Você está na página 1de 9

01/06/2021 Disciplina Portal

Teoria Geral da Investigação


e Perícia

Aula 5 - Teoria geral da prova e meios de prova


INTRODUÇÃO

O termo prova vem do latim probatio que significa ensaio, verificação, inspeção, exame, argumento, razão, aprovação
ou confirmação.

Daí vem o verbo provar - probare - significando ensaiar, verificar, examinar, reconhecer por experiência, aprovar, estar
satisfeito com algo, persuadir alguém a alguma coisa ou demonstrar.

Para Adalberto José Q. T. Camargo Aranha, prova, no sentido jurídico, representa os atos e meios usados pelas partes
e reconhecidos pelo juiz como sendo a verdade dos fatos alegados.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.asp?191C757E76=4947263A2349B0F19DC0C67F047D5F605BF999C151DDA5EA2E2EAE6E850734… 1/9
01/06/2021 Disciplina Portal

Paulo Rangel define a prova como o meio instrumental de que se valem os sujeitos processuais (autor, juiz e réu) de
comprovar os fatos da causa, ou seja, os fatos deduzidos pelas partes como fundamento do exercício dos direitos de
ação e de defesa.

Falaremos mais sobre esse assunto, nesta aula.

Bons estudos!

OBJETIVOS

Compreender o regramento da prova no sistema acusatório;

Analisar a interpretação sobre elementos informativos ou evidências e a prova processual;

Identificar as diversas formas de meios de se demonstrar formalmente a verdade na investigação no processo.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.asp?191C757E76=4947263A2349B0F19DC0C67F047D5F605BF999C151DDA5EA2E2EAE6E850734… 2/9
01/06/2021 Disciplina Portal

Ao iniciar esta aula você conheceu o significado do termo prova. No entanto, esse tema traz alguns questionamentos
que necessitam ser respondidos.

Fonte: sumkinn / Shutterstock

Fonte: Andrey_Popov / Shutterstock

Fonte: Prath / Shutterstock

Camargo Aranha vai mais longe e diz que:

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.asp?191C757E76=4947263A2349B0F19DC0C67F047D5F605BF999C151DDA5EA2E2EAE6E850734… 3/9
01/06/2021 Disciplina Portal

Fonte: vicvic13 / Shutterstock

Atenção
,
Desse modo, desde que os meios de prova não sejam indignos, imorais, ilícitos ou ilegais, respeitando a ética e o valor da pessoa
humana, poderão ser admitidos no processo, mesmo que não sejam legalmente relacionados no Código de Processo Penal.

Fonte: NEstudio / Shutterstock

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.asp?191C757E76=4947263A2349B0F19DC0C67F047D5F605BF999C151DDA5EA2E2EAE6E850734… 4/9
01/06/2021 Disciplina Portal

Fonte: Evlakhov Valeriy / Shutterstock

Fonte: Lisa S. / Shutterstock

Fonte:

A pessoa física é o sujeito ativo da prova e o juiz, o seu receptor.

Saiba Mais
,
No entanto, quanto à titularidade, não se pode dizer que a prova é de uma ou de outra parte, ou seja, não existem provas da
acusação e da defesa, mas sim, provas do processo, do juízo, conforme se verá no estudo do princípio da comunhão da prova.

PRINCÍPIOS APLICÁVEIS ÀS PROVAS


Veja, a seguir, os princípios que são aplicáveis às provas.

Autorresponsabilidade das partes

Cada parte deverá suportar ou assumir as consequências de sua inatividade, erros e


negligência, pois a demonstração do fato caberá a quem interessar.

Aquisição ou comunhão da prova

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.asp?191C757E76=4947263A2349B0F19DC0C67F047D5F605BF999C151DDA5EA2E2EAE6E850734… 5/9
01/06/2021 Disciplina Portal

Toda prova produzida servirá a ambas as partes e ao juiz, já que é colhida no interesse da
justiça e da busca da verdade.

O ônus de produzir a prova pertence a cada parte que tenha interesse, mas, uma vez
produzida a prova, existirá sua comunhão.

Veja um exemplo de julgado sobre o tema:

“Exame grafotécnico e recusa do investigado

Informativo STF 639 de setembro de 2011

A 2ª Turma denegou habeas corpus em que se sustentava a nulidade de sentença


condenatória por crime de falso, sob a alegação de estar fundamentada em prova ilícita,
consubstanciada em exame grafotécnico a que o paciente se negara realizar. Explicitou-se
que o material a partir do qual fora efetuada a análise grafotécnica consistira em petição
para a extração de cópias, manuscrita e formulada espontaneamente pelo próprio paciente
nos autos da respectiva ação penal. Consignou-se inexistir ofensa ao princípio da proibição
da auto-incriminação, bem assim qualquer ilicitude no exame grafotécnico. Salientou-se que,
conforme disposto no art. 174, II e III, do CPP, para a comparação de escritos, poderiam
servir quaisquer documentos judicialmente reconhecidos como emanados do punho do
investigado ou sobre cuja autenticidade não houvesse dúvida. Em seguida, aduziu-se que a
autoridade poderia requisitar arquivos ou estabelecimentos públicos do investigado, a quem
se atribuíra a letra. Assentou-se que o fato de ele se recusar a fornecer o material não
afastaria a possibilidade de se obter documentos. Ademais, mesmo que se entendesse pela
ilicitude do exame grafotécnico, essa prova, por si só, não teria o condão de macular o
processo. Por fim, em relação à dosimetria, assinalou que o STF já tivera a oportunidade de
afirmar entendimento no sentido de que, uma vez reconhecida a continuidade delitiva, a
exasperação da pena, a teor do que determina o art. 71 do CP, ocorreria com base no
número de infrações cometidas. HC 99245/RJ, rel. Min. Gilmar Mendes, 6.9.2011. (HC-
99245)”

Audiência Contraditória

Toda prova admitirá uma contraprova. A audiência, portanto, é bilateral sob pena de
nulidade, por força do princípio da bilateralidade da audiência.

Oralidade

Com as reformas do Processo Penal, tanto no procedimento comum, quanto no Tribunal do


Júri, predomina a oralidade, pois o juiz deve formar sua convicção pela observação viva e
dinâmica dos fatos, situação que somente o processo oral permite.

Concentração

Deflui do princípio da oralidade que obriga a uma maior concentração das provas em
audiência, com celeridade na sua coleta. Não obstante, é possível abrir exceções quando for
imprescindível fracionar a audiência.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.asp?191C757E76=4947263A2349B0F19DC0C67F047D5F605BF999C151DDA5EA2E2EAE6E850734… 6/9
01/06/2021 Disciplina Portal

Publicidade

A regra é que a produção da prova, assim como qualquer ato judicial, seja pública, somente
podendo ser restringida a publicidade em casos expressamente previstos em lei.

Livre Convencimento Motivado

As provas não são previamente valoradas. Não vigora em nosso processo penal o critério da
prova tarifária em que cada prova tem um valor previamente fixado em lei, pois o julgador
tem liberdade de valorar as provas de acordo com sua consciência e convencimento, desde
que motivadamente e não extrapolando o que consta do processo.

Além do princípio do livre convencimento motivado ou persuasão racional - adotado no


Brasil - e, ainda, resquícios da prova tarifada, existe, ainda, o sistema da íntima convicção no
qual o juiz tem total e irrestrita liberdade para coligir e apreciar as provas, sem qualquer
necessidade de fundamentar suas decisões. Esse sistema é adotado no Brasil somente no
Tribunal do Júri.

ÔNUS DA PROVA E PRODUÇÃO PROBATÓRIA PELO JUIZ


Primeiramente se faz necessário distinguir entre ônus (encargos) e dever jurídico. Veja:

Também chamado de encargo, é uma faculdade que o sujeito processual pode suportar consigo mesmo, ou seja, por
conta e risco, pois se não praticar o ato na qual a lei processual imputa um ônus, em especial, a prova, correrá o risco
de não obter a vantagem pretendida no processo. Portanto, não se trata de mera faculdade, pois, nesta nada é exigido.
O ônus é uma faculdade na qual o sujeito do processo suporta uma desvantagem que pode-lhe acarretar prejuízo, no
entanto, não poderia alegar nulidade pois o disposto no art. 565 do Código de Processo Penal, incide o princípio do
nemo turpitudinem suam allegare potest, na qual ninguém pode se beneficiar de sua própria torpeza.

No dever jurídico há sempre uma sanção prevista para o seu descumprimento, situação que não ocorre quando se está
diante de um simples ônus processual.

No Processo Penal Brasileiro, a regra é a de que quem alega um fato tem o ônus (ou encargo) de prová-lo, sob pena de
não obter a pretendida vantagem. É o que se extrai da leitura do artigo 156 do CPP.

De acordo com o dispositivo supramencionado, o ônus da prova é, em regra, da acusação, que apresenta a imputação
em juízo através da denúncia ou queixa-crime. Entretanto, o réu pode chamar a si o interesse de produzir prova quando
alega em seu benefício algum fato que propicie a exclusão da ilicitude ou da culpabilidade.

O Autor deve fazer prova da ocorrência do fato e de sua autoria, o que inclui o elemento subjetivo (dolo ou culpa),
embora parte da doutrina entenda que o dolo é presumido (entendimento minoritário). Por outro lado, o réu deve fazer
prova da inexistência do fato ou da existência de excludentes de ilicitude, culpabilidade ou punibilidade, bem como, de
qualquer circunstância que lhe traga algum benefício.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.asp?191C757E76=4947263A2349B0F19DC0C67F047D5F605BF999C151DDA5EA2E2EAE6E850734… 7/9
01/06/2021 Disciplina Portal

Fonte:

Cabe à defesa, na verdade, fazer prova dos fatos impeditivos (exclusão do dolo ou da culpabilidade), modificativos
(excludentes de ilicitude) e extintivos (extinção da punibilidade).

No entanto, não se pode esquecer que, no processo penal, em virtude do princípio da presunção de inocência, o ônus
da defesa não deve ser analisado de forma tão rigorosa, pois, o descumprimento do ônus de provar fato impeditivo,
modificativo ou extintivo por parte do réu não acarretará, necessariamente, a procedência do pedido acusatório em
razão do princípio do in dubio pro reo.

O Código de Processo Penal permite que, havendo dúvida que não tenha sido dirimida pela produção probatória das
partes, possa o juiz determinar diligências ou a produção de provas de ofício.

É preciso frisar, entretanto, que o juiz somente deve determinar a produção de provas de ofício quando se tratar de
ação penal pública, pois, na ação penal de iniciativa privada vigora o princípio da disponibilidade.

Atenção
,
Entretanto, como no Brasil o sistema processual é acusatório, o juiz só deve agir na busca de provas de forma supletiva e,
quando isso for necessário, a ação do juiz pode ocorrer mesmo antes de iniciada a ação penal (art. 156, incisos I e II, do CPP).
Por fim, existem alguns autores que entendem que a inovação do art. 156, inciso I, do CPP, trazida pela Lei 11.690/08
(glossário), ofende o princípio acusatório e, portanto, o dispositivo deve ter interpretação conforme a Constituição no
sentido de somente ser admissível ao juiz determinar a produção de provas na fase investigatória quando houver
pedido de uma das partes.

ATIVIDADE
Chegou a hora de testar os seus conhecimentos! Responda à questão, abaixo:

As provas produzidas na investigação criminal servem para a condenação do autor do fato?

Resposta Correta

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.asp?191C757E76=4947263A2349B0F19DC0C67F047D5F605BF999C151DDA5EA2E2EAE6E850734… 8/9
01/06/2021 Disciplina Portal

Glossário

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.asp?191C757E76=4947263A2349B0F19DC0C67F047D5F605BF999C151DDA5EA2E2EAE6E850734… 9/9

Você também pode gostar