Você está na página 1de 15

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO GOIANA BEACH LIFE

CAPÍTULO I – DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO

Artigo 1º - Sob a denominação social de ASSOCIAÇÃO GOIANA BEACH LIFE, fica


constituída uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, doravante designada
simplesmente ASSOCIAÇÃO, possuindo personalidade jurídica e patrimônio próprio
distinto de seus associados, cujas atividades regular-se-ão pelo presente estatuto e prela
legislação que lhe for aplicável.
Artigo 2º - A sede provisória da associação será no ENDEREÇO XXXXX Recife-
Pernambuco. A sede definitiva será no Loteamento Goiana Beach Life localizado em
XXXXXXX quando o loteamento estiver totalmente pronto.
Parágrafo Único: A ASSOCIAÇÃO terá atuação no trecho abrangido pelos lotes
residenciais do Loteamento Goiana Beach Life, de nome fantasia GOIANA BEACH
LIFE, incluindo equipamento e ruas adjacentes à tal área geográfica, áreas comuns, de
lazer, especial e demais áreas sob responsabilidade da ASSOCIAÇÂO, assim destinada,
e integrante do mesmo Loteamento, aprovado pela Prefeitura Municipal de Goiana.
Artigo 3º - A ASSOCIAÇÂO terá como finalidades, dentro da sua área de atuação: a)
representar judicial e extrajudicialmente em todas as matérias jurídicas pertinentes aos
interesses e direitos dos associados relacionados ao loteamento, inclusive em face da
incorporadora ou vendedora; b) zelar pela obediência às normas constantes no
Regulamento das Restrições de Construção do Goiana Beach Life, Regulamento de Uso
das Áreas Verdes e Comuns; c) manter a limpeza dos lotes, cujas construções não
tenham sido iniciadas, conservar o muro, o gradil ou o alambrado de fechamento do
loteamento, ficando certo que, quando construído dentro dos lotes, a conservação do
referido muro, do alambrado ou do gradil, nesta mesma circunstância, consistirá na
reconstrução ou recuperação, na hipótese dos danos não terem sido ocasionados por
culpa do respectivo adquirente; d) naquilo que couber, diligenciar com os poderes
públicos, competentes a regular a prestação dos serviços públicos, inclusive para
conservação, manutenção, reparação e melhoria do sistema viário e do sistema de áreas
verdes e institucionais da área situada na zona de atuação da ASSOCIAÇÃO, assim
como, subsidiariamente, ou através de convênio com os mesmos poderes, auxiliar ou
prover a prestação de tais serviços; e) fiscalizar a observância das restrições urbanísticas
atinentes aos lotes existentes no Goiana Beach Life, tanto daquelas referentes ao uso
do solo, como daquelas referentes ao direito de construir e utilizar, restrições urbanísticas
estas constantes do REGULAMENTO DO LOTEAMENTO; f) fiscalizar a observância das
normas de tráfego e, para tal observância, adotar as normas convenientes para a
comunidade do Goiana Beach Life; g) cuidar que os titulares de lotes ou edificações
acrescidas mantenham a conservação dos respectivos lotes ou edificações; h) promover
o desenvolvimento comunitário do Goiana Beach Life, visando as integração e a melhoria
da qualidade de vida da comunidade; i) aprovar os projetos apresentados pelos
proprietários ou titulares de direito sobre os imóveis localizados no Goiana Beach Life; j)
promover o convívio e o bom entendimento entre os frequentadores e os proprietários
de lotes do Goiana Beach Life; l) promover e patrocinar atividades de caráter social e
cultural; m) manter e incrementar à vegetação existente, inclusive às matas adjacentes
ao loteamento; n) promover a manutenção das servidões de passagem existentes ou
que venham a ser instituídas em sua área de atuação; o) zelar pela Área de Lazer,
destinando-a à prática de esportes e à realização de atividades sociais, culturais
recreativas e cívicas; p) promover a manutenção ambiental das áreas verdes.
Parágrafo Primeiro – Os serviços serão feitos sem fins lucrativos e a ASSOCIAÇÃO
poderá contratar terceiros para fazê-lo.
Paragrafo. Segundo – É defeso o uso de verbas da ASSOCIAÇÃO para fins estranhos
as suas finalidades.
Parágrafo Terceiro – A ASSOCIAÇÃO poderá firmar convênios com a Prefeitura
Municipal local, objetivando a manutenção de áreas verdes situadas dentro do perímetro
ou nas adjacências do loteamento.
Artigo 4º - O prazo de duração da ASSOCIAÇÃO é indeterminado, iniciando-se suas
atividades na data de assinatura de seus atos constitutivos.

CAPÍTULO II – QUADRO SOCIAL

Artigo 5º - O quadro social será constituído pelos associados fundadores, subscritores


da Assembleia Geral de constituição e fundação da ASSOCIAÇÃO GOIANA BEACH
LIFE, pelos associados Titulares, cujos nomes, qualificações e residências se encontram
discriminados na Lista Nominativa de Associados, que são todos os promitentes
compradores, proprietários, cessionários, promitentes cessionários de direitos sobre
imóveis do Goiana Beach Life, futuros adquirentes, no mesmo local, de lotes do
loteamento, ou sucessores dos mesmos adquirentes e/ou titulares.
Parágrafo Primeiro – Os associados titulares ingressarão no quadro social mediante a
simples aquisição, promessa de aquisição e/ou titularidade de imóvel no Goiana Beach
Life.
Parágrafo Segundo – Perderá essa qualidade o associado Titular que alienar a
titularidade de seu lote ou os direitos aquisitivos respectivos.
Parágrafo Terceiro – Na composição do Quadro Social, os promitentes compradores
de imóveis no loteamento preterem os titulares de domínio nos direitos de associados,
da mesma forma que os cessionários e/ou promitentes cessionários preterem os
cedentes e/ou promitentes cedentes.
Parágrafo Quarto – Para fins de representação junto à ASSOCIAÇÃO, dos associados
titulares que sejam co-titulares de lotes, dos associados pessoa jurídica e dos associados
casados em comunhão de bens com separação parcial, no caso de a aquisição ter sido
posterior ao matrimônio, fica estabelecido que indiquem, por escrito, aqueles que
representarão perante a ASSOCIAÇÃO e que poderá, por conseguinte, ser eleito para
ocupar cargos eletivos.
Parágrafo Quinto – A condição de associado fundador, bem como as prerrogativas a
eles atribuídas, serão automaticamente transferidas aos sucessores associados
titulares, nas hipóteses de conferências de bens, cisão, incorporação, fusão ou redução
de capital de pessoa jurídica ou sucessão hereditária.
Parágrafo Sexto – A obrigatoriedade de contribuição com a taxa associativa passa a
existir já a partir da condição de associado fundador.

CAPÍTULO III – DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS

Artigo 6º - Aos associados em geral, desde que quites com suas obrigações junto à
associação, são assegurados os direitos de: a) frequentar a sede social e demais
dependências, gozando de todas as regalias conferidas pela ASSOCIAÇÃO e pelos
Estatutos Sociais; b) usufruir dos benefícios e vantagens prestadas pela ASSOCIAÇÃO
e utilizar-se das funções assumidas por esta; c) participar das comissões permanentes
ou temporárias, observando o disposto no presente Estatuto Social quanto à
representatividade; d) sugerir à Diretoria Executiva e ao Conselho Deliberativo da
Associação providências úteis aos interesses sociais; e) participar das Assembleias
Gerais, podendo votar e ser votado.
Parágrafo Primeiro – No caso de pessoas jurídicas, os direitos de associados serão
exercidos por seu representante legal ou procurador e no caso de pessoas físicas, os
direitos são pessoais e serão exercidos por si ou por procurador.
Parágrafo Segundo – Os associados fundadores poderão votar e serem votados,
através do Goiana Beach Life, tendo direitos a tanto votos quantos forem os lotes que
detenha, ainda não transmitidos a terceiros, ou que, prometidos, sejam objeto de
rescisão. Para os fins aqui previstos, computam-se como votos atribuíveis aos
associados fundadores aqueles correspondentes aos lotes e respectivas áreas
construídas.
Artigo 7º - São deveres dos associados em geral: a) cumprir fielmente os Estatutos
Sociais, Regulamento das Restrições pertinentes ao Goiana Beach Life e Regulamento
de Uso das Áreas Especiais e Comuns; b) acatar e cumprir as deliberações das
Assembleias Gerais e do Conselho Deliberativo; c) pagar à ASSOCIAÇÃO, nos prazos
fixados, os preços estabelecidos pelas suas atividades; d) pagar uma taxa de
manutenção e valores suplementares, fixados pela Assembleia Geral; e) colaborar no
sentido de ser preservado o patrimônio econômico e moral da ASSOCIAÇÃO; f) dar
integral desempenho às obrigações que lhes forem atribuídas pela Diretoria Executiva,
quando nomeados para integrar Comissões de Trabalho para a ASSOCIAÇÃO.
Parágrafo Primeiro – No caso de não pagamento dos valores devidos nos seus
vencimentos, haverá acréscimo de correção monetária diária, que será integral no dia de
divulgação do índice adotado e proporcional a cada dia até a nova divulgação, quando
será integral, e assim sucessivamente, juros de 0,034% ao dia, limitados a 1% (um por
cento) ao mês e a multa de 2% (dois por cento). O Conselho Deliberativo poderá
regulamentar as formas de aplicação, diminuição ou anistia aos acréscimos. Salvo
deliberação em contrário do Conselho Deliberativo, será aplicado o IGP-M (Índice Geral
de Preços ao Mercado), publicado pelo IBGE, como indexador para cálculo da correção
monetária.

CAPÍTULO IV – DA ASSEMBLEIA GERAL

Artigo 8º - A Assembleia Geral é o órgão soberano da ASSOCIAÇÃO, sendo constituída


por todos os associados, no gozo de seus direitos civis e sociais, e quites com suas
obrigações estatutárias e/ou regulamentares.
Artigo 9º - Compete privativamente à Assembleia Geral: I – eleger os administradores;
II – destituir os administradores; III – aprovar as contas; IV – alterar o estatuto social.
Parágrafo Único – A eleição dos administradores será feita bienalmente, através de
Assembleia Geral Eleitoral, sempre no último bimestre do respectivo ano. Os
administradores tomarão posse no primeiro bimestre do ano subsequente ao que forem
eleitos, e continuarão em seus cargos até a data da posse da nova administração.
Artigo 10 - A assembleia Geral realizar-se-á ordinariamente uma vez por ano; e
extraordinariamente, sempre que convocada; convoca-se, instala-se e delibera de
acordo com a lei e com as normas do estatuto.
Parágrafo Primeiro – As Assembleias Gerais serão convocadas pelo Presidente do
Conselho Deliberativo ou seu substituto, mediante edital que mencionará dia, hora e local
da sua realização, bem como, expressa e claramente, a Ordem do Dia a ser debatida.
Parágrafo Segundo – A Assembleia Geral poderá ser convocada pelo Diretor
Presidente da Associação, caso o Presidente do Conselho Deliberativo da Associação
não a convoque, se o primeiro solicitar ao último, no prazo de 5 (cinco) dias a contar do
recebimento do respectivo requerimento.
Parágrafo Terceiro – A Assembleia Geral poderá, ainda, ser convocada pelos senhores
associados, através de requerimento dirigido ao Presidente do Conselho Deliberativo ou
ao Diretor Presidente, desde que contenha assinaturas de, pelo menos 70% (setenta por
cento) dos associados.
Parágrafo Quarto – A Assembleia Geral será instalada pelo Presidente do Conselho
Deliberativo ou seu substituto legal, ou, na ausência deste, ou qualquer Diretor e será
presidida naquele ato pelo Presidente escolhido pelos associados presentes, por
votação ou aclamação.
Parágrafo Quinto – O Presidente eleito convidará, a seguir, um Secretário e, se for o
caso, tantos outros quanto necessários, para fiscais escrutinadores.
Artigo 11º - As deliberações das Assembleias Gerais obrigam os associados, inclusive
os nelas ausentes, bem como os órgãos sociais.
Artigo 12 - As deliberações das Assembleias Gerais somente poderão ser anuladas ou
modificadas por outra Assembleia Geral.
Artigo 13 - A Assembleia Geral reunir-se-á tão somente para tratar da matéria para a
qual foi convocada, declarada de modo explícito e constante do respectivo edital.
Artigo 14 - Nas deliberações das Assembleias Gerais, os votos dos associados serão
proporcionais à quantidade de lotes em que foram promitentes compradores, sendo que
os que tiverem mais de um voto poderão diluí-los.
Parágrafo Primeiro – Somente poderão votar e serem votados os associados
regularmente registrados nos livros sociais, até 48 (quarenta e oito) horas antes da data
da realização da assembleia e que estejam em dia com suas obrigações junto à
ASSOCIAÇÃO.
Parágrafo Segundo – É permitido o voto por procuração.
Artigo 15 - Compete à Assembleia Geral Extraordinária deliberar sobre qualquer assunto
de interesse da ASSOCIAÇÃO, especialmente: a) sobre alteração ou reforma do
estatuto; b) sobre alienação dos bens da ASSOCIAÇÃO e constituição de ônus reais
sobre estes; c) em última instância, apreciar e retificar, total ou parcialmente, as decisões
do Conselho Deliberativo; d) durante a realização das assembleias, interpretar
dispositivos estatutários e resolver os casos omissos e, se necessário, encaminhar suas
deliberações a respeito à ratificação da Assembleia Geral Extraordinária seguinte; e)
deliberar sobre a dissolução da ASSOCIAÇÃO.
Parágrafo Primeiro – A Assembleia Geral Extraordinária instalar-se-á, em primeira
convocação, com a presença mínima de metade mais um dos associados e, em
segunda, com qualquer número.
Parágrafo Segundo – Para as deliberações referentes à alínea “e” deste artigo, serão
necessários 2/3 (dois terços) dos votos presentes, em assembleias convocadas
especialmente para esse fim, com a presença mínima de 70% (setenta por cento) dos
associados. As demais matérias poderão ser deliberadas pela maioria simples dos votos.
Parágrafo Terceiro – Para alienação de bens móveis, a Assembleia Geral poderá pré-
estabelecer normas genéricas, de forma que, independentemente de pedidos
específicos, a Diretoria Executiva possa dispor dos bens desta natureza, pertencentes à
ASSOCIAÇÃO.
Artigo 16 - Quando forem julgados em grau de recurso as decisões do Conselho
Deliberativo, a votação da Assembleia Geral será feita por voto secreto. Nas demais,
pelo voto em aberto, salvo se a Assembleia Geral optar pelo voto secreto.
Parágrafo Único – O Presidente poderá instalar uma ou mais mesas receptoras e
apuradoras, designando-lhes Presidentes e Escrutinadores.
Artigo 17 - Os trabalhos de cada reunião serão registrados em livro próprio pelo
Secretário da Mesa e a respectiva Ata, assinada pelos membros da Mesa, deverá ser
aprovada imediatamente após o encerramento dos trabalhos.
Parágrafo Único – A Assembleia Geral poderá autorizar a Mesa a lavrar e assinar
posteriormente a respectiva Ata, delegando poderes a três associados presentes durante
toda a reunião para, em seu nome, conferi-la, aprova-la e assiná-la.
CAPÍTULO V – DA ADMINISTRAÇÃO

Artigo 18 – A ASSOCIAÇÃO será administrada por um Conselho Deliberativo e uma


Diretoria Executiva, eleitos em Assembleia Geral e por destituíveis, podendo ser
reeleitos.
Parágrafo Primeiro – Incumbe a todos os órgãos sociais, dentro de seus campos de
atividades, estatutariamente estabelecidos, conjugarem esforços no sentido de serem
atingidos os objetivos sociais.
Parágrafo Segundo – Os cargos do Conselho Deliberativo, das Comissões de Trabalho
e do Conselho Fiscal (se houver) não serão remunerados, exceto os cargos da Diretoria
Executiva que poderão ser remunerados por decisão fundamentada do Conselho
Deliberativo.
Parágrafo Terceiro – Os membros do Conselho Deliberativo, da Diretoria Executiva e
do Conselho Fiscal (se houver) não serão pessoalmente responsáveis pelas obrigações
que contraírem em nome da ASSOCIAÇÃO, em virtude de ato regular de gestão de
dentro de suas competências estatutárias. Entretanto, respondem civilmente perante a
ASSOCIAÇÃO quando agirem com dolo, violação da Lei ou dos Estatutos Sociais.

SEÇÃO I – DO CONSELHO DELIBERATIVO

Artigo 19 – O Conselho Deliberativo é o órgão que exercerá ação fiscalizadora na parte


econômica e financeira da ASSOCIAÇÃO e de interpretação das Leis, competindo-lhes
precipuamente: a) no primeiro bimestre de cada ano, os membros eleitos em Assembleia
Geral se reúnem para nomear o seu Presidente e o Vice-Presidente; b) examinar a
Proposta Orçamentária e o Plano de Obras, apresentados anualmente pela Diretoria
Executiva, e sobre eles deliberar; c) examinar o Relatório, o Balanço Geral, a
demonstração das Receitas e Despesas, e contas prestadas pela Diretoria Executiva, e
o Relatório e o Parecer do Conselho Fiscal, e sobre eles deliberar; d) conhecer e julgar,
a requerimento dos associados, os atos da Diretoria em grau de recurso; e) julgar os
casos omissos no Estatuto; f) baixar seu Regimento Interno; g) fixar os valores das
funções a serem exercidas pela ASSOCIAÇÃO para os associados ou a eles colocadas
à disposição, bem como deliberar sobre reajustes de tais valores, revisões ou
complementações, em decisão fundamentada e quando necessário.
Parágrafo Primeiro – É vedado ao Conselho Deliberativo ou a qualquer um de seus
membros exercer ação executiva na ASSOCIAÇÃO.
Parágrafo Segundo – As deliberações do Conselho Deliberativo serão tomadas por
maioria simples de votos.
Parágrafo Terceiro – Os membros do Conselho Deliberativo, todos associados,
desempenharão as suas funções e atribuições sem remuneração. Os membros do
Conselho Deliberativo ficam isentos da taxa associativa.
Artigo 20 – O Conselho Deliberativo compõe-se de, no mínimo, 6 (seis) e, no máximo,
8 (oito) membros eleitos pela Assembleia Geral Ordinária e/ou Extraordinária, com
mandato de 4 (quatro) anos e com renovação de metade (1/2) bienalmente.
Artigo 21 – O Conselho Deliberativo reunir-se-á, ordinariamente, por convocação do seu
Presidente. Na omissão deste, pelo Vice-Presidente ou, sucessivamente, pelo
Secretário.
Artigo 22 – O Conselho Deliberativo reunir-se-á, extraordinariamente, para deliberar
sobre qualquer assunto de interesse social, desde que por convocação: a) do Presidente
do Conselho Deliberativo; b) de 2/3 (dois terços) do Conselho Fiscal, se houver,
arredondando-se para cima, caso se obtenha número fracionado, ou ainda, do Diretor
Presidente ou Vice-Presidente, se este solicitar tal convocação do Goiana Beach Life por
escrito ao Presidente do Conselho Deliberativo e este último não o fizer no prazo de 05
(cinco) dias a contar do respectivo requerimento.
Artigo 23 – Nas reuniões do Conselho Deliberativo, cada Conselheiro tem direito a um
voto, cabendo, entretanto, ao Presidente do Conselho voto de Minerva.
Artigo 24 – O Conselho Deliberativo será dirigido pela respectiva Mesa, integrada pelo
Presidente, Vice-Presidente e Secretário, eleitos anualmente, dentre seus membros.
Parágrafo Primeiro – Compete ao Presidente do Conselho Deliberativo: a) convocar as
reuniões e presidi-la; b) representar o Conselho perante os demais órgãos da
ASSOCIAÇÃO e associados.
Parágrafo Segundo – Compete ao Vice-Presidente substituir o Presidente em suas
faltas ou impedimentos, momentâneos ou temporários.
Parágrafo Terceiro – Compete ao Secretário secretariar as reuniões, lavrar as
respectivas atas ou acompanhar a lavratura delas, manter a correspondência do
Conselho e substituir o Presidente nos casos de ausência dele ou do Vice-Presidente.
Parágrafo Quarto – A Mesa do Conselho manter-se-á em exercício até a posse da nova
eleita para substituí-la.
Parágrafo Quinto – Nas ausências ou impedimentos temporários do Presidente, este
será substituído pelo Vice-Presidente. No caso de vacância total do cargo de Presidente,
o seu sucessor deverá ser nomeado dentro de 30 (trinta) dias, em reunião extraordinária
do Conselho Deliberativo, podendo ou não ser o Vice-Presidente. O eleito completará o
mandato do seu antecessor.
Artigo 25 – O Conselheiro eleito que, durante o ano civil, não comparecer a 3(três)
reuniões consecutivas, sem justificação escrita encaminhada à Mesa do Conselho
Deliberativo, ou a 6(seis) reuniões não consecutivas, mesmo que justifique suas faltas,
perderá automaticamente o seu mandato. A justificação deverá ser feita até 10 (dez) dias
após a respectiva reunião.
Parágrafo Primeiro – O comparecimento dos Conselheiros às reuniões será
comprovado por meio de assinatura no livro ou lista própria.
Parágrafo Segundo – Caso o Conselho Deliberativo fique com menos de ¾ (três
quartos) do seu número total, nova Assembleia Geral deverá ser convocada para
preencher os cargos faltantes, sendo que os assim eleitos exercerão o cargo de
Conselheiro pelo tempo remanescente previsto para o término do mandato.
Artigo 26 – Será inelegível, durante 03 (três) anos, o Conselheiro que perder o mandato
nos termos do artigo anterior.
Artigo 27 – Compete ao Presidente do Conselho Deliberativo ou na sua ausência, ao
seu substituto, determinar a expedição dos editais e circulares de convocação do
Conselho Deliberativo, indicando a pauta da reunião que, depois de convocada, será
salvo nova convocação, imutável e conterá sempre um item final para assuntos gerais,
não passiveis de votação.
Parágrafo Primeiro – A convocação dos Conselheiros deverá ser feita com 05 (cinco)
dias de antecedência. Poderá ela ser feita por carta ou por qualquer outro meio que
comprove a correta expedição. No caso de carta, esta deverá ser registrada ou
protocolizada.
Parágrafo Segundo – Compete ao interessado alterar, junto à ASSOCIAÇÃO, o
endereço do local onde pretende receber as correspondências ou o número de seu
equipamento, já que serão consideradas como válidas as expedidas em conformidade
com os dados constantes no cadastro da ASSOCIAÇÃO.
Artigo 28 – As reuniões do Conselho Deliberativo serão abertas em primeira convocação
com a presença de todos os Conselheiros e, em segunda convocação, trinta minutos
após a hora no edital, com no mínimo, pelo menos a metade do número de membros no
Conselho Deliberativo.
Artigo 29 – As reuniões do Conselho Deliberativo, salvo decisão em contrário, poderão
também ser assinadas por membros da Diretoria e associados em geral.
Parágrafo Único – O Presidente da Diretoria Executiva poderá intervir na discussão,
sem direito a voto, ou designar um Diretor para prestar esclarecimentos sobre a matéria
em discussão.
Artigo 30 - Após regularmente instalada a reunião, quando necessário, o Conselho
Deliberativo poderá suspendê-la e determinar sua continuação em outro dia e local. As
deliberações tomadas nas diversas etapas serão igualmente válidas para todos os
efeitos legais e estatutários.
Parágrafo Único – A Secretaria deverá, com brevidade, dar aviso da ocorrência aos
Conselheiros ausentes da reunião, por carta ou outro meio que se comprove a
comunicação e, conforme a urgência e a relevância, quando possível, por telefone.

DA DIRETORIA EXECUTIVA

Artigo 31 – A Diretoria Executiva é por excelência o órgão executivo-administrativo da


entidade, com amplos poderes para praticar os atos inerentes à suas atribuições. Será
constituída por 05 (cinco) membros, eleitos pela Assembleia Geral e por ela destituíveis
a qualquer tempo, sendo: Diretor Presidente, Diretor Vice-Presidente, Diretor Secretário,
Diretor Tesoureiro e Diretor de Segurança e Manutenção.
Parágrafo Único – A Diretoria Executiva, se julgar conveniente, escolherá até 6 (seis)
associados titulares e os nomeará Diretores, cuja função será a de auxiliar e substituir,
pelo tempo que determinar, os Subdiretores associados no âmbito de suas específicas
atribuições.
Artigo 32 – Os membros integrantes da Diretoria Executiva serão eleitos bienalmente
através da Assembleia Geral Ordinária, juntamente com os membros do Conselho
Deliberativo.
Parágrafo Único - Os membros integrantes da Diretoria Executiva tomarão posse no
primeiro bimestre do ano subsequente ao que forem eleitos, e continuarão em seus
cargos até a data da posse da nova Diretoria Executiva eleita.
Artigo 33 – À Diretoria Executiva ficam atribuídos todos os atos de gerência
administrativa, executiva e financeira da entidade, competindo-lhes, precipuamente: a)
cumprir e fazer cumprir as disposições dos Estatutos Sociais, do Regulamento das
Restrições do Goiana Beach Life; bem como o Regulamento de Uso das Áreas Especiais
e Comuns no tocante a sua execução e as disposições das deliberações das
Assembleias Gerais; b) estimular o desenvolvimento da ASSOCIAÇÃO e tomar as
providências relativas à administração dela, necessárias ao seu perfeito funcionamento
e à consecução dos seus objetivos; c) promover a cobrança e a arrecadação dos valores
devidos pelos adquirentes de lotes, pelas atividades de limpeza, manutenção, vigilância
e todas as demais previstas no Regulamento das Restrições, bem como efetuar os
respectivos pagamentos aos empregados e terceiros por ela contratados; d) organizar
anualmente o Relatório de Atividades do Exercício, com a prestação de contas e balanço
do exercício anterior, bem como a proposta orçamentária para o ano em curso,
encaminhando tais documentos até o dia 15 de fevereiro de cada ano, para apreciação
do Conselho Fiscal se este tiver sido instalado, e, se não, diretamente ao Conselho
Deliberativo; e) encaminhar ao Conselho Deliberativo, no primeiro bimestre de cada ano,
o Balanço Geral e a Demonstração de Receitas e Despesas, acompanhado com a
Proposta Orçamentária e o Programa de Obras para o exercício em curso; f) contratar,
admitir, punir, suspender e demitir empregados, estimulando suas obrigações e
condições de trabalho; g) acatar as decisões da Assembleia Geral e do Conselho
Deliberativo; h) elaborar, se necessário, o Regulamento para eleição de seus membros,
bem como dos membros do Conselho Deliberativo, sempre acatando o que se encontra
disposto no presente Estatuto, no que concerne às Assembleias Gerais contendo as
instruções destinadas à Mesa que terá que presidir os trabalhos da reunião eleitoral.
Parágrafo Único – Fica facultado à Diretoria Executiva contratar terceiros para executar
as atividades a que a ASSOCIAÇÃO se obrigou.
Artigo 34 – Compete ao Diretor Presidente: a) presidir as sessões, convoca-las
extraordinariamente, quando necessárias, cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto e
os Regulamentos em vigor; b) manter a ordem, regular as discussões e suspender as
sessões, quando as mesmas se tornarem tumultuosas; c) representar e ativa e
passivamente a ASSOCIAÇÃO em todos os atos judiciais e extrajudiciais, bem como
suas relações com os poderes públicos, inclusive, nomeando procuradores; d) autorizar
com o seus “visto” o pagamento das despesas da ASSOCIAÇÃO, levando
posteriormente ao conhecimento da Diretoria Executiva; e) Pôr-se ao corrente de todo o
movimento da ASSOCIAÇÃO , especialmente financeiro; f) assinar com o Diretor
Secretário, ou isoladamente, a correspondência da ASSOCIAÇÃO; g) oficiar ao seu
substituto legal todas as vezes que tiver que se ausentar por mais de 15 (quinze) dias;
h) assinar com o Diretor Tesoureiro cheques e outros documentos que se relacionem
com os bens e haveres da ASSOCIAÇÃO; j) nomear comissões para desempenhar
funções especiais, indicando as suas finalidades; k) elaborar e assinar, juntamente com
o Diretor Tesoureiro, o Relatório Anual, Balanço Geral, Demonstração de Receita e
Despesa, bem como a Proposta Orçamentária e o Programa de Obras a serem
encaminhadas ao Conselho Fiscal, se houver, e, posteriormente, ao Conselho
Deliberativo; i) assinar, juntamente com o Diretor Secretário e com um Técnico em
Contabilidade, o Balanço Geral e a Demonstração da Receita e Despesas; m) Tornar
efetivas por meio de portarias as decisões da Diretoria Executiva; n) pleitear subvenções
federais, estaduais e municipais, em favor da ASSOCIAÇÃO; o) destituir diretores
faltosos, na conformidade do presente estatuto e dissolver comissões pelo mesmo
nomeadas; p) Propor ao Conselho Deliberativo: I) a reforma do Estatuto Social; II)
sugestões sobre pontos omissos no Estatuto; q) assinar contratos de locação de
dependências arrendáveis e outras que envolvam responsabilidades financeiras para
ASSOCIAÇÃO; r) autorizar, juntamente com o Diretor de Segurança e Manutenção, por
escrito, a contratação de qualquer despesa em nome da ASSOCIAÇÃO, rubricando as
respectivas contas e notas, bem como a contratação de terreiros para executar serviços
a que a ASSOCIAÇÃO esteja obrigada; s) assinar convites em favor de estranhos ao
quadro social; t) representar a Diretoria Executiva nas reuniões do Conselho Deliberativo
quando convocado, e prestar esclarecimentos ou indicar outro Diretor para fazê-lo,
quando solicitado; u) solicitar, por escrito, ao Presidente do Conselho Deliberativo, a
realização da Assembleia Geral e, em caso de este último não a convocar, no prazo de
05 (cinco) dias a contar do recebimento do respectivo requerimento, convocar a
Assembleia Geral.
Parágrafo Único – Em caso de o Presidente nomear procurador para representar a
ASSOCIAÇÃO ativa ou passivamente, em juízo ou fora dele, inclusive junto a
estabelecimentos bancários, à exceção dos mandatos para o foro em geral, todos os
demais expirarão no dia 31 de dezembro do ano que forem outorgados. Para a
constituição de procuradores, todos os mandatos deverão ter fim específico.
Artigo 35 – Ao Diretor Vice-Presidente compete: substituir e cooperar com o Diretor
Presidente no exercício das funções que lhe são atribuídas.
Parágrafo Único – Ocorrendo vacância definitiva do cargo de Direito Presidente, durante
o primeiro ano do biênio para o qual foi eleito, deverá ser realizada nova Assembleia
Geral para eleger o novo Presidente.
Artigo 36 – A Diretoria Executiva reunir-se-á, ordinariamente, uma vez por mês e,
extraordinariamente, quando convocada pelo Direito Presidente ou pela maioria dos
seus membros eleitos. As deliberações serão tomadas pelo voto da maioria simples dos
membros eleitos presentes, votando o Presidente em último lugar, cabendo-lhe, também,
o voto de qualidade, em caso de empate.
Parágrafo Único – As deliberações da Diretoria Executiva somente poderão ser
tomadas com a presença de, no mínimo, 4 (quatro) de seus membros.
Artigo 37 – Compete ao Direto Tesoureiro: a) organizar a tesouraria, informando ao
Diretor Presidente e ao Conselho Deliberativo, quando estes o solicitar, a situação
financeira da ASSOCIAÇÃO; b) assinar com o Diretor Presidente cheques e outros
documentos que envolvam responsabilidades da ASSOCIAÇÃO; c) apresentar,
mensalmente, um demonstrativo de receita e despesa; d) ter sob sua guarda e inteira
responsabilidade todo os títulos que representar valores e documentos da
ASSOCIAÇÃO; e) manter em depósito bancário, ou em aplicação em papéis do mercado
financeiro, que tenham liquidez, os fundos disponíveis da ASSOCIAÇÃO; f) submeter ao
Diretor Presidente as medidas que julgar oportunas e indispensáveis ao controle
econômico financeiro da ASSOCIAÇÃO; g) ter em dia, devidamente escriturados pela
forma da lei comercial, os livros de contabilidade inerentes à tesouraria; h) facilitar ao
Diretor Presidente da ASSOCIAÇÃO e aos membros da Comissão Fiscal o exame ou
vista de quaisquer livros da ASSOCIAÇÃO ou documentos sob sua guarda; i) assinar os
recibos dos pagamentos efetuados pelos associados; j) indicar ao Diretor Presidente
quando preciso, sob sua inteira responsabilidade, os auxiliares que julgar indispensáveis
ao bom desempenho de suas funções; k) fornecer ao Presidente da ASSOCIAÇÃO,
mensalmente, uma relação dos associados em atraso de pagamento; l) fiscalizar a
arrecadação de receitas e realizar os pagamentos, quando autorizados pelo Diretor
Presidente da ASSOCIAÇÃO, inclusive no que concerne ao pagamento de terceiros
contratados pela Diretoria Executiva; m) cobrar e instituir as multas relativas ao
Regulamento das Áreas Especiais e Comuns; n) tomar as medidas cabíveis para a
cobrança amigável ou judicial de quaisquer créditos da ASSOCIAÇÃO.
Artigo 38 – Compete ao Diretor Secretário: a) substituir, com todas prerrogativas e
responsabilidades, o Diretor Vice-Presidente, em caso de ausência, vaga ou
impedimento; b) organizar e dirigir todas as funções da Secretaria da ASSOCIAÇÃO; c)
promover a lavratura e subscrição de todas as atas das reuniões da Diretoria Executiva;
d) manter, sob sua responsabilidade e guarda, todo o arquivo de documentos e livros
sociais; e) controlar, mediante registro em livro próprio, o número de associados da
ASSOCIAÇÃO, `medida em que estes lhe forem apresentando os respectivos títulos
definitivos ou de compromisso de aquisição de propriedade, o(s) lote(s) e a quantidade
de votos a que o titular terá direito; g) encarregar-se de todos os assuntos pertinentes à
administração da ASSOCIAÇÃO, em especial os relacionados às áreas pessoal,
transporte, bem como assuntos jurídicos; h) proceder ao cadastro dos bens patrimoniais
da ASSOCIAÇÃO, em livro próprio ou fichas, cumprindo-lhe, também, a guarda e a
conservação de tal patrimônio; i) redigir e expedir qualquer correspondência da
ASSOCIAÇÃO, assinando-a juntamente com o Diretor Presidente.
Artigo 39 – Compete ao Diretor de Manutenção e Segurança: a) estabelecer normas
para aprovação de projetos de construções, modificações ou acréscimos para imóveis
localizados no Goiana Beach Life, guardadas as limitações previstas no Regulamento
das Restrições; b) supervisionar, por si ou por terceiros, a execução das obras de
construção de imóveis localizados no Goiana Beach Life fiscalizando a sua obediência
ao projeto aprovado; c) cumprir o Regulamento de Uso das Áreas Especiais e Comuns
no tocante à supervisão e fiscalização do loteamento; d) decidir sobre quaisquer
assuntos relacionados a projetos e construções não especificados neste estatuto ou no
Regulamento das Restrições do Goiana Beach Life; e) estabelecer as normas
regulamentadores da vigilância da área e portaria da área de atuação da ASSOCIAÇÃO,
mantendo sob sua supervisão e orientação o pessoal encarregado de tal vigilância; f)
encaminhar às autoridades competentes as sugestões dos associados referentes ao
trânsito no Goiana Beach Life; g) promover, dirigir e orientar a integração social dos
associados, através de atividades culturais; h) executar o Regulamento de Uso das
Áreas Especiais e Comuns no tocante ao cumprimento das normas e execução da
mesma.
Parágrafo Único – O Diretor de Segurança e Manutenção deverá ser, preferencialmente,
engenheiro civil ou arquiteto.
Artigo 40 – Ocorrendo destituição, renúncia ou cassação de qualquer dos Diretores, ou
qualquer outra forma de vacância do cargo, será outro eleito pela Assembleia Geral,
dentre os diretores compreendidos no Parágrafo Único do artigo 31.
Artigo 41 – Os membros da Diretoria Executiva poderão ser remunerados e/ou terem
isenção da taxa associativa por decisão fundamentada do Conselho Deliberativo.

CAPÍTULO VI – CONSELHO FISCAL

Artigo 42 – A ASSOCIAÇÃO terá um Conselho Fiscal, de funcionamento não


permanente, composto de 03 (três) membros efetivos e igual número de suplentes, todos
associados.
Parágrafo Único – O Conselho Fiscal somente será instalado por determinação da
Assembleia Geral que elegerá os seus membros, cujo mandato não será superior a 01
(um) ano.
Artigo 43 – Ao Conselho Fiscal compete: a) examinar, trimestralmente, os livros,
documentos e balancetes encaminhados pela Diretoria Executiva, emitindo parecer em
livro próprio; b) examinar, anualmente, o Relatório Anual, Balanço Gral, Demonstração
da Receita e Despesa, bem como a Proposta Orçamentária e o Programa de Obras
elaboradas pela Diretoria Executiva, nos prazos previstos neste Estatuto; c) praticar
todos os atos permitidos por Lei e pelos Estatutos, no cumprimento fiel de suas funções.
Artigo 44 – Não poderão ser eleitos para o Conselho Fiscal: I) membros do Conselho
Deliberativo; II) membros da Diretoria Executiva, ou seus cônjuges, e seus parentes até
o terceiro grau, consanguíneos, ou afins, bem como os que fizerem parte da Diretoria
imediatamente anterior.

CAPÍTULO VII – DO EXERCÍCIO SOCIAL DO BALANÇO

Artigo 45 – O exercício social coincide com o ano civil e é disciplinado pelo orçamento.
A Proposta Orçamentária será elaborada pela Diretoria Executiva, consignando as
previsões de Receitas e Despesas e apresentada ao Conselho Deliberativo no prazo
previsto neste Estatuto.
Parágrafo Único – Não sendo apresentada a Proposta de orçamento em tempo hábil,
ou, sendo ela rejeitada – sem prejuízo de complementações que vierem a ser decididas,
na forma do presente Estatuto, até que o Conselho Deliberativo decida a respeito, será
repetido o orçamento anterior, devidamente reajustado, com base na variação do Índice
Geral de Preços do Mercado, publicado pela Fundação Getúlio Vargas, ou,
sucessivamente qualquer índice oficial.
Artigo 46 – A Receita da ASSOCIAÇÃO será oriunda dos pagamentos efetuados pelos
associados titulares, em decorrência das atividades exercidas ou colocadas à disposição
pela ASSOCIAÇÃO, bem com de contribuições, doações e rendas eventuais.
Artigo 47 – A despesa da ASSOCIAÇÃO executados por terceiros é lícita, sendo
contratados pela Diretoria Executiva, incluindo a conservação normal dos bens do
patrimônio social; a compra de bens de uso perecíveis, e sua substituição; os gastos
decorrentes da existência da ASSOCIAÇÃO, seu funcionamento e sua administração.
Artigo 48 - O Conselho Deliberativo examinará, modificando o que julgar conveniente, e
votará a Proposta Orçamentária que vigorará no exercício, competindo à Diretoria
diligenciar o seu rigoroso cumprimento.
Artigo 49 – A Proposta Orçamentária poderá ser suplementada no decurso do exercício,
por deliberação do Conselho Deliberativo e mediante Proposta fundamentada da
Diretoria Executiva, acompanhada da exposição da situação econômico-financeira da
ASSOCIAÇÃO e Parecer do Conselho Fiscal, se houver.
Parágrafo Primeiro – Havendo acréscimo nas despesas, a proposta indicará recursos
para a respectiva cobertura.
Parágrafo Segundo – Excepcionalmente, serão admitidos serviços de emergência, não
previstos no Orçamento. Ocorrendo o fato, e desde que seu custo seja superior a 8 (oito)
salários mínimos, deverá o mesmo ser comunicado ao Presidente do Conselho
Deliberativo, para que este, no prazo de 5 (cinco) dias, convoque extraordinariamente o
Conselho para apreciação da matéria. A tal reunião deverá comparecer o Diretor
Presidente, que justificará a despesa e indicará também os recursos para a respectiva
cobertura.
Parágrafo Terceiro – Os valores devidos à ASSOCIAÇÃO abrangerão todas as
despesas da área de autuação dela, inclusive a área de lazer, que, poderão ser cobradas
num único boleto ou ficha.
Artigo 50 – Anualmente, com data de 31 de dezembro de cada ano, será levantado um
balanço geral com a respectiva demonstração, receita e despesa do exercício.
Parágrafo Único – Poderão ser levantados balanços especiais, extraordinariamente,
sempre que convier aos interesses sociais.
CAPÍTULO VIII – DA LIQUIDAÇÃO
Artigo 51 – No caso de ser deliberada a dissolução da ASSOCIAÇÃO, a Assembleia
Geral decidirá também sobre a eleição do Liquidante, bem como a destinação do
patrimônio líquido, social e integral, para outra ASSOCIAÇÃO CIVIL, sem fins lucrativos
ou econômicos, cujos objetivos sejam assemelhados aos desta ASSOCIAÇÃO.
Parágrafo Único – Em nenhuma hipótese o patrimônio social poderá ser partilhado entre
os associados.
Artigo 52 – A ASSOCIAÇÃO também poderá ser extinta por determinação legal.

CAPÍTULO IX – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS

Artigo 53 – Os recursos sociais não podem ser aplicados para fins estranhos às
atividades sociais.
Artigo 54 – Até seis meses após a entrega total de todas as etapas da infraestrutura, a
Diretoria Executiva fica, desde já, com poderes para contratar terceiros, inclusive para
serviços de vigilância e para serviços de manutenção, independentemente da
elaboração de orçamento e de qualquer outra autorização. Não cabe à ASSOCIAÇÃO a
limpeza e manutenção dos lotes não comercializados, sendo tal responsabilidade da
VENDEDORA IMOBI, salvo se decidir se associar e contribuir proporcionalmente ao
número de lotes que tiver, situação em que a ASSOCIAÇÃO poderá cumprir com suas
finalidades previstas neste artigo em relação aos lotes de propriedade da IMOBI.
Parágrafo Primeiro – Para os préstimos aqui referidos, a ASSOCIAÇÃO poderá sem
prejuízo de eventuais suplementações, cobrar valores já a partir da aprovação do
presente Estatuto. Serão cobrados a título de: a) manutenção e vigilância: o valor fixado
por metro quadrado de área do terreno, sendo concedido um desconto de 10% (dez por
cento), para o presente item, quando houver sido concluída a construção sobre o imóvel,
desde que: I) – o respectivo HABITE-SE tenha sido expedido pela Prefeitura Municipal e
cópia dele tenha sido entregue à ASSOCIAÇÃO; II) - a construção tenha obedecido às
restrições existentes e que sobre ela incidem; b) aprovação de projetos: o valor fixado
por metro quadrado de área construída, em cada pedido efetuado, pagável juntamente
com a formulação do pedido, fixando-se um valor mínimo para cada; c) alterações de
projetos: I) – quando abranjam modificação de mais de 50% (cinquenta por cento) da
área, o mesmo valor de um novo projeto; II) – quando abranjam alterações menores ou
iguais a 50% (cinquenta por cento), o valor proporcional à área modificada.
Parágrafo Segundo – Os valores estabelecidos serão reajustados a cada 12 (doze)
meses, ou na menor periodicidade que venha a ser permitida por Lei, de acordo com a
variação do IGP-M (índice Geral de Preços do Mercado), publicado pela Fundação
Getúlio Vargas, sucessivamente, pelo índice oficial que mais se aproxime do aqui
disposto, tendo, como data base, o dia de sua fixação.
Parágrafo Terceiro – A qualquer instante os valores poderão ser revistos ou
complementados, conforme viver a decidir o Conselho Deliberativo.
Artigo 55 – O patrimônio da ASSOCIAÇÃO será constituído pelos bens móveis e imóveis
que venham a serem adquiridos pela ASSOCIAÇÃO e, assim também pelos demais
valores que vierem a compor tal patrimônio, a título de contribuições de associados ou
terceiros.
Parágrafo Único – A alienação de bens imóveis e a constituição de ônus reais de
garantia sobre os bens sociais dependem de prévia autorização de Assembleia Geral
especialmente convocada para tal fim.
Artigo 56 – Todos os cargos eletivos previstos neste Estatuto somente poderão ser
preenchidos por pessoas físicas, maiores de 18 (dezoito) anos, proprietários, titulares de
direitos de promitentes compradores, cessionários ou promitentes cessionários de
direitos sobre imóveis localizados no Goiana Beach Life, ou representantes legais de
pessoas jurídicas que preencham esses requisitos, devidamente registrados como
associados no livro. Os respectivos mandatos, salvo nas hipóteses de destituição ou
perda de mandatos, prorrogar-se-ão até à posse dos que forem eleitos para substituí-
los.
Parágrafo Primeiro – Os membros do Conselho Deliberativo, da Diretoria Executiva e
do Conselho Fiscal, se houver, cujos mandatos forem decorrentes das indicações
realizadas, não precisarão ser adquirentes no Goiana Beach Life.
Parágrafo Segundo – Os membros da primeira Diretoria Executiva e do primeiro
Conselho Deliberativo serão eleitos na própria Assembleia Geral que deliberar a criação
da ASSOCIAÇÃO.
Artigo 57 – Enquanto os membros do Conselho Deliberativo forem escolhidos pelo
Goiana Beach Life, a este caberá determinar a ordem de primazia dos Suplentes na
substituição efetiva ou eventual dos Conselheiros efetivos. Ainda durante tal interregno
de tempo, fica suspensa a aplicação de eliminação por falta a sessões, dos Conselheiros
assim escolhidos.
Artigo 58 – O Goiana Beach Life adotará uma gestão participativa, disponibilizando
cargos na Diretoria Executiva, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, se houver, para
serem preenchidos pelos associados.
Parágrafo Único – A disponibilização dos cargos referidos neste artigo se dará
respeitando a proporcionalidade do lançamento da primeira e segunda etapas do
Loteamento Goiana Beach Life tudo em função de garantia de que os adquirentes de
cada etapa façam parte na gestão participativa.
Artigo 59 – A fixação de avisos e comunicações na Portaria só será colocada em prática
a partir de quando estiver ela em funcionamento ininterrupto. No que se refere ao edital
que trata de eleições, além, do que foi antes disposto, a fixação deles somente se dará
quando passarem ela a estar a cargo da Assembleia Geral. De qualquer forma, a falta
de afixação não anulará qualquer reunião, inclusive a Assembleia Geral.
Artigo 60 – Os casos omissos serão resolvidos pela Assembleia Geral de acordo com
as disposições legais em vigor.
Artigo 61 – Fica eleito o Foro desta Comarca para qualquer ação fundada neste
Estatuto.

Você também pode gostar