Você está na página 1de 18

A HISTÓRIA DA ENFERMAGEM COMO SUBSÍDIO PARA A COMPREENSÃO DA

EVOLUÇÃO DO CAMPO DE ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO

Andreza Coelho Pereira1


Hannah Alves Dutra Lima2
Hélen Cristian Rodrigues de Moura3
Myckahellen Cardoso Gonçalves4
Sheila Aparecida Ribeiro Furbino5

RESUMO

O campo de atuação da enfermagem tem crescido substancialmente nos últimos anos, abrindo
perspectivas de conhecimento em múltiplas direções e espaços, permitindo que o enfermeiro
desenvolva atividades e serviços nas áreas do cuidado, da educação e da gestão, tanto de
natureza pública quanto privada. Florence Nigthingale introduziu a enfermagem como arte ou
modelo vocacional, legitimando a hierarquia e disciplina no trabalho de enfermagem. O
objetivo deste artigo consiste em descrever a evolução do campo de atuação do enfermeiro a
partir de Florence Nightingale, bem como conhecer a evolução histórica do campo de atuação
do enfermeiro e descrever suas principais áreas de atuação. Como metodologia, utilizou-se a
revisão bibliográfica descritiva de artigos encontrados nas bases de dados Scielo, Biblioteca
Virtual em Saúde, Bireme e REME. No ensino e pesquisa, este estudo contribuirá para
apresentar aos acadêmicos, profissionais de enfermagem e à sociedade o papel que o
enfermeiro desempenha nas diferentes áreas em que atua. As conquistas da enfermagem ao
longo dos anos são notórias, porém, muitas são as melhorias a serem alcançadas. Nesse
sentido, vê-se a necessidade de enfermeiros engajados em realizar e divulgar estudos e
pesquisas que busquem a cientificidade da enfermagem, culminando numa atuação segura,
autônoma e reconhecida, apresentando aos profissionais e à sociedade os avanços alcançados
e os desafios futuros desta profissão.

Palavras-chave: História da enfermagem. Campo de atuação. Enfermeiro.

1
Acadêmica do Curso de Enfermagem da Universidade Vale do Rio Doce
Email: andreza-coelho@hotmail.com
2
Acadêmica do Curso de Enfermagem da Universidade Vale do Rio Doce
Email: hannah.adl@hotmail.com
3
Acadêmica do Curso de Enfermagem da Universidade Vale do Rio Doce
Email: helencristianr@gmail.com
4
Acadêmica do Curso de Enfermagem da Universidade Vale do Rio Doce
Email: myckacardoso@hotmail.com
5
Orientadora Professora do Curso de Enfermagem da Universidade Vale do Rio Doce
Email: sheilaenf@univale.br
2

INTRODUÇÃO empresas prestadoras desses serviços;


consultoria, auditoria e emissão de parecer
sobre matéria de enfermagem.
Os estudos históricos sobre a Segundo Erdmann et al. (2009), a
enfermagem possibilitam a conscientização enfermagem assume o cuidado das
do que é esta profissão, o desenvolvimento pessoas, independentemente dos contextos
da autoestima coletiva e a formação da e ambientes em que estão inseridas,
identidade profissional. Dessa forma, durante todo o ciclo vital, visando a
estudar a história da enfermagem gera manutenção e melhoria da qualidade de
liberdade e permite um novo olhar sobre a vida, prevenindo doenças ou amenizando
profissão (BARREIRA, 1999). seus efeitos. Destaca, ainda, a atuação do
O campo de atuação da enfermeiro nas áreas de promoção da
enfermagem tem crescido saúde e recuperação do doente, em
substancialmente nos últimos anos, abrindo consultórios, clínicas, hospitais e
perspectivas de conhecimento em domicílios; nos serviços de assessoria e
múltiplas direções e espaços, permitindo atividades organizacionais, possibilitando
que este profissional desenvolva atividades que este profissional atue de maneira
e serviços nas áreas do cuidado, da autônoma e empreendedora na gestão de
educação e da gestão, tanto de natureza serviços de saúde e em atividades de
pública quanto privada (ERDMANN et al., ensino e pesquisa.
2009). Rosa e Lima (2005), em pesquisa
A Lei nº 7.498/86, de 25 de junho baseada na análise de reportagens da
de 1986 que dispõe sobre a imprensa escrita, identificaram o exercício
regulamentação do exercício da da enfermagem intimamente ligado à
enfermagem e dá outras providências, em função assistencial, sendo que a atividade
seu Artigo 11 demonstra algumas áreas de gerencial, de planejamento e avaliação não
atuação que são exclusivas do enfermeiro e foi evidenciada, bem como as de ensino e
vão além do cuidado com o paciente, como pesquisa.
a direção do órgão de enfermagem Segundo Toledo e Soares (2008), a
integrante da estrutura básica da instituição ausência de uma filosofia de trabalho e a
de saúde, chefia de serviço e de unidade de percepção de conceitos fragmentados
enfermagem; organização e direção dos dificultam uma concepção clara da prática
serviços de enfermagem e de suas profissional do enfermeiro.
atividades técnicas e auxiliares nas Considerando o desenvolvimento
3

da enfermagem como profissão, a Com o resultado da primeira busca


expansão do campo de atuação do foram identificadas 201 produções
enfermeiro e o desconhecimento deste científicas. Realizou-se então a leitura dos
crescimento por parte de alguns artigos para seleção e fichamento dos
profissionais de enfermagem e sociedade, textos. Durante este processo, foram
identificou-se a necessidade de descrever a descartados 151 produções, pois apesar de
evolução do campo de atuação do possuírem algum dos descritores
enfermeiro a partir de Florence delimitados na busca, não tratavam do
Nightingale, bem como conhecer a sua assunto de interesse do estudo. Após o
evolução histórica e descrever suas refinamento, o quantitativo de publicações
principais áreas de atuação. identificadas envolvendo os descritores
Entende-se que o estudo sobre o consistiu em 50 produções científicas.
campo de atuação do enfermeiro é De posse das fontes selecionadas,
relevante na medida em que oferece procedeu-se à confecção do artigo, que foi
subsídios à reflexão dos profissionais de organizado em 04 subtemas para facilitar
enfermagem e da sociedade acerca das seu entendimento e atender ao objetivo
várias áreas de ação do enfermeiro e do seu proposto.
papel no ambiente de trabalho. Neste
quesito, o presente estudo contribuirá para
apresentar aos acadêmicos, profissionais de HISTÓRIA DA ENFERMAGEM A
enfermagem e à sociedade o verdadeiro PARTIR DE FLORENCE
papel que o enfermeiro poderá NIGTHINGALE
desempenhar.
Trata-se de um estudo descritivo,
de natureza bibliográfica acerca do campo No decorrer da história, a
de atuação do enfermeiro, desenvolvido no enfermagem encontrou muitas situações
período de agosto de 2011 a maio de 2012, dificultadoras, desde um trabalho de
a partir da análise de artigos, teses e leis sacrifício até o reconhecimento das
selecionados em sites de busca disponíveis atividades realizadas. Influenciada por
na internet (Google) e nos bancos de dados diferentes contextos, a enfermagem foi
Scielo, Biblioteca Virtual em Saúde, exercida por diversos agentes: mulheres,
Bireme e REME através dos descritores: escravos e religiosos (SOUSA et al., 2010).
história da enfermagem, campo de atuação Para Rodrigues (2001), a história da
e enfermeiro. enfermagem pode ser situada antes,
4

durante e depois da Idade Média. Antes, o Em 1854, Florence atuou


processo saúde/doença esteve ligado ao voluntariamente na Guerra da Criméia,
sobrenatural e a enfermagem era praticada prestando serviço às tropas inglesas.
de forma intuitiva. Durante a Idade Média, Juntamente com outras mulheres, Florence
a concepção de saúde/doença foi vinculada organizou um hospital, baixando a
ao aspecto religioso e com o exercício do mortalidade dos internos de 40% para 2%,
trabalho de enfermagem as pessoas em seis meses. Por seu trabalho foi
queriam aproximar-se de Deus. O reconhecida pelo governo inglês e abriu a
surgimento do capitalismo e a organização primeira escola de enfermagem
do espaço hospitalar possibilitou o (PADILHA; MANCIA, 2005).
treinamento de pessoas para exercer a Gomes et al. (2007) afirmam que
enfermagem, e o que antes estava ligado à não foi somente na organização hospitalar
religião adquiriu significado vocacional. que Florence se destacou, mas também na
De acordo com Sousa et al. (2010), humanização dos cuidados dispensados aos
a enfermagem vivenciou três momentos soldados, estabelecendo melhores
marcantes em sua história, empirismo, condições sanitárias e no tratamento dos
evolutivo e de aprimoramento, partindo-se feridos.
de cuidados muito simples e de práticas
baseadas em experiências leigas,
aperfeiçoando-se com Florence A ORGANIZAÇÃO DA
Nightingale no século XIX, firmando-se ENFERMAGEM NO BRASIL
como profissão e construindo um
conhecimento próprio no século passado.
Foi a partir da segunda metade do A organização da enfermagem na
século XIX, na Inglaterra, que, sob a Sociedade Brasileira começa no período
liderança de Florence Nightingale, a colonial e vai até o final do século XIX. A
enfermagem surgiu como profissão e como profissão surge como uma simples
um campo do saber (GOMES et al., 2007). prestação de cuidados aos doentes,
Através da sua atuação, Florence realizada por um grupo formado, na sua
deu à enfermagem poderosos fundamentos, maioria, por escravos, que nesta época
princípios técnicos e educacionais e trabalhavam nos domicílios (LEMPEK,
elevada ética, impulsionando a profissão e 1995).
criando oportunidades impensáveis até O ensino de enfermagem foi
então (OGUISSO, 2007). instituído no Brasil com a criação da
5

Escola Profissional de Enfermeiros e populacional, em especial nas capitais dos


Enfermeiras, posteriormente denominada estados mais importantes, forçou o
Escola de Enfermagem Alfredo Pinto. A governo a preocupar-se com a elaboração
escola foi oficializada pelo Decreto Federal de uma política sanitarista, devido ao
n° 791, de 27 de setembro de 1890, que aumento das doenças transmissíveis como
determinava a sua criação, a duração do a cólera, a peste bubônica, a febre amarela,
curso de dois anos e a composição do a varíola, a tuberculose, a lepra e a febre
corpo docente (KLETEMBERG; tifóide (KRUSE, 2006).
SIQUEIRA, 2003, MECONE; FREITAS, Desde que surgiram as primeiras
2009). preocupações em torno da “higienização da
O ensino era voltado a cuidados nação”, as questões sanitárias favoreceram
com pacientes psiquiátricos, demandado a inserção de estratégias estrangeiras nas
por processos políticos de formação reformas internas no campo da saúde. A
técnica para assistência a estes pacientes. O enfermagem foi alvo de interesses políticos
exercício da enfermagem no Brasil até neste período e esteve envolvida com
então, era praticado com base na reformas sanitárias (MECONE; FREITAS,
solidariedade humana (MECONE; 2009).
FREITAS, 2009). Assim, durante a primeira reforma
Em fins de 1908, a escola Cruz sanitária, Carlos Chagas, diretor do
Vermelha Brasileira foi organizada e Departamento Nacional de Saúde Pública,
instalada no Brasil, tendo como primeiro tomando como referência as ações da
presidente o médico Oswaldo Cruz Fundação Rockfeller buscou implantar um
(LEMPEK, 1995). novo modelo de atenção à saúde que
A produção historiográfica evidenciava a necessidade de unidades de
brasileira no âmbito da enfermagem saúde locais e permanentes, com a
relaciona a institucionalização da formação de uma equipe de profissionais
enfermagem moderna às grandes que atuassem de forma sistemática junto à
epidemias (RIZZOTTO, 2006). população (MERHY, 1992 apud
No início do século XX, fatores RIZZOTTO, 2006).
como o aumento do comércio internacional Com o objetivo de formar
e o incremento das correntes migratórias, profissionais para atuar na saúde pública,
teriam levado a uma crescente como agentes de educação em saúde, o
complexidade da estrutura socioeconômica sanitarista Carlos Chagas em parceria com
do Brasil. O constante aumento a Fundação Rockfeller, criou em 1923 a
6

Escola de Enfermeiras do Departamento Na segunda metade da década de


Nacional de Saúde, posteriormente, 1940, houve um aumento no interesse
denominada Escola de Enfermagem Anna pelas atividades desempenhadas pela
Nery, tendo como modelo o sistema enfermeira-chefe e pela formação desta
nightingaleano (GEOVANINI, 2002). profissional, a fim de atender a necessidade
Contudo, o objetivo de formar enfermeiras de preparação de enfermeiras para o
com o papel de educadoras em saúde não exercício gerencial. À enfermeira competia
se concretizou devido a uma série de o bom andamento do serviço, o bem estar
fatores que, articulados, determinaram o dos doentes e a satisfação de sua equipe,
desenvolvimento da enfermagem numa tornando-a essencial tanto na organização,
perspectiva diferente daquela quanto no gerenciamento do serviço de
originalmente pensada. Diante disso, o enfermagem (LEITE, 1947 apud
único campo fora dos hospitais, onde a ROZENDO; GOMES, 1998).
enfermagem teve algum desenvolvimento, Na década de 1950, o trabalho
foi nos programas de combate à desenvolvido pela enfermagem,
tuberculose, onde a Fundação Rockfeller considerado como trabalho em equipe,
tinha particular interesse em que fossem proporciona ao enfermeiro o papel de líder,
investidos recursos e ações de saúde que assume a administração da assistência
(MERHY, 1992 apud RIZZOTTO, 2006). de enfermagem, responsabilizando-se pelo
No período histórico de 1930 a planejamento, coordenação e a supervisão
1949, a literatura produzida retrata a da assistência, delegando certas
preocupação com a formação das responsabilidades do cuidado direto ao
enfermeiras, bem como com a definição de paciente a membros da equipe (VIETTA et
seu papel (ROZENDO; GOMES, 1998). al., 1996).
Os mesmos autores citando Paixão (1947) Com a publicação da portaria n°
relatam que, após três anos de estudo, as 94162 de 27 de março de 1962, do
enfermeiras recém-formadas eram Ministro de Estado dos Negócios do
absorvidas pelo mercado de trabalho com a Trabalho e Previdência Social, o
responsabilidade de orientar os serviços de enfermeiro, até então mantido numa
enfermagem, manter a ordem e a higiene situação irregular, situado na categoria de
das enfermarias, cabendo a elas a enfermeiros e empregados de hospitais e
responsabilidade pelo controle do espaço casas de saúde, conquista sua autonomia
físico, dos doentes e dos demais agentes da profissional, criando o grupo de
equipe de enfermagem. enfermeiros como profissão liberal
7

(SILVA et al., 1979 apud VIETTA et al., constitucional do direito universal à saúde
1996). e a construção institucional do Sistema
Vietta, Uehara e Netto (1996) citam Único de Saúde (SUS).
Souza (1984) ao afirmarem que, a partir da Ribeiro e Amorim (2004) afirmam
década de 1970, as enfermeiras brasileiras que diante do contexto da Reforma
reconhecendo a necessidade de um campo Sanitária, o enfermeiro buscou ampliar seu
de conhecimento, buscaram entrar em campo de ação e questionou a assistência
contato com as teorias de enfermagem que de enfermagem vigente até então,
já vinham sendo desenvolvidas nos conceituada como o atendimento às
Estados Unidos desde a década de 1960, necessidades biopsicossociais. Os
tendo sido publicadas várias delas como as profissionais, embasados em
teorias de Orlando, Hall, Levine, Rogers, conhecimentos técnico-científicos da saúde
dentre outras. Ainda na década de 1970, coletiva, perceberam que esse movimento
Wanda Horta foi a responsável pela demandava uma nova prática profissional,
primeira teoria de enfermagem brasileira, em que seria necessário preparar atores
fundamentada na teoria das necessidades para novas funções, definindo a
humanas de Maslow. enfermagem como uma prática social.
No início da década de 1980, o A partir de então, a formação do
modelo de saúde vigente baseava-se na enfermeiro volta-se para um atendimento
oferta de serviços de saúde coletivos, integral no que diz respeito à promoção,
excludentes, ligados aos interesses da proteção e recuperação da saúde,
indústria médico-hospitalar e tecnológica, implicando na humanização do
com o enfoque para a doença. Com o fim atendimento com uma visão global do
da ditadura militar e início da homem na plenitude de seus direitos de
democratização do país, enfermeiros e cidadão (ALMEIDA, 1986).
sanitaristas viram no campo da saúde um
terreno para discutir a ampliação dos
direitos de cidadania e uma possível PRINCIPAIS ÁREAS DE ATUAÇÃO
socialização do país a partir da estatização DO ENFERMEIRO NA ATUALIDADE
do setor saúde (RIBEIRO; AMORIM,
2004).
Para Fleury (2009), a reforma Desde a criação do SUS, em 1988,
sanitária no Brasil emergiu como parte da os municípios têm buscado adequar-se às
luta pela democracia e alcançou a garantia normas e diretrizes que o regem, quais
8

sejam, a universalidade do acesso aos família (COSTA; SILVA, 2004).


serviços; a integralidade da assistência; a O enfermeiro encontrou na ESF um
participação da comunidade; a progressivo campo de atuação, que lhe
descentralização político-administrativa e a permite atuar de forma autônoma e
ênfase na regionalização e hierarquização desvincula da prática subordinada a outros
da rede de serviços de saúde (ROCHA; profissionais, exercendo um papel distinto
ZEITOUNE, 2007). do que lhe era conferido nas instituições
Em 1994, foi criado o Programa estruturadas no modelo tradicional
Saúde da Família (PSF), mais adiante (COSTA; MIRANDA, 2008).
denominado Estratégia de Saúde da Atualmente, a ESF tem sido porta
Família (ESF), como nova forma de de entrada no mercado de trabalho para a
desenvolvimento do SUS e eixo central maioria dos enfermeiros, o que gera a
para promover a extensão de cobertura do necessidade de profissionais capacitados e
Ministério da Saúde (MONTEIRO; comprometidos para agir na atenção
FIGUEIREDO; MACHADO, 2009). A primária. Nesse sentido, a formação
ESF surgiu em resposta à crise do modelo acadêmica e a qualificação em
médico-clínico, até então predominante no enfermagem vêm modificando-se ao longo
país, o qual não contemplava os princípios dos anos, a fim de preparar profissionais
do SUS, pois tinha como foco a assistência conhecedores dos problemas sociais e de
individualizada, curativa e medicamentosa, saúde da população e capazes de intervir
com pouca resolutividade e baixo impacto na reorganização do setor saúde de
social (OGATA, MACHADO; CATOIA, maneira técnica, científica, política e ética
2009). (COSTA; MIRANDA, 2008).
Nesse contexto, o trabalho da Erdmann et al. (2009) destacam que
enfermagem adequou-se à nova política de a enfermagem também pode ser vista como
saúde vigente no País, produzindo uma profissão autônoma, pois o enfermeiro
mudanças relevantes na organização e pode se especializar em diferentes campos,
operacionalização dos serviços de saúde. A associados às ações de decisão,
enfermagem foi então incorporada a um coordenação, avaliação clínica, diagnóstico
conjunto de atividades assistenciais, e intervenção de enfermagem como
gerenciais, educativas e de pesquisa, atributos de independência e
adquirindo competência técnica e científica conhecimento. Ressalta ainda a atuação
na assistência à população, visando à deste profissional em serviços hospitalares,
promoção da saúde do indivíduo e sua escolas e empresas, além de atividades de
9

ensino e pesquisa estimulando a inserção conforto e comodidade privando o


dos alunos e profissionais nos grupos de cliente/paciente do ambiente hospitalar
pesquisa e projetos de extensão. (GONÇALVES; PIANCÓ; ALMEIDA,
De acordo com Gonçalves, Piancó 2011).
e Almeida (2011), os avanços da A Resolução do Conselho Federal
enfermagem vêm crescendo de Enfermagem (COFEN) n° 267, afirma
consideravelmente, vislumbrando um que o SAD baseia-se na prestação de
campo notório onde o enfermeiro pode vir serviços de saúde ao cliente/paciente,
a atuar promovendo a saúde da população família e grupos sociais em domicílio,
e qualidade de vida. Consultorias e além de constituir um serviço de
auditorias, consultórios e atendimento acompanhamento, tratamento, e
domiciliar são algumas das reabilitação de pacientes, de diferentes
particularidades que concedem ao faixas etárias, em resposta à sua
enfermeiro uma atuação autônoma. necessidade e de seus familiares,
A presença do enfermeiro entre os atendendo a qualidade do funcionamento
profissionais que atuam nos serviços de do contexto domiciliar (PAZ; SANTOS,
auditoria em saúde indica a relação que 2003). Esta resolução ainda ressalta que a
existe entre o conhecimento necessário enfermagem em Home Care, exprime
para o trabalho neste campo e as significativamente a autonomia e o caráter
responsabilidades assumidas na prática liberal do profissional enfermeiro,
assistencial. Isto porque o profissional que prevendo atividades nos níveis de menor,
atua na maior parte dos procedimentos média e alta complexidade (ALVES et al.,
relacionados à assistência prestada ao 2007).
usuário desde o atendimento direto, até as Trevizan et al. (1982) ressaltam que
atividades administrativas e gerenciais é o a colaboração do enfermeiro de serviço nas
enfermeiro, o que lhe confere alguma atividades de ensino e de pesquisa vem
competência técnico-administrativa para crescendo substancialmente. Através de
lidar com o processo de produção da conta observação sistemática tem-se verificado
hospitalar (PINTO; MELO, 2010). que há disposição do enfermeiro em
O Home Care ou Serviço de colaborar no ensino de estudantes de
Atendimento Domiciliar (SAD) vem enfermagem.
ganhando espaço no mercado por trazer A produção de novos
inúmeros benefícios, como a promoção, conhecimentos na modalidade de pesquisa
prevenção, recuperação da saúde, além do vem se desenvolvendo por diversos
10

pesquisadores, sejam eles titulados ou em de especialidade em algumas áreas em


formação. A enfermagem como ciência e função do seu conhecimento e trabalho.
profissão tem desenvolvido ao longo dos Dentre estas especialidades, podemos
anos pesquisas que se fazem necessárias destacar a presença do enfermeiro em
para o exercício da prática profissional e clínicas laboratoriais, sendo este habilitado
aquisição de novos conhecimentos onde os e responsável por todas as ações de
diferentes métodos de pesquisa sustentam enfermagem que ali sejam executadas
o saber da enfermagem rumo à excelência (SILVA, 2004).
e qualificação (ERDMANN; LANZONI, Outra área é em centro de
2008). diagnóstico por imagem, onde desenvolve
A enfermagem como parte maior da procedimentos de diagnósticos na
equipe multiprofissional destaca-se não só administração de contrastes em serviços de
na assistência ao paciente como também se radiologia convencional; tomografia
faz responsável por outras unidades no computadorizada; ultrassonografia;
ambiente hospitalar atuando na liderança, hemodinâmica e ressonância magnética,
gerência e pesquisa, além de desempenhar sendo sua principal função identificar os
o trabalho em equipe visando sempre o fatores de risco para a execução dos
cuidado ao paciente (SILVA; ERDMANN; serviços e intervir com responsabilidade e
CARDOSO, 2008). habilidade nas possíveis complicações que
Auricchio e Massarollo (2007) possam surgir em consequência do
enfatizam a atuação do enfermeiro em procedimento (SALES et al., 2010).
clínicas de estética que tem como objetivo Silva (2005) citando Mendes
a execução de técnicas destinadas a (2003) relata que a preocupação com a
corrigir alterações do relevo cutâneo da saúde dos trabalhadores tem sido motivo
face e de outras regiões do corpo por meio de grande discussão e investigação de toda
de procedimentos clínicos minimamente a sociedade. Isso se aplica devido as
invasivos onde se faz presente, assim como condições de trabalho na vida dos
tem a função de preparar o cliente trabalhadores e os impactos que a mesma
informando-o e esclarecendo-o sobre o traz, repercutindo na sociedade, economia
procedimento a ser realizado e presta e política.
cuidados de pré e pós-procedimento, Diante disso, Castro, Sousa e
avaliando riscos e benefícios para o tal. Santos (2010) apontam a atuação do
A enfermagem conquistou novos enfermeiro na saúde do trabalhador como
espaços de atuação e alcançou a categoria especialista em saúde ocupacional, tendo
11

como atribuições gerenciar e prestar PERSPECTIVAS FUTURAS PARA


assistência de enfermagem aos ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO
trabalhadores, prevenindo riscos
ocupacionais e atendendo os doentes e
acidentados, em busca de seu bem-estar As inúmeras e rápidas alterações no
físico e mental. campo político, econômico, social e
Devido à necessidade de cultural, decorrentes dos processos de
profissionais qualificados para remoção globalização do mundo contemporâneo,
aeromédica de pacientes de alto risco, geram efeitos drásticos na saúde humana
surgiu a modalidade de enfermeiro de individual e coletiva e impõem novos e
bordo. No Brasil, esta ainda é uma grandes desafios para a disciplina
atividade recente, cuja formação está profissional de enfermagem do século XXI
voltada para emergências e cuidados a (SILVA, 2008).
pacientes graves (THOMAZ, 1999). No Brasil, o crescimento da
Campos (2007) relata a atuação do população idosa vem ocorrendo de forma
enfermeiro de bordo em plataformas ou rápida. O aumento considerável na
navios de extração de petróleo, expectativa de vida dos brasileiros
desenvolvendo atividades como: realizar associado à diminuição da taxa de
consulta de enfermagem; prescrever ações natalidade têm ampliado a proporção
de enfermagem; prestar assistência direta a relativa de idosos na população brasileira
pacientes graves; realizar procedimentos (PAVARINI et al., 2005).
de maior complexidade; solicitar exames; Pesquisa publicada pela Revista de
prescrever medicamentos; acionar equipe Administração e Inovação em 2010 buscou
multiprofissional de saúde; registrar identificar quais serão as profissões mais
observações, cuidados e procedimentos prováveis de se desenvolver no futuro e
prestados; realizar a evolução clínica de onde estarão as oportunidades de negócios
pacientes, dentre outras. Destaca ainda que para empreendedores, considerando o ano
o enfermeiro de bordo tem sob sua de 2020. Os resultados da pesquisa
responsabilidade uma população de até 200 evidenciaram, dentre outras coisas, que
trabalhadores, exigindo deste profissional devido ao envelhecimento da população,
conhecimento técnico e teórico para profissões relacionadas a cuidados com os
executar as atividades de bordo. mais velhos, como a enfermagem, estão
entre as carreiras mais promissoras para os
próximos anos (WRIGHT; SILVA;
12

SPERS, 2010). se situavam no ano de 2030 e imaginavam


No século XXI, serão os as conquistas que a profissão teria
enfermeiros frente à gerência que terão que alcançado (OGUISSO et al., 1999). Os
mudar paradigmas para não apenas estudantes visualizaram que, no futuro,
sobreviver, mas prosperar, pois, a enfermeiros teriam competência para
globalização é o caminho, e o desafio de realizar anestesias e pequenas cirurgias;
cada profissional para ocupar o seu espaço ocupariam cargos de destaque, como
(CARDOSO, 2003). Ministro da Saúde ou até de Diretor Geral
Com o crescente avanço científico e da Organização Mundial de Saúde; e
tecnológico na área da saúde vê-se a enfermeiros no campo político, assumindo
necessidade dos profissionais da área cargo de Senadores da República ou
buscarem constante atualização. Destaca- Deputados Federais. Apesar da esperança
se o saber do profissional enfermeiro no demonstrada pelos alunos, a autora lança o
mundo tecnológico, uma vez que este, na seguinte questionamento: “Quantos
execução de novas pesquisas, contribui de enfermeiros seguirão esse caminho?”
forma eficiente, digna e ética para uma (OGUISSO, 2000).
vida cotidiana mais prazerosa e menos Mesmo as perspectivas para a
complicada (KOERICH et al., 2006). atuação do enfermeiro no futuro não sendo
A tecnologia pode modificar assim totalmente definidas, sabe-se que a
como influenciar o modo de vida, enfermagem do futuro será contestadora e
fazendo-se presente nos dias atuais em superadora dos limites impostos pelo
diversos campos da atividade humana. A modelo político e econômico,
incorporação de novas tecnologias tem comprometida com as transformações
gerado mudanças nos cuidados prestados político-estruturais que o cuidado em saúde
pelo enfermeiro e, ao mesmo tempo, induz da população requer e deseja (PRADO E
o aperfeiçoamento técnico-cientíco REIBNITZ,2004).
possibilitando um cuidado com maior
qualidade e eficácia (SILVA; FERREIRA,
2009). CONSIDERAÇÕES FINAIS
Outras áreas de atuação dos
enfermeiros no futuro são sugeridas por
alunos do primeiro ano do curso de A evolução da enfermagem e do
graduação de enfermagem da Universidade campo de atuação do enfermeiro se vincula
de São Paulo, em um trabalho no qual eles diretamente com seu passado histórico.
13

Florence Nightingale representou um por progresso e reconhecimento para a


marco na evolução histórica da profissão. A enfermagem vem se
enfermagem, permitindo a inserção da assumindo como uma profissão em
cientificidade e a institucionalização da crescimento, conquistando cada vez mais
profissão. Com o decorrer da história e áreas de atuação. Nesse sentido, vê-se a
atrelada às mudanças nas práticas de saúde, necessidade de enfermeiros engajados em
a profissão deixou de ser restrita a estudos e pesquisas que busquem a
ambientes hospitalares e conquistou cientificidade da enfermagem,
destaque no âmbito de promoção e proporcionando-lhes uma atuação segura,
prevenção da saúde, e conforme surgiram autônoma e reconhecida.
novas necessidades de assistência, a Tão importante quanto à realização
enfermagem conquistou espaço em áreas de estudos e pesquisas é a divulgação dos
antes inéditas. resultados das mesmas. Baseando-se nisso,
Conclui-se então que as conquistas espera-se que este estudo ofereça subsídios
da enfermagem ao longo dos anos foram para reflexão da evolução das práticas de
notórias, porém muitas são as melhorias a enfermagem, apresentando aos
serem realizadas. O alcance dessas profissionais e à sociedade os avanços
melhorias depende da união e alcançados, contribuindo assim para um
comprometimento dos enfermeiros na luta maior reconhecimento da profissão.

THE HISTORY OF NURSING AS A SUBSIDY FOR THE COMPREHENSION OF


THE EVOLUTION IN THE ACTING FIELD OF THE NURSE

ABSTRACT

The nurse acting field has grown substantially in the last few years, opening perspectives of
knowledge in multiple directions and spaces, allowing the nurse to develop activities and
services in the areas of care, education and administration, as either public or private nature.
Florence Nigthingale introduced nursing as an art or vocational model, legitimizing the
hierarchy and discipline in the nursing job. The objective of this article consists in describing
the evolution in the acting field of the nurse since Florence Nightingale, also to know the
historic evolution of the nurse acting field and to describe its main working area. In the
methodology, bibliographic revised descriptive articles found in Scielo’s database, Health
Virtual Library, BIREME and REME, were used. In teaching and research, this study will
contribute to the presentation for the academics, nursing professionals and for the society, the
14

role that the nurse can develop in various areas of work. The nursing achievement throughout
the years are remarkable, However, many are the progress that still needs to be reached. This
way, there is a need to have nurses engaged to conduct and disseminate research and studies
that seek the scientificity of nursing, culminating in a secure, independent and recognized
performance, presenting to professionals and to society the advances reached and the futures
challenges of this profession.

Keywords: History of nursing. Working field. Nurse.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Lei nº 7.498/86 - de 25 de junho


de 1986. Dispõe sobre a regulamentação
do exercício da Enfermagem e dá outras
ALMEIDA, Maria Cecília Puntel de. A providências. Associação Brasileira de
formação do enfermeiro frente à reforma Enfermagem. Disponível em: < http://ww
sanitária. Cadernos de Saúde Pública. w.abennacional.org.br/download/LeiPROF
Rio de Janeiro, v.2, n.4, out./dez. 1986. ISSIONAL.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2012.

ALVES, Marília et al. Trabalho do CAMPOS, Tito Laucas de. Enfermagem


enfermeiro em uma empresa de Home de bordo: análise da legislação e
Care de Belo Horizonte, Brasil. Revistas normatização de proteção à saúde do
Científicas de América Latina, v. XXV, trabalhador de enfermagem aquaviário.
n 2, set. 2007. Disponível em: <http://red 2007. 80 f. Dissertação (Mestrado em
alyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/1052/105215 Enfermagem, saúde e sociedade) –
257009.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2011. Universidade do Estado do Rio de Janeiro,
Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: <http
://www.dominiopublico.gov.br/download/
AURICCHIO, Ana Maria; texto/cp040955.pdf>. Acesso em: 08 set.
MASSAROLLO, Maria Cristina 2011.
Komatsu Braga. Procedimentos
estéticos: percepção do cliente
quanto ao esclarecimento para a CARDOSO, Gessi Maria. Perfil da
tomada de decisão. Revista da enfermeira na função gerencial do sistema
Escola de Enfermagem da de saúde pública. In: Seminário
USP, São Paulo, v. 41, n.1. mar. Nacional Estado e Políticas Sociais no
2007. Disponível em:<http://ww Brasil. Paraná, 2003. Disponível em:<
w.scielo.br/pdf/reeusp/v41n1/v4 http://cac-php.unioeste. br/projetos/gpps
1n1a01.pdf>. Acesso em: 20 /midia/seminario1/index2.htm>. Acesso
nov. 2011. em: 19 maio 2012.

BARREIRA, Ieda de Alencar. Memória e CASTRO, Angélia Borges Souza de;


história para uma nova visão da SOUSA, Josie Teixeira Costa de;
enfermagem no Brasil. Revista Latino- SANTOS, Anselmo Amaro dos.
americana de Enfermagem, Ribeirão Atribuições do enfermeiro do trabalho na
Preto, v. 7, n. 3, p. 87-93, julho 1999. prevenção de riscos ocupacionais. Journal
of the Health Sciences Institute, São
Paulo, v. 28, n. 1, p. 5-7, 2010.
15

COSTA, Maria Bernadete de Sousa; GONÇALVES, Chirlaine Cristine;


SILVA, Maria IracemaTabosa da. Impacto PIANCÓ, Isabella Maria Filgueira Guedes;
da criação do programa saúde da família na ALMEIDA, Isabella Barros.
atuação do enfermeiro. Revista de Empreendedorismo em enfermagem:
Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. relatos de sucesso, 2011. Disponível em: <
12, p. 272-279, 2004. Disponível em: <http http://189.75.118.67/CBCENF/sistemainsc
://www.facenf.uerj.br/v12n3/v12n3a04.pdf ricoes/arquivosTrabalhos/I26976.E9.T515
>. Acesso em: 06 ago. 2011. 2.D5AP.pdf>. Acesso em: 16 abr. 2012.

COSTA, Roberta Kaliny de Souza; GOMES, Vera Lúcia de Oliveira et


MIRANDA, Francisco Arnoldo Nunes de. al. Evolução do conhecimento científico na
O enfermeiro e a estratégia saúde da enfermagem: do cuidado popular à
família: contribuição para a mudança do construção de teorias. Revista
modelo assistencial. Revista da Rede de Investigación y Educación en
Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v. 9, Enfermería, v.17, núm 2, set.
n. 2, p. 120-128, abr./jun. 2008. Disponível 2007. Disponível em: <http://redalyc.uae
em: <http://www.revista rene.ufc.br/pdf/9 mex.mx/redalyc/pdf /1052/10521 525
_2.pdf>. Acesso em: 08 set. 2011. 7010.pdf>. Acesso em: 19 maio 2012.

ERDMANN, Alacoque Lorezini et al. A KLETEMBERG, Denise Faucz;


visibilidade da profissão de enfermeiro: SIQUEIRA, Márcia T. A. Dalledone. A
reconhecendo conquistas e lacunas. criação do ensino de enfermagem no brasil.
Revista Brasileira de Enfermagem, Cogitare Enfermagem, v. 8, n. 2, 2003.
Brasília, v. 62, n. 4, p. 637-643, jul./ago. Disponível em: <http://200.195.174.230
2009. /Materiais/971_520.pdf>. Acesso em: 06
set. 2011.

ERDMANN, Alacoque Lorenzini;


LANZONI, Gabriela Marcellino de Melo. KOERICH, Magda Santos et al.
Características dos grupos de pesquisa da Tecnologias de cuidado em saúde e
enfermagem brasileira certificados pelo enfermagem e suas perspectivas
CNPq de 2005 a 2007. Revista de filosóficas. Texto contexto Enfermagem.
Enfermagem Escola Anna Nery, v. 12, n. Florianópolis, v. 15, p. 178-185, 2006.
2, p. 316-322, jun. 2008.

KRUSE, Maria Henriqueta Luce.


FLEURY, Sonia. Reforma sanitária Enfermagem Moderna: a ordem do
brasileira: dilemas entre o instituinte e o cuidado. Revista Brasileira de
instituído. Revista Ciência e Saúde Enfermagem, v. 59, n. especial, p. 403-
Coletiva. Rio de Janeiro, v.14, n.3, 410, 2006.
maio/jun. 2009.

LEMPEK, Isadora da Silva. História da


GEOVANINI, Telma. História da enfermagem. Escola de Enfermagem –
enfermagem: versões e interpretações. 2. UFRGS. Departamento de Enfermagem
ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2002. 338 p. Médico-Cirúrgica, 1995. Disponível em:
16

<http://www.ufrgs.br/eenf/arquivo-disci mundo atual e projeções para o futuro.


plinas/materiais-de-apoio/fund.-cuidado- Acta Paulista de Enfermagem, São
humano-i/historia.pdf>. Acesso em: 13 Paulo, v. 13, n. especial, p. 44-51, 2000.
out. 2011. Disponível em: <http://www.unifesp.br/
mwg-internal/de5fs23hu73ds/progress?id
=0LfFlBXgie&dl>. Acesso em: 14 jan.
MECONE, Márcia Cristina da Cruz; 2012.
FREITAS, Genival Fernandes de.
Representações da enfermagem na
imprensa da Cruz Vermelha Brasileira OGUISSO, Taka. Florence Nightingale. In:
(1942-1945). Texto Contexto Trajetória histórica e legal da
Enfermagem, Florianópolis, v. 18, n. 4, p. enfermagem. 2. ed. Barueri: Manole,
741-749, out./dez. 2009. 2007.

MONTEIRO, Michele Mota; PADILHA, Maria Itayra Coelho de Souza;


FIGUEIREDO, Virgínia Paiva; MANCIA, Joel Rolim. Florence
MACHADO, Maria de Fátima Antero Nightingale e as irmãs de caridade:
Souza. Formação do vínculo na revisitando a história. Revista Brasileira
implantação do Programa Saúde da de Enfermagem, São Paulo, v. 58, n.6, p.
Família numa Unidade Básica de Saúde. 723-726, nov./dez. 2005.
Revista da Escola de Enfermagem da
USP, v. 43, n.2, p. 358-364, 2009.
Disponível em: Acesso em: 09 abr. 2012. PAVARINI, Sofia Cristina Iost et al. A
arte de cuidar do idoso: gerontologia como
profissão? Texto Contexto Enfermagem,
OGATA, Márcia Niituma, MACHADO, v.14, n.3, p. 398-402, jul./set. 2005.
Maria Lúcia Teixeira; CATOIA, Erika
Aparecida. Saúde da família como
estratégia para mudança do modelo de PAZ, Adriana Aparecida; SANTOS,
atenção: representações sociais dos Beatriz Regina Lara dos. Programas de
usuários. Revista Eletrônica de cuidado de enfermagem domiciliar.
Enfermagem, v. 11, n. 4, p. 820-829, Revista Brasileira de Enfermagem,
2009. Disponível em: <http://www.fen.u Brasília (DF), v. 56, p. 538-541, set./out.
fg.br/revista/v11/n4/pdf/v11n4a07.pdf>. 2003.
Acesso em: 02 set. 2011.

PINTO, Karina; MELO, Cristina Maria


OGUISSO, Taka et al. Ano de 2030 - A Meira de. A prática da enfermeira em
aurora da profissão do milênio: auditoria Em saúde. Revista da Escola
enfermagem - uma visão prospectiva de Enfermagem USP, São Paulo, v. 44, n. 3.
estudantes de graduação de enfermagem. p. 671-678. 2010. Disponível em: <http://w
Revista da Escola de Enfermagem da ww.scielo.br/pdf/reeusp/v44n3/17.pdf.
USP, v. 33, n. 4, p. 384-390, dez. 1999. Acesso em: 25 nov. 2011.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pd
f/reeusp/v33n4/v33n4a10.pdf>. Acesso
em: 02 fev. 2012. PRADO, Marta Lenise; REIBNITZ, Kenya
Schmidt. Saúde e globalização: desafios
futuros para o cuidado de enfermagem.
OGUISSO, Taka. A enfermagem no Investigação e Educação em En-
17

fermagem, v. 22, n. 2, p. 112-119, 2004. enfermagem sobre o que é ser enfermeiro.


Disponível em: http://aprendeenlinea.udea Acta Paulista de Enfermagem, São
.edu.co/revistas/index.php/iee/article/view Paulo, v. 18, n. 2, p 125-130, 2005.
File/2964/2677. Acesso em: 23 mar. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf
/ape/v18n2/a02v18n2.pdf>. Acesso em: 16
jun. 2011.
RIBEIRO, Flávia Letícia Trindade;
AMORIM, Wellington Mendonça de. Os
enfermeiros no movimento de reforma ROZENDO, Célia Alves; GOMES,
sanitária brasileira nos anos 80. Revista de Elizabeth Laus Ribas. Liderança na
Pesquisa Cuidado é Fundamental, Rio enfermagem brasileira: aproximando-se de
de Janeiro, a. 8, n. ½, p.15-24, 2004. sua desmitificação. Revista Latino-
Disponível em: <http://www.unirio.br/repe americana de Enfermagem, Ribeirão
f/arquivos/2004/02%202004.pdf>. Acesso preto, v. 6, n. 5, p. 67-76, dez. 1998.
em: 19 maio 2012.

SALES, Orcélia Pereira et al. Atuação de


RIZZOTTO, Maria Lucia Frizon. A enfermeiros em um Centro de Diagnóstico
origem da Enfermagem Profissional no por Imagem. Journal of the Health
Brasil: determinantes históricos e Sciences Institute, São Paulo, v. 28, n. 4,
conjunturais. In: SAVIANI, Dermeval; p.325-328, 2010.
LOMBARDI, José Claudinei;
NASCIMENTO, Maria Isabel Moura.
(Org.). Navegando na história da SILVA, Adriana Marque. Caracterização
educação brasileira - HISTEDBR. 1 ed. do Trabalho de Enfermagem em
Campinas: Graf FE: Histedbr, 2006, v. 1, laboratórios de Análises Clínicas. 2004.
p. 1-19. Disponível em: <http://www.histe 204 f. Dissertação (Mestrado em
dbr.fae.unicamp.br/navegando/artigos_pdf/ Enfermagem) – Escola de Enfermagem
Maria_Lucia_Frizon_Rizzotto_artigo.pdf>. Universidade de São Paulo, São Paulo,
Acesso em: 20 nov. 2011. 2004. Disponível em:< www.teses.usp.br
/teses/disponiveis/7/7131/tde-02062004-
210029/publico/adriana.tde.pdf>. Acesso
ROCHA, Jesanne Barguil Brasileiro; em: 20 nov. 2011.
ZEITOUNE, Regina Célia Gollner. Perfil
dos enfermeiros do programa saúde da
família: uma necessidade para discutir a SILVA, Alcione Leite da. A enfermagem
prática profissional. Revista de na era da globalização: desafios para o
Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. século XXI. Revista Latino-Americana
15, n. 1, p. 46-52, jan./mar. 2007. de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 16, n.
RODRIGUES, Rosa Maria. Enfermagem 4, jul./ago. 2008.
compreendida como vocação e sua relação
com as atitudes dos enfermeiros frente às
condições de trabalho. Revista Latino- SILVA, Maria Anice da; ERDMANN,
americana de Enfermagem, Ribeirão Alacoque Lorenzini; CARDOSO, Renata
Preto SP, v. 9, n. 6, p. 76-82, nov./dez da Silva.O sistema de enfermagem
2001. hospitalar: visualizando o cenário das
políticas gerenciais. Revista Eletrônica de
Enfermagem, v. 10, n.2, p. 448/459, 2008.
ROSA, Raquel Borba; LIMA, Alice Dias Disponível em: <http://www.revistas.ufg
da Silva. Concepções de acadêmicos de .br/index.php/fen/article/view/8046.
18

Acesso em: 25 nov. 2011. Disponível em: www.unifesp.br/denf/acta/


sum.php?volume=12&numero=1&item=p
df/art10.pdf. Acesso em: 16 jun. 2011.
SILVA, Rafael Celestino da; FERREIRA,
Márcia de Assunção. A tecnologia em
saude - uma perspectiva psicossociologica TOLEDO, Melina Mafra; SOARES,
aplicada ao cuidado de enfermagem. Teresa Cristina. A percepção dos
Revista de Enfermagem Escola Anna enfermeiros sobre a prática: a ótica do
Nery. Rio de Janeiro, v. 13, n.1, jan./mar. profissional no contexto hospitalar.
2009. Disponível em: Revista Nursing, São Paulo, v.11, n. 120,
http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n1/ p. 214-218, maio 2008.
v13n1a23.pdf. Acesso em: 19 maio 2012.

TREVIZAN, Maria Auxiliadora et al. A


SILVA, Rafael Celestino da; FERREIRA, respeito da colaboração do enfermeiro de
Márcia de Assunção. A tecnologia em serviço às atividades de ensino e de
saúde - uma perspectiva psicossociologica pesquisa. Enfermagem Atual, Ribeirão
aplicada ao cuidado de enfermagem. Preto, n. 23, p. 10-16, 1982.
Revista de Enfermagem Escola Anna
Nery. Rio de Janeiro, v. 13, n.1, jan./mar.
2009. Disponível em: http://www. VIETTA, Edna Paciência et al.
Scielo.br/pdf/ean/v13n1/ v13n1a23.pdf. Depoimentos de enfermeiras hospitalares
Acesso em: 19 maio 2012. da década de 60: subsídios para a
compreensão da enfermagem atual.
SILVA, Sergio Lima da. Interações do Revista Latino-americana de
enfermeiro do trabalho com a saúde do Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 4, n. 2, p.
trabalhador em âmbito de prática e 23-39, jul. 1996.
assistência de enfermagem. 2005. 130 f.
Tese (Doutorado) – Escola de Enfermagem
Anna Nery da Universidade Federal do Rio VIETTA, Edna Paciência; UEHARA,
de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005. Marlene; NETTO, Kelly Aparecida Silva.
Disponível em: < http://teses.ufrj.br/EEAN Evolução da enfermagem do contexto do
_d/SergioLimaDaSilva.pdf>. Acesso em: hospital-escola: depoimentos de
05 fev. 2012. enfermeiros representantes da década de
70. Revista Latino-americana de
Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 4, n. 3, p.
SOUSA, Francisco Emmanuel Miranda de 135-154, dez. 1996.
et al. Percepção de estudantes de
enfermagem acerca da profissão. Revista
da Rede de Enfermagem do Nordeste, WRIGHT, James Terence Coulter; SILVA,
Fortaleza, v. 11, n. 4, p. 110-117, Antonio Thiago Benedete; SPERS, Renata
out./dez.2010. Disponível em:< www.rev Giovinazzo. O mercado de trabalho no
istarene.ufc.br/vol11n4_pdf/a12v11n4.pdf futuro: uma discussão sobre profissões
>. Acesso em: 13 maio 2012. inovadoras, empreendedorismo e
tendências para 2020. Revista de
Administração e Inovação, São Paulo, v.
THOMAZ, Rosiney Romero et al. 7, n. 3, p. 174-197, jul./set. 2010.
Enfermeiro de bordo: uma profissão no ar. Disponível em: <http://www.revistarai.org
Acta Paulista de Enfermagem, São /ojs-2.2.4/index.php/rai/article/download/5
Paulo, v. 12, n. 1, p. 86-96, jan./abr. 1999. 05/341>. Acesso em: 23 jan. 2012.

Você também pode gostar