Você está na página 1de 3

Lei Maria da Penha

Decisão STF – Maria da Penha - Exceção à suspensão condicional do processo

Ao julgar o HC 106212 (clique aqui), no qual Cedenir Balbe Bertolini contestava a


pena restritiva de liberdade de 15 dias, convertida em pena alternativa de prestação de
serviços à comunidade, o STF, por unanimidade, declarou a constitucionalidade do art.
41 da lei Maria da Penha (11.340/06 – clique aqui), como segue:

"Art. 41. Aos crimes praticados com violência doméstica e familiar contra a mulher,
independentemente da pena prevista, não se aplica a Lei no 9.099, de 26 de setembro de
1995".

Assim, os agressores enquadrados na lei não podem ter o benefício da suspensão


condicional do processo.

A decisão afasta a aplicação do art. 89 da lei 9.099/95 (clique aqui), que trata de crimes
de menor potencial ofensivo e institui o benefício da suspensão condicional do
processo. Institui o art.:

"Art. 89. Nos crimes em que a pena mínima cominada for igual ou inferior a um ano,
abrangidas ou não por esta Lei, o Ministério Público, ao oferecer a denúncia, poderá
propor a suspensão do processo, por dois a quatro anos, desde que o acusado não esteja
sendo processado ou não tenha sido condenado por outro crime, presentes os demais
requisitos que autorizariam a suspensão condicional da pena (art. 77 do Código Penal).

§ 1º Aceita a proposta pelo acusado e seu defensor, na presença do Juiz, este, recebendo
a denúncia, poderá suspender o processo, submetendo o acusado a período de prova,
sob as seguintes condições:

I - reparação do dano, salvo impossibilidade de fazê-lo;

II - proibição de freqüentar determinados lugares;

III - proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem autorização do Juiz;

IV - comparecimento pessoal e obrigatório a juízo, mensalmente, para informar e


justificar suas atividades.

§ 2º O Juiz poderá especificar outras condições a que fica subordinada a suspensão,


desde que adequadas ao fato e à situação pessoal do acusado.

§ 3º A suspensão será revogada se, no curso do prazo, o beneficiário vier a ser


processado por outro crime ou não efetuar, sem motivo justificado, a reparação do dano.

§ 4º A suspensão poderá ser revogada se o acusado vier a ser processado, no curso do


prazo, por contravenção, ou descumprir qualquer outra condição imposta.

§ 5º Expirado o prazo sem revogação, o Juiz declarará extinta a punibilidade.


§ 6º Não correrá a prescrição durante o prazo de suspensão do processo.

§ 7º Se o acusado não aceitar a proposta prevista neste artigo, o processo prosseguirá em


seus ulteriores termos."

Cedenir Balbe foi punido pela Justiça do MS com base no art. 21 da lei das
Contravenções Penais (3.688/41 - clique aqui), sob a acusação de ter desferido tapas e
empurrões em sua companheira. A defesa de Cedenir apelou ao TJ/MS e ao STJ.

No Superior, a defesa que interpôes o HC alegou que o art. 41 da lei Maria da Penha
seria inconstitucional, uma vez que ofenderia o art. 89 da lei 9.099/95. Dessa forma,
seria possível a suspensão do processo, por dois a quatro anos, nos crimes em que a
pena mínima é de até um ano, desde que o acusado não esteja sendo processado ou não
tenha sido condenado por outro crime.

A Defensoria Pública da União, que atuou em favor de Cedenir, também alegou que,
por se tratar de crime de menor poder ofensivo, a competência do julgamento do
acusado seria do juizado criminal especial e não do juizado especial da mulher.

Votação

Na sessão plenária de ontem, 24, todos os ministros votaram pela denegação do HC,
acompanhando o voto do ministro Marco Aurélio, relator. Para o ministro, o art. 226,
parágrafo 8º da CF/88 (clique aqui), que dispõe que "o Estado assegurará a assistência
à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a
violência no âmbito de suas relações", garante a constitucionalidade do art. 41. O
ministro lembrou a proposta de Ruy Barbosa, que defendia que a regra de igualdade é
tratar desigualmente os desiguais: no caso de violência no lar, a mulher encontra-se em
situação desigual perante o homem.

Quanto à alegação do acusado de que o caso deveria ser julgado pelo juizado criminal
especial diante da baixa ofensividade do delito, Marco Aurélio argumentou contra a
improcedência do pedido. Os ministros assinalaram a gravidade da violência contra a
mulher, porque não se trata apenas de violência física, mas também psíquica e
emocional, com consequências às vezes permanentes.

O ministro Luiz Fux acompanhou o voto do relator afirmando que os juizados especiais
da mulher julgam com maior agilidade e permitem aprofundar as investigações dos
agressores domésticos.

Dias Toffoli recordou a desigualdade histórica que a mulher sofre em relação ao


homem, a ponto de, até 1830, o direito penal brasileiro permitir ao marido matar a
mulher se a encontrasse em situação de adultério. Para o ministro, a evolução do direito
brasileiro encontrou seu ápice na CF/88, ao assegurar a igualdade entre os gêneros.
Toffoli também disse que ações afirmativas ainda são necessárias para a transformação
da lei formal em lei material, defendendo a inserção diária, nos meios de comunicação,
de mensagens afirmativas contra a violência da mulher e o fortalecimento da família.

A ministra Cármen Lúcia foi enfática ao dizer que o "Direito não combate preconceito,
mas sua manifestação", lembrando de sua própria experiência ao dizer que "mesmo
contra nós há preconceito", referindo-se, além dela, à ministra Ellen Gracie e à vice-
procuradora-geral da República, Deborah Duprat. Como exemplo, Cármen Lúcia citou
o espanto de cidadãos quando descobrem que em um carro oficial elas se encontram
como passageiras. "A vergonha e o medo são a maior afronta aos princípios da
dignidade humana, porque nós temos que nos reconstruir cotidianamente em face
disto", concluiu ela.

Para o ministro Ricardo Lewandowski, ao votar o art. 41, o legislador disse claramente
que o crime de violência doméstica contra a mulher é de maior poder ofensivo. O
ministro Joaquim Barbosa lembrou da capacidade da lei Maria da Penha de contribuir
para restituir a liberdade da mulher e por fim ao poder patriarcal do homem em casa.

Gilmar Mendes considerou a lei "legítimo experimento institucional". De acordo com o


ministro, a violência doméstica contra a mulher decorre de uma situação de domínio,
geralmente provocada pela dependência econômica feminina.

O ministro Ayres Britto citou os arts. 3º e 5 º da CF/88, definindo como


"constitucionalismo fraterno" a filosofia de remoção de preconceitos contida na Carta
Magna. Já Ellen Gracie lembrou que a lei Maria da Penha foi editada quando ela
presidia o CNJ e ensejou um impulso ao estabelecimento de juizados especiais da
mulher.

Por fim, o presidente do STF, ministro Cezar Peluso, afirmou que o art. 98 da CF/88,
não definiu o que sejam infrações penais com menor poder ofensivo. Dessa forma, lei
infraconstitucional está autorizada a definir o que seja tal infração.

Assim, por unanimidade, o STF negou o HC de Cedenir Balbe Bertolini.

• Processo Relacionado : HC 106212 - clique aqui.