Você está na página 1de 10

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA


INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS IPORÁ
COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA E PÓS-
GRADUAÇÃO DO IF GOIANO – CÂMPUS IPORÁ

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM MUSEU VIRTUAL TOTAL PARA O


MUNICÍPIO DE IPORÁ

Candidato a Bolsa: Josie Borges Fonsêca


Orientador: Luciana Recart Cardoso

Iporá
Junho de 2013
Resumo: A globalização exalta culturas dominantes e suprime culturas locais. O advento da
internet aumentou a possibilidade de comunicação e interação entre as pessoas ao redor do
mundo. Os recursos WWW tornaram possível viajar sem sair de casa, ou seja, visitar
virtualmente locais, museus, etc., dispersos geograficamente. O crescimento dos museus
virtuais tem se tornado uma alternativa para o fortalecimento e preservação da memória e
democratização do patrimônio cultural. O presente projeto tem como objetivo tornar público
um acervo de imagens, sons e textos que constituem a memória de Iporá em um museu
virtual total.
1. Introdução:

A cultura é viva e inconstante, passível de contínuo processo de recriação e revisão


de seus valores, adequando seu legado tradicional às novas circunstâncias historicamente
construídas pela sociedade vigente.
A globalização nos expõe à influência de culturas externas e ao mesmo tempo
percebemos o enfraquecimento da cultura local. Talvez este fato tenha desencadeado uma
reação de resistência através de movimentos de reforço de identidades locais como estratégia
de resgate e valorização individual e coletiva. As comunidades reúnem-se, hoje em torno de
seus valores coletivos, exigindo do poder público ações de preservação de seu patrimônio
cultural e recursos para a manutenção de suas manifestações ímpares. Neste contexto, os
museus assumem um importante papel na construção da memória coletiva das comunidades
(INTRODUÇÃO, 2007).
A Internet, possibilita um intercâmbio de valores, além da utilização de novas
formas de disseminação de informação, cultura e arte, o que deu origem aos museus virtuais
ou cibermuseus.
Atualmente, diversos museus em torno do mundo já disponibilizam seus acervos
em sites na Internet, possibilitando acesso a eles a um grande contingente de indivíduos que
de outra forma jamais o fariam e assim contribuindo para a democratização da arte e da
cultura. Um exemplo disso é o Louvre Virtual. (LOUVRE, 2007)
Uma nova modalidade de museus virtuais são os museus virtuais totais, que são
museus construídos unicamente no formato virtual, com funcionamento exclusivamente
digital não possuindo um prédio e objetos reunidos e disponíveis para visitação centralizada
e localizada como ocorre em museus convencionais. (OLIVEIRA, 2012)
Esse projeto acrescenta à ideia de museu virtual total, georeferenciado, com a
participação da comunidade, com o intuito da desmistificação do espaço de museu como
espaço elitizado e principalmente da possibilidade da construção dinâmica, coletiva e
democrática da cultura, da história e do patrimônio cultural passados e presentes.
2. Justificativa e relevância:

A criação de um museu virtual total para o município de Iporá se deve pelo vasto
acervo fotográfico, literário, artes e manifestações culturais riquíssimas, porém não
centralizadas e catalogadas. Faz-se necessário disponibilizar tais materiais de grande valor
histórico e cultural, que se encontram, no entanto inacessíveis à maioria da população por
estarem geograficamente dispersos, ou mesmo em propriedade de particulares.
A proposta de criação de um museu virtual total tem muitas vantagens como: a não
ocupação de espaço físico, seu espaço é somente na rede; a conservação do material
catalogado, imune à ação do tempo, clima e insetos. A consulta do público ao material virtual
é livre, uma vez que não danifica o acervo.
Lévy (1999) critica a criação de museus virtuais pela sua restrição em recursos e
acesso ao acervo e falta de interação real com a comunidade e sua história, nos quais os
usuários visitantes limitam-se a meros expectadores.
Os ‘museus virtuais’, por exemplo, muitas vezes nada mais são do que
catálogos ruins na Internet, enquanto é a própria noção de museu como ‘fundo’ a
ser ‘conservado’ que é colocada em questão pelo desenvolvimento de um
ciberespaço onde tudo circula com uma fluidez crescente e onde as distinções
entre original e cópia evidentemente não têm mais valor. Em vez da reprodução
das exposições clássicas em sites ou displays interativos, seria possível conceber
percursos personalizados ou então constantemente reelaborados pelas
navegações coletivas em espaços totalmente desvinculados de qualquer coleção
material”. (LÉVY, 1999:188-9)

Um diferencial do museu proposto é a interação da comunidade que participará não


só dispondo de material documental particular, mas através do registro de festividades,
manifestações, políticas, artísticas e culturais.
3. Objetivos:

Objetivo geral

Tornar público um acervo de imagens, sons e textos que constituem a memória de Iporá
em um museu virtual total

Objetivos específicos

• disponibilizar imagens, sons, textos e vídeos da história e manifestações de


arte e cultura de Iporá;

• promover a integração entre comunidade e o Instituto Federal Goiano através


do museu virtual total;

• oferecer à comunidade um museu virtual em constante atualização e


aperfeiçoamento;
4. Metodologia:

A existência deste projeto depende do envolvimento da comunidade que será


buscado através da divulgação do projeto, via site do instituto, fixação de cartazes dentro e
fora do instituto, visitas em outras instituições de ensino e entrevistas à rádios e jornais
locais.

Para realizar este trabalho será feita uma pesquisa teórica bibliográfica inerente às
definições e funções de museus físicos, museus virtuais e design de interação.

Inicialmente o projeto buscará o envolvimento da comunidade visando coletar


documentos visuais (fotografias, e outros tipos documentos). A coleta de documentos
poderá acontecer por meio de registro fotográfico de documentos ou objetos ou
escaneamento realizados in loco, ou pelo envio de documentos digitalizados, identificados
e enviados via e-mail por seus proprietários à equipe do projeto. Todos os documentos
coletados serão catalogados e quando necessário receberão tratamento digital.

Paralelamente serão realizados o planejamento, definição do design do site, criação


de layouts de página. Após a aprovação dos layouts serão definidas as funcionalidades do
site em uma ordem hierarquicamente decrescente. As funcionalidades e navegação serão
implementadas e testadas. Corrigidos todos os problemas detectados nos testes o site entra
na etapa de divulgação (disponibilizado na internet) e será constantemente atualizado,
alimentado com novos documentos.

Os softwares utilizados no desenvolvimento do projeto serão livres e gratuitos


respeitando os preceitos da propriedade intelectual. Para o tratamento das fotos será usado
o software GIMP, para o banco de dados será usado o MySQL e para o desenvolvimento
do site serão utilizadas as linguagens PHP e HTML.

O projeto conta com a colaboração de professores de história tanto do IF Goiano,


como da Universidade Estadual de Goiás UnU Iporá, que possui um curso de Licenciatura
em História.
5. Metas e atividades, indicadores físicos de execução e cronograma de execução (Exemplo)
Indicadores físicos Cronograma de
Metas Atividades
de execução execução
Mês de Mês de
início término
- Definição do público alvo,
material disponível, texto a
1. Planejamento do ser utilizado; Site planejado e
08/13 10/13
site - Definição da tecnologia aprovado
usada para o
desenvolvimento.
- Definição de cores, fontes,
2. Criação do mapa e Aprovação do mapa
identidade visual;
definição de cores e definição de cores 09/13 10/13
- Criação de um mapa do site,
do site do site
tópicos e sub-tópicos.
- Elaboração de um rascunho
(wireframe) de como os
3. Criação de layouts elementos do site estarão
de página distribuídos na página, Wireframe aprovado 10/13 10/13
tamanhos de imagens, botões;
- Aprovação do wireframe
pelo orientador.
4. Definição das
- Definição dos tipos de
funcionalidades do Funcionalidades
consultas e interação 10/13 10/13
site definidas
oferecidas pelo site.
5. Implementação
das
- Programação das Funcionalidades
funcionalidades e 11/13 02/14
funcionalidades codificadas
navegação

- Verificação do
funcionamento de consultas e
6. Testes das links;
funcionalidades e - Testes de visualização em
Testes realizados 11/13 02/14
navegação diferentes navegadores e
plataformas.
- Correções de possíveis
falhas.
7. Divulgação do site - Colocação do site em
Site on line 02/14 07/14
funcionamento na internet.
- Aperfeiçoamento de
8. Atualização do site funções e layout;
Site atualizado 02/14 07/14
- Inclusão de novos
documentos catalogados;
- Redigir relatório parcial do
projeto; Entrega do relatório
9. Relatório parcial 11/13 12/13
- Submeter o relatório à parcial
apreciação do orientador
- Executar correções
indicadas pelo orientador.
- Redigir relatório final do
projeto;
- Submeter o relatório à Entrega do relatório
10. Relatório final 06/14 07/14
apreciação do orientador final
- Executar correções
indicadas pelo orientador
6. Referências bibliográficas:

DIAZ, A. de A. Museu Fotográfico Virtual da Ilha de Santa Catarina – MUVISC. 2002.


67 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Universidade Federal de Santa
Catarina. Florianópolis, 2002. Disponível em: <http://teses.eps.ufsc.br/Resumo.asp?3517>.
Acessado em: out. 2007

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de


Janeiro: editora 34. 1999. 203 p.

LOUVRE. Disponível em: < http://www.louvre.fr/llv/commun/home.jsp>. Acessado em:


out. 2007

MAGALDI, M. B. Navegando no Museu Virtual: um olhar sobre formas criativas de


manifestação do fenômeno Museu. 2010. 209 f.: Dissertação - UNIRIO/MAST - Rio de
Janeiro. Fevereiro 2010. Disponível em: <http://www.unirio.br/cch/ppg-
pmus/dissertacoes/dissertacao_monique_magaldi.pdf>. Acessado em: Nov. 2012

Museu Virtual do Rio Grande. Disponível em:


<http://www.riograndeemfotos.fot.br/museuvirtual/indexa.html>. Acessado em: out. 2012

OLIVEIRA, J. C. Democracia da Memória e da Informação: Os Museus Virtuais Totais.


Disponível em: <http://www.abremc.com.br/artigos2.asp?id=21>. Acessado em: nov. 2012
7. Viabilidade financeira:
Elemento de Valor Valor
Discriminação Unid. Qtde
Despesa Unitário Total
papel A4 resma 2 R$ 14,00 R$ 28,00
Material de
Consumo

computador unid 1 R$ 1.200,00 R$ 1.200,00


câmera fotográfica unid 1 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00
Material
gravador de áudio unid 1 R$ 300,00 R$ 300,00
Permanente
scanner de mão unid 1 R$ 300,00 R$ 300,00

Serviço de
terceiro
(pessoa física)

Serviço de
terceiro (pessoa
jurídica)

Passagens

Diárias

TOTAL - - - R$ 3.828,00

8. Equipe executora:
Candidato a Bolsa: Josie Borges Fonsêca ______________________________________
Orientador: Luciana Recart Cardoso ______________________________________