Você está na página 1de 32

Aula 08:

Vigas Isostáticas
Prof. Dr. Paulo Junges
DENC – FAET - UFMT
Introdução

• Viga: elemento estrutural projetado


para sustentar cargas aplicadas em
vários pontos de sua extensão;
• Em geral, as cargas são perpendiculares
ao eixo da viga;
Fonte: Beer et al (2012)
• As vigas geralmente são barras
prismáticas retas e longas;
• Podem estar submetidas a cargas
concentradas P, indicadas em N ou kN,
ou submetidas a cargas distribuídas q,
indicadas em N/m ou kN/m;
Fonte: Beer et al (2012)
Introdução

• As vigas são classificadas de acordo com o modo como são


apoiadas em:

Fonte: Beer et al (2012)


Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Vigas - Exemplos
Forças Internas em Elementos

• No estudo de treliças foi considerado um


elemento reto ou barra sujeito à ação de
duas forças;
• As forças F e –F devem ser direcionadas ao
longo de AB em sentidos opostos e devem
ter a mesma intensidade;
• Se cortarmos o elemento em C, para o
equilíbrio ser mantido devemos aplicar uma
força em AC uma força –F igual e oposta a F
e em CB uma Força F igual e oposta a –F;
• As forças internas que as duas partes
exercem sobre as outras são iguais às força
axiais ou normais e o esforço normal será de Fonte: Beer et al (2012)
compressão ou tração.
Forças Internas em Elementos

• Considerando agora um elemento


submetido à ação de múltiplas forças,
como o elemento AD do guindaste ao
lado;
• Traçando o diagrama de corpo livre
desse elemento:

Fonte: Beer et al (2012)

Fonte: Beer et al (2012)


Forças Internas em Elementos

• Cortando o elemento em J: Fonte: Beer et al (2012)

• Aplicamos F para equilibrar com a componente vertical de T;


• Aplicamos V para equilibrar com a componente horizontal de T;
• Aplicamos M para equilibrar com o momento produzido por T em relação a J.
Forças Internas em Elementos

• Conclusões:
• A ação das forças internas não é limitada a
produzir apenas tração e compressão, mas
também cisalhamento e flexão;
• A força F é chamada de esforço axial ou normal;
• A força V é chamada de esforço cortante;
• O momento M é conhecido como momento
fletor.

Fonte: Beer et al (2012)


Esforço cortante e momento fletor em uma
viga

• Considere uma viga AB submetida à várias cargas concentradas e


distribuídas:

Fonte: Beer et al (2012)

• No exemplo, a viga é simplesmente apoiada, mas o método


utilizado pode ser aplicado a qualquer tipo de viga estaticamente
determinada;
• Determinar os esforços internos no ponto C da viga.
Esforço cortante e momento fletor em uma
viga

• 1°: Traçar o diagrama de corpo livre da viga

Fonte: Beer et al (2012)


• 2°: Determinar as reação de apoio do sistema;
• 3°: Cortar a viga no ponto C e desenhar o novo diagrama de corpo livre;

• 4°: Resolver as equações de equilíbrio para cada parte.


Fonte: Beer et al (2012)
Forças Internas em Elementos

• Para problemas em duas dimensões, os


engenheiros geralmente usam uma
convenção de sinal para informar as três
cargas internas, N, V e M.

Fonte: Hibeler (2017)


Exemplo

BEER, JOHNSTON, MAZUREK, EINSENBERG. Mecânica Vetorial para Engenheiros:


Estática. 9 ed. Porto Alegre: Editora McGraw-Hill, 2012.

Problema Resolvido 7.2 (modificado).


Determine os esforços internos em um
ponto distante 1,5 m à direita do
ponto B.

Fonte: Beer et al (2012)


Diagramas de Esforço Cortante e Momento
Fletor

• As variações do esforço cortante e do


momento fletor ao longo da viga
podem ser representadas por meio de
gráficos;
• Para a viga ao lado (a), determina-se as
reações de apoio (b);
• Cortando a viga no ponto C (c) e
considerando o elemento AC, tem-se:

= + ⁄2 =+ ⁄2

Fonte: Beer et al (2012)


Diagramas de Esforço Cortante e Momento
Fletor

• Cortando a viga no ponto E (d) e


considerando o elemento EB, tem-se:

= − ⁄2 =+ − ⁄2
• Assim:

Fonte: Beer et al (2012)

Fonte: Beer et al (2012)


Exemplo

BEER, JOHNSTON, MAZUREK, EINSENBERG. Mecânica Vetorial para Engenheiros:


Estática. 9 ed. Porto Alegre: Editora McGraw-Hill, 2012.

Problema Resolvido 7.2. Trace os


diagramas de esforço cortante e de
momento fletor para a viga e o
carregamento mostrado.

Fonte: Beer et al (2012)


Exercícios

BEER, JOHNSTON, MAZUREK, EINSENBERG. Mecânica Vetorial para Engenheiros:


Estática. 9 ed. Porto Alegre: Editora McGraw-Hill, 2012.

Problema 7.30 (modificado). Para a viga e o carregamento mostrados, determine


os esforços internos num ponto no centro do vão.

Fonte: Beer et al (2012)


Exercícios

BEER, JOHNSTON, MAZUREK, EINSENBERG. Mecânica Vetorial para Engenheiros:


Estática. 9 ed. Porto Alegre: Editora McGraw-Hill, 2012.

Problema 7.34 (modificado). Para a viga e o carregamento mostrados, determine


os esforços internos num ponto no centro do vão.

Fonte: Beer et al (2012)


Exercícios

BEER, JOHNSTON, MAZUREK, EINSENBERG. Mecânica Vetorial para Engenheiros:


Estática. 9 ed. Porto Alegre: Editora McGraw-Hill, 2012.

Problema 7.36 (modificado). Para a viga e o carregamento mostrados, determine


os esforços internos no ponto C.

Fonte: Beer et al (2012)


Exercícios

HIBELER, R. C. Estática: Mecânica para Engenharia. 12 ed. Editora Pearson.

Problema 7.1. Determine o esforço


cortante e o momento fletor nos
pontos C e D.

Fonte: Hibeler (2017)


DESAFIO

BEER, JOHNSTON, MAZUREK, EINSENBERG. Mecânica Vetorial para Engenheiros:


Estática. 9 ed. Porto Alegre: Editora McGraw-Hill, 2012.

Problema 7.35. Para a viga e o carregamento mostrados, (a) trace os diagramas de


esforço cortante e momento fletor, (b) determine os valores absolutos máximos
do esforço cortante e do momento fletor.

Fonte: Beer et al (2012)