Você está na página 1de 4

Sede Ertensâo

Av.ConselhêiÍoFernândô Íel; +351 21 3825200 Rua Ganett,80-3'/4" Tel; +351 21 321 97 00


deSousa,21A Fax: +351 21 382 52 07 1200-204Lisboa Far:+351 213219722
1070-0?2 Lisbôa geral@iartes.pt www.iartes.pt

Considerações sobre a situação d.a Cena l=usófona

1. Enquadramento

Considerando que nos termos do decreto-lei n3 272/2003, de 29 de Outubro, todos os tipos de


apoios Íinanceiros plurianuais devem ter um enquadramento jurídico-normativo;

Considerando que no caso concreto, estamos perante um compromisso financeiro, assumido


ininterruptamente de 1996 a 2003, sendo por essa razão, salvo melhor opinião, um apoio
sustentado enquadrável nas situações jurídicas previstas na alínea a) do ponto 2o da Portaria
no1316, de 27 de Novembro;

Considerando que nas situaÇões de apoio sustentado, as entidades beneficiárias teriam que
solicitar no prazo de 30 dias úteis, a renovação do apoio financeiro por mais um ano;

Considerando que tal prazo terminou a 15 de Janeiro de 2004;

Considerando que as situações jurídicas da alínea a) da portaria referida, detêm alguma


particularidade, uma vez que são abrangidas situações de apoio financeiro que não decorrem de
concurso público;

Considerando que em face disso, o lA optou por contactar o universo de todas as entidades
beneficiárias, no sentido de solicitarem formalmente, caso assim o entendessem, a renovação do
apoio financeiro para o corrente ano;

Considerando que a Cena Lusófona entendeu não pedir renovação alegando a necessidade de
expor ao lA, quer o balanço da actividade realizada até à data, quer a especificidade do seu
projecto que considera desenquadrado dos regulamentos dos Programas de Apoio Financeiro
actualmente em vigor;

Considerando que em reunião realizada a 14.6.2004 no Centro de Documentação da Cena


ü)
á\
Lusófona, em Coimbra, o lA tomou conhecimento e pôde apreciar que os dados relativos ao
{r)
referido balanço, quer o acervo documental que a CL reuniu e em grande parte produziu,
sistematizou e catalogou e que constitui já um Centro de Documentação de dimensão -

considerável; \
(n
Considerando que a actividade da Cena Lusófona tem uma dimensão transversal que para além
do investimento do Ministério da Cultura carece de igual reconhecimento e investirnento por parte d
ru
-)
do Ministério dos Negócios Estrangeiros; TJ
Reconhecendo a singularidade da Cena Lusó{ona face à legíslação em vigor e constatando ao
r{r)
mesmo tempo a impossibilidade de ultrapassar, em tempo útil, as questões levantadas pela sua F{
aplicação; J
.lr)
. F-i
Submeteu-se à consideraçâo superior a possibilidade de proceder a uma renovação .fr)
extemporânea e parcial do protocolo findo em 3'l de Dezembro de 2003 como soluÇão (n
temporária permitindo a subsistência da estrutura enquanto se pondera e procura definir uma -
soluçâo para o ímpasse registado. irl-i

UiC lÍrsrs'rÉnr. n,r c*T .nr


-

Sede Exlesãc
Au. Conre*e&o Fernaadc Tel: +3í'l âl 88? 52 00 Rua ÇànêG 8G.?o/4" Tel: +36 t ,í §21 97 O0
deS«:sa,llÁ Fax:+351 21482524? :?8"204 LÉboâ Fôx: +3ãl 2l §1gl ?)
1070-0?? Ltsboa

Em csrfçrmidade ao Êxposto, Íoi solicitado o envio do plano de actividadês que a Cena Lusófona
sÊ propÕe realiuâr até finaldo corrente ano e rêspctivo orçamento.

Em resposta ao solicatado! â Çena Lusólona ênyiou umâ lista dos p§ectct enn Çurso até
Dezembro de 2004 que foram analisâdos no sêntido de seleccionâr FÍ.jectos âinda não
realizados, projectos ainda não apoiados s prôjec*§s que colrbêssem com mais pedinência na
esfera de atribuiçôes do lÂ. Âos projecios inicialmente seleccionadüs correspsndia urn valor de
1 45.175€ ao qual se acrescêntâÍia ux terço da yalor anual da estrr.:tura, ou sej& 65.843€,

perfazendo um totalde 211.008€.

Posteriormente, avaliadas as restrições financeiras do lnstitutq definiu-se um teclo ns yalsr dê


150.000€. Foram, assim, seleccionados apenas bês dos projectos apresentados * encontro em
§alvador, estágío de actsres enr Salvador e manutenção e desenvolvimenio do CDI - que
perfâuem um total de 105.430€. O remanescente representa um Íinanciamento parcíal para fazer
{ace ao custo anual daeskutura.

1
!
1. Historial

O programa Cena LusóÍon4 originalmente concebido em 19§S,loi lega§mente constituído como


Cena LusóÍana - Associaçáo Portuguesã pârâ o lntercâmbio Teatral a 18 de Junho de 19§6. De
acordo com o artigo terceiro dos seus Êstatutss, ua Cena l-usóÍona tem como fim a realização de
acçôês de Íormaçãq investigação, ediçãg co-praduções, encontros e outras iniciativas de debate e
reflexão no ârnbitô das a*es periormativas na comunidade lusóÍonau.

A !3 do mesmo mês, {oi celebrado urn proiocolo entre o Ministério da Cultura (Mü} $linistério dos
Negócics Estrangeiros (MNB, a Cârnara Municipal de Coimbra e a Cena Lusófona Em
conlsnnidade com o estabelecido no Ponto I do protocolo, no programa Cena Lusófona tern por
objectivo o estabeleciments de co-prcduções; a reaiização de colóquios, exposições, estágios e
outras iniciativas de troca e de debate; a promoção de ediÉes regulares informativas, de ensaístas
e de estímulo à escrita teatal; a investigação no carnpo das artes performativas; a criação de uma
rede de circulaçâo teakalquallficad4 apoiando a rec*peração de espaços têailâis e a organização
de núcleos de acolhimento*, estando o programa abertq a nfoel nacional e internacional, "à
coniugação eflcaz ccm outros projectos actuantes nesta área e instituições c,ujos objectivos se
] encontrem na de{esa cornum da língua portuguesa, no estímulo à xiação aúística a à investigação
intercuituralo.

§egundo o ponto Vll, o MC e o MNE garantiam uem partes iguals as verbas de 40.000.000$00,
para 199§, e de l0O.00A.0OO$OQ para 1997, destinadas ao relançannento do prograrna em novas
bases, assim como a manutenção do seu apoio financeiro e institucional, numa base estável, até ao
final do ano de 1999'. O MC entendeu que teria os seguintes compromissos: 20.000.000$00 em
'199ô e 50.Q0§.§00$00 em 'lg9?, 1998 e 1ggg.

Terminado o período de quatrc a*os regido pcr este protocolo, Íoi celebrado um Êôvo, agora sem a
participação da Ministério dos Negócios Estrangeiros, a 5 de Maio de *000, estabelecendo como
objectúos essenciais do programa: "Êstimrlar a criaçãc teatral míscigenada no espaÇo da CPLP:
organizar acções que valorizem a ligação da ajrendizagem teatral ao pÍocesso de criação artísiica;
apoiar o desenvolvimento das dramaturgias, akavés da organização de oficinas de escritq
resldências de autcres e da edição de uma cclecção própria; promover s conhêcimento das artes
períorrnativas de cada país, da sua organização actual âos aceruos tradicicnais; estabelecer üma
rede teatral qualificada, apoiando a recuper:açâo do património teatral edificado e a organização de

MiC ivÍrsrsrÉnro oa curt'nr


Sede Eáeosfu
Av.Ccnse§elroFernando Tel: +361 21 38â§?@ R!aGaÍGlt,80-3§/4e Tet +33t âa 3?i 97r*
doSoma2l Far+Asl 21 38t3297 'f
20G2ü4 Usboa Far +351 213219f f2
1O7&fi2 Lisbía

núcleos de aolhimento". Nesle pratocalo â partacipaÇâo do MC foi alterada para 75.000.000$00


(374.0S8,42€) aruais.

2- Âvaliaçãc

Do acompanhamento {eito à actividade da Cena Lusófona, no contexto do qual se estâbelecerar.


vários contactos e rer:siões, desbca-se a referida reunião de avaliação realizada a 14.ô.2004 no
Cenko de Dotumentação da Cena Lusófona, em Coimbra, que teve comc Íinalidade discutir as
possibilidades dê renovação do protocolo estahelecido entre a Cena Lusofona e o lnstituto, que
terminou em 200§ (ponto '1, artigo V dc protocolo de 5.5.2000).

A reunião consistirJ nurna yisita às ilsialaçôes, êm que tomámos contacto cúm a equipa; numa
breve apresentação de historial da Cena Lusófona e do site; e numâ discussâo sobre o Íuturc do
programâ.

 visita deu-nos a conhecer um espaço que, ãp6§ar de provisório e reduzido, demonstrou rigor na
sua organização, nomeadâments, a nível da biblioieca e do espolio fotográÍico e videogr#ico. De
] re{erir tambén e rigor, a qualidade, a funcionalidade e ê rniáxima utilidade do site da Cena
Lusófona, que está a ser explorado no sentido de optimizar todas as potencialÍdades existentes a
este nível.

A reuniãa desenvolyeu-s? er:'r terno de 3 pontos fundamentais: a origem do prograrn4 o projecto


do Centro de lntercâmbio Teairal de Coimbra, que conta cam o apoio da Càmara Municipal de
Coimbr4 e o Íuturo do financiamento ao programa pelo lÀ Neste último ponto, alertou-se a Cena
Lusófo*a para a:':ecessidade do seu enquadrarnerto nos regulamentos dispníveis, muiio embora
reconhecendo as características particulares do prograrna

A reuniâo tida, con{irmsu q interesse, a imporEnsia e s carácter pi*neiro do prograra da Çena


Lusófona Apesar das dificuldades e especificidades do kabatho no terrenc e a nível diplornático
de que cs relatórios da Cena Lus6fona já da*am cont4 a Cena Lusófona manténr-se Íirme nos
seus cbjectivos com um empenho assinalável,

Deslacam-sê, assirn, os seguintes aspctos relattvamente à avaliação da Cena Lusófona:

, e O seu caráder pioneiro de programa de intercâmbio com os paÍses lusófonos, com


caracterísücas únicas, fendo como estratógia principal a criaçâo de centros de intercâmbio, a
Cl cria infraeskuturas n§s diversos locais que permitem pcsteriormente ç desenvolvimentc de
acçôes e o potenciar de conbctes com outros parceiros, A Cena LusóÍona {az um trabalho
muitas vezes de pouca visibilidade, mas que se dístingue pela continuidade e pela solidez des
seus resultados.

r A dinâmica do seu centro de docr.:mentação ccm uma funçãe caializadora atestrada na recolha
de títulos e na centralização de tudo o que é editado relativo ao países lusófonos, servindç
assim como um polô aglutinador de inÍermação que é utili:ado por invesiigadores de vários
países; esta {unção é complementada por uma dimensão acttv4 manifesta nâ ediÇã. da rovista
Setepalcos, da ne*sletter Cenaberta, de váric* títulos da dramafurgi* de autores de língua
portugaesa {Angola, Moçambique, Portuga!, Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe} e, finalmente, no
registo, fatográfico e videográficq de rnanifestaçces tradicionais e rituais em vias de extinçãs.

iUlf rllrrrsninro a,r cr:rtçRr


-

5:da ÊtlsnÉl
Â!Conselheho Femando Te{r +351 ?t 382520ô &rs §síe& §O-3elí" Tel: +35 I 1 1 32 I 37 0!
de§ourâ2lA Fa(:+§l 21 3S2§2O? t2&934 i-isboâ Fax +351 ?l 32I §? 22
1g?$O?2 Usboã

As provas dadas quanto à sua capacidade de concretizaÇão dos objeciivcs Fropostos - os


númerss disponibilizados sobre os centros de intercâmbio e as actividades da Cena LusóÍcna
sãc disso uma llustração;

O reconhecimento polftico da imporiância da iniciaüva * â Cênâ Lusáfona nasce de um


convitê directo do então Minislro da Cultura Manuel Maria Canilho, e a ÇolâboraÇão com o MC
manteve*se através do ex-IPAE sab a Íorma de protocolo, tendo terminado o último no final de
2003;

O facto de este g.ograma ir ao enccntro das competêncíãs deste lnstifuto, especialmente as


*Fomentar *s contactos e os intercârnbios
estabelecidas no ârtigo 14o, nas alíneas d) -
artísticos e iécnicos e a inserção portuguesa em circilitos ínternacionais,"", e) - "Àfirrnar, apoiar
e difundir as artes do espectáculo,,,no País e no estrangeiro-.", e f) - "Celebrar protocclcs.-com
outras entidades..no âmbito de programas de intercâmbio.,,');

O facto de i1 igualmente, ao enco*tro de um circulto privilegr'ada no âmbiüo dos objectivos e


estratégias do Gabinete de lsternacionalização, como é o que integra os países lusófonos e,
l enüe estes, o Brasil.

4. Ccnclusão
Face ao exposto, e atento o princípio de igualdade de tratamÊnto dos interessajos, foi decidida
supericrmente a aceitação excepcional do pedido de renovaçâo do interessado e consequÊnte
atribuição do moatante de 150.000€, com vista a assegurar a realização de três dos projectos da
Cena Lusófona previstos aié Íinal de 2004.

Como ficou patente, esta é uma solução kansitória que tem como finalidade não lesar, duranb c
ano de 2004, a Cena LusóÍona pelo carácter particular do seu prograrne enquadÍâ.do-o, desta
forma, no regulamento vigeate. No entanto, deverá ser encontrada uma soluçãa de longo prazo
para a Cena Lusófan4 estando essa análise em curso.

')

Lisboa,27 de Sebmbro de 2004

Gabinete de Teatro

MiC À{rststÉnro o,r curruna