Você está na página 1de 26

CURSO DE

AUTISMO E
SELETIVIDADE
ALIMENTAR - TERAPIA
ALIMENTAR COM
ABORDAGEM ABA

Material de Estudo
AULA 1
Professora Responsável:
Psicopedagoga Jéssica Cavalcante

www.institutoneuro.com.br
AUTISMO E
SELETIVIDADE
ALIMENTAR -
TERAPIA
ALIMENTAR COM
ABORDAGEM ABA
Curso com carga horária de 120 horas.

Elaborado e ministrado por Jéssica Cavalcante.

Disponível em www.institutoneuro.com.br
A autora reserva-se no direito de proibir o
compartilhamento e distribuição desse
documento.
Protegido por direitos autorais. Manuseio
exclusivo dos alunos do curso, vinculados no site
do Instituto Neuro.

Todo o conteúdo apresentado nesse


documento foi baseado em livros renomados e
artigos científicos. Algumas citações são feitas ao
longo do documento, outras estão apresentadas
na seção de Referências, no final do mesmo.

IMPORTANTE:
O OBJETIVO DO CURSO E AS REFERÊNCIAS
EXPOSTAS NESSE REFERIDO MATERIAL DE
APOIO SÃO PERTINENTES A TODO O CONTEÚDO
DE APOIO PRESENTE NA PLATAFORMA.
Objetivo do curso

Seletividade alimentar é um assunto muito delicado, importante


e uma queixa frequente dos pais com filhos no transtorno do espectro
autista. Não apenas pela angústia, pelo risco de deficiências nutricionais,
mas, pelo momento da refeição se tornar um momento de estresse. As
crianças com TEA podem apresentar comportamentos restritivos e
seletivos que afetam diretamente seus hábitos alimentares, resultando
em desinteresse e recusa dos alimentos.
Nesse curso você tem acesso a estratégias e intervenções práticas
para te auxiliar nesse desafio diário, dentro da abordagem ABA.
O que são alterações generalizadas
do Desenvolvimento do espectro do
autismo

Transtorno Generalizado do Desenvolvimento é um conjunto de distúrbios do


sistema nervoso central cujo início ocorre na infância. Crianças que sofrem com isso
desenvolvem um mal funcionamento neuronal, ocasionando falta de habilidades em
padrões de interação social, comunicação e comportamento e interesses restritos,
repetitivos e estereotipados; limitando assim seu desempenho normal na atividade
diária e em todos os contextos em que opera sua vida.
Ainda há muito a ser investigado sobre sua causa, mas sabe-se que é diversificada
e muito complexa, portanto, pode variar de uma criança para outra. Fatores
biológicos, como genética e outros fatores ambientais, como infecções virais,
envenenamento, complicações obstétricas, consumo de produtos nocivos durante a
gravidez etc. desempenham um papel muito importante, interagindo juntos e
afetando o cérebro em desenvolvimento.
Pode ser detectado nos primeiros meses de vida, graças à aplicação
de testes clínicos existentes, como o Questionário de Verificação do
autismo em crianças pequenas (M-Chat), junto com informações
fornecidas por escalas de desenvolvimento infantil, para observação
direta do comportamento da criança e informações frequentemente
fornecidas por famílias e outros profissionais que a tratam. Essas
ferramentas nos dão a pista ou pistas para detectar isso.
Podemos estar diante de um possível caso de Transtorno do
Espectro do Autismo (TEA), mas é necessário continuar realizando
outros testes de rastreio de desenvolvimento e biomédicos (laboratório
e neuroimagem) para finalmente, determinar um diagnóstico. É
importante dizer que, às vezes, este transtorno é detectado em idades
posteriores.
a. Sintomas relacionados à alteração da interação social:
Essas crianças apresentam referência articular mínima, falta de
iniciativa e interesse em se relacionar com outras pessoas, em
compartilhar suas interesses, experiências ou jogos e estar interessado
nas iniciativas propostas.
Estabelecer um relacionamento com eles às vezes é difícil, portanto,
criar um vínculo afetivo adequado (afetuoso, permanente, satisfatório e
constante) pelos pais, terapeutas e educadores é essencial, para
conseguir conhecê-los, avaliar seu comportamento e tornar a interação
eficaz.
Eles sentem emoções como as outras pessoas, mas têm problemas
em identificar sentimentos, conhecer sua causa, regulá-los e controlar
suas emoções, isso os fazem reagir de uma maneira muito variável e
mostrar seus sentimentos, carinho e afetividade de uma maneira
diferente do resto; eles também acham difícil interpretar emoções e
estados e agir de acordo.
Ensinar o que são emoções, a reconhecê-las, a saber controlá-las e
saber interpretar sua expressão global nos outros é tarefa indispensável
para o seu bem-estar, para melhorar suas habilidades intersubjetivas e
mentais e, assim, experimentar melhores relacionamentos sociais.
Eles têm dificuldades em entender normas sociais, como as
estabelecidas pelos professores da escola ou pelos pais em casa, as de
cortesia, jogo, hábitos alimentares ou de higiene pessoal e,
consequentemente, também tem dificuldades em saber como agir
diante deles adequadamente nos mais diferentes contextos.
Ensinar a eles um conjunto claro, conciso e consistente de regras, e
em todos os contextos (devido à dificuldade em generalizar o
aprendizagem) os ajuda a adaptar seu comportamento, eles se sentem
mais seguros e seu grau de autonomia é maior.
Eles têm dificuldade em fazer amigos e manter relacionamentos. Eles
tendem a se isolar, porque, como vemos, é difícil para eles entenderem
o mundo social. As habilidades sociais que outras crianças aprendem
naturalmente, crianças com autismo precisam ser ensinadas de uma
maneira sistemática e estruturada através de técnicas, como histórias
sociais, técnicas de interpretação, modelagem etc.
b. Sintomas relacionados à comunicação verbal prejudicada
e não verbal:
No autismo, há grande variabilidade no desenvolvimento
da fala, há crianças que não falam, outras que se
desenvolvem nesse quesito, mas de forma incompreensível,
ou os primeiros anos perdem e nos outros que a
desenvolvem, mas com peculiaridades e limitações.
A aprendizagem e o uso de sistemas alternativos para
Comunicação, imagens, objetos ou escrita; possibilitam a
comunicação às crianças que não tem discurso desenvolvido
e eles precisam de uma maneira de perguntar, escolher,
auto-regular, etc. como outras crianças.
Um interlocutor que pretende interagir com eles deve estar em
conformidade com o seu sistema de comunicação, um fato essencial
para que a comunicação seja eficaz.
Na expressão da linguagem oral, existem peculiaridades que limitam
sua funcionalidade, como as ecolalias, palavras inadequadas para a
idade, referindo a si mesmos em segunda ou terceira pessoa ou com seu
nome, em vez de usar a primeira pessoa “eu" (investimento pronominal)
ou falando em tom inadequado (alto ou baixo, cantando).
Ensinar a eles uma linguagem adequada no nível léxico-
semântico, fonológico, morfossintático e pragmático facilita sua correta
funcionalidade e expressão.
A expressão de sua linguagem não verbal (posturas
corporais e gestos facial) é ruim e também difícil de entender
para os outros. O contato visual também é mínimo e
incomum.
Ensiná-los a ter consciência da expressividade de seu
corpo, a saber controlar seus gestos e interpretá-los em
outras pessoas no momento da fala, facilita a correta
integração da linguagem verbal e não verbal. É importante
que no momento da comunicação fiquemos diante da criança
em seu campo visual para facilitar a chegada de informações e
melhorar o contato visual.
Os autistas mostram dificuldade nas relações linguísticas e
no contexto em que se usa. A compreensão da linguagem
verbal é muito literal, linguagem figurativa, ironias, moral,
piadas, absurdos, piadas, metáforas ou segundo as intenções
dos outros estão além do seu entendimento. Falar em
linguagem simples, direta e literal faz que eles entendam
melhor e sejam menos vulneráveis socialmente.
c. Sintomas relacionados à alteração de comportamento, atividades e interesses:
Crianças com autismo podem ter comportamentos descontrolados e repetidos
constantemente, como balançar, girar, bater as mãos, tremer dedos na frente dos seus
olhos. Às vezes eles praticam comportamentos mais prejudiciais, como beliscar, bater
na cabeça ou morder as mãos.
Esses comportamentos que aparentemente são inúteis, para eles estimula e serve
como mecanismo de auto-regulação, embora às vezes, devido à sua persistência e
intensidade, são inadequados e impedem outros comportamentos mais adaptados. É
importante dar um uso funcionalmente apropriado para esses comportamentos ou
ensiná-los comportamentos incompatíveis com a estereotipia e mais ajustados ao seu
ambiente para melhorar sua adaptação.
Eles têm pouca tolerância a mudanças em suas atividades diárias. Mudanças nos
horários, das pessoas que cuidam deles, os lugares para onde vão, as rotas que irão
seguir, as roupas que se veste neles, a comida que comem etc. produzem um
verdadeiro desconforto para muitas crianças, elas acham difícil entendê-las e aceitá-
las.
Manter uma rotina ou informá-los com antecedência sobre as alterações que irão
acontecer em suas atividades diárias, ajuda-os a saber o que vai acontecer e assim a
viver com mais calma, o que favorece sua capacidade de antecipação, planejamento e
também sua flexibilidade mental e comportamental diante da mudança.
Sua gama de interesses e atividades é muito restrita. São interessados sempre
nos mesmos brinquedos, músicas, livros, filmes, temas (astronomia, letras, números,
dinossauros, trens ...), sempre procuram as mesmas pessoas ou vão para os mesmos
lugares. O jogo que eles jogam é repetitivo e sem imaginação, como alinhar objetos,
girar peças, bater em objetos, quebrar, jogar pedaços de papel ou jogar areia, virando
páginas de livros etc., às vezes eles também podem gastar muito tempo olhando
objetos que possuem movimentos repetitivos, como um ventilador, ou observar luzes
e reflexos.
É preciso organizar pequenas mudanças em seus interesses e provocar
experiências novas que, ao mesmo tempo, agradem à criança, favoreçam a ampliar
sua gama de interesses e enriqueçam sua imaginação e ficção.
d. Sintomas relacionados à alteração na reação sensorial:
A reação sensorial a estímulos do ambiente é geralmente atípica em algumas
crianças, mostrando sensibilidade hiper ou hipo a muitas delas. Esta excessiva ou
pouca reação é devida a uma alteração no cérebro para integrar as informações
percebidas através da audição, visão, toque, provar, cheirar e reagir corretamente a
ele. Por exemplo: auditivo, sons naturais para nós podem ser verdadeiramente
irritante, cobrindo assim os ouvidos.
Visualmente, eles tendem a se concentrar nos detalhes de um objeto e não no
todo, eles vêem detalhes que o resto de nós veríamos indiferente, mas também pode
parecer que olhe para os objetos à sua frente. Em relação ao toque, eles podem evitar
o contato físico com outras pessoas, os tecidos de algumas roupas ou lençóis também
podem lhes desagradar. Eles apresentam uma resposta incomum à dor com altos
níveis de tolerância, o mesmo para frio e calor.
Essa alteração tem uma importância especial em
problemas alimentares. Certos gostos, cheiros,
temperaturas, cores ou texturas nos alimentos são
percebidos por eles diferem de como percebemos o
resto, verdadeiramente desagradável e causando
recusa de muitas refeições.
Dadas as alterações dessas crianças, não podemos esquecer
que o autismo é um distúrbio/transtorno suscetível de se
apresentar com outras síndromes ou distúrbios (COMORBIDADES)
associados, que também devem ser objetos de estudo para
atender à pessoa como um todo, como síndrome do X frágil,
deficiência intelectual, esclerose tuberosa, epilepsia, síndrome
de Tourette, distúrbios do déficit de atenção, distúrbios do sono,
o ou suas próprias mudanças a alimentação.
É muito difícil prever para essas crianças. Dependendo da
nota com os quais seus sintomas nucleares aparecem, estejam ou
não relacionados a outros distúrbios associados e também
dependendo do grau de plasticidade neuronal do cérebro em
cada criança, a evolução pode ser muito diferente e, portanto,
nos deparamos com previsões interpessoais e intrapessoais
altamente variáveis.
Plasticidade neural refere-se à capacidade do cérebro de regenerar
anatomicamente e funcionalmente, sendo maior quando o cérebro
ainda está imaturo durante os primeiros anos de vida. Podemos dizer
que, podem ser corrigidas até certo ponto com a ajuda de diferentes
tratamentos. Uma intervenção precoce realizada a partir do momento
que detecta algum dos seus sintomas na criança, é, portanto, uma
medida indispensável para favorecer seu desenvolvimento evolutivo e a
melhoria de sua qualidade de vida.
Profissionais clínicos e psicoeducacionais devem avaliar em detalhes
qualitativos em cada criança e as propriedades de seu ambiente para
especificar objetivos de tratamento específicos e individuais, que eles
devem necessariamente ser modificados como os diferentes estágios de
desenvolvimento da criança e mudar suas necessidades com ela.
A intervenção que melhor se adequa à população com TEA e que atualmente é
considerada mais eficaz, é uma combinação de tratamentos de apoio psicoeducacional
e psicológico, social e tratamento farmacológico (nos casos em que é necessário
administrar).
O tratamento psicoeducacional e psicológico inclui o uso de programas de
educação intensiva e estratégias comportamentais ou cognitivo-comportamentais
(crianças com maior capacidade). Eles visam promover habilidades de
desenvolvimento social, emocional e cognitivo, para melhorar a comunicação, o
desenvolvimento de comportamentos adaptativos e eliminar aqueles que seja
desadaptativo. Seu uso deve ser estendido a todas as configurações que a criança
desenvolve, isso torna essencial que o pai/mãe sejam ensinados e se familiarizem com
esses tipos de técnicas para melhor trabalharem com seu filho e usarem em diferentes
configurações e em qualquer hora do dia. Importante: O trabalho conjunto entre
profissionais educacionais, terapeutas e familiares é essencial no caso de crianças com
autismo.
O apoio social é considerado um enredo fundamental para qualquer
família que tenha um filho com deficiência, mas no caso de um
distúrbio/transtorno como o autismo requer um esforço significativo
físico, psicológico e econômico para as famílias. O apoio social pode
chegar por dois caminhos, um caminho vem das organizações que
fornecem ajuda financeira, serviços de tratamento, programas de lazer e
descanso, escolas para pais, etc.; outra maneira é a família, amigos,
vizinhos ou outros pais de crianças com autismo. Nesse segundo caso,
eles fornecem apoio de maneira mais informal. Criar uma rede de apoio
social em torno de uma família é essencial para cuidar de sua qualidade
de vida.
Em relação ao tratamento farmacológico, o autismo não tem cura,
não há tratamento médico especificamente destinado a eliminar seus
sintomas característicos (comunicação, relacionamento social,
flexibilidade). Isso será mais bem direcionado a melhorar aspectos que
podem ou não ocorrer em uma criança hiperatividade, agressividade,
desatenção, problemas com sono, dieta, epilepsia, depressão etc., e
que, se melhorada, pode fazer outros tratamentos educacionais ou
psicológicos específicos para o autismo, eles funcionam melhor.
Outras intervenções chamadas “alternativas”, como terapia de
integração, terapia sensorial, assistida por animais, musicoterapia ou
arteterapia, podem favorecer certas áreas de desenvolvimento em
algumas crianças (atenção, controle postural, relação com o meio
ambiente ...), mas sempre devem ser consideradas como complemento,
nunca como terapia principal para substituir o discutido anteriormente.
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS

MERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION et al. Diagnostic and statistical manual of mental disorders
(DSM-5®). American Psychiatric Pub, 2013.

CDC (2014) Prevalence of autism spectrum disorders among children aged 8 years: autism and
developmental disabilities monitoring network, 11 sites, United States, 2010. MMWR
Surveillance Summaries 63(2): 1–22.

DE CARVALHO, Jair Antonio et al. Nutrição e autismo: considerações sobre a alimentação do


autista. 2012.

LEAL, Mariana et al. Terapia nutricional em crianças com transtorno do espectro autista.
Cadernos da Escola de Saúde, v. 1, n. 13, 2017.
Adams, A., Green, B.N., Johnson, C.D. (2006). Writing narrative literature reviews for peer-
reviewed journals: secrets of the trade. Journal of Chiropractic Medicine, 5(3), 101-117.
Ahearn, W.H., Castine, T., Nault, K. & Green, G. (2001). An assessment of food acceptance in
children with autism or pervasive developmental disorder-not otherwise specified. Journal of
Autism and Developmental Disorders, 31(5), 505- 511.
Anderson, S.E., Bandini, L.G., Cermak, S., Curtin, C., Evans, E.W., Maslin, M., Must, A. & Scampini,
R. (2010). Food Selectivity in Children with Autism Spectrum Disorders and Typically Developing
Children. The Journal of Pediatrics, 157(2), 259-264.
Anzalone, M.E., Cermak, S.A., Lane, S.J., Miller, L.J. & Osten, E. T. (2007). Concept evolution in
sensory integration: A proposed nosology for diagnosis. American Journal of Occupational
Therapy, 61 (2), 135-140.
Ayres, A. J. (1979). Sensory integration and the child. Los Angeles: Western Psychological
Services. Bandini, L.G. & Cermak, S.A. & Curtin, C. (2010). Food Selectivity and Sensory
Sensitivity in Children with Autism Spectrum Disorders. Journal of the American Dietetic
Association, 110, 238-246.
Klin, A. (2006). Autismo e síndrome de asperger: uma visão geral. Revista Brasileira de
Psiquiatria, 28(1), 3-11.
Gadia, C.A., Tuchman, R. & Rotta, N.T. (2004). Autismo e doenças invasivas de
desenvolvimento. Jornal de Pediatria, 80 (2), 83-94.
Siegel, B. (2008). O mundo da criança com autismo: Compreender e tratar
perturbações do espectro do autismo. Porto: Porto Editora. Williams, C. & Wright, B.
(2008). Convivendo com autismo e síndrome de Asperger: Estratégias práticas para
pais e profissionais. São Paulo: M. Books.
CARVALHO, C. A. de et al. Consumo alimentar e adequação nutricional em crianças
brasileiras: revisão sistemática. Rev. paul. pediatr., São Paulo , v. 33, n. 2, p. 211- 221,
2015 .
CARVALHO, P. H. B. et al. Checagem corporal, atitude alimentar inadequada,
insatisfação com a imagem corporal de jovens universitários. Jornal Brasileiro de
Psquiatria, Rio de Janeiro, v. 62, n. 2, p. 108-14, 2013. DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE
PEDIATRIA DO DESENVOLVIMENTO E COMPORTAMENTO. Transtorno do espectro
autista: Manual de Orientação. 5. ed. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Pediatria,
2019. DOMINGUES, G. Relação entre medicamentos e ganho de peso em indivíduos
portadores de autismo e outras síndromes relacionadas. 2007. 16f. (Monografia),
Campo Grande (MS).
LÁZARO, C. P. Construção de escala para avaliar o comportamento alimentar de indivíduos com
transtorno do espectro autista (TEA). 2016, 142 f. Tese (Doutorado em Medicina) – Escola de
Medicina e Saúde Pública, Salvador, 2016.
NASCIMENTO, O. S. et al. Comportamentos de crianças do Espectro do Autismo com seus pares
no contexto de educação musical. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 21, p. 93-
110, 2015
PALAU-BADUELL, M.; VALLS-SANTASUSANE, A.; SALVADÓ-SALVADÓ, B. Aspectos neurolinguísticos
en los transtornos del espectro autista. Relaciones neuroanatómicas y funcionales. Revista de
Neurología, Barcelona, v. 50, n. 3, p. 69-76, 2010.
PAULA, C. S. et al. Brief report: prevalence of pervasive developmental disorder in Brazil: a pilot
study. Journal of Autism and Developmental Disorders, São Paulo, v. 41, n. 12, p. 1738-1742,
2011.
PIVEN, J. et al. An MRI study of brain size in autism. The American Journal of Psychiatry, Iowa City,
v. 152, n.8, p. 1145-49, 1995.
PORTELA MMFA. Controle restrito de estímulos em autistas: avaliação de um procedimento de
Resposta de Observação Diferencial e estímulos com diferenças críticas. 2014. 93 f. Dissertação
(Mestrado em Psicologia Experimental) – Pontificia Universidade Católica de São Paulo, São
Paulo, 2014

Você também pode gostar