Você está na página 1de 25

ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Máquina de indução

Máquina de indução - a tensão de rotor que produz a corrente do rotor e o campo magnético do rotor é
induzida nos enrolamentos do rotor. Não é necessário uma corrente contínua de campo para por a
máquina em funcionamento.

1. Construção de Motor de indução

Há 2 tipos de construção de rotor:


a) Gaiola de Esquilo
b) Rotor Ranhurado

Diagrama de um motor de
indução com o rotor em gaiola

Esboço de rotor em
gaiola

culpapedro@yahoo.com.br 1
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Rotor ranhurado para motores de


indução.

Diagrama de um motor de indução de rotor ranhurado.

culpapedro@yahoo.com.br 2
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

2. Conceitos básicos Motor de Indução

Torque induzido em um motor de indução

Quando a corrente flui no estator, irá produzir um campo magnético no estator, BS (campo
magnético do estator) vai rodar a uma velocidade:
120𝑓𝑒
𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐 =
𝑃
Onde fe é a frequência do sistema em hertz e P é o número de pólos da máquina. Este campo
magnético rotativo Bs passa sobre as barras do rotor e induz uma tensão nelas. A tensão induzida
no rotor é dada por:
eind = (vxB)l
Por isso, haverá fluxo de corrente de rotor que seria atrasado devido ao fato de que o rotor tem
um elemento indutivo. E esta corrente do rotor produz um campo magnético no rotor, BR. Daí a
interação entre campo magnético da-nos um torque:

𝜏𝑖𝑛𝑑 = 𝑘𝐵𝑅 × 𝐵𝑆

O torque induzidovai gerar uma aceleração do rotor, portanto, o rotor irá girar.

No entanto, existe um limite finito superior à velocidade do motor.

Se o rotor do motor de indução estivesse As barras de rotor estariam aparentemente


virando a velocidade síncrona estacionárias ao campo magnético

Nenhuma corrente de rotor Nenhuma tensao induzida

Nenhum campo magnetico no Torque induzido = 0


rotor

Rotor reduzirá a velocidade devido a fricção

Conclusão: Um motor de indução pode girar a uma velocidade perto da síncrona mas nunca pode
atingir a velocidade síncrona.

culpapedro@yahoo.com.br 3
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

O Conceito de Escorregamento (deslizamento)

A tensão induzida na barra do rotor depende da velocidade relativa entre o campo magnético do estator e
do rotor. Isso pode ser facilmente denominado como velocidade de deslizamento:
𝑛𝑠𝑙𝑖𝑝 = 𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐 − 𝑛𝑚

Onde: nslip = velocidade de deslizamento da máquina


nsync = velocidade do campo magnético.
nm = velocidade mecânica do motor.

Para além de que podemos descrever esta relação de movimento usando o conceito de deslizamento:

𝑛𝑠𝑙𝑖𝑝 𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐 − 𝑛𝑚
𝐸𝑠𝑐𝑜𝑟𝑟𝑒𝑔𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜, 𝑆 = × 100% = × 100%
𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐 𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐

Deslizamento também pode ser descrita em termos de velocidade angular, .


sync  m
s x100%
sync
Usando a relação de deslizamento, também podemos determinar a velocidade do rotor:

𝑛𝑚 = (1 − 𝑆)𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐 𝑜𝑢 𝜔𝑚 = (1 − 𝑆)𝜔𝑠𝑦𝑛𝑐

Frequência eléctrica no Rotor

Um motor de indução é semelhante a um transformador rotativo onde o primário é semelhante ao estator


e o secundário seria um rotor. Mas ao contrário de um transformador, a frequência secundária não pode
ser a mesma do primário. Se o rotor está bloqueado (não pode se mover), o rotor teria a mesma frequência
do estator (referem-se a conceito transformador). Outra maneira de olhar para ele é ver que quando o rotor
está bloqueado, velocidade do rotor cai para zero, portanto, o deslizamento é 1. Mas quando o rotor
começa a girar, a frequência do rotor reduziria, e quando o rotor gira na velocidade síncrona, a frequência
no rotor será zero.

Desde que:
𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐 − 𝑛𝑚
𝑆=
𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐
E frequência do rotor pode ser expressa como:
𝑓𝑟 = 𝑆𝑓𝑒
Daí combinando ambas as equações daria:
𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐 − 𝑛𝑚
𝑓𝑟 = × 𝑓𝑒
𝑛𝑠𝑦𝑛𝑐
E como nsync=120fe /P,
𝑃
𝑓𝑟 = (𝑛 − 𝑛𝑚 )
120 𝑠𝑦𝑛𝑐
O que mostra que a diferença relativa entre a velocidade síncrona e a velocidade do rotor irá determinar a
frequência do rotor.

culpapedro@yahoo.com.br 4
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

3. Circuito equivalente de um motor de indução

Um motor de indução depende para sua operação da indução de tensões e correntes em seu circuito de
rotor do circuito do estator (ação transformador). Esta indução é essencialmente uma operação do
transformador, daí o circuito equivalente de um motor de indução é semelhante ao circuito equivalente de
um transformador.

O modelo do transformador de um Motor de Indução

Um circuito equivalente por fase do transformador, que representa a operação de um motor de indução é
mostrado a seguir:

O modelo do transformador ou um motor de indução, com rotor e estator conectados por um


transformador ideal com razão de transformação aeff.

Como em qualquer transformador, existe certa resistência e indutâncias do enrolamento primário


(estator), que deve ser representado no circuito equivalente da máquina. Eles são - R1 - resistência do
estator e X1 - reatância de dispersão do estator

Além disso, como qualquer transformador com um núcleo de ferro, o fluxo na máquina está relacionado
com a tensão aplicada E1. A curva de fmm vs fluxo (curva de magnetização) para esta máquina
comparada a uma curva de um transformador, é mostrada abaixo:

A inclinação da curva fmm-fluxo do motor de indução é muito mais rasa do que a curva de um bom
transformador. Isso é porque deve haver um espaço de ar em um motor de indução, o que aumenta a
relutância do caminho de fluxo e, portanto, reduz o acoplamento entre enrolamentos primário e
secundário. Quanto maior a relutância causada pela abertura de ar significa que uma maior corrente de
magnetização é necessária para obter um nível de fluxo dado. Portanto, a reatância de magnetização X m
no circuito equivalente terá um valor muito menor do que seria em um transformador.

culpapedro@yahoo.com.br 5
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

A tensão primária do estator (interna) é E1 é acoplada à secundária ER por um transformador ideal com
uma aeff (relação efetiva de espiras). A relação de espiras de um rotor de ranhuras é, basicamente, a
relação dos condutores por fase no estator aos condutores por fase do rotor. É um pouco difícil de ver
claramente aeff no rotor de gaiola, porque não há enrolamentos distintos no rotor de gaiola.

ER no rotor produz fluxo de corrente no rotor (ou secundário) em curto-circuito da máquina.


As impedâncias primárias e a corrente de magnetização do motor de indução são muito semelhantes com
os componentes correspondentes em um circuito equivalente do transformador.

Modelo de circuito do rotor

Quando a tensão é aplicada ao enrolamento do estator, uma tensão é induzida nos enrolamentos do rotor.
Em geral, quanto maior o movimento relativo entre o rotor e o campo magnético do estator, maior a
tensão e frequência do rotor. O maior movimento relativo ocorre quando o rotor está parado, chamado de
rotor travado ou de rotor bloqueado, de modo que a maior tensão e frequência do rotor é induzido no rotor
nesta condição.A menor tensão e frequência ocorrem quando o rotor se move na mesma velocidade que o
campo magnético do estator, resultando em nenhum movimento relativo.

A magnitude e a frequência da tensão induzida no rotor em qualquer velocidade entre esses extremos é
diretamente proporcional ao escorregamento do rotor. Portanto, se a magnitude da tensão induzida do
rotor com o rotor travado é chamado ER0, a magnitude da tensão induzida em qualquer deslizamento será
dada por:
𝐸𝑅 = 𝑠𝐸𝑅0

E a frequência da tensão induzida em qualquer deslize é:


𝑓𝑟 = 𝑠𝑓𝑒

Esta tensão é induzida em um rotor contendo tanto resistências e reatâncias. A resistência do


rotor RR é constante, independente do deslizamento, enquanto a reatância do rotor é afetado de
uma maneira mais complicada por deslizamento.

A reatância do rotor de um motor de indução depende da indutância do rotor e da frequência da


tensão e corrente no rotor. Com uma indutância do rotor de LR, a reatância do rotor é:

𝑋𝑅 = 𝜔𝑟 𝐿𝑅 = 2𝜋𝑓𝑟 𝐿𝑅
𝑚𝑎𝑠 𝑓𝑟 = 𝑠𝑓𝑒 ,
𝑋𝑅 = 𝑠2𝜋𝑓𝑒 𝐿𝑅 = 𝑠𝑋𝑅0

onde XR0 é o reactance de rotor bloqueado.

O fluxo de corrente no rotor:


𝐸𝑅 𝐸𝑅 𝐸𝑅0
𝐼𝑅 = = =
𝑅𝑅 + 𝑗𝑋𝑅 𝑅𝑅 + 𝑗𝑠𝑋𝑅0 𝑅𝑅⁄ + 𝑗𝑋
𝑠 𝑅0

Então, a impedância global do rotor tendo em conta o deslizamento do rotor sera:


𝑅𝑅⁄
𝑍𝑅,𝑒𝑞 = 𝑠 + 𝑗𝑋𝑅0

culpapedro@yahoo.com.br 6
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Circuito equivalente

Para construir o circuito equivalente por fase para um motor de indução, é necessário referir o
rotor para o lado do estator. Em um transformador comum, as tensões, correntes e impedâncias
no lado secundário pode ser referido para o primário, por meio da relação de espiras do
transformador.
Exatamente o mesmo tipo de transformação pode ser feito para o circuito do rotor do motor de
indução. Se a relação efetiva de espiras de um motor de indução é aeff, então a tensão do rotor
transformada torna-se
𝐸1 = 𝐸𝑅′ = 𝑎𝑒𝑓𝑓 𝐸𝑅0
A corrente de rotor:
𝐼𝑅
𝐼2 =
𝑎𝑒𝑓𝑓
E a impedância de rotor:
2
𝑅𝑅
𝑍2 = 𝑎𝑒𝑓𝑓 ( + 𝑗𝑋𝑅0 )
𝑠
Se nós fazemos as definições seguintes:
2
𝑅2 = 𝑎𝑒𝑓𝑓 𝑅𝑅
2
𝑋2 = 𝑎𝑒𝑓𝑓 𝑋𝑅0
Circuito equivalente por-fase é mostrado abaixo:

4. Potência e torque em Motor de Indução

Perdas e diagrama Fluxo de Potência

Um motor de indução pode ser descrito como um transformador rotativo. Sua entrada é um
sistema de 3fase de tensões e correntes. Para um transformador comum, a saída é de energia
elétrica a partir do enrolamento secundário. Os enrolamentos secundários em um motor de
indução (rotor) estão em curto, por isso não existe saída elétrica de motores de indução normal.
Em vez disso, a saída é mecânico. A relação entre a alimentação elétrica e potência de saída
mecânica deste motor é mostrada abaixo:

culpapedro@yahoo.com.br 7
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

A potência de entrada para um de motor de indução é na forma de 3fases de tensões e correntes


elétricas. As primeiras perdas encontradas na máquina são perdas I2R nos enrolamentos do
estator (o estator PSCL perda de cobre). Então, uma certa quantidade de energia é perdida com a
histerese e correntes parasitas no estator (Pnucleo). A energia restante neste momento é transferida
para o rotor da máquina através da abertura de ar entre o estator e rotor. Esta potência é chamada
potência de ar PAG da máquina. Depois que a potência é transferida para o rotor, parte dele é
perdida como perdas I2R (a PRCL perda do rotor de cobre), e a restante é convertida de forma
elétrica para mecânica (Pconv). Finalmente, perdas de atrito e ventilação PF&W e as perdas Pmisc são
subtraídos. A potência restante é a da saída do motor Pout.
As perdas do núcleo nem sempre aparecem no diagrama de fluxo de potência no ponto mostrado
na figura acima. Devido à natureza das perdas do núcleo, onde são contabilizadas na máquina é
um pouco arbitrária. As perdas do núcleo de um motor de indução vêm parcialmente do circuito
do estator e parcialmente do circuito de rotor. Uma vez que um motor de indução normalmente
opera a uma velocidade próxima da velocidade síncrona, o movimento relativo dos campos
magnéticos sobre a superfície do rotor é bastante lento, e as perdas do núcleo do rotor são muito
pequenos em comparação com as perdas do núcleo do estator. Uma vez que a maior fração das
perdas do núcleo vem do circuito do estator, todas as perdas do núcleo são agrupados naquele
ponto no diagrama. Estas perdas são representadas no circuito do motor de indução equivalente
pela resistencia RC (ou a condutância GC). Se as perdas do núcleo são apenas dada por um
número (X watts) em vez de como um elemento de circuito, são muitas vezes confundidas com
as perdas mecânicas e subtraídos no ponto do diagrama onde as perdas mecânicas estão
localizadas.
Quanto maior a velocidade de um motor de indução, maior o atrito, ventilação, e as perdas de
stray. Por outro lado, quanto maior a velocidade do motor (até nsync), menor perda em seu núcleo.
Portanto, essas três categorias de perdas são por vezes agrupadas e chamadas perdas rotacionais.
As perdas totais de um motor são muitas vezes consideradas como constantes com a mudança de
velocidade, uma vez que as perdas mudam em direção opostas a mudança da velocidade.

culpapedro@yahoo.com.br 8
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Potencia e Torque em um Motor de Indução


Examinando o circuito equivalente por-fase, a potencia e o torque que governam a operação do
motor podem ser derivadas de:
Corrente por fase do motor é:
𝑉∅
𝐼1 =
𝑍𝑒𝑞
Onde:
1
𝑍𝑒𝑞 = 𝑅1 + 𝑗𝑋1 +
1
𝐺𝐶 − 𝑗𝐵𝑀 + 𝑅
2
𝑠 + 𝑗𝑋2

Assim, podem ser achadas as perdas de cobre de stator, as perdas de núcleo, e as perdas de cobre
de rotor.
2
As perdas de cobre de stator nas 3 fases são: PSCL = 3 I1 R1

As perdas de núcleo: Pnucleo = 3 E12 GC

Assim, a potência de abertura de ar: PAG = Pin – PSCL - Pcore


Também, o único elemento no circuito equivalente onde a podencia de abertura de ar pode ser
consumida neste resistor R2/s. Assim, a potência de abertura ar:

𝑅2
𝑃𝐴𝐺 = 3𝐼22
𝑠

As perdas no circuito de rotor são determinadas por:

PRCL = 3 IR2 RR
Desde que a potência é inalterada quando se refer por um transformador ideal, as perdas de cobre
de rotor também podem ser expressas como:

PRCL = 3 I22 R2
Depois que as perdas de cobre do stator, perdas de nucleo e perdas de cobre de rotor são
subtraídas a potência de entrada, a potência restante é convertida de elétrica para mecânica. A
potencia convertida é chamada potencia mecânico desenvolvida e determinada como:
𝑃𝑐𝑜𝑛𝑣 = 𝑃𝐴𝐺 − 𝑃𝑅𝐶𝐿
𝑅2
= 3𝐼22 − 3𝐼22 𝑅2
𝑆
1
= 3𝐼22 𝑅2 ( − 1)
𝑆

culpapedro@yahoo.com.br 9
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

E as perdas de cobre de rotor são notadas para ser igual a potência da abertura ar PRCL= sPAG

Consequentemente, quanto mais baixo o deslize do motor, mais baixo as perdas de rotor.
Também, se o rotor não estiver girando, o deslize é s=1 e a potência da abertura de ar é
completamente consumida no rotor. Isto é lógico, desde que o rotor não estiver girando, a
potência de saída deve ser zero. Desde que Pconv = PAG - PRCL, isto também dá outra relação entre
a potência da abertura de ar e a potência convertida elétrica e mecânica são:

Pconv = PAG – PRCL


= PAG – sPAG
Pconv = (1-s) PAG

Finalmente, se a fricção e perdas de ventilação e as perdas de stray são conhecidas, a potencia de


saida:
Pout = Pconv – PF&W - Pmisc

O torque induzido em uma máquina esta definida como o torque gerado pela conversão interna
da potência elétrico para mecânica. Este torque difere do torque realmente disponível nos
terminais do motor por uma quantia igual para a fricção e torque de ventilação na máquina.
Consequentemente, o torque desenvolvido é:
Pconv
 ind 
Outros modos para expressar o torque: m

 ind 
1  s PAG
1  s sync
PAG
 ind 
 sync

Separando as perdas de cobre do rotor e a Potencia Convertida num Circuito Equivalente


de um motor de indução

Uma parte da potência transferida através do entreferro será consumida pela perda de cobre do
rotor e também convertida em energia mecânica. Por isso, pode ser útil para separar o elemento
de perda do rotor de cobre como a resistência do rotor são ambos usados para o cálculo da perda
de cobre do rotor e também a potência de saída.
Como a potência da abertura de ar exigiria R2/s e perda de cobre no rotor exige o elemento R2. A
diferença entre a potência do entreferro e da perda de cobre do rotor daria a potência convertida,
portanto;

culpapedro@yahoo.com.br 10
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

R2 1 s 
Rconv   R2  R2  
s  s 
Então o circuito equivalente seria modificado para:

5. Características Torque-velocidade dum Motor de Indução

A relação de torque-velocidade será examinada primeiro do ponto de vista físico do


comportamento do campo magnético do motor e então, uma equação geral para torque como
uma função de deslize será derivada do circuito equivalente do motor de indução.

Torque induzido de um Ponto de vista Físico

Os campos magnéticos em um Os campos magnéticos em um


motor de indução debaixo de motor de indução debaixo de
cargas de leves cargas pesadas

culpapedro@yahoo.com.br 11
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Condição 1: Sem carga (Vazio)

Suponha que o rotor de indução já está girando sem carga, daí a sua velocidade de rotação é
próxima à velocidade síncrona. O campo magnético Bres é produzido pela corrente de
magnetização IM. A magnitude da IM e Bres é diretamente proporcional à tensão E1. Se E1 é
constante, então Bres é constante. Em uma máquina real, E1 varia conforme a mudança da carga
devido as impedâncias do estator R1 e X1, que causam diferentes quedas de tensão em cargas
variadas. No entanto, a queda de tensão em R1 e X1 é tão pequena, por isso E1 é assumido
constante.

Sem carga, o escorregamento do rotor é muito pequeno, e por isso o movimento relativo entre o
campo magnético do rotor é muito pequena, e a frequência do rotor também é muito pequena.
Uma vez que o movimento relativo é pequeno, a tensão induzida nas barras do rotor ER é muito
pequena, e o fluxo corrente resultante IR também é muito pequeno. Como a frequência do rotor é
pequena, a reatância do rotor é quase zero, e a corrente do rotor IR estatra quase em fase com a
tensão de rotor ER. A corrente do rotor produz um pequeno campo magnético BR com um ângulo
ligeiramente superior a 90 graus por trás Bres. A corrente do estator deve ser muito grande,
mesmo sem carga, uma vez que deve fornecer a maior Bres.

O torque induzido, que vai manter o funcionamento do rotor, é dada por:


 ind  kBR  Bnet

e sua magnitude é  ind  kBR Bnet sin 


Em termos de magnitude, o torque induzido será pequeno devido ao pequeno campo magnético
do rotor.

Condições 2: Em carga

Conforme o aumenta da carga do motor, aumenta o seu deslizamento, e cai a velocidade do


rotor. Uma vez que a velocidade do rotor é mais lenta, há mais movimento relativo entre os
campos magnéticos do rotor e estator. Maior movimento relativo significa uma forte tensão do
rotor ER que por sua vez produz uma maior corrente do rotor IR. Com grande corrente do rotor, o
campo magnético do rotor BR também aumenta. No entanto, o ângulo entre a corrente do rotor e
BR também muda.
Desde que o deslizamento do rotor é maior, aumenta a frequência do rotor (fr = sfe) e aumenta
também a reatância do rotor (ωLR). Portanto, a corrente do rotor agora fica mais atrazada da
tensão do rotor e o campo magnético do rotor muda com a corrente. A corrente do rotor agora
aumentou em comparação com em sem carga e o ângulo δ tende a aumentar. O aumento de BR
tende a aumentar o torque, enquanto o aumento no ângulo δ tende a diminuir o torque (τind é
proporcional a sinδ, e δ> 90 º). Se o primeiro efeito é maior do que o segundo, o torque total
induzida aumenta para suprir aumento de carga do motor.

culpapedro@yahoo.com.br 12
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Como a carga no eixo é maior, o termo sinδ diminui mais do que o aumenta de BR. Nesse ponto,
um novo aumento de carga diminui τind e a paragem do motor. Este efeito é conhecido como
torque de retirada.

Modelagem das características torque-velocidade de um motor de indução

Olhando para as características do motor de indução, um resumo sobre o comportamento de


torque:

Note:  ind  kBR Bnet sin 

a) Campo magnético do rotor aumenta à medida que a corrente do rotor aumenta (desde que
o núcleo do rotor não esteja saturado). Fluxo de corrente irá aumentar com o aumento do
deslizamento (redução da velocidade)
b) A densidade de campo magnético permanecerá constante, uma vez que é proporcional à
E1. Desde que E1 é assumido ser constante, daí Bres assumi-se ser constante.
c) O ângulo  irá aumentar à medida que aumenta o deslizamento. Portanto, o valor de sin
vai reduzir, como tal, a redução do sin será maior do que o aumento da BR (torque de
retirada). Desde que  é superior a 90 graus, entao:
sin   sin  r  90  cos  r
Onde:
θr é o ângulo entre ER e IR.

Somando as características de todo os elementos dariam as características de torque velocidade


de um motor de indução.

Cosθr também pode ser conhecido como o fator de potência do motor onde:
Xr sX
 r  tan 1  tan 1 o
Rr Rr

A curva de velocidade - torque pode ser dividida em 3 regiões de operações:

a) Região Linear ou região de baixo deslize


b) Região de deslize Moderada localizado até o nível de torque de pullout.
c) Região de Alto deslizamento

Valores típicos de torque de pullout estariam a aproximadamente 200% a 250% do torque de


carga nominal da máquina de indução. O torque de arranqur seria aproximadamente 150% que o
torque de carga nominal; consequentemente o motor de indução pode ser arrancado a carga
nominal.

culpapedro@yahoo.com.br 13
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Desenvolvimento da característica
torque-velocidade de um motor
indução

Derivação da Equação de Torque Induzido do Motor de Indução

Previamente nós olhamos na construção do gráfico de torque induzido, agora nós gostaríamos de
derivar a equação de Torque- velocidade baseando no diagrama de fluxo de potência de um
motor de indução. Nós sabemos que,
Pconv PAG
 ind  or  ind 
m  sync

Comparando as 2 equações, a segunda equação pode ser mais útil desde que seja referida a
velocidade síncrona. Consequentemente há uma necessidade para derivar PAG. Por definição,
potência da abertura de ar é a potência transferida do stator ao rotor pela abertura de ar na
máquina de indução. Baseando no circuito equivalente do motor de indução, a potência de
abertura de ar pode ser definido como:

culpapedro@yahoo.com.br 14
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

𝑅2
𝑃𝐴𝐺 𝑝𝑜𝑟 𝑓𝑎𝑠𝑒 = 𝐼22
𝑠
𝑅 2
𝑃𝐴𝐺 = 3𝐼22
𝑠

Nossa próxima tarefa é achar I2 . O modo mais fácil está pela construção do circuito equivalente
Thevenin.

Cálculo pelo método de thevenin

1) Derive a tensão thevenin (regra de divisor de tensão):


jX m
VTH  V
R1  jX 1  jX m

Consequentemente a magnitude de tensão thevenin:


Xm
VTH  V
R12   X 1  X m 
2

Se Xm >> X1 , Xm >> R1, então a magnitude pode ser aproximada a:

culpapedro@yahoo.com.br 15
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Xm
VTH  V
X1  X m

2) Ache a impedância de thevenin


Tire a fonte e substitua com um curto- circuito.
jX m  R1  jX 1 
ZTH 
R1  jX 1  jX m

Se Xm >> X1, Xm >> R1,

2
 Xm 
RTH  R1  
 X1  X m 
X TH  X 1

Representando o circuito de stator pelo equivalente thevenin, e somando o circuito de rotor, nós
podemos determinar I2,
VTH
I2 
R2
RTH   j ( X TH  X 2 )
s
Consequentemente a magnitude será,
VTH
I2 
R s 
2
 X2
R2
  X
2
TH TH

Consequentemente a potencia de abertura de ar,

2
 
 
VTH  R2
PAG  3

   X  s
2
 X2
R2
RTH 
2
 s TH 
 

culpapedro@yahoo.com.br 16
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Consequentemente, torque induzido,

2
 
 
VTH  R2
3

   X  s
2
 X2
R2
RTH 
2
 s TH 
 ind   
 sync

Comentários na Curva Torque-Velocidade de um Motor de Indução

a) O Torque induzido é zero a velocidade síncrona.


b) O gráfico é quase linear entre vazio e carga nominal (próximo a velocidade síncrona).
c) Torque maximo é conhecido como pull out torque
d) Torque de arranque é muito grande.
e) Torque para um determinado valor de deslize mudaria ao quadrado da tensão aplicada.
f) Se o rotor fosse girando mais rapidamente que velocidade síncrona, o motor se tornaria um
gerador.

Máximo (Pullout) Torque em um Motor de Indução

O torque induzido é igual a 𝑃𝐴𝐺 ⁄𝜔𝑠𝑦𝑛𝑐 , o torque pullout máximo pode ser achado pela potencia
máxima da abertura de ar. A potência da arbertura de ar é máxima quando a potência consumida
pelo resistor R2/s é o muito alto.
Baseando-se no teorema de máxima potencia transferida, a transferência da máxima potência
será alcançada quando a magnitude de impedância da fonte for igual a impedância de carga.
Entao a impedância de fonte é:
Z source  RTH  jX TH  jX 2
Consequentemente a transferência da potência máxima acontece quando:
R2
 RTH   X TH  X 2 
2 2

Consequentemente a transferência da potência maxima é possível quando deslize for:


R2
smax 
  X TH  X 2 
2 2
RTH

Ponha no valor de Smax na equação de torque,


2
3VTH
 max 
2 sync  RTH  RTH   X TH  X 2  
2 2

 
culpapedro@yahoo.com.br 17
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Daqui podemos dizer:

a) Torque esta relacionado com o quadrado da tensão aplicada


b) Torque também é inversamente proporcional as impedâncias da máquina
c) Deslize depende da resistência do rotor durante o torque máximo
d) Torque também é independente da resistência do rotor como mostrado na equação de
torque máximo.

Acrescentando mais resistência às impedâncias de máquina, podemos variar:

a) Torque de arranque
b) Máxima velocidade de pull out

6. Variations in Induction Motor Torque-Speed Characterictics


BAIXO rotor de resistência
Rotor de resistência
ALTO
Torque começando BAIXA,
ALTA corrente começando
Torque começando ALTO

Deslize ALTO a condições


Deslize BAIXO a condições
normais
normais

Pconv = (1-s) PAG


S aumentam, PAG
Pconv = (1-s) PAG
diminuem, e diminuição de
S diminuem, PAG aumentam, e
eficiência.
aumento de eficiência.

Use um ferida rotor indução motor e insira resistência extra no rotor


durante começar, e então removeu para eficiência melhor durante
operações normais.

Mas, ferida rotor indução motores são mais caros, precise


de mais maintanence etc.

Solução - reactance de vazamento de utilising - obter a


curva desejada como mostrado abaixo

culpapedro@yahoo.com.br 18
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Uma torque-
velocidade curva
característica que
combina alto-
resistência efetua a
baixas velocidades
(deslize alto) com
baixos efeitos de
resistência a
velocidade alta (baixo
deslize).

Arranque de um Motores de Indução

Um motor de indução tem a habilidade para arrancar diretamente, porém o arranque directo de
um motor de indução não é aconselhado devido a correntes de arranque altas.

Sstart  rated horsepower  code letter

Sstart
IL 
3VT
Para um rotor de gaiola de esquilo, reduzindo começando corrente podem ser alcançados
variando a voltagem começando pelo término de stator. Reduzindo a voltagem terminal
começando também reduzirão o poder começando avaliado que reduz começando corrente
conseqüentemente. Um modo para alcançar isto está usando um passo abaixo transformador
durante a sucessão começando e aumentando a relação de transformador como a máquina gira
mais rapidamente (se refira figura abaixo).

culpapedro@yahoo.com.br 19
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Motor de Indução Circuitos de Arranque

culpapedro@yahoo.com.br 20
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

3 Passos Para o Arranque Resistivo

8. Controle de velocidade de Motor de Indução

Motores de indução não são máquinas boas para aplicações que requerem controle de velocidade
considerável. A gama operacional normal de um motor de indução típico é limitada a menos de
5% deslize, e a variação de velocidade é mais proporcional à carga.

Since PRCL = sPAG , if slip is made higher, rotor copper losses will be high as well.

Há 2 métodos para controlar a velocidade de motor de indução:


a) Variado velocidade do campo magnético do rotor e do stator
b) Variado o deslize

A variação da velocidade de campo magnética podem ser alcançados variando a frequência


elétrica ou mudando o número de polos.
A variação do deslize pode ser alcançada pela variação da resistência do rotor ou variaçao da
tensão dos terminais.
culpapedro@yahoo.com.br 21
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

9. Parâmetros do Circuito Modelo

Há 3 tipos de testes que podem ser feitos em um motor de Indução, basicamente:


a) Teste em Vazio
b) Teste de DC
c) Teste de Rotor Bloqueado

Estes testes são executados para determinar os elementos de circuito equivalentes – R1, R2, X1,
X2 e XM.

O Teste em Vazio

O teste em vazio mede as perdas de rotationais e provê infomaçao sobre sua corrente de
magnetização.
O motor de indução não está carregado; consequentemente qualquer carga será baseada em
frictional e perdas mecânicas. O rotor estará girando próximo a velocidade síncrona
consequentemente o deslize é muito pequeno. O circuito de teste e o circuito equivalente do
motor de indução são mostrado a baixo:

culpapedro@yahoo.com.br 22
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Com seu deslize muito pequeno, a resistência que corresponde a sua potencai convertida, R2(1-
s)/s, é muito maior que a resistência que corresponde às perdas de cobre de rotor R2 e muito
maior que o reactance de rotor X2.

Neste caso, o circuito equivalente reduz ao último circuito. Lá, o resistor de saida está em
paralelo com o reactancia de magnetização XM e as perdas do núcleo RC.

Em vazio, a potência de saida é igual as perdas no motor. As perdas de cobre de rotor são
desprezíveis porque I2 é extremamente pequeno (por causa da resistência de carga grande R 2(1-
s)/s, assim elas podem ser negligenciadas. A perda de cobre de stator é determinada por:
PSCL  3I12 R1
PIN  PSCL  PCORE  PF &W  PMISC
 3I12 R1  PROT
Prot = Pcore + PF&W + Pmisc
Tambem,
V
Z eq   X1  X m
I1,nl
O Teste de DC

Este é um teste é para R1 independente de R2, X1, e X2.

É aplicada uma tensão DC aos términos dos enrolamentos do stator do motor de indução. Se a
tensão for DC, f = 0, consequentemente não teremos nenhuma corrente induzida no circuito de
rotor. Corrente fluirá pelo circuito de stator. Reactance é zero a dc. Assim, a única quantidade
que limita fluxo de corrente no motor é a resistência de stator, que pode ser determinada.
Assuma que temos uma conecçao Y, o circuito de motor de indução é mostrado a baixo:

culpapedro@yahoo.com.br 23
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

Baseando na configuração de teste,


VDC VDC
2 R1  ,  R1 
I DC 2 I DC
Considerando que nós podemos determinar o valor de R1, consequentemente PSCL pode ser
calculado. Infelizmente, este método não é preciso desde que é usando terminado uma fonte DC
onde efeitos de peleculares que acontecem quando uma tensão ac e aplicada nos enrolamentos, é
negligenciado.

O Teste de rotor-Bloqueado

Passos:
a) O rotor é bloqueado.
b) Uma tensão AC é aplicada nos términais de stator e a corrente é ajustada para as condição
de carga nominal.
c) Medimos a tensão, a corrente e a potência.

Considerando que o rotor é bloqueado, conseqentemente o deslize será máximo como ade R2 é
pequena. Conseqentemente a corrente que fluirá pelo circuito de rotor será muito grande em
relação a corrente de magnetização. Então o circuito global é reduzido a:

culpapedro@yahoo.com.br 24
ISPUNA-Máquinas Eléctricas I Máquinas de Indução

R1 jX1 jX2

R'2 = R2 = small value

Daqui podemos calcular:


PIN
PIN  3VT I L cos , PF  cos 
3VT I L
Tambem,
V VT
Z LR    RLR  jX LR
'
 Z LR cos  j Z LR sin 
I1 3I L

Note : RLR  R1  R2 , '


X LR  X 1'  X 2'

Considerando que R1 pode ser achado do teste de DC, então nós podemos calcular R2. O valor de
XLR também pode ser calculado usando o formula a baixo:
f rated '
X LR  X LR  X 1  X 2
f test

culpapedro@yahoo.com.br 25