Você está na página 1de 17

Universidade Federal do Ceará

Centro de Tecnologia
Departamento de Engenharia Elétrica
Disciplina: Laboratório de Eletrotécnica
Professor: Ronny Cacau

Prática: No 05 – Simulação de Circuitos Polifásicos

1. OBJETIVOS
- Familiarização com os circuitos polifásicos;
- Análise das leis de Ohm e Kirchhoff para circuitos polifásicos.

2. MATERIAL UTILIZADO
- Simuladores Electric Circuit Studio (ECS) ou Multisim Live
Sumário
1. OBJETIVOS ............................................................................................................ 1

2. MATERIAL UTILIZADO ..................................................................................... 1

3. INTRODUÇÃO TEÓRICA ................................................................................... 3

4. PROCEDIMENTOS COM O MULTISIM LIVE: .............................................. 5

5. CONCLUSÃO ....................................................................................................... 15

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................ 16


3. INTRODUÇÃO TEÓRICA

Neste relatório, abordaremos conceitos relacionados aos circuitos polifásicos, ou


seja, que possuem duas ou três fases. Até agora, trabalhamos com apenas uma fase nos
relatórios anteriores, portanto é necessária uma introdução teórica acerca de circuitos
polifásicos para prosseguimento adequado da prática.
Como visto na disciplina teórica de Eletrotécnica, circuitos polifásicos são circuitos
nos quais há mais de um enrolamento no gerador. Circuitos com 3 fases (trifásicos) são
bastante utilizados em grandes geradores, visto que numa mesma potência, circuitos
trifásicos são mais econômicos que monofásicos ou bifásicos. As vantagens dos sistemas
trifásicos são inúmeras, entre elas: a possibilidade de uso menor de cobre ou alumínio
para entregar uma mesma potência que um sistema monofásico entregaria, o motor
trifásico ser menos e mais leve que seu equivalente monofásico e os sistemas trifásicos
são a forma mais eficiente de distribuição de energia elétrica a longas distâncias
(MATTEDE, 2018).
Nos circuitos trifásicos, há basicamente dois modos de ligação, válidos tanto para
fontes quanto para cargas: a ligação em estrela ou Y e a ligação em delta ou triângulo,
mostradas abaixo com a representação das tensões e correntes de linha e fase:

Figura 3.1 - Exemplo de circuito trifásico com ligação em delta

Nos circuitos trifásicos, as tensões e correntes possuem algumas propriedades


diferentes das que apresentavam nos circuitos monofásicos. Nos circuitos em delta, as
tensões de linha e de fase são iguais, enquanto a corrente se diferencia pela relação:

Já para circuitos ligados em Y, existem duas tensões distintas com valores


diferentes, a tensão de fase e a tensão de linha. Já a corrente nos circuitos Y tem o mesmo
valor para linha e fase. A relação entre as duas tensões é a seguinte:
Figura 3.2 - Exemplo de circuito trifásico com ligação em estrela

Essas relações entre tensões e correntes de linha e de fase para cada um dos tipos
de ligação serão essenciais para desenvolver os cálculos a serem feitos antes da montagem
dos circuitos a seguir.
4. PROCEDIMENTOS COM O MULTISIM LIVE:
4.1- Monte o circuito com as propriedades dispostas na Figura 4.1 Faça as medições de
tensão sobre a lâmpada, corrente que entra na lâmpada pela fase e corrente que sai da
lâmpada pelo neutro. Com essas medições preencha a Tabela 4.1 e comente os
resultados obtidos. Obs.: A potência da lâmpada deve ser encontrada a partir dos dados
fornecidos na Tabela.

Figura 4.1

Valor eficaz 220 V


V1 Frequência 60 Hz
Fase 0°
Tensão 220 V
Lp1
Resistência 807 Ω

Procedimento de cálculo:

Circuito 1 - Monofásico com uma carga

Tabela 4.1
Tensão Corrente na Fase Corrente no Neutro
(V) (A) (A)
220,0 0,27273 0,27273
Comentários:

Para o circuito 1, temos apenas uma carga, uma lâmpada de 60W de potência e
807Ω, submetida a uma tensão de 220V. Dessa forma, nos resta calcular a corrente que
passa pela lâmpada, por meio da lei de Ohm. Vale ressaltar que o valor da corrente de
fase e neutro é igual para o circuito, visto que ele tem apenas uma fase.
4.2- Agora monte o circuito da Figura 4.2 Faça as medições de tensão sobre cada
lâmpada, corrente que entra pela fase em cada lâmpada, a corrente que passa pelo neutro
e a tensão entre as fases. Com essas medições preencha a Tabela 4.2 e comente os
resultados obtidos. Deve ser realizado um procedimento de cálculo apresentando as
tensões e correntes (módulo e ângulo) no circuito, demonstrando assim, o valor eficaz das
grandezas e as defasagens entre fases.

Figura 4.2

Valor eficaz 220 V


V1 Frequência 60 Hz
Fase 0°
Valor eficaz 220 V
V2 Frequência 60 Hz
Fase -120°
Tensão 220V
Lp1 = Lp2
Resistência 807Ω

Procedimento de cálculo:

Corrente do neutro no circuito bifásico no qual as fontes estão defasadas de 120°:


Circuito 2 - Bifásico com duas cargas

Tabela 4.2
Tensão Corrente na Fase
(V) (A)
Lâmpada 220,0 0,27273
1
Lâmpada 220,0 0,27273
2

Corrente no Neutro (A): 0,27273


Tensão entre as Fases V12 (V): 381,05

Comentários:

Nesse circuito, tivemos 2 fases de 220V cada, uma a 0° e uma a -120°. Dessa
forma, pudemos calcular a tensão de linha VAB como sendo √3 ∙ 220𝑉. Já a corrente que
passa em cada lâmpada foi calculada utilizando a relação entre a tensão e a resistência de
cada uma. Por fim, a corrente no neutro foi calculada sabendo que o circuito está com
ambas as fases defasadas em 120°. Se as fontes estivessem na mesma fase, a corrente no
neutro seria a soma de i1 e i2.
4.3- Para um circuito trifásico, monte o circuito da Figura 4.3. Faça as medições de tensão
sobre cada lâmpada, tensão entre as fases, corrente em cada lâmpada e a corrente que
passa no neutro. Com essas medições preencha a Tabela 4.3 e comente os resultados
obtidos. Deve ser realizado um procedimento de cálculo apresentando as tensões e
correntes (módulo e ângulo) no circuito, demonstrando assim, o valor eficaz das
grandezas e as defasagens entre fases.
Figura 4.3

Valor eficaz 220 V


V1 Frequência 60 Hz
Fase -120°
Valor eficaz 220V
V2 Frequência 60 Hz
Fase 0°
Valor eficaz 220V
V3 Frequência 60 Hz
Fase 120°
Tensão 220V
Lp1 = Lp2 = Lp3
Resistência 807Ω

Procedimento de cálculo:
Circuito 3 - Trifásico com neutro e 3 lâmpadas ligadas em Y

Tabela 4.3
Tensão (V) Corrente na Lâmpada (A)
Lâmpada 220 0,27273
1
Lâmpada 220 0,27273
2
Lâmpada 220 0,27273
3

Corrente no Neutro (A): 453×10-15


Tensão entre as Fases V12, V23 e V31 (V): 381,05

Comentários:

No circuito acima, temos um sistema trifásico defasado de 120° entre si.


Primeiramente, podemos calcular as tensões de linha multiplicando o valor da tensão de
fase, 220V, por √3. Dessa forma, obtivemos o valor de 381,05V para cada tensão de
linha, com uma defasagem de 120° entre cada uma. Seguindo em frente, calculamos a
corrente em cada uma das fases, que é igual a tensão entre cada carga dividida pela
resistência de cada uma delas, ou seja, 0,272615A. Por fim, foi medido e observado que
a corrente no condutor neutro é extremamente próxima de 0, visto que se trata de um
circuito trifásico equilibrado.
4.4- Retire o neutro do circuito e observe o comportamento do circuito com foco no antes
e o depois das tensões entre as fases e de cada lâmpada com o auxílio de voltímetros, bem
como a corrente que passa em cada lâmpada com o auxílio amperímetro.

Circuito 4 - Trifásico sem neutro e com 3 lâmpadas ligadas em Y


Observações:

Ao retirar o condutor neutro do circuito 3, pudemos observar que os valores de


corrente e tensão medidos pelo circuito permanecem inalterados. Esse fato mostra como
o condutor neutro pode ser retirado do sistema sem que haja prejuízo algum nos valores
medidos, pois o circuito se encontra com suas três fases equilibradas, dispensando o
condutor neutro e gerando uma economia na montagem da instalação.
4.5- Monte o circuito trifásico da Figura 4.5. Faça as seguintes medições: tensão entre as
fases, tensão sobre cada uma das lâmpadas, corrente em cada ramo de lâmpadas e a
corrente que passa em cada fase que alimenta o circuito. Com essas medições preencha a
Tabela 4.5. Deve ser realizado um procedimento de cálculo apresentando as tensões e
correntes (módulo e ângulo) no circuito, demonstrando assim, o valor eficaz das
grandezas e as defasagens entre fases.

Figura 4.5

Valor eficaz 220 V


V1 Frequência 60 Hz
Fase -120°
Valor eficaz 220 V
V2 Frequência 60 Hz
Fase 0°
Valor eficaz 220 V
V3 Frequência 60 Hz
Fase 120°
Lp1 = Lp2 = Lp3 = Tensão 220V
Lp4 = Lp5 = Lp6 Resistência 807Ω
Circuito 5 - Trifásico com 6 lâmpadas ligadas em Delta

Procedimento de cálculo:

Para 2 lâmpadas em série:

Em cada lâmpada:

Tabela 4.5
Tensão (V) Corrente (A)
Ramo 381,05 0,23619
AB
Ramo 381,05 0,23619
BC
Ramo 381,05 0,23919
CA

Corrente em cada Fase (A): 0,40909


Tensão sobre cada Lâmpada (V): 190,53

Comentários:
No último circuito da prática, temos um circuito trifásico com ligação em delta ou
triângulo, com 6 cargas conectadas, sendo 2 cargas ligadas em série em cada ramo do
sistema. Dessa forma, ao calcularmos a corrente em cada fase, temos que dobrar a
resistência de 807Ω. Já a corrente de linha é calculada multiplicando a de fase por √3,
nos sistemas em delta. Por fim, o valor da tensão em cada lâmpada foi calculado
utilizando a resistência individual de cada carga e a corrente que passa em cada fase, de
0,23609A.
5. CONCLUSÃO

Ao finalizar o presente relatório, podemos concluir que os circuitos polifásicos


operam de maneiras bem distintas quando comparados aos circuitos monofásicos, de
modo que devemos repensar a maneira como calculamos as tensões e as correntes no
circuito para que obtenhamos um resultado satisfatório na realização da prática. Podemos
observar o funcionamento de um circuito bifásico equilibrado, de um trifásico ligado em
Y com 4 fios, com 3 fios e por fim, de um circuito em delta com 6 cargas. Cada um dos
cirtuitos trabalhados têm suas próprias particularidades em relação às correntes e às
tensões. Tal conhecimento é vital para a formação de futuros engenheiros, visto que a
maioria esmagadora das instalações da atualidade são feitas com sistemas trifásicos, em
decorrência das inúmeras vantagens citadas na introdução deste relatório. Podemos
concluir que a prática foi um sucesso, os valores obtidos via simulador foram os esperados
e todos os conceitos foram devidamente aplicados e absorvidos.
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MATTEDE, H. Diferenças entre sistema trifásico, bifásico e monofásico! Disponível


em: <https://www.mundodaeletrica.com.br/diferencas-entre-sistema-trifasico-bifasico-e-
monofasico/>. Acesso em: 23 jul. 2021.

AMARAL, R. Unidade 1 – Conceitos básicos de eletricidade - Aula 3.

Você também pode gostar