Você está na página 1de 132

0

SISTEMA GERENCIAL DE MANUTENÇÃO

1
SUMÁRIO

Sobre este Manual​ ​---------------------------------------------------------------------------------------- 06


Introdução​ ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 06

Capítulo ​1 - Cadastros Básicos​ ​------------------------------------------------------------------------ 09


1​1.1 - Mão de Obra-------------------------------------------------------------------------------------- 09
1.1.1 - Cadastro de Área Executante​ --------------------------------------------------------------- 10
1.1.2 - Cadastro de Origens​ --------------------------------------------------------------------- 11
1.1.3 - Cadastro de Funções​ ------------------------------------------------------------------- 11
1.1.4 - Cadastro de Ferramentas​ -------------------------------------------------------------- 12
1.1.5 - Cadastro de Equipe​ ---------------------------------------------------------------------- 13
1.1.6 - Cadastro de Funcionários​ --------------------------------------------------------------- 13
1.1.7 - Estrutura Funcional​ ----------------------------------------------------------------------- 18

1.2 - Disponibilidade​ ------------------------------------------------------------------------------------ 19


1.2.1 - Escala de Trabalho Fixa​ ----------------------------------------------------------------- 19
1.2.2 - Plantão Anual​ ------------------------------------------------------------------------------ 20
1.2.3 - Plantão por Escala​ ----------------------------------------------------------------------- 20
1.2.4 - Ausências​ ---------------------------------------------------------------------------------- 21
1.2.5 - Datas​ ---------------------------------------------------------------------------------------- 22
1.2.6 - Consulta de Disponibilidade​ ------------------------------------------------------------ 22

1.3 - Macroestrutura​ ------------------------------------------------------------------------------------ 23


1.3.1 - Cadastro de Departamento​ ------------------------------------------------------------- 23
1.3.2 - Cadastro de Setor​ ------------------------------------------------------------------------ 24
1.3.3 - Cadastro de Processo​ ------------------------------------------------------------------- 25
1.3.4 - Cadastro de Célula​ ----------------------------------------------------------------------- 26

1.4 - Cadastro de Ativos​ ------------------------------------------------------------------------------- 27


1.4.1 - Carga Máquina​ ----------------------------------------------------------------------------- 27
1.4.2 - Família​---------------------------------------------------------------------------------------- 28
1.4.3 - Cadastro de Ficha Técnica​-------------------------------------------------------------- 29
1.4.4 - Cadastro de Máquina​ --------------------------------------------------------------------- 31
1.4.5 - Cadastro de TAGs​ ------------------------------------------------------------------------ 33
1.4.6 - Cadastro de Equipamento​ -------------------------------------------------------------- 34

Capítulo ​2 - Priorização e Análise​ ​-------------------------------------------------------------------- 36


2.1 - Planejamento de Manutenção​ ----------------------------------------------------------------- 36
2.1.1 - Sintoma​ ------------------------------------------------------------------------------------- 36

2
2.1.2 - Defeito​ --------------------------------------------------------------------------------------- 37
2.1.3 - Causa​ --------------------------------------------------------------------------------------- 38
2.1.4 - Solução​ ------------------------------------------------------------------------------------- 38
2.1.5 - Intervenção​ --------------------------------------------------------------------------------- 38
2.1.6 - Metas Anuais​ ------------------------------------------------------------------------------- 40
2.1.7 - Algoritmo de Criticidade​ ----------------------------------------------------------------- 41
2.1.8 - ​ Fórmula do Cálculo de Peso da OS​ ------------------------------------------------- 42
2.1.9 - Fluxo da Estrutura e Cálculo de Prioridade de Ordem de Serviço.​ ------------ 44
2.1.10 - Estrutura de Ativos​ ---------------------------------------------------------------------- 45

2.2 - Cadastros Básicos de OS​ --------------------------------------------------------------------- 45


2.2.1 - Tipos de OS​ -------------------------------------------------------------------------------- 46
2.2.2 - Prioridade​ ----------------------------------------------------------------------------------- 46
2.2.3 - Pendências​ --------------------------------------------------------------------------------- 47
2.2.4 - Serviços​ ------------------------------------------------------------------------------------- 48
2.2.5 - Serviço Padrão​ ---------------------------------------------------------------------------- 48
2.2.6 - GUT​ ------------------------------------------------------------------------------------------ 48

Capítulo ​3 - Planejamento​ ​------------------------------------------------------------------------------- 50


3.1 - Planejamento para Manutenção Corretiva​ -------------------------------------------------- 50
3.1.1 - Serviço Padrão X Sintoma​ -------------------------------------------------------------- 50
3.1.2 - Itens de Avaliação da OS​ ---------------------------------------------------------------- 54
3.2 - Planejamento de Manutenção Preventiva​ --------------------------------------------------- 55
3.2.1 - Criação de Preventivas por Família​ ----------------------------------------------------56

Capítulo ​4 - DO​ ​--------------------------------------------------------------------------------------------- 61


4.1 - Solicitações de Serviço​ ------------------------------------------------------------------------- 62
4.1.1 - Aplicativo Externo de SS​ ---------------------------------------------------------------- 62
4.1.2 - SIGMA Android​ ----------------------------------------------------------------------------- 64
4.1.3 - SIGMAWEB​ --------------------------------------------------------------------------------- 66
4.2 - Aprovação / Reprovação de SS​ --------------------------------------------------------------- 67
4.2.1 - Programação Diária​ ---------------------------------------------------------------------- 68
4.3 - Gestão de OS Corretiva​ ------------------------------------------------------------------------ 69
4.3.1 - Cadastro de OS​ --------------------------------------------------------------------------- 70
4.3.2 - Planejamento de OS​ --------------------------------------------------------------------- 71
4.3.3 - Detalhamento da OS​ --------------------------------------------------------------------- 72
4.3.4 - Lançamento de Horas Trabalhadas​ -------------------------------------------------- 72
4.3.5 - Lançamento Direto - Real Time​ -------------------------------------------------------- 72
4.3.6 - SIGMA Android - Real Time​ ------------------------------------------------------------ 74
4.3.7 - Lançamento de Horas - SoftOS​ ------------------------------------------------------- 74
4.3.8 - Lançamento de Horas - SIGMA Desktop​ ---------------------------------------------75
4.3.9 - Conclusão de OS​ ------------------------------------------------------------------------- 76
4.4 - Gestão de OSs Programadas​ ----------------------------------------------------------------- 77

3
4.4.1 - Preventiva​ ----------------------------------------------------------------------------------- 78
4.4.2 - Geração de OSs Programadas​ -------------------------------------------------------- 82
4.4.3 - Alerta de Programação​ ------------------------------------------------------------------ 82
4.4.4 - Gestão, Conclusão e Reprogramação de OSs Preventivas​ -------------------- 84
4.5 - Gestão de Manutenção Preditiva​ ------------------------------------------------------------- 85
4.5.1 - Cadastro e Programação de Preditiva​ ----------------------------------------------- 85
4.5.2 - Conclusão da Preditiva e Gráfico de Análise​ --------------------------------------- 87
4.6 - Gestão de Lubrificação​ ------------------------------------------------------------------------- 88
4.6.1 - Cadastros básicos da Lubrificação​ --------------------------------------------------- 89
4.6.2 - Geração e Conclusão de OS de Lubrificação​ -------------------------------------- 90
4.7 - Gestão de Checklist​ ----------------------------------------------------------------------------- 92
4.7.1 - Cadastro de Legendas e Itens​ --------------------------------------------------------- 92
4.7.2 - Cadastro e Programação de Checklist​ ---------------------------------------------- 93
4.7.3 - Geração e Conclusão de Checklist​ --------------------------------------------------- 95
4.7.4 - Checklist Mobile​ --------------------------------------------------------------------------- 97
4.8 - Movimentação de Materiais.​ ------------------------------------------------------------------- 98
4.8.1 - Requisição de Material​ --------------------------------------------------------------------98
4.8.2 - Aprovação de RMs​ ------------------------------------------------------------------------ 99
4.8.3 - Reprovação de RMs​ ---------------------------------------------------------------------- 99
4.8.4 - Aprovação de RMs Reprovadas​ ------------------------------------------------------- 99
4.8.5 - Aprovação de Pedidos de Compra​ -------------------------------------------------- 100
4.8.6 - Emissão de OC (Ordem de compra)​ ----------------------------------------------- 101
4.8.7 - Entrada de Peças em Estoque​ ------------------------------------------------------- 101

Capítulo ​5 - CHECK​ ​-------------------------------------------------------------------------------------- 103


5.1 - Custos​ -------------------------------------------------------------------------------------------- 103
5.1.1 - Parâmetros de Custos​ ----------------------------------------------------------------- 103
5.1.2 - Valorização de Funcionário​ ------------------------------------------------------------ 104
5.2 - Relatórios e Gráficos​ -------------------------------------------------------------------------- 106
5.2.1 - Check da Mantenabilidade e Relatórios​ ---------------------------------------------106
5.2.2 - Gráficos e KPIs​ -------------------------------------------------------------------------- 107

Capítulo ​6 - ACTION / ADJUST​ ​----------------------------------------------------------------------- 109


6.1 - Nivelamento de Acessos​ ---------------------------------------------------------------------- 109
6.2 - Criação de Usuários e Senhas de Acesso​ ------------------------------------------------ 111
6.3 - Parâmetros do Sistema​ ----------------------------------------------------------------------- 112
6.3.1 - Tipos de Impressão​ -------------------------------------------------------------------- 112
6.3.2 - Envio de E-mails Automáticos​ -------------------------------------------------------- 113
6.3.3 - Codificação da OS​ ---------------------------------------------------------------------- 113
6.3.4 - Filtro de Abertura de SS​ ---------------------------------------------------------------- 114
6.4 - Ajuste de Tabela​ --------------------------------------------------------------------------------- 115
6.4.1 - Atualização em Grupo​ ------------------------------------------------------------------ 115
6.4.2 - SIGMA SQL​ ------------------------------------------------------------------------------- 116

4
6.4.3 - Configuração de Pesquisa Personalizada​ ----------------------------------------- 117

Capítulo ​7 - Estoque​ ​------------------------------------------------------------------------------------- 118


7.1 - Técnicas para o Controle de Estoque​ ------------------------------------------------------ 118
7.2 - Cadastro de Peças​ ----------------------------------------------------------------------------- 119
7.3 - Movimentação e Histórico de Movimentação de Peças​ -------------------------------- 120
7.3.1 - Histórico de Movimentação​ ------------------------------------------------------------ 120
7.3.2 - Movimentação de Peças​ --------------------------------------------------------------- 121

Capítulo ​8 - Manutenção Monitorada​ ​-------------------------------------------------------------- 122


8.1 - Monitor PC​ --------------------------------------------------------------------------------------- 122
8.2 - CLP Virtual​ --------------------------------------------------------------------------------------- 123
8.3 - Exemplos de Aplicações​ ---------------------------------------------------------------------- 124
8.3.1 - Monitoramento de Máquinas de um Processo

5
SOBRE ESTE MANUAL

Este manual faz parte do material de apoio para cursos de formação de usuários e
operadores do SIGMA (Sistema Gerencial de Manutenção) onde este é implantado. Aqui são
apresentados de forma ilustrada, os principais recursos e as principais funções deste sistema.

Na busca pela garantia de que todo o conteúdo seja passado da melhor forma, este
manual será interativo tanto para os leitores que o acompanham por nossa biblioteca virtual
quanto para os que adquirem a versão impressa do mesmo. Ao longo do manual serão
utilizados “Links” e “QR codes” que levarão o usuário á Vídeos e a Manuais “Passo a Passo”
que tratam especificamente de uma função ou a funções complementares o conteúdo.
Aumentando ainda mais o aprendizado dos usuários SIGMA.

Os direitos autorais, assim como a permissão para reprodução, distribuição inteira


exclusividade da SGM Manutenção Industrial Ltda. - Rede industrial.

INTRODUÇÃO

Na atual conjuntura da economia global, a eficiência e a qualidade são uma das


principais metas das empresas de qualquer porte ou setor. Nesse contexto, o planejamento e
controle da manutenção (PCM) surge como um dos principais meios para consecução destas
metas, pois pode proporcionar a otimização no uso dos recursos disponíveis, além de auxiliar
na gestão empresarial de forma mais ampla.

O SIGMA é o software de gerencial de planejamento e controle de manutenção mais


usado no Brasil. Isto porque este sistema possibilita ao usuário estruturar toda a parte funcional
e industrial da empresa em um simples e prático cadastro, permitindo por exemplo, a emissão
de solicitações de serviço, ordens de serviço, apontamento de horas trabalhadas, conclusão de
ordens de serviço e tempo de máquina parada, além de realizar o planejamento e programação
de manutenções preventivas, preditivas, lubrificações, checklist`s e calibrações. Pode também
gerar relatórios e gráficos gerenciais, com os principais indicadores de classe mundial da
manutenção, tais como: Backlog, Eficiência, Produtividade, Confiabilidade, TXFO, Curva da
Banheira, MTTR, MTBF, além de outros 30 indicadores e índices de manutenção, sendo que
todos eles podem ser emitidos com referência á uma máquina, TAG ou um Equipamento.

O controle de custos gerados na manutenção é também outra importante ferramenta


proporcionada pelo SIGMA, que pode realizar um completo controle de Estoque, com

6
requisições de materiais, emissão de Ordens de compra, controle da rotatividade de estoque,
além de calcular um outro importante indicador, a Curva ABC.

Por tudo isso estamos diante de um sistema cuja utilização traz indubitavelmente um
importante acréscimo na gestão empresarial, principalmente quando as metas da mesma são a
eficiência e a qualidade.

O Ciclo PDCA é um método interativo de gestão de quatro passos que permite de forma
otimizada e contínua, a análise e controle sobre os mais diversos processos existentes em uma
empresa. Este método é amplamente aplicado para trazer mais celeridade e aperfeiçoamento
gradativo de cada etapa, identificando causas de problemas e implementando soluções para os
mesmos, aumentando a confiabilidade e a eficiência das atividades de uma organização.

O PDCA tem seu início pela etapa planejamento (PLAN), que tem um objetivo
estratégico no ciclo, levantando e analisando informações. Em seguida ocorre a execução
(DO), onde tudo aquilo que foi previamente planejado é executado. Adiante temos o processo
de checagem (CHECK), que verifica tudo o que foi feito, comparando o que foi planejado com o
executado, indicando falhas que possam ter ocorrido durante o processo, bem como a
obtenção de índices e indicadores de manutenção. Por fim, toda essa análise implica na
necessidade de ajuste (ADJUST), na estruturação do sistema, em suas configurações que
possibilitarão maior eficiência no processo de planejamento e execução dos serviços e na
correção de problemas e divergências encontradas. Para que possa se dar um novo ciclo, com
um planejamento mais adequado.

A integração do método PDCA ao SIGMA possibilitara que seus usuários efetuem com
maior eficiência a gestão dos serviços de manutenção, visto que cada etapa será delineada de
maneira objetiva, com o foco na melhoria dos processos de manutenção.

A implantação do SIGMA PDCA será iniciada pela realização do planejamento de


manutenção, definição de metas e realização dos cadastros básicos para a operação do
sistema. Para melhor entendimento deste fluxo de cadastramento o sistema foi dividido, dentro
de cada base do PDCA, e em colunas que agregam em si inúmeras funções.
Neste manual abordaremos todas as bases do PDCA, e as principais funções existentes nestas
etapas, o fluxo de cadastramento e gestão de dados e como proceder para iniciar a gestão do
SIGMA PDCA.

O pilar PLAN foi dividido em três áreas, sendo elas Cadastros Básicos, Priorização e
análise e Planejamento. Nestas áreas encontraremos funções como:

● Cadastros iniciais;
● Padrões e estimativas;
● Gestão de backlog;
● Planejamento de serviços;

7
● Análise de desempenho histórico;
● Dimensionamento de mão de obra;
● Planejamento de recursos;
● Origem de serviços;
● Priorização de ativos.

O pilar ​DO foi dividido em Planejamento de execução / Aprovação de SS`s, Execução


do Serviço e Lançamento e conclusão. Nestas áreas o usuário encontrará recursos como:

● Aprovação de SS;
● Detalhamento de serviços;
● Criação de OS`s não programadas;
● Recursos de acompanhamento de serviços;
● Aplicativos externos para lançamento de serviços;
● Conclusão de serviços e histórico de manutenção.

O pilar ​CHECK possibilitara a verificação dos serviços executados, onde teremos


funções como:

● Extração de Relatórios e Gráficos gerenciais;


● Extração de Indicadores de desempenho da manutenção (KPI`s);
● Custos de Manutenção;
● OEE;
● Monitoramento online dos ativos.

O pilar ​ACTION​ permitirá efetuar configurações como:

● Cadastro de Usuários e Senhas;


● Nivelamento de acessos;
● Pesquisas personalizadas;
● Edição de códigos de ativos;
● Geração de Backups automáticos e restauração de bancos.

8
CAPÍTULO

1

CADASTROS BÁSICOS

Nesta etapa de cadastramento serão realizados cadastros que permitirão ao usuário


iniciar a implantação do sistema, veremos como a realização destes cadastros devem ser
efetuadas, bem como, a aplicação de técnicas para correto cadastramento e gestão dos dados
imputados.

1.1 - Mão de Obra  

A primeira coluna do PLAN onde o usuário terá acesso aos cadastros iniciais para a
implantação do sistema. Todos estes cadastros são de vital importância pois serão utilizados
posteriormente como base para os demais pilares e funções do sistema. O primeiro passo será
o cadastramento de funcionários de manutenção que envolverá várias funções do sistema nas
colunas Mão de obra e Disponibilidade.

Imagem 002 - Fluxo de cadastro de funcionário

Conforme o exemplo da imagem acima, o correto cadastramento de mão de obra


deverá ter estes campos preenchidos para um melhor aproveitamento de todas as funções que
o sistema oferece.

9
1.1.1 - Cadastro de Área Executante 

O primeiro passo será o cadastramento de Área executante, sendo esta todas as áreas
que executam algum tipo de manutenção dentro da empresa:(Mecânica, Elétrica, Civil, etc).

Para proceder com o cadastro de uma nova Área executante siga os passos:

1. Nas bases do PDCA acesse o PLAN;


2. Nos pilares do PLAN acesse a Coluna Mão de Obra;
3. Na área de funções acesse o Botão Área Executante;
4. Insira um código para a área executante (MMEC, MELE, MHID, etc) e clique “ENTER”;
5. O campo DESCRIÇÃO abaixo será habilitado para a inclusão da descrição do código
utilizado;
6. Após efetuar a descrição clique em SALVAR para que o novo registro seja gravado no
banco de dados.

Imagem 003 - Cadastro de Área Executante

Este é um cadastro muito importante, pois permitirá que os serviços de manutenção sejam
direcionados a uma área e também permitirá que os gestores de manutenção acompanhem
índices como Backlog, produtividade e acompanhamento de serviços por área.

10
1.1.2 - Cadastro de Origens 

O próximo passo é o cadastro de Origens, que são as proveniências dos funcionários


da manutenção. Podendo ser divididos entre (Efetivos, Estagiários, Terceirizados, etc).
Para cadastrar uma nova Origem:

1. Informe o código da mesma (EFET, TERC, ESTAG, etc) e em seguida clique ENTER
para que o campo descrição seja habilitado;
2. Após, descreva o código informado acima e clique em SALVAR para registrar o
cadastro.

Imagem 004 - Relação de Origens

1.1.3 - Cadastro de Funções 

A Função consiste no cadastro de todos os possíveis cargos e especialidades dos


funcionários de manutenção. Para o cadastro de uma nova função o usuário deverá informar o
código da função que deseja cadastrar, clicar ENTER e em seguida efetuar a descrever a
função.
Ainda no cadastro da função o usuário deverá vincular a esta função a uma área
executante e a uma origem, desta forma será possível efetuar distinção entre as especialidades
dentro de cada área executante.

11
Imagem 005 - Cadastro de Função

Ainda na tela de cadastro de Função o usuário encontrará o campo “CUSTO MÉDIO


HORA”, este campo poderá ser preenchido manualmente, informando o valor médio da hora
trabalhada da função que se está cadastrando ou poderá ser preenchido automaticamente pelo
sistema no momento em que a valorização de horas trabalhadas dos funcionários que exercem
a função em questão for realizada.

1.1.4 - Cadastro de Ferramentas 

No SIGMA é possível cadastrar ferramentas utilizadas pelos mantenedores e também


para a execução de manutenção específicas. Estas ferramentas também podem ser vinculadas
aos funcionários, gerando um termo de responsabilidade que pode ser impresso e assinado
pelo funcionário no momento em que as mesmas lhe forem entregues.

Para cadastrar uma ferramenta no SIGMA:

1. Informe um código para a nova ferramenta e em seguida clique ENTER;


2. Descreva a ferramenta;
3. Informe a quantidade de ferramentas existentes;
4. Informe o custo unitário da ferramenta.

12
Em seguida será possível vincular a ferramenta a uma área executante e a uma setor caso seja
necessário.

Imagem 006 - Cadastro de Ferramentas

1.1.5 - Cadastro de Equipe 

O cadastro de Equipe consiste na criação de um grupo de Funcionários com diversas


capacitações técnicas que serão acionados para a execução de um determinado tipo de
manutenção ou até mesmo para uma máquina específica.

Imagem 007 - Cadastro de Equipes

13
1.1.6 - Cadastro de Funcionários 

O cadastro de funcionários é de extrema importância na gestão de manutenção pois


através dele será possível efetuar o lançamento de horas trabalhadas em OS`s, extrair
indicadores de desempenho de Mão de Obra, Custos envolvidos na execução de OS`s, dentre
outros.

O cadastro deverá conter:

● Código do funcionário ou número de matrícula;


● Nome completo do funcionário;
● Data de admissão;
● Função, Área executante e Origem;
● Endereço, Telefone e e-mail;
● Tipo de Funcionário.

Desta forma ao se efetuar este cadastro o planejador deverá deter o maior número de
informações para que o cadastro seja efetuado de maneira adequada.

Imagem 008 - Cadastro de Funcionário

Neste cadastro um ponto muito importante é o Tipo de funcionário onde teremos três
tipos, sendo:

14
Administrativo: Gerentes, Planejadores de manutenção e auxiliares administrativos da
manutenção.

Mantenedor:​ Funcionários que tem por função a execução de manutenção.

Operador: Operadores de máquina. Estes podem ser cadastrados devido ao fato de terem
autonomia para a execução de pequenas manutenções como Limpezas e checklists.

Obs.: como as funções são diferentes, os cálculos de HH também serão.

Senha de acesso: Neste campo será possível efetuar o cadastro do usuário que estará
vinculado ao funcionário cadastrado. Este usuário seguirá os mesmos níveis de acesso
estabelecidos pelo Administrador do sistema (ver tópicos 6.1 e 6.2)

Ainda na tela de cadastro de funcionário, através das abas superiores será possível indicar:

Plantão do Funcionário:​ Total de horas semanais trabalhadas;

Imagem 009 - Cadastro de Plantão do funcionário

15
Ferramentas: Ferramentas que estão de posse do funcionário e impressão do termo de
responsabilidade;

Imagem 010 - Termo de responsabilidade

OS`s trabalhadas: Todas as OS`s trabalhadas pelo funcionário com data/hora inicial e final e
status atual da OS;

Imagem 011 - Relação de OS`s trabalhadas do funcionário

16
Cursos pelo funcionário:​ Relação de todos os cursos realizados pelo funcionário;

Imagem 012 - Cursos do Funcionário

Área de atuação do funcionário: Distinguindo entre Centralizada (apenas 1 setor) ou


descentralizada (2 ou mais setores);

Imagem 013 - Área de atuação

17
Equipe de apoio: Todos os outros funcionários que estariam aptos tecnicamente para
substituir o funcionário cadastrado em caso de eventual ausência.

Imagem 014 - Equipe de apoio

1.1.7 - Estrutura Funcional 

Após realizar estes cadastros será possível a visualizar a estrutura funcional montada,
conforme exemplo abaixo:

18
Imagem 015 - Estrutura Funcional

1.2 - Disponibilidade 

Nesta coluna o usuário irá definir plantões a serem vinculados aos funcionários de sua
equipe de manutenção. No SIGMA será possível a criação de três formas de cadastro de
escala, sendo:

1. Escala de trabalho Fixa;


2. Plantão anual;
3. Plantão por escala.

1.2.1 - Escala de Trabalho Fixa 

A escala de trabalho para o SIGMA é onde criaremos um horário de trabalho para o


funcionário da empresa. Com ela poderemos organizar os turnos de trabalho da manutenção e

19
dessa maneira posteriormente extrair dados como Disponibilidade de mão de obra. Com base
nela também poderemos observar quais funcionários estarão disponíveis para a realização de
uma manutenção e extrair o índice de Backlog.

Imagem 016 - Escala de trabalho

Lembrando que os dias sábado e domingo, caso necessitem de horas para


funcionários, eles deverão ser preenchidos manualmente, bastando apenas clicar no botão
referente ao dia.
Obs.: Ao marcar o campo “Descontar intervalo de almoço” isso significa que o
mantenedor parou a sua atividade para almoçar, mesmo que ele informe na OS que trabalhou
das 08h:00min até às 16h:00min, por exemplo. Se o campo não for marcado e o mantenedor
apontar esse horário como hora trabalhada o SIGMA irá apontar como hora extra.

1.2.2 - Plantão Anual 

O plantão anual se aplica em casos onde existam funcionários que não tenham uma
escala fixa definida, estes trabalham de acordo com a demanda, podendo atuar em vários
horários distintos para o cobrimento de folgas ou férias de outros funcionários por exemplo.

20
Imagem 017 - Plantão anual

1.2.3 - Plantão por Escala 

O plantão por escala é um aplicativo que permitirá a criação de escala para funcionários
que trabalham por plantões como 12x24, 24x72. Através deste cadastro o planejador de
manutenção poderá consultar com exatidão a disponibilidade de mão de obra que detém para
a execução dos serviços.

Imagem 018 - Plantão por Escala

Ao clicar no botão GERAR ESCALA o sistema automaticamente identificará que este


funcionário, durante o período informado estará disponível conforme as horas do plantão
vinculado.

21
1.2.4 - Ausências  

O lançamento de ausências no sistema permitirá que o planejador tenha a


confiabilidade das informações de disponibilidade de Mão-de-obra e Backlog.
Para lançar ou consultar uma ausência será necessário selecionar um funcionário para
visualizar suas ausências e lançar novas. O lançamento será feito da seguinte forma:

1. Acesse o botão Ausências;


2. Selecione um funcionário para consultar a ausência;
3. Clique no botão lateral INCLUIR para lançar uma nova ausência;
4. Informe a data inicial e final e o período de ausência;
5. Informe o Motivo da ausência;
6. Em seguida clique em LANÇAR AUSÊNCIA;
7. Clique no botão SALVAR.

Imagem 019 - Lançamento de Ausências

1.2.5 - Datas 

O sistema conta com um calendário interno, porém se faz necessário que o planejador
de manutenção informe para o sistema quais os dias onde NÃO haverá trabalho. Desta forma o
sistema conseguirá separar datas normais de datas onde teoricamente não deve-se ter
incidência de trabalho, logo será possível também o registro de horas extras de pessoal de
manutenção.

22
Imagem 020 - Cadastro de Datas

Conforme o exemplo acima, além de listar todos os sábados e domingos do ano de


2015 como dias não trabalhados o usuário também poderá incluir datas como feriados,
municipais, estaduais e federais.

1.2.6 - Consulta de Disponibilidade 

Após efetuar todos estes cadastros já será possível consultar a disponibilidade de horas
de uma área de manutenção ou todas as áreas. Sendo possível verificar a quantidade de horas
por data, área executante, origem e funcionário conforme o exemplo abaixo. Sabemos que a
manutenção tem, ás vezes, um programa de paradas anuais e é nesse local que podemos
consultar quem estará disponível para trabalhar.

23
Imagem 021 - Consulta de Disponibilidade de Mão de Obra

1.3 - Macroestrutura 

A macroestrutura ou estrutura organizacional é o cadastro hierárquico da organização,


onde serão imputados dados de metas de disponibilidade, indisponibilidade e custo de
manutenção e também a realização de consultas como totais de OS`s, ativos vinculados a
estrutura. Permitindo que o gestor de manutenção, com muita facilidade, consiga identificar os
ativos dentro da estrutura da indústria ou prédio a ser gerido.

1.3.1 - Cadastro de Departamento 

O Departamento é o nível mais alto da estrutura organizacional, onde serão informadas


as metas que devem ser mantidas para a melhor desempenho do departamento.
Para cadastrar um Departamento o usuário deve:

1. Informar o código do Departamento;


2. Descrever o nome do Departamento;

24
3. Informar a disponibilidade do Departamento;
4. Informar as metas de indisponibilidade que é o percentual de horas paradas ante o total
de horas disponíveis e custo de manutenção que é o percentual (R$) que será
destinado a manutenção do próprio departamento.

Imagem 022 - Cadastro de Departamento

O detalhamento destas informações serão de grande importância para a obtenção de


indicadores de manutenção. Como pode ser visto na imagem abaixo que representa o gráfico
de metas de horas paradas do Departamento.

Imagem 023 - Gráfico de Metas

1.3.2 - Cadastro de Setor 

Os Setores são subdivisões do Departamento e deverão ser cadastrados vinculados a


estes para que se possa indicar sua representatividade dentro do departamento.

Para cadastrar um setor siga os seguintes passos:

25
1. Crie um código para o Setor e clique ENTER;
2. Informe a descrição do setor;
3. Vincule o setor a um departamento;
4. Informe os percentuais que este setor representa dentro do departamento ao qual
pertence.

Automaticamente o sistema apresentará os dados de disponibilidade do departamento,


bem como os totais de máquina parada, custo e faturamento. Estes devem ser subdividido para
os setores vinculados a ele.

Imagem 024 - Cadastro de Setor

1.3.3 - Cadastro de Processo 

Este cadastramento deve ser realizado caso os setores apresentem subdivisões em


processos produtivos. Estes serão vinculados a seus respectivos setores e irão compor um
percentual das metas dos mesmos.

Para cadastrar um novo processo informe:

1. Código para o processo que será criado e clique ENTER;


2. Descrição do processo;
3. Sazonalidade que é medida de 0 á 10, onde quanto maior o valor mais constante é o
processo dentro do setor onde se encontra;
4. Prioridade na Produção que é medida de 0 á 10, onde quanto maior o valor maior será
a prioridade de atendimento a este processo.

Os valores informados nos campos Sazonalidade e Prioridade produção serão


utilizados no pilar DO para cálculo de prioridade de OS.

26
Imagem 025 - Cadastro de Processo

1.3.4 - Cadastro de Célula 

A Célula ou Linha de produção pode ser entendida como uma forma de produção em
série onde são utilizadas várias máquinas para que esta produção seja efetuada. No SIGMA
será possível efetuar o cadastro destas células a fim de melhor identificar a localização das
máquinas.

Imagem 026 - Cadastro de Célula / Linha

O cadastro é efetuado de forma simples, bastando ao usuário inserir código da Célula,


descrição e vinculo da célula a um processo produtivo.

Após efetuar estes cadastros o usuário já poderá visualizar a estrutura organizacional criada.

27
Imagem 027 - Visualização de Árvore Industrial

1.4 - Cadastro de Ativos 

A gestão de ativos deve ser observada de maneira que se atenda especificações como
a PAS 55 por exemplo, que descreve pontos a serem observados na gestão dos ativos físicos
de uma organização. Antes de iniciar o cadastro de Máquinas, TAG`s e Equipamentos deve-se
efetuar alguns cadastros que permitirão melhor detalhamento dos ativos.

1.4.1 - Carga Máquina 

O cadastro de carga máquina consiste no detalhamento dos turnos de trabalho


efetuadas pelas máquinas, por exemplo 12, 16 ou 24 horas. Este cadastro é importante para
que futuramente seja possível a extração de indicadores de desempenho da máquina, tais
como MTBF, Confiabilidade, Disponibilidade e outros.

Imagem 028 - Cadastro de Carga Máquina

28
Como se pode observar na imagem acima ao cadastrarmos uma carga máquina será
possível visualizar o total de horas trabalhadas por todas as máquinas que efetuam esta
escala.
Também será possível indicar quais tipos de paradas ocorrem durante este período

Imagem 029 - Cadastro de Paradas na Carga Máquina

1.4.2 - Família 

O cadastro de família consiste na criação de grupos de ativos, peças ou até mesmos


funcionários com as mesmas características ou capacitações técnicas e tem por objetivo
facilitar o cadastramento, uma vez que ao cadastrar famílias o usuário poderá incluir dados que
são padrões a todos os ativos vinculados a família.

Para cadastrar uma família inicialmente algumas informações básicas serão utilizadas
como exemplo, os demais detalhamentos possíveis no cadastro de família serão mostrados
mais a frente no item XXX que inter-relacionará a família com outras funções do sistema.

Imagem 030 - Cadastro de Família / Grupo

Para cadastrar uma Família siga os passos abaixo:

● Insira um código para a Família e clique ENTER;


● Descreva o código da família;

29
● No campo TIPO (campo de seleção) informe se a família cadastrada se refere a um
ativo, a um funcionário ou a uma peça;
● No campo TIPO (campo descritivo) informe a qual nível do ativo esta família
corresponde, se a uma Máquina, TAG ou Equipamento;
● A sigla é o código que será utilizado para posterior execução de repicagem de máquina
e TAGs que estão vinculadas a este grupo e que por padrão, o sistema utilizará os três
primeiros caracteres utilizados na codificação da família;
● Informar o valor da criticidade das máquinas que compõem este grupo;
● Informar a Prioridade que poderá ser classificada de acordo com os padrões seguidos
na empresa.

No cadastro de família também será possível inserir imagens, peças, sintomas, serviços
e até a criação de manutenções preventivas comuns aos ativos que são vinculados a esta
família. Outra função importante é replicar peças, sintomas e pontos de lubrificação para todas
as máquinas que estão dentro da mesma família.

1.4.3 - Cadastro de Ficha Técnica 

A ficha técnica, como dito em seu nome, é uma ficha responsável pelas “características”
técnicas de uma máquina específica ou de um grupo de máquinas. Com os dados preenchidos
corretamente, futuramente poderá ser feita trocas de equipamentos ou até compra de novas
máquinas, tendo como referências as “características” técnicas cadastradas. Essas
informações técnicas são normalmente pegas do manual técnico da própria máquina e
inseridas no sistema. Dessa forma não perdemos mais tempo procurando o manual físico da
máquina que, em muitos casos, nem se sabe onde está.

Para cadastrar uma ficha técnica siga os seguintes passos:

● Selecione a família para a qual deseja lançar os itens de ficha técnica;


● Como não há itens ainda vinculados o sistema trará uma mensagem informativa, clique
em OK e em seguida no botão ADICIONAR ITENS A FICHA TÉCNICA;

30
Imagem 031 - Cadastro Ficha técnica

● Caso não se tenha itens previamente cadastrados será necessário incluir itens para
esta família.

Imagem 032 - Inclusão de itens na Ficha técnica

Após inserir os itens de ficha técnica devemos selecionar quais destes itens irão compor
a ficha técnica da família selecionada. Ainda será possível indicar qual o conteúdo de cada item

31
caso todos os ativos vinculados a esta família tenham as mesmas características técnicas,
conforme exemplo abaixo.

Imagem 033 - Detalhamento de itens na Ficha técnica

1.4.4 - Cadastro de Máquina 

A máquina é o nível mais alto na hierarquia de ativos, compreendendo toda a estrutura


a ser gerida. Um exemplo de máquina é uma Empilhadeira, esta é composta por vários
sistemas, equipamentos e componentes que deverão ser geridos.

O primeiro passo para o cadastramento de ativos é a criação de códigos para os


mesmos. O método de codificação de ativos pode variar de acordo com o sistema de gestão de
ativos de cada empresa, porém abaixo apresentamos um exemplo de codificação que pode
servir de referência na estruturação de códigos.

32
Imagem 034 - Codificação de Ativos

Para o cadastro de uma máquina no SIGMA o usuário fará uso de todos os cadastros
inseridos na macroestrutura, com isso será possível localizar o ativo dentro da estrutura
organizacional.

33
Imagem 035 - Cadastro de Ativos

O cadastro de máquina possibilitará ao usuário, além da vinculação da máquina a


estrutura organizacional, a inclusão de itens como:

● Imagens;
● Sintomas que podem vir a ocorrer na máquina segunda manual do fabricante;
● Peças utilizadas no ativo;
● Pontos lubrificáveis que serão utilizados na criação de planos de lubrificação;
● Repicagem de máquina;
● Abastecimento ideal do ativo com base em seu consumo médio.

Além da consulta e visualização de diversos indicadores de desempenho da máquina, como:

● Disponibilidade;
● Confiabilidade;
● MTBF;
● Certificado de manutenção;
● Tempo de máquina parada;
● Consultas de programações e OS`s para o ativo.

34
1.4.5 - Cadastro de TAGs 

Os TAGs são localizações, físicas ou virtuais, dentro de uma máquina. Em algumas


empresas é chamado de sistema ou módulos da máquina. Este cadastro permitirá maior
exatidão na identificação do problema ocorrido na máquina. É comumente utilizado em casos
onde a máquina possui localizações críticas que devem ser geridas com um acompanhamento
mais detalhado visando melhor desempenho do todo.
Utilizando o exemplo dado no item 1.1.4 para detalhar a máquina, um TAG virtual pode ser
entendido como o Sistema elétrico da empilhadeira, ou um TAG físico pode ser entendido
como a Cabine da empilhadeira.

No SIGMA após cadastrar a máquina efetuaremos o cadastro dos TAG`s que permitirão
o maior detalhamento das partes.

Imagem 036 - Árvore Industrial

Assim como para a Máquina, no TAG também será possível incluir e consultar:

● Imagens;
● Sintomas que podem vir a ocorrer no TAG segundo o manual do fabricante;
● Peças utilizadas no TAG;
● Pontos lubrificáveis que serão utilizados na criação de planos de lubrificação;
● Disponibilidade;
● Confiabilidade;
● MTBF;
● Consultas de programações e OS`s para o ativo.

Para cadastrar um novo TAG deverá ser dado um código ao mesmo (vide imagem 034)
e clique “ENTER”, em seguida informe se a parada deste TAG afeta a produção da máquina e
o valor de criticidade do TAG, descreva o TAG e vincule-o a uma máquina, automaticamente o
sistema preencherá as demais informações na aba Localização.

35
Imagem 037 - Cadastro de TAG

1.4.6 - Cadastro de Equipamento 

O Equipamento é um componente que desempenha uma função específica dentro da


localização (TAG) onde se encontra. Como exemplo podemos citar um Motor elétrico, que
estará vinculado ao Sistema elétrico de uma máquina.

Imagem 038 - Árvore Industrial

36
Assim como para a Máquina e TAG também será possível ao nível de Equipamento
incluir e consultar:

● Imagens;
● Sintomas que podem vir a ocorrer no Equipamento segundo o manual do fabricante;
● Peças utilizadas no Equipamento;
● Pontos lubrificáveis que serão utilizados na criação de planos de lubrificação;
● Disponibilidade;
● Confiabilidade;
● MTBF;
● Consultas de programações e OS`s para o Equipamento;
● Dados patrimoniais, seguro, Assistência técnica e garantia.

Imagem 039 - Cadastro de Equipamentos

37
CAPÍTULO

2

PRIORIZAÇÃO E ANÁLISE

2.1 - Planejamento de Manutenção 

O planejamento da manutenção envolve muitos assuntos. Não somente a manutenção


preventiva e o seu uso correto da mão de obra, mas também o cumprimento de metas
indústrias e o cadastramento completo dos problemas relacionados á máquina. A programação
diária também é muito importante e poderá ser utilizada conforme as necessidades e o volume
de Ordens de Serviço da empresa.

2.1.1 - Sintoma 

Sintoma é uma definição simples do problema apresentado na máquina, de maneira


que os operadores consigam associá-los a situação atual do ativo. Um exemplo de sintoma
pode ser “MÁQUINA NÃO LIGA” ou “MOTOR PAROU DE FUNCIONAR” e etc… Para cadastrar
um novo sintoma o usuário deverá codifica-lo e pressionar a tecla ENTER.
Ao sintoma será possível indicar itens como:

● A ocorrência do problema Afeta a produção? (Sim ou Não);


● Peso do sintoma;
● Área executante que atuará na ocorrência do sintoma;
● Tipo de OS que será gerado sempre que o sintoma for indicado;
● Detalhamento do serviço a ser executado, especialidade para o atendimento,
ferramentas e peças a serem utilizadas para solução do sintoma.

38
Imagem 040 - Cadastro de Sintomas

2.1.2 - Defeito 

O defeito será a definição técnica de um sintoma, que por sua vez pode apresentar
inúmeros defeitos. O correto cadastramento do defeito será vital para a definição das causas
raízes dos problemas apresentados nos ativos.

Imagem 041 - Cadastro de Defeito

39
2.1.3 - Causa 

Assim como um sintoma pode ser proveniente de vários defeitos, um defeito pode ter
inúmeras causas. O cadastro de Causas é simples, sendo necessário apenas indicar um
código e descrição.

Imagem 042 - Cadastro de Causas

2.1.4 - Solução 

No cadastro de Soluções incluiremos TODAS as soluções possíveis para as causas


cadastradas.

Imagem 043 - Cadastro de Solução

2.1.5 - Intervenção 

A intervenção é o conjunto de ações necessárias para a correção de um ou mais


problemas apresentados nos ativos. No SIGMA a intervenção é composta de Sintoma, Defeito,

40
Causa e Solução que podem ser vinculados a um grupo para que ao executar um serviço de
manutenção o mantenedor tenha o conhecimento prévio quais itens deverá verificar para a
correção do problema, tornando assim mais breve o tempo gasto na execução do serviço.
Outra possibilidade é a indicação após a conclusão do serviço da intervenção utilizada, o que
permitirá ao gestor efetuar posterior análise de causa dando-lhes a possibilidade de estruturar
um plano de ação.
A intervenção pode ser descrita também como ​troubleshooting, t​ ermo inglês que
também visa identificar a causa raiz do problema. É comum que no manual do fabricante de
alguns tipos de máquina já tenha essa estrutura montada (sintoma, defeito, causa, solução).
Nesse caso é só importá-la para dentro do SIGMA.

Imagem 044 - Cadastro de Intervenção

Imagem 045 - Intervenção

O conjunto dos itens Sintoma, Defeito, Causa e Solução possibilitará que seja efetuada
uma análise de falha mais aprofundada nas máquinas baseado nestas informações quando
indicadas nas OS`s.
Será possível realizar filtros nos relatórios e gráficos a fim de verificar quais os sintomas mais
ocorreram, o que mais ocasionou sua ocorrência suas causas e soluções aplicadas em cada
uma das situações.

Um exemplo de onde estas informações se cruzarão fornecendo uma visão mais


detalhada sobre um ativo é através da extração do gráfico quantitativo. Onde se poderá

41
visualizar a quantidade de OS`s por máquina, em seguida visualizar qual o tipo de OS mais
incidiu sobre ela e então pesquisar por sintoma, defeito e causa.

2.1.6 - Metas Anuais 

A definição de metas é a base para que se possa avaliar o desempenho da


manutenção.

42
Imagem 046 - Metas

Ao definir estas metas o gestor de manutenção terá como referenciar os dados obtidos
na fase do CHECK no giro do PDCA.
Abaixo um exemplo de como a definição de metas será comparada com a situação atual do
ativo ou área.

Imagem 047 - Gráfico de Metas

2.1.7 - Algoritmo de Criticidade 

O algoritmo de criticidade do SIGMA permitirá ao usuário estabelecer de forma


estruturada a criticidade do ativo através de perguntas que baseadas nos seguintes itens:

● Segurança e Meio ambiente;


● Qualidade e produtividade;
● Taxa de ocupação;
● Oportunidade de operação;
● Frequência de quebra;
● Mantenabilidade.

43
A combinação das respostas informadas indicará o tipo de manutenção mais adequada
para este ativo o valor de criticidade (0 a 10) que será vinculado ao ativo.

Imagem 048 - Algoritmo de Criticidade

Essa criticidade é definida quando o equipamento é novo e é altamente recomendável


que todos possam participar da reunião (produção, manutenção e qualidade).

Os descritivos do algoritmo são editáveis, podendo o usuário descrevê-los conforme


padrão já existente em sua empresa.
Bastando apenas clicar com o botão direito do mouse sobre a descrição a ser editada e em
seguida clicando na opção PARAMETRIZAR. Na nova tela edite a descrição nos campos
original e Português.

44
2.1.8 – Fórmula de cálculo de peso da OS 

O sistema permitirá a identificação de prioridade das OS`s através de um código de


cores que será definido seus respectivos valores pelo usuário. Para proceder com a inclusão
da valorização do Status Color o primeiro passo será a definição da forma como o sistema
efetuará o cálculo de prioridade das OS`s, para isso acesse:

1. Pilar ACTION;
2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do Sistema;
4. Aba Parâmetros da OS;
5. Sub-aba PESO.

45
Imagem 049 - Fórmula do Cálculo de Peso da OS 

Após definir a forma como a prioridade da OS será calculada vá na aba PESO e defina
os valores (0 á 120) para cada uma das cores apresentadas pelo sistema.

Imagem 050 - Status Color

Desta forma sempre que uma OS for gerada o código de cores será utilizado para que
visualmente seja possível identificar a prioridade de atendimento da mesma.

46
Imagem 051 - Impressão de OS / Prioridade

Outra opção é a utilização da ferramenta GUT para a priorização das Ordens de Serviço
que será explicado detalhadamente nos próximos itens.

2.1.9 - Fluxo da Estrutura e Cálculo de Prioridade de Ordem de Serviço. 

Imagem 052 - Fluxo de Prioridade de OS

47
2.1.10 - Estrutura de Ativos 

Abaixo vemos a estrutura de um cadastro abrangente de que será vital ao processo de


implantação

Imagem 053 - Fluxo de Estrutura de Ativos

2.2 - Cadastros Básicos de OS 

O cadastro básico de OS tem por finalidade definir critérios básicos para padronização
da OS de acordo com o tipo de negócio e aplicação do sistema. Sabemos que cada empresa
tem as suas normas e padrões a seguir e é nesse pilar que poderemos inserir informações de
cadastro específico da sua empresa referente a execução, segurança e qualidade.Trazendo
assim, agilidade e facilidade ao efetuar o processo de abertura de OS em diversos tipos de
segmentos diferentes.

48
2.2.1 - Tipos de OS 

O SIGMA conta com alguns tipos de OS já previamente cadastrados nos quais será
possível indicar as metas de conclusão para cada tipo e peso que o tipo de OS terá na
priorização de execução de serviços de manutenção. É possível cadastrar outros tipos de OS
conforme a sua realidade.

Imagem 054 - Cadastro de tipos de OS

2.2.2 - Prioridade 

O campo prioridade será utilizado para compor a priorização das OS`s considerando o
tipo de atendimento (Pronto-Atendimento ou Atendimento Programado) e prazo de atendimento
a OS.

Imagem 055 - Cadastro de prioridade de OS

Ao se estabelecer um prazo para a execução das OS`s com base na prioridade do


serviço o sistema passará a apresentar na tela de abertura de SS, no momento e, que o
solicitante for salvar a solicitação a seguinte mensagem:

49
Imagem 056 - Alerta de prioridade de OS

Para que esta opção de priorização de Serviços seja ativada, siga os passos abaixo:

1. Pilar ACTION;
2. Coluna Parâmetros;
3. Botão parâmetros do sistema;
4. Aba SS.
Marque a opção:

Imagem 057 - Parâmetro de prioridade de OS

2.2.3 - Pendências 

A utilização do cadastro de pendências permitirá que o usuário indique nas OS`s o


motivo pelo qual a OS não pode ser concluída. Neste cadastro há um parâmetro que impede
que a OS seja concluída antes que a pendência seja resolvida.

Imagem 058 - Cadastro de Pendência

50
2.2.4 - Serviços 

O cadastro de serviço permitirá a padronização do que deverá ser realizado pelos


mantenedores durante a execução das OS`s. Neste cadastro poderemos informar o tempo
para que o serviço seja realizado, a quantidade de mantenedores necessária, função
capacitada para a realização do serviço e o valor médio da hora empenhada na execução do
serviço.

Imagem 059 - Cadastro de Serviços

2.2.5 - Serviço Padrão 

O serviço padrão é o conjunto de ações necessárias para a execução de uma OS,


podendo esta ser corretiva, preventiva, etc. As etapas do Serviço Padrão

Imagem 060 - Cadastro de Serviços padrões

2.2.6 - GUT 

O objetivo deste aplicativo externo, que pode ser utilizado pelos gestores de
manutenção, é ordenar a importância das OS’s pela sua GRAVIDADE, pela sua URGÊNCIA e
pela sua TENDÊNCIA de forma racional, permitindo escolher a tomada de ação, caso não haja
uma priorização adequada das OS’s. As mesmas serão orientadas pela URGÊNCIA delas, e

51
isso pode ocasionar uma grave falha de planejamento, pois os dados de tendência e gravidade
serão ignorados.

“G” - Gravidade: Avaliar a intensidade ou profundidade que o dano pode causar se


não atuar sobre o mesmo.
“U” – Urgência: Avaliar o tempo necessário ou disponível para corrigir os problemas
levantados.
“T” – Tendência: Avaliar o comportamento evolutivo (irá melhorar ou piorar) na
ausência da ação.

Imagem 061 - GUT

52
CAPÍTULO

3

PLANEJAMENTO

Nesta etapa após efetuarmos os cadastros básicos referentes a mão-de-obra,


macroestrutura e Ativos abordaremos algumas funções do sistema que permitirão o completo
planejamento de execução de manutenção. Devemos montar conjuntos de ações para
preparar, programar, verificar o resultado das execuções de manutenção contra valores
pré-estabelecidos e adotar medidas de correção de desvios para a consecução dos objetivos e
da missão da empresa.

3.1 - Planejamento para Manutenção Corretiva 

O planejamento de manutenção corretiva consiste no detalhamento das ações que


serão implementadas para que a execução da manutenção possa ocorrer de forma
padronizada, permitindo assim medir a eficiência do trabalho realizado e a identificação de
melhorias nas ações corretivas ou criação de futuros planos de manutenção.

Através da combinação de parâmetros e funções do sistema o planejador terá inúmeras


possibilidades de realizar o correto detalhamento das atividades a serem realizadas pelos
manutentores. Veremos abaixo algumas dessas funções combinadas:

3.1.1 - Serviço Padrão X Sintoma 

Este recurso permitirá que todo o detalhamento do serviço a ser realizado quando um
determinado problema ocorrer seja conhecido previamente pelo mantenedor. Para que o
recurso seja ativado siga os seguintes passos:

1. Acesse o pilar ADJUST;


2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do sistema, aba Parâmetros da OS;
4. Sub-aba Abertura de OS.

Ao acessar esta tela marque a opção VINCULAR SERVIÇO PADRÃO AO SINTOMA.

53
Imagem 062 - Parametrização do sistema

Há ainda um outro parâmetro que permitirá o acompanhamento dos serviços efetuados,


para que em caso de algum serviço não ter sido efetuado, impedindo assim a continuação da
execução da OS. Para ativar este parâmetro vá em:

1. Acesse o pilar ADJUST;


2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do sistema, aba Parâmetros da OS;
4. Sub-aba Geral, e marque o parâmetro TAREFAS.

Imagem 063 - Parametrização do sistema

Após clique em Salvar para que as configurações seja gravadas.

O próximo passo é a criação de serviços padrões vinculados a sintomas:

54
Imagem 064 - Serviço Padrão

Após a ativação do parâmetro de vínculo do serviço padrão ao sintoma, sempre que um


novo serviço padrão for cadastrado o campo SINTOMA será apresentado para que seja
possível proceder a vinculação.

Ao abrir uma OS e indicar o sintoma será possível agora a indicação de qual serviço
deverá ser realizado para que a manutenção ocorra. Por padrão o sistema apresentará
inicialmente somente os Serviços Padrões vinculados ao Sintoma, porém o usuário poderá,
caso necessário, vincular quaisquer serviço padrão a OS.

Imagem 065 - selecionar o serviço padrão

Após vincular o serviço padrão ao imprimir a OS o sistema listará quais os serviços


devem ser efetuados para que o mantenedor tenha a visualização dos mesmos.

Imagem 066 - impressão das etapas do serviço padrão na OS

O próximo passo é o lançamento de horas trabalhadas onde o mantenedor ou o PCM


lançará as horas trabalhadas por serviço efetuado, possibilitando o acompanhar o andamento
do serviço através do status indicado a cada um deles.

55
Imagem 067 - tela de lançamento de horas trabalhadas

Sendo possível também a indicação do impedimento do andamento do serviço através


do cadastro de status. Ao clicar no botão “C” ao lado do campo status poderá indicar se o
mesmo impede ou não o andamento.

Imagem 068 - tela de cadastro de status de serviço

56
 
Imagem 069 - Sintomas e Serviços padrões 

3.1.2 - Itens de Avaliação da OS 

Este recurso possibilitará que se meça a eficiência da manutenção para com a


execução dos serviços solicitados pelos clientes (internos e externos) da manutenção.
Para efetuar este cadastro acesse:

1. Pilar PLAN;
2. Coluna Cadastros Básicos de OS;
3. Botão Itens Avaliação OS;
4. Informe código e descrição para cada item e clique em salvar.

57
Imagem 070 - tela de cadastro dos itens de avaliação na OS

Ative o parâmetro para a impressão dos itens de avaliação da OS nas configurações do


sistema.

Imagem 071 - tela para ativar o parâmetro dos itens de avaliação na OS

Ao ser gerada uma OS será sempre apresentada na impressão os campos para


avaliação do serviço que poderão ser pontuados com valores de “0” a “10”.

Imagem 072 - impressão dos itens de avaliação na OS

Após a avaliação do solicitante, que deverá ser incluída no sistema no ato da conclusão
da OS, o gestor da manutenção poderá extrair um gráfico que mostre os valores obtidos dentro
de um determinado período.

58
Imagem 073 - gráfico das notas dos itens de avaliação na OS

3.2 - Planejamento de Manutenção Preventiva 

A manutenção preventiva baseada no tempo, que pode ser medido por qualquer
parâmetro que represente a degradação do ativo, tal como Horas, dias, semanas, ciclos,
quantidade produzida e etc; Poderá ser cadastrada para que a seu devido tempo seja gerada
automaticamente pelo sistema. Dessa forma ao efetuarmos o planejamento de manutenção
preventiva no SIGMA estamos automatizando a execução desta manutenção, bem como
permitindo projetar os resultados a serem alcançados e possibilitando a comparação futura
com os dados obtidos na execução.

3.2.1 - Criação de Preventivas por Família 

A criação de preventivas por famílias otimizará o tempo para o planejamento de


manutenções programadas. Para proceder com este cadastro acesse:

1. Pilar PLAN;
2. Coluna Ativos;
3. Botão Família;
4. Insira o código da família para a qual serão geradas as preventivas e clique ENTER;
5. Acesse a aba CADASTROS > Sub-aba Preventiva;
6. Clique no botão PREVENTIVA.

59
Imagem 074 - tela de cadastro de preventiva por família

Após efetuaremos o cadastro de uma manutenção preventiva, para tal insira um código
para a Preventiva e clique ENTER.

60
Imagem 075 - cadastro da preventiva

Nesta preventiva serão inseridos:

1. Área executante;
2. Tipo de OS gerada;
3. Família a qual esta preventiva se aplica;
4. Tipo de preventiva (Periódica ou Disparos);
5. Periodicidade;
6. Datas Base e de Execução;
7. Etapas e peças.

OBS: ​Para a realização do procedimento de criação de preventivas para ativos de


uma mesma família é necessário que ao menos uma das etapas da preventiva tenha seu
tempo de execução informado.

Realizado este cadastro de preventiva clique em salvar e retorne a tela de FAMÍLIA e


clique no botão REPLICAR PROGRAMAÇÃO.

Imagem 076 - botão para replicar a programação de preventivas

61
Na tela que se abrirá o usuário deverá indicar qual a preventiva será replicada para a família.

Imagem 077 - tela para selecionar a preventiva a ser replicada

Como mostrado na imagem acima o sistema exibirá as seguintes informações:

● Tempo estimado de execução da preventiva a ser replicada;


● Quantidade de máquinas vinculadas a família;
● Quantidade de TAG`s vinculados a família;
● Quantidade de Equipamentos vinculados a família.

Ao lado de cada informação há uma caixa de seleção para que se indique a qual parte
da estrutura do ativo a preventiva será reprogramada, e ao final é apresentado a quantidade de
replicações que serão efetuadas.
Ao se clicar no botão REPLICAR PROGRAMAÇÕES o sistema replicará a preventiva para
todas os ativos. É interessante que o planejador da manutenção edite a data de execução
dessas programações, para que a sua equipe não fique sobrecarregada na execução dessas
OS`s.

62
Imagem 078 - preventivas replicadas

O sistema ainda dispõe de um recurso chamado Alerta de programação que


automaticamente exibirá as programações preventivas a serem executadas no dia vigente e
ainda possibilitará consultas e geração de preventivas futuras.
Para ativar o recurso acesse:

1. Pilar ACTION;
2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do sistema;
4. Aba Alerta.

Nesta tela o usuário deverá marcar o parâmetro “Exibir alerta de programações ao abrir o
sistema.”

Imagem 079 - parâmetro para ativar o alerta de programação

63
Abaixo segue o fluxograma de cadastro de preventivas:

Imagem 080 - fluxograma de replicagem de preventivas

64
CAPÍTULO

4

PILAR DO

Nesse pilar vamos colocar todo o planejamento em prática, isto é, executar o plano de
ação previamente elaborado para cada máquina/ ativo da empresa. É coletar todas as
informações de trabalhos realizados e inserir no banco de dados para que a possamos analisar
futuramente as condições da máquina e sues indicadores no pilar “Check”.

Imagem 081 - fluxograma do botão “DO” (execução)

65
Imagem 082 - fluxograma de execução OS

4.1 - Solicitações de Serviço 

Você já parou pra pensar no modo como são abertas as Ordens de Serviço ou os
chamados de manutenção aí da sua empresa? Provavelmente é aberta em uma folha de papel,
por e-mail, telefone. Nenhuma delas ficam registradas de forma correta no banco de dados da
manutenção!

A Rede Industrial visando o aumento de eficiência, confiabilidade de informações e


redução na utilização de meios manuais no processo de solicitações de serviço ao setor de
manutenção desenvolve soluções que possibilitam que inúmeros usuários de diversos setores
efetuem simultaneamente a abertura de Solicitações de serviço. Estas solicitações geradas
ficarão registradas no banco de dados do SIGMA e serão apresentadas ao planejador de
manutenção como solicitações pendentes para que o mesmo as avalie e aprove (ou não) a
execução do serviço solicitado.

4.1.1 - Aplicativo Externo de SS 

Através deste aplicativo todas as solicitações serão registradas, possibilitando melhor


controle e ​feedback dos serviços realizados, dispensando assim o uso de blocos, ligações e
outros artifícios utilizados para registro dos serviços. O SIGMA ainda dispõe de uma série de
recursos e configurações para que a abertura e acompanhamento dos serviços sejam
realizados com a maior transparência possível, desta forma o usuário (solicitante) poderá ter

66
todas as informações (​feedback)​ que lhe permitam saber o andamento do serviço por ele
solicitado.

Este aplicativo dará ainda ao usuário a possibilidade de consulta de situação dos


serviços solicitados, avaliação dos serviços executados (índice de satisfação de manutenção),
acompanhamento dos serviços e verificação de pendências para a execução do serviço. Desta
forma o solicitante terá total ​feedback​ e acompanhamento dos serviços de manutenção.

Imagem 083 - tela de abertura de SS

Para proceder com a abertura de uma SS através do aplicativo, siga os seguintes passos:

1. Crie um atalho do aplicativo na estação de trabalho de onde os serviços serão


solicitados;
2. Acesse o aplicativo utilizando-se de um usuário e senha (vide item 6.1 deste manual);
3. Clique em “Abrir SS”;
4. Preencha as informações necessárias para a identificação do ativo e problema ocorrido
no mesmo;
5. Clique em Salvar para que a nova solicitação seja registrada.

67
4.1.2 - SIGMA Android 

O SIGMA Android foi desenvolvido com a finalidade de trazer para a manutenção


praticidade na abertura, lançamentos de horas trabalhadas e conclusão de Ordens de Serviço.
Dessa forma o analista de manutenção, líder de produção, ou até mesmo o próprio mantenedor
não irá perder tempo se deslocando até a sua sala onde se encontra o SIGMA para registrar o
problema. Esse aplicativo irá reduzir o tempo da comunicação com a manutenção.
Para realizarmos a abertura de uma SS temos que cadastrar corretamente os seguintes itens:
Setor, Máquina, Departamento, Processo e Sintoma. Lembramos que todo este cadastro deve
ser feito no seu banco de dados, através do Sigma Desktop.

Setor, Máquina, Departamento

Para realizar as primeiras seleções e consultar os itens para o registro da SS,


realizamos o seguinte passo:

Imagem 084 - campos a selecionar na SS via Android

Vemos que nesta parte é possível efetuar uma série consultas, estes itens mostrados
são os essenciais para realizar de forma correta a consulta e assim dar segmento a abertura de
SS.

Tag, Equipamento, Sintoma


 
Para realizar as seleções secundárias e consultar os itens para o registro da SS, temos
o seguinte passo:

68
Imagem 085 - campos a selecionar na SS via android

Vemos que nesta parte é possível efetuar uma série consultas, estes itens mostrados
são os essenciais para realizar de forma correta a consulta e assim dar segmento a abertura de
SS, pois nestas opções que informamos a situação da sua máquina que deseja reparo.
 
Funcionários, Tipo de OS´s, Área Executante 
 
Para realizar as seleções finais para a consulta dos itens para o registro da SS,
realizamos o seguinte passo:

 
Imagem 086 - campos a selecionar na SS via Android.

Finalizando a consulta com os itens exibidos acima é possível ver os campos Descrição
SS e Observação, campos esses que devem ser preenchidos para que sejam exibidos ao
funcionário que foi direcionado, a opção ​afeta a produção ​e ​Retrabalho são opções que
podem ser marcadas de acordo com a situação.

Parar acessar o aplicativo siga os seguintes passos:

1. O usuário deverá ter em seu Smartphone o sistema operacional Android na versão 4.0

69
ou superior;
2. Acesse a Google Play (​https://play.google.com/store​);
3. Pesquise por ​SIGMA Android​;
4. Efetue o download do aplicativo.

Imagem 087 - pagina para download do sigma android

4.1.3 - SIGMAWEB 

Assim como no SIGMA android o SIGMAWEB também dará ao usuário a possibilidade


de abertura de Solicitações de Serviço pela internet através do Browser / Navegador. Para
acessar a versão “Demo” do SIGMAWEB siga os seguintes passos:

1. Abra seu navegador (Chrome, Firefox) e acesse o link: ​http://demo.sigmaandroid.com.br


2. Insira o usuário: ​demo@sigmaandroid.com.br
3. Insira a senha: ​demo

70
Imagem 088 - Abertura de SS via sigma web

4.2 - Aprovação / Reprovação de SS 

Dentro do SIGMA o PCM poderá visualizar todas as solicitações de serviço geradas


pelas diversas áreas da empresa.
Na tela de aprovação de SS, o usuário poderá:

● Fazer a pesquisa de SS`s pendentes, aprovadas e reprovadas;


● Aprovar SS`s;
● Reprovar SS`s;
● Edição de SS.

71
Imagem 089 - tela de aprovação de SS

4.2.1 - Programação Diária  

 
Ainda na tela de aprovação de SS será possível após aprovar efetuar a programação de
execução da OS. Para isso devemos ativar uma parametrização no sistema:

1. Acesse o pilar Action;


2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do sistema;
4. Aba SS e Sub-aba Aprovação de SS;
5. Nesta tela marque a opção: “Utilizar Programação Diária após a aprovação de SS.

72
Imagem 090 - tela de seleção do parâmetro

Com o parâmetro ativo após a SS ter sido aprovada o sistema abrirá automaticamente a
tela de Programação Diária para que o planejador programe a execução da OS conforme a
disponibilidade do funcionário a ela vinculado.

Imagem 091 - programação diária

4.3 - Gestão de OS Corretiva 

A manutenção corretiva é aquela gerada sempre após a ocorrência do problema, por


isso para uma melhor “reação” a estas ocorrências é importantíssimo que se tenha os dados
básicos devidamente cadastrados para que sejam vinculados corretamente nas OS`s,
proporcionado assim uma ação mais eficiente para os serviços de manutenção.

73
Conforme visto no fluxo anterior a geração de OS pode ser via aprovação de SS ou
manualmente pelo PCM ao identificar o problema. Ao se criar uma OS é importante que o
usuário tenha em mente que os dados informados serão de vital importância para a extração
de relatórios, gráficos e indicadores de desempenho futuros, logo se faz necessário um estudo
prévio de quais índices serão utilizados para a gestão de manutenção e quais dados devem ser
preenchidos nas OS`s para que seja possível a extração destes indicadores.

4.3.1 - Cadastro de OS 

O código da OS será gerado automaticamente pelo sistema, cabendo ao usuário


apenas clicar ENTER para acessar a tela de cadastro.
Ao acessar a tela a mesma estará dividida em três áreas:

- Cadastros Básicos da OS;


- Informações da OS;
- Cadastros complementares.

Imagem 092 - tela de cadastro de OS

Cadastros Básicos

Nesta área indicaremos para o sistema a localização do problema informando a


máquina ou o local dentro da máquina onde o problema ocorreu, identificando qual o problema
(sintoma), área executante e tipo de OS a ser gerada, Serviço padrão para a execução da OS e
a indicação da existência de pendências para a execução da ordem de serviço.

74
Informações da OS 
 
Nesta área os campos serão preenchidos automaticamente após todos os dados de
cadastros básicos serem preenchidos.

Cadastros Complementares

Nesta área o usuário poderá, ao transcorrer pela abas existentes, indicar dados como:

● Emissão: Data e hora que a OS ou SS foi aberta;


● Equipamento Disponível: Data e hora que a máquina vai estar disponível para a
manutenção. Esse tempo vai ser descontado na Disponibilidade do ativo;
● Término Desejado;
● Data do término Desejado;
● Prazo para Término;
● Prazos para a conclusão e atendimento da OS;
● Consultar funcionários programados para executar a OS;
● Lançar horas trabalhadas;
● Consultar histórico do ativo vinculado a OS;
● Cadastrar requisitos para a execução (Etapas, ferramentas, Normas);
● Efetuar o planejamento de execução da OS;
● Consultar backlog.

Após este cadastro será possível realizar o planejamento de execução da OS.

4.3.2 - Planejamento de OS 

Após a aprovação de uma solicitação de serviço ou abertura manual de uma Ordem de


serviço, não sendo ela um serviço emergencial, deverá ser programada para posterior
execução. O SIGMA oferece uma série de recursos para a realização deste planejamento de
execução da ordem de serviço, tais como:

● Detalhamento: Permitirá ao planejador informar na OS quais os serviços deverão ser


executados na OS.
● Requisitos da OS: Permitirá ao planejador vincular a OS as etapas do trabalho,
funções que devem trabalhar na execução da OS, Peças e Ferramentas a serem
utilizadas, e normas a serem seguidas.
● Aba Informações: Nesta aba será possível além de incluir dados para a execução da
OS será possível também efetuar consultas em informações já lançadas.
● Programação diária: Esta função embora se encontre no pilar PLAN > Planejamento
de Manutenção também será utilizada para que as OS`s sejam programadas conforme

75
item 4.2.1, a fim de que os mantenedores tenham suas atividades diárias sendo
acompanhadas via sistema.

4.3.3 - Detalhamento da OS 

O detalhamento da OS poderá se dar através da utilização do Serviço padrão, conforme


item 2.2.5, ou através do próprio botão DETALHAMENTO existente no pilar DO, coluna OS.
Este recurso permitirá ao planejador indicar quais os serviços devem ser realizados para a
execução da ordem de serviço. Este detalhamento poderá ser descrito manualmente durante a
programação da OS ou através da utilização de serviços já cadastrados no sistema.

Imagem 093 - tela de detalhamento da OS

4.3.4 - Lançamento de Horas Trabalhadas 

O lançamento de horas trabalhadas no SIGMA poderá ser feito em “Real Time” ou após
a execução das OS. Neste tópico veremos as duas formas e alguns dos recursos que o
sistema dispõe para cada um deles.

4.3.5 - Lançamento Direto - Real Time  

Um dos aplicativos mais utilizados para o registro de serviços em tempo real é o


Lançamento Direto (LD) que poderá ser disponibilizado em diversos terminais dentro da

76
unidade fabril ou prédio para que os mantenedores efetuem o lançamento dos serviços quando
estes são iniciados e finalizados, possibilitando que o PCM saiba em quais serviços os
mantenedores estão trabalhando no momento.
A utilização deste aplicativo tem por finalidade a redução na utilização de papel para
impressão das OS, permitindo que todos os lançamentos sejam feitos eletronicamente, bem
como o controle dos serviços de manutenção em tempo real.

.
Imagem 094 - tela de lançamento de horas no aplicativo LD

O usuário (executante de manutenção) através deste aplicativo poderá efetuar uma série de
lançamentos, tais como:

● Lançamento de serviços efetuados na OS;


● Lançamento de Intervenção (Sintoma, Defeito, Causa e Solução);
● Lançamento de tempos improdutivos;
● Lançamento de peças consumidas em manutenção;
● Pesquisa de pendências.

77
 

4.3.6 - SIGMA Android - Real Time 

O SIGMA Android é um aplicativo revolucionário e inovador na área de manutenção


desenvolvido pela Rede Industrial. Agregando ao Sistema Gerencial de Manutenção um
aplicativo móvel para a gestão do PCM. Sendo esta mais uma ferramenta que auxiliará a sua
equipe para ações como lançamentos de horas trabalhadas, abertura de SS`s e
cadastramentos básicos de ativos. Fornecerá ao usuário, que pode ser tanto um mantenedor
quanto um analista do PCM, as principais funcionalidades do SIGMA no seu aparelho.
Permitindo dessa forma que algumas das informações do equipamento ou máquina sejam
acessadas remotamente pelo telefone, possibilitando então ao usuário a interação com a base
de dados do SIGMA de qualquer lugar com seu celular. O aplicativo modernizará o controle de
manutenção trazendo a mobilidade e facilidade para o setor de manutenção de empresas.

Imagem 095 - Menu inicial e tela de lançamento de horas do SIGMA Android

4.3.7 - Lançamento de Horas - SoftOS  

Os serviços de manutenção também podem ser lançados após a execução através da


utilização de aplicativos desktop como o SoftOS ou o SmartOS. Ambos possibilitam não só o
lançamento de horas trabalhadas como também a abertura e conclusão de OS`s, lançamento
de tempos improdutivos e peças utilizadas na OS.

78
O aplicativo SoftOs possibilitará a abertura de OS`s, lançamento de horas trabalhadas,
custo de peças consumidas e até mesmo conclusão de OS tudo em um único aplicativo
simples e rápido. Através o SoftOS será possível:

● Abrir OS`s;
● Lançar horas trabalhadas;
● Lançar peças consumidas em OS;
● Concluir OS`s;
● Consultar OS`s pendentes e concluídas.

Imagem 096 - tela do aplicativo Soft OS

4.3.8 - Lançamento de Horas - SIGMA Desktop 

O lançamento também poderá ser realizado pelo próprio planejador após a conclusão
da OS por parte dos mantenedores. Para tal operação deve-se:

1. Acessar o pilar DO;


2. Coluna OS;

79
3. Botão Horas Trabalhadas.

O usuário efetuará o devido preenchimento dos campos necessários para o lançamento


e então clicar em Salvar para que o registro seja gravado no banco de dados.

Imagem 097 - tela de lançamento de horas no desktop

Nesta tela além dos lançamentos de tempo improdutivo, pendências, intervenção, peças
consumidas também será possível lançar serviços efetuados por terceiros juntamente com o
valor de cada serviço efetuado através do campo “Valorização”.

4.3.9 - Conclusão de OS 

Após terem sido efetuados os lançamentos de tempo de trabalho o planejador deverá


proceder com a conclusão da OS. Ao concluir a OS algumas informações devem ser inseridas
a fim de garantirmos que na próxima etapa do PDCA seja possível avaliar o resultado obtido
com a execução da OS, são eles:

● Histórico da conclusão;
● Avaliação do serviço;

80
● Tipo de falha (Humana ou Mecânica) em caso de OS`s corretivas;
● Data de cobrança do serviço em caso de serviços realizados por terceiros;
● Tempo de máquina parada em caso de OS`s que afetaram a produção.

Imagem 098 - tela de conclusão de OS

4.4 - Gestão de OS`s Programadas 

Vimos que é possível efetuar cadastros básicos que serão utilizados para a execução
de manutenções programadas bem como a possibilidade de através do cadastro de
Grupos/Famílias é possível inclusive criar rotinas de manutenção preventiva. Porém neste
tópico ao tratarmos da gestão deste tipo de manutenção veremos que o mesmo é feito
somente através do pilar DO, onde se concentra as funções de controle de manutenções
programadas.

81
Imagem 099 - pilares do “DO” (execução)

4.4.1 - Preventiva 

No SIGMA a Manutenção preventiva está dividida em duas partes:

- Cadastro: O cadastro deverá ser efetuado como um padrão a ser seguido para um
determinado grupo de máquinas;
- Programação: Na programação trataremos a individualidade de cada ativo que
receberá a execução da preventiva cadastrada.

82
Imagem 100 - fluxograma de preventiva

Cadastro de Preventiva

Para cadastrar uma preventiva acesse:

1. Pilar DO;
2. Coluna Preventiva.

Automaticamente será aberta uma nova janela que mostrará as opções presentes para
a gestão de manutenção preventiva. O primeiro botão será o cadastro da preventiva onde ao
acessá-lo o usuário deverá indicar:

83
● Código da preventiva. Ex: PREV-001;
● Descrição da preventiva. Ex: preventiva mensal de injetoras;
● Área executante. Este campo possibilitará a pesquisa posterior através do Mapa e
Manutenção;
● Tipo de OS a ser gerada. Como o Módulo de preventiva é padrão e pode ser utilizado
para gestão de serviços programados como Calibração que são efetuados por terceiros,
de maneira que o planejador tenha somente o controle da periodicidade;
● Família, grupo de ativos com mesmas características;
● Serviço Padrão, que também poderá ser utilizado como etapas na execução da
preventiva;
● Tipo de preventiva (Periódica ou Disparos). Os disparos podem ser contabilizados em
Horas, Ciclos, Quilômetros e etc.;
● Etapas, que descrevem o serviço a ser efetuado quando a preventiva ocorrer;
● Peças que serão utilizadas para a realização da manutenção.

Imagem 101 - tela de cadastro de preventivas

84
Programação de Preventiva

Após efetuarmos o cadastro da manutenção preventiva devemos efetuar a


programação que consiste em vincular a preventiva ao ativo onde ela deve ocorrer e indicar a
data na qual será efetuada já cadastrados no sistema para execução.

Imagem 102 - tela de programação de preventivas

Nesta tela será possível indicar em qual localização dentro da máquina a preventiva
será aplicada caso seja necessário. Após indicar o local no ativo será necessário indicar qual a
preventiva incidirá sobre ele e efetuar a indicação da data de execução da preventiva no ativo
para que automaticamente o sistema possa dar os alertas de execução de programação
configuráveis no sistema.

85
4.4.2 - Geração de OS`s Programadas  

A geração das OS`s preventivas poderá ser efetuada através do botão GERADOR
AUTOMÁTICO DE OS manualmente onde o usuário deverá estabelecer o período a ser
consultado e caso hajam programações para serem executadas dentro do período filtrado o
sistema listará as mesmas para que o PCM possa então selecioná-las para a geração da OS.

Imagem 103 - tela do gerador de OS preventiva

4.4.3 - Alerta de Programação 

Outra possibilidade para a geração de OS`s programadas é a utilização do recurso


ALERTA DE PROGRAMAÇÃO. Este recurso irá automatizar os alertas sobre as programações
que devem ser executadas no dia programado para a execução ou por antecedência, que pode
ser estabelecida pelo próprio planejador de manutenção no ato de cadastramento da
preventiva.

Para ativar esta função acesse:


1. Pilar Action;
2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do Sistema;

86
4. Aba Alertas.

Marque as opções de exibição de alerta ao abrir o sistema e defina os dias de


antecedência para a exibição do alerta.

Imagem 104 - tela de seleção do alerta de programação

Desta forma as vezes que o sistema for iniciado será exibida a tela do alerta de
programação mostrando as programações a serem executadas no dia vigente ou com base na
antecedência definida no parâmetro.

Imagem 105 - alerta de programação

Para que a OS seja gerada tanto no gerador automático como no Alerta de


programações a programação deverá ser marcada e impressa para que a ordem de serviço
seja gerada em tela. A impressão da preventiva constará, além dos campos básicos, com a
relação de etapas e peças que deverão ser seguidas e utilizadas para a correta execução da
preventiva.

Imagem 106 - impressão das etapas e peças da preventiva

87
 

4.4.4 - Gestão, Conclusão e Reprogramação de OS`s Preventivas 

Assim como vimos nos itens 4.3.4 á 4.3.8 o lançamento de horas trabalhadas em OS`s
preventivas será dado da mesma forma, porém conforme o fluxo de preventiva (imagem 095) a
gestão de OS`s preventivas compreende o retorno (CO = Conforme e NC = Não Conforme) do
status de cada uma das etapas da preventiva.
Para ativar este controle no SIGMA acesse:

1. Pilar ACTION;
2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do sistema;
4. Aba Parâmetros da OS;
5. Sub aba Configuração da Preventiva.

Após marque o parâmetro de ativação de controle do status das etapas e indique o tipo
de OS a ser gerada para as Não conformidades encontradas.

Imagem 107 - Ativação do status da OS

Após habilitar este parâmetro o usuário poderá avaliar as etapas da preventiva e para
as não conformidades gerar OS`s corretivas. Esta avaliação das etapas será feita na tela de
OS conforme imagem abaixo.

Imagem 108 - tela de avaliação das etapas da preventiva

88
Ao concluirmos a OS preventiva que tenha alguma indicação de Não Conformidade o
sistema dará a possibilidade de abertura de uma OS corretiva. Em seguida a OS preventiva
será concluída e reprogramada conforme a data de conclusão e periodicidade estabelecida na
programação da preventiva.

Imagem 109 - aviso de OS gerada após não conformidade na etapa da preventiva.

4.5 - Gestão de Manutenção Preditiva 

A manutenção preditiva, como vocês sabem, é aquela manutenção baseada na


condição atual do equipamento. Visa identificar o melhor momento da manutenção,
aumentando assim a produtividade da empresa e reduzindo os custos de manutenção, uma
vez que eu sei quando e o que trocar no ativo. É uma manutenção em ascensão, cada vez
mais esta sendo empregado. O sigma tem um módulo de Manutenção Preditiva que tem como
objetivo coletar as informações medidas pelo equipamento e salvá-las dentro do sistema. Com
esses dados será possível montar um gráfico e analisar as medições realizadas

4.5.1 - Cadastro e Programação de Preditiva 

O cadastro de Preditiva é bem similar ao cadastramento efetuado na Preventiva onde


deveremos indicar campos como:

● Código da Preditiva;
● Descrição da Preditiva;
● Área executante para efeito de pesquisas posteriores;
● Classificação da Preditiva;
● Periodicidade;
● Itens de verificação.

Nestes itens deverão constar a unidade de medida, e valores mínimo, padrão e máximo
permitido para aceite do item.

OBS: No retorno da preditiva caso o valor medido esteja abaixo do mínimo ou acima do
máximo indicado o usuário terá a opção de gerar uma OS corretiva para reparo do item.

89
Imagem 110 - tela de cadastro de preditiva

Após cadastrar a preditiva devemos proceder com a programação, vinculando a


preditiva cadastrada com o ativo onde a mesma será executada.

90
Imagem 111 - tela de programação de preditiva

Assim como visto no item 4.4.3 as programações Preditivas também serão


apresentadas pelo alerta de programação, bastando apenas que sejam selecionada e
impressas para a sejam geradas as OS`s preditivas.

4.5.2 - Conclusão da Preditiva e Gráfico de Análise 

A conclusão da Preditiva será efetuada pela tela de conclusão de OS onde após efetuar
o lançamento de horas trabalhadas e informar a data de conclusão o sistema reprogramará
automaticamente a preditiva, com base na periodicidade e data de conclusão, e uma nova tela
será aberta para que sejam informada os valores medidos durante a preditiva.

91
Imagem 112 - tela de retorno do valor medido na etapa da preditiva

Efetuados os lançamentos após a execução das preditiva será possível ao planejador


de manutenção visualizar o gráfico de Preditiva, ou gráfico de Tendência para cada um dos
itens analisados.

Imagem 113 - gráfico de análise de preditiva

Imagem 114 - gráfico de analise de preditiva

4.6 - Gestão de Lubrificação 

A lubrificação é outro ponto que requer muita atenção da manutenção. É tão necessária
que requer profissionais especializados trabalhando nessa área. Sabe-se que, se a
manutenção deixar de lubrificar as suas máquinas, as corretivas terão um aumento e
consequentemente afetará a disponibilidade e os custos da manutenção. Sobre esse fatos
podemos considerar a lubrificação como uma manutenção preventiva. Veremos a seguir como
montar uma rota de lubrificação.

92
4.6.1 - Cadastros básicos da Lubrificação 

Para que a Lubrificação seja possível no SIGMA é necessário a realização de alguns


cadastros anteriores para melhor adequação e montagem de rotas de lubrificação, são eles:

1. Cadastro de Serviços: Todos os serviços de lubrificação executados pela manutenção.


Ex: Lubrificar com óleo, Lubrificar com graxa, etc;
2. Aplicação: Forma como os serviços são aplicados. Ex: Bomba manual, Pincel,
Almotolia, etc;
3. Cadastro de Lubrificante: Todos os lubrificantes utilizados para a realização da
lubrificação bem como suas especificações;
4. Pontos: Cadastro de todos os pontos que recebem algum tipo de lubrificação.

Para iniciarmos a gestão da lubrificação devemos já ter vinculados os pontos


lubrificáveis em nossos ativos conforme comentado no item 1.4.4, onde informaremos os
pontos de lubrificação do ativo, quanto pontos são lubrificados e a periodicidade de lubrificação
de cada um deles.

Imagem 115 - tela de cadastro de ponto de lubrificação na máquina

Após indicar os pontos lubrificáveis da máquina poderemos realizar a programação de


lubrificação para o ativo.

93
Imagem 116 - tela de programação de lubrificação

Ao estabelecermos uma periodicidade para a programação o sistema automaticamente


listará somente os pontos lubrificáveis do ativo que tenham a periodicidade igual a da
programação. Desta forma teremos a garantia que todos os pontos do ativo serão lubrificados
conforme as especificações do fabricante. Assim ao gerar as OS`s de lubrificação será possível
criar uma rota de lubrificação baseada no período de lubrificação de cada ponto presente nos
ativos.

4.6.2 - Geração e Conclusão de OS de Lubrificação 

No botão “Relatório de Lubrificação” faremos a geração / impressão das OS`s de


lubrificação. Estas poderão ser OS`s impressas individualmente ou por listagem, que
proporcionará a impressão de várias OS`s em uma mesma folha, especificando os pontos a
serem lubrificados no ativo.

94
Imagem 117 - impressão da rota de lubrificação

Após a execução da OS de lubrificação deverá ser dado o retorno da lubrificação, este


tipo de OS, diferente dos tipos de OS vistos até agora, deverá ser concluída na própria coluna
Lubrificação, dentro do botão “RETORNO DA LUBRIFICAÇÃO”.

Neste tela deverão ser informados:

● Código da OS de lubrificação a ser concluída;


● Código do Funcionário, dia e hora (inicial e final) de trabalho para a realização do
lançamento de horas trabalhadas;
● Data da Conclusão e breve descrição do serviço efetuado.

Após estes lançamentos basta clicar em SALVAR para que a lubrificação seja concluída
e reprogramada com base na periodicidade estabelecida na programação.

95
Imagem 118 - retorno da lubrificação

4.7 - Gestão de Checklist  

As ordens de serviços do tipo checklist são montadas para serem práticas na


compreensão da atividade a ser executada. Visa a detecção de falhas ou não conformidades
durante o processo. É geralmente atribuída aos operados das máquinas, atendendo dessa
forma mais um dos pilares da TPM chamado de Manutenção Autônoma (MA).

4.7.1 - Cadastro de Legendas e Itens 

O primeiro passo para iniciarmos a gestão do checklist no SIGMA é o cadastro de


Legendas que serão utilizadas. Ao cadastrarmos uma legenda devemos indicar se a mesma
gera uma OS (S ou N).

Imagem 119 - cadastro de legendas

Quando um item for indicado com uma Legenda em que “S” esteja marcado
automaticamente o sistema possibilitará a geração de uma OS para a verificação mais
aprofundada da não conformidade.

96
Em seguida faremos o cadastro de itens, sendo estes todos os possíveis itens a serem
verificados no checklist e também poderão ter valores para comparação com os valores
apresentados nos ativos, como por exemplo: Temperatura, vibração, ruído e etc.

Imagem 120 - cadastro dos itens de verificação

4.7.2 - Cadastro e Programação de Checklist  

O cadastro de checklist poderá ser realizado para:

● Departamento;
● Setor;
● Centro de Custo;
● Máquina;
● TAG;
● Equipamentos.

Após definirmos o tipo de checklist deve-se informar se o mesmo “Gera OS”, caso o
parâmetro seja marcado será necessário indicar o tipo de OS a ser gerada. Ao checklist será
possível relacionar inúmeras máquinas e até 33 itens de verificação para cada um dos ativos.

97
Imagem 121 - tela de cadastro do checklist

Em seguida no botão Programação do Checklist indicaremos a data e periodicidade de


execução do checklist.

Imagem 122 - tela de programação do checklist

Após efetuar a programação o checklist já estará pronto para ser gerado a seu devido tempo

98
4.7.3 - Geração e Conclusão de Checklist 

O checklist assim como as demais manutenções programadas poderá ser gerada a


partir dos alertas de programação automáticos do sistema ou pelo botão “RELATÓRIO DE
CHECKLIST” onde os checklist`s filtrados de acordo com os campos de filtro serão
apresentados, ao selecionar e clicar em imprimir o checklist será gerado conforme imagem
abaixo:

Imagem 123 - Impressão do checklist

O executante / mantenedor deverá marcar com as legendas cada uma das células
referentes ao item a ser verificado em cada máquina para que no ato da conclusão do checklist
seja possível identificar as não conformidades e assim gerar as OS`s corretivas ou de
melhorias para estes itens.

A conclusão do checklist poderá se dar de duas formas:

● Retorno Automático: Para checklist`s onde “NÃO” houveram itens Não Conformes.
Nesta tela o usuário indicará os checklist`s a serem concluídos, data de conclusão e

99
nome do funcionário executor da atividade. Desta forma após clicar em CONCLUIR o
sistema reprogramará o checklist de acordo com a periodicidade informada na
programação.

Imagem 124 - retorno automático do checklist

● Retorno do Checklist: Para Checklist`s onde houveram Não conformidades. Nesta tela
o usuário deverá indicar em quais itens houveram as Não conformidades, clicando com
o botão direito do mouse sobre a célula que representa o item no ativo o sistema
apresentará as legendas cadastradas para que seja então selecionada a legenda
aplicada ao item.

Imagem 125 - seleção da legenda

Ao indicar a não conformidade o sistema possibilitará a indicação do tipo de OS que


deverá ser aberta para a correção do problema encontrado.

Imagem 126 - dados do retorno do checklist

Após OS a ser gerada e a ação a ser efetuada para a resolução do problema basta
clicar em “Salvar Retorno” para a que a nova OS sega gerada.

100
4.7.4 - Checklist Mobile 

A execução e conclusão dos checklist`s também poderão ocorrer através do SIGMA


android, possibilitando assim que mantenedores tenham como executar remotamente o serviço
e que planejadores e gestores de manutenção tenham o retorno automático em real time sobre
a execução dos serviços.

Imagem 127 - checklist via android

101
 

4.8 - Movimentação de Materiais. 

Imagem 128 - fluxograma de movimentação de materiais

Conforme imagem do fluxo acima um dos pontos abordados é a gestão de materiais


que serão utilizados nas Ordens de Serviço, para tal o sistema conta com as RM (Requisições
de Material) que poderão ser abertas pelo PCM para que as OS`s sejam atendidas.

4.8.1 - Requisição de Material 

Para criarmos uma RM é necessário acessar o Pilar DO, coluna Movimentações de


material e acessar o botão RM. Na tela que se abrirá o usuário deverá informar manualmente o
código para a nova requisição de material que será aberta. Ex:

102
Imagem 129 - requisição de material

Feito este procedimento basta clicar em salvar para que a RM seja gerada e gravada no
banco de dados.

4.8.2 - Aprovação de RM`s 

Na tela de aprovação de requisições será possível efetuar filtro a partir da situação da


RM (Aprovadas, Pendentes ou Reprovadas). Após realizar o filtro da situação da RM o sistema
apresentará as requisições, onde o usuário poderá selecionar quais serão aprovadas ou
reprovadas.

Imagem 130 - aprovação de requisição de material

Conforme imagem acima vemos na mensagem que só são gerados pedidos de compra
para requisições que ultrapassem o estoque atual.

4.8.3 - Reprovação de RM`s 

Será possível a reprovação de pedidos de compra, bastando para isso que a RM seja
selecionada e em seguida clicando no botão REPROVAR. Abaixo um relatório de RM`s
reprovadas:

103
Imagem 131 - impressão do relatório de reprovação de requisição de material

4.8.4 - Aprovação de RM`s Reprovadas 

Também será possível aprovar RM`s que em algum momento foram reprovadas, para
isso basta efetuar o filtro por RM`s reprovadas e em seguida marcar as RM`s que deseja
aprovar:

Imagem 132 - aprovação de RM´s já reprovadas

4.8.5 - Aprovação de Pedidos de Compra 

Na tela de aprovação de pedidos de compra o sistema mostrará a quantidade solicitada


e a quantidade a ser comprada, onde:

104
Imagem 133 - tela aprovação de pedidos de compra

● Quantidade requisitada​ = Est. Atual + (Estoque atual - Qtde Requisitada na RM)


● Quantidade compra​ = Qtde Requisitada + Est. Mínimo

Imagem 134 - aprovação de compra

Ao selecionar os pedidos basta clicar no botão APROVAR e os pedidos, após


aprovação via assinatura digital irão para a tela de Emissão de ordem de compra.

4.8.6 - Emissão de OC (Ordem de compra) 


Na tela de emissão será possível visualizar quais Ordens de Compra estão pendentes
de aprovação e aprová-las.

Imagem 135 - tela de emissão de ordem de compra

Ao selecionar e aprovar as ordens de compra as mesmas serão impressas:

105
Imagem 136 - impressão do relatório de ordens de compra

4.8.7 - Entrada de Peças em Estoque 


Após efetuada a compra o almoxarife deverá proceder com a entrada de peças no
sistema para que o estoque atual seja atualizado. Para isso clique no botão “Entrada de
Peças”, na tela que será aberta tecle ENTER, o sistema gerará automaticamente um código
para a entrada que será efetuada. Informe o código da compra e os dados da mesma serão
carregados, bastando ao almoxarife indicar a quantidade que dará entrada e o valor unitário da
peça. Em seguida clique em INCLUIR.

Imagem 137 - tela de entrada de peças

Efetuado o procedimento de Entrada de peças o cadastro da peça será atualizado e a


quantidade em estoque será atualizada conforme quantidade real em estoque.

106
Imagem 138 - atualização das peças após a entrada das mesmas

CAPÍTULO

5

PILAR CHECK

É a terceira etapa do ciclo PDCA. Devemos avaliar nesse local o que foi feito durante a
etapa de execução, fazendo comparações e identificando as diferenças entre o planejado e o
que foi realizado. Temos que identificar o que foi aprendido durante a execução do plano,
comparado com os resultados com as predições que foram feitas na etapa de planejamento.
Sendo assim, conseguimos observar se os objetivos foram alcançados ou não.

5.1 - Custos 

Para a extração dos custos de manutenção é necessário efetuarmos a valorização não


só da mão de obra própria como também das peças empenhadas na manutenção e dos
serviços efetuados por terceiros. Estes dois últimos são vistos respectivamente no controle de
itens de estoque e no lançamento de horas trabalhadas onde será possível lançar um valor fixo
para os serviços realizados por mão de obra terceira.
No tópico seguinte abordaremos a valorização da mão de obra própria que irá compor os
custos totais de manutenção.

5.1.1 - Parâmetros de Custos 

107
Para iniciarmos a valorização de mão de obra é necessário informar ao sistema quais
parâmetros o sistema utilizará para efetuar o calculo. Para tal acesse:

1. Pilar CHECK;
2. Coluna Custos;
3. Botão HH (Homem Hora).

Nesta tela clique sobre o botão “Parâmetros de Custo” e informe os valores de Encargo
Hora Normal, Encargo Hora Extra e Horas Disponíveis Mês.

Imagem 138 - parametrização dos custos do Hh

Encargo H. Normal:​ Encargos pagos sobre as horas normais de trabalho do funcionário;


Encargo H. Extra:​ Encargos pagos sobre as horas extras de trabalho do funcionário;
Horas Disp. Mês: Base de horas a ser utilizada pelo sistema para o cálculo do valor da hora
trabalhada.

5.1.2 - Valorização de Funcionário 

Após configurar os parâmetros de custo devemos iniciar a valorização dos funcionários


administrativos da manutenção (Ex: Planejadores e Auxiliares ADM). Ao efetuarmos a
indicação “Administrativo” deveremos informar ao sistema, conforme imagem abaixo, o
percentual deste valor que será custeado / rateado sobre o trabalho dos manutentores
operacionais. Feito isso basta clicar em Salvar.

108
Imagem 139 - valorização do funcionário administrativo

O próximo passe é a valorização dos funcionários operacionais (executantes de


manutenção), a estes devemos informar o valor do salário bruto, percentuais sobre as horas
extras, insalubridade, periculosidade, adicional noturno e de trabalho em domingos e feriados.

Imagem 140 - valorização do funcionário operacional

Em seguida clique no botão “CALCULA VALOR HOMEM HORA”. Na aba Cálculo o


sistema apresentará o cálculo efetuado para chegar até o valor da hora trabalhada do
funcionário.

109
Imagem 141 - cálculo utilizado na valorização do Hh.

Com a valorização dos funcionários de manutenção será possível, após efetuar os


lançamentos de horas trabalhadas, peças consumidas e serviços terceiros nas ordens de
serviço, extrair o custo com a mão-de-obra empenhado na execução das ordens de serviço.
Será possível a extração de:

● Relatório e gráficos de custo geral das OS`s;


● Custo por Funcionários;
● Custo por itens da OS.

5.2 - Relatórios e Gráficos 

Outra função do analista de planejamento da manutenção e também da coordenação é


analisar os gráficos e relatórios industrias. De nada adianta coletar as informações e inserir no
sistema se não sabemos como nem quais os tipos de relatórios, gráficos e KPI`s disponíveis.
Para um bom gerenciamento tudo deve ser controlado e medido. Quem não mede não
gerencia! Aonde estou e para onde quero ir? Qual o seu objetivo na manutenção? Com essas
respostas em mãos ficará mais fácil de você encontrar o que procura nesses módulos.

“Se você não sabe para aonde vai, todos os caminhos levam para lugar
nenhum” Henri Kissinger

110
5.2.1 - Check da Mantenabilidade e Relatórios 

Nestas colunas encontraremos relatórios que versam sobre os trabalhos realizados


pelos funcionários de manutenção, situação dos ativos e situação da manutenção ante a
execução dos serviços, tais como:

● Histórico do trabalho do funcionários;


● Tempo de trabalho em horas extras;
● Tempo improdutivo no trabalho dos funcionários;
● Eficiência dos funcionários na realização dos serviços de manutenção;
● Prazos e pendências;
● Total de horas trabalhadas por funcionário;
● Certificado de manutenção;
● Análise de equipamento;
● Desempenho da Manutenção.

A extração de relatórios gerenciais ocorrerá de maneira simples no sistema, através da


combinação de tabelas o usuário poderá criar inúmeros relatórios a partir dos botões oferecidos
pelo sistema.

Imagem 142 - filtros de pesquisa de relatórios

Conforme imagem acima é possível trabalhar com até três (3) campos de filtro para a
obtenção do resultado desejado. Após selecionar o filtro indique a situação da OS e o período a
ser consultado.

111
Imagem 143 - impressão do relatório de OS

5.2.2 - Gráficos e KPI`s 

Nestas colunas o usuário poderá contar com uma série de funções que lhe permitirão
extrair indicadores de desempenho dos ativos, efetuar análises de causa raiz, Tempo total de
parada de máquinas taxa de ocupação da manutenção e etc.
Abaixo alguns exemplos de gráficos de análise e comparação dos tipos de OS ocorridos em
determinado período.

- Comparativo de Tipo de OS

Imagem 144 - gráfico comparativo por tipo de OS

- Indicador de Disponibilidade de Máquina pela manutenção

112
Imagem 145 - gráfico de disponibilidade de máquina

- Tempo Médio Entre Falhas X Máquina

Imagem 146 - gráfico de MTBF

CAPÍTULO

6

PILAR ACTION / ADJUST
Neste pilar do SIGMA PDCA encontraremos uma série de ajustes que permitirão maior
aderência do sistema a realidade de cada cliente as configurações e permissões que você
pode habilitar torna o sistema mais adequado a rotina de trabalho da sua empresa.

6.1 - Nivelamento de Acessos

113
Imagem 148 - Fluxo de configuração do nivelamento de acesso
O primeiro passo será a definição dos níveis de acesso ao sistema onde por padrão o
nível zero (0) é o nível de administrador e do nível um (1) em diante limitaremos os acessos a
certas funções do sistema, conforme o exemplo abaixo:

Em seguida, no sistema, nivelaremos TODAS as funções (Inclusão, exclusão, consulta,


alteração, entrada e Assist. de Campos) de todas as tabelas para o nível 1;

114
Imagem 149 - parametrização dos níveis de acesso

Após realizar este processo o próximo passo será o nivelamento individual das telas
que deverão ser acessadas por cada nível de usuário.

Imagem 150 - parametrização dos níveis de acesso

A imagem acima mostra que os usuários de nível 1 não poderão efetuar a exclusão de
nenhum item dentro da tela de Cadastro de Preventiva. Com a realização deste processo de
nivelamento o sistema passará a restringir as funções de acordo com o perfil (nível de acesso)
de cada usuário SIGMA.

6.2 - Criação de Usuários e Senhas de Acesso 

Para criar um novo usuário de acesso ao SIGMA deve-se acessar o botão


Usuários/Senhas e clicar ENTER para que o sistema habilite os demais campos. Deverão ser
preenchidos os campos:

● Nome;

115
● Usuário;
● E-mail;
● Senha e confirmação da senha;
● Nível, onde definiremos o nível de acesso do usuário ao sistema;

Abaixo poderemos inserir dados adicionais ao cadastro do usuário, como:


● Setor e Funcionário que será vinculado a este usuário;
● Assinatura digital, que será utilizada para algumas requisições como aprovação de OS
e de RM`s;
● Telefone para recebimento de SMS`s informativos.

Imagem 147 - tela de criação de usuários

6.3 - Parâmetros do Sistema 

Os parâmetros do sistema possibilitarão ao usuário a realização de diversas


configurações que serão úteis para a adequação do sistema a suas necessidades. Abaixo
relacionaremos algumas das configurações mais utilizadas pelos usuários.

116
6.3.1 - Tipos de Impressão 

O sistema permite a alteração dos formulários de impressão de OS, sendo 6 modelos


de impressão para OS`s Corretivas, 7 modelos de impressão para OS`s Preventivas e 4
modelos para impressão de Checklist. Para verificar os modelos de impressão acesse:

1. Pilar ACTION;
2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do sistema;
4. Aba Parâmetros da OS > Impressão > Opções de Impressão > Opções de relatórios >
Modelos.

Imagem 151 - tela de seleção do modelo de relatórios de impressão

6.3.2 - Envio de E-mails Automáticos 

Esta função possibilitará que após uma abertura de uma Solicitação de Serviço,
Abertura de Ordens de Serviço e Conclusão de Ordem de Serviço. Para verificar esta função,
acesse:

117
1. Pilar ACTION;
2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do sistema;
4. Aba Parâmetros da OS > Parâmetros de e-mail.

Imagem 152 - parâmetro para envio de e-mail

Após efetuar as configurações de e-mail de saída devemos cadastrar os e-mails


destinatários que poderão receber as informações sobre a abertura de SS`s e OS`s e
conclusão de OS`s.

6.3.3 - Codificação da OS 

O SIGMA permite que o usuário altere a forma de codificação das OS, podendo estas
ser de dois tipos:

- Código sequencial simples. Ex: 2516;


- Código sequencial agregado. Ex: IND-2516-15, onde IND são 3 caracteres escolha do
usuário, 2516 código sequencial da OS e 15 refere-se aos 2 últimos dígitos do ano
vigente.
Para verificar esta função, acesse:

118
1. Pilar ACTION;
2. Coluna Parâmetros;
3. Botão Parâmetros do sistema;
4. Aba Parâmetros da OS > Abertura de OS.

Imagem 153 - Parâmetro de código de OS

6.3.4 - Filtro de Abertura de SS 

Esta função permitirá a limitação dos solicitantes para a abertura de solicitações de


serviço somente para o Departamento, Setor ou Centro de Custo no qual o solicitante está
vinculado. Desta forma os erros na abertura de solicitações são minimizados e otimiza-se o
tempo na abertura de SS`s.

Para verificar esta função, acesse:

1. Pilar ACTION;
2. Coluna Parâmetros;

119
3. Botão Parâmetros do sistema;
4. Aba SS > Sub-aba Geral.

Imagem 154 - parâmetro para filtro de abertura de SS

6.4 - Ajuste de Tabela 

Nesta coluna o usuário contará com configurações mais avançadas no sistema que
permitirão a realização de backup / Restauração de banco, alteração de códigos e realização
de pesquisas avançadas no sistema.

6.4.1 - Atualização em Grupo 

Esta função permitirá a alteração de códigos de diversas funções do sistema. Para


verificar esta função, acesse:

1. Pilar ACTION;
2. Coluna Ajuste de Tabelas;
3. Botão Atualização em grupo.

Ao acessar este botão o usuário poderá inserir um novo código para o ativo ou setor
sem que seja necessário proceder com a exclusão ou ter perda de histórico.

120
Imagem 155 - tela de atualização em grupo

Após inserir o novo código clique em “Atualizar” e automaticamente o sistema atualizará


os códigos antigos em todas as tabelas onde este código existe.

6.4.2 - SIGMA SQL 

Esta função permitirá ao usuário a extração de quaisquer relatórios dentro do sistema,


relatórios personalizados. Para verificar esta função, acesse:

1. Pilar ACTION;
2. Coluna Ajuste de Tabelas;
3. Botão SIGMA SQL.

Nesta tela, ao lado esquerdo da mesma, o usuário encontrará o nome de todas as


tabelas do SIGMA, e também ao lado direito da tela é possível encontrar informações básicas
para a geração de comandos que permitirão a extração de dados.

Imagem 156 - tela de pesquisa SQL

121
6.4.3 - Configuração de Pesquisa Personalizada 

Ainda na tela SIGMA SQL será possível gravar as pesquisas personalizadas para que a
mesma seja realizada inúmeras vezes sem que seja necessário descrever a pesquisa
novamente.
Para criar uma nova pesquisa, siga os seguintes passos:

1. Clique em ”Nova Pesquisa";


2. Insira a descrição da pesquisa;
3. Digite a pesquisa personalizada.

Imagem 157 - tela de pesquisa personalizada em SQL

Após configurar as pesquisas o usuário poderá recorrer a elas a qualquer momento


através do clique em qualquer botão do sistema com o botão direito do mouse.

122
Imagem 158 - acesso ao SQL de qualquer tela

CAPÍTULO

7

ESTOQUE

Neste capítulo será apresentado como no sistema Sigma é realizado os cadastros de


itens interligados ao estoque de materiais da manutenção, como é gerenciado, as técnicas
utilizadas para armazenagem, os objetivos e a extração de relatórios gerenciais.

7.1 - ​Técnicas para o Controle de Estoque 

O almoxarifado de uma indústria é um dos departamentos mais importantes da


empresa, pois ele interfere diretamente nos processos de produção e de manutenção de
equipamentos, fornecendo a matéria-prima e sobressalentes para ambos os departamentos. A
comunicação rápida e clara entre estes três departamentos é indispensável. A determinação do
fluxo de solicitação, retirada e devolução de materiais deve ser bem clara e seguida de maneira
correta por todos os funcionários.

Objetivos do controle de estoque da manutenção:

● Melhorar a confiabilidade dos equipamentos;


● Melhorar o atendimento (diminuir o tempo de máquina parada);
● Reduzir custos.

123
Em todas as indústrias e dentro da nova filosofia da manutenção, o estoque é um dos
principais alvos de melhorias e certamente incluso nas discussões sobre redução de custos e
organização de logística nas empresas. Para que o setor de estoques esteja sempre alinhado
com as necessidades de demanda da empresa, mas nunca saturado por altos estoques de
materiais e sobressalentes, algumas novas políticas de estoque de sobressalentes devem ser
aplicadas.

Podemos incluir como condições desejáveis as seguintes ações:

● 100% de confiabilidade no controle de estoque;


● Giro do estoque > 1 por ano;
● Eliminação de materiais sem consumo; Materiais e sobressalentes em consignação;
● Parcerias estratégicas com fornecedores.

A disponibilidade de sobressalentes no Almoxarifado compromete o desempenho dos


serviços realizados pela Manutenção, e coloca em risco a confiabilidade de produção da
Planta.Tem sido comum a reutilização de componentes já comprovadamente desgastados, e a
desmontagem de equipamentos em estoque para retirada de componentes. Isto promove a
“canibalização” das instalações, comprometendo a confiabilidade. Implantamos um controle
paralelo ao Almoxarifado para tentar agilizar e identificar com maior antecedência a falta destes
itens.

Os fluxos a seguir demonstram como o setor de estoques e de compras está interligado


com o setor de manutenção poderemos analisar este ciclo para proceder da melhora organizar
estes setores em nossa empresa.

7.2 - Cadastro de Peças 

Para iniciar o cadastro de peças é necessário acessar o módulo Estoque e pressionar o


botão peças. Para cadastrar uma nova Peça:

1. Clique dentro do campo Peças e digite o código que será cadastrado;


2. Pressione um <enter> para dar continuidade ao cadastro e iniciar o cadastro da peça;
3. Descreva a peça e informe um valor unitário;
4. Informe os valores para estoque mínimo, padrão e máximo.

Estes cadastros são básicos para o correto cadastramento da peça.

124
Após informar estes dados, clique em “SALVAR” para que a nova peça seja registrada
no sistema. Estas peças após correto cadastramento poderão ser vinculadas em OS`s
corretivas e preventivas, cadastro de Máquina, TAG e Equipamentos, sintomas nos quais
essas peças serão utilizadas sempre que o problema ocorrer.

7.3 - Movimentação e Histórico de Movimentação de Peças 

7.3.1 - Histórico de Movimentação 

Este recurso permite auxiliar no acompanhamento da movimentação das peças do


estoque – as entradas, saídas e devoluções de peças e todo o seu histórico. Este recurso é
utilizado para pesquisa e impressão de relatórios. Este relatório está localizado na coluna
Estoque, botão Histórico de Movimentação de Peças.

125
7.3.2 - Movimentação de Peças 

Recurso localizado na coluna Estoque, através dos botões Entrada de Peças, Saída de
Peças e Devolução de Peças será efetuada toda a sua movimentação. A impressão de
qualquer movimentação será feita no Histórico de Movimentação de Peças.

Entrada: É realizada sempre após se efetuar uma compra a fim de se manter o registro dos
itens existentes em estoque.
Saída: Realizada sempre que uma peça for retirada do estoque com o objetivo de atender a
uma demanda de serviço.
Devolução: Após a saída de uma peça, caso a mesma não tenha sido utilizada deverá retornar
ao seu local de estoque.

126
CAPÍTULO

8

MANUTENÇÃO MONITORADA

O conceito de manutenção Monitorada foi criado com base nos recursos desenvolvidos
pela Rede Industrial (SIGMA PDCA + CLP Virtual + Monitor PC). Esta técnica preconiza o
monitoramento constante e em tempo real de processos baseando-se na utilização de
equipamentos eletrônicos com as características do Monitor PC, que geram informações, em
tempo real para que o CLP Virtual SIGMA seja programado por qualquer técnico de
planejamento de manutenção - PCM, de forma que associado e coordenado pelos dados
históricos de manutenção fornecidos pelo SIGMA passe a existir uma poderosa ferramenta de
gestão da manutenção.

127
8.1 - Monitor PC 

O Monitor PC é uma solução integrada de hardware e software que atua no


monitoramento e registro de atividades/alterações de dispositivos e equipamentos diversos
com o uso de sensores.

O princípio de funcionamento é simples e se baseia no registro em banco de dados do


software nas alterações de estado de ativo/inativo das portas monitoradas e conectadas aos
dispositivos. Partindo deste princípio, através do software é possível disponibilizar a informação
de status e histórico das atividades em dispositivos móveis como smartphones e tablets, além
de possuir formato simplificado de armazenamento da informação em arquivo de texto que
permite a integração com sistemas de gerenciamento de manutenção como o SIGMA - ​Sistema
Gerencial de Manutenção​, por exemplo e ERP’s de aplicações diversas.

Também através do monitoramento das portas conectadas é possível gerar notificações


via email, SMS ou alarmes luminosos e sonoros em caso de eventos ou anomalias diversas
permitindo que gestores de Manutenção e produção tenham conhecimento da situação de seus
ativos independente de onde estejam e em tempo real.

8.2 - CLP Virtual 

O CLP (Controlador Lógico Programável) VIRTUAL, desenvolvido pela Rede Industrial ​é


desenvolvido em JAVA e integrado a todos os recursos do SIGMA, permitindo que os usuários
SIGMA tenha 100% de automação no monitoramento e acionamento da manutenção, em
função dos sintomas que suas máquinas ou linha de produção apresenta. ​É capaz de
armazenar programações para implementação de funções de controle (sequência lógica,
temporização e contagem, por exemplo), além de realizar operações lógicas e aritméticas,
manipulação de dados e comunicação em rede, sendo utilizado no controle de sistemas
automatizados pelo Monitor PC.

128
Assim, ele possibilita a programação de ações do Monitor PC, baseadas na leitura e
processamento dos dados coletados pela interface, com uma infinidade de possibilidades
lógicas, obtendo assim um ótimo desempenho na automação do processo.

8.3 - Exemplos de Aplicações 

Abaixo citamos exemplos para algumas aplicações para o monitoramento de


manutenção dos ativos, permitindo que a manutenção seja pró-ativa em função das análises
efetuadas sobre a condição da máquina, minimizando perdas de produto, tempos de parada de
máquina, aumentando a disponibilidade da planta, confiabilidade do processo e eficiência de
manutenção.

129
8.3.1 - Monitoramento de Máquinas de um Processo: 

Passo 01 - Monitoramento contínuo de vibração de motores de Máquinas de um processo


com notificações diárias sobre o status dos ativos monitorados;

Passo 02 - Caso a vibração ultrapasse o valor pré estabelecido pelo usuário o sistema verifica
a criticidade do ativo (escala de “0” a “10”);

Passo 03 - Caso a criticidade seja maior que 5, automaticamente abra uma Ordem de Serviço
Corretiva emergencial, pare a máquina 001 e acione a máquina 004 (Stand-by). Consulte a
disponibilidade dos mecânicos com especialidade “X” e vincule a ordem de serviço para o
mecânico que não esteja envolvido em outra OS emergencial. Envie e-mail e SMS para os
gestores da Manutenção e Produção.

Passo 04 - Caso a criticidade seja menor que 5, verifica se há alguma manutenção preventiva
agendada para os próximos 7 dias.

Passo 05 - Caso haja manutenção preventiva agendada, gere automaticamente a Preventiva e


envie e-mail e SMS para os gestores da Manutenção e Produção.

Passo 06 - Caso não haja manutenção preventiva para os próximos 7 dias, gere
automaticamente uma Ordem de serviço Corretiva Programada e envie e-mail e SMS para os
gestores da Manutenção e Produção. Consulte a disponibilidade dos mecânicos com a
especialidade “X” e vincule a ordem de serviço para algum dos mecânicos que não estejam
envolvidos em outras OSs emergenciais.

130
131