Você está na página 1de 18

Os Maias Orientações de Leitura

Capítulo I
1. Descreve o exterior da Ramalhete.
2. Faz a caracterização socioeconómica da família Maia.
3. Vilaça (pai) não concordava com o facto de Afonso e Carlos irem habitar o Ramalhete. Porquê?
4. Relaciona a descrição do escritório de Afonso com a sua caracterização.
5. O narrador recua até o período da Revolução Liberal. Afonso parte para Inglaterra, regressa,
conhece Maria Eduarda Runa e volta a partir. Explica as razões que o levam para fora do seu
país.
6. É em Londres que o seu filho Pedro é educado. Caracteriza a educação a que é submetido.
7. Observa comparativamente as características de Maria Eduarda Runa e de seu filho. Identifica-as
e tira conclusões.
8. Pedro apaixona-se por Maria Monforte.
8.1. Por que motivo a sua paixão foi tão comentada em Lisboa ?
8.2. Refere os diferentes sentimentos de Afonso face ao envolvimento amoroso de Pedro.
Explica-os.
8.3. «Afonso não respondeu: olhava cabisbaixo aquela sombrinha escarlate que agora se inclinava
sobre Pedro, quase o escondia, parecia envolvê-lo todo – como uma larga mancha de sangue…»
8.3.1. Interpreta esta visão de Afonso como um indício trágico, uma antecipação do futuro.

Capítulo II

1. Por que razão Maria Monforte escolheu o nome de Carlos Eduardo para seu filho ?
2. Descreve a vida que o casal (Pedro e Maria) levava no palacete de Arroios.
3. Numa «sombria tarde de Dezembro», Pedro reconciliou-se com o pai atirando-se para os seus
braços «a chorar perdidamente».
3.1. Explica esta atitude de Pedro.
3.2. Como reagiu Afonso ?
4. Em que medida a educação, o meio e a hereditariedade foram factores determinantes para o
suicídio de Pedro ?
5. Classifica a personagem quanto à sua concepção.

Capítulo III

1. «Mas esse ano passou, outros anos passaram.»


1.1. Atenta no vocábulo que inicia este capítulo. Interpreta a sua função.
1.2. Refere e justifica o aspecto verbal.
1.3. Identifica, na frase, o processo utilizado ao nível do tempo do discurso.

2. Neste momento da narrativa é privilegiada a focalização interna. Justifica.


3. Caracteriza Eusebiozinho física e psicologicamente.
3.1. Mostra que sua descrição apresenta traços caricaturais.
3.2 Quais os recursos estilísticos utilizados na concretização desse objectivo ?

Capítulo IV

1. Caracteriza o ambiente dos Paços de Celas.


2. Traça o perfil de Carlos, enquanto estudante universitário de Medicina.
3. Indica a figura de estilo presente na expressão “uma fisionomia de belo cavaleiro de Renascença.
3.1 Explica o seu valor expressivo.

4. Refere os sentimentos que dominavam Afonso ao ouvir o neto contar as suas aventuras.
5. Que projectos de trabalho trazia Carlos do estrangeiro ?
6. Explica por que motivo o narrador afirma que Carlos «No fundo era um diletante».

7. Observa o consultório Carlos.


Mostra que a decoração reflecte os traços caracterizadores da personagem.

8. A descrição do exterior representa a realidade do centro da capital.


8.1. Identifica os recursos próprios do estilo queirosiano que possibilitam retratar o centro de
Lisboa da segunda metade do séc. XIX.
8.2. Mostra, com exemplos textuais, que o exterior determina o ambiente interior (consultório).

Capítulo V

1. Como se passava o tempo no Ramalhete ao serão ?


2. Caracteriza esse espaço social, considerando as diferentes idades dos que o frequentavam.
3. Compara Carlos e Ega, tendo em conta o seu modo de vida.

4. As características do Conde Gouvarinho apresentam-se, por vezes, contrastantes: parece


agradável mas é maçador.
4.1 Interpreta a intencionalidade crítica que está subjacente à descrição desta personagem.

5. Selecciona outros figurantes presentes neste capítulo e os seus traços distintivos.


6. Refere os divertimentos próprios da alta sociedade, relacionando-os com seu estatuto social.

Capítulo VI

1. Carlos visita a Vila Balzac e é recebido por Ega. Comprova com exemplos textuais que os
elementos decorativos e humanos desse espaço reflectem a personalidade de Ega.
2. Carlos e Craft em breve se tornam amigos. Porquê ?
3. Identifica o organizador do jantar no Hotel Central e o motivo por que o faz.
4. No peristilo do Hotel Central, Carlos, acompanhado por Craft, vê, pela primeira vez, Maria
Eduarda. Indica a importância desse acontecimento para o desenvolvimento da intriga principal.

5. Nesse jantar, Carlos da Maia é apresentado a Dâmaso, a Alencar e a Cohen.


5.1 Refere traços significativos da caracterização dos três últimos.
6. A Literatura e os métodos de fazer crítica literária em Portugal estão representados, através de
Ega e Alencar.
6.1 Que estéticas literárias são defendidas, respectivamente ?
6.1.1 Sintetiza os aspectos fundamentais dessas teorias, segundo os pontos de vista de Ega e de
Alencar.
6.2. Carlos e Craft também exprimem a sua opinião sobre o assunto. Transcreve as suas afirmações.
6.3 A argumentação de Ega e de Alencar reflecte a crítica literária realizada em Portugal naquela
época. Justifica.
7. Além da Literatura, outros temas são abordados, ao longo do jantar. Refere-os.
8. O episódio do jantar no Hotel Central caracteriza o espaço social d’ Os Maias.
Justifica esta afirmação.
9. Reflecte sobre a importância deste acontecimento para o protagonista da acção principal.
10. Depois de se ter despedido de Alencar, Carlos, já no seu quarto, evoca o passado e sonha com
Maria Eduarda.
10.1. Identifica, nesse sonho, os indícios trágicos e interpreta-os.

Capítulo VII
1. Entre Carlos e Cratt havia várias afinidades. Refere-as e justifica-as.
2. Carlos não estava a ter sucesso profissional. Porquê ?

3. Atenta na focalização de Dâmaso Salcede.


3.1. Caracteriza-o.
3.2. Identifica o(s) processo(s) de caracterização utilizado(s). Exemplifica.
3.3. Como se relaciona esta personagem com Carlos ?
3.4. Que registo de língua predomina no discurso de Dâmaso? Tira conclusões.
3.5. Selecciona os recursos estilísticos através dos quais são ridicularizadas as suas conquistas.

4. Quando Carlos encontra Steinbroken que se dirige para o Aterro, vê «uma deusa pisando a
Terra».
4.1. Descreve essa figura feminina.
4.2. Mostra que esse «encontro» lhe proporciona uma visão subjectiva do espaço.
4.3. Substitui «pisando a Terra» por uma oração subordinada relativa.
4.3.1 Confronta a expressividade de cada uma das construções.
5. Por que motivo Carlos convida Cruges a ir a Sintra ?

Capítulo VIII
1. Carlos e Cruges partem para Sintra.
1.1 Mostra que a descrição daquela manhã revela traços impressionistas.
2. Caracteriza o estado de espírito de Carlos e justifica-o.
3. Ao chegar ao Hotel Nunes, Carlos e Cruges encontram Eusebiozinho.
3.1 Regista os traços caracterizadores das pessoas por quem estava acompanhado.
3.2 Tira conclusões sobre o carácter de Eusébio.
4. Em Seteais, Cruges observa a «grande planície de lavoura».
4.1. Classifica a focalização do narrador.
4.2 Destaca os diferentes planos da paisagem focalizada.
5. Carlos voltou ainda, nessa noite, para Lisboa.
5.1 Como se sentia ? Porquê ?

Capítulo IX

1. Dâmaso leva Carlos a consultar Rosicler.


1.1. Regista o que chama a atenção de Carlos quando observa o «gabinete de toilette» de Maria
Eduarda.
1.2. A menina encontra-se no quarto da mãe. Que objectos destoam naquele espaço elegante de
intimidade?
1.2.1 Interpreta a sua presença.
2. Na noite do baile de máscaras, Cohen expulsa Ega de sua casa. Porquê ?
2.1. Como reage o jovem?
3. Que planos anuncia Ega a Carlos ?
4. Afonso, referindo-se a Ega, diz a Carlos: «- Má estreia, filho, péssima estreia! »
4.1. Classifica a intervenção de Afonso, considerando a sua estrutura sintáctica.
4.2. Identifica as reflexões de Carlos ao ouvir as palavras do avô.

5. Carlos vai tomar chá a casa dos Gouvarinho e envolve-se amorosamente com a Condessa, no
gabinete.
5.1. Mostra que a figura do Conde é ridicularizada, através do busto que se encontra nesse espaço.
6. Que conclusões se podem retirar acerca da intervenção do Conde no Parlamento ?

Capítulo X

1. Caracteriza a Condessa de Gouvarinho, tendo em conta as reflexões de Carlos.


2. O protagonista da intriga principal é instável e insatisfeito no amor.
Justifica com transcrições do texto.
3. Identifica o motivo pelo qual Afonso critica as Corridas de Cavalos em Portugal.
4. Carlos vai assistir às Corridas de Cavalos. Porquê ?
5. Considera o espaço geográfico do hipódromo de Belém.
5.1 Indica as marcas impressionistas na descrição.
5.2 Refere as características do hipódromo. Retira conclusões.

6. Observa as pessoas que assistem ao evento social.


6.1 Retrata os diferentes grupos (homens, mulheres).
6.1.1 Analisa estilisticamente o texto relativo à descrição das mulheres observadas por Carlos
e seus amigos.
7. Interpreta a «desordem» acontecida no «Prémio dos Produtos» .
8. Clarifica a intencionalidade crítica do autor no episódio das Corridas de Cavalos.

Capítulo XI
1. Analisa o espaço psicológico de Carlos, quando, enfim, fala com Maria Eduarda.
2. Avalia o contributo da expressividade do verbo e do adjectivo para a compreensão desse estado
de espírito.
3. Caracteriza Dâmaso, mostrando que, neste capítulo, revela mais claramente a sua personalidade.
3.1. Identifica a representatividade social deste figurante.

Capítulo XII

1. Como justificam Carlos e Ega a sua profunda inércia, perante Afonso ?


2. O jantar em casa dos Gouvarinho permite observar o Conde Gouvarinho e Sousa Neto.
2.1 Que traços são evidenciados nestas personagens ?
2.2 Por quem são focalizados?
2.2.1 Refere exemplos da ironia presente nesta focalização.
2.3. Mostra que os dons oratórios do Conde Gouvarinho são ridicularizados.
2.3.1 Qual o objectivo do autor ?

3. Completa a caracterização do Conde Gouvarinho, tendo em conta a sua representatividade na


obra.
4. Identifica os indícios trágicos no diálogo entre Carlas e Ega, no final do capítulo.

Capítulo XIII

1. Considera as características da tragédia n’ Os Maias.


1.1 Identifica o momento a que corresponde na tragédia clássica o incesto entre os irmãos.
1.2 Regista os indícios trágicos presentes no quarto onde «Cratt ressonava as suas sete horas
pacata e solitariamente».
1.2.1 Interpreta-os, tendo em conta o simbolismo neles contido.
1.2.2 Refere o motivo da escolha do nome «Toca».

2. Analisa estilisticamente a descrição do quarto, desde « Mas depois o quarto (.. .)» até «sonhos
suaves», considerando a expressividade do verbo e do adjectivo.
3. Como termina o caso de Carlos com a Condessa de Gouvarinho ?

Capítulo XIV

1. Na perspectiva do desenrolar trágico da acção, como interpretas o facto de Carlos ter adiado o
conhecimento do Sr. Guimarães ?
2. Onde acontecem os encontros amorosos entre Carlos e Maria Eduarda, depois desta se ter
instalado na Toca ?
2.1 Que simbologia assume esse espaço, ao nível da acção trágica, considerando os elementos
decorativos?
3. Após ter regressado de Santa Olávia, Carlos é surpreendido pela visita de Castro Gomes.
3.1 Descreve o seu estado de espírito, depois de saber que Maria Eduarda era amante de Castro
Gomes.
3.2 Sintetiza os acontecimentos que ocorrem após esta revelação.

Capítulo XV

1. Maria Eduarda conta a história do seu passado.


1.1 Traça o percurso da sua vida.
1.2 Classifica o tipo de discurso utilizado.
2. Maria Eduarda é uma personagem de concepção híbrida. Justifica.
3. Carlos e Maria Eduarda vivem uma felicidade idílica.
3.1 Refere o acontecimento que vem perturbar essa felicidade.

4. Carlos e Ega encontram-se com Palma «Cavalão» no Lisbonense. Porquê ?


4.1. Considera a intervenção de Palma iniciada por: «- O que está com a ‘Pingada’».
4.1.1 Analisa as características do seu discurso, considerando a modalidade verbal.

4.2 Caracteriza Palma «Cavalão», esclarecendo a sua representatividade na obra.

5. A vilania de Dâmaso é soberbamente vingada por Ega. De que modo ?


5.1 Caracteriza o ambiente físico e humano do jornal A Tarde.
5.2 Apresenta os traços mais significativos do director Neves.
6. Tira condusões sobre o jornalismo feito em Portugal.

Capítulo XVI

1. O episódio do Sarau do Teatro da Trindade relaciona-se com o título e o subtítulo da obra.


Justifica.
2. Como é satirizado o orador Rufino ?
3. Confronta a reacção do público perante a actuação de Rufino e o recital de Cruges.
3.1 Conclui sobre a intencionalidade do autor.
4. Interpreta a tareia que Carlos dá a Eusebiozinho (relembra o cap. III).
5. O Sr. Guimarães entrega o cofre de Maria Monforte a Ega.
5.1 Mostra que a partir deste momento toda a acção se desenvolve num ritmo acelerado para o
desenlace trágico.

Capítulo XVII

1. Que revelação de Maria Monforte é fatal para Carlos e Maria Eduarda ?


2. Carlos questiona o avô: «- Que significa tudo isto!»
2.1 Analisa sintacticamente a oração sublinhada.
2.2 Que sentimentos dominam as duas personagens ?
2.2.1 Comenta a ordem das palavras na frase.

3. Afonso é vencido pelo destino no passado e no presente. Justifica.


4. Carlos comete incesto conscientemente.
4.1 Caracteriza Maria Eduarda, de acordo com a «nova» observação de Carlos.
5. Indica a consequência, para Afonso, da «fraqueza» de Carlos.
5.1 A que momento da Tragédia Clássica corresponde ?

Capítulo XVIII

1. Que solução dá Carlos à sua vida, após a morte do avô ?


2. Ega e Carlos reencontram-se em 1887, em Lisboa.
2.1 Qual a opinião de Carlos sobre a capital ?
2.2 Refere o simbolismo dos espaços observados pelos amigos, durante o longo passeio que
realizam.
2.3 A nova geração é focalizada.
2.3.1 Que características são evidenciadas ?
2.3.2 Indica a intencionalidade crítica desse retrato.

3. Carlos e Ega revisitam o Ramalhete.


3.1 Apresenta os sentimentos que os dominam.
3.2 O espaço-quintal e seus elementos ganham especial significado. Justifica a afirmação.

4. Finalmente, Ega e Carlos concluem que são uns românticos.


4.1 Esclarece essa opinião.
4.2 Relaciona essa característica com o subdesenvolvimento do País.

5. Carlos defende o fatalismo muçulmano.


5.1 De que modo essa teoria reflecte a personalidade de Portugal na segunda metade do séc. XIX?

6. «- Ainda o apanhamos!»
6.1 Analisa sintacticamente a oração.
6.1.1 Interpreta a estrutura frásica e apresenta outra alternativa de construção.
6.2 Comenta esta conclusão da obra.
Os Maias Visão sinóptica dos capítulos

Cap. I
A história Espaço Tempo

. Os Maias vêm habitar o Ramalhete restaurado por um Lisboa- Ramalhete – Outono


decorador inglês trazido por Carlos Rua S. Francisco de 1875
Paula
. Afonso chega a Lisboa e aprecia o Ramalhete Lisboa
1820
. Juventude de Afonso Santa Olávia, Inglaterra

. Casamento de Afonso com Maria Eduarda Runa Lisboa – Palacete de


. Nascimento de Pedro Benfica
. Afonso exila-se com a família por razões políticas
. Pedro é educado pelo Padre Vasques Inglaterra
. Regresso a Portugal
. Morte de Maria Eduarda Runa Lisboa- Palacete de
Benfica
. Paixão de Pedro por Maria Monforte
. Oposição de Afonso ao casamento do filho com Maria Monforte Lisboa
. Pedro corta relações com o pai e casa com Maria Monforte

Focalização Omnisciente

Cap. II
A história Espaço Tempo

. Lua-de-mel de Pedro e Maria Monforte Itália, França


. Nascimento de Maria Eduarda Palacete Arroios –
Lisboa
. Vida faustosa do casal
. Nascimento de Carlos Eduardo
. Fuga de Maria Monforte com Tancredo e Maria Eduarda
Dezembro
. Reconciliação de Pedro com Afonso Palacete de Benfica

. Carlos Eduardo fica aos cuidados do avô


. Suicídio de Pedro da Maia

. Afonso parte com o neto para Santa Olávia Santa Olávia


. Pedro é transladado para o jazigo da família
. Afonso sofre profundamente a morte do filho
Fevereiro
Focalização Omnisciente

Cap. III
A história Espaço Tempo

· Visita de Vilaça a Santa Olávia Abril


· O jantar em honra de Vilaça Santa
. Vilaça observa o comportamento de Carlinhos e as relações Olávia
afectuosas entre neto e avô
Infância
. Visita das manas Silveira de
. Os homens jogam, as mulheres conversam Carlos
. Carlos retira –se às nove horas
. D. Ana Silveira reprova a educação de Carlos
. Euzebiozinho recita um poema ultra-romântico
. As manas Silveira retiram-se
· Afonso fala de Eusebiozinho
. Vilaça dá informações a Afonso sobre Maria Monforte e entrega-lhe
a carta de Alencar
. Afonso quer recuperar a neta e conta a Vilaça o que Pedro escrevera
na noite em que se suicidara
. Vilaça escreve a Afonso dando-lhe a conhecer as informações que
Maria Monforte dera a Alencar: morrera-lhe a filha em Londres
. Afonso tenta, sem sucesso, certificar-se da morte da neta
. Vilaça (pai) morre Outros anos
. Carlos faz o seu primeiro exame com distinção Coimbra passaram
Hotel Mondego Manhã de
Julho
Focalização Interna / Focalização Omnisciente
Cap. IV
A história Espaço Tempo

· Carlos ia formar-se em Medicina Coimbra


· A vocação de Carlos para Medicina manifesta-se na infância Santa Olávia
· No liceu confirma a sua vocação Coimbra
· Carlos matricula-se na Universidade Coimbra
· Reuniões de intelectuais à volta de Carlos e prática de actividades Paços de Celas
variadas
· O carácter diletante de Carlos manifesta-se
· Afonso confraterniza com os amigos de Carlos
· Carlos ocupa as férias em viagens Lisboa Paris Londres
· Carlos leva consigo Ega Santa Olávia
· Carlos vive uma aventura romântica com uma mulher casada Coimbra
- Hermengarda Ao pé de Celas
· Carlos leva de Lisboa uma espanhola (Encarnacion) e instala-a numa Paços de Celas
casa Agosto
· Festa de formatura de Carlos
· Carlos parte para uma viagem Europa
· Afonso instala-se no Ramalhete Lisboa Outono
· Carlos chega do estrangeiro no paquete Royal Mail 1875
· Jantar em honra de Carlos
· Carlos tem dificuldade em iniciar qualquer plano Ramalhete
· Vilaça aluga um primeiro andar para o consultório de Carlos À noite
· Carlos mobila o consultório com requintado luxo
· Carlos não tem doentes Rossio, Lisboa
· Ega visita Carlos e os amigos falam dos seus projectos Passam
semanas
· Carlos conta como se passa o tempo no Ramalhete e quem o
frequenta
· Ega propõe a organização de um Cenáculo
· Ega elogia Craft
· Ega diz a Carlos que vai publicar o seu livro «Memórias de um
Átomo» De manhã

Focalização Interna / Focalização Omnisciente

Cap. V
A história Espaço Tempo

· Serão no Ramalhete: joga-se whist e bilhar Noite


· Afonso dialoga com Steinbroken Ramalhete
· Vilaça faz confidências a Eusebiozinho sobre as despesas dos Maias,
queixando-se do facto de Carlos ter uma frisa de assinatura
· O serão acaba, os convivas partem
· O consultório de Carlos está pronto, mas este dispersa-se por Lisboa
diferentes actividades
· Carlos ganha «a sua primeira libra»
· Ega leva uma vida de dandy, apaixonado por Raquel Cohen
· Ega é elogiado por um jornalista da Gazeta do Chiado em
consequência da leitura de um excerto de Memórias de um Átomo,
em casa dos Cohen
· Carlos vai à ópera de S. Carlos para ver a Gouvarinho, mas esta não Teatro de S. Carlos
aparece Noite
· Baptista dá informações a Carlos sobre os Gouvarinho Quarto de Carlos
· Ega apresenta Carlos ao Conde Gouvarinho Teatro de S. Carlos
· Carlos conhece a Condessa de Gouvarinho Noite

Focalização Interna / Focalização Omnisciente

Cap. VI
A história Espaço Tempo

· Carlos visita Ega que o recebe de robe de chambre Vila Balzac


· Carlos observa o interior da casa de Ega Subúrbio-Penha de
· Ega profetiza a Carlos um futuro trágico França
· Carlos conhece Craft
Episódio do Jantar no Hotel Central
· Jantar no Hotel Central em honra de Cohen Hotel Central 6 da tarde
· Carlos vê pela primeira vez Maria Eduarda Peristilo
· Ega apresenta Dâmaso a Carlos Em cima, no gabinete
· Dâmaso dá informações sobre os Castro Gomes e fala do tio
Guimarães
· Ega saúda Alencar e apresenta-o a Carlos
· Alencar identifica-se como o melhor amigo de Pedro da Maia
· Os convivas conversam sobre diferentes temas:
Literatura:
- Alencar defende o Ultra-Romantismo
- Ega é a favor do Naturalismo
- Carlos afirma que «os caracteres só se podem manifestar pela Lisboa
acção»
Finanças do País:
- previsível bancarrota
· Ega e Alencar envolvem-se numa violenta discussão literária, mas
acabam por se reconciliar
· O jantar termina e os participantes despedem-se e saem em grupos 3 h depois
· Carlos e Alencar seguem juntos 11h da noite
· Alencar fala do passado
· Carlos relembra o que o avô lhe contara sobre a mãe e a irmã:
tinham morrido em Viena
· Carlos sonha com Maria Eduarda Ramalhete, quarto

Focalização Interna / Focalização Omnisciente

Cap. VII
A história Espaço Tempo

· Afonso joga xadrez com Craft Ramalhete: escritório Depois de


· Carlos tem poucos clientes almoço: março
· Dâmaso frequenta o Ramalhete 1875
· A obsessão de Dâmaso por Carlos intensifica-se Lisboa
· Ega projecta um baile de máscaras em casa dos Cohen

· Carlos vê pela segunda vez Maria Eduarda Aterro


Ao outro dia
· Carlos vê de novo Maria Eduarda acompanhada pelo marido

· Carlos volta ao Aterro mais três vezes de Santos ao Cais do Toda a semana e
Sodré todas as tardes
· A Condessa de Gouvarinho visita Carlos no consultório Consultório: Rossio
· Serão no Ramalhete: dominó, música Ramalhete

· Carlos convida Cruges a ir a Sintra Nessa noite

Focalização Interna / Focalização Omnisciente


Cap. VIII
A história Espaço Tempo

· Ida de Carlos a Sintra, acompanhado de Cruges Benfica, Porcalhota, 8 h da


· Apreciação do percurso geográfico Ramalhão, Sintra manhã

· Carlos procura Maria Eduarda Sintra


· Encontro com Eusebiozinho e Palma «Cavalão» acompanhados por Sintra – Hotel Nunes 9h
prostitutas espanholas
· Deslumbramento perante aquela paisagem junto ao Hotel
· Encontro com Alencar Lawrence
· Carlos, Cruges e Alencar visitam Seteais
· Regresso ao Lawrence Seteais
· Desilusão de Carlos ao ver frustrado o objectivo de encontrar Maria
Eduarda
· Monólogo interior de Carlos
· Regresso a Lisboa
da noite
Focalização I n t e r n a

Cap. IX
A história Espaço Tempo

· Dâmaso leva Carlos a consultar Rosicler. Lisboa - Hotel


· Carlos observa os objectos pessoais de Maria Eduarda Central
Gabinete de toillette
· Carlos conhece Rosicler e Miss Sara de Maria Eduarda
· Cohen expulsa Ega de sua casa no dia do baile de máscaras
· Carlos e Ega vão à quinta de Craft
· Carlos e Craft aconselham Ega a esperar o desafio de Cohen Olivais
· Carlos e Ega aguardam o desafio de Cohen
· A senhora Adélia (criada dos Cohen) traz notícias Vila Balzac No outro
· Raquel Cohen leva uma tareia do marido e depois reconcilia-se com dia
ele. Adélia é despedida e o casal vai para Inglaterra
· Ega decide partir para Celorico devido aos comentários sobre o seu
caso com a Cohen Lisboa
· Carlos reflecte sobre o falhanço dos projectos de Ega e dos seus
· Carlos toma chá em casa dos Gouvarinho Casa dos Condes de
Gouvarinho –sala À tarde
· As senhoras dialogam sobre a instrução
· Carlos envolve-se com a Condessa de Gouvarinho Gabinete onde se
encontra um busto do
Conde de Gouvarinho
· O Conde de Gouvarinho é caracterizado na sua intervenção Sala da casa dos
parlamentar em defesa da educação religiosa Condes Gouvarinho

Focalização I n t e r n a (P r e dom i n a n te)

Cap. X
A história Espaço Tempo
· Carlos encontra·se com a Condessa de Gouvarinho, vivendo com casa de Miss Jones 3 semanas
esta uma fugaz aventura -Rua de Santa Isabel; depois
· A Condessa quer fugir com Carlos, mas este já não está interessado na tipóia (durante 2h)
nela
· Carlos informa o Marquês que Ega está a escrever «O Lodaçal»
(comédia em cinco actos para se vingar de Lisboa)

· Carlos vê Rosicler e cumprimenta Maria Eduarda, ficando muito Adiante do Grémio


impressionado com a beleza dela
· Afonso crítica as Corridas de Cavalos e defende as touradas como Ramalhete
«sport próprio» da raça portuguesa
· Carlos expõe a Dâmaso o seu plano para conhecer os Castro Gomes
(visita à Quinta dos Olivais)
· Dâmaso compromete-se a informar Carlos da resposta dos Castro
Gomes ao convite
· Carlos e o Marquês surpreendem Afonso a dar esmola Ramalhete(antecâmara
Episódio das Corridas de Cavalos ) No
· Carlos e Craft vão às corridas domingo
· Carlos e Craft observam o aspecto geral do hipódromo nas suas seguinte
componentes física e humana
· Carlos e Craft vão «ver as mulheres»
· Carlos fala com D. Maria da Cunha
· Chegada do rei anunciada pelo «Hino da Carta»
· Início das corridas – primeiro «Prémio dos Produtos»
· Chegada da Baronesa de Craben e do Barão
· Carlos deseja encontrar Dâmaso

· Carlos, Craft e Clifford vão beber champanhe


· Carlos e os outros observam uma desordem Bufete (improvisado)
· A Condessa de Gouvarinho informa Carlos que vai ao Porto e que
tem um plano para os dois dormirem juntos em Santarém
· O Conde Gouvarinho, muito afável, cumprimenta Carlos
· Aposta-se para a corrida do «Grande Prémo Nacional»
Carlos surpreendentemente ganha a todos
· Carlos encontra Dâmaso e fica informado de que Castro Gomes
partiu para o Brasil e Maria Eduarda está instalada numa casa
alugada à mãe de Cruges
· Carlos compromete-se a satisfazer o plano da Condessa de
Gouvarinho
· A corrida do «Prémio de El-Rei» termina «grotescamente»
· Carlos parte para Lisboa antes do final das corridas para passar pela
rua de S. Francisco onde se encontra Maria Eduarda
· Craft conta o que se tinha passado no «Prémio de Consolação» e
como tinham terminado as corridas.
· Carlos recebe carta de Maria Eduarda a pedir-lhe para consultar Ramalhete
«uma pessoa de família»

Focalização Interna (Predominante)

Cap. XI
A história Espaço Tempo

· Carlos conhece Maria Eduarda Rua de S. Francisco - Na manhã


na sala seguinte
· Carlos consulta Miss Sara no quarto
· Carlos conversa com Maria Eduarda Na sala
· Carlos vai a Santa Apolónia para se encontrar com a Condessa Estação de Santa A noite
Gouvarinho Apolónia
· Carlos encontra-se com Dâmaso que parte para Penafiel, devido à
morte de um tio
· Carlos é «salvo» pelo Conde de Gouvarinho que acompanha a
mulher ao Porto
· Carlos convive com Maria Eduarda Rua de S. Francisco Todos os
· Maria Eduarda afirma que Dâmaso é «insuportável» e que conhece o -na sala dias,
seu tio Guimarães durante a
· Dâmaso regressa de Penafiel e visita Maria Eduarda que o recebe semana
friamente
· Dâmaso fica muito admirado ao ver Carlos em casa de Maria
Eduarda e, amuado, pede explicações a Carlos

Focalização I n t e r n a (P r e dom i n a n te)

Cap. XII
A história Espaço Tempo

· Ega regressa a Lisboa e instala-se no Ramalhete


· Carlos e Ega justificam a Afonso a sua inércia com o atraso do País Ramalhete Ao almoço
· Afonso desafia-os a concretizarem algo

Episódio do Jantar em casa do Gouvarinho


· Carlos e Ega vão jantar a casa dos Gouvarinho casa dos Gouvarinho 2ª fei ra
· A Condessa recebe Carlos amuada e dá-lhe a conhecer que sabe das segui nte
suas relações com Maria Eduarda
· O Conde mostra-se ignorante e sem memória saa de jantar da casa
· D. Maria critica os diplomatas dos Gouvarinho
· Os homens exprimem opiniões sobre as mulheres
· Sousa Neto não conhece Proudhon
· A Condessa de Gouvarinho reconcilia-se com Carlos e combina com
ele um encontro amoroso

· Carlos declara-se a Maria Eduarda e é correspondido Rua de S. Francisco na tarde


· Maria Eduarda afirma ter algo para dizer a Carlos, mas tal não casa de Mª Eduarda seguinte,
acontece - na sala lindo dia de
· Carlos e Maria Eduarda beijam-se Verão
· Carlos propõe a Craft a venda da Quinta dos Olivais (para Maria Quinta dos Olivais
Eduarda aí passar o Verão) no dia
· Afonso aprova a compra (sem saber os verdadeiros motivos) seguinte
· Carlos confessa a Ega o seu caso amoroso e os seus planos de fuga no quarto de Carlos
com Maria Eduarda (porque pensa que ela é casada com Castro À noite
Gomes)

Focalização I n t e r n a (P r e dom i n a n te)


Cap. XIII
A história Espaço Tempo

· Carlos recebe uma carta da Condessa de Gouvarinho, marcando Ramalhete


encontro com ele
· Ega informa Carlos que Dâmaso o tem difamado (bem como a
Maria Eduarda) em todos os lugares importantes de Lisboa
· Maria Eduarda visita a «Toca» Olivais Manhã de
· Carlos e Maria Eduarda cometem incesto involuntariamente Julho
(sábado)
· Comemora-se o aniversário de Afonso Ramalhete Domingo
· O Marquês informa Ega que vira Raquel Cohen na companhia de
Dâmaso
· A Condessa de Gouvarinho procura Carlos Ramalhete
· O caso amoroso termina violentamente dentro de uma tipóia

Focalização Interna / Focalização Omnisciente

Cap. XIV
A história Espaço Tempo

· Afonso parte para Santa Olávia sábado


· Maria Eduarda instala-se nos Olivais Olivais sábado
· Ega parte para Sintra domingo
· Carlos encontra Alencar, que deseja apresentar-lhe Guimarães Lisboa
· Carlos remete esse conhecimento para outra ocasião.
· Carlos visita Maria Eduarda todos os dias e os dois refugiam-se no
quiosque japonês Olivais todos os
· Maria Eduarda teme a crítica de Miss Sara e Carlos aluga uma casita dias
nos arredores da Toca
· Carlos escandaliza-se, ao surpreender o envolvimento de Miss Sara
com o jornaleiro
· Maria Eduarda visita o Ramalhete e fala de sua mãe Ramalhete À noite
· Ega regressa de Sintra Sábado

· Carlos visita o avô Santa Olávia


Rante uma
semana
· Castro Gomes «visita» Carlos e informa-o de que Maria Eduarda
não é sua mulher, nem Rosicler sua filha Ramalhete sábado, de
Tarde
· Carlos, perturbado, vai à Toca com intenção de humilhar Maria Olivais – Toca
Eduarda
· Maria Eduarda dá explicações a Carlos
· Carlos pede Maria Eduarda em casamento, perdoando-lhe a mentira

Focalização I n t e r n a (P r e dom i n a n te)

Cap. XV
A história Espaço Tempo
· Maria Eduarda conta a história da sua vida a Carlos Olivais – quiosque
· Carlos e Maria Eduarda projectam casar Japonês
· Ega convence Carlos a casar só depois de Afonso morrer Ramalhete
· Ega vai jantar à Toca e relembra a Carlos a necessidade de criar o
Cenáculo OIivais – Toca Daí a dias
· Carlos apresenta Maria Eduarda a alguns amigos
· Realização de reuniões e jantares Toca 2 vezes por
· Carlos retoma a elaboração de artigos de Medicina na Gazeta semana
Médica (incentivado por Maria Eduarda)
· Ega envia a Carlos a Corneta do Diabo com notícia escandalosa Fim Outono
· Carlos e Ega encontram-se com Palma «Cavalão» Largo de Santa Justa
· Palma Cavalão denuncia Dâmaso e Eusebiozinho 4h tarde
· Ega e Cruges vão a casa de Dâmaso desafiá-lo para um duelo com
Carlos casa de Dâmaso
· Dâmaso rejeita o duelo e retracta-se numa carta
· Afonso regressa de Santa Olávia Santa Apolónia De manhã

Episódio do Jornal A Tarde


· Ega vinga-se de Dâmaso, fazendo publicar a carta no jornal A Tarde Lisboa – redacção do
· O Conde de Gouvarinho ascende ao cargo de Ministro da Marinha jornal «A Tarde» Noite
· Dâmaso parte para Itália

Focalização I n t e r n a (P r e dom i n a n te)

Cap. XVI
A história Espaço Tempo

· Maria Eduarda regressa a Lisboa Rua de S. Francisco

Episódio de Sarau do Teatro da Trindade Teatro da Trindade


Noite de
· Ega e Carlos vão assistir ao sarau do Teatro da Trindade:
Inverno
- a oratória de Rufino
- a declamação de Alencar
- o recital de Cruges
· Guimarães interpela Ega, pedindo explicações sobre a carta do
sobrinho Dâmaso
· Carlos dá uma tareia a Eusebiozinho Largo da Abegoaria
· Guimarães entrega o cofre de Maria Monforte a Ega para este o dar Pelourinho (Hotel
a Carlos ou à irmã (Maria Eduarda) Paris)

Focalização Interna

Cap. XVII
A história Espaço Tempo

· Ega procura Vilaça para este abrir o cofre Rua da Prata Quase 11 hr
· Vilaça revela a Carlos o conteúdo da carta de Maria Monforte Ramalhete no dia
· Carlos questiona o avô sobre a irmã seguinte
· Afonso vacila e diz que não conhece a verdade Lisboa
· Carlos comete incesto voluntariamente Rua de S. Francisco
· Afonso morre de desgosto Ramalhete (recanto De manhã
do quintal)
· Ega informa Maria sobre os acontecimentos Rua de S. Francisco No dia
seguinte
· Maria Eduarda parte para Paris Estação de Santa No dia
Apolónia seguinte

Cap. XVIII
A história Espaço Tempo
Ano e meio
· Carlos e Ega viajam pelo mundo Paris- Campos
· Ega regressa a Portugal e Carlos fica a viver em Paris Elíseos
· Carlos passa o Natal em Sevilha Espanha
1886
· Carlos regressa a Portugal Santa Olávia
1887
Episódio do Passeio final de Carlos e Ega
· Carlos e Ega fazem um passeio por Lisboa e observam: Largo de Camões Janeiro de
- a estátua de Camões Chiado 1887
- Dâmaso Avenida
- o obelisco
- a nova geração
- Eusébio

· Carlos e Ega visitam o Ramalhete Ramalhete


· Carlos e Ega concluem que são uns falhados, uns românticos
· Carlos afirma que a sua teoria de vida é o fatalismo muçulmano Rampa de Santos Primeira
· Os dois amigos correm para apanhar o americano Aterro claridade do
luar
Focalização I n t e r n a (P r e dom i n a n te)

Bibliografia:
Gandra, Maria António / Oliveira, Luís Amaro de, Caderno Para Uma Direcção de Leitura de OS MAIAS, Porto Editora, Ldª,
Porto, 1987
QUEIROS, Eça de, 1845-1900
Os Maias : episodios da vida romantica / Eça de Queiroz. - [1ª ed.]. - Porto : Livr. Chardron, Casa
Editora Lugan & Genelioux Successores, 1888. - 2 v. ; 19 cm http://purl.pt/23
Cópias Digitais ou Digitalizadas [notas sobre os conteúdos da BND]:

PURL 23/2 Cópia pública, 3 MB, 1 ficheiro - Digitalização do original: RES. 5011 P.

PURL 23/1 Cópia pública, 3 MB, 2 ficheiros - Digitalização do original: RES. 5012 P.