Você está na página 1de 37

A música na narração de histórias

Por Rosy Greca


A música na narração de histórias

Contatos

Fones: (41) 99919 9944 / (41) 3039 3696

www.rosygreca.com

rosygrecacarneiro@gmail.com

Fanpage: www.facebook.com/rosygrecaproducoesartisticas

Perfil: www.facebook.com/rosygreca
A música na narração de histórias

Como a música foi inserida na narração da


história Ari Areia?

 Canção – autoral e tradicional


 Efeitos sonoros com instrumentos de percussão
 Voz e violão
A música na narração de histórias

Meios para a expressão musical na narração de histórias:

A voz cantada:

 a voz instrumental

 a canção - o canto verbalizado

 Efeitos vocais (inclui-se as honomatopéias)


A música na narração de histórias

Instrumentos musicais, objetos sonoros, sons do corpo.

Instrumentos de corda

Instrumentos de sopro

Instrumentos de percussão (rítmicos e de efeitos)

O corpo como instrumento


A música na narração de histórias

 Instrumentos para soprar


 Instrumentos para pontear ou dedilhar
 Instrumentos para raspar e friccionar
 Instrumentos para golpear e bater
 Instrumentos ampliação e modificação da voz
 baquetas
A música na narração de histórias

O que é música?
 “Arte e ciência de combinar os sons de modo agradável ao ouvido”
(abordagem subjetiva); “Qualquer conjunto de sons” (caráter
depreciativo da definição). (Novo Dicionário Aurélio da Língua
Portuguesa);

 “Arte de combinar sons e combinar com eles melodias e harmonias”


(Nelson Pannain);

 Música é a “linguagem do coração humano”; “o conceito de música


varia de cultura para cultura”; Linguagem universal mas com muitos
dialetos (Wagner);
A música na narração de histórias

 “Música é sons a nossa volta, quer estejamos dentro


ou fora da sala de concerto” (John Cage);
A escuta torna música aquilo que, por princípio, não
é música. Em sua concepção, a construção musical
se dá no nível interno, pela ação de uma escuta
intencional, transformadora, geradora de sentidos e
significados; o ouvinte é ouvinte compositor (Teca
Alencar de Brito).
A música na narração de histórias

 “Música é a linguagem do coração humano”;


“O conceito de música varia de cultura para
cultura. É uma linguagem universal mas com
muitos dialetos” (Wagner);
A música na narração de histórias

 “A música é uma linguagem, posto que é um


sistema de signos” (Hans-Joachim Koellreuter);

 “Música é linguagem que organiza,


intencionalmente, os signos sonoros e o
silêncio, no continuum espaço- tempo”
(Teca Alencar de Brito);
A música na narração de histórias

Origens da música:

 Pitágoras falava sobre a música das esferas;


 Darwin, partindo do ponto de visto biológico, considerava que a
música derivava do grito dos animais;
 André Shaeffer vincula o surgimento da música ao interesse do
homem primitivo pelos movimentos e pelos gestos por eles
produzidos e pelos sons oriundos da natureza. Essa
abordagem recupera a relação música-corpo. Seria a música a
arte do gesto? Tambem pensa que é como arte e
conhecimento sociocultural que a música deve ser entendida.
A música na narração de histórias

 “Existem muitas teorias sobre a origem e a presença


da música na cultura humana. A linguagem musical
tem sido interpretada, entendida e definida de várias
maneiras, em cada época e cultura, em sintonia com
o modo de pensar, com os valores e as concepções
estéticas vigentes” (Teca Alencar de Brito –Música
na Educação Infantil).
A música na narração de histórias

As propriedades do som:
 Altura
 Duração
 Timbre
 Intensidade
A música na narração de histórias

Os elementos da música:

Ritmo
Melodia
Harmonia
A música na narração de histórias

SOM ELEMENTOS DA MÚSICA

Altura Melodia/Harmonia
Duração Ritmo
Timbre
Intensidade
A música na narração de histórias

2ª aula
Afinação do grupo:
- mensagem aperto de mão
- mensagem palmas
- percepção espacial – formas geométricas
- vamos brincar (nomes)
- pega pega com os nomes
A música na narração de histórias

Até passarinho passa


Fragmento

O certo é que de repente as flores se


despediam sem guerras e os frutos
brotavam, devagarinho, em seus lugares.
Cresciam sem pressa e amadureciam em
seu ritmo.
As borboletas, carregadas de arco-
íris, pintavam assustadas o ar com
sete cores, carregando em seus
voos o exagero do poente.
Abelhas, procurando doçuras,
visitavam o miolo das flores,
negociando a música de suas asas
pelo mel.
Bartolomeu de Campos Queirós
A música na narração de histórias
Brincadeiras:
Degodim-degodam
Pinga chuva
PçççççççmPPPPPPPPP
A música na narração de histórias

O Ouvido musical:

Sentido rítmico
Sentido melódico
Sentido harmônico
A música na narração de histórias

Vamos brincar

Vamos brincar
Vamos brincar
Vamos ao jardim, sim
Vamos brincar.
Levo a Mara
Que eu levo o .......
Levo a .......
Que eu levo o......
A música na narração de histórias

Sentido melódico e harmônico:

 Improvisação bossa-nova (repetição em


grupo / repetição individual / diálogo
individual / diálogo em grupo)

 Canção: Minha Canção


A música na narração de histórias

O sujeito musical

 (O sujeito musical (o corpo e a voz).


 Improvisação melódica / Minha canção
 Improvisação rítmica / Arre Burrinho
Improvisação

Da exploração ao sentido musical


A música na narração de histórias

Meios para a expressão sonora e musical na narração


de histórias:

Canção: o que é?
 A cultura popular infantil. (canções, parlendas,
brincos, trava-línguas, etc...)
 As canções ilustrativas (autorais e tradicionais) -
 Canções narrativas (autorais e tradicionais).
A música na narração de histórias

 Apresentação e execução de instrumentos musicais


de percussão (de efeitos, rítmicos, rítmicos e
melódicos).
A música na narração de histórias

MINHA CANÇÃO
Chico Buarque/ Sergio Bardotti

DORME A CIDADE
RESTA UM CORAÇÃO
MISTERIOSO
FAZ-SE UMA ILUSÃO
SOLETRA UM VERSO
LAVRA A MELODIA
SINGELAMENTE
DOLOROSAMENTE

DOCE A MÚSICA
SILENCIOSA
LARGA MEU PEITO
SOLTA-SE NO ESPAÇO
FAZ-SE CERTEZA
MINHA CANÇÃO
RESTIA DE LUZ ONDE
DORME O MEU IRMÃO
A música na narração de histórias

Duas cirandas (Pernambuco)


Mandei fazer uma casa de farinha
Bem maneirinha que o vento possa levar.
Oi passa sol, oi passa chuva, oi passa vento
Só não passe o movimento
Do cirandeiro a rodar.

Achei bom bonito


Meu amor brincar
Ciranda menina
Vem cá cirandeira
Vem cá balançar.
A música na narração de histórias

Sentido rítmico

 Improvisação rítmica em círculo


 Pulsação interior – Arre Burrinho
A música na narração de histórias

ARRE BURRINHO
(Folclore português)

ARRE BURRINHO QUE VAI PRA LOULÉ


CARREGADINHO DE CAFÉ

ARRE BURRINHO QUE VAI PRA ESTREMOZ


CARREGADINHO DE ARROZ

ARRE BURRINHO QUE VAI PRA INDANHA


CARREGADINHO DE CASTANHA

ARRE BURRINHO QUE VAI PRA MELGAÇO


CARREGADINHO DE BAGAÇO

ARRE BURRINHO QUE VAI PARA A GUARDA


CARREGADINHO DE MOSTARDA

ARRE BURRINHO QUE VAI PRA MACAL


CARREGADINHO DE CACAL

ARRE BURRINHO QUE VAI PRA ALPORTEL


CARREGADINHO DE PAPEL
BRINQUEDOS CANTADOS

FLOR MINHA FLOR

Flor minha flor


(Flor vem cá)
Flor minha flor
(La ra la ra la ra)
O anel que tu me deste
(Flor vem cá)
Era vidro e se quebrou
(Flor vem cá)
O amor que tu me tinhas
(Flor vem cá)
Era pouco e se acabou
(La ra la ra la ra)
BRINQUEDOS CANTADOS

PINGA CHUVA
Música: Par Ahlbon
Letra: Marcelo S. Petraglia

PINGA CHUVA, PINGA CHUVA


HOJE BRILHA O SOL
PINGA CHUVA PINHA CHUVA
HOJE BRILHA O SOL
NUVENS DANÇAM, NUVENS DANÇAM
VENTO VOA, VENTO VOA
HOJE BRILHA O SOL
A música na narração de histórias

DEGOGIN DEGODAN
Transmitido por Mariana Mallol / Procedência: Argentina
- Degodi Degodan
De La Veja veja Dan
Del Palácio a La cosina
Quantos dedos hay encima?
_ Três
_ se hubiera dicho dos no te haria tanto mal.
- Degodi Degodan
De La Veja veja Dan
Del Palácio a La cosina
Quantos dedos hay encima?
A música na narração de histórias

O COFRE

Um dia eu fui a praia


Tomar banho de mar
E vi por entre as ondas
Um cofre a flutuar
Peguei depressa o cofre...
Meu Deus que será isso
Lá dentro havia um (a)....
Que eu nunca tinha visto.
A música na narração de histórias

BRINQUEDOS CANTADOS E RÍTMICOS


(A criança e a música – Editora Fermata)

VEJA COMO O GRANDE ÍNDIO


BATE O SEU TAMBOR (semibreve)

VEJA COMO O PAJÉ


BATE O SEU TAMBOR (semínima)

VEJA COMO O CACIQUE


BATE O SEU TAMBOR (mínima)

VEJA COMO O INDIOZINHO


BATE O SEU TAMBOR (colcheia)

Você também pode gostar