Você está na página 1de 4

AQUECIMENTO GLOBAL

Cientistas alertam que o aquecimento global trará graves


consequências, com impactos ambientais e sociais. Atualmente, a
meta é manter o aumento das temperaturas em até 1,5°C para
diminuir esses efeitos, mas as pesquisas apontam que estamos
cada vez mais distantes desse objetivo. Os pesquisadores já
apontam que o aumento da temperatura pode chegar a até 3,2°C
até 2030.

Ainda não há projeções claras sobre o que a elevação de mais de


3ºC poderia causar no planeta. Abaixo, veja alguns dos cenários
para o caso de a alta ser contida em 1,5ºC ou ultrapassar 2°C.
Aumento dos níveis do mar, ondas de calor e desertificação são
algumas das consequências previstas pelos cientistas nesses
cenários.

Sete consequências do aquecimento global, segundo a


ONU:
1. Com o aquecimento a 2ºC, o mar do Ártico sofrerá degelo durante o verão a
cada 10 anos. Essa frequência diminui para 100 anos com o aquecimento de 1,5ºC
2. Até o final do século, o aumento do nível do mar deve ser 0,1 metro menor
no cenário a 1,5ºC do que a 2ºC. O intervalo projetado para 1,5ºC é de 0,26 a 0,77
metro
3. No melhor cenário, até 10,4 milhões de pessoas a menos serão impactadas
pelo aumento do nível do mar até 2100.
4. Em regiões continentais, ondas de calor podem ser de duas a três vezes
maiores no cenário acima de 2ºC do que naquele de 1,5ºC.
5. O número de espécies de animais e plantas que podem desaparecer é muito
maior na projeção para 2ºC do que naquela de 1,5ºC.
6. Os ciclones tropicais devem ocorrer em menor frequência, mas deve ser maior
o número de ciclones com intensidade muito forte, fator acentuado no cenário de
2ºC, em relação a 1,5ºC.
7. O aquecimento global a 2ºC deve aumentar a probabilidade de ocorrência de
secas extremas, assim como falta de chuvas e riscos associados à falta de água

Aquecimento projetado por cientistas


De acordo com um relatório publicado em outubro de 2018 pelo Painel
Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), agência ligada à ONU,
o aquecimento global causado pela ação humana já pode ser observado em
diversos fatores que incluem mudanças de temperaturas tanto nas superfícies
terrestres quanto nos oceanos.
Também há evidências de que o aquecimento global tenha alterado a
frequência e a duração das ondas de calor marinhas e o volume de chuvas, em
escala global, além da acentuação das secas na região mediterrânea.
O cenário com aumento de 1,5ºC já prevê uma série de mudanças e levanta
questionamentos entre os cientistas sobre a possibilidade de estabilizar ou
reverter o a elevação das temperaturas.
O cenário com um aquecimento de 2ºC ou mais é ainda mais preocupante.

A expectativa do IPCC é de que o aumento das temperaturas nos oceanos seja


maior num cenário de 2ºC do que naquele de 1,5ºC. “A probabilidade de que haja
mar sem gelo no Oceano Ártico durante o verão é substancialmente maior a
2ºC, em comparação com o aquecimento global de 1,5ºC”, diz o relatório.
 1,5ºC: Com uma variação menor na temperatura, o mar do ártico deve ficar sem
gelo a cada 100 anos. A diferença no nível do mar global para o fim do século 21
projetado para 1,5ºC é de 0,26 a 0,77 metro (em relação aos níveis de 1986 a 2005). Se
o aumento do nível do mar for menor, até 10,4 milhões de pessoas a menos serão
impactadas até 2100. Ainda que se mantenha a meta reduzida de temperatura, os
impactos já são observados nos habitats marinhos, como é o caso dos recifes de coral,
cientistas projetam que 90% das espécies estão condenadas.
 Acima de 2ºC: Com este aquecimento, o mar do Ártico deve perder suas
geleiras a cada 10 anos no verão. O aumento nos níveis do mar devem ser 0,1 metro
maior que os previstos no cenário a 1,5ºC. Há grandes chances de o nível do mar
continuar subindo depois do ano 2100, segundo o IPCC. Há evidências de que a
acidificação da água nos oceanos seria maior, impactando duramente os organismos e
ecossistemas marinhos – além de setores econômicos como a pesca e a aquicultura.
MUDANÇAS CLIMÁTICAS

As mudanças climáticas são alterações no estado do clima da Terra


que persistem por um longo período de tempo. Esse fenômeno, que foi
observado em toda a história da Terra, pode ter origem natural
ou antrópica. Atualmente essas mudanças têm ocorrido de forma intensa
em razão da ação do homem.

Uma das principais causas das mudanças climáticas é o aumento dos


gases de efeito estufa na atmosfera. A superfície da Terra recebe
constantemente radiação solar. Essa radiação é refletida de volta ao
espaço pela superfície da Terra e outros componentes da atmosfera.
Os gases de efeito estufa absorvem parte dessa radiação que seria
irradiada de volta ao espaço, mantendo, assim, o planeta aquecido. Esse
efeito é conhecido como efeito estufa e é um processo natural. São gases
de efeito estufa: vapor d´água, dióxido de carbono (CO2), metano (CH4),
óxido nitroso (N2O), entre outros.
O efeito estufa é um processo natural, no entanto, o aumento de
gases de efeito estufa na atmosfera, por causa da ação antrópica, tem
acentuado esse fenômeno e causado o aumento da temperatura média
do planeta, o que chamamos de aquecimento global. Embora muitos
gases estejam relacionados ao aquecimento global, o CO2 tem um papel de
destaque, em virtude da grande quantidade de emissão desse gás pelas
ações antrópicas.
A quantidade de CO2 na atmosfera aumentou mais de 32% desde
a Revolução Industrial. Esse aumento de CO2 na atmosfera está
relacionado, principalmente, com a queima de combustíveis fósseis, além
das queimadas de florestas e atividades industriais.
A Terra passa por variações climáticas naturais. Nos últimos 400 mil
anos, por exemplo, ela passou por quatro ciclos distintos, glaciais e
interglaciais. A última glaciação ocorreu há cerca de 20 mil anos, e a
Terra demorou cerca de 10 mil anos para se aquecer novamente e entrar
na fase interglacial.
No entanto, tem-se observado nas últimas décadas que o aumento na
temperatura média do planeta tem ocorrido cerca de 50 vezes mais
rápido do que no ciclo natural. De acordo com modelos do IPCC, em
2100, o planeta deverá ter um aumento na sua temperatura entre 2º C e
4,2º C acima da temperatura do período pré-industrial.
Acesse também: Poluição atmosférica: conheça as causas e consequências
dessa ação

As mudanças climáticas pelas quais o planeta vem passando, por


causa das ações antrópicas, podem gerar diversos impactos, que
deverão ser mais graves em países com menor capacidade para se
adaptar às mudanças que ocorrerão. São consequências:
 Aquecimento global;

 Perda de cobertura de gelo nos polos;

 Subida do nível médio das águas do mar;

 Aumento da frequência de fenômenos climáticos extremos, como secas e


chuvas;

 Alterações na disponibilidade de recursos hídricos;

 Desertificação;

 Alterações nos ecossistemas e perda de biodiversidade;

 Risco de insegurança alimentar e do colapso dos sistemas alimentares;

 Impactos na saúde e bem-estar da população humana.

Você também pode gostar