Você está na página 1de 2

Produtores de queijo artesanal serrano agora podem aderir

ao Selo Arte e comercializar o produto no Brasil inteiro.

Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento


Rural (SEAPDR) publicou Instrução Normativa nº 03/2021 que
viabiliza os produtores do queijo artesanal serrano a aderir ao selo
arte nos seus produtos. A assinatura da IN foi feita pela secretária
Silvana Covatti e é uma conquista para os produtores.

"O Selo Arte reconhece a qualidade do nosso queijo serrano e


possibilita ao produtor acessar novos mercados em todo o país.
Na prática, abrimos as portas do Brasil e logo todos vão saber do
sabor e da qualidade do queijo gaúcho”.
Queijo Artesanal Serrano
O Selo Arte garante que o produto é de fabricação
artesanal e que emprega mão de obra familiar. O Selo Arte
garante que o produto é de fabricação artesanal e que emprega
mão de obra familiar e características

O Selo arte, definido pelo governo federal através da


portaria nº 9918/19, do Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento (Mapa), garante que o produto é artesanal, que
emprega mão de obra familiar e que leva em conta o saber fazer, a
tradição e a geografia local.

O decreto do Mapa autoriza os estados onde existem leis


específicas para produtos artesanais tradicionais regionais que
este selo seja concedido automaticamente. E foi o caso do queijo
artesanal serrano, que já tem lei estadual nº 14.973/16, decreto
que o regulamenta, nº 54.199/18 e IN 07/14 específica.

O queijo artesanal serrano é um queijo de coloração


amarelada, elaborado a partir de leite cru, com sabor e aroma
Selo Arte acentuados.

Ele foi o primeiro queijo do Brasil a receber, em março de


2020, uma Indicação Geográfica (IG) na modalidade Denominação
de Origem (DO). 16 municípios do Rio Grande do Sul.
O queijo artesanal serrano é o primeiro queijo
brasileiro a obter uma Indicação Geográfica (IG) na
modalidade Denominação de Origem (DO), o que representa
uma conquista importante para a região produtora, que
engloba 16 municípios do Rio Grande do Sul. O Instituto
Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) publicou a
concessão da IG “Campos de Cima da Serra” na modalidade
Denominação de Origem.
Queijo serrano
O novo selo engloba 16 municípios do Rio Grande do Sul.
> Produção restrita a 16 municípios dos
Campos de Cima da Serra e 18 de Santa
A Indicação geográfica (IG) representa reconhecimento Catarina.
das especificidades da região e a valorização e proteção do > Feito a partir do leite cru de raças de
produto. Ela foi concedida em nome da Federação das corte ou mistas, das quais se produz tanto
Associações de Produtores de Queijo Artesanal Serrano dos carne quanto leite.
Campos de Cima da Serra do RS e SC (Faproqas), entidade na
> Gado se alimenta apenas com pastagem
qual os agricultores estão organizados, e que passa a utilizar
do campo.
um selo escolhido pelos produtores e aprovado pelos órgãos
de controle. > Tempo de maturação é de 60 dias.

Municípios abrangidos pela Indicação Geográfica (IG)


RS: André da Rocha, Bom Jesus, Cambará do Sul, Campestre da Serra, Capão Bonito do Sul, Caxias do Sul,
Esmeralda, Ipê, Jaquirana, Lagoa Vermelha, Monte Alegre dos Campos, Muitos Capões, Pinhal da Serra, São
Francisco de Paula, São José dos Ausentes, Vacaria.

Frederico Modri Neto


Méd. Veterinário
CRMV/RS 10.060

Você também pode gostar