Você está na página 1de 5

A empresa ré pode deixar de enviar preposto para

audiência de conciliação, caso o seu advogado tenha


poderes para transigir?
dizerodireito.com.br /2021/08/a-empresa-re-pode-deixar-de-enviar.html

sábado, 14 de agosto de 2021

Imagine a seguinte situação adaptada:

João ajuizou ação de indenização contra a empresa Agroferreira Ltda.

O juiz constatou que a petição inicial preenchia os requisitos essenciais e que não era
caso de improcedência liminar do pedido. Em razão disso, designou audiência de
conciliação entre as partes, nos termos do art. 334 do CPC:

Arte. 334. Se a petição inicial preencher os requisitos essenciais e não para o caso de
improcedência liminar do pedido, o juiz designará audiência de conciliação ou mediação
com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, devendo ser citado o réu com pelo menos
20 ( vinte) dias de antecedência.

Na audiência de conciliação, João comparou juntamente com seu advogado.

A empresa ré não adicionou preposto, tendo mandado para audiência apenas o


advogado. Vale ressaltar, contudo, que o advogado da empresa tinha procuração com
poderes específicos para transigir.

1/5
Mesmo assim, o juiz entendeu que era indispensável a presença do preposto e que,
como ele não estava presente na audiência, deveria se entender que a parte ré faltou.

Diante disso, o magistrado aplicou multa contra a empresa por ato atentatório à
dignidade da justiça, na forma do § 8º do art. 334 do CPC:

Arte. 334 (...)

§ 8º O não comparecimento injustificado do autor ou do réu à audiência de conciliação é


considerado ato atentatório à dignidade da justiça e será sancionado com multa de até
dois por cento da vantagem econômica pretendida ou do valor da causa, revertida em
favor da União ou do Estado.

A empresa pode interpor agravo de instrumento contra essa decisão interlocutória


que fixou a multa? Cabe agravo de instrumento neste caso?

NÃO.

A decisão cominatória da multa do art. 334, §8º, do CPC, à parte que deixa de
comparecer à audiência de conciliação, sem apresentar justificativa adequada, não é
agravável, não se inserindo na hipótese prevista no art. 1.015, inciso II, do CPC,
podendo ser, no futuro, objeto de recurso de apelação, na forma do art. 1.009, §1º, do
CPC.

STJ. 3ª Turma. REsp 1.762.957/MG, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em
10/03/2020.

Essa decisão poderá ser discutida, no futuro, em recurso de apelação, na forma do art.
1.009, § 1º do CPC:

Art. 1.009. Da sentença cabe apelação.

§ 1º As questões resolvidas na fase de conhecimento, se a decisão a seu respeito não


comportar agravo de instrumento, não são cobertas pela preclusão e devem ser
suscitadas em preliminar de apelação, eventualmente interposta contra a decisão final,
ou nas contrarrazões.

Superada a análise do cabimento do recurso, vamos tratar da matéria de fundo.


Agiu corretamente o juiz ao impor a multa neste caso?

NÃO.

Não cabe a aplicação de multa pelo não comparecimento pessoal à audiência de


conciliação, por ato atentatório à dignidade da Justiça, quando a parte estiver
representada por advogado com poderes específicos para transigir.

STJ. 4ª Turma. RMS 56.422-MS, Rel. Min. Raul Araújo, julgado em 08/06/2021 (Info
700).

2/5
A parte tem o direito de se fazer representar na audiência de conciliação por advogado
com poderes para negociar e transigir. Isso está expressamente previsto no § 10 do art.
334 do CPC/2015:

Art. 334 (...)

§ 10. A parte poderá constituir representante, por meio de procuração específica, com
poderes para negociar e transigir.

“(...) Caso a parte não deseje comparecer pessoalmente à audiência, o § 10 do art. 334,
do Novo CPC permite a constituição de um representante, por meio de procuração
específica, com poderes para negociar e transigir. Pode ser seu advogado um ou
terceiro, e como na audiência não haverá outra atividade além da tentativa de solução
consensual, não há qualquer impedimento para a outorga de poderes da parte para
terceiro.” (NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de direito processual civil.
Volume único. 9ª ed. – Salvador: Juspodivm, 2017, p. 652)

“Constituído o representante com poder para negociar e transigir, a parte não precisa
comparecer pessoalmente à audiência preliminar”. (DIDIER, Fredie. Curso de direito
processual civil. 20ª ed. Salvador: Juspodivm, 2018, p. 724)

Desse modo, ficando demonstrado que o procurador da ré, munido de procuração com
poderes para transigir, esteve presente na audiência, tem-se como manifestamente ilegal
a aplicação da multa por ato atentatório à dignidade da Justiça.

DOD plus

Atenção com a Lei 9.099/95 (Lei do Juizado Especial estadual)

Confira o que a Lei nº 9.099/95 prevê sobre a presença das partes na audiência:

Art. 17. Comparecendo inicialmente ambas as partes, instaurar-se-á, desde logo, a


sessão de conciliação, dispensados o registro prévio de pedido e a citação.

Parágrafo único. Havendo pedidos contrapostos, poderá ser dispensada a contestação


formal e ambos serão apreciados na mesma sentença.

Art. 20. Não comparecendo o demandado à sessão de conciliação ou à audiência de


instrução e julgamento, reputar-se-ão verdadeiros os fatos alegados no pedido inicial,
salvo se o contrário resultar da convicção do Juiz.

Nas palavras da doutrina, o não comparecimento do réu importa revelia, não bastando
que ele se faça representar por advogado, ainda que este tenha poderes para transigir.
Nesse sentido:

“Nos Juizados Especiais, além dessa, há outra causa de revelia: o não comparecimento
do réu a qualquer uma das audiências, tanto a de conciliação quanto a de instrução e
julgamento. É o que estabelece o art. 20 da Lei n. 9.099/95: ‘Não comparecendo o
demandado à sessão de conciliação ou à audiência de instrução e julgamento, reputar-

3/5
se-ão verdadeiros os fatos alegados no pedido inicial, salvo se o contrário resultar da
convicção do juiz’. Há necessidade de comparecimento pessoal, não bastando que ele
se faça representar por advogado, ainda que este tenha poderes para transigir. O
Enunciado n. 20 do Fórum Permanente não deixa dúvidas, ao qualificar de obrigatório o
comparecimento das partes à audiência, podendo a pessoa jurídica fazer-se representar
por preposto. Se o autor não comparecer pessoalmente a qualquer das audiências, o juiz
extinguirá o processo sem resolução de mérito; e se o réu não comparecer, será
considerado revel” (GONÇALVES, Marcus Vinicius Rios de. Direito processual civil. 12ª
ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2021).

Veja os enunciados do FONAJE sobre o tema:

ENUNCIADO 20 – O comparecimento pessoal da parte às audiências é obrigatório. A


pessoa jurídica poderá ser representada por preposto.

ENUNCIADO 98 (Substitui o Enunciado 17) – É vedada a acumulação SIMULTÂNEA das


condições de preposto e advogado na mesma pessoa (art. 35, I e 36, II da Lei 8906/1994
combinado com o art. 23 do Código de Ética e Disciplina da OAB) (XIX Encontro –
Aracaju/SE).

ENUNCIADO 99 (Substitui o Enunciado 42) – O preposto que comparece sem carta de


preposição, obriga-se a apresentá-la no prazo que for assinado, para validade de
eventual acordo, sob as penas dos artigos 20 e 51, I, da Lei nº 9099/1995, conforme o
caso (XIX Encontro – Aracaju/SE).

Atenção com a Lei nº 10.259/2001 (Lei do Juizado Especial Federal)

Curiosamente, note-se que na Lei nº 10.259/2001 existe previsão expressa para que as
partes nomeiem, “por escrito, representantes para a causa, advogado ou não”:

Art. 10. As partes poderão designar, por escrito, representantes para a causa, advogado
ou não.

Para a doutrina (Felippe Borring Rocha):

“Nesses Juizados é possível sustentar não apenas a possibilidade da representação da


parte, mas também que ela seja feita por meio de advogado” (Manual dos juizados
especiais cíveis estaduais. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2019).

Em outras palavras (Alexandre Chini et al. Juizados especiais cíveis e criminais no


âmbito da justiça federal. Salvador: Juspodivm, 2020, p. 87):

“Evita-se, com isso, que uma empresa pública federal, pessoa jurídica de direito privado,
como a Caixa Econômica Federal (CEF), por exemplo, tenha que enviar mais de uma
pessoa para as audiências na Justiça Federal, bastando que se apresente seu advogado
devidamente habilitado, o qual, por força da Lei, terá poderes para atuar sem a
necessidade de terceiros como prepostos, como costumeiramente se faz necessário nos
Juizado Cíveis Estaduais. Portanto, se o advogado de uma empresa pública federal ré

4/5
(CEF, por exemplo) comparece à audiência sem a presença de algum preposto, não se
configurará revelia, uma vez que o texto legal lhe confere poderes para atuar sozinho,
podendo, inclusive, conciliar, transigir e desistir, sem que o substabelecimento precise
conferir esses poderes de forma expressa, afinal, a autorização decorre da lei, não
podendo ser derrogada por contrato de substabelecimento particular”.

5/5