Você está na página 1de 18

Licenciamento ambiental

e avaliação de impactos
ambientais
Avaliação de Impactos Ambientais: histórico, conceitos e legislação
aplicável

Responsável pelo Conteúdo:


Profa. Ms. Paula Meerholz Roosch

Revisão Textual:
Profa. Esp. Márcia Ota
Avaliação de Impactos Ambientais: histórico,
conceitos e legislação aplicável

Nesta unidade, trabalharemos os seguintes tópicos:


• Introdução ao Tema
• O que é Impacto Ambiental?

Fonte: Thinkstock / Getty Images


• Histórico da Avaliação de Impactos Ambientais (AIA)
• Legislação Aplicável
• Definições da Avaliação de Impactos Ambientais como
Instrumento e como Processo
• Orientações para leitura Obrigatória

·· Os objetivos desta Unidade são:


·· Compreender conceitos básicos a respeito da Avaliação de Impactos Ambientais,
permitindo que o aluno relacione, posteriormente, a importância da Avaliação de
Impacto Ambiental no processo de Licenciamento Ambiental.
·· Estudar o histórico do processo no Brasil e no mundo, a fim de compreender
melhor o panorama atual da AIA no Brasil.
·· Conhecer os principais Requisitos Legais aplicáveis à Avaliação de Impacto
Ambiental em vigência, no âmbito federal e no Estado de São Paulo

Nesta Unidade, será introduzido o tema de Avaliação de Impactos Ambientais, incluindo


a apresentação dos conceitos básicos, evolução histórica, legislação aplicável relacionada
ao tema e a importância desse instrumento para a preservação do Meio Ambiente.
Desse modo, a partir do conteúdo abordado, esperamos que você compreenda os
principais aspectos do processo de Avaliação de Impactos Ambientais, permitindo que,
posteriormente, o conteúdo aprendido seja relacionado com o processo de Licenciamento
Ambiental e demais temas discutidos ao longo desta Disciplina.
Assim sendo, não se esqueça de acessar ao link Materiais Didáticos, onde encontrará o
conteúdo e as atividades propostas para esta unidade

5
Unidade: Avaliação de Impactos Ambientais: histórico, conceitos e legislação aplicável

Introdução ao Tema
Para iniciarmos o assunto de Avaliação de Impactos Ambientais, é importante que você
compreenda e assimile com clareza o conceito de Impacto Ambiental, assunto-chave a ser
discutido ao longo dessa e das demais unidades da Disciplina, conforme apresentado a seguir.

O que é Impacto Ambiental?


A partir de 1950, o termo “Poluição” passou a ser empregado para denominar a introdução
de matéria ou energia no Meio Ambiente pelo homem, alterando-o de forma negativa. Porém,
com o surgimento e a complexidade dos problemas ambientais, esse conceito passou a ser
insuficiente para denominar diversos tipos de situações relacionadas às alterações ambientais.
Como resultado, já na década de 70, o termo “impacto ambiental” passou a ser difundido
mais intensamente, podendo ser definido como “alteração da qualidade ambiental resultante
da modificação de processos naturais ou sociais decorrentes da ação do homem” (definição
segundo Sanchéz, 2008).
Há outras definições para conceituar Impacto Ambiental: Bolea (1984) define Impacto
Ambiental como a diferença entre a situação do Meio Ambiente futuro modificado pela
realização de um projeto e a do Meio Ambiente futuro sem esse projeto. A norma ISO 14001
define Impacto Ambiental como qualquer modificação do Meio Ambiente, adversa ou benéfica,
que resulte, no todo ou em parte, das atividades, produtos ou serviços de uma organização.
A Resolução CONAMA nº01, criada em 1986, conforme explicado adiante nessa Unidade,
sugere uma definição mais ampla para Impacto Ambiental como:
“Qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio
ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das
atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam:
• a saúde, a segurança e o bem-estar da população;
• as atividades sociais e econômicas;
• a biota;
• as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente;
• a qualidade dos recursos ambientais”.

Após nos apronfudarmos no conceito de Impacto Ambiental, podemos avançar para a


definição de Avaliação de Impactos Ambientais (AIA). Antes disso, será apresentado um breve
histórico de como esse processo surgiu no Brasil e no Mundo.

Procure refletir e pesquisar sobre as diferenças entre Aspecto Ambiental x Impacto


Ambiental; Preservação Ambiental x Conservação Ambiental; Diagnóstico Ambiental x
Prognóstico Ambiental.

6
Histórico da Avaliação de Impactos Ambientais (AIA)
A preocupação com a preservação ambiental e manutenção dos recursos naturais é algo
recente se considerarmos a História de nosso planeta.

No século XVIII, com a Revolução Industrial, a competitividade econômica e o crescimento


desenfreado de cidades em várias partes do globo, o homem compreendia que o Meio Ambiente
estava à sua inteira disposição (veja pelo próprio termo “Recursos Naturais”, ainda hoje
utilizado). Os impactos ambientais, resultantes da extração devastadora de recursos naturais
e da poluição ambiental ocasionada pela geração de resíduos e efluentes, eram considerados
como um “mal necessário” para justificar aquele modelo de desenvolvimento econômico.

Somente quando os impactos decorrentes da ação antrópica passaram a ter consequências


severamente danosas – especialmente à saúde de populações – o homem começou a considerar
a possibilidade de conciliar o desenvolvimento econômico à preservação ambiental.

Em 1969, foi fundamentada nos Estados Unidos a primeira Política formalizada relacionada
ao Impacto Ambiental – NEPA (National Environmanetal Policy Act). No ano seguinte, foi
institucionalizado o processo de Avaliação de Impacto Ambiental (AIA), como instrumento da
Política Ambiental.

Esse processo exigia que todos os empreendimentos norte-americanos potencialmente


impactantes do ponto de vista ambiental, realizassem as seguintes etapas para permitir sua
implantação: identificação dos impactos ambientais e dos efeitos negativos dos mesmos ao
Meio Ambiente; ações alternativas para a redução deste efeito negativo; ações de melhoria e de
comprometimento ambiental do empreendimento, estabelecidas em curto a longo prazo. Esse
modelo de Avaliação foi adotado, posteriormente, no Canadá, França, Holanda, Alemanha e
Grã-Betanha (MMA, 2009).

Entre os anos 70 e 80, o processo de Avaliação de Impacto Ambiental passou a ter cada
vez mais aceitação, sendo regulamentado na legislação de mais de cem países. Em 1992, na
Conferência das Nações Unidades sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (CNUMAD),
foi estabelecido que os os países deveriam, a partir de então, adotar esse instrumento para
qualquer atividade com significativo impacto ambiental, conforme Princípio 17 da Declaração
do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento.

7
Unidade: Avaliação de Impactos Ambientais: histórico, conceitos e legislação aplicável

Legislação Aplicável
No Brasil, a AIA passou a ser considerada na legislação brasileira em 1980, por meio da Lei
nº 6.803, que definiu as diretrizes básicas para o zoneamento industrial nas áreas críticas de
poluição. A lei passou a exigir um Estudo Prévio de Impacto Ambiental para a aprovação de
zonas estritamente industriais destinadas à localização de polos petroquímicos, cloroquímicos,
carboquímicos e instalações nucleares.

O marco da legislação nacional referente à AIA se deu em 1981, com a regulamentação


da Política Nacional do Meio Ambiente, estabelecida pela Lei Federal nº 6.938. Até então,
algumas tentativas de aplicação de metodologias para a AIA foram decorrentes das exigências de
órgãos financeiros internacionais para aprovação de empréstimos a projetos governamentais.

A AIA surgiu como instrumento para a identificação, previsão, interpretação e prevenção


das consequências ou efeitos de alguma ação, plano ou programa relacionado ao Meio
Ambiente. Sua finalidade é que os impactos ambientais sejam considerados antes de se tomar
qualquer decisão que possa acarretar significativa degradação da qualidade do meio ambiente.
Para tanto, as atividades que compõem a AIA são organizadas de maneira sequencial e lógica,
tendo como objetivo final analisar a viabilidade ambiental de projetos.

Ao longo do tempo, a AIA foi evoluindo como instrumento, sendo seu uso ampliado e
regulamentado também nas esferas estaduais e municipais, permitindo maior aderência como
ferramenta para a Política Nacional do Meio Ambiente.

Em 1983, o Conselho Nacional do Meio Ambiente, CONAMA, recebeu a competência


para determinar os critérios a serem exigidos nos Estudos de Impacto Ambiental. Assim, em
1986, foi criada a Resolução CONAMA nº01, que estabeleceu as definições responsabilidades,
critérios básicos e diretrizes gerais para o uso e implementação da avaliação de impacto
ambiental como um dos instrumentos da política nacional de meio ambiente. Posteriormente,
foram criadas outras resoluções pelo CONAMA que disciplinaram aspectos dos estudos de
impacto ambiental, conforme será discutido ao longo das próximas unidades.

Dessa forma, como parte do processo de AIA, diversas leis, regulamentos e políticas
estabeleceram a a necessidade de preparação de Estudo de Impacto Ambiental (EIA) para a
tomada de decisões sobre a implantação de atividades com impacto ambiental significativo.

8
Definições da Avaliação de Impactos Ambientais como Instrumento
e como Processo
Um autor pioneiro e reconhecido na área de Avaliação de Impactos Ambientais, Munn
(1975) definiu o processo como uma “atividade que visa identificar, prever, interpretar e
comunicar informações sobre as consequências de uma determinada ação sobre a saúde e o
bem-estar humanos”.

Já a International Association of Impact Assessment (IAIA) define AIA de forma mais


abrangente, como “um processo de identificação, previsão, avaliação e mitigação dos efeitos
relevantes de ordem biofísica, social ou outros de projetos ou atividades antes que decisões
importantes sejam tomadas”. Dessa forma, a IAIA considera, também, a avaliação e mitigação
dos efeitos impactantes ocasionados por uma atividade.

É importante mencionar que, no Brasil, a AIA possui significados diferentes como instrumento
e como processo. Apesar de ambos serem tratados nessa Disciplina, é importante que você
compreenda a diferenciação entre eles.

A AIA como instrumento é um termo utilizado quando se deseja prever e avaliar os impactos
significativos de um projeto ou atividade proposta, sendo normalmente parte integrante de
um EIA (assunto abordado na última Unidade dessa disciplina). Nesse sentido, o instrumento
de AIA se restringe à análise das consequências de uma intervenção planejada (política,
plano, programa, projeto), ou não planejada, como desastres naturais e conflitos, fornecendo
informações importantes para a tomada de decisões.

Já o processo de AIA é mais abrangente e envolve a realização de diversas etapas anteriores


e posteriores ao uso do instrumento. O Processo, definido pela Legislação Ambiental aplicável,
possui etapas anteriores e posteriores à utilização do instrumento de AIA, pois se inicia na
caracterização da região de estudo e continua após a identificação e a avaliação dos impactos,
uma vez que podem ser elaborados programas de monitoramento dos impactos ambientais
e Programas de Gestão Ambientais diversos já na implantação do empreendimento. Dessa
forma, o processo de AIA pode ser definido como um procedimento legal e institucional ligado
ao processo de tomada de decisão de uma intervenção planejada.

9
Unidade: Avaliação de Impactos Ambientais: histórico, conceitos e legislação aplicável

Orientações para leitura Obrigatória

Conhecer os propósitos, funções e a abrangência legal da Avaliação de Impactos


Ambientais, permite que você tenha maior compreensão da aplicação e até mesmo das
limitações desse processo.
Tendo em vista que o principal papel da AIA é verificar a viabilidade ambiental de um
projeto. Com isso, sua aplicação adequada visa proibir a implantação de projetos inviáveis do
ponto de vista ambiental ou legitimar os projetos viáveis ambientalmente. Além disso, pode
haver a proposição de melhores alternativas de localização e de implantação do projeto, bem
como a redefinição de objetivos e responsabilidades dos proponentes destes projetos.

Para entender melhor o conceito de aspecto e impacto ambiental,


bem como o processo de Avaliação de Impactos Ambientais, explore
o livro “Avaliação de Impactos Ambientais”, da autora Kátia
Cristina Garcia.
Para ler o livro, acesse a sua “Área do aluno”, disponível em:
https://siaa.cruzeirodosul.edu.br/alunos/novo_login.jsp
No menu à esquerda da tela, procure os seguintes links: Serviços;
Biblioteca; E-books – Bib. Virtual Universitária. No campo de
busca localizado no topo da tela, digite “Avaliação de Impactos
Ambientais” e clique na capa que aparecer como resultado.

No rodapé da página, você tem acesso a ferramentas de visualização do livro, como para
aumentar ou reduzir o zoom da página e para escolher o número de página a ser visto.
O conceito de Impacto Ambiental é abrangido de forma mais detalhada nas páginas 19
a 25. A partir da página 27, a autora avança para o conceito de Avaliação de Impactos
Ambientais, estendendo-se até a página 30.
O Histórico da Avaliação de Impactos Ambientais no Brasil e no mundo é explicado nas
páginas 71 a 79. Para explicar a evolução da AIA no Brasil, é dado destaque às leis que
regulamentaram e nortearam esse processo, bem como ao surgimento e ao papel dos Órgãos
Ambientais na operacionalização da AIA.
O conhecimento das etapas do processo é importante para que você relacione os conceitos
a serem abordados nas próximas unidades dessa disciplina e são apresentadas nas páginas
79 a 86 do livro.

O livro “Curso de Gestão Ambiental” faz uma abordagem sobre


o histórico do processo de Avaliação de Impactos Ambientais. Para
acessar a obra, siga o mesmo caminho descrito acima e digite o
título da obra. Você deverá ver a seguinte capa.

10
Nas páginas 761 a 767, o autor realiza uma abordagem interessante a respeito das origens
e evolução da avaliação de impacto ambiental, no mundo e no Brasil, conforme discorrido na
Introdução dessa unidade.

O livro “Gestão Ambiental no Mercado Empresarial” faz uma


abordagem da Avaliação de Impactos Ambientais como instrumento
preventivo para o gerenciamento ambiental.

Para ler o livro, acesse o link da Biblioteca Virtual mencionado


acima. No campo de busca localizado no topo da tela, digite “Gestão
Ambiental no Mercado Empresarial” e clique na capa que aparecer
como resultado:

No rodapé, digite o número de página 88, que introduz o assunto e compara a Avaliação de
Impactos Ambientais com outros instrumentos de gerenciamento ambiental. Nas páginas 91 a
94, são introduzidos os conceitos de impacto ambiental sob diferentes abordagens.

Os aspectos legais da Avaliação de Impacto Ambiental são


abordados no Livro “Gestão Socioambiental no Brasil, uma
análise ecocêntrica”. Para acessar a obra, siga o mesmo caminho
descrito acima e digite o título da obra. Você deverá ver a seguinte
capa:

Consulte as páginas 123 a 125, no que diz respeito à Legislação Ambiental Federal aplicável
à Avaliação de Impactos Ambientais.

11
Unidade: Avaliação de Impactos Ambientais: histórico, conceitos e legislação aplicável

Material Complementar

Por meio do conteúdo apresentado até o momento, você já pôde verificar que a Avaliação
de Impactos Ambientais, como instrumento da PNMA e como processo, é fundamentada na
Legislação Ambiental Brasileira.
Para que você desenvolva uma análise crítica sobre o assunto, leia o Material Complementar
apresentado a seguir, no qual são apresentadas diferentes visões de autores referentes à
aplicação da AIA no Brasil.
O professor José Carlos Barbieri escreveu um artigo com o resumo das principais questões
sobre a Política de AIA e seus procedimentos de acordo com a legislação brasileira.
• Esse artigo reforça a finalidade do AIA como medida de prevenção à Preservação
Ambiental, uma vez que garante a previsão de possíveis danos ambientais e sua mitigação
num estágio preliminar de planejamento do projeto. Por isso, o autor discorre sobre a
importância de estudos profundos sobre o ecossistema que irá abrigar o empreendimento
proposto, bem como de sua população e costumes. Também, são mencionados os tipos
de atividades que estão sujeitas a esses estudos – assunto que será abordado com maior
profundidade na Unidade 04 dessa Disciplina.
O artigo publicado na Revista de Administração de Empresas pode ser acessado em:
» http://www.scielo.br/pdf/rae/v35n2/a10v35n2

Os desafios, dificuldades e até as limitações enfrentadas pela implementação da Avaliação de


Impactos Ambientais como instrumento da PNMA no Brasil, são contextualizados no artigo “A
Avaliação de Impactos Ambientais no Contexto de Aplicação dos Instrumentos de Política Ambiental”.
• Nesse estudo, é feita uma reflexão a respeito da implantação do AIA no Brasil e de sua
aplicação no Brasil, por intermédio do Estudo de Impacto Ambiental (EIA). O autor,
também, menciona um modelo complementar à AIA, que leva em conta as etapas
iniciais de planejamento estratégico: a Avaliação Ambiental Estratégica (AAE).
A AAE já vem sendo adotada na Europa e, diferente do EIA, que tem como objetivo o
Licenciamento Ambiental e o aprimoramento das Políticas, Planos e Programas que antecedem
os projetos de implantação de empreendimentos. Por esse motivo, o autor argumenta sobre
a aplicação da AAE para complementar a Avaliação de Impactos Ambientais, mas salienta as
dificuldades que, também, existem na implantação desse processo.
Conforme explicado no artigo, a adequada aplicação da AIA pressupõe o uso de uma
base de informação que indique a capacidade de o ambiente suportar a demanda por
recursos naturais, conciliando o desenvolvimento socioeconômico. Porém, garantir a
eficácia dessa implantação é um grande desafio, tendo em vista a complexidade dos
estudos e o grau de dificuldade de realizar um prognóstico preciso.
Para ler o artigo, consultar o link:
» http://bit.ly/2wiSu9Y

12
• Uma análise crítica contemporânea sobre a aplicação da Avaliação de Impactos
Ambientais nas cidades é feita no artigo “AIA e os desafios das cidades do século XXI”,
por meio de um paralelo entre um país desenvolvido e outro em desenvolvimento
(Portugal e Moçambique, respectivamente).
O desenvolvimento acelerado de cidades apresenta impactos ao Meio Ambiente que, se não
forem controlados, podem apresentar consequências negativas severas. Tendo em vista que a
expansão urbana é difícil de ser revertida, o autor faz uma reflexão sobre como esse fenômeno
poderia ser orientado de forma a conciliar questões culturais, sociais e ambientais.
Nsse artigo, também, menciona-se sobre o processo de Avaliação Ambiental Estratégica (AAE)
abordado no artigo citado acima, que é complementar à Avaliação de Impactos Ambientais.
Uma abordagem integrada entre a AIA e a AAE foi considerada útil no âmbito da expansão e
requalificação urbana, uma vez que as questões ambientais poderiam ser consideradas desde
a fase de planejamento até a implementação e acompanhamento dos projetos.
O estudo pode ser acessado em:
» http://avaliacaodeimpacto.org.br/wp-content/uploads/2012/10/004_Cidades_v022.pdf

• O Mercosul possui territórios de grande relevância ambiental, em razão de sua


biosiversidade, fontes energéticas e recursos naturais. Contudo, os países do Mercosul,
também, estão em processo de desenvolvimento acelerado e a questão ambiental,
muitas vezes, deixa de ser considerada nessa expansão.
Nesse contexto, no artigo “Avaliação de Impactos Ambientais nos países do Mercosul”, faz-se
uma reflexão sobre a legislação ambiental referente à AIA regulamentada no Brasil, Argentina,
Paraguai e Uru os de licenciamento e de AIA, objetivando uma proteção ambiental conjunta
para prevenir danos ambientais, já que estes não se restringem aos limites territoriais, mas
podem ultrapassar fronteiras.
Leia o artigo em sua íntegra por meio do link:
» http://www.scielo.br/pdf/asoc/v8n2/28609.pdf

• Desde a criação do instrumento de AIA, muitos estudos propõem uma análise de sua
eficácia, mas não há muita pesquisa sobre a etapa de pós-aprovação do projeto. Por esse
motivo, os pesquisadores Elvira Gabriela Ciacco da Silva Dias e Luis Enrique Sanchéz,
professor conceituado em AIA no Brasil, propuseram um estudo da avaliação da eficácia
na aplicação dos procedimentos de AIA voltados aos projetos de mineração no Estado
de São Paulo, no artigo “Deficiências na Implementação de projetos submetidos à
Avaliação de Impacto Ambiental no Estado De São Paulo”.
Segundo os autores, por mais que o Estudo Ambiental que contempla a Avaliação de
Impactos Ambientais seja bem elaborado, sua eficácia é condicionada ao cumprimento dos
compromissos assumidos.
Entre os problemas que podem ocorrer na pós-aprovação do Estudo, estão: ocorrência
de impactos inesperados ou de magnitude diferente da prevista; inefeciência das medidas
mitigadoras, diferente do que fora esperado; alterações no projeto que resultem em novas

13
Unidade: Avaliação de Impactos Ambientais: histórico, conceitos e legislação aplicável

relações com o Meio Ambiente. Conforme o artigo, pode ocorrer, ainda, que o proponente
não implemente as medidas mitigadoras elencadas no EIA ou o faça de maneira inadequada
ou insuficiente nas etapas de instalação e/ou de operação do empreendimento.
Para superar essas dificuldades, o estudo propõe algumas ações para aprimorar os mecanismos
de triagem para submissão ao processo do AIA, assim como fortalecimento do processo
completo de AIA, garantindo o acompanhamento e fiscalização desde as primeiras atividades
a serem desenvolvidas.
O artigo pode ser lido por meio do link:
» http://goo.gl/pxIM2p

14
Referências

BARBIERI, JOSÉ CARLOS. Avaliação de Impacto Ambiental na legislação brasileira. Revista


de Administração de Empresas. São Paulo, v.35, n.2, p.78-85. Mar./abr/1995. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/rae/v35n2/a10v35n2>. Acesso em julho de 2015.

BERTÉ, RODRIGO. Gestão sócio ambiental no Brasil. Curitiba: InterSaberes, 2013.

BERTÉ, RODRIGO; MAZZAROTTO, ANGELO DE SÁ. Gestão ambiental no mercado


empresarial. InterSaberes. Curitiba,2013.

BETTENCOURT, PEDRO; SILVA, NUNO; FULGÊNCIO, CLAÚDIA. AIA e os Desafios


das cidades do século XXI. 2ª Conferência da REDE de Língua Portuguesa de Avaliação
de Impactos e 1° Congresso Brasileiro de Avaliação de Impacto. Disponível em: <http://
avaliacaodeimpacto.org.br/wp-content/uploads/2012/10/004_Cidades_v022. pdf>.
Acesso em julho de 2015.

DIAS, ELVIRA GABRIELA CIACCO DA SILVA DIAS; SÁNCHEZ, LUIS ENRIQUE.


Deficiências na Implementação de Projetos Submetidos à Avaliação de Impacto Ambiental
no Estado De São Paulo. Pesquisa realizada para obtenção de título de Doutor em Engenharia
Mineral pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Janeiro, 2001. Disponível
em: <http://www.researchgate.net/profile/Luis_Sanchez39/ publication/236325576_
Deficincias_na_implementao_de_projetos_submetidos__avaliao_de_impacto_ambiental_no_
Estado_de_So_Paulo/links/0deec5179c7584e691000000.pdf>. Acesso em julho de 2015.

GARCIA, KATIA CRISTINA. Avaliação de impactos ambientais. Curitiba: InterSaberes, 2014.

JR., ARLINDO PHILIPPI; ROMÉRO, MARCELO DE ANDRADE; BRUNA, GILDA COLLET.


Curso de gestão ambiental. Barueri: Manole, 2004.

NEVES, FERNANDO FRACHONE; FONTES, AURÉLIO TEODORO; PIZELLA, DENISE


GALLO; SOUZA, MARCELO PEREIRA DE. A Avaliação de Impactos Ambientais no
Contexto de Aplicação dos Instrumentos da Política Ambiental. Interface Tecnológica, v. 10,
n. 1, p. 83-94, 2013. Disponível em: <www.fatectq.edu.br/interfacetecnologia/arquivos/
volume10/artigo08.pdf>. Acesso em julho de 2015.

ROCHA, EDNALDO CÂNDIDO; CANTO, JULIANA LORENSI DO; PEREIRA, POLLYANA


CARDOSO. Avaliação de Impactos Ambientais nos Países do Mercosul. Ambiente &
Sociedade – Vol. VIII nº. 2 jul./dez. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ asoc/
v8n2/28609.pdf>. Acesso em julho de 2015

15
Unidade: Avaliação de Impactos Ambientais: histórico, conceitos e legislação aplicável

Anotações

16

Você também pode gostar