of the electromagnetic spectrum. Vídeo produzido pela NASA Headquarters, dis-
ponível em http://missionscience.nasa.gov/ems.
57

Figura 8.1: Ilustração representando as diversas regiões do espectro eletromagnético.


Experimento nº 9

Difração e interferência: medição do comprimento de


onda médio da luz branca

9.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• Entender como ocorre o fenômeno de difração e interferência;
• Como determinar o comprimento de onda da luz visível;
• Como determinar o espaçamento de uma grade de difração;
• Como determinar a espessura de um fio de cabelo.

9.2 Introdução
Nesse experimento serão explorados os fenômenos básicos de interferência e difração, nos
quais se apóiam as técnicas de identificação ou reconhecimento de átomos. O método usado é o
mesmo da experiência Thomas Young que em 1801 pode comprovar a teoria ondulatória da luz.
Usando a técnica de Young vamos determinar o comprimento médio do comprimento de
onda da luz branca e em seguida, sabendo-se o comprimento da luz monocromática incidente
(laser de He-Ne) vamos determinar o espaçamento de uma rede de difração (fio de cabelo ou
tecido).
Para o primeiro procedimento utilizaremos uma rede de difração, que é uma lâmina con-
tendo um número elevado de fendas paralelas entre si, que possuem a mesma largura e estão
espaçadas em intervalos regulares e iguais entre si. A distância entre duas fendas consecutivas
é denominada espaçamento da rede, sendo representada por d, conforme ilustra o detalhe da
Figura 9.1.
Observe que no ponto P , a onda originária do orifício inferior percorre um caminho mais
longo. Este “atraso” é dado por ∆x e vale d sen θ, em que d é a constante da rede (distância
que separa duas fendas consecutivas) e θ é o ângulo entre a direção de L e da horizontal OP .
Para que tenhamos uma interferência construtiva no ponto P devemos ter um número inteiro
(m) de comprimento de onda que toma os valores de 0, 1, 2, 3 e assim por diante. Nesse caso a
expressão que representa uma interferência construtiva é dada por:

58
59

P (m = 1)
Grade de
b
2
difração OP

anteparo
L2 +
q

d
θ L O (m = 0)

b
P (m = 1)

θ
d θ L
∆x

Figura 9.1: Técnica de Young para determinação de λ.

mλ = d sen θ m = 0, 1, 2, 3, · · · (9.1)
em que sen θ = OP /hipotenusa = √ OP
2
OP +L2
Quando a largura de cada fenda for da ordem de grandeza dos comprimentos de onda da luz
visível, a luz atravessa o conjunto de fendas e produz em um anteparo distante uma distribuição
de intensidades luminosas relativas, conforme pode ser observado na Figura 9.2.
Se a luz incidente na rede de difração for policromática, tal como a luz branca usada no
experimento, o máximo central (m = 0) terá a mesma cor da luz incidente. Por outro lado, à
direita e à esquerda teremos máximos e mínimos que se sucedem, com m = 1, 2, 3, chamados de
máximos de 1ª, 2ª e 3ª ordem. No laboratório devido às condições de iluminação será possível
observar somente o máximo de 1ª ordem (do 2º máximo pode ser visto apenas uma penumbra),
conforme ilustra a Figura 9.3.
Todavia, caso a luz incidente seja um lâmpada espectral, a parte central é constituída de
luz da mesma cor emitida pela lâmpada, à direita do observador ocorre a separação da luz da
lâmpadas em linhas verticais características. Cada átomo tem uma “impressão digital” própria.
As cores variam do vermelho ao violeta, se houver, constituindo o espectro de 1ª ordem da
lâmpada. À esquerda, o espectro é idêntico ao da direita, porém localizado simetricamente em
relação à parte central.
Dependendo do número de N de fendas por unidade de comprimento da rede, pode-se obser-
var que, tanto à direita quanto à esquerda, há repetição nos espectros, constituindo então ordens
superiores à primeira. Nas Figuras 9.4 e 9.5 são ilustrados os espectros de emissão de uma
lâmpada de sódio e de mercúrio, respectivamente. Isso você poderá observar nessa aula.
60

Figura 9.2: Difração de Fraunhofer de fenda única. Em (a) O padrão consiste de uma franja
central clara, tendo franjas claras e escuras alternadas. Em (b) a fotografia do padrão de difração
de Fraunhofer de fenda única na condição de a ≈ λ.

Figura 9.3: Difração da luz branca ao passar pela grade e projetada no anteparo.

380 400 420 440 460 480 500 520 540 560 580 600 620 640 660 680 700 720

Figura 9.4: Linhas de emissão do sódio.

9.3 Materiais e Métodos


Nesse experimento serão utilizados os seguintes materiais: banco ótico linear, nível, fonte
de luz branca, suportes para lentes, suporte para diafragma, conjunto de diafragmas, disco de
Hartl, uma lente plano convexa de 8D, grade de difração, filtros óticos, laser de He-Ne, pedaços
de tecido sintético e fio de cabelo, régua magnética 350 - 0 - 350 mm.

Procedimento 1
1. Certifique-se com o professor o número de fendas da grade de difração, determine a cons-
tante de rede, dada por d= 1/N, em que N é o número de fendas. Anote o resultado obtido
na Tabela 9.1. Todos os valores de λ deverão ser dados em nanometro (nm), 1 nm = 10−9
m.
61

380 400 420 440 460 480 500 520 540 560 580 600 620 640 660 680 700 720

Figura 9.5: Linhas de emissão do mercúrio.

Grade de b

diafragma lente 8D difração

Fonte de luz branca

Banco ótico

marca 0A 38 mm 205 mm

Figura 9.6: Arranjo experimental do experimento de Young.

2. Coloque os componentes no banco ótico conforme ilustra a Figura 9.6. O Painel com
a régua superposta sobre o disco de Hartl deve estar o mais próxima possível do banco
ótico.

3. Coloque a régua magnética sobre o painel de tal forma que que a mesma fique a 90º do
feixe incidente.

4. Posicione o máximo central, feixe luminoso branco sobre o zero da régua. A imagem que
você vai observar deve ser semelhante a da Figura 9.3. Caso seja necessário movimente
levemente a rede de difração para que o conjunto de faixas coloridas fiquem sobre a régua.

5. Procure deixar a faixa de cores equidistantes. Por exemplo se a faixa a região do vermelho
à esquerda estiver em 280 mm, a da direita também deverá estar em 280 mm.

6. Anote a distância L. Essa distância deve ser mantida até o fim dessa primeira etapa do
experimento.

Tabela 9.1: Dados obtidos experimento de Young.


2 2
Radiação OP L2 OP OP + L2 sen θ λ
(mm) (mm2) (mm2 ) (mm2) nm
Vermelho
Alaranjado
Amarelo
Verde
Azul
Anil
Violeta
d = 1/N = L=
62

7. Identifique as cores observadas. Pode-se usar filtros para verificar o valor médio de cada
cor. Anote na Tabela 9.1 os valores em que se observa as cores mais intensas, ou seja, a
distância OP . Lembre-se que você estará calculando o valor do comprimento médio da
luz.
8. Calcule agora o valor do seno ângulo usando a Equação 9.1.
9. Calcule o comprimento de onda médio de cada tipo de radiação. Use m = 1.

Procedimento 2
Nesse procedimento você fará o processo oposto da primeira parte. Você tem um laser (He-
Ne) que emite luz vermelha. De acordo com o fabricante do laser, o comprimento de onda
varia entre 630 e 670 nm. Adotaremos para os cálculos o valor de 650 nm. Você pode se
certificar com mais precisão usando o método que acabou de utilizar para determinar λ da luz.
Se utilizarmos a grade de difração usada na primeira parte do experimento veremos apenas o
máximo correspondente a luz vermelha, pois se trata de luz monocromática.
Desta forma, como sabemos o comprimento de onda da luz a ser usada no experimento
podemos obter as distâncias OP em que ocorre os máximos no anteparo, e consequentemente
determinar a constante de rede d e N.

1. Todos os dados devem ser anotados na Tabela 9.2.


2. Substitua fonte de luz branca pelo laser de He-Ne.
3. Use o mesmo procedimento para obter L e a distância OP e calcular sen θ.
4. Use a grade de difração A e B fornecidas para determinar d e N
5. Use um fio de cabelo para fazer o mesmo experimento, no caso termos difração por fenda
única.
6. Determine o diâmetro do fio de cabelo.
7. Como demonstração você terá a disposição uma lâmpada de sódio e uma de mercúrio.
Pegue uma grade de difração e use-a para olhar na luz emitida pelas lâmpadas. Verifique
se o espectro é semelhante ao ilustrado na Figuras 9.4 e 9.5.

Tabela 9.2: Determinação da constante de rede e número de fendas.


2 2
Radiação OP L2 OP OP + L2 sen θ d N
(mm) (mm2 ) (mm2) (mm2 ) µm mm−1
Grade A
Grade B
Grade C
Fio de cabelo ======
λ= L=
63

9.4 Discussão dos Resultados


1. Qual é a faixa de comprimentos de onda da luz visível?

2. Faça uma tabela com as cores e seus respectivos comprimentos de onda e compare com
os reportados pela literatura.

3. Qual foi a eficácia do método de Young na determinação do comprimento de onda médio


da luz.

4. Sabendo que de acordo com o fabricante a grade A tem uma malha de 20 fios/mm, a grade
B tem uma malha de 15 fios /mm e a grade C uma malha de 12 fios /mm, qual foi o erro
comparado com o resultado obtido?

5. Qual foi o diâmetro do fio de cabelo (valor obtido para d)? Ele está dentro dos padrões
para o diâmetro do fio de cabelo humano (loiros de 0,017 a 0,051 mm e escuros e 0,064 a
0,1 mm)?

6. Caso a lâmpada usada na parte demonstrativa fosse de um outro tipo gás Xe ou Kr, você
obteria o mesmo espectro? Explique.

7. Como funciona um laser? porque sua luz é monocromática?

8. Como está relacionado o espectro de emissão de um gás com a distribuição de elétrons do


átomo?

9.5 Quais são suas conclusões


Baseado no que você discutiu acima, quais são suas conclusões?

9.6 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 8.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2009. cap 35, v.4.

2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2005. cap. 27, v.4.

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 33, v.2.

4. YOUNG H. D.; FREEDMAN, R. A., Física IV: ótica e física moderna. 12. ed. São
Paulo: Addison Wesley, 2009. cap. 35, v. 1.
Experimento nº 10

Interferometria: o interferômetro de Michelson-Morley

10.1 O que devo saber ao fim desse experimento:


• O que é um interferômetro;
• O experimento de Michelson-Morley;
• Como determinar a velocidade da luz;
• Como determinar o índice de refração usando interferometria.

10.2 Introdução
O senso comum no fim do século XIX era de que as leis de Newton para a mecânica e
gravitação eram suficientes para descrever com precisão o comportamento dos corpos celestes e
terrestres, todavia dois fatos ainda intrigavam os cientista da época. A existência ou não do éter,
tido como um meio material que servia de suporte à propagação das ondas eletromagnéticas –
luz, por exemplo; e a distribuição de energia da luz na radiação do corpo negro.
Em 1881, o físico estadunidense Albert Abraham Michelson (1852-1931) concebeu um ex-
perimento para medir a velocidade da luz, que foi repetido várias vezes e sob várias condições
por Edward Williams Morley (1838-1923).
O experimento foi concebido para determinar a velocidade da terra em relação ao existência
do éter, até então considerado hipotético. Todavia, o experimento não conseguiu provar alguma
mudança no padrão de interferência devido ao éter, e muitos esforços foram feitos para provar
que isso estava errado. Somente em 1905 Einstein explica o porquê de tal resultado através da
teoria especial da relatividade. Em 1907 Michelson ganhou o prêmio Nobel de física.
O experimento de Michelson consistia de um interferômetro de dois feixes de luz, conforme
ilustra a Figura 10.1. Como pode ser observado o feixe de luz da fonte é dividido em dois por um
semi-espelho posicionado a 45º da fonte, cada um dos feixes resultantes percorrem um caminho
diferente. O primeiro feixe ao passar pelo divisor de feixe é direcionado ao espelho M1 , sendo
refletido e passando novamente para o divisor de feixe até atingir o observador.
Da mesma forma parte do feixe é direcionado ao espelho M2 e refletido até o semi-espelho,
que finalmente atinge o observador. Todavia como o espelho M1 é móvel, haverá eventualmente

64
65

M1 Espelho móvel

M1

M M2

Fonte de Luz

Divisor de
feixe

Observador

Figura 10.1: Representação esquemática do Interferômetro de Michelson-Morley.

uma interferência construtiva, ou seja, o observador verá uma franja clara. Essa condição será
satisfeita somente se a diferença do caminho percorrido pelos dois feixes for igual a λ/2. Por-
tanto podemos usar a teoria sobre interferência de ondas para descrever o fenômeno observado.
Portanto utilizaremos esses conceitos para determinar o comprimento de onda da micro-ondas,
bem como da velocidade da luz, usando interferometria.

10.3 Materiais e Métodos


Neste experimento vamos utilizar o conjunto de micro-ondas da marca PASCO que consiste
de: um transmissor de micro-ondas, um receptor de micro-ondas, um goniômetro, duas placas
metálicas que atuarão como espelhos (refletores), uma placa de madeira que atuará como semi-
espelho (refletor parcial), suportes para os refletores, conjunto de réguas para determinar as
posições dos componentes. Utilizaremos também caixas de papelão com alguns materiais no
seu interior como: bolas de vidro, bolas de aço e isopor.
Inicialmente faça a montagem experimental conforme ilustra a Figura 10.3. Mova o espelho
móvel na direção do semi-refletor. Observe o detetor e verifique ocorrem máximos e mínimos.
Posicione o semi-refletor o mais próximo possível do semi-refletor de tal maneira que se obtenha
um valor máximo. Verifique na régua a posição e anote esse valor na Tabela 10.1. Anote pelo
menos 12 posições de mínimos e de máximos.
Coloque agora uma caixa de papelão entre o semi-espelho e o espelho fixo. Coloque o
espelho móvel o mais próximo possível do semi-espelho e encontre a posição onde ocorre um
máximo. Anote essa posição. Preencha a caixa de papelão lentamente com o material desejado
(bolas de vidro, isopor, ferro). Se houver mudança no valor da intensidade ajuste-a para que
se obtenha um valor máximo. Anote o valor da nova posição. Meça a distância que a onda
passa pelo material na caixa. Mude a espessura da caixa e repita o procedimento. É possível
66

Figura 10.2: Arranjo experimental do interferômetro de Michelson-Morley tendo micro-ondas


como fonte de luz

determinar o índice de refração do material usando a frequência de micro-ondas? Lembre-se


que λ = λ0 /n, em que λ é o comprimento de onda, λ0 é o comprimento de onda no vácuo e n é
o índice de refração.

10.4 Análise dos Resultados Obtidos


• Baseado nos dados calculados na Tabela 10.1 faça o gráfico de n versus a posição do
refletor onde ocorre os máximos.

Tabela 10.1: Posição das interferências construtivas obtidas.


n Posição ∆L n Posição ∆L
Refletor (cm) Refletor (cm)
1 - 7
2 8
3 9
4 10
5 11
6 12

• Ache o coeficiente angular da reta, escreva a equação da reta e o coeficiente de correlação.


Calcule o comprimento de onda da micro-onda utilizada no experimento.

• Sabendo que a frequência da micro-onda utilizada é 10,525 GHz, calcule a velocidade da


luz. Esse valor está condizente com o valor da literatura?
67

• Qual o índice de refração dos seguintes materiais: vidro, isopor e ferro baseado nos seus
resultados.

10.5 Discussão dos Resultados


O resultado obtido para o comprimento de onda das micro-ondas está dentro do valor espe-
rado? Qual é a ordem de grandeza dessas ondas?
Como você relaciona as micro-ondas ao aquecimento da água nos fornos de micro-ondas utili-
zados em nossas casas?
Por que existe uma placa com pequenos furos na janela de vidro dos fornos de micro-ondas?
Qual o limite de resolução do interferômetro de Michelson-Morley? Por que um interferômetro
usando luz visível é mais preciso do que esse que usou micro-ondas? explique.
A posição inicial em que se observa o máximo interfere nos resultados?
Qual o índice de refração do vidro, do isopor e do ferro? Esses valores são aceitáveis?

10.6 Quais são suas conclusões?


O que você conclui do experimento? Os resultados foram os esperados?
68

10.7 Bibliografia
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos da Física. 8.ed. Rio de Janeiro: LTC,
2009. cap 35, v.4.

2. SERWAY, R. A.; JR. JEWETT, J. W. Princípios de Física. 1.ed. São Paulo: Thomson,
2005. cap. 27, v.4.

3. TIPLER, A.P.; MOSCA, G. Física. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. cap. 31-33, v.2.

4. YOUNG H. D.; FREEDMAN, R. A., Física IV: ótica e física moderna. 12. ed. São
Paulo: Addison Wesley, 2009. cap. 35, v. 1.

10.8 Atividades
1. Por que seria necessário usar um compensador para melhorar os resultados?

2. Cite mais três tipos de interferômetros e suas principais características.

Você também pode gostar