Você está na página 1de 2

Lista 5 - Termodinâmica - F 320 - 2.

o sem 2018
Marcus V. S. Bonança

1. Transformações de Legendre - I. Sabendo que a entalpia H é a transformada de


Legendre da energia interna U (S, V ) em relação a V , encontre quais são as variáveis
independentes da função H. Feito isso, calcule sua diferencial e obtenha as primeiras
derivadas de H e as respectivas relações de Maxwell.

2. Transformações de Legendre - II. Sabendo que a energia livre de Helmholtz,


F (T, V, n), é a transformada de Legendre da energia interna U (S, V, n) com relação
a T , encontre as primeiras derivadas de F e as relações de Maxwell correspondentes.

3. Transformações de Legendre - III. Sabendo que a energia livre de Gibbs,


G(T, p, n), é a transformada de Legendre da energia interna U (S, V, n) com relação
a T e V , encontre as primeiras derivadas de G e as relações de Maxwell correspon-
dentes.

4. Energias livre do gás ideal. A partir da expressão da energia interna U (S, V )


para um gás ideal, calcule H, F e G realizando as transformações de Legendre
correspondentes.

5. Energias livre do gás de fótons. A partir da expressão da energia interna U (S, V )


para um gás de fótons, calcule H, F e G realizando as transformações de Legendre
correspondentes.

6. Potencial quı́mico. Calcule o potencial quı́mico do gás ideal e do gás de fótons,


como função de T , p e n, a partir das respectivas energias livre de Gibbs e compare
os resultados. Arrisque uma interpretação para o que foi obtido.

7. Equilı́brio - I. Dois gases ideais diferentes estavam, inicialmente, em equilı́brio


com o mesmo reservatório térmico e de pressão mas isolados um do outro. Esses
gases são então colocados em contato. (a) Se o contato entre eles se dá por meio de
uma parede diatérmica móvel mas impermeável, qual o novo estado de equilı́brio?
(b) Fazendo com que a parede seja agora permeável, encontre o novo estado de
equilı́brio.

8. Equilı́brio - II. Considere dois gases de fótons que estavam, inicialmente, em


equilı́brio com o mesmo reservatório térmico mas isolados um do outro. Esses gases
são então colocados em contato por meio de uma parede diatérmica móvel. Qual o
novo estado de equilı́brio?

9. Relações de Maxwell - I. Sabendo que o coeficiente de expansão volumétrica


α, a incompressibilidade isotérmica κT e as capacidade térmicas são dados pelas
expressões
       
1 ∂V 1 ∂V ∂S ∂S
α= , κT = − , Cp = T , CV = T ,
V ∂T p V ∂p T ∂T p ∂T V

1
derive a relação
T V α2
Cp = CV + , (1)
κT
usando a relação de Maxwell (∂S/∂p)T = −(∂V /∂T )p (verifique que ela vem da
diferencial dG) e as expressões
       
∂S ∂S ∂S ∂p
= + , (2)
∂T V ∂T p ∂p T ∂T V
e      
∂p ∂T ∂V
= −1 . (3)
∂T V ∂V p ∂p T

Lembre que as equações (2) e (3) derivam das relações da Lista 1. Obs.: veja que a
Eq. (1) permite concluirmos que Cp ≥ 0 se CV ≥ 0 e κT ≥ 0.

10. Relações de Maxwell - II. Derive agora a expressão

T V α2
 
1 ∂V
κT = κS + , onde κS = − , (4)
Cp V ∂p S

é a incompressibilidade adiabática. Siga os mesmos passos e sugestões do exercı́cio


anterior. Além disso, obtenha a relação Cp /CV = κT /κS a partir dos resultados
obtidos nesses dois últimos exercı́cios. Obs.: veja que a Eq. (4) permite concluirmos
que κT ≥ 0 se κS ≥ 0 e Cp ≥ 0.

11. Estabilidade. Sabendo que o Princı́pio de Energia Mı́nima exige que as derivadas
segundas (não cruzadas) da função U (S, V, n) sejam positivas, mostre qual deve
ser o sinal das derivadas segundas (não cruzadas) das energias livre F (T, V, n) e
G(T, p, n).

Você também pode gostar