Você está na página 1de 2

Educação à luz de Durkheim: Um enquadramento no contexto angolano.

Por: JS Marques, 2021

Émile Durkheim, fundador da escola francesa de sociologia, posterior a Marx combinou


a pesquisa empírica com a teoria sociológica. É reconhecido amplamente como um dos
melhores teóricos do conceito da coesão social. Uma das suas principais influências foi
a de Émile Masqueray.

Nasceu em Épinal, no departamento francês dos Vosges, em 15 de abril de 1858.


Formado em filosofia, estudou também ciências sociais, sendo influenciado pelas idéias
iluministas

O sociólogo Émile Durkheim define à Educação como 'acção exercida pela geração
adulta sobre a geração mais jovem, que ainda não estão preparadas para à vida em
sociedade'.

A partir do conceito de Durkheim sobre a Educação, percebemos que ela desempenha


um papel crucial para a manutenção da ordem social, pois, ela oferece a solidariedade
necessária para a manutenção da ordem social.

O problema da sociedade angolana está centrada nesta questão, mas a definição


apresentada pelo autor apresenta uma certa ambiguidade se coloca- mo- lá no contexto
angolano.

Ao olharmos para Angola, percebemos que a definição de Durkheim sobre à educação,


mostra uma certa insuficiência e incongruência, se nos atermos ao facto de quê não é
apenas a geração mais nova que precisa de educação, a mais velha também.

Porque não entendermos a educação, como a aplicação dos métodos próprios para
assegurar a formação e o desenvolvimento físico, intelectual e moral de um ser
humano?

Não seria mais abrangente?

O presente texto, surge de constantes observações que temos feito na sociedade


angolana, e o mesmo parte de uma dedução lógica dos acontecimentos que enfermam
esta sociedade.

Olhemos para alguns factos que levaram- nos a tal conclusão:

a) Os mais velhos, na maior parte das vezes pais de famílias, deixaram para as
escolas a responsabilidades da educação de seus filhos.

b) Os adultos tornaram- se imorais, prática como a pedofilia é apenas uma das


atrocidades numa vasta lista.

c) Fuga à paternidade, outro dilema que nossa sociedade enfrenta. Vão para os
lares de acolhimentos, vão para as vilas de Cacuaco e Viana, e não será
necessário nenhum estudo científico para percebermos que esta sociedade está
doente, aqueles que deveriam nos preparar para a vida adulta, são os que mais
pecam neste quesito.

d) Olhemos para a marimbodagem e o lussatismo (termos usados para descrever a


delapidação do erário por parte daqueles que deveriam garantir- nos melhores
condições sociais).

A par dos factos acima apresentados, ainda existem outros, que ao nosso ver, merecem
uma certa atenção e à educação destes mais velhos, pensamos nós, que seria uma via
para de algum modo comaltarmos esta falta de referências sociais (sem exagero).

Voltemos à definição de Durkheim sobre à educação, como é que a acção exercida pela
geração adulta sobre a geração mais jovem, terá frutos se estes têm falhado com seus
deveres e obrigações?

Ninguém dá o que não tem, ninguém recebe o que não foi lhe dado, portanto, os mais
velhos precisam ser referências e exemplos para os mais novos, se assim não for, a
manutenção da ordem social estará sempre em risco.

Pensemos na educação como uma acção permanente, independentemente da idade.