Você está na página 1de 15

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

CENTRO TECNOLÓGICO
ENGENHARIA ELÉTRICA

PATRICK MARQUES CIARELLI

EXPERIÊNCIA A1

VITÓRIA
2003
PATRICK MARQUES CIARELLI

EXPERIÊNCIA A1

Relatório apresentado à disciplina de


Laboratório de Física Experimental para
Graduação em Engenharia Elétrica da
Universidade Federal do Espírito Santo.

VITÓRIA
2003
SUMÁRIO

1. Introdução .................................................................................... 4
2. Objetivos da experiência ............................................................. 4
3. Equipamentos utilizados .............................................................. 4
4. Procedimentos ............................................................................. 5
5. Resultado ..................................................................................... 5
6. Análise dos resultados ................................................................. 7
7. Conclusão .................................................................................. 14
8. Referência bibliográfica ............................................................. 15
4

INTRODUÇÃO

Através da realização de uma experiência com três objetos de diferentes


massas pendurados por uma corda em hastes e estando em equilíbrio, verificar
se a soma dos forças que atuam no ponto de equilíbrio é nula, usando para
isso cálculos realizados em cima dos dados colhidos.

OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA

Realizar experiência para verificar que a soma das forças que atuam sobre um
corpo em equilíbrio estático é igual a zero, além de aprender a aferir um
dinamômetro.
A condição na qual ocorre o equilíbrio estático em um corpo é que a força
externa resultante que atua no corpo deve ser zero, e o torque externo
resultante também deve ser zero, ou seja:
Σ Fext = 0 Στ ext =0
Isso é necessário para que se tenha no corpo equilíbrio translacional e
equilíbrio rotacional respectivamente.

EQUIPAMENTOS UTILIZADOS

 3 suportes de ferro;
 2 roldanas;
 barbante;
 pequenos pesos de várias massas;
 dinamômetro;
 transferidor;
 balança.
5

PROCEDIMENTOS

A experiência consiste em equilibrar 3 pesos, de preferência de massas


diferentes, no sistema abaixo.

Depois medir o peso de cada um dos objetos no dinamômetro e os ângulos α


e β no transferidor. Repetir o mesmo procedimento mais duas vezes. Depois
de realizado os procedimentos anteriores é feito a aferição do dinamômetro da
seguinte maneira: escolhendo 6 objetos de massas diferentes e pesando no
dinamômetro em seguida medindo suas massas na balança e, através de
cálculos, descobre-se o fator de correção do dinamômetro.

RESULTADOS

Os seguintes dados foram coletados na experiência:

Leitura do dinamômetro (não corrigida):


F1 (N) F2 (N) F3 (N) α (°) β (°)
1 0,80 0,82 0,83 119,2 122,1
2 1,00 1,31 1,32 109,8 140,2
3 2,51 2,33 2,85 126,8 126,2 6

Incertezas nas forças = ± 0,03 N


Incertezas nos ângulos = ± 0,5 º

Dados para aferição do dinamômetro:


Massa (g) Leitura no
dinamômetro (N)
1 66,60 1,00
2 99,52 1,31
3 149,45 1,85
4 48,89 0,81 Não é necessário
5 198,40 2,35 atribuir incertezas a
6 33,28 0,68 estes dados e aos
cálculos para a aferição
do dinamômetro.
Cálculos para a aferição do dinamômetro:
Cálculo do peso dos corpos a partir das massas medidas na balança (usando
P=m.g):
1⇒ 66,60 . 10-3 . 9,79 = 0,6520140 ⇒ 0,65 N
2⇒ 99,52 . 10-3 . 9,79 = 0,9743008 ⇒ 0,97 N
3⇒ 149,45 . 10-3 . 9,79 = 1,4631155 ⇒ 1,46 N
4⇒ 48,89 . 10-3 . 9,79 = 0,4786331 ⇒ 0,48 N
5⇒ 198,40 . 10-3 . 9,79 = 1,9423360 ⇒ 1,94 N
6⇒ 33,28 . 10-3 . 9,79 = 0,3258112 ⇒ 0,33 N
Calculando a diferença do peso medido do calculado:
1⇒ 1,00 – 0,65 = 0,35 N
2⇒ 1,31 – 0,97 = 0,34 N
3⇒ 1,85 – 1,46 = 0,39 N
4⇒ 0,81 – 0,48 = 0,33 N
5⇒ 2,35 – 1,94 = 0,41 N
6⇒ 0,68 – 0,33 = 0,35 N
Para se obter o fator de correção tira-se a média dos valores anteriores: 7
Fator de correção = (0,35 + 0,34 + 0,39 + 0,33 + 0,41 + 0,35)/6 = 0,36 N
Usando o fator de correção obtém-se a incerteza nas medições do
dinamômetro:
1⇒ 0,35 – 0,36 = 0,01 N
2⇒ 0,34 – 0,36 = 0,02 N
3⇒ 0,39 – 0,36 = 0,03 N
4⇒ 0,33 – 0,36 = 0,03 N
5⇒ 0,41 – 0,36 = 0,05 N
6⇒ 0,35 – 0,36 = 0,01 N
Incerteza = (0,01 + 0,02 + 0,03 + 0,03 + 0,05 + 0,01)/6 = 0,025 ⇒ ± 0,03 N
Usando o fator de correção tem-se:
Leitura do dinamômetro corrigida com o fator de correção:
F1 (N) F2 (N) F3 (N) (α - 90º) (°) (β - 90º) (°)
1 0,44 0,46 0,47 29,2 32,1
2 0,64 0,95 0,96 19,8 50,2
3 2,15 1,97 2,49 36,8 36,2

ANÁLISE DOS RESULTADOS

Será feita a decomposição das forças que atuam no ponto “0” indicado na
figura e será calculada a soma das forças nos eixo x e no eixo y para cada um
dos 3 experimentos e verificar se a somatória das forças é zero.

Cálculo das forças nos eixos x e y para o primeiro experimento:


cálculo no eixo x
cálculo dos cossenos dos ângulos:
cos(α - 90º ± incerteza) = cos(29,2 ± 0,5)
cos(29,7) = 0,8686315 cos(28,7) = 0,8771461
cos(29,2 ± 0,5) = 0,8728888 ± 0,0042573

8
cos(β - 90º ± incerteza) = cos(32,1 ± 0,5) =
cos(32,6) = 0,8424524 cos(31,6) = 0,8517269
cos(32,1 ± 0,5) = 0,8470896 ± 0,0046372
decomposição das forças no eixo x:
F1x = F1cos(α - 90º) = 0,44 . 0,8728888 = 0,384071 N

∆F1x = ( ∆F1x/ F1x + ∆cos(α - 90º)/ cos(α - 90º) ) . F1x


∆F1x = ( 0,03/ 0,44 + 0,0042573/ 0,8728888 ) . 0,384071
∆F1x = 0,073059 . 0,384071 = 0,0280598 N

F1x ± ∆F1x = (0,384071 ± 0,0280598) N ⇒

F1x ± ∆F1x = (0,38 ± 0,03) N

F2x = F2cos(β - 90º) = 0,46 . 0,8470896 = 0,3896612 N

∆F2x = ( ∆F2x/ F2x + ∆cos(β - 90º)/ cos(β - 90º) ) . F2x


∆F2x = ( 0,03/ 0,46 + 0,0046372/ 0,8470896 ) . 0,3896612
∆F2x = 0,0706915 . 0,3896612 = 0,0275457 N

F2x ± ∆F2x = (0,3896612 ± 0,0275457 ) N ⇒

F2x ± ∆F2x = (0,39 ± 0,03) N

Comparando F1x com F2x e considerando as incertezas observa-se que houve


equilíbrio no eixo x.

cálculo no eixo y
cálculo dos senos dos ângulos:
sen(α - 90º ± incerteza) = sen(29,2 ± 0,5)
sen(29,7) = 0,4954586 sen(28,7) = 0,4802235
9
sen(29,2 ± 0,5) = 0,487841 ± 0,0076175

sen(β - 90º ± incerteza) = sen(32,1 ± 0,5) =


sen(32,6) = 0,5387707 sen(31,6) = 0,5239859
sen(32,1 ± 0,5) = 0,5313783 ± 0,0073924
decomposição das forças no eixo y:
F1y = F1sen(α - 90º) = 0,44 . 0,487841 = 0,21465 N

∆F1y = ( ∆F1y/ F1y + ∆sen(α - 90º)/ sen(α - 90º) ) . F1y


∆F1y = ( 0,03/ 0,44 + 0,0076175/ 0,487841 ) . 0,21465
∆F1y = 0,0837965 . 0,21465 = 0,0179869 N

F1y ± ∆F1y = (0,21465 ± 0,0179869) N

F2y = F2sen(β - 90º) = 0,46 . 0,5313783 = 0,244434 N

∆F2y = ( ∆F2y/ F2y + ∆sen(β - 90º)/ sen(β - 90º) ) . F2y


∆F2y = ( 0,03/ 0,46 + 0,0073924/ 0,5313783 ) . 0,244434
∆F2y = 0,079129 . 0,244434 = 0,0193418 N

F2y ± ∆F2y = (0,244434 ± 0,0193418 ) N

Fy = F1y ± ∆F1y + F2y ± ∆F2y = 0,21465 ± 0,0179869 + 0,244434 ± 0,0193418


Fy = (0,459084 ± 0,0373287) N

Fy = (0,46 ± 0,04) N

F3 = (0,47 ± 0,03) N

10
Comparando Fy com F3 e considerando as incertezas observa-se que houve
equilíbrio no eixo y.

Cálculo das forças nos eixos x e y para o segundo experimento:


cálculo no eixo x
cálculo dos cossenos dos ângulos:
cos(α - 90º ± incerteza) = cos(19,8 ± 0,5)
cos(20,3) = 0,9378889 cos(19,3) = 0,9438009
cos(19,8 ± 0,5) = 0,9408449 ± 0,002956
cos(β - 90º ± incerteza) = cos(50,2 ± 0,5) =
cos(50,7) = 0,6333809 cos(49,7) = 0,6467898
cos(50,2 ± 0,5) = 0,6400853 ± 0,0067045
decomposição das forças no eixo x:
F1x = F1cos(α - 90º) = 0,64 . 0,9408449 = 0,6021407 N

∆F1x = ( ∆F1x/ F1x + ∆cos(α - 90º)/ cos(α - 90º) ) . F1x


∆F1x = ( 0,03/ 0,64 + 0,002956/ 0,9408449 ) . 0,6021407
∆F1x = 0,0500168 . 0,6021407 = 0,0301171 N

F1x ± ∆F1x = (0,6021407 ± 0,0301171) N ⇒

F1x ± ∆F1x = (0,60 ± 0,03) N

F2x = F2cos(β - 90º) = 0,95 . 0,6400853 = 0,608081 N

∆F2x = ( ∆F2x/ F2x + ∆cos(β - 90º)/ cos(β - 90º) ) . F2x


∆F2x = ( 0,03/ 0,95 + 0,0067045/ 0,6400853 ) . 0,608081
∆F2x = 0,0420533 . 0,608081 = 0,0255718 N

F2x ± ∆F2x = (0,608081 ± 0,0255718 ) N ⇒ 11

F2x ± ∆F2x = (0,61 ± 0,03) N

Comparando F1x com F2x e considerando as incertezas observa-se que houve


equilíbrio no eixo x.

cálculo no eixo y
cálculo dos senos dos ângulos:
sen(α - 90º ± incerteza) = sen(19,8 ± 0,5)
sen(20,3) = 0,3469357 sen(19,3) = 0,3305144
sen(19,8 ± 0,5) = 0,338725 ± 0,0082106
sen(β - 90º ± incerteza) = sen(50,2 ± 0,5) =
sen(50,7) = 0,7738402 sen(49,7) = 0,7626683
sen(50,2 ± 0,5) = 0,7682543 ± 0,0055859
decomposição das forças no eixo y:
F1y = F1sen(α - 90º) = 0,64 . 0,338725 = 0,216784 N

∆F1y = ( ∆F1y/ F1y + ∆sen(α - 90º)/ sen(α - 90º) ) . F1y


∆F1y = ( 0,03/ 0,64 + 0,0082106/ 0,338725 ) . 0,216784
∆F1y = 0,0711147 . 0,216784 = 0,0154165 N

F1y ± ∆F1y = (0,216784 ± 0,0154165) N

F2y = F2sen(β - 90º) = 0,95 . 0,7682543 = 0,7298415 N

∆F2y = ( ∆F2y/ F2y + ∆sen(β - 90º)/ sen(β - 90º) ) . F2y


∆F2y = ( 0,03/ 0,95 + 0,0055859/ 0,7682543 ) . 0,7298415
∆F2y = 0,0388498 . 0,7298415 = 0,0283541 N

F2y ± ∆F2y = (0,7298415 ± 0,0283541) N 12

Fy = F1y ± ∆F1y + F2y ± ∆F2y = 0,216784 ± 0,0154165 + 0,7298415 ±


0,0283541
Fy = (0,9466255 ± 0,0437706) N

Fy = (0,95 ± 0,04) N

F3 = (0,96 ± 0,03) N
Comparando Fy com F3 e considerando as incertezas observa-se que houve
equilíbrio no eixo y.

Cálculo das forças nos eixos x e y para o terceiro experimento:


cálculo no eixo x
cálculo dos cossenos dos ângulos:
cos(α - 90º ± incerteza) = cos(36,8 ± 0,5)
cos(37,3) = 0,7954735 cos(36,3) = 0,8059283
cos(36,8 ± 0,5) = 0,8007009 ± 0,005227

cos(β - 90º ± incerteza) = cos(36,2 ± 0,5) =


cos(36,7) = 0,8017756 cos(35,7) = 0,8120835
cos(36,2 ± 0,5) = 0,8069296 ± 0,005154
decomposição das forças no eixo x:
F1x = F1cos(α - 90º) = 2,15 . 0,8007009 = 1,7215069 N

∆F1x = ( ∆F1x/ F1x + ∆cos(α - 90º)/ cos(α - 90º) ) . F1x


∆F1x = ( 0,03/ 2,15 + 0,005227/ 0,8007009 ) . 1,7215069
∆F1x = 0,0204815 . 1,7215069 = 0,035259 N

F1x ± ∆F1x = (1,7215069 ± 0,035259) N ⇒ 13

F1x ± ∆F1x = (1,72 ± 0,04) N

F2x = F2cos(β - 90º) = 1,97 . 0,8069296 = 1,5896513 N

∆F2x = ( ∆F2x/ F2x + ∆cos(β - 90º)/ cos(β - 90º) ) . F2x


∆F2x = ( 0,03/ 1,97 + 0,005154/ 0,8069296 ) . 1,5896513
∆F2x = 0,0654871 . 1,5896513 = 0,1041016 N

F2x ± ∆F2x = (1,5896513 ± 0,1041016) N ⇒


F2x ± ∆F2x = (1,6 ± 0,1) N

Comparando F1x com F2x e considerando as incertezas observa-se que houve


equilíbrio no eixo x.

cálculo no eixo y
cálculo dos senos dos ângulos:
sen(α - 90º ± incerteza) = sen(36,8 ± 0,5)
sen(37,3) = 0,6059884 sen(36,3) = 0,5920132
sen(29,2 ± 0,5) = 0,5990008 ± 0,0069876

sen(β - 90º ± incerteza) = sen(36,2 ± 0,5) =


sen(36,7) = 0,5976252 sen(35,7) = 0,5835412
sen(36,2 ± 0,5) = 0,5905832 ± 0,007042
decomposição das forças no eixo y:
F1y = F1sen(α - 90º) = 2,15 . 0,5990008 = 1,2878517 N

∆F1y = ( ∆F1y/ F1y + ∆sen(α - 90º)/ sen(α - 90º) ) . F1y


∆F1y = ( 0,03/ 2,15 + 0,0069876/ 0,5990008 ) . 1,2878517
∆F1y = 0,0256189 . 1,2878517 = 0,0329933 N 14

F1y ± ∆F1y = (1,2878517 ± 0,0329933) N

F2y = F2sen(β - 90º) = 1,97 . 0,5905832 = 1,1634489 N

∆F2y = ( ∆F2y/ F2y + ∆sen(β - 90º)/ sen(β - 90º) ) . F2y


∆F2y = ( 0,03/ 1,97 + 0,007042/ 0,5905832 ) . 1,1634489
∆F2y = 0,0271522 . 1,1634489 = 0,0315901 N

F2y ± ∆F2y = (1,1634489 ± 0,0315901) N


Fy = F1y ± ∆F1y + F2y ± ∆F2y =1,2878517 ± 0,0329933 + 1,1634489 ±
0,0315901
Fy = (2,4513006 ± 0,0645834) N

Fy = (2,45 ± 0,06) N

F3 = (2,49 ± 0,03) N

Comparando Fy com F3 e considerando as incertezas observa-se que houve


equilíbrio no eixo y.

CONCLUSÃO

Nesta experiência foi obtido os seguintes dados:

 1º experimento: Σ Fx = (0,01± 0,06) N Σ Fy = (0,01± 0,07) N

 2º experimento: Σ Fx = (0,01± 0,06) N Σ Fy = (0,01± 0,07) N

 3º experimento: Σ Fx = (0,1± 0,1) N Σ Fy = (0,04± 0,09) N

Com estes resultados foi concluído que houve equilíbrio estático nos 3
experimentos tanto no eixo x como no eixo y, quando vistas as somatórias
15
das forças com as suas devidas tolerâncias.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

⇒ Keller, Frederick J. , Gettys, W. Edward , Skove, Malcolm J. – Física –


volume 1 – Makron Books Ltda. , 1997.