Você está na página 1de 5

ACIPOL

ACADEMIA DE CIÊNCIAS POLICIAIS

LICENCIATURA EM CIÊNCIAS POLICIAIS

FICHA DE LEITURA

NOME: William Antonio Cochane, Nº 37; Turma ʺEʺ 1ºAno

DOCENTE:

DISCIPLINA: Administracao publica

TEMA: fundamentos conceituais de administracao publica

REFERENCIA
Autor: Prof:MSc. Jose Ricardo Leal Lozano

INFORMACAO SOBRE Possui mestrado em Engenharia de Produção pela


O AUTOR Universidade Federal de Santa Catarina UFSC(2001),Cursou
mestrado em Administração Pública na Fundação Getúlio
Vargas-FGV/RIO(1981), pós-graduação em Administração
Municipal pelo Instituto Brasileiro de Administração
Municipal-IBAM(1979)graduação em Economia -
Universidade Católica de Colombia-UCC (1978), graduação
em Administración Pública y Ciencias Políticas - Escuela
Superior de Administracion Pública-ESAP (1975)
Atualmente é professor adjunto da Pontifícia Universidade
Católica de Goiás-PUG GOIÁS. Diretor da empresa Adm
Consultoria e Projetos e Profissional Autônomo na
Administração de Empresas. Tem experiência na área de
Planejamento empresarial e governamental atuando com
aprofundamento nos itens referentes à gestão financeira e
orçamentária, siistemas de informação, inovação
administrativa e de processos, politicas de gestão e logistica,
resposabilidade social,controle e avaliação de projetos,
pesquisas e estudos empresariais e de agrupamentos
localizacionais tanto regionais como nacionais. Além de
atuar na formulação de estrategias competitivas, projetos e
implantação de empresas e análise organizacional e inovação
tecnológica.

Page 1
Max Weber representa ponto de referência
Estado e sociedade
obrigatório. O Estado moderno, na concepção weberiana,
encerra em sua essência a existência de uma ordem legal,
uma burocracia, uma jurisdição compulsória sobre
determinado territorio
Para Hegel, o Estado ideal, eterno e não histórico,
deveria proporcionar “uma relação justa e ética de harmonia
entre os elementos da sociedade”, posto “acima dos
interesses particulares e das classes”, A corrente concebe o
Estado como instrumento de dominação a serviço da classe
capitalista, atuando como mediador, não acima, mas
envolvido nos conflitos de classes.
O Estado é pessoa jurídica e, portanto, somente pode
operar por meio de pessoas físicas. Estas pessoas constituem
o aparelho burocrático dos órgãos e entidades da
Administração Pública

Territorio base fisica


Elementos do estado Povo componente humano
Governo base condutor do estado

Poderes de estado. Poder legislativo- elabora leis


Poder executivo-conversao da lei em ato individual
Poder judicial- aplicacao coativa da lei

a) a divisão política do território nacional


Organicacao do estado
b) estruturação dos Poderes
c) forma de governo; modo de investidura dos governantes
d) direitos e garantias dos governados
Na legislação complementar e ordinária, dá-se a organização
administrativa das entidades estatais (União, Estados-
membros, Municípios e Distrito Federal, que
possuem autonomia política, administrativa e financeira), de
suas autarquias e entidades paraestatais (Administração

Page 2
Direta e Indireta) instituídas com vistas à execução de
serviços públicos e outras atividades de interesse coletivo.

Organizacao de Organização da Administração compreende a estruturação


adinistracao
legal das entidades2 e órgãos 2 encarregados de executar as
funções por meio dos agentes públicos. Neste campo
coexistem e interagem as teorias e técnicas de administração,
no seu alcance mais amplo, balizadas pelas normas de direito
administrativo.

Governo e
administracao Governo é a atividade exercida pelos representantes do
Poder.
Administração é a atividade funcional concreta do Estado
que satisfaz as necessidades coletivas em forma direta,
contínua e permanente, e com sujeição ao ordenamento
jurídico vigente.

burocracia A burocracia assume, assim, a condição de um “órgão” posto


a serviço da classe dominante, localizada de algum modo
entre os dominantes e os dominados.

Perspectiva de max
weber Segundo a concepção weberiana, a burocracia constitui um
tipo de poder. Representa um sistema onde a divisão do
trabalho é orientada segundo os objetivos visados de forma
essencialmente racional

Disfuncoes da As disfunções apontadas por Merton podem ser sintetizadas


burocracia
como:
a) a internalização das regras e exagerado apego aos
regulamentos;
b) excesso de formalismo;
c) resistência às mudanças;
d) despersonalização dos 4 CHIAVENATO, Idalberto.

Page 3
e) categorização como base do processo decisório
f) superconformidade às rotinas e procedimentos
g) exibição de sinais de autoridade
h) conflitos com o público- cliente (ou usuário)
Constituicao A Constituição é a “Lei Maior” de uma nação, neste caso a
Constituição Federal. No âmbito dos estados da Federação,
as Constituições Estaduais, ao passo que nos municípios
existem as denominadas Leis Orgânicas.Enviastehá alguns
segundos.
Em síntese, a Constituição representa o ‘esqueleto’ do Estado
democrático de direito, dispõe sobre seus princípios
fundamentais de funcionamento, ou seja, descreve o perfil
básico da sociedade que representa.

Para tanto, convém referir o estudo de Keinert (1994), onde


são identificados quatro paradigmas da administração
pública brasileira
Reforma de estado
Os quatro paradigmas mencionados pela autora são: a
Administração Pública como Ciência Jurídica; b) a
Administração Pública como Ciência Administrativa; c) a
Administração Pública como Ciência Política; e d) a
Administração Pública como administração pública

paradigma da Administração Pública como Ciência Jurídica,


que abrangeu o período compreendido entre 1900 e 1929,
Administracao publica evidencia o tratamento da administração pública restrita ao
como ciencia juridica
regramento jurídico, onde a preocupação básica residia na
elaboração de leis e regulamentos

Plano diretor de 2. 1 Três Modelos de Administração Pública: patrimonialista,


reforma do aparelho do burocrático e gerencial
estado
Bibliografia  Angel, Espina Barrio. Manual de Antropologia
cultural. Pernambuco; editora Massangana, 2005.

Page 4
Page 5