Você está na página 1de 120

Revelações

Sangues azuis reservam três

Melissa de la o Cruz

[v0.9 esquadrinharam & Spellchecked por the_usual de dt]


CONTEÚDOS
Um
Dois
Três
Quatro
Cinco
Seis
Sete
Oito
Nove
Dez
Onze
Doze
Treze
Quatorze
Quinze
Dezesseis
Dezessete
Dezoito
Dezenove
Vinte
Vinte e um
Vinte e dois
Vinte e três
Vinte e quatro
Vinte e cinco
Vinte e seis
Vinte e sete
Vinte e oito
Vinte e nove
Trinta
Trinta e um
Trinta e dois
Trinta e três
Trinta e quatro
Trinta e cinco
Trinta e seis
Trinta e sete
Trinta e oito
Trinta e nove
Quarenta
Quarenta e um
Quarenta e dois
Quarenta e três
Quarenta e quatro
Quarenta e cinco
Epílogo
Reconhecimentos
Para Mike & Mattie, sempre E para Stephen Green e Raposa de Carol, meus
fãs mais "velhos"

O maior teste de coragem é agüentar derrota sem coração perdedor.


.Robert G. Ingersoll

O você era um vampiro e eu nunca posso ver a luz


.Concrete Blonde, "Sangria"

Agora guerra surgiu em céu,


O Michael e os anjos dele que lutam contra o dragão; e o dragão e os anjos
dele lutaram, mas eles eram derrotados e havia nenhum mais longo qualquer lugar
para eles em céu."Mas aflição para você, terra de O e mar, porque o diabo se reduziu a
você em grande ira, porque ele sabe que o tempo dele é curto!"
.Revelation 12:7-12

A BATALHA DE CORCOVADO

Ela observou e viu o Lawrence prendeu em uma luta feroz com o adversário
dele. A espada dele caiu ao chão. Sobre ele ameaçou o branco, presença esplendente.
Era tão luminoso estava encobrindo, como olhar no sol. Era o Lightbringer. O
Morningstar.
O sangue dela gelou.
"Schuyler!" A voz de Oliver estava rouca. "Mate!"
Schuyler elevou a espada da mãe dela, viu isto refletindo no luar, um cabo
longo, pálido, mortal. Elevado isto na direção do inimigo. Corrido com todos seu poder
e empurrou a arma dela para o coração dele.
E perdeu.

ARQUIVO DE GRAVAÇÕES AUDITIVO:


Repositório de história
DOCUMENTO CLASSIFICADO:
Liberação de Altithronus só
Cópia de relatório de Venator arquivou 1/5

som assobiando", então um trinco audível»


Eu afiancei posição em Área Designada e começarei investigação em morte por
consumo de Augusta Carondolet. Vítima foi achada escoada em boate de Nova Iorque,
O Banco, completamente. As pessoas seguintes de interesse estavam na área na noite de
ataque:
Schuyler Van Alen: Mestiço, pai mortal de nenhuma distinção; Mãe: Allegra
Van Alen (Gabrielle); Quinze anos de idade.
Felicidades Llewellyn: Filha de ciclo de Senador Forsyth Llewellyn; Registros
de nascimento indicam a mãe não mencionado (este correto É?); Quinze anos de idade.
Madeleine Force: Filha de ciclo de Charles Force (Michael) e Força de Fardo de
Trindade; Dezesseis anos de idade. Irmão Benjamim Force gêmea também em
vizinhança a noite de 9/12, contudo foi afastado de lista suspeitosa como confirmado ele
tinha desocupado os locais antes do ataque. Situação EXTREMAMENTE DELICADA
como este suspeito é a filha de Régis atual. Não descubra lista suspeitosa a Régis até
completamente confirmado.
Suspeito inicial, Dylan Ward, ainda a grande; onde: desconhecido.

Um

Em manhã cedo e amargamente fria em fim de março, Schuyler Van Alen se


deixou dentro das portas de copo do Duchesne School, enquanto sentindo aliviou como
ela entrou na passagem de entrada de barril-teto elevada dominada por um John Singer
imponente retrato de Sargent dos fundadores da escola. Ela manteve o capuz do
agasalho encapuzado pele-aparado dela em cima do cabelo escuro grosso dela, enquanto
preferindo anonimato em lugar de as saudações casuais trocaram por outros estudantes.
Era estranho pensar na escola como um porto, uma fuga, um lugar que ela
esperou ir. Para tão longo, Duchesne, com seus chãos marmóreos brilhantes e vistas
extensas de Parque Central, não tinha sido nada menos que uma câmara de tortura. Ela
teve dreaded que caminha para cima a escadaria principal, sentia miserável dentro seu
inadequadamente salas de aula aquecidas e até mesmo conseguiu menosprezar o
terrazzo deslumbrante ladrilha no refeitório.
A Schuyler escolar freqüentemente sentia feio e invisível, embora os olhos azuis
profundos dela e características de Dresde-boneca delicadas desmentiram isto. Todos
sua vida, os colegas prósperos dela tinham a tratado como uma extravagância, um
outcast.unwanted e intocável. Até mesmo se a família dela fosse um do mais velho e a
maioria nomes ilustres na história da cidade, tempos tinham mudado. O Van Alens, uma
vez um clã orgulhoso e prestigioso, tinha encolhido e tinha murchado durante os
séculos, de forma que eles estava agora praticamente extinto. Schuyler era um do
último.
Durante algum tempo, Schuyler tinha esperado o retorno do avô dela de exílio
mudaria a presença de that.that Lawrence na vida dela significaria ela era nenhum mais
longo só. Mas essas esperanças eram desapontadas quando Charles Force a levar longe
do arenito roto em Passeio Beira-rio, a única casa
ela alguma vez tinha sabido.
"É você indo mover ou eu tenho que fazer algo
sobre isto?"
Schuyler começou. Ela não tinha notado que ela tinha estado de pé em uma
ofuscação em frente ao baú dela e o um sobre isto. Os sinos que sinalizam o começo do
dia estavam tinindo de modo selvagem. Atrás do Mimi Force estado de pé dela, o
companheiro de casa novo dela.
Não importa como fora de lugar Schuyler sentia na escola, não era nenhuma
comparação à geada ártica que ela resistiu diariamente na casa de cidade principal das
Forças em frente ao Museu Metropolitano. A Duchesne, ela não teve que escutar Mimi
que troveja sobre ela todos os segundos do dia. Ou pelo menos só aconteceu todo
poucas horas. Nenhuma maravilha Duchesne sentia dando boas-vindas ultimamente
assim.
Embora Lawrence Van Alen fosse agora Régis, cabeça dos Sangues Azuis, que
ele tinha sido impotente para parar o processo de adoção. O Código dos Vampiros
estipulou uma aderência rígida a leis humanas, manter os Sangues Azuis protegido de
escrutínio não desejado. Nela vão últimos e testamento, a avó de Schuyler tinha a
declarado uma matéria secundária emancipada, mas em um movimento manhoso, os
advogados de Charles Força tinham competido suas doutrinas no Sangue Vermelho
tribunais. Os tribunais acharam no favor deles/delas e o Charles tinha sido nomeado o
testamenteiro da propriedade, Schuyler premiado como parte do pacote.
"Bem?" Mimi ainda estava esperando.
"Oh. Uh. Arrependido", Schuyler disse, enquanto agarrando um livro de ensino
e movendo aparte.
"Arrependido é certo", Mimi estreitou a esmeralda dela olhos verdes e deu para
Schuyler um olhar desprezativo. O mesmo olhar que ela tinha dado ontem à noite para
Schuyler pela mesa de jantar e o mesmo olhar que ela tinha dado para Schuyler quando
eles tinham batido em um ao outro no corredor que manhã. O olhar disse: O que está
fazendo você aqui? Você tem nenhum direito para existir.
"O que fiz já eu a você?" Schuyler sussurrou, enquanto comprimindo um livro
na bolsa de tela usada dela.
"Você economizou a vida dela!"
Mimi luziu ao ruivo notável que tinha falado.
Felicidades que Llewellyn, transplante texano e assistente de Mimi anterior,
cegaram atrás. As bochechas de felicidades eram tão vermelhas quanto o cabelo dela.
"Ela salvou sua pele em Veneza e você faz nem mesmo tenha a decência para
agradecer!" Era uma vez Felicidades tinham sido a sombra de Mimi, feliz da seguir todo
diretiva, mas uma confiança tinha quebrado entre os dois amigos anteriores desde o
último Sangue Prateado ataque, quando Mimi tinha sido revelado como um legando, se
ineficaz, conspirador. Mimi tinha sido condenado para queimar, até que Schuyler tinha
vindo à ajuda dela à tentativa de sangue.
"Ela não economizou minha vida. Ela contou a verdade somente. Minha vida
nunca estava em perigo", Mimi respondeu como ela correu uma escova de cabelo
prateada pelo cabelo bom dela.
"A" ignore, Felicidades contaram Schuyler.
Schuyler sorriu, enquanto sentindo mais valente agora que ela teve auxílio. "É
duro fazer. Está como fingir efeito estufa não exista." Ela pagaria depois por aquele
comentário, ela soube. Haveria seixos no cereal dela. Piche preto nas folhas dela. Ou o
desaparecimento de inconvenience.the mais novo de contudo outro dela que encolhe
bens rapidamente. Já ela estava perdendo o medalhão da mãe dela, as luvas de couro
dela e uma cópia marcada com dobras amada de Kafka é A Tentativa, se inscreveu na
primeira página com as rubricas "J. F."
Schuyler seria o primeiro em admitir que o segundo quarto de convidado na
mansão das Forças (o primeiro permanecido reservado para dignitários visitante) quase
não era o armário debaixo das escadarias. O quarto dela estava graciosamente enfeitado
e suntuosamente designou com tudo o que uma menina poderia querer: uma cama de
rainha-tamanho de quatro colunas com um edredão semelhante a um travesseiro,
armários cheio de roupas de desenhista, um centro de entretenimento de alto-fim, dúzias
de brinquedos para Beleza, o sabujo dela e um featherlight novo Ar de MacBook. Mas
se a casa nova dela fosse rica em presentes materiais, faltou o charme do velho.
Ela perdeu o quarto velho dela, com suas paredes Orvalho-amarelas Montesas e
escrivaninha raquítica. Ela perdeu a sala de estar amortalhada parda. Ela sentiu falta de
Hattie e Julius que tinham estado com a família desde que ela era uma criança. Ela
sentiu falta do avô dela, claro que. Mas a maioria de tudo, ela perdeu a liberdade dela.
"Você aprova?" Felicidades perguntaram, enquanto a cutucando. Schuyler tinha
voltado de Veneza com um endereço novo e um aliado inesperado. Enquanto ela e
Felicidades sempre tinham sido amigáveis, agora eles eram quase inseparáveis.
"Sim. Eu sou usado a isto. Eu poderia a levar em uma briga de gaiola." Schuyler
sorriu. Felicidades vendo na escola eram um das suspensões pequenas de felicidade que
Duchesne dispôs.
Ela levou de volta o sinuoso escadarias, enquanto seguindo o fluxo das pessoas
que encabeçam na mesma direção, quando fora do canto do olho dela ela viu o mais nu
chameja e soube. Era ele. Ela não teve que olhar saber ele estava entre a multidão de
estudantes que caminham o modo oposto. Ela sempre poderia o sentir, como se os
nervos dela fossem afinados receptores de antennae para cima os que escolheram
sempre que ele estava próximo. Talvez era o vampiro nela, enquanto lhe dando a
habilidade para contar quando outro era íntimo por, ou talvez não teve nada que ver com
os poderes de outro mundo dela nada.
Jack.
Os olhos dele foram focalizados para frente, como se ele a visse nunca até
mesmo, nunca registrou a presença dela. O cabelo loiro macio e lustroso dele, a mesma
sombra translúcida como a irmã dele, foi alisado atrás da testa orgulhosa dele; e ao
contrário os outros meninos ao redor dele, vestido em graus variados de sujeira, ele
pareceu real em uma jaqueta esporte e gravata. Ele estava tão bonito era duro Schuyler
respirar. Mas da mesma maneira que à cidade house.Schuyler recusou chamar isto que
home.Jack a ignorou.
Ela snuck um mais relance o modo dele e então se apressou as escadarias. Copo
já tinha começado quando ela chegou. Schuyler tentou ser como moderado tão possível
quanto ela caminhou, fora de hábito, para os assentos de parte de trás pela janela. Oliver
Perigo-Perry estava lá sentado, dobrou o caderno dele por cima.
Mas ela se pegou só a tempo e moveu pelo quarto para sentar próximo ao
radiador tinindo, sem dizer oi para o melhor amigo dela.
Charles Force tinha feito isto claro: agora que ela estava debaixo do telhado
dele, ela teria que seguir as regras dele. A primeira regra era aquele Schuyler foi
proibido para ver o avô dela. A animosidade entre o Charles e Lawrence correu
profundamente, e não só porque o Lawrence tinha deslocado a posição de Charles no
Conclave.
"Eu não o quero enchendo sua cabeça de mentiras", o Charles tinha lhe falado.
"Ele pode reger o Coven, mas ele não tem nenhum poder em minha casa. Se você me
desobedecer, eu prometo que você lamentará isto."
A segunda regra de viver às Forças era que lhe proibiram que associasse com
Oliver. Charles tinha sido apopléctico quando ele tinha descoberto que aquele Schuyler
tinha feito o Oliver (o Canal designado dela) o humano dela familiar. "Em primeiro
lugar, você é muito muito jovem. Secundariamente, é anátema. Desagradável. Canais
são os criados. Eles são not.they não cumprem os serviços de familiars. Você tem que
levar um humano novo imediatamente e cortar todas as relações com este menino."
Se apertou, ela admitiria invejosamente aquele Charles tinha razão
provavelmente. O Oliver era o melhor amigo dela e ela tinha o marcado como o próprio
dela, tinha levado o sangue dele em seu e tinha havido conseqüências às ações dela. Às
vezes ela desejou que eles pudessem voltar para o modo que eles estavam antes de tudo
se tornou tão complicado.
Schuyler não teve nenhuma idéia por que o Charles se preocuparia quem ela a
fez familiar de qualquer maneira, desde que as Forças tinham suprimido a prática
antiquada de manter Canais humanos. Mas ela seguiu as regras à carta. Até onde
qualquer um pudesse ver, ela não teve nenhum contato absolutamente com Lawrence e
tinha se contido de executar o Beijo Sagrado com Oliver.
Havia tantos coisas na vida nova dela que ela pôde e não pôde fazer.
Mas havia alguns lugares onde as regras não se aplicaram. Em algum lugar
aquele Charles não teve nenhum poder. Em algum lugar Schuyler poderia estar grátis.
Isso é que esconderijos secretos eram para.

Dois

Força de Mimi gostou do som de estiletes em mármore. O patente-couro dela


que Jimmy Choos fez um trinco satisfatório, clique, estrépito que arremedou pelo salão
de entrada inteiro da Torre de Força. As sedes novas brilhantes do império de mídia do
pai dela incluíram vários edifícios no meio de midtown Manhattan. Os bancos de
elevador vislumbrando vomitaram uma tripulação de "Forcies ".the regularmente os
empregados bonitos das mídia de Força os editores de organization.design, editores de
moda, editores de estilo de vida, que encabeçam fora almoçar reuniões a Michael ou em
carros de cidade que os escoltariam a vários compromissos ao redor da cidade. Eles
eram um grupo bem-vestido, com faces semelhantemente beliscadas, como se o
deles/delas perpetuamente horários ocupados não lhes deixaram tempo sorrir. Mimi
misturou direito dentro.
Ela tinha só dezesseis anos, mas como ela caminhou pela multidão, além do
salão de entrada e no nicho escuro que escondeu um elevador que só poderia ser
acessado por um segredo e chave de irreproducible, ela sentia inacreditavelmente velho.
Ela se lembrou quando a Torre de Força tinha sido batizada o Van Alen originalmente
Edifício. Durante anos tinha se levantado como uma mera fundação de três andares,
desde que sua torre planejada nunca tinha sido construída depois do Estrondo de 1929 e
a Grande Depressão. Ano só passado fez a companhia do pai dela construção finalmente
completa de acordo com os planos velhos e batizou o edifício com um nome novo.
Mimi deu uma olhada e discretamente enviou uma ignorar-sugestão forte a
qualquer um que quase poderia vir. Ela achou a maçaneta e apertou o dedo dela contra a
fechadura, enquanto picando isto de forma que isto puxou sangue. A análise de sangue
na fechadura fundamental não era o último em tecnologia de segurança, mas um
antediluviano. O sangue dela estava sendo analisado e comparou a arquivos de ADN no
repositório; uma partida confirmaria isso que só um verdadeiro Sangue Azul estava no
portão. O sangue não pôde ser duplicado nem poderia ser extraído. Sangue de vampiro
desapareceu uma vez dentro de minutos expostos ao ar.
O whooshed de portas abrem silenciosamente e Mimi tirou o elevador. Que
Sangues Vermelhos não souberam era que em 1929, o edifício tinha sido construído a
completion.except para cima o que estendeu para baixo em vez de.
A torre era de fato um "corescraper que estrutura de .a" construiu debaixo do
chão, enquanto construindo túnel até o caroço do planeta, em lugar de para cima para o
céu. Mimi assistiu como desceram os chãos. Ela foi cinqüenta, então cem, então
duzentos, então mil pés debaixo da superfície. No passado, os Sangues Azuis tinham
vivido subterrâneo para esconder do Sangue Prateado deles/delas os atacantes. Agora
Mimi entendeu que Charles Force tinha significado quando ele zombar aquele
Lawrence e Cordelia teria os vampiros que "bajulam uma vez mais em cavernas."
Finalmente o elevador parou e a porta abriu. Mimi acenou com a cabeça ao
Canal à escrivaninha. O Sangue Vermelho se assemelhou a um rato de verruga cego,
enquanto olhando como se ele não tivesse visto o sol muito tempo dentro. Bastante
como as falsas lendas perpetuadas sobre vampiros, Mimi pensou com diversão.
Ela poderia sentir as custódias, as proteções pesadas colocaram ao redor da área.
Era suposto que isto era os Sangues Azuis a maioria segredo e porto seguro. Lawrence
levou grande prazer na torre nova brilhante, conspícua que tinha sido construída em
cima disto. "Nós estamos escondendo em visão clara!" ele tinha rido. O Repositório de
História tinha sido movido recentemente para vários dos chãos inferiores. Desde o
ataque, a toca debaixo do clube tinha sido abandonada. Mimi ainda sentia culpado ao
que tinha acontecido lá. Mas não era a falta dela! Ela não tinha pretendido trazer algum
real dano. Ela tinha querido há pouco Schuyler fora do modo. Talvez ela tinha sido
ingênua. Nenhuma necessidade para demorar agora naquele pensamento.
"Noite, Madeleine", uma mulher elegantemente vestido em um terno de Chanel
chique a cumprimentou educadamente.
"Dorothea." Mimi acenou com a cabeça, enquanto seguindo o velha velho para o
quarto de conferência. Ela soube que vários sócios do Conclave não tinham sido agudos
na admissão dela para o círculo interno. Eles estavam preocupados ela ainda era muito
jovem e não a cargo das recordações cheias dela, a totalidade da sabedoria de todas suas
vidas passadas. O processo para a ego-atualização completa de um Sangue Azul
começou durante a transformação às quinze e continuou até o fim da pessoa é Anos de
Pôr-do-sol (ou aproximadamente vinte e um anos de idade), quando a concha humana
deu completamente, enquanto revelando o vampiro finalmente abaixo. Mimi não
desejou o que eles pensaram. Ela era cumprir um dever lá e se ela não se lembrasse de
tudo, ela se lembrou de bastante.
Ela estava lá porque o Lawrence tinha vindo tarde para a mansão de Força uma
noite, em seguida eles tinham voltado de Veneza, falar com Charles. Mimi teve a
conversação inteira em cima. Quando o Lawrence tinha assumido como Régis, o
Charles tinha resignado o assento dele voluntariamente no Conclave, mas o Lawrence
estava lhe urgindo que reconsiderasse.
"Nós precisamos de toda nossa força agora. Nós o precisamos, Charles. Não vire
sua parte de trás em nós." A voz de Lawrence era baixa e empedrada. Ele tossiu várias
vezes e o cheiro de doce tabaco do tubo dele tinha enchido o corredor fora do escritório
do pai dela.
Charles era inflexível. Ele tinha sido humilhado e tinha sido rejeitado. Se o
Conclave não o tivesse, ele não teria o Conclave. "Por que eles precisam de mim
quando eles o têm, Régis, o "Charles briga, como se até mesmo declaração seja
desagradável.
"Eu irei."
Lawrence tinha elevado uma sobrancelha somente ao descobrir Mimi que está
de pé em frente a eles. Charles também não tinha olhado surpreendido qualquer um.
Achando um modo por portas fechadas sempre tinha sido um dos talentos de Mimi, até
mesmo como uma criança jovem.
"Azrael", o Lawrence murmurou. "Você se lembra?"
"Não tudo. Não contudo. Mas eu me lembro de você.Avô", Mimi disse com um
sorriso.
"Isso é bastante para mim." Lawrence sorriu de certo modo isso não era o
Charles muito distinto é próprio. "Charles, é decidido. Mimi se sentará no Conclave. Ela
informará a você, como seu representante. Azrael, você é despedido."
Mimi tinha estado a ponto de protestar, até que ela percebeu ela tinha sido
glommed em deixar a guarida sem ela notar. O galeirão velho era inteligente. Mas nada
estava a parando de apertar uma orelha contra as portas.
"Ela é perigosa", o Lawrence estava dizendo suavemente. "Eu fui pegado de
surpresa para achar que você tinha chamado os gêmeos a este ciclo. Era realmente
necessário?"
"Como você dissesse, ela é forte." Charles suspirou. "Se há batalhe à frente,
como você nos quer tudo acreditar, Lawrence, que você a precisará em seu lado."
Lawrence bufou. "Se ela fica verdadeira."
"Ela sempre tem", o Charles disse nitidamente. "E ela não era o só um entre nós
que amou o Morningstar uma vez."
"Um erro sério que todos nós cometemos." Lawrence acenou com a cabeça.
Charles disse suavemente, "Não, não todos nós."
Mimi flutuou longe da porta. Ela tinha ouvido tudo que ela precisou ouvir.
Azrael. Ele tinha a chamado pelo real nome dela. Um nome que foi cauterizado
profundamente na consciência dela, fundo nos ossos dela, o mesmo sangue dela. Ela era
o que excluem o nome dela? Quando você estava vivo para milhares de anos, enquanto
levando um apelido novo depois de outro, nomes se tornaram como envoltura de
presente. Algo decorativo que você respondeu. Ocupe o nome dela neste ciclo, por
exemplo: Mimi. Era o nome de um socialite, uma mulher descuidada que gastou o
maxing de dias dela fora cartões de crédito e que só gostou de tratamentos de estância
termal e festas de jantar.
Escondeu a verdadeira identidade dela.
Porque ela era Azrael. Anjo de morte. Ela trouxe escuridão à luz. Era o presente
dela e a maldição dela.
Ela era um Sangue Azul. Como tinha dito o Charles, um do mais forte. O
Charles e Lawrence tinham estado falando sobre o fim de dias. O outono. Durante a
guerra com Lucifer, tinha sido Azrael e o gêmeo dela, Abbadon que tinha mudado a
sorte que tinha mudado o curso da última batalha. Eles tinham traído o príncipe
deles/delas e tinham unido o Michael, enquanto ajoelhando à espada dourada. Eles
tinham ficado verdadeiros à luz, embora eles fossem feito da escuridão.
Os seus tinham sido uma deserção crucial. Se não fosse para ela e Jack que
poderiam dizer quem teria ganho? O Lucifer seria o rei de todos os reis em um trono
divino se eles não o tivessem abandonado? E o que eles ganharam de qualquer maneira,
mas esta vida infinita em terra. Este ciclo infinito de reparação e absolvição. Para quem
e o que indenizaram eles? Deus igualou saiba eles existiram mais? Eles já recuperariam
o paraíso que eles tinham perdido?
Tinha valido a pena? Mimi desejou saber como ela levou o assento dela ao
Conclave, enquanto notando agora só os murmúrios entre os semelhantes dela.
Ela olhou onde Dorothea Rockefeller estava fitando. O choque quase lhe enviou
bobinando. Dentro do porto mais protegido, mais seguro dos Sangues Azuis, e sentado
próximo a Lawrence em um lugar de honra, era nenhum diferente de o Venator anterior
desgraçado, o Sangue Prateado traidor, Kingsley Martin.
Ele pegou o olho dela e dois dedos pontudos na forma de uma arma na direção
dela. E Kingsley que é o Kingsley, ele sorriu como ele fingiu apertar o gatilho.

Três

Ao contrário a maioria das salas de exposição dos desenhistas que estavam


enfeitado em estilo mínimo, quase clínico com quase não um arranjo floral se separar o
fascinantemente quartos brancos vazios, os interiores de mostruário que moraram a
coleção de Rolf Morgan se assemelharam aos quartéis confortáveis do clube de uns
cavalheiros antiquados: livros de couro-salto revestiram as estantes, enquanto foram
organizados cadeiras de clube agachadas e tapetes de shag confortáveis ao redor de um
fogo de crepitação. Rolf Morgan tinha vindo afamar vendendo o aluno de curso
preparatório, estilo de velho-menino para as massas, a criação mais onipresente dele que
uma camisa planície-de colarinho bordou discretamente com o logotipo dele: um par de
postigos de croque riscados.
Felicidades sentaram nervosamente em um das poltronas de couro, enquanto
equilibrando a pasta dela nos joelhos dela. Ela tinha tido que deixar escola cedo alguns
minutos para a fazer ir-vê compromisso, contudo tinha chegado achar o desenhista que
corre metade tarde uma hora. Típico.
Ela deu uma olhada aos outros modelos, todo o porte o mesmo americano
clássico que aspectos bons geralmente acharam em um "Croque por Rolf Morgan"
anúncio: bochechas queimado pelo sol, cabelo dourado, narizes de botão virado para
cima. Ela não teve nenhuma idéia por que o desenhista se interessaria por ela.
Felicidades se pareceram mais com uma menina de uma pintura pré-rafaelita, com o
cabelo ruivo cintura-longo dela, pele pálida e olhos verdes largos, que o tipo de menina
que se pareceu com ela tinha terminado há pouco um jogo despertador de tênis.
Entretanto novamente, Schuyler tinha reservado há pouco o espetáculo o outro dia ao
primeiro arremesso, tão talvez eles estavam procurando um tipo diferente de menina
este tempo.
"Eu posso o adquirir as meninas qualquer coisa? Água? Refrigerante de dieta?"
o recepcionista sorridente perguntou.
"Nada para mim, obrigado", Felicidades objetaram, enquanto as outras meninas
tremeram as cabeças deles/delas como bem. Era agradável ser perguntado, ser oferecido
algo. Como um modelo, ela foi usada a ser ignorada ou condescendeu para pelo pessoal.
Ninguém já era muito amigável. Felicidades comparadas ir-vêem compromissos às
inspeções de gados que o avô dela executava na fazenda. Ele conferiria os dentes da
ação, hooves e flancos. Foram tratados modelos há pouco igual cattle.pieces de carne
cuja foram pesados ativos e mediram.
Felicidades desejaram que o desenhista se apressasse e adquiriria isto em cima
de com. Ela tinha cancelado quase a reunião e só um senso fundo de obrigação para a
agência (e um medo leve do booker.a modelo dela homem de homossexual calvo,
imperioso que a mandou ao redor como ela fosse a escrava dele (e não ao contrário)
dela a manteve arraigado para o assento dela.
Ela ainda foi enervada pelo que tinha acontecido mais cedo na escola, quando
ela tinha tentado confiar em Schuyler.

"Há algo errado comigo", Felicidades disseram, por cima almoce no refeitório.
"O que quer dizer você? Você está doente?" Schuyler perguntou, enquanto
rasgando aberto uma bolsa de batatas fritas de jalapeno.
Eu estou doente? Felicidades desejaram saber. Ela sentia certamente
ultimamente doente. Mas era um tipo diferente de alma de sick.her sentido doente. "É
duro explicar", ela disse, mas ela tentou. "Eu sou, como, vendo coisas. Coisas ruins."
Coisas terríveis. Ela contou Schuyler sobre como tinha começado.
Ela tinha estado correndo abaixo o Hudson o outro dia e quando ela piscou, em
vez das águas plácidas, marrons do rio, tinha visto ela encheu de blood.red e viscoso e
agitando.
Então havia os cavaleiros que tinham trovejado no quarto dela um night.four
deles, em corcéis pretos altos, atrás de máscaras; eles pareceram sujos e cheiraram até
pior. Como morte viva. Eles tinham sido tão reais, os cavalos tinham deixado hoofprints
sujo no tapete branco. Mas a visão da outra noite tinha sido pior: bayoneted mima,
vítimas estripadas, freiras que penduram de cruzes, decapitaram. Foi em.
Mas a coisa mais amedrontadora no mundo?
Direito no meio de uma visão, um homem tinha se aparecido. Um homem em
um terno branco. Um homem bonito, com uma coroa de lustrar cabelo dourado e um
sorriso bonito que a esfriaram ao osso.
O homem tinha caminhado para o outro lado do quarto e tinha sentado próximo
a ela na cama.
"Felicidades", o homem tinha dito, enquanto pondo uma mão na cabeça dela
como uma bênção. "Filha."
Schuyler observou do sanduíche de atum dela. Felicidades desejaram saber
como Schuyler ainda teve um apetite para comida normal. Felicidades tinham perdido o
gosto há muito tempo para isto. Ela poderia se levantar comer o hambúrguer raro-cozido
dela apenas. Talvez era porque Schuyler era meio o humano. Felicidades alcançaram
para uma batata frita fora de curiosidade. Ela levou uma mordida. Era salgado e não
desagradavelmente picante. Ela levou outro.
Schuyler pareceu pensativo. "Certo, assim algum janota estranho o chamou a
filha dele, transação grande. Era há pouco um sonho. E como para todo o outro stuff.are
você seguro você há pouco não está ficando acordado muito tarde vigilância o Rob
filmes de Zumbi?"
"No.it há pouco." Felicidades tremeram a cabeça dela, aborrecido a não poder há
pouco dar como arrepiado este homem era. E como soou como ele estivesse lhe
contando a verdade. Mas como isso pudesse ser? O pai dela era Forsyth Llewellyn, o
senador de Nova Iorque. Ela desejou saber uma vez mais sobre a mãe dela. O pai dela
nunca falou da primeira esposa dele e há pouco alguns semanas atrás tinham sido
pegadas de surpresa Felicidades achar uma fotografia do pai dela com uma mulher loira
que ela sempre tinha assumido para ser a mãe dela se inscreveu na parte de trás com as
palavras "Allegra Van Alen."
Allegra era a mãe de Schuyler, o paciente letárgico mais famoso de New York
City. Se Allegra a mãe dela era, isso fez Schuyler a irmã dela? Embora, vampiros não
tiveram a família no Sangue Vermelho senso: elas eram as crianças anteriores de Deus,
imortal, sem reais mães e pais.
Forsyth somente era o "pai" dela durante este ciclo. Talvez isso era o mesmo
com Allegra. Ela tinha se contido de Schuyler revelador a descoberta dela. Schuyler era
protetor sobre a mãe dela e Felicidades eram muito tímidas para para reivindicar uma
conexão a uma mulher ela nunca tinha se encontrado até mesmo. Ainda, ela tinha
sentido um parentesco desde então a Schuyler ela fundaria a fotografia.
"Você ainda adquire those.you sabem, blecautes?" Schuyler perguntou.
Felicidades tremeram a cabeça dela. Os blecautes tinham parado a
aproximadamente o mesmo tempo que as visões tinham começado. Ela não soube o que
era pior.
"Céu, você já pensa em Dylan?" ela perguntou tentativamente.
"Todo o tempo. Eu desejo que eu soube o que aconteceu a ele", Schuyler disse,
enquanto escolhendo o sanduíche dela separadamente e comendo isto uma seção de
cada vez: pão primeiro, então uma concha de atum, então uma mordida da alface. "Eu
sinto falta dele. Ele era um amigo bom."
Felicidades acenaram com a cabeça. Ela desejou saber como ela poderia perfurar
o assunto. Ela tinha estado mantendo um segredo enorme para muito deseje agora.
Dylan quem todo o mundo tinha se rendido para morto que sido levado por um Sangue
Prateado que completamente desapareceu.tinha voltado, enquanto batendo pela janela
dela só duas semanas atrás e lhe contando as histórias mais ultrajantes. Desde então a
noite que ele tinha devolvido, Felicidades não souberam o que acreditar.
Dylan teve que ser completamente mental. Louco. O que ele tinha dito aquele
noturno. Há pouco não fez sentido, mas lhe convenceram era a verdade honesta do deus.
Ela nunca poderia o discutir disto e ultimamente ele tinha estado ameaçando para fazer
algo. Há pouco aquela manhã ele tinha estado seriamente enlouquecido. Delirando.
Gritando como um maníaco. Tinha sido duro assistir. Ela tinha o prometido ela vai.ela
vai.o que faria ela? Ela não teve nenhuma idéia.
"Felicidades Llewellyn?"
"Aqui", Felicidades responderam, enquanto estando de pé e comprimindo a
pasta dela debaixo do braço dela.
"Nós estamos prontos para você. Arrependido para a espera."
"Não um problema", ela disse, enquanto os dando o dela a maioria sorriso
profissional. Ela seguiu a menina em um quarto aéreo na parte de trás. Felicidades
tiveram que caminhar o que parecia como o comprimento de um campo de futebol
americano para alcançar a mesa pequena onde o desenhista estava sentado.
Sempre estava assim. Eles gostaram do assistir caminhe, e depois que você
dissesse oi, eles lhe pediriam há pouco se virar e caminhar novamente. Rolf estava
lançando para o espetáculo de Semana de Moda dele e sentado próximo a ele era o time
dele: uma mulher bronzeada, loira óculos escuros cansativos, um homem afeminado
magro e vários assistentes.
"Olá, Felicidades", Rolf disse. "Esta é minha esposa, Barulhento, e este é Cyrus
que está reunindo o espetáculo."
"Olá." Felicidades ofereceram a mão dela e tremeram o dele firmemente.
"Nós estamos bem informados com seu trabalho", Rolf disse, enquanto levando
um relance superficial às fotografias dela. Ele era um homem profundamente bronzeado
com cabelo de sal-e-pimenta. Quando ele cruzar os braços dele, os músculos dele
incharam. Ele se pareceu com vaqueiro, até as botas de jacaré feito sob encomenda dele.
Quer dizer, se os vaqueiros entrassem os bronzeados deles/delas em St. Barth e as
camisas deles/delas fizeram em Hong Kong. "Na realidade, nós estamos bem seguros
você é a menina para nós. Nós há pouco desejado o conhecer."
Em vez de pôr Felicidades à vontade, a amizade do desenhista a fez mais
nervoso até mesmo. O trabalho era agora dela para perder. "Oh, um, aprovadamente."
Morgan barulhento, a esposa do desenhista, era o "Morgan requintado menina",
até o cabelo varrido pelo vento. Felicidades souberam que ela teve sido a primeira
modelo de Rolf, atrás nos ano setenta, e ainda ocasionalmente estrelada em algumas das
campanhas publicitárias. Barulhento empurrou os óculos de sol dela em cima da cabeça
dela e deu para Felicidades um sorriso brilhante. "A marca está participando uma
direção diferente do espetáculo. Nós queremos fixar um Edwardian mood.old-formou
romance. Lá vai ser muito veludo, muito ate, talvez até mesmo um colete ou dois na
coleção. Nós quisemos uma menina que não pareceu muito contemporânea."
Felicidades acenaram com a cabeça, não bastante seguro o ao qual eles estavam
adquirindo, como toda outra marca que tinha a reservado no pensamento passado ela
tinha parecido "contemporânea" bastante. "Você quer que eu caminhe ou. ?"
"Por favor."
Felicidades foram à parte de trás do quarto, levaram uma respiração funda e
começaram a caminhar. Ela caminhou como se ela estivesse entrando à noite nos
pântanos, como se ela estivesse só na névoa. Como se ela estivesse um pouco perdida e
sonhadora. E da mesma maneira que ela bateu no marcador de pivô, o quarto girou e ela
teve outra visão.
Como ela tivesse contado Schuyler, ela nunca teve mais blecautes. Ela ainda
poderia ver a sala de exposição, como também o desenhista e o time dele. Ainda lá
estava: sentado no meio entre Rolf e a esposa dele era uma besta carmesim-de olhos
com uma língua bifurcada prateada. Larvas de inseto estavam rastejando fora de seus
olhos. Ela quis gritar. Ao invés ela fechou os olhos dela e manteve andar.
Quando ela abriu que os olhos dela, Rolf e o time dele estavam batendo palmas.
Visões apocalípticas ou não, foram contratadas Felicidades.

Quatro

"Eu senti falta de você." Os lábios de Oliver contra a bochecha dela estavam
mornos e macios e Schuyler sentia uma dor acentuada no estômago dela à profundidade
do afeto dele.
"Eu também" senti falta de você, ela sussurrou atrás. Isso era bastante verdade.
Eles não tinham estado junto assim durante uma quinzena. E enquanto ela quis apertar
os lábios dela contra o pescoço dele e fazer o que veio naturalmente, ela se parou. Ela
não precisou isto agora mesmo e ela era cautelosa de fazer isto por causa de como fez o
tato dela. O Caerimonia Osculorwas um drug.tempting e irresistível. Lhe deu muito
poder. Muito poder em cima dele.
Ela não pôde. Não aqui. Não agora. Depois. Talvez. Além, não estava seguro.
Eles estavam no armário de provisão fora o quarto de cópia. Qualquer um poderia entrar
e pegar os dois deles junto. Eles tinham se encontrado, como eles sempre fizessem,
entre o primeiro e segundo sino depois de quarto período. Eles tiveram tudo de cinco
minutos.
"O Legue esteja lá.hoje à noite?" Oliver perguntou, a voz dele cascudo na orelha
dela. Ela quis correr os dedos dela pelo cabelo grosso, caramelo-colorido dele, mas ela
se conteve. Ao invés ela apertou o nariz dela contra o lado da cabeça dele. Ele cheirou
tão limpo.
Como eles tinham sido os amigos para tão longo sem ela sabendo o como o qual
o cabelo dele cheirou? Mas agora ela soube: como grama depois da chuva. Ele cheirou
tão bom ela poderia chorar. Ela tinha o abandonado em todos os sentidos. Ele nunca a
perdoaria se ele verdadeiramente entendido o que ela tinha feito a ele.
"Eu não sei", Schuyler respondeu, enquanto hesitando. "Eu tentarei." Ela quis o
decepcionar tão suavemente quanto pôde ela. Ela olhou na face cordial, bonita dele, os
olhos castanhos mornos dele mosqueado com marrom e ouro.
"Prometa", a voz de Oliver estava fria. "Promessa." Ele a apertou firmemente
contra ele e ela estava surpresa com a força dele. Ela teve nenhum humano de idéia
poderia ser da mesma maneira que forte como vampiros quando a ocasião surgiu.
O coração dela rasgou. Charles Force era certa. Ela deveria manter longe dele.
Alguém ia ser doído e ela não pôde agüentar para pensar em Oliver que sofre por causa
dela. Ela não valia a pena. "Ollie, você sabe eu."
"Não diga. Há pouco seja lá", ele disse asperamente e deixou vá tão depressa
dela ela quase perdeu o equilíbrio dela. Então ele teve sido ido da mesma maneira que
jejum, a deixando só no quarto escuro, sentindo roubado estranhamente.
Depois aquela noite Schuyler fechou pelas ruas chuvosas escuras, um borrão de
prata na capa de chuva nova dela. Ela poderia levar um táxi, mas não havia nenhum
para ser tida na chuva e ela preferiu bastante a walk.or, deslizamento. Ela gostou de
dobrar os músculos de vampiro dela, gostou como rápido ela pudesse ser quando ela
fixar a mente dela a isto. Ela tinha caminhado o comprimento inteiro da ilha como um
gato; ela tinha movido tão depressa ela tinha ficado seca. Não havia uma gota de
molhado nela.
O edifício era um desses prédios de apartamentos de copo deslumbrantes novos
projetado pelo arquiteto Richard Meier no canto de Rua de Perry e a Rodovia Lateral
Ocidental. Eles vislumbraram como cristal no crepúsculo nebuloso escuro. Schuyler
nunca se cansou de olhar para eles, eles estavam tão bonitos.
Schuyler deslizou dentro das portas laterais, enquanto apreciando a velocidade
de vampiro que a fez invisível para o guarda e os outros residentes. Ela passou o
elevador, enquanto preferindo usar os talentos de outro mundo dela e correr para cima
as escadarias de parte de trás, enquanto dando os passos quatro, cinco, às vezes dez de
cada vez. Em segundos ela estava na cobertura.
Estava morno no apartamento e as iluminações de rua debaixo de iluminou tudo
dentro das janelas de copo de chão-para-teto. Ela apertou o botão para puxar as cortinas
automaticamente. Eles tinham os deixado abra novamente, exposed.amazing como o
esconderijo secreto deles/delas ficava situado em um dos edifícios mais visíveis em
Manhattan.
A empregada tinha partido troncos para a lareira, assim Schuyler fez um fogo
rápido, fácil como empurrando outro botão. As chamas subiram alto e lamberam na
madeira. Schuyler assistiu isto queimadura; então, como se vendo o futuro dela nas
chamas, ponha a cabeça dela nas mãos dela.
O que estava fazendo ela aqui?
Por que ela tinha vindo?
Estava errado, o que eles estavam fazendo. Ele conheceu isto. Ela conheceu isto.
Eles tinham falado para um ao outro que seria durante a última vez. Como se eles
pudessem agüentar isto. Ela era extática e triste ao prospecto da reunião deles/delas.
Schuyler se atarefou esvaziando a lavadora de louça e pondo a mesa. Acendendo
as velas. Ela enganchou para cima o estéreo ao iPod dela e logo a voz de Rufus
Wainwright arremedou pelas paredes. Era uma canção de favorito de yearning.their.
Ela contemplou um banho, enquanto sabendo o roupão dela estava esperando
um gancho no armário. Havia tão pequena evidência da presença deles/delas no place.a
que poucos reserva, um jogo de roupas, um par de escovas de dente. Esta não era uma
casa, este era um segredo.
Ela olhou para ela no cabelo de mirror.her foi posta em desordem e os olhos dela
eram luminosos. Ele estaria logo aqui. Claro que ele vai. Ele foi o que tinha insistido.
A hora designada passou, contudo ninguém chegou. Schuyler comprimiu os
joelhos dela contra o tórax dela, enquanto tentando combater a maré ascendente de
decepção.
Ela quase tinha caído para dormir quando havia uma sombra no terraço.
Schuyler observou esperançosamente, enquanto sentindo uma mistura de
antecipação e uma tristeza funda e permanente. O coração dela estava correndo um
milhão de milhas por minuto. Até mesmo se ela o visse diariamente, sempre estaria
como a primeira vez.
"Ei, você", uma voz disse. E um menino se apareceu das sombras.
Mas ele não foi o pelo que ela estava esperando.

ARQUIVO DE GRAVAÇÕES AUDITIVO:


Repositório de história
DOCUMENTO CLASSIFICADO:
Liberação de Altithronus só
Cópia de relatório de Venator arquivou 2/1

Schuyler Van Alen: Alienação notável de semelhantes. Prefere a companhia do


Canal dela, macho humano: Oliver Perigo-Perry. Sobrevivente de dois possível Sangue
Prateado ataques. Continuará monitorando, contudo é convencida é improvável ela é a
festa culpada.
Felicidades Llewellyn: Caso interessante. Reclama de dores de cabeça, vertigem,
"blecautes." Talvez efeito colateral de transformação? Foi descoberto afogamento em
Parque Central noite de lago de 11/28. Conseguido salvar assunto sem cobertura
esclarecedora.
Madeleine Force: Possui poder escuro significante e exibições descuido
flagrante por regras, especialmente esses relativo a familiars humano.
ATUALIZE EM DYLAN WARD: Ilha time relatórios assunto longo avistou
fugindo a casa de Custódia em Ilha de Abrigo. Enviou reforços o trazer.

Cinco

A reunião foi concordada em moda regular. O secretário levou rolo. Todas as


famílias velhas foram representadas, o original sete (Van Alen, Cuteleiro, Oelrich, Van
Horn, Schlumberger, Stewart e Rockefeller) tinham crescido acomodar o Llewellyns, o
Duponts (representado por um Eliza nervoso-olhando que era a sobrinha do recente
Priscilla), o Whitneys e o Carondolets. Este era o Conclave de Elders.the que junta do
Sangue Azul elite. Isto era onde as decisões para a raça, para o futuro do clã, eram feito.
O Lawrence os deu boas-vindas à primeira sessão primaveral com uma saudação
amável e começou a atravessar os artigos de ordem do dia: o angariação de fundos a
chegar para o Banco de sangue de Nova Iorque, as últimas notícias em doenças sangue-
carregadas e como eles afetariam os Sangues Azuis, como as contas de confiança
deles/delas eram foi investido doing.Blue Sangue dinheiro pesadamente no mercado de
valores e a última baixa tinha feito vários milhões de dólares desaparecer.
Mimi estava ao lado dela. O Lawrence administrou a reunião como se nada
estivesse extraviado, como se um traidor não estivesse sentando próximo a ele. Estava
enlouquecendo! Tinha sido Kingsley que tinha chamado o Sangue Prateado, Kingsley
que tinha organizado o ataque no Repositório, Kingsley que tinha sido a inteligência
dominante atrás do encobrimento, e ainda lá ele estava, sentado à mesa como se ele
pertencesse.
Na superfície, o Conclave era como calma e plácido e perplexo como já, embora
Mimi pudesse descobrir um constrangimento leve, só a brisa mais lânguida de discórdia
dentro dos forças armadas. Por que o Lawrence não disse nada? O galeirão velho estava
balbuciando sobre o mercado substituto-principal e os recentes eventos desastrosos em
Wall Street. Ai, finalmente.Lawrence virou a Kingsley. Uma explicação afinal.
Mas não. Lawrence verdadeiramente declarou aquele Kingsley teve um relatório
para arquivar e cedeu o chão ao Venator denominado, um Verdade-caixa, um sócio do
vampiro a polícia secreta.
Kingsley reconheceu a mesa com um sorriso severo. "Anciões.e um, Mimi", que
ele começou. Ele era da mesma maneira que cruelmente bonito como já, mas desde que
ele tinha sido desmascarado como um Venator, ele pareceu mais velho. Nenhum mais
longo a mocidade rebelde, mas sério e sombrio em um casaco escuro e gravata.
Vários sócios do Conclave trocaram sobrancelhas levantadas e Riachos grisalhos
Stewart teve um ajuste de tosse que era severo bastante para Cushing Carondolet o bater
nas várias vezes de parte de trás. Quando o distúrbio baixou, o Kingsley continuou sem
comentário.
"Eu trago notícias sérias. Há uma perturbação no Sul americano continente. Meu
time descobriu sinais ominosos que apontam a um possível infractio."
Mimi entendeu a palavra do idioma sagrado. o Kingsley estava contando lhes
contando um rompimento. Mas um rompimento disso que?
"O que é vai em?" Dashiell Van Horn quis saber. Mimi o reconheceu como o
inquisidor durante a tentativa dela.
"Rachas na fundação de Corcovado. Alguns relatórios de desaparecimentos de
Anciões daquele Conclave. Alfonso Almeida não voltou da estada curta habitual dele no
Andes. A família dele está preocupada."
Esme Schlumberger bufou. "Alfie há pouco gosta de entrar perdido na selva
todos os anos. Diz o mantém perto de natureza. Não significa nada."
"Mas Corcovado.that está aborrecendo", disse Edmund Oelrich que era agora o
diretor principal desde a morte de Priscilla.
"Com o que nós conhecemos o Bloods.how Prateado a pessoa pôde infiltrar o
Repositório itself.anything poderia ser possível", o Kingsley disse.
"Realmente", Dashiell Van Horn concordou, enquanto abaixando os óculos de
meia-lua dele.
Lawrence acenou com a cabeça. "Todos vocês sabem, claro que, dos rumores
que os Sangues Prateados fugiram para a América do Sul antes de eles desaparecessem.
Os Sangues Azuis mantiveram norte e alguns acreditaram que os Sangues Prateados
encabeçaram sul reagrupar. Claro que, nós nunca tivemos qualquer evidência disto. …"
Vários sócios do Conclave torceram visivelmente. Desde então o ataque no
Repositório, eles tiveram que reconhecer aquele Lawrence, o desterrado anterior, tinha
sido desde o princípio certo. Que os diretores tinham ignorado os sinais
voluntariosamente, tinha aderido as cabeças deles/delas na areia como um grupo de
avestruzes, muito medroso aceitar a verdade: os Sangues Prateados, os demônios de
mito, o inimigo antigo deles/delas, tinham devolvido.
"Nós não tivemos nenhuma evidência agora até." Kingsley acenou com a
cabeça. "Mas olha como se as suspeitas de Lawrence estavam corretas."
"Se Corcovado é chegado a um acordo, eu não posso dar ênfase a como sério um
perigo em" o que nós somos, o Lawrence disse.
"Mas houve nenhum. mortes?" pedido a Eliza Dupont em uma voz tímida.
"Nenhum que nós conhecemos, o Kingsley confirmou. "Um do jovem, um Yana
Riberio, também tem perdido. Mas a mãe dela pensa que ela fugiu com o namorado dela
em um fim de semana improvisado em del de Punta Este", ele disse com um sorriso.
Mimi manteve silencioso; ela era a única sócia que ainda teve que contribuir à
discussão. Em Nova Iorque, tinha havido nenhuma morte ou ataques desde a noite no
Repositório. Ela sentia frustrado que ela não pudesse se lembrar por que Corcovado era
assim important.obviously todo o mundo soube outro no Conclave por que, mas ela não
fez. Estava aborrecendo para não ter entrado nas recordações cheias dela.
A palavra não significou nada absolutamente a ela. E ela nunca perguntaria
qualquer um o que significou either.she teve modo muito orgulho. Talvez ela poderia
conseguir que o Charles a iluminasse, embora parecia isso desde então a resignação dele
do Conclave que ele teve pouco interesse em qualquer coisa exceto sentar no quarto
dele, estudando livros velhos e fotografias por cima e escutar gravações surdas em um
oito-rasto velho.
"Como o ataque no Repositório mostrou, os Sangues Prateados são nenhum
mais longo um mito que nós podemos escolher ignorar. Nós temos que agir depressa.
Corcovado tem que segurar", o Lawrence declarou.
O que em terra o Lawrence estava falando sobre? Mimi desejou ela soube.
"Assim. O que é o plano?" Edmund indagou. A atmosfera tinha trocado. Aflija à
presença de Kingsley tinha transformado em angústia às notícias que ele tinha trazido.
Kingsley arrastou os documentos em frente a ele. "Eu estarei participando meu
time do capital. São Paolo é o ninho de uns ratos. Fará um esconderijo bom. Então nós
traremos o Rio a pé, verifique a situação em Corcovado, fale com algumas das
famílias."
Lawrence acenou com a cabeça. Mimi pensou que ele ia despedir a reunião, mas
ele não fez. Ao invés ele removeu um charuto do bolso de camisa dele. O Kingsley
apoiou adiante com uma partida alumiada e o Lawrence inalou profundamente. Fume
enchido o ar. Mimi quis acenar as mãos dela e lembrar o Lawrence do Comitê está
nenhum-fumando regra, mas ela não ousou.
O Régis considerou a mesa com um olho duro. "Eu estou atento que alguns de
você estão desejando saber que por que o Kingsley está aqui hoje", o Lawrence disse,
enquanto endereçando a pergunta que queima na mente de todo o mundo finalmente.
Ele levou outro bolo folhado do charuto dele. "Especialmente relativo à
evidência mostrada à tentativa de sangue. Porém, eu aprendi desde então que o Martins
e Kingsley em particular, é inocente. As ações deles/delas estavam justificadas pela
missão eles eram determinados pelo Régis anterior. Para a proteção do Coven, eu não
posso descobrir mais nenhuma informação sobre isto."
O pai dela! O Charles teve algo que ver com it.but por que o Lawrence não lhes
falaria para o que era?
"Que missão?" Edmund exigiu. "Por que o Conclave foi mantido na escuridão
sobre isto?"
"Não é nosso lugar para questionar o Régis", Forsyth Llewellyn lembrou
nitidamente.
Cuteleiro de Nan acenou com a cabeça. "Não é nosso modo."
Mimi poderia ver a mesa era nitidamente dividida em dois: meio os sócios
estavam indignados e ansiosos, enquanto a outra metade esteja preparada para aceitar a
declaração de Lawrence sem pergunta. Não que importou. O Conclave não era uma
democracia; o Régis era um líder indisputado cuja palavra era lei. Mimi tremeu com
raiva pouco supressa. O que aconteceu ao Conclave que tinha a condenado queimar há
pouco alguns meses atrás? Não era justo! Como eles poderiam confiar em um Sangue
Prateado "reformado?"
"Qualquer um se preocuparia hospedar uma dissensão antigamente?" Lawrence
perguntou casualmente. "Edmund? Dashiell?"
Dashiell dobrou a cabeça dele. "Não. Nós pusemos nossa fé em você,
Lawrence."
Edmund deu um aceno invejoso.
"Obrigado. Kingsley é uma vez mais um sócio de votação do Conclave, com
estado de Venator cheio. Se junte a eu o dando boas-vindas atrás à dobra. Sem
Kingsley, nós não teríamos sabido tão cedo de Corcovado."
Havia um conhecimento superficial de aplauso.
A reunião adiou e os Anciões dividiram em sussurrar grupos. Mimi notou
Lawrence que fala em tons silenciados com Cuteleiro de Nan.
O Kingsley caminhou até Mimi e pôs uma mão clara no cotovelo dela. "Eu quis
lhe falar que eu sinto muito pelo que aconteceu. A tentativa e tudo."
"Você me monta, ela assobiou, enquanto tremendo fora o braço dele.
"Era inevitável. Ainda, eu estou alegre de o ver é bem", ele disse. Mas o tom
dele de voz indicou que o bem-estar dela não importou a ele no mais leve.

Seis

O menino entrou na luz, a face dele iluminada pelo fogo. Ele olhou o same.the
mesmos olhos tristes, a mesma bagunça de cabelo preto. Ele estava usando a mesma
Camiseta suja e calças jeans que Schuyler se lembrou dele usando a última vez que ela
tinha o visto.
"Dylan! Mas como? O que aconteceu? Onde você esteve?" Ela correu o abraçar,
um sorriso extático na face dela. Dylan! Vivo! Não lhe esperaram, mas ele era muito
bem-vindo. Ela teve tantos perguntas para lhe perguntar: o que aconteceu a noite que ele
desapareceu? Como ele tinha se libertado dos Sangues Prateados? Como era possível
que ele sobreviveu?
Ainda como logo ela adquirido perto dele, ela percebeu algo estava muito
errado. A face de Dylan era severa, brava. Os olhos dele eram fora de foco e fronteiriços
em histeria.
"O que vai em?"
Raio-rápido, Dylan empurrou Schuyler com a mente dele, um shove.SLAM
telepático!.but Schyler era mais rápido e abaixou o notar-sopro.
"Dylan! O que está fazendo você?!" Ela segurou para cima as mãos dela como
se se proteger, como se ela poderia se proteger com uma barreira física.
BATA! Outro. Este tempo a sugestão era se lançar fora a sacada.
Schuyler sufocou, o cérebro dela sentindo como pudesse explodir da pressão que
estava lutando.
Ela correu ao terraço, não capaz parar a sugestão de assumir os sensos dela. Ela
examinou o ombro dela. Dylan estava logo atrás ela. Ele pareceu maníaco e cruel, como
se possuiu por alguma força maliciosa.
"Por que você está fazendo isto?" ela chorou, como ele ainda enviou outro
arrancando, comando agonizante.
SALTE!
Sim. Ela tem que concordar, ela deve obey.JUMP!.yes, ela vai, mas se ela não
tem nenhum cuidado, e ela não tem nenhum tempo para ser. ela poderia perder o
fundamento dela.ela pôde.Oh Deus, o que se o Lawrence está errado? O que se ela não
é imortal? Ela é meio o humano afinal de contas.O que se ela não sobrevive? Isso que
se, distinto os outros Sangues Azuis, o ciclo de sono e resto e reencarnação não
pertence a ela. O que se este aqui vida tudo é ela tem? Mas é muito muito recente para
preocupar sobre aquele now.she tem nenhum escolhido. SALTE! Ela não pode ver onde
ela vai, ela está batendo e está rabiscando para compra.Ele está logo atrás ela, assim
ela vai.
Ela salta do terraço, enquanto voando.
Nenhum tempo, nenhum tempo subir para outra borda, nenhum tempo agarrar
uma grade.O calçada assomando.
Schuyler se suportou para impacto e proprietário nos pés dela. Nas botas dela.
BAQUE. Direito no meio de uma turba elegante se precipitado em frente ao Perry St.
restaurante. Yorkers novo abandonou aos elementos porque eles fumaram.
E num instante, Dylan era logo atrás ela. Assim rápido, ele era assim muito
rapidamente.
Então uma coerção poderosa assumiu: isto era nenhum mero suggestion.this era
uma controlar-fechadura. Esmagando. Isto era o para o que o Lawrence tinha falado que
ela era o quinto fator pequeno-conhecido do glom. O Consummo Alienari. Perda
completa da pessoa é mente a outro.
Para os Sangues Vermelhos, alienarimeant morte imediata. Para os vampiros,
isto mente de paralysis.the irrevogável forjada assumida de forma que a pessoa é ir era
completamente incluída. Lawrence tinha lhe falado que levando o sangue e as
recordações de vampiros da mesma categoria, enquanto executando o Caerimonia
Osculor no próprio tipo deles/delas, não era a única coisa Sangues Prateados eram
conhecidos para. Eles tiveram muitas outras torturas e truques para cima a manga
deles/delas. Eles não escoaram tudo das vítimas deles/delas; alguns deles foram partidos
para viver porque eles eram mais úteis aos Sangues Prateados como penhores.
Schuyler sentia um peso como a força do alienari se instalada. ela estava a ponto
de sucumbir; tanto mais fácil render em lugar de lutar.ela se sentia debilitando debaixo
de seu cabo.O que seria partido dela se ele tivesse sucesso? Ela pensou na mãe dela,
vivo mas não vivo, isso seria o destino dela? Ela era woozy nos pés dela, enquanto
balançando; seria por cima logo. Entretanto ela achou algo no effluvium.like escuro um
rabo, o rabo do glom.and ela pôde isolar o sinal, capaz figurar fora o qual parte estava
tentando para a controlar e ela torceu isto ao redor, como lutar um alligator.flipped logo
isto em seu head.and estava assumindo ela e ela estava dobrando isto ao testamento
dela, e.
Dylan é screaming.he é o um em pain.he é o apoiado contra a parede, incapaz a
movimento enquanto a mente dela segura o seu no aperto dela. Ela pode sentir isto,
pode sentir o domínio dela assumindo, enquanto exultando por cima sofregamente seu
triunfo. Ela está apertando him.his being.with inteiro a mente dela. Está como um vício.
Ela está o matando.
Logo ele já não se será.mas uma extensão do testamento dela.
Até.
"SCHUYLER! PARE!"
"NÃO FAÇA!"
"SCHUYLER!" Um rugido.
O nome dela. Alguém estava chamando o nome dela. Oliver. Lhe dizendo que
parasse.
Schuyler libertou o cabo dela, mas não completamente. Ela ainda estava
oferecendo a mão dela e vinte pés fora, Dylan foi fixada a uma parede. Segurado lá pela
mente dela. Ele estava gargarejando. Ele não pôde respirar.
"AGRADE!" Era a voz de uma menina este tempo. Felicidades.
Lá. Ela deixou vá.
Dylan caiu ao chão.

Sete

Felicidades correram tão rápido quanto ela pôde. Ela tinha visto a coisa inteira.
Ela estava no táxi e ela tinha visto tudo: O salto de Schuyler, Dylan que vem depois, a
perseguição, a reversão. Ela tinha testemunhado a angústia de Dylan e o domínio de
Schuyler.
Oh Deus, não a deixe o matou.
"Dylan!" Kneeled de felicidades pelo lado dele. Ele pôs facedown na calçada,
assim ela o inverteu suavemente e o levou nos braços dela. Ele estava tão magro.só pele
e ossos debaixo de uma Camiseta. Ela o segurou ternamente como um pássaro de bebê.
Ele era estragado e patético, mas ele era dela. Lágrimas fluíram abaixo as bochechas
dela. "Dylan!"
Quando ela tinha chegado em casa depois dela ir-veja compromisso e ele não era
a conhecer lá como tinham planejado eles, ela tinha sabido imediatamente que algo
estava errado. Ela chamada o Oliver e lhe disse que a conhecesse no Perry Rua prédio
de apartamentos assim que ele pudesse. Dylan tinha estado dizendo desde o princípio
ele ia fazer algo e agora ele teve. Afortunadamente, Felicidades souberam onde o achar
porque ela soube o segredo de Schuyler e onde ela ia ser aquela noite.
Dylan abriu os olhos dele. Ele recuou quando ele ver Felicidades, e então virou a
Schuyler e rosnou em um estrondo fundo, estrondoso, "Argento Croatus!"
"Você é insano?" Schuyler perguntou, Oliver que está de pé protetoramente por.
Ela não pôde acreditar as orelhas dela. Dylan tinha há pouco a chamado um Sangue
Prateado. O que ia em? O que tinha acontecido a ele? Por que a voz dele pareceu?
"Dylan, pare. Sky.he não sabe o sobre" o qual ele está falando, Felicidades
disseram nervosamente. "Dylan, por favor, que você não está fazendo senso."
Dylan se distraiu, os alunos dele dilatando rapidamente como se uma lanterna
estivesse lustrando nos olhos dele. Então ele começou rindo em um grito alto.
"Você soube que ele estava de volta e você não me" falou, Schuyler disse e a
acusação pendurou no ar entre eles.
"Sim." Felicidades levaram uma respiração afiada. "Eu não quis lhe falar
porque." Porque você contaria o Conclave. Você os teria o levar embora. E sim, ele é
mudado. Ele é diferente. Ele não é o mesmo. Algo terrível e indizível aconteceu a ele.
Mas eu ainda o amo. Você entende, não o faça? Você, que esperam em um apartamento
por um menino que não chega.
Schuyler acenou com a cabeça. Os dois deles entenderam um ao outro sem falar.
Era o modo de vampiro.
"Ainda, ele não pode estar assim; nós temos que o adquirir ajuda." Schuyler
moveu mais íntimo aos dois deles.
"Não me" toque, Dylan rosnou. De repente, ele saltou aos pés dele e agarrou
Felicidades pela garganta, os dedos ósseos dele apertando violentamente no pescoço
pálido dela.
"Se você não for me ajudar, então você é um deles", ele disse ameaçadoramente,
enquanto apertando o aperto dele.
Felicidades começaram a chorar. "Dylan.não faça."
Schuyler se lançou para Dylan, mas o Oliver a conteve. "Espere", ele disse.
"Wait.I não pode deixar você é doído novamente."
Enquanto isso, Dylan empurrou Felicidades avançam e mais adiante com a
mente dele, a fúria dele inexorável, o poder dele só mais amedrontando em seu
descuido. Felicidades desmaiaram aos joelhos dela. Não haveria nenhuma ginástica
telepática na parte dela.
Agora era a volta de Schuyler para gritar. A volta de Schuyler para lhe implorar
que pare.
Dylan levou nenhuma notificação deles e acariciou a bochecha de Felicidades
com a outra mão dele. Ele apoiou dentro, a boca dele no pescoço dela. Schuyler poderia
ver os colmilhos dele se aparecerem. Eles estavam a ponto de puxar sangue.
"Não.Dylan.por favor", Felicidades sussurraram. "Não."
"Me deixe ir." Schuyler tremeu o Oliver fora ela. Felicidades assistidas
freneticamente como o amigo dela prepararam um encantamento que quebraria o cabo
de Dylan.
Mas logo antes Schuyler poderia enviar a coerção, os ombros de Dylan
tremeram e ele afundou ao chão da própria volição dele, enquanto libertando a vítima
dele abruptamente. Felicidades caíram ao chão, impressões violetas dos dedos dele
florescendo no pescoço dela.
Dylan pôs a cabeça dele entre os joelhos dele e chorou.
"O que o inferno há pouco aconteceu?" ele chorou e finalmente o seu era umas
Felicidades de voz reconhecidas. Pela primeira vez aquela noite, Dylan se pareceu.
Oito

"Tente", Mimi disse, enquanto segurando uma colher na qual um montículo


gelatinoso tremeu. "Está delicioso."
O irmão dela olhou suspeitosamente para o aperitivo. Gelée de ouriço-do-mar
com espumou aspargo não soou bom. Mas ele levou uma mordida virilmente.
"Veja?" Mimi sorriu.
"Não ruim." Jack acenou com a cabeça. Ela tinha razão como sempre.
Eles estavam sentados em um banquette privado em um restaurante localizado
no Time Informador Centro vislumbrando. Por enquanto, um restaurante que era o
restaurante mais caro e mais célebre em Manhattan. Chegando a uma reserva Por Se era
consangüíneo a adquirir uma audiência com o papa. Próximo impossível. Mas isso é os
secretários de que Papai eram para.
Mimi gostou do centro comercial novo, como ela chamou isto. Era brilhante e
lustroso e liso, há pouco igual a Torre de Força. Cheirou caro emocionantemente, como
um Mercedes novo. O edifício e tudo nisto era um paean a capitalismo e dinheiro. Você
não pôde gastar menos de quinhentos dólares para uma refeição para dois a quaisquer de
seus restaurantes de quatro-estrela. Este era poste-estrondo, sete-figura-gratificação
Nova Iorque, o Nova Iorque de financeiros e os bilionários já feito, o Nova Iorque de
jóqueis de cerca viva*-fundo impetuosos com esposas de troféu de shellacked que
ostentam os físicos de liposculpted deles/delas e extensões de cabelo de alta costura.
Ice, claro que, odiou isto. Jack preferiu uma cidade que ele nunca tinha
experimentado até mesmo. Ele encerou nostálgico sobre os dias legendários da Aldeia,
quando qualquer um de Jackson Pollock para Dylan Thomas que vaga as ruas
remendadas pudesse ser achado. Ele gostou friccione e sujeira e um Times Quadrado
que eram conhecido por seus trabalhadores e três-cartão-monte os negociantes e barras
de suco de subterrâneo (desde que paus de tira não pudessem servir álcool). Ele não
pôde engolir um Nova Iorque pelo que tinha sido assumido o gosta de Suco de Jamba,
Pinkberry e Pedra Fria.
Ele tinha estado preparado menosprezar o precioso, restaurante de dezesseis-
mesa no meio do que era essencialmente um centro comercial. Mas como cada curso
appeared.caviar e sabayon de ostra, trufas brancas rangeram generosamente por cima
macarrões de tagliatelle escorregadios, medula em cima do Kobe beef.Mimi mais rico
poderia ver ele estava começando a mudar a mente dele. Cada prato consistiu em um
mero punhado de mordidas, só bastante excitar os sensos e deixar arquejando para a
próxima dificuldade gourmet para eles.
Eles tinham entrado naquela noite para achar o lugar que rasteja com Sangues
Azuis que só eram um pouco inesperado desde vampiros comeu para se divertir; mas
aparentemente até mesmo esses que não precisaram de alimento apreciaram tendo os
papila gustativos deles/delas titilado. Um par de Anciões, sócios eméritus do
Conclave.Margery e Ambrose Barlow.occupied uma mesa de canto. Mimi viu que
Margery tinha dormido novamente, como ela teve entre cada curso. Mas o garçom que
se pareceu com ele foi usado até agora a isto, simplesmente a tremeu desperte cada
tempo ele entregou algo novo à mesa deles/delas.
"Assim como a reunião era?" O Jack pediu casualmente, enquanto derrubando a
colher e acenando com a cabeça ao busboy que ele fosse terminado.
"Interessante", ela disse, enquanto tomando um gole do copo de vinho dela.
"Kingsley Martin está de volta."
Jack pareceu surpreso. "Mas ele."
"Eu sei." Mimi encolheu os ombros. "Lawrence não explicaria. Aparentemente
há uma razão, mas é muito muito importante para compartilhar com o Conclave. Eu
juro, ele corre aquela coisa como isto é no décimo sétimo século. É uma farsa que tem
'votando os sócios.' Ele não pergunta nossa opinião em qualquer coisa. Ele há pouco faz
o que ele quer."
"Ele tem que ter razão boa para isto", o Jack disse, os olhos dele iluminando
como o garçom trouxe delectables novo. Ele olhou desapontado para achar isto era há
pouco uma porção de salada de batata. Mimi carranqueou como bem. Ela estava
esperando fogos de artifício gastronômicos, não um prato de piquenique. Mas uma
mordida mudou a mente dela. "Isto é. o.melhor salada de batata. no mundo." O Jack
concordou, como ele devorou o seu diligentemente.
"Isto é agradável, não é?" Mimi disse, enquanto indicando o quarto e a visão de
Parque Central. Ela alcançou pela mesa e levou a mão dele.
Quase sido matado em Veneza provavelmente era a melhor coisa ter acontecido
à relação deles/delas. Corado com o prospecto de perder o gêmeo dele sempre, o Jack se
tornou a alma de devoção.
Ela ainda se lembrou como ele tinha a segurado a noite depois da Tentativa de
Sangue. A face dele tinha envelhecido durante a noite com preocupação. "Eu tinha tanto
medo. Eu tinha tanto medo do perder."
Mimi tinha sido movido bastante para perdoar as transgressões dele. "Nunca,
meu amor. Nós seremos junto sempre."
Depois disso, tinha havido nenhuma mais conversa de Schuyler. Até mesmo
quando o pequeno rato tinha se mudado para a casa deles/delas, o Jack permaneceu frio
e indiferente. Ele nunca falou com ela, ele olhou pouco até mesmo para ela. Até onde
Mimi pudesse contar, enquanto sondando a mente dele secretamente que quando o
guarda dele estava triste, ele nunca pensou em Schuyler nada. Ela simplesmente era
uma hóspeda irritante. Como uma marca que você não pôde apagar.
Talvez ela tinha realizado o que ela tinha querido afinal de contas. Ela não tinha
podido adquirir liberte de Schuyler, mas o ataque tinha tido sucesso afiançando o amor
do gêmeo de vampiro dela.
"Lagosta manteiga-furtada", o garçom murmurou, enquanto fixando
silenciosamente abaixo duas louças novas. "Assim eu estava pensando, nós podemos
bem como convide todo o mundo ao vínculo", Mimi disse, entre mordidas. Jack
grunhiu.
"Oh, eu sei. Você gosta do modo antiquado, só os dois de nós no luar, blah, blah,
blah. Mas se lembra de Newport? Agora isso era uma festa. E você sabe, enquanto
tendo o Quatrocentos a um vínculo é o modo para ir agora. Eu há pouco ouvi foram
unidos Daisy Van Horn e Toby Abeville em Bali. Era um 'vínculo de destino.'" Mimi
riu.
Jack sinalizou o garçom para outra garrafa de vinho. "Você sabe, a maioria
Sangues Vermelhos estes dias esperam até que os ano trinta deles/delas para se casar. O
que é a pressa?" ele perguntou, relativo a com satisfação suprema o seventh.or era
oitavo?.course: uma tigela de sopa de ervilha esfriada.
"Bem, meu sangue é azul, meu amigo." Mimi enrolou o lábio dela. Retifique, os
Sangues Vermelhos que eles souberam esperaram um ridiculamente tempo longo para
os vínculos deles/delas, mas esses eram meros casamentos terrestres. Humanos
quebraram os votos deles/delas diariamente sem conseqüência. Esta era uma situação
celestial. Enquanto era tradição para vampiro junta para unir no vigésimo primeiro
aniversário deles/delas, Mimi viu nenhuma razão para esperar então até e não havia
nada no Código que disse eles não puderam fazer isto mais cedo. O mais cedo eles
disseram os votos deles/delas, o melhor.
Quando os juramentos foram trocados, as almas deles/delas moldariam a um ao
outro. Nada poderia se colocar entre eles. Eles se tornariam a pessoa nesta vida, como
eles tiveram em todos seus outros. Quando o laço era lacrado, não pôde ser quebrado
durante o ciclo. Schuyler se tornaria nada além de uma memória distante. Jack
esqueceria de qualquer sentimentos que ele teve para ela. O laço trabalhou de modos
misteriosos e irrevogáveis. Mimi tinha visto isto em vidas before.how que o gêmeo dela
ansiaria para Gabrielle (que era agora Allegra Van Alen por este ciclo) na mocidade
dele, mas uma vez ele disse os votos dele, ele vai nem mesmo se lembre do nome dela.
Azrael seria a única estrela escura no universo dele.
"Nós não deveríamos nos formar primeiro de escola secundária?" Jack
perguntou.
Mimi não escutou. Ela já estava planejando para ficar provido para o vestido de
vínculo dela. "Ou eu não sei, talvez nós poderíamos escapar para o México, o que pensa
você?"
O Jack sorriu e continuou comendo a sopa dele.

Nove

Ocorreu Schuyler que a última vez que ela estava ao Odeon, ela tinha estado
com o Oliver e Dylan. Há pouco estava em cima de um ano que ago.Dylan tinha
transferido recentemente a Duchesne e o motorista de Oliver tinha os levado no centro
da cidade. Eles tinham vagado as ruas, em e fora de lojas e livrarias e lojas de registro,
cutucando em jarros de farmacêutico e adquirindo a leitura de palmas deles/delas por
uma mulher cigana na calçada. Então ao término do dia, eles tinham se agrupado no
restaurante, em um das barracas vermelhas confortáveis, rachado-de couro e tinha
comido frites de moules enquanto Dylan ordenou cervejas com o falso ID dele e lhes
contou histórias sobre ser chutado fora de toda escola de escola preparatória no corredor
nordeste.
Dylan estava lhes contando agora uma história nova, Felicidades que sentam
quietamente pelo lado dele.
Ele estava lhes falando sobre o que tinha acontecido a ele.
Agora que ele não estava tentando para a matar, Dylan não parecia tão
assustador, assim. louco e fora de foco. Agora ele há pouco pareceu muito magro, como
um gato omisso na chuva enquanto seus donos eram de férias. Os olhos dele estavam
cobertos e havia contusões pretas nas bochechas dele. A pele dele pareceu invejosa e ele
teve cortes de cuts.little em todos lugares nos antebraços dele, como se ele tivesse
caminhado por copo. Talvez ele teve.
Oliver pôs um braço ao redor de Schuyler. Depois disso que só aconteceu, ele
tinha ido além de se preocupar que os veria junto. E por uma vez Schuyler concordou.
Ela gostou lá da mão dele. Gostado de sentir protegeu. A mente dela vagueou para o
apartamento vazio em Rua de Perry. Mas ela se fez foco em Dylan.
"Eu não me lembro de muito, realmente. Eu corri fora, você sabe. Eu fui para a
Casa de Custódia velha, em Ilha de Abrigo. Eu levei algum refúgio lá. Mas a besta me
alcançou eventualmente. Eu não me lembro de muito do que aconteceu, mas eu
consegui escapar novamente e este tempo eu adquiri um pouco de ajuda.
"Venators", ele continuou em um tom de awed. "Você sabe deles, direito?"
Eles acenaram com a cabeça. Eles também souberam aquele tinha sido enviado a
Duchesne. Felicidades lhes falaram sobre como Kingsley Martin estava de volta. O pai
dela tinha estado ao Conclave que se encontra aquela tarde. Mas Schuyler não prestou
atenção às notícias; ela quis saber o que tinha acontecido a Dylan.
"De qualquer maneira, eles me deixaram ficar com eles, eles levaram ao cuidado
de mim enquanto eu estava recuperando. Um do SB me entrou bem ruim no pescoço.
Mas o Venators disse que era certo, que eu não tinha sido 'corrompido,' você
sabe.'virado' em um deles. De qualquer maneira ".he olhou cautelosamente para
Schuyler. "eu escutei as conversações deles/delas.como o Conclave tinha descoberto
finalmente que era o Sangue Prateado entre nós e eles disseram."
"Eles disseram que isto eu era, não fez eles?" Schuyler perguntou, enquanto
levando uma fritura francesa fora o prato de Oliver.
Dylan não negou isto. "Eles disseram que era você, que você foi o um. A noite
em O Banco. A última coisa da que eu me lembro estava pendurando fora com você,
Schuyler e eles disse que você foi o que me atacou."
"Você acredita isso?" ela perguntou.
"Eu não sei o que acreditar."
"Você iguala sabe quem é ela?" Oliver exigiu. "Eu quero dizer, eu estou alegre
você está de volta e tudo, tripule, mas você é beijoca falante. Schuyler é. A mãe dela é."
Oliver estava tão bravo ele não pôde terminar.
"Você sabe a história de Gabrielle?" Schuyler perguntou.
"Um pequeno", Dylan admitiu. "Gabrielle, o Incorrupto, que que foi unido a
Michael, Puro de Coração. Os únicos vampiros que não pecaram contra o todo-
poderoso. Por este ciclo, o nome de Michael é Charles Force. Assim o que?"
"Gabrielle é minha mãe", ela lhe falou.
"Mostre para ele", Felicidades urgiram.
Schuyler empurrou o relógio do homem grande que ela usou no pulso certo dela.
Empurrado isto para cima o mesmo modo ela tinha visto o Charles fazer isto a noite ela
tinha o acusado de ser o Sangue Prateado. Como engraçado que agora ela teve que
recorrer a clarear o nome dela de exatamente o mesmo modo.
Cauterizado na pele dela, há pouco igual em Charles, era a marca. Estava
levantado, como se queimou lá, um sigil. Uma espada nuvens penetrantes.
"O que é?" Dylan perguntou.
"A marca do Arcanjo", o Oliver explicou. "Ela é uma Filha da Luz. Não há
nenhum modo ela é um Sangue Prateado. Ela é o oposto. Ela é o que eles temem."
Schuyler tocou a marca. Sempre tinha estado lá, desde que ela nasceu. Ela tinha
pensado isto uma marca de nascença estranha simplesmente, até que o Lawrence tinha
mostrado isto.
Dylan encarou a marca. Lustrou. Ele se cruzou. Ele olhou para baixo ao prato
dele de frites de bife. "Então quem era they.the Venators que me ajudaram?" ele
perguntou, a voz dele rouco.
Oliver sorriu finamente. Ele bateu a mesa em frente ao amigo dele. "Não é
óbvio?"
"Não."
"Eu sei que exatamente eles eram. Eles eram os Sangues Prateados."

ARQUIVO DE GRAVAÇÕES AUDITIVO:


Repositório de história
DOCUMENTO CLASSIFICADO:
Liberação de Altithronus só
Cópia de relatório de Venator arquivou 2/15

DYLAN CUSTÓDIA ATUALIZAÇÃO: Assunto foi interrogado e foi libertado.


Cópia de interrogação destruiu conforme Régis Mandato 1011.

Dez

"Você está seguro você será certo?" Felicidades deram uma olhada ao redor do
quarto de hotel sujo. Ela nunca tinha estado dentro. Dylan sempre tinha insistido que
eles se encontrem no salão de entrada do Hotel de Chelsea. O próprio hotel tinha visto
dias melhores. Era separadamente dilapidado e cadente, um dos marcos de Nova Iorque
velhos com um passado literário e escandaloso. O Chelsea era onde um Sid Vicious
heroína-furioso apunhalou Nancy Spungen onde Dylan Thomas morreu um alcoólatra
supostamente. Também era o lugar que Bob Dylan "Sara" inspirada ("Stayin para cima
há dias no Hotel de Chelsea.") e onde o Allen Ginsberg escreveu alguns dos poemas
dele.
Ela caminhou ao redor do quarto, enquanto investigando fora à rua chuvosa
pelas cortinas. A primeira noite que ele tinha devolvido a ela, ela tinha estado chocada e
feliz para o ver. Ela nunca verdadeiramente acreditou ele teve sido ido, mas ainda era
alucinante para o descobrir estava vivo.
Ela tinha lhe implorado que ficasse perto aquela noite, mas ele tinha insistido
neste hotel. Ele sentia centro da cidade mais seguro que ele disse e tinha estremecido ao
pensamento de gastar outra noite em um desses cinco-estrela apartamentos de hotel de
pelúcia o Conclave tinha o apanhado dentro enquanto ele estava sendo investigado para
a morte de Aggie Carondolet.
A noite que ele tinha devolvido, ela tinha querido ser íntimo a ele, sentir o corpo
dele próximo a seu. Ela tinha sentido um parentesco mais íntimo a ele sabendo que ele
estava como ela, um vampiro, que um mero Sangue Vermelho ela poderia chupar seque.
Antes de ele tinha partido, eles tinham tido.não uma real relação, mas mais que um
flerte. Eles tinham estado a ponto de começar algo.Ela ainda se lembrou do gosto da
pele dele, o tato das mãos dele debaixo da camisa dela.
Mas Dylan não tinha mostrado interesse apanhando onde eles tinham partido
fora. Enquanto ele nunca tinha a rejeitado sincero, ela ainda feltro repeliu
romanticamente. Que primeiro noite, ela tinha tentado pôr os braços dela ao redor dele e
ele tinha a abraçado impacientemente, enquanto deixar depressa vai como se a tocando
o repulsasse. Ele tinha exigido eles vão buscar Schuyler e a confrontam e Felicidades
tinham gastado horas o discutindo do plano dele. Eles tinham discutido e ela tinha o
marchado para este hotel desde onde ele tinha sido furado para cima.
Neste apartamento sujo, fedorento. Eles não tiveram trabalho doméstico? Por
que isto foi permitido? Jornais empilharam latas ate a cintura, vazias cobertas de lixo
sobre, cinzeiros que transbordam com alvos de cigarro.
"Arrependido para a bagunça."
Ela se sentou no canto de um sofá xadrez que estava coberto com os restos do
domingo Time. Ela sentia tão cansada de repente. Ela tinha estado esperando por ele
voltar, sonhando com isto para assim long.and agora ele estava aqui, mas não era nada
como ela tivesse imaginado. Tudo estava errado, errado, errado. Ele tinha tentado ferir
Schuyler; ele tinha tentado a ferir.
Como se ele soubesse o que ela estava pensando, Dylan falou. "Felicidades, eu
não sei o que voltou lá em cima de mim. Você sabe que eu nunca vou.nunca."
Felicidades acenaram com a cabeça curtamente. Ela quis o acreditar, mas a força
da força dele de ainda vá na mente dela pulsou. Ele tinha feito isto a ela, a corte com um
knife.a mental, mas isso não diminua a agudez de sua lâmina.
Dylan sentou próximo a ela no sofá e a puxou a ele. O que estava fazendo ele?
Agora ele quis a beijar? Agora ele queria que eles fossem junto? Quando ele tinha feito
nada mais que que a faça acreditar que ele não quis isso?
Ela teve que concordar com Schuyler e Oliver. Dylan era perigoso. Ele tinha
mudado. Ele foi corrompido? Ele estava se transformando em um Sangue Prateado? Ele
tinha levado Aggie, não teve ele? Depois da reunião deles/delas ao Odeon eles tinham
colocado Dylan na parte de trás de um táxi e Felicidades tinham tido uma conferência
rápida, sussurrada com Céu e Ollie.
"Ele não pode estar só."
"Eu ficarei com ele", ela tinha os prometido.
"Tenha cuidado. Ele não é o mesmo."
"Ele não está são."
"Eu sei", Felicidades admitiram.
"O que vamos nós fazer?"
"Nós entenderemos isto. Nós sempre fazemos." Isso era o Oliver. Sempre
otimista.
E agora aqui ela era, com o menino ela tinha amado uma vez tanto o coração
dela neste quarto sujo, fedorento, tinha doído por meses depois do desaparecimento
dele.
Dylan descascou fora a jaqueta dele. Era uma fibra sintética um, um blusão bege
claro, o tipo que eles venderam em lojas de armazém onde você poderia comprar pneus
no mesmo corredor como sua roupa íntima. Ela se lembrou de recheio vagamente uma
jaqueta de couro sangrenta no lixo. Tudo que aconteceu a isso? Incinerado.
Ela endureceu como a mão dele pastou o braço dela ligeiramente.
"O que está fazendo você?" ela perguntou, enquanto querendo estar bravo mas
sentindo um apressando, excitação enjoada ao invés. Ele era tão diferente do Sangue
Vermelho meninos que ela tinha tido. Mimi era right.there era algo sobre estar com seu
próprio tipo que adquiriu o sangue que flui de um modo diferente.
Ele fossou a bochecha dela. "Felicidades." O modo ele disse o nome dela, tão
suavemente, tão intimamente, a respiração dele esquenta na orelha dela.
"Fique comigo", ele disse. Antes de ela pudesse igualar protesto de
halfheartedly, ele tinha manobrado isto destramente assim eles estavam mentindo no
sofá, os joelhos dela debaixo de seu, as coxas dele apertando contra seu, as mãos dele
enlaçaram no cabelo dela e ela estava correndo as mãos dela por toda parte o chest.he
dele ficada esquelético, mas havia uma dureza aos músculos dele que não tinham estado
lá before.then a língua dele estava na boca dela.e era tão doce.Ela poderia sentir as
lágrimas atrás dos olhos dela deslizando abaixo a bochecha dela e ele estava beijando
fora também esses.Deus, ela tinha sentido falta dele.Ele tinha a ferido, mas talvez você
só fere o ones que você ama?
Ele procurou desajeitadamente a bainha da camisa dela e ela lhe ajudou a erguer
isto para cima; ele enterrou a face dele no buraco em baixo do pescoço dela e então de
repente ele saltou fora, como se queimado.
"Você ainda tem aquela coisa", ele disse, enquanto apoiando desde ele pôde,
apertou contra o outro fim do sofá, longe dela. "Palma Diabolos." Ele estava falando
em um idioma que ela não pôde entender.
"O que?" ela perguntou, ainda atordoado dos beijos dele. Bêbado ainda sentindo
com o cheiro dele. Ela olhou aonde ele estava apontando.
O colar. A Ruína de Lucifer. A esmeralda se manteve uma cadeia em cima do
coração dela. De alguma maneira ela nunca tinha devolvido isto à caixa forte do pai
dela. De alguma maneira ela tinha entrado no hábito de usar isto em todos lugares.
A confortou saber que estava lá. Quando ela tocar isto, ela sentia.melhor.
Seguro. Mais se gostam.
Dylan pareceu ferido. "Eu não o posso beijar ao redor com aquela coisa seu
pescoço."
"O que?" Felicidades retiraram a camisa dela por cima a cabeça dela.
Ele continuou olhando como se ele tivesse sido envenenado. "Você tem usado
isso desde o princípio. De forma que é por que eu não pude. Eu soube havia uma razão."
Então ele estava balbuciando novamente. Em um idioma diferente. Este tempo soou o
chinês.
Felicidades repuseram a camisa dela em. Ele era incrível. Ela tinha sido uma
idiota total. Certo, tão talvez ela tinha prometido Schuyler e Oliver ela manteria um olho
nele, mas não era como ele fosse mais um perigo. Ele soube que Schuyler não era um
Sangue Prateado. Mais, ele era bastante velho para levar ao cuidado dele.
Ela não ia ficar aqui um segundo mais longo certamente. Ela foi humilhada. Ela
não teve nenhuma idéia como ele realmente sentia sobre ela. Ele correu quente e frio.
Um minuto ele estava arrancando as roupas dela e o minuto que vem como o que ele
estava bajulando longe dela se o corpo dela fosse a coisa mais asquerosa que ele alguma
vez tinha visto. Ela estava cansada deste jogo.
"Você está partindo?" Dylan perguntou como ela juntou as coisas dela e foi em
direção à porta.
"Para agora."
Ele contemplou tristemente a ela. "Eu sinto falta de você quando você tem sido
ido."
Felicidades acenaram com a cabeça como se ele tivesse há pouco lhe falado algo
inócuo sobre o tempo. Dylan poderia levar os olhos envergonhados dele e a voz sensual
dele em outro lugar. Ela há pouco desejado estar só.

Onze

"Por último chame, sujeitos", a garçonete informou "Outro Campari para eles?"
ela pediu ao Oliver.
Ele sacudiu os cubos de gelo e esvaziou o copo de coquetel dele em um trago.
"Seguramente."
"Qualquer coisa para você?"
Schuyler considerou outro copo de Johnnie Walker Preto. Ela odiava o gosto de
uísque mas ultimamente tinha desenvolvido uma preferência para isto. Era ígneo e doce
e succulent.the coisa mais íntima que você poderia adquirir ao gosto de sangue. Oliver
tinha lhe pedido uma vez que descrevesse o que provou como, desde que ele não viu a
atração. A ele, sangue teve gosto metálico e um pouco docemente. Schuyler explicou
que vampiros provaram sangue com um sense.it diferente estava como beber fogo.
Conseqüentemente, o newfound dela amam de uísque.
"Seguramente, por que não", ela falou a garçonete. Não estava como isto ia
adquirir o bêbado dela. Embora o Oliver se pareceu com ele estava a caminho bem. Ele
entraria no hábito de se fortalecer com álcool sempre que eles adquiriram junto.
Seguramente, ele não estava bêbado quando eles estavam junto a school.but que essas
reuniões abruptas eram tão breves não importou. Mas ela notou sempre que eles
gastaram uma quantia significativa de tempo junto, ele sempre era um pouco zumbiu.
A garçonete devolveu com dois óculos de coquetel enchidos à borda. Era modo
última meia-noite e as únicas pessoas partiram no lugar era clubkids embriagado-de
olhos que adquirem o café da manhã depois que uma recente noite gastar a
champagnalias de veludo-corda, ou clubkids embriagado-de olhos que adquire o café da
manhã antes de um limite matutino em salas de estar de depois de-horas onde nenhum
álcool foi servido e a clientela preferiu o highs deles/delas para ser químico.
Oliver tomou um gole do coquetel dele por uma palha vermelha. Ela achou isto
encarecendo como ele gostou de doces coisas. Oliver odiou cerveja e todas as
decorações habituais do que ele chamado jocko-Americano de el."" De alguma maneira
as bebidas de girly o fizeram mais varonil, nos olhos de Schuyler. Ele não tinha nenhum
medo de se ser.
Era tão agradável para pendurar finalmente fora com Oliver em público. Ela não
pôde muito bem ao redor nenhuma pia os colmilhos dela nele com outras pessoas.
Ultimamente, sempre que eles estavam sós, pairou no ar, uma expectativa na parte dele
e Schuyler tinha perdido a amizade fácil deles/delas. Ela relaxou na companhia dele.
"Por que você bebe tanto ao redor de mim?" ela perguntou, enquanto tentando
manter a luz de voz dela.
"Eu estou ofendido. Você pensa que eu um luxuriante é?"
"Um pequeno."
"Eu não sei." Ele olhou para o teto em vez de olhar diretamente para ela.
"Janota, você às vezes me assusta."
Schuyler quis rir. "Eu o assusto?"
"Sim, você é supermulher de all.vampire. Você realmente poderia ter feito
algum dano a ele, você sabe." O Oliver sorriu, embora Schuyler soube que ele era mais
preocupado que ele deixou em.
"Ele está bem", ela estalou. Ela realmente não quis enfatizar o que poderia ter
acontecido atrás lá. Ela tinha tido Dylan no aperto dela. Ela tinha sentido a mente dele
se curvando a seu. Tinha sentido todas suas recordações que gritam para ser deixada
livre. E ela tinha querido nada além de esmagar tudo de them.silence todas suas vozes.
Ela tinha tido isto no poder dela fazer assim. Era um pensamento ficando sóbrio, assim
ela tomou outro gole da bebida dela.
"Ele não está bem", o Oliver disse. "Você sabe que nós temos que falar o
Lawrence sobre ele, não o faça? Eles terão que fazer algo sobre isto. Ele está mostrando
sinais clássicos de corrupção. Ilusões, histeria, mania."
Um busboy clareou a mesa deles/delas e lhes deu o olho. Schuyler soube que
eles deveriam partir, o pessoal estava pronto para ir para casa. Mas ela quis demorar
com Oliver só um tempo mais muito tempo. "Como você sabe tudo isso?"
"Eu fiz minha leitura. Você sabe, o material o Lawrence nos disse que
observássemos?"
Direito. Schuyler sentia culpado. Ela tinha estado lenta nas lições de vampiro
dela. Lawrence tinha estado usando o Oliver para a manter lado a lado nos estudos dela.
Ela deveria estar concentrando em refinar as forças dela, em afiar as habilidades dela,
mas ao invés ela tinha estado distraída. O Perry Rua apartamento.
"Você pensa que Dylan estava mentindo para nós?" ela perguntou.
"Não, eu penso que ele pensou que ele estava nos contando a verdade, como
muito como ele soube. Mas ele é manipulou obviamente." Oliver rachou cubos de gelo
na boca dele. "Eu não sei se eu acredito que ele já realmente se afastou deles. Eu penso
que eles o deixaram ir."
Schuyler ficou calado. Eles tinham o deixado ir de forma que ele poderia
terminar o trabalho antes do que ele tinha falhado a. Dylan tinha atacado
her.twice.before que ele tinha desaparecido de repente. Eles tinham o escolhido porque
ele era íntimo a ela, era um dos melhores amigos dela. Ela não pôde negar isto: alguém
a querido matou. Ela quis compartilhar esta realização com Oliver, mas manteve isto a
ela. Ele preocupou bastante sobre ela.
O Oliver olhou à conta e derrubou o cartão de crédito dele. "Assim, como coisas
terminaram à Estrela de Morte?"
"O mesmo." Schuyler sorriu, embora ela sentia doente bastante para vomitar.
Era difícil de ver o Oliver e não ódio ela por causa do que ela estava fazendo a ele.
"Assim." Oliver suspirou. Schuyler soube onde isto ia e desejou uma vez mais
que ela não lhe tinha feito o familiar dela.
"Assim?"
A garçonete devolveu com o deslize de crédito-cartão e indicou que se eles
ficassem mais que eles teriam que partir pela entrada de parte de trás.
O Oliver embolsou o cartão dele e tentou levar outro trago do dele já bebida
vazia. "Eu estava a caminho quando Felicidades chamaram. Ela disse que você estava
triste aqui, em Rua de Perry. Eu pensei que isso era amável de estranho, desde que nós
tínhamos concordado que nós nos encontraríamos ao Mercer, como sempre, mas ela
disse que ela era positiva que você estaria lá. O que estava fazendo você de qualquer
maneira naquele edifício?"
Schuyler não olharia ele no olho. "Coisa modelando. Linda Farnsworth tem um
lugar para os modelos baterem lá. Felicidades e eu vamos lá às vezes pendurar fora com
um par outras meninas. Eu não percebi o tempo. Eu sinto muito eu o mantive
esperando."

"Bem, um, desde que nós não conseguimos nos encontrar que como nós
tivéssemos planejado, você quer."
Era mais fácil do repelir este tempo, desde que ela já tinha tomado mais cedo a
decisão dela. Schuyler tremeu a cabeça dela. "Não, eu tenho que estar de volta para o
toque de recolher. Eu estou bastante atrasado como é, e se o Charles descobre."
"Fuck Charles." O Oliver sacudiu um palito pela mesa assim pousou no chão.
"Eu quero dizer, Deus, às vezes eu estou tão cansado de tudo isso cague."
"Ollie."
"Eu há pouco quero que nós sejamos junto", ele disse, enquanto olhando
novamente para o teto. "Eu quero dizer, eu sei que não é possível. Mas por que não? Por
que nós deveríamos seguir as leis velhas? Por que qualquer um deveria se preocupar de
qualquer maneira?" ele cercou. "Você não quer que nós sejamos junto?" ele desafiou,
uma extremidade para a voz dele.
Schuyler foi movido para levar a mão dele em seu. "Eu faço, Ollie, você sabe
que eu faço." Ele era o aliado dela, o sócio-em-crime dela, a consciência dela e o
conforto dela.
A face de Oliver transformou em um olhar de felicidade extrema e satisfação.
Ele sorriu então a ela e Schuyler esperou com todos seu coração que ele nunca
descobriria a verdade.

Doze

Estava tarde quando Mimi e Jack cambalearam finalmente fora de Por Se. A
conta para a refeição deles/delas estava na gama de quatro-figura, não aquele Mimi
estava surpreso. Ela foi usada assim a pagar preços exorbitantes por tudo na vida dela,
ela às vezes reclamou quando ela descobriu que algo era mais barato que ela tinha
esperado. "O que pensam eles, que eu sou pobre?" ela cheirou. "Que eu não posso
dispor Água de FIJI?"
Jack a repreendeu para a extravagância dela. "É o engano do riche novo, você
sabe, enquanto acreditando que tendo muito dinheiro é igual a ter uma quantia infinita
de dinheiro."
Mimi o encarou incredulamente. "Você há pouco me chamou riche novo?"
O Jack latiu um riso como eles seguiram o elevador. "Eu adivinho assim."
"Bastardo!" Mimi fingiu ser ofendido terrivelmente. "Nosso dinheiro é tão velho
está puxando previdência social. Falência está fora da pergunta. Nós somos rubor."
"Eu espero assim. Você não disse que o Lawrence informou um mergulho
enorme em salários? E eu escutei dentro nas últimas avaliações de investidor. FNN está
triste vários pontos. Não é notícias boas."
Ela fingiu um bocejo grande. "Não me enfade com detalhes. Eu não estou
preocupado."
Eles entraram fora na noite. Pela rua, cavalos escorregados a táxis de trole
esperaram os turistas sem pista. Era por último cold.the draga de inverno. Vestígios da
mais recente nevasca permaneceram na forma de yellowy, gelo rachado em cima de lixo
guarda e as calçadas.
Jack elevou a mão dele e um Bentley preto macio e lustroso tão grande quanto
um carro funerário levantou o meio-fio.
"Casa?" Mimi perguntou como ela deslizou no assento.
Jack se inclinou, o descanso de braço dele na extremidade da porta. "Eu verei lá
um pouco o dentro. Eu falei Bryce e Jamie eu os conheceria ao clube."
"Oh."
Ele beijou a bochecha dela. "Não espere, aprovadamente?" Então ele fechou a
porta e bateu habilmente na janela. "Leve a casa dela, Suje."
Mimi ondulou a ele pelo copo colorido, o bom humor dela evaporando como ela
o assistiu caminhe para o outro lado da rua para pegar um táxi encabeçado o centro da
cidade.
"Casa, perca força?" Suje virado ao redor.
Ela estava a ponto de acenar com a cabeça. Ela estava cansada. Casa pareceu
uma idéia boa. Embora ela estivesse um pouco irritada que ela teve que ir para casa só.
Ela brincou com a idéia do seguir, mas o Jack tinha sido ultimamente tão dedicado.Não
havia nada que suspeitar. Ele sempre conheceu Corte de Bryce e Jamie Kip ao
clube.meninos tolos. E além, ela tinha o estado assistindo como um falcão nas últimas
semanas, desde então Veneza, e tinha sentido culpado porque ela não tinha achado nada.
O que foi de qualquer maneira ela tão preocupada sobre?
Mas ela teve que ser honesto com ela. Ela estava preocupada. "Não contudo,
Suje. Vejamos onde ele vai."
O motorista acenou com a cabeça. Ele tinha ouvido este pedido antes.
"Tenha certeza que ele não nos vê."
O carro arrastou o táxi que encabeça sul na Rodovia Lateral Ocidental. Bloqueie
122 tinham fechado e o clube quente novo do momento, a Hospedaria de Dante, era
mais distante centro da cidade situado, na Aldeia Ocidental, no porão de um desse
direito de edifícios de copo novo fora a rodovia. Mimi se lembrou de Jack que lhe fala
como a família tinha comprado um apartamento, como um investimento, lá. O lugar
estava sendo alugado atualmente fora para alguma celebridade.
O táxi levantou a entrada, uma corda aveludada enganchou entre dois grades de
escada de incêndio e vigiou por um homem alto em um greatcoat preto. A Hospedaria
de Dante era uma jurisdição menor, menos flamejante que Bloco 122, mas até mesmo
mais exclusivo. O Jack adquiriu fora e desapareceu dentro.
Mimi apoiou atrás felizmente. "Certo, vamos." Ela assistiu como uma limusine
branca chegou de carro em frente a eles. Deus, as pessoas eram tão bregas. E o Jack
estava chamando o riche novo dela?
Ela tentou ver se ela pudesse reconhecer as pessoas desordeiras do limo.that que
a pessoa teve que ser um ator famoso, porque ele estava usando um chapéu de trilby
como um moron.when que ela viu qualquer outra coisa: alguém emergiu das sombras e
deslizou dentro das portas principais ao edifício. Uma figura em uma capa de chuva
prateada, com cabelo escuro.
Não.
Não pôde ser.
Não pôde ser Schuyler Van Alen. Pôde? Claro que era.
Mimi sentia o aperto de coração dela. Era muito de coincidência. Jack estava no
clube que ficava situado no porão do mesmo edifício Schuyler tinha entrado há pouco.
Não pôde ser. A mente dela correu; ela tinha perdido algo? Mas ele tinha sido
tão indiferente, tão frio a Schuyler. Ele ainda não pôde se apaixonar, ele pôde?
Ele doth protestam muito.
Mimi nunca era um fã grande de Shakespeare, nem mesmo durante a vida dele,
mas ela se lembrou das linhas importantes. Este definitivamente era o inverno do
descontentamento dela.
Ela soube, sem ter isto confirmou, que não importa que que tipo de Jack
dianteiro pôs até o mundo, que tipo de mentiras ele lhe falou, havia um lugar secreto no
coração dele que ela não pôde ler ou compreender. Um lugar secreto que foi dedicado a
outra pessoa. Um lugar secreto habitado por Schuyler Van Alen.
Por incrível que pareça, Mimi não sentia traído ou ferido ou devastado. Ela
sentia uma tristeza pesada somente. Ela tinha tentado tão difícil do ajudar. Ela tinha
tentado o manter leal para ela.
Como ele poderia agir sem medo de represália? Ele soube as leis como também
ela. Ele soube o que era em jogo. Ele soube o que ele poderia perder.
Oh, Jack. Não me deixe ter que o ferir. Não nos deixe seja alienado deste modo
dentro. Não me faça ter que o caçar abaixo.

Treze

"Eu pensei você tinha esquecido."


Schuyler sorriu como ela removeu a capa de chuva dela e pendurou isto no
gancho. Ela tinha entrado em há pouco o apartamento com a chave dela. Uma chave que
ela manteve ao redor em uma tira de seda o pescoço dela. Ela nunca se foi isto, para
medo que seria roubado. Ela tinha entrado no edifício na moda normal. Tido uma
palavra cortesa com o guarda. Encabeçou para cima no elevador, enquanto trocando
graças com os vizinhos. Arrulhado ao bebê deles/delas empacotado dentro de um mil-
dólar tosquiar-forrado carrinho de criança. Fingido ela há pouco estava como eles.
Nenhum mais vampiro engana durante uma noite.
"Você tem esperado muito tempo?" ela perguntou.
"Eu há pouco cheguei aqui."
Ele estava se levantando contra uma coluna, os braços dele cruzaram em frente a
ele. Ele ainda estava usando a mesma camisa branca daquela manhã, um pouco caiu ao
término do dia e ele tinha soltado a gravata dele, enquanto deixando isto cair ao lado.
Mas ele ainda era dourado e deslumbrante. O mar dele que olhos verdes dançaram com
diversão e desejo. Jack Force. O menino que ela tinha estado esperando para ver toda a
noite. O menino que ela tinha estado esperando por todos sua vida.
Ela quis correr a him.to salte, enquanto dando risada no arms.but dele que ela
saboreou o modo que ele estava olhando para ela. Ela poderia se afogar na intensidade
do olhar dele. E ela tinha aprendido um pequeno sobre sedução nas últimas semanas que
eles tinham sido junto.
Tinha aprendido que era mais doce quando ela o fizer esperar.
Assim ela levou o tempo dela, afastado os sapatos dela, escovou os pés nus dela
no tapete e o deixou a assistir.
Fora deste lugar, eles não poderiam ser nada a um ao outro. Ele vai nem mesmo
lhe permita olhar para ela. Ele não pôde dispor isto. Assim ela queria que ele se
desfrutasse, olhar para ela tanto quanto gostou ele.
"Chegue em cima daqui", ele rosnou.
E então, afinal, ela ran.leaped nos braços dele e junto eles bateram contra a
parede em um abraço apertado. Ele a ergueu com facilidade graciosa, enquanto
cobrindo o corpo dela com beijos.
Ela apertou as pernas dela ao redor o torso dele e dobrou por cima, enquanto
escovando a bochecha dele com os pâmpanos do cabelo dela.
Jack.
Ela sentia líquido nos braços dele. Apertado contra ele, o coração dele batendo
freneticamente a tempo com seu. Quando eles beijaram, ela fechou os olhos dela e viu
um milhão de estouro de cores, glorioso e vivo, no ar. Ele cheirou térreo e luxuriante,
morno e bruto. Tinha sido uma surpresa: ela tinha assumido ele cheiraria como ice.like
nothing.and do que ela gostou que ele cheirou grosso e real. Ele não era um sonho.
Ela soube que o que eles estavam fazendo estava errado. O Lawrence tinha a
advertido que não deveriam ser quebrados laços de vampiro. Jack foi jurado outro. Ela
tinha se prometido parar, mas ela também tinha prometido Jack que ela sempre estaria
lá para ele. Eles estavam junto tão contentes. Eles pertenceram a um ao outro. Ainda
eles nunca falaram sobre o passado ou o futuro. Só isto existiu, esta pequena bolha que
eles tinham feito, este pequeno segredo. E quem soube quanto tempo eles tiveram?
Quando ela estava nos braços dele, ela sentia arrependido para Mimi.
Tinha começado exatamente depois que ela tivesse resolvido naquele palácio de
douradura e tinha marmoreado que as Forças chamadas casa. O lugar fazia fortaleza de
parte e parte Versalhes. Havia quartos e salas de espera enchidas de antigüidades
magníficas polidas e falsamente iluminou à mostra. Oceanos de tecido caro
embrulharam as janelas e uma tripulação silenciosa de criados se mudou a casa, ação de
desempoar, limpeza, oferecendo seu chá de ocupantes ou café em bandejas de serviço
prateadas.
Ela tinha sentado na cama de princesa nela designou quarto, enquanto chutando
ao tronco danificado que era a única sobra de casa que ela tinha se permitido trazer. O
Lawrence tinha prometido que ele a adquiriria de alguma maneira fora, que ela voltaria
logo à casa legítima dela. Ele soube que o Charles não lhe permitiria ter contato com
ela, assim eles tinham concordado que eles usariam o Oliver como um (ela sorriu um
pouco) canal entre eles.
Lawrence tinha a dirigido para a casa de cidade das Forças ele. Tinha ajudado
levar as bolsas dela à porta da frente em cima donde um mordomo de gloved levou.
Muito cedo, o avô dela tinha partido e Schuyler estava novamente só.
Charles tinha lhe dado uma excursão rápida da casa: a piscina de Jogo
olímpico*-tamanho cintilante no porão, tênis corteja no telhado, o ginásio, a sauna, o
Picasso quarto (assim chamou porque conteve um do dois mural-tamanho estudos
branco e preto da obra-prima Les Demoiselles d'Avignon). Ele tinha lhe falado de se
fazer confortável, se ajudar de tudo na cozinha. Então ele tinha colocado as regras dele.
Schuyler tinha estado muito bravo e aborrecido fazer mais que mudamente aceno a
tudo.
Assim ela tinha decidido chutar o tronco dela. Tronco estúpido. Tronco estúpido
com a fechadura quebrada. Tronco feio estúpido que era um das poucas coisas que ela
tinha mantido que a mãe dela tinha possuído. Era um Louis Vuitton velho valise
ambulante, o tipo que, quando se levantou vertical e aberto, revelou uma guarda-roupa
de míni. Ela chutou isto novamente.
Havia uma batida macia na porta e então a porta foi empurrada aberto.
"Você pensa que você pôde.um.controle um pouco? Eu estou tentando para ler",
o Jack disse, enquanto olhando estupeficou.
"Oh! Arrependido." Ela deixou de chutar o tronco. Ela tinha desejado saber
quando ela veria os primos dela. As gravatas complicadas de famílias de vampiro ainda
a iludiram, mas ela souberam que não foram sangue-relacionados ela e Jack
tecnicamente, embora o Charles fosse o tio dela. Em algum dia ela teria que pedir ao
Lawrence como tudo tremeu abaixo. "O que está lendo você?"
"Camus", ele disse, enquanto sustentando uma cópia de O Estranho. "Você leu
isto?"
"Não, mas eu gosto de A canção de Cura. Você sabe, o que está baseado naquele
livro?"
Ele tremeu a cabeça dele. "Não."
"Eu penso que está em Três Meninos Imaginários. O primeiro álbum
deles/delas. Robert Smith, ele também é um leitor grande. Provavelmente um
existencialista gosta de você", ela arreliou.
O Jack apoiou contra a parede e cruzou os braços dele, relativo a ela
pensativamente. "Você odeia isto aqui, não o faça?"
"Mostra tanto?" Schuyler perguntou, enquanto puxando as mangas longas do
suéter dela em cima das mãos dela.
Ele riu. "Eu sinto muito."
"Você sente muito."
Ele derrubou o livro em uma mesa de vaidade. "Não é tão ruim."
"Realmente? O que é bom sobre isto?"
"Bem, para um, eu estou aqui", ele disse, enquanto vindo para sentar próximo a
ela na cama. Ele apanhou uma bola de tênis que tinha rolado fora do tronco dela. Ela
tinha trazido isto para praticar as lições de vampiro dela. Lawrence queria que ela
concentrasse na habilidade para mover contesta no ar, algo ela ainda teve que dominar.
O Jack lançou isto no ar, enquanto pegando isto destramente. Então ele derrubou isto.
"A menos que, você sabe, você quer que eu vá."
Ele estava sentando assim perto dela. Ela se lembrou como ela correria a ele a
primeira noite que ela foi atacada, como apaixonado ele tinha sido sobre descobrir a
verdade sobre Croatan, e então como profundamente ele tinha a desapontado quando ele
tinha a ignorado. E então ela se lembrou de qualquer outra coisa. Algo ela não pôde
deixar de pensar em desde então ela tinha puxado o sangue de Mimi e absorvido as
recordações dela.
"Você era a noite de one.that da bola de mascarada. era você que." Schuyler
sussurrou e em resposta para a pergunta dela, ele a beijou. O beijo foi o terceiro que eles
tinham trocado (ela manteve conta), e como ele tomou fôlego nela e cupped a face dela
nas mãos largas dele, tudo na vida dela até então parecido secundário e ordinário.
Não havia nada que viver para mas esta pura, divina sensação. A primeira vez
que eles tinham beijado, ela tinha olhado brevemente as recordações de Jack de uma
menina que se pareceu com ela mas não era ela. A segunda vez, ela não tinha tido
nenhuma idéia ele foi o um atrás da máscara, mas este tempo era há pouco os dois deles.
O Jack não estava beijando alguém que ele pensou antes do que ele tinha conhecido e
Schuyler não estava beijando alguém que ela não conheceu. Eles estavam beijando um
ao outro simplesmente.
"Jaaaack! Jaaaaack!"
"Mimi", o Jack disse. Ele desapareceu rápido assim fora do quarto como o que
era se ele tivesse se ficado invisível.
Quando Mimi cutucar a cabeça dela no quarto de Schuyler, ela estava sentando
por ela chutando o tronco novamente. "Oh. Você. Você viu o Jack?"
Schuyler tremeu a cabeça dela.
"A propósito, não chegue muito confortável ao redor aqui. Eu não tenho
nenhuma idéia por que o Pai quer um pequeno rastejo ao redor como você, mas aqui é
um pouco de conselho: mantenha fora de meu modo."
Depois aquela noite, Schuyler tinha recebido dois presentes bem-vindos
diferentes: alguém teve curto-sheeted a cama dela e havia um livro deslizou debaixo da
porta dela. Uma cópia de A Pestilência por Albert Camus. Dentro do livro era um
envelope e dentro do envelope, havia uma chave.
Dali em diante, Jack nunca reconheceu a presença dela na casa ou na escola.
Mas ele teve mais que feito para cima para isto depois.
"Onde você adquire isto?" O Jack perguntou, enquanto localizando um corte na
testa dela com um dedo claro. Eles estavam mentindo no tapete de shag grosso,
contemplando às sobras do fogo.
"Oh. Não é nada. Batido minha cabeça", Schuyler disse. Ela não quis lhe falar
sobre Dylan só contudo. "Você foi seguido?"
"Sim. Mas eu tive certeza que ela partiu antes de mim chegou aqui", ele disse. A
voz dele tinha sono e ela se conchegou no trapaceiro do braço dele. As iluminações de
rua eram a única luz no quarto, mas ela poderia o ver claramente na escuridão. O perfil
perfeito dele, como se esculpiu em mármore, ardeu como uma vela. "Você?"
"Não."
Em realidade não tinha conferido ela. Ela tinha sido Oliver falante muito
ocupado em partir. Muito ocupado e muito excitado. Porque ela tinha sabido, não teve
ela? Ela tinha sabido que o Jack estaria lá, enquanto esperando por ela, como ela tinha
esperado mais cedo por ele.
Mas sim, da próxima vez ela teria mais cuidado. Eles ambos teriam que ser.

Quatorze

Felicidades chegaram tarde para o Arsenal de Lexington. O espetáculo de Rolf


Morgan foi programado para começar às nove pela noite e era suposto que ela estava lá
antes das seis para cabelo e maquilagem, mas já era passado oito meio. Ela esperou que
o desenhista não a mataria, embora ele provavelmente já lhe escrito fora, e ela chegaria
achar algum outro modelo que usa o preto-ate vestido de colete era suposto que ela
usava aquela noite.
Ela não tinha pretendido ser recente, mas a última visão dela tinha a deixado
desorientado. Ela tinha estado escovando os dentes dela e quando ela olhar para o
espelho, o mesmo homem bonito no terno branco dos sonhos dela estava olhando atrás
para ela.
"Jesus!"
"Quase não." O homem riu como se fosse a coisa mais engraçada que ele
alguma vez tinha ouvido. O cabelo dele, Felicidades perceberam, era a cor exata de ouro
fundido. Os olhos dele eram tão azuis quanto um céu matutino claro. Havia um cheiro
no quarto de lírios pela primavera, mas era um cheiro farto que mascarou algo podre.
Como como a madrasta dela, BobiAnne, cheirou quando ela vestir muito perfume
depois de deixar o ginásio em vez de chover.
Felicidades decidiram que ela seria valente. "Quem é você?"
"Eu sou você."
"Eu estou enlouquecendo, eu não sou? Por que você está aqui?" Felicidades
viraram fora a torneira e tentaram firmar a respiração dela. "O que quer você?"
O homem dourado no terno branco alcançado no bolso de casaco dele e removeu
um relógio de bolso antiquado que pendurou de uma cadeia de ouro. "Tempo."
Quando Felicidades olharem novamente para o espelho, ele teve sido ido. Ela
tinha passado a próxima hora que encara o copo, enquanto esperando por ele se aparecer
novamente. Só quando ela tinha se arrancado finalmente fora que ela percebeu ela
estava correndo tão tarde.
Mas quando ela conferir o telefone de cela dela, não havia nenhuma mensagem
brava do booker modelo dela, nenhum ansioso arenga sobre como o desenhista estava
tendo um ajuste porque ela não estava lá. Ela foi confundida para achar a entrada ao
espetáculo duplamente completamente esvazie, economize para alguns vítimas de moda
miserável-olhando amortalhadas em preto, sendo segurada atrás de cavaletes policial.
Isto semana de moda era?
Onde o carnaval furioso de editores e fotógrafos, celebridades e estilistas estava,
o à moda e o elegantemente aflito, aglomerou ao redor, enquanto acotovelando um ao
outro, enquanto empurrando e empurrando para entrar no Rolf Morgan mostram? O
espetáculo de Rolf era o ingresso maior da estação e o convite mais duro para marcar. E
ainda, aqui era, trinta minutos antes de hora do show e quase não havia ao redor
qualquer um.
Ela achou um solitário favorito, um assistente de produção que usa uma
Camiseta preta com ROLF MORGAN blasonou no tórax e pediu ser dirigido nos
bastidores.
O Arsenal morou o 69º Regimento do Guarda nacional e vários soldados em
uniforme de vestido a saudaram como entrou ela. O edifício era cavernoso e encaixou
em gabinetes de copo que revestem as paredes era centenas de armas de fogo e
munições. Ela seguiu as direções por um átrio principal, um espaço tão grande quanto
um hangar de avião que era fixo para um espetáculo de pista. Havia filas de
arquibancadas que conduzem até o teto e uma fase tinha sido fixa em um fim para cima
onde uma faixa estava afinando.
Durante ensaios, tinha explicado Rolf que os modelos caminhariam em uma
pista gigantesca suspensa sobre a fase, e Felicidades esperaram ansiosamente pelo
desafio.
Ela entrou o provisional nos bastidores e era flummoxed para achar isso em vez
do frenesi habitual de preparação, thrumming com a adrenalina de medo e excitação, o
humor era completamente relaxado. Ela achou Schuyler que lê uma revista em uma
cadeira perto, o cabelo dela se retirou em um rabo-de-cavalo extremo alto na cabeça
dela, a face dela já pista-pronto, com manchas de kohl escuras que revestem os olhos
azuis dela, e os lábios dela pintaram um ouro pálido, róseo.
Ela estava alegre de ver o amigo dela; eles ainda tiveram que falar sobre o que
tinha acontecido a outra noite. Ambos eles tinham estado evitando o assunto, quase
como se eles estivessem envergonhados. Ela não tinha visto Dylan desde então, embora
ele tinha lhe deixado bastante mensagens no telefone dela, pedindo perdão e a pedindo o
visitar. Ela tinha os apagado tudo.
Como para Schuyler, desde aquela noite que ela tinha flutuado ao redor de
Duchesne em uma nuvem. Felicidades souberam que Schuyler estava vendo o Jack, e
ela não pôde ajudar mas ter ciúmes da felicidade de newfound do amigo dela.
Seguramente, chupou que eles não pudessem estar fora junto em público, por causa de
Mimi e tudo. E sim, totalmente soprou aquele Jack foi contratado casamento
basicamente a outra pessoa. Mas ainda, Felicidades poderiam ver Schuyler estava
apaixonado e o amor dela foi devolvido. Era mais que ela pudesse dizer sobre Dylan e
ela.
"Onde todo o mundo é?" Felicidades perguntaram. "Há ninguém até mesmo
fora."
"Oh, ei." Schuyler derrubou o último assunto de Voga francesa. "Sim, está
fechado. Espetáculo não está começando até a meia-noite, se nós temos sorte. Eles
falaram todo o mundo de ir embora e voltar."
Felicidades caíram em um assento perto. "Você é sério?"
"É este sua primeira vez em caminhando para Rolf?" outro modelo perguntou,
enquanto escutando a conversação deles/delas. Felicidades a reconheceram como
Sabrina Sorboba, o giganta europeu Oriental que era o bem de desenhista atual.
Felicidades acenaram com a cabeça.
"Ele sempre está atrasado. Ano passado que Congelação de Brannon deixou o
espetáculo de fato sem ver isto ela foi aborrecida para ser mantida de espera" assim, a
Sabrina lhes falou. Congelação de Brannon era o Sangue Azul o editor de Chique, a
revista de moda mais poderosa no mundo. Brannon rompe os dedos dela e de repente a
guarda-roupa de todo o mundo está fora de estilo. Estale! Volume e pufe. Estale! Vespa-
cinturas e calças magras. Estale! Trocas e redondos saltos de sapatos! Estale! Crochê e
plataformas! Estale!
"Meia-noite? Isso está em três horas!" Felicidades reclamaram. O que foram
supostos eles para fazer, há pouco espere ao redor de? Ela notou alguns dos modelos
estavam jogando baralho, embora mais estava nos telefones de cela deles/delas e
Amora-pretas.
"Champanha?" A Sabrina ofereceu, enquanto erguendo uma garrafa de dois
litros de Laurent-Perrier e vertendo dois óculos para Felicidades e Schuyler sem esperar
por uma resposta. Esta era a resposta a esperar: bebida, fumaça e espera. Como uma
concessão para o último escândalo ser-modelo-muito-magro, havia uma expansão de
delusory de bolachas passadas e queijo mofento para prover comidas "saudáveis" para
as meninas. Como se! Modelos se mantiveram em fumos: fume e ar.
"De qualquer maneira, este tempo eles chamados todos os editores de Chique
por causa do que aconteceu ano passado, Mine, andJeune e lhes falou ir adquirir uma
bebida ou o jantar e volte posterior."
Felicidades acenaram com a cabeça. "Assim fora de quem estão essas pessoas,
então?"
"Nobodies."
Figurado. Claro que todas as pessoas importantes seriam advertidas, mas como
para os menos escalões, eles tiveram que afastar para eles. Ela comprimiu a bolsa dela
debaixo do contador e estava a ponto de fazer Schuyler uma pergunta, quando um
homem saqueado. finalmente alguém que olhou e agiu como eles tivessem que
organizar um espetáculo em alguns hours.burst na sala de espera dos modelos.
"Felicidades! Lá você está. Nós o precisamos em cabelo e maquilagem."

Felicidades sacudiram pelo último assunto de Arena Homme, alguns cigarros


defumados, e beberam muito champanha enquanto penteador curto e o dele igualmente
o assistente tenso arreliou e escovou o cabelo dela em uma criação ondulando enorme e
um slathered de artista de maquilagem jovial no spackle. Sempre a pasmou como
pequena modelagem de esforço era. Tudo ela teve que fazer era sente lá. Então ela teve
que estar de pé. Então caminhe. Isso era isto. Claro que, a pessoa teve que estar
impressionantemente bonito para fazer tudo "trabalho." Ainda, não era bastante para ser
mandíbula-droppingly deslumbrante. Os melhores modelos tiveram um certo ar de
langor e mistério que eram inato às personalidades deles/delas. Havia só um Kate Moss,
afinal de contas.
Quando o time de beleza estava satisfeito com o trabalho deles/delas, dois
estudantes de desígnio ansiosos que faziam parte do exército voluntário grande que
assumiu o trabalho físico atual e semana de moda feita acontece, a abordou próximo.
"Nós temos que o entrar em seu primeiro equipamento. Rolf quer ver isto."
Os dois estudantes ajudaram Felicidades no vestido de colete preto apertado. Um
deles puxou e amarrou as tiras na parte de trás enquanto as outras Felicidades ajudadas
em um par de tornozelo-comprimento botas aveludadas que riscaram na frente. O
vestido abraçou toda curva e o preto de jogo das escondidas usa espartilho emprestado o
vestido uma sensualidade esfumaçada. O justilho de colete imergiu baixo assim na
frente, Felicidades se ruborizaram a quanto da pele dela estava exposto.
"O que é isso?" um dos estudantes perguntou, enquanto apontando ao colar de
esmeralda esplendente se conchegou na divisão dela.
"É meu."
"Eu não sei se Rolf vai gostar", o outro estudante disse indecisamente.
Felicidades encolheram os ombros. Ela não desejou o que Rolf quis. Ela nunca
se iria isto.

Quinze

A exatamente cinco minutos a meia-noite, Mimi e Jack Force entraram no


Arsenal a uma torrente de lâmpadas para instantâneo. Mimi apoiou no ombro de Jack,
enquanto a puxando casaco de zibelina zebra-listrado fofo mais íntimo e escondendo
atrás de um par de óculos de sol extra-grandes, como se o excesso de fotografia pudesse
a prejudicar.
"Assista", o Jack disse nitidamente a um paparazzo de overeager que veio um
pouco também íntimo e empurrou Mimi.
"Mimi! Aqui mesmo", um publicista jovem que usa um fone de ouvido disse,
enquanto os varrendo no quarto principal e os conduzindo depressa pelo mar de
fashionista para o muito primeiro fila. "Nós somos um minuto para ir-cronometrar.
Você está aqui próximo a Brannon."
O quarto zumbiu com excitação, todo assento na casa estava cheio, toda
celebridade foi considerada para (Mimi era um do último) e até mesmo os corredores
estavam cheio dos voluntários T-camisa-cansativos pretos de que rastejaram nos
bastidores fora e no quarto principal assistir a ação. Onstage, a faixa trovejou por um
hino de alt-pedra rouco.
Mimi limpou as penas para as máquinas fotográficas, enquanto encolhendo os
ombros fora o casaco de pele dela e dobrando os bezerros dela de forma que as pernas
dela pareceriam mais esbeltos. Ela não teve nenhuma inveja para os modelos; eles só
seriam fotografados para as roupas nas parte de trás deles/delas. Considerando que a
multidão de vertiginoso a cercando e gritando o nome dela estava tirando a foto dela
porque eles estavam interessados nela.
"Você realmente está desfrutando isto", o Jack arreliou.
"Mmmm." Durante a última semana ela tinha escondido tão bem a raiva dela
que ela pensou que ela mereceu um Oscar. Mas ela pôde nem mesmo urso para olhar
para o gêmeo dela. Aquele mentiroso que o traidor. Ele estava arriscando tudo para um
dalliance com o vira-lata de mestiço. Ela poderia ver pela solicitude dele e perceber
como bem ele tinha nevado ela para tão longo. O bastardo só estava fingindo para estar
apaixonado por ela, enquanto ele escondeu os reais sentimentos dele.
A pior parte de tudo era que ela pôde nem mesmo o odeie. Ela o amou muito e
entendeu muito bem as falhas dele. Odiando o Jack seria consangüíneo a se odiar e
Mimi teve muito amor-próprio para se espojar naquela miséria de particular.
"Mimi! Bem!" Morgan barulhento, a esposa do desenhista, se abateu de repente
abaixo neles e efusivamente a beijou em ambas as bochechas. "Você tem que vir nos
bastidores e desejar Rolf sorte!"
Mimi se permitiu ser conduzido ao arco-e-rapapé tradicional com o desenhista.
O desenhista, claro que, seria o um fazendo o se curvando e raspando. Mimi era um dos
clientes maiores dele.
Ela deixou o Jack e escolheu o modo dela pela multidão. Rolf a cumprimentou
com um abraço de urso e uma chuva de elogios. Mimi aceitou a homenagem e
generosamente lhe desejou um espetáculo bom. Ela disse oi para vários outros Sangues
Azuis do círculo social dela: Flautista Crandall em um vestido amarelo cruel e Soos
Kemble que se queixou de ser banido à segunda fila. Mimi espiou alguns uppity como
bem Sangues Vermelhos. Lucy Forbes arrulhou em cima do conjunto de Rolf Morgan
novo de Mimi que o desenhista teve messengered em cima de só aquela manhã para ela
usar ao espetáculo dele. Então ela espiou o objeto do ódio dela pelo quarto.
Schuyler estava deixando as cômodas dela exagerarem o equipamento dela por
cima: uma blusa arrepiada e uma jaqueta de equitação de esbelto-corte, velveteen que
monta calças e botas altas. Mimi pensou a ela ela compraria a roupa se Schuyler não
fosse o um usando isto.
Sem hesitação ela caminhou em cima de para Schuyler. Talvez ela poderia
abafar esta coisa do início; talvez ainda havia esperança que nada viria do pequeno
flerte estúpido de Jack.
"Schuyler, você tem um segundo?" ela perguntou.
Schuyler despachou os manipuladores dela e os dois deles vaguearam por cima a
um canto quieto. "O que é para cima?"
Mimi decidiu ficar certo ao ponto. "Eu sei o que vai em entre você e meu
irmão."
"O que quer dizer você?" Schuyler tentou parecer tranqüilo, mas Mimi poderia
sentir o alarme dela. Ela tinha razão. Goddamnit ela tinha razão. O infeliz fez nem
mesmo tente negar isto. Os dois deles eram junto. Como distante teve isto ido? O
coração de Mimi derrubou. Ela tinha se falado ela nunca sentiria ciumento do pequeno
bobo aborrecedor. Mas a face desafiante de Schuyler fez o tato dela caso contrário.
Schuyler não olhou castigado ou fraco ou envergonhado. Ido era o mestiço
choramingando que saltou quando você disser "Vaia!" Ido era a menina com o
esmagamento não respondido na grande Jack Force. Mimi viu Schuyler muito
claramente. Ela se pareceu com uma menina que era confiante apaixonado. Uma menina
que conheceu ela segurou o coração dele nas mãos dela. Para um momento desejou
Mimi intensamente que o Sangue Prateado tinha arrastado facedown de Schuyler em
inferno.
"Você tem qualquer idéia o que você está fazendo a Jack?"
"Sobre o que está falando você?"
Mimi apertou o braço superior de Schuyler firmemente. "Pense em sua mãe. Por
que você pensa Allegra em um coma? Por que você pensa que ela é imortal mas não
morrerá? Ela é inútil e destruída. O faça desejo que para ele?"
"Não traga minha mãe nisto", Schuyler advertiu, enquanto tremendo Mimi fora.
"Você não sabe nada de minha mãe."
"Oh, mas eu faço. Eu vivi mais tempo que você." A face de Mimi mudou e para
um momento, Schuyler viu flashes de todas as mulheres em história que Mimi tinha
sido: a rainha egípcia, o fidalga francês, o Peregrino forte, o Newport hostess.all
impressionantemente bonito, tudo com os mesmos olhos verdes frios.
"Você não entende o laço", Mimi sussurrou, como ao redor deles o desenhista e
o time dele estava fazendo correções finais em todas as roupas. "O Jack e eu somos um
e os mesmos. O levando longe de mim seria como arrancar a pele dele. Ele precisa de
mim. Se ele renovar o laço, ele crescerá mais forte, as recordações dele estarão inteiras.
Ele florescerá."
"E se não?" Schuyler desafiou.
"Você pode bem como reserve uma mancha para ele naquele hospital meu pai
continua visitando. Este não é algum jogo de escola secundária tolo, você a menina
estúpida." Estas é vida e morte. Anjos e demônios. O laço é lei. Nós somos feito do
mesmo assunto escuro, Mimi pensou mas não disse. Ela viu aquele Schuyler não pôde
ou não vai, entenda. Schuyler era um recém-nascido. Ela teve nenhuma compreensão
dos rigores de imortalidade. Os modos severos e absolutos do tipo deles/delas.
"Eu não o acredito."
"Eu não o esperei." Mimi pareceu exausto. "Mas se você o amar, o deixe,
Schuyler. O liberte. Lhe fale você não o quer mais. É o único modo ele deixará vá."
Schuyler tremeu a cabeça dela. Ao redor dela, estavam se enfileirando os
modelos e Rolf estava fixando uma bainha aqui, comprimindo lá em uma prega. Fora
de, as luzes tinham ido pretas e o espetáculo estava a ponto de começar. Ela deixou um
do corte de cômodas dela uma linha errante da manga da jaqueta de equitação dela. "Eu
não posso fazer isso. Eu não posso mentir."
Mimi tomou um gole do copo de Schuyler de champanha sem perguntar. "Então
Jack está perdido."

Dezesseis

Ano passado durante a apresentação de queda dele, Rolf Morgan tinha feito a
audiência caminha abaixo a pista enquanto os modelos sentaram em assentos de frente-
fila e fingiram tomar notas. O esquema tinha encantado a imprensa de moda tanto ele
era agudo em experimentar outra torção divertida. Este ano seria dirigido o espetáculo
para trás, enquanto começando com o arco do desenhista e os vestidos de bola
principais e terminando com roupa esporte casual.
Como a faixa jogou uma capitulação enorme de Raridade Espacial", Rolf correu
fora sobre a fase para aplauso atroador. Ele devolveu porte um buquê de rosas, enquanto
irradiando e energizou. Schuyler assistiu como Cyrus, o corredor de espetáculo
espasmódico de Rolf, Felicidades conduzidas para a frente da linha. O preto ata vestido
de colete foi significado ser o final de showstopping, e então, na equação para trás, o
abridor. Schuyler deu para Felicidades uma onda encorajadora. Ela soube que o amigo
dela ainda foi intimidado ligeiramente pela passarela, e Felicidades se pareceram com
um potro nervoso, o tremor de mãos dela ligeiramente como eles descansaram nos
quadris dela.
Felicidades devolveram alguns minutos, um sorriso largo de alívio na face dela,
depois. "É lá fora loucura!" ela esguichou a Schuyler antes de ser batida para ser
mudada para a segunda excursão dela fora.
Schuyler devolveu o sorriso de Felicidades, enquanto pensando que ela estaria
alegre quando era por cima, quando ela pudesse vestir o próprio clothes.a dela
finalmente a camisa de Oxford de certos homens que era o favorito atual dela, em cima
de um par de perneiras pretos e fendido-coiceia botas que ela tinha escolhido em uma
loja de revenda.
As meninas nos vestidos de baile de formatura góticos deles/delas tinham
encerrado a passarela e Cyrus motioned ela para a frente. Ela estava próxima. "Se
lembre, quando você adquirir ao fim, um posa, dois posam, BAM! E então volta."
Schyler acenou com a cabeça. Ela levou uma respiração funda e caminhou
onstage. Sair sobre a passarela era como modo de andar sobre a lua. Você foi nos
bastidores da realidade suja de, cercou por tagarele e alfinetes de segurança e uma
bagunça heróica de vestir prateleiras e invadiu caixas adicionais, para as luzes brancas
luminosas da fase e o flash ofuscante de cem máquinas fotográficas.
A atmosfera era elétrica, uma cacofonia ruidosa de histeria reservou para a
melhor pedra concerts.the pia e saúde da fila de parte de trás que energiza a faixa para
jogar mais rápido e mais alto, e os modelos para assumir as fachadas mais arrogantes
deles/delas. Schuyler nunca igualam notado os editores severo-enfrentados ou as
celebridades tarted-acordadas na fila dianteira; ela era concentrando muito ocupado em
pôr um pé em frente ao outro e não fazendo um bobo dela.
Ela achou a mancha marcada ao término da pista e estalou o exigido posa,
enquanto se ficando esquerdo e girando o quadril dela remetem, e se ficando certo em
seguida. E da mesma maneira que ela estava a ponto de fazer uma meia-volta para
retroceder, a mente dela abriu a um enviar urgente, forçoso. Era um ódio incoerente,
selvagem. A intensidade inesperada era bastante para parar Schuyler em meio-passo e
ela cambaleou do peso disto, enquanto tropeçando os saltos de sapatos dela por cima e
fazendo os sócios da fila dianteira ofegar audivelmente.
Schuyler sentia desorientado e quebrado. Someone.or something.had veio à
mente dela barbaramente. Ela reconheceu isto imediatamente como uma manipulação,
mas isto era mais forte e pior que o que ela tinha experimentado com Dylan. Era uma
transgressão imperdoável e ela sentia violada, nu e terrivelmente amedrontado. Ela teve
que sair de lá.
Não havia nenhum tempo para fazer uma própria saída. Schuyler saltou da fase,
enquanto pousando no meio da cova do fotógrafo. Ela soube exatamente onde ela teve
que ir agora.
"Arrependido!" ela contou um shutterbug azarado cujo caminha que ela tinha
esmagado.
Ela voou pela multidão, outro, à confusão da tripulação e a delícia de todo o
mundo pensou que que era toda a parte do espetáculo.
De nos bastidores ela ouviu, "Ei! Onde ela pensa que ela vai? Volte aqui!"
Amanhã haveria uma história de tablóide sobre o modelo que tinha escapado a
passarela ao Rolf Morgan espetáculo, mas Schuyler não estava então preocupado sobre
as mídia ou o booker modelo dela ou direito de Rolf.
O que foi isso? ela pensou, o coração dela sentindo como se explodisse de medo
como ela correu para cima a Rodovia Lateral Ocidental, enquanto movendo mais
rapidamente que tráfico já permitiria. Quem era isso? O sentimento doentio, sujado
diminuiu o momento que ela chegou ao arenito velho roto em Passeio Beira-rio
ligeiramente. Não olhou tão em estado precário quanto usou, graças à recente renovação
de Lawrence. Seus passos de pedra foram varridos recentemente, tinham sido pintadas
as pichações nas portas por cima e as gárgulas tinham sido restabelecidas à dignidade
anterior deles/delas.
Quando ela entrar no estudo do avô dela que ele terminou curvado, enquanto
empacotando um arquivo de documentos em uma pasta de couro. Ele tinha envelhecido
pelo mês eles tinham estado separados, Schuyler notou. O cabelo leonino dele era
listrado com cinza e havia linhas novas ao redor os olhos dele.
Lawrence era um Enmortal, um vampiro raro que não descansou, não passou
pelo ciclo regular de reencarnação. Ele tinha mantido a mesma concha física dele
durante séculos. Ele teve a habilidade para parecer tão jovem quanto Schuyler, mas
aquela noite ele olhou como se ele levasse o peso de mil anos. Ele olhou, pela primeira
vez desde que Schuyler o conheceu, antigo. Ele não se pareceu com um homem do
vigésimo primeiro século. Ele olhou como se ele tivesse estado lá quando o Moses tinha
sido posto em uma cesta e tinha sido enviado rio abaixo.
"Schuyler, o que uma surpresa agradável", ele disse, embora ele não pareceu
surpreso para a ver.
"Onde você vai?" ela perguntou em resposta, quando ela viu a valise danificada
dele amarrada e empacotou, próximo à escrivaninha.
"Rio", ele disse. "É havido um terremoto volumoso; você viu as notícias?"
Lawrence perguntou, motioning para a televisão que tinha sido instalada recentemente
no escritório dele. As máquinas fotográficas mostraram uma cidade engolfada em
chamas, edifícios inteiros desfaleceram em hemorróidas de escombros.
Schuyler disse uma oração rápida à vista da devastação. "Avô, algo aconteceu a
mim. Há pouco alguns minutos atrás." Ela descreveu a sensação, o sentimento que ela
estava na presença de uma malícia incrível. Só era para o momento mais breve, mas era
bastante para sentir poluiu em todo poro do ser dela.
"Assim você também sentia isto."
"O que foi?" Schuyler estremeceu. "Era.repulsivo", ela disse, embora repulsivo
era muito fraco uma palavra para a hostilidade iniciada que ela tinha sofrido.
Lawrence motioned para ela para se sentar enquanto ele continuou olhando
pelos documentos dele. "Em sua leitura, você se encontrou com o capítulo Corcovado
aceso contudo?"
"Eu sei que está em Rio. … Em Brasil", disse ela indecisamente. Ela não tinha
feito muitos progressos nas tarefas de Lawrence. Era tolo dela, mas ela sentia o avô dela
era em parte culpar para a situação viva dela e em petulância ela tinha rejeitado as
sugestões dele para revisar o Sangue Azul dela história. Ele tinha a apertado ler cópias
de ancião, antigamente história de texts.the proibida de Croatan até o que tinha sido
expungido agora dos registros oficiais.
Se o Lawrence estivesse aborrecido, ele não mostrou para isto. Ao invés ele
explicou pacientemente, como o professor universitário tinha estado uma vez ele.
"Corcovado é um lugar de poder, uma fonte de energia, um bivio primitivo de qual nós
vampiros puxam nossa força em Terra. Nossa imortalidade origina de de uma conexão
harmônica à essência primordial de vida, um presente que nós retivemos até mesmo
depois de nosso banimento."
Em tela, a máquina fotográfica mostrou a estátua famosa de Cristo para o
Redentor que assoma em cima da cidade em seu pedestal em Corcovado Mountain.
Schuyler se maravilhou que estava ficando parado enquanto tinham sido reduzidos
edifícios ao redor da cidade a pedregulho.
"O terremoto. O enviando eu experimentei. Está conectado, não é? É que por
que você vai?" ela perguntou, enquanto sabendo que ela tinha razão.
O avô dela acenou com a cabeça mas mais adiante não elaboraria. "É melhor se
você não souber exatamente como."
"Você está partindo hoje à noite, eu levo isto?" Schuyler perguntou.
Lawrence acenou com a cabeça. "Eu me reunirei primeiro para cima com o time
de Kingsley em São Paolo. Então nós vamos junto a Corcovado."
"E o conclave?"
"Eles estão compreensivelmente preocupados, mas é melhor se eles não
souberem muitos detalhes de minha viagem. Você sabe minhas dúvidas sobre o
Conclave, o que Cordelia e eu sempre suspeitamos."
"Aquele das grandes famílias nos" traiu, Schuyler disse, enquanto assistindo
meticulosamente como o avô dela organizou a gravata dele. Lawrence sempre vestiu
formalmente para toda ocasião.
"Sim. Mas eu não sei como. E eu não sei por que. Claro que, nossas apreensões
nunca foram confirmadas e certamente nós nunca tivemos qualquer evidência de tal
uma traição. Ainda os últimos ataques confirmaram isso de alguma maneira, um ou
mais dos Sangues Prateados sobreviveu e devolveu para nos atacar. Que talvez o
próprio Príncipe Escuro ainda caminha esta terra."
Schuyler estremeceu. Sempre que o Lawrence falou sobre Lucifer, ela sentia
como se o sangue dela tivesse virado a gelo. Havia mau embutido até mesmo no nome
dele.
"Agora, Schuyler, eu o tenho que licitar adeus."
"Não! Me deixe vir com você", Schuyler disse, enquanto subindo do assento
dela. Aquela escuridão, animosidade terrível, odiosa. O avô dela não pôde enfrentar
aquele thing.whatever isto was.alone.
"Eu sinto muito." O Lawrence tremeu a cabeça dele e passou despercebido a
carteira dele no bolso de casaco dele. "Você tem que ficar aqui. Você é forte, Schuyler,
mas você é muito jovem. E você ainda está debaixo de meu cuidado."
Ele puxou as cortinas e vestiu uma capa de chuva velha. Anderson, o Canal dele,
se aparecido na porta. "Pronto, senhor?"
Lawrence apanhou as bolsas dele. "Não olhe assim desapontou, neta. Não só é
por você que você tem que permanecer em Nova Iorque. Se houver uma coisa que eu
posso fazer para sua mãe, é o manter protegido de dano, e como longe de Corcovado
como possível."
ARQUIVO DE GRAVAÇÕES AUDITIVO:
Repositório de história
DOCUMENTO CLASSIFICADO:
Liberação de Altithronus só
Cópia de relatório de Venator arquivou 2/28

Gravação amortecida." São ouvidas duas vozes distintas: Venator Martin e


Charles forçam, Régis.»
Venator Martin: Ela levou a isca.
Charles Force: Você está perfeitamente seguro?
VM: Sim. Não há nenhuma dúvida em minha mente que ela tentará executar o
Encantamento Demonata.
CF: Mas uma mera criança para borrifar com tal magia escura. Talvez se você
pudesse a revelar a mim..
VM: Você sabe que eu não posso falar o nome dela até que é confirmado a
tentativa, Régis. Mas não preocupa, eu não lhe permitirei completar o feitiço.
CF: Mas você deve.
VM: Com licença, Régis? Eu não entendo.
CF: É um teste, Venator. O Encantamento deve ser executado. Se ela falhar,
você levará a lâmina e puxará seu próprio sangue.
VM: O Comitê conhece isto? O Conclave aprova?
CF: Não preocupe sobre o Conclave. Este é meu negócio. O Venators são leais a
mim, eles não são?
VM: Mas Régis-o encantamento. Você está seguro?
CF: Eu sou. Quando o tempo vier, faça. Em minha ordem.

Dezessete

Quando Felicidades estavam crescendo, a família dela viveu em um dessas


mega-mansões que eram onipresente em Carvalhos de Rio, um subúrbio de Houston
rico. A casa deles/delas era o epítome de "Excesso de Texas", a vinte e oito mil pés
quadrados. Felicidades brincavam que deveria ter seu próprio cep. Ela nunca tinha
sentido confortável nisto e preferiu a fazenda errante dos avós dela ao invés no wilds de
Ocidental Texas. Apesar do ianque deles/delas raízes, a família dela era Solitária Estrela
considerada dinheiro de aristocracy.their feito em óleo, gados, e bem.principalmente
óleo. A história que o Llewellyns gostou de contar era como o patriarca familiar tinha
escandalizado a família aristocrata dele derrubando fora de Yale trabalhar a um campo
de óleo. Ele tinha aprendido as cordas depressa, enquanto comprando milhares de acres
de terra óleo-rica para se tornar o barão de óleo mais afortunado no estado inteiro. Era
isto sorte ou devido a habilidade de vampiro, desejaram saber Felicidades agora.
Forsyth era o filho mais jovem do filho mais jovem. O avô dela era um rebelde
que ficou Oriente depois de internato, casado o amado de Andover dele, uma debutante
de Connecticut, e criou o filho deles/delas no Quinto apartamento de Avenida familiar
dela, até azar no mercado de valores mandou de volta a família para o domicílio de
Texas.
O avô dela tinha sido um das pessoas favoritas dela. Ele tinha retido a
pronunciação lenta texana dele até mesmo depois dos anos dele no Nordeste e ele tinha
tido um senso de humor irônico, insolente. Ele gostou de dizer ele não pertenceu
pertencido em todos lugares em qualquer lugar e então. Ele era nostálgico sobre a vida
dele em Nova Iorque, mas ele tinha cavado dentro e assumiu o negócio familiar quando
ninguém mais quiser a fazenda, enquanto preferindo mover ao invés às metrópoles de
copo de Dallas ou San Antonio. Ela desejou que Papinha-papinha tinha aderido ao
redor; o que foi o ponto de um vampiro que é se você tivesse que viver uma vida de
humano-comprimento de qualquer maneira, e então teve que esperar ser chamado
novamente durante o próximo ciclo?
Felicidades tinham crescido entre muitos primos, e até que ela se mudou para
Nova Iorque e virou quinze, sempre tinha assumido não havia nada particularmente
especial ou interessante sobre ela. Talvez era uma ignorância voluntariosa. Tinha havido
sinais, ela percebeu mais tarde: os primos mais velhos dela indicando de "a mudança",
risadinhas furtivas do já iniciado, o pai dela está girando os secretários que, ela entendeu
agora, serviu como o familiars humano dele. Isto só recentemente ocorreu Felicidades
como estranho era que ninguém já falou da real mãe dela.
BobiAnne era a única mãe que ela alguma vez tinha conhecido. Felicidades
tiveram uma relação intranqüila com ela madrasta brega, em cima de-protetora que
despejou Felicidades com afeto enquanto ignorando a própria criança dela, o meia-irmã
de Felicidades, Jordan. BobiAnne, com as peles dela e diamantes e esquemas de
decoração ridículos, tinha tentado muito difícil para substituir as Felicidades de mãe
nunca tinha sabido e Felicidades não a puderam odiar para isto. Por outro lado, ela ou
não a pôde amar para isto.
Forsyth tinha se casado BobiAnne enquanto Felicidades ainda estavam no berço,
e o Jordan teve nascido depois quatro anos. Uma criança silenciosa e estranha que era
rechonchudo à forma coberto de salgueiros de Felicidades, pastoso à aparência de
marfim de Felicidades, e difícil em comparação ao temperamento calmo de Felicidades.
Ainda Felicidades não puderam imaginar vida sem a irmã mais jovem dela e exibiram
um protectiveness feroz sempre que BobiAnne arreliaria ou insultaria a própria progênie
dela. Para a parte dela, Jordan adorou a irmã dela quando ela não a estava escarnecendo.
Era um irmão normal relationship.full de brigas e brigando e ainda sustentou por uma
lealdade fiel e permanente.
A pessoa sempre levou as coisas mais importantes em vida para concedeu,
pensamento de Felicidades, quando alguns dias depois que o desfile de modas ela pegou
um táxi aos alcances superiores de Manhattan. Ela dirigiu o motorista para o hospital
Columbia-presbiteriano.
"Você é a família?" indagou o guarda à escrivaninha de recepção, enquanto
empurrando uma folha de visita adiante para ela assinar.
Felicidades hesitaram. Ela tocou a fotografia escondido no bolso de casaco dela
para sorte. Era semelhante a um o pai dela detido a carteira dele, uma cópia da qual ela
fundaria em um caso de jóia e agora conteria as mãos dela.
"Sim."
"Chão de topo. Por último se aloje ao término do corredor."
Ela desejou que ela teve alguém para a acompanhar, mas ela não pôde pensar de
ninguém que ela poderia perguntar. Schuyler exigiria uma explicação certamente e
Felicidades não poderiam prover um razoável. "Um, eu penso que você e eu poderíamos
ser as irmãs?" há pouco soado muito absurdo.
Como para Dylan, Felicidades tinham empurrado todos os pensamentos dele à
parte de trás da mente dela. Ela soube que ela deveria inspecionar para cima o,
especialmente agora que ele tinha deixado de tentar a contatar, mas ela estava muito
brava e humilhou para voltar àquele quarto terrível no Hotel de Chelsea. Os tiques
estranhos que ela tinha observado: o discurso gutural, o riso alto, que o murmúrio
estranho de idiomas só lhe fez mais medroso dele. Felicidades souberam que era
pensamento tendencioso, mas ela não pôde ajudar esperando que talvez coisas há pouco
voltariam para normal. Ela tinha prometido Schuyler e Oliver que ela lidaria tão longe
com it.turn ele dentro para o Comitê e o Conclave.but ela não manteve desculpas de
achado para. Até mesmo se ela tinha decidido não ser mais a ele, ela ou não pôde achar
isto no coração dela para rato nele.
Ela teve outras coisas para preocupar sobre, embora ela soubesse que ela não ia
achar qualquer resposta no hospital. Allegra estava em um coma, afinal de contas. E era
inútil para tentar expondo o assunto com o pai dela.
Todos sua vida, tinham sido contadas Felicidades que a mãe dela tinha morrido
quando ela era jovem. Aquele "Charlotte Potter" tinha sido um professor o pai dela
tinha se encontrado durante a primeira campanha política dele, quando ele correria para
congressista estatal. Agora Felicidades desejaram saber se o Charlotte Potter alguma vez
tivesse existido. Certamente havia nenhum álbum de casamento, nenhuma
quinquilharias, alguma vez tinha se casado nenhuma relíquia de família para indicar
qualquer tal mulher com o pai dela. Durante o tempo mais longo tinha assumido ela era
porque BobiAnne não quis lembranças do Mrs anterior. Llewellyn.
Ela não soube nada da família da real mãe dela, e com a memória de vampiro
aguda dela, poderia voltar para o tempo quando ela tinha perguntado primeiro ao pai
dela o que o nome da real mãe dela era. Ela tinha cinco anos e o pai dela tinha lido uma
história de hora de dormir para há pouco ela. "Charlotte Potter", ele tinha lhe falado
alegremente. "O nome de sua mãe era o Charlotte Potter.
Felicidades tinham estado encantadas. "Há pouco o Web de igual Charlotte!" ela
tinha gritado. E o último nome dela há pouco era igual a mulher que escreveu todos
esses livros nas estantes dela, Beatrix Potter.
Cada vez mais, Felicidades suspeitaram que o pai dela tinha feito as pazes há
pouco isto. O outro dia quando ela tinha mencionado o nome a Forsyth, ele tinha
parecido em branco simplesmente.
Felicidades caminharam ao fim do corredor e acharam o quarto. Ela empurrou a
porta abra e deslizou dentro.
O quarto de Allegra Van Alen estava tão frio quanto um baú de carne. A mulher
que dorme na cama não moveu. Felicidades chegaram o lado da cama tentativamente,
enquanto sentindo como um intruso. Allegra pareceu calmo, imutável, a face dela
desforrado. Ela estava como uma princesa em um caixão de copo: bonito e imóvel.
Ela pensou que quando ela ver Allegra finalmente que ela sentiria
something.know sem dúvida se ela foi relacionada a ela ou não. Mas não havia nada.
Felicidades tocaram o colar escondido debaixo da camisa dela para conforto, então
alcançado para segurar a mão de Allegra por cima, enquanto sentindo a pele semelhante
ao papel dela. Ela fechou os olhos dela e tentou acessar as vidas passadas dela, as
recordações dela, ver se ela tivesse qualquer conhecimento de Gabrielle.
Em flashes ela pegaria um olhar rápido de alguém que pareceu familiar, que
poderia ter sido ela, mas Felicidades não estavam seguras. No fim, a mulher na cama era
como muito um estranho como o enfermeira no corredor.
"Allegra?" Felicidades sussurraram. Parecia presunçoso para chamar a "mãe
dela." "Sou eu. Eu sou.Felicidades. Eu não sei se você se lembra de mim, mas eu penso
que você poderia ser meu." Felicidades pararam de repente bruscamente. Ela sentia uma
dor no tórax dela, como se ela não pudesse respirar. O que estava fazendo ela aqui? Ela
teve que ir. Ela teve que partir imediatamente.
Ela tinha razão; ela não acharia nenhuma resposta aqui. Ela nunca saberia a
verdade. O pai dela nunca lhe falaria e Allegra não pôde.
Felicidades partiram, preocupado e confuso, ainda buscando respostas a
perguntas ela deteve o coração dela.
Ela não soube que quando ela deixar o quarto, Allegra Van Alen começou a
gritar.

Dezoito

Reuniões de comitê nunca começaram na hora certa, assim Mimi não preocupou
quando a chamada de conferência dela com o planejador de vínculo dela correu um
pouco mais longo que ela tinha planejado. Desde então Lawrence tinha sido instalado
como Régis, as reuniões tiveram que ver com planejamento social e angariação de
fundos cada vez menos e mais para fazer com, na opinião dela, lições de vampiro
totalmente redundantes.
Edmund Oelrich, a cabra senil cambaleante do Conclave que era o diretor
principal novo, não correu como apertado um navio como o recente Priscilla Dupont e
era completamente ignorante do fato que se eles quisessem afiançar as cadeiras
honorárias certas durante a primavera anual de gala para o balé em maio, eles deveriam
ter enviado tentáculos alguns semanas atrás. Como era, todos o anterior Primeiro
Senhoras já era indisponível e a esposa do governador foi imergida no último escândalo
do marido dela. A esta taxa eles teriam que se conformar com a namorada do prefeito
que não era remotamente à moda ou a tudo interessada fazer assistência social debaixo
do disfarce de social-escalar.
Mimi entrou no quarto de biblioteca a Duchesne, achou um assento na parte de
trás e bateu no dispositivo de Bluetooth preso à orelha dela como uma desculpa por não
cumprimentar os amigos dela. Ela pensou que as lições do Comitê eram um desperdício
completo de tempo. Ela tinha sido adepto a todas suas habilidades desde transformação
e a esfolou aqueles outros vampiros estavam tão lentos. Hoje era suposto que eles
aprendiam mais sobre mutatio, a habilidade para mudar nos elementos: incendeie,
molhe, ar. Mimi suspirou. Ela tinha estado desaparecendo em uma névoa desde que ela
tinha onze anos. Ela tinha desenvolvido cedo, como dizem eles.
"Arrependido, o pôde repetição que novamente?" ela perguntou, enquanto
tremendo o receptor prateado minúsculo entalado na orelha dela. "Você pensa que nós
pudéssemos ter isto no Casa Branca? Não?"
A empresa que ela tinha contratado, Elizabeth Tilton Eventos, tinha orquestrado
uma composição extravagante de cinco dias recentemente em Cartagena, em que Don
Alejandro Castañeda, o Sangue Azul o herdeiro para a fortuna de açúcar-e-bebida do pai
dele, tinha sido unido ao gêmeo de vampiro dele, Danielle Russell, um recente
diplomado Marrom. Mimi e Jack tinham representado a família e Mimi tinha sido um
pouco ofendeu quando a conversa ao jantar de ensaio era sobre como extraordinário
tudo tinha sido. O melhor homem tinha anunciado que "o próximo vínculo terá que estar
na lua, desde que ninguém mais vai tampar isto!"
Mimi ia tentar seguramente.
"Bem", Lizbet Tilton arrulhou. "Eu sinto muito, mas com a administração nova,
o Rose Garden está fora da pergunta. Eu não penso que nós contribuímos bastante à
campanha. Mas lá tem que estar em outro lugar você gostaria ter isto."
"O que sobre Buckingham, então? Eu estou seguro meu pai pode chamar um
favor."
Lizbet riu cordialmente. "Amado, por que século está você? Tenha você adquiriu
suas vidas confundidas? Embora você seja uns Reais, aquela filial do clã nunca nos
perdoou por partir. Além, eles são terrivelmente rígidos estes dias. Até mesmo o Charles
e Camilla tiveram que se casar fora-local."
Mimi fez beicinho. "Bem, eu adivinho nós poderíamos fazer isto dentro na ilha",
ela disse, enquanto notando que Schuyler e Felicidades tinham entrado em há pouco o
quarto. Mimi enviou uma sugestão rápida e Schuyler causado a de repente viagem. Ha.
Alguém seguro não estava fazendo as lições de occludo deles/delas. A mente de
Schuyler estava tão aberta quanto uma ferida.
"Você quer dizer o lugar de seu pai em Sandy Cay?" Lizbet perguntou. "Isso
seria fabuloso." As Forças possuíram a própria ilha privada deles/delas nas Bahamas.
"Todo o mundo poderia sair a jato abaixo durante o fim de semana e se eles não têm
asas que nós poderia garantir um avião. Nós há pouco fizemos que para o Alex e Dani
na Colômbia."
Mimi assim não quis o vínculo dela para há pouco estar outro como qualquer
um.
"O que sobre a Itália?" Lizbet sugeriu. "Um dos palácios ancestrais? Você os
sujeitos ainda têm aquele lugar em Toscana?"
"Um, não. Não a Itália. Recordações ruins?" Mimi repreendeu, enquanto luzindo
ao grupo que estava a encarando. O diretor principal e o resto do comitê sênior tinham
chegado finalmente e lições estavam a ponto de começar.
"Direito. Arrependido."
"Você sabe", Lizbet disse pensativamente, "com toda a excitação de todo o
mundo sido unido em todos lugares, ninguém fez uma cinco-estrela Nova Iorque que
une em décadas."
"Aqui? Só em casa?" Mimi carranqueou. Isso não soou especial nada.
Para cima frente, Edmund Oelrich era documentos arrastados no pódio e
cumprimentando as mulheres bem conservado que compuseram o comitê sênior.
"São John o Divine é uma catedral Gótica fabulosa. Você poderia usar um trem
mais longo que Princesa Di. E nós poderíamos adquirir o Coro de Meninos de Harlem.
Seria corretamente angelical."
Mimi considerou a sugestão. Realmente era uma igreja bonita, ela contou Lizbet
e eles poderiam ter a recepção posteriormente no Templo de Dendur no Museu
Metropolitano. O Charles era um fiduciário de museu e tinha sido particularmente
generoso que ano. Ela ondulou a Jack que há pouco tinha entrado na porta. O irmão dela
a uniu e deu um sorriso rápido.
"Com quem está falando você?" ele declamou.
"Assim, nós estamos na mesma página aqui? São John? E então os Se
encontraram?" Lizbet estava perguntando. "E você disse que você quis convidar o
inteiro Quatrocentos, sim?"
"Feito e terminado!" Mimi disse com satisfação. Ela guardou o telefone dela e
sorriu ao irmão dela. Agora que ela soube o segredo dele, ela notou que ele olhou em
todos lugares no quarto exclua para o canto onde Schuyler estava sentando.
O sócio de Schuyler que igualmente Oliver humano aborrecedor, chegou em
seguida. Isso era outros humanos de travesty.letting nas reuniões exclusivas deles/delas.
Charles nunca teria permitido isto durante a posse dele. Mas o Lawrence tinha feito isto
claro ele esperou os Canais para sofrer o próprio treinamento deles/delas como bem e
que modo melhor para aprender sobre a chamada deles/delas que unir o Comitê.
Mimi sentia o Jack tempo pelo lado dela. Oliver tinha beijado Schuyler na
bochecha. Isso era interessante. Ela usou o senso de vampiro dela para fazer mira no
pescoço de Oliver. Ela manchou a mordida faladora marca imediatamente. Eles eram
indetectávéis ao olho humano, mas luzindo à visão de vampiro. Assim. O pequeno
mestiço tinha feito o melhor amigo dela o familiar dela.
Bem.
Deu para Mimi uma idéia. Se Schuyler não fosse a renunciar pouca ligação
patética com Jack, então talvez ela poderia ser forçada.
Oliver poderia provar útil.
Mimi teria que agir jejum. Ela tinha contado Lizbet ela quis o vínculo dela para
acontecer em três meses.

Dezenove

Mimi distinto, Felicidades desfrutaram a ordem do dia nova do Comitê. Ela


gostou de descobrir e usar as habilidades de vampiro dela, em vez de memorizar fatos
enfadonhos somente sobre a história deles/delas, ou enchendo envelopes e serviços de
bufê de critiquing para eventos extravagantes que ela não esperou assistir. Lições
adquiriram os sangue bombeando dela. Ela foi emocionada se achar o perito a algumas
das tarefas mais difíceis, como o mutatio, por exemplo.
O comitê sênior tinha pedido aos sócios mais jovens se organizar em grupos de
dois ou três enquanto eles praticaram a arte delicada de metamorfose.
"Todos os vampiros deveriam poder mudar em fumaça ou arejam ou névoa;
embora a maioria de nós pode transformar em fogo e molhar como bem. Como você
poderia estar atento, A Conspiração cuidou disto que as falsas lendas sobre nossas
pessoas perpetuadas em Sangue Vermelho história estão baseado em uma pequena
quantidade de verdade." DorotheaRockefeller, o conferencista de convidado deles/delas,
riu como ela disse isto. A Conspiração era uma grande fonte de diversão ao Comitê.
"Eles também pensaram que poderia ser satisfatório se os humanos fossem
levados a acreditar que nosso tipo só pode transformar em morcegos ou ratos ou outras
criaturas da noite. Aquele modo que os Sangues Vermelhos seriam acalmados em um
falso senso de segurança durante horas de luz do dia. E enquanto é verdade que esses de
nós que têm a habilidade para forma-trocar pode escolher estes formas físicas bastante
repulsivas, a maioria de nós não faz. Na realidade, nossa senhora Gabrielle escolheu
uma pomba como o mutatus dela. Se você é um do poucos que pode transformar à
vontade, você achará uma forma que veste suas habilidades. Não seja surpreendido
quando for um que você não esperou."
Felicidades eram um do afortunado poucos. Ela achou ela poderia trocar de
menina fumar e atrás novamente, e então experimentou outro forms.a cavalo branco, um
corvo preto, um macaco de aranha. antes de resolver na forma de uma leoa dourada.
Mas Schuyler simplesmente estava no meio do quarto, sido frustrado cada vez
mais com cada tentativa falhada. "Talvez é porque eu sou meio o humano", ela suspirou
quando ainda outra prova a forçar o assunto dela a mudar em uma configuração
diferente resultar nela simplesmente caindo sobre o chão, ainda ela.
"Ei, o que está errado com ser humano?" O Oliver perguntou, enquanto
assistindo com fascinação como Força de Mimi se transformou em uma fênix, uma
coluna de fogo, e uma serpente vermelha no espaço de três segundos. "O bem de
Wow.she."
"Exibição", Felicidades assobiaram. "Não preocupe sobre ela. E deixa de rir,
Ollie. Você é Schuyler distrativo!" Felicidades tentaram não ser muito presumido sobre
o sucesso dela, mas estava satisfazendo para saber que Schuyler não era grande a tudo.
"Olhe, é isso que aqui faz você. É suposto que você visualiza sua meta. Você
tem que ser a névoa. Pense como névoa. Deixe sua mente dar um branco. Possa você
sente it.a wispiness.it começa na extremidade de sua pele, e então."
Schuyler fechou os olhos dela obedientemente. "Certo, eu estou pensando névoa.
Portão dourado. São Francisco. Pequenos pés de gato. Eu não sei.não está acontecendo."
"Sshhhh", Felicidades preveniram. Ela já poderia sentir a transformação comece,
poderia sentir todos sua troca de sensos, poderia sentir o mesmo sendo dela desapareça
em uma nuvem cinza macia. Ela estava se divertindo que imagina como ela poderia usar
este talento novo, quando ela tiver outra visão. Bateu nela com um estrondo. A rigidez
da imagem estava como um ponche no intestino.
Dylan.
Se ele tivesse olhado meramente desordenado antes, ele era agora pior. A roupa
dele estava em farrapos, a camisa dele rasgou a fragmentos, as calças jeans dele
rasgadas, e o cabelo dele selvagem. Ele se pareceu com ele não tinha comido ou dormiu
em semanas. Ele estava de pé em frente aos portões escolares, enquanto tremendo as
barras e delirando como um louco.
"O que está errado?" Schuyler perguntou imediatamente quando Felicidades
tropeçaram.
"Dylan. Ele está aqui."
Isso era tudo que ela precisou dizer.
Os três deles correram fora da reunião de comitê, ignorando as faces curiosas
dos outros sócios, deixando a biblioteca e correndo abaixo as escadarias. A velocidade
de vampiro deles/delas significou Schuyler e Felicidades chegaram aos portões à frente
de Oliver que estava ofegando como ele tentou manter o ritmo deles.
Duchesne ficava situado em um canto quieto de Noventa-sexta Rua, em Escola
preparatória Fila Escolar. Considerando que era meio da tarde, as ruas estavam
praticamente desertas, economize para uma babá ou dois que empurram um carrinho de
criança para o parque.
O menino que se levantou no meio da calçada que treme os portões
violentamente se pareceu com um profeta de uma idade antiga, um regresso para um
tempo de pastores e pontificators, quando os homens rotos advertirem sobre o Fim De O
Mundo. Havia quase nenhum sinal do menino adolescente que tinha querido crescer
para tocar violão como Jimi Hendrix e tinha sido o instigador de brincadeiras
incontáveis.
"ABOMINAÇÃO!" ele trovejou quando ele os ver.
"É minha falta", Felicidades choraram, já perto de lágrimas à vista de Dylan.
"Eu sei que eu prometi que eu ia contar o Conclave sobre ele, mas eu não pude. E eu
não inspecionei para cima o. Eu o deixei e eu o ignorei. Eu queria que ele fosse embora
há pouco. É todos minha falta."
"Não, é meu", Schuyler disse. "Eu ia falar o Lawrence, mas."
"É todos nossa falta", o Oliver disse firmemente. "Nós deveríamos ter feito algo
sobre ele, mas nós não fizemos. Olhe, nós temos que o chegar fora daqui. Pessoas vão
começar fazendo perguntas", ele disse como uma mulher anciã que caminha um poodle
cruzou a rua e atirou um olhar confundido na direção deles/delas. "Nós não queremos a
polícia envolvida."
Dylan se lançou de repente para eles, enquanto arranhando pelas barras e
gargarejando em um idioma que eles não entenderam.
Schuyler só apenas abaixou o alcance dele. "Nós temos que adquirir a ele antes
de ele usasse o glom novamente em nós."
Felicidades transformaram imediatamente na leoa dourada. Ela era uma visão a
behold.a espiar, criatura cruel. Ela saltou em cima do portão e acolchoado até Dylan que
se enfureceu a ela. "Ova de marisco de diabo! TRAIDOR!" ele assobiou.
Felicidades o encurralaram contra as barras férreas e descobriram os dentes dela.
Ela criou atrás nas pernas traseiras dela e o empurrou com as patas douradas gigantescas
dela. Dylan bajulou e choramingou, enquanto se encolhendo com as mãos dele em cima
da cabeça dele.
"Ela é o adquiriu!" Oliver gritou, motioning para Schuyler para se orientar ao
flanco de direito de Felicidades.
Schuyler correu ao lado de Felicidades. Ela olhou Dylan nos olhos. Visto a
raiva, raiva e confusão lá. Ela oscilou. Este não era nenhum monstro. Este era um
animal ferido.
Mas o Oliver não teve nenhum escrúpulo. "SCHUYLER! FAÇA! AGORA!"
"Dormi!" ela ordenou e ondeado a mão dela em frente à face de Dylan.
Dylan caiu e caiu ao chão. Felicidades retrocederam nela e ajoelharam pelo lado
dele.
"Ele dormirá até que lhe comandam que acorde, Schuyler lhes falou.
O Oliver ajoelhou ao lado de Felicidades e eles puderam fazer uma camisa-de-
força provisional do suéter de Dylan. As linhas na face dele lentamente alisada fora.
Adormecido, ele pareceu dócil e calmo.
"Nós temos que o inverter para o Comitê; isto foi bastante" em longo, o Oliver
disse. "Eu sei que você não quer, Felicidades, mas é melhor para ele. Talvez eles podem
o ajudar."
"Eles não ajudam Bloods.they Prateado aos destruir. Você sabe que",
Felicidades disseram amargamente.
"Mas talvez."
"Eu o levarei a meu pai", Felicidades decidiram. "Eu poderia poder alegar o caso
dele com Forsyth. Consiga que ele mostre a Dylan um pouco de clemência porque ele é
meu amigo. Ele saberá o que fazer."
Schuyler acenou com a cabeça. Forsyth deveria poder lidar com Dylan.
Enquanto isso, o Llewellyns Rolo-Royce levantou o meio-fio. Eles empacotaram Dylan
no assento traseiro e o amarraram dentro próximo a Felicidades.
"Ele será certo", Schuyler assegurou.
"Sim", Felicidades disseram, embora ela soubesse que nenhum deles acreditou
isto mais. O carro apartou e ela elevou a mão dela dentro adeus. O Oliver devolveu a
onda, enquanto Schuyler pareceu ferido simplesmente. Finalmente o carro virou o canto
e ela não os pôde ver mais.

Quando Felicidades chegarem a des de Cobertura Reves, o apartamento tríplice


extravagante da família dela no topo de um dos edifícios mais exclusivos em Avenida
de Parque, BobiAnne estava consultando com o astrólogo dela no quarto séssil "casual."
A madrasta de felicidades era um socialite texano grande-cabeludo que estava gotejando
até mesmo em diamantes no começo de tarde. O meia-irmã de felicidades, Jordan,
estava fazendo lição de casa em um mesa de centro perto. Os dois deles observaram em
surpresa à entrada de Felicidades.
"O que em terra?" BobiAnne chorou, enquanto saltando da cadeira dela à vista
da enteada dela e o salto, menino inconsciente.
"É Dylan", Felicidades disseram, como se isso explicasse tudo. Ela estava
horrivelmente tranqüila como ela se dirigiu à família dela. Ela não teve nenhuma idéia
como eles reagiriam à vista dele, especialmente desde que ele estava tão sujo. BobiAnne
teve uma palpitação de coração quando alguém esquecer de usar um navio costeiro ou
esquerda handprints suado no papel de parede japonês.
"O menino que desapareceu", o Jordan sussurrou, os olhos dela arredondam e
amedrontado.
"Sim. Há algo errado com ele. Ele é.não totalmente todo lá. Eu tenho que falar o
Pai." Felicidades confessaram ao retorno inesperado de everything.Dylan, como ela o
escondeu no Chelsea Hotel.and lhes deu a versão de Notas do Cliff dos ataques prévios
dele. "Mas nós somos toda a multa", ela assegurou. "Não preocupe sobre mim. O"
ajude, ela disse, enquanto fixando Dylan suavemente abaixo no mais próximo longue de
carruagem.
"Você fez a coisa certa", BobiAnne disse, enquanto apertando Felicidades ao
tórax dela e a sufocando com o perfume dela. "Ele estará seguro aqui conosco."

Vinte
Primavera em Nova Iorque era uma miragem. A cidade virou de inverno brutal a
verão brutal com apenas uma abertura entre. Depois que as neves de inverno
derreteram, haveria alguns dias de chuva e então o sol lustraria impiedosamente,
enquanto se transformando a cidade em uma sauna grande. Como os residentes da
mesma categoria dela, que pequena primavera Schuyler computou eles tiveram. Como
ela caminhou para o outro lado de Noventa-sexta Rua com Felicidades depois de escola,
ela sorriu quando ela notar os primeiros brotos frágeis da estação. Porém muito a vida
dela tinha mudado, ela ainda poderia contar com as tulipas para florescer em Parque
Central.
Ela apanhou uma flor amarela minúscula de um arbusto perto e comprimiu isto
no cabelo dela. Duchesne estava começando a desenrolar em seus últimos meses antes
de férias de verão. Todos os idosos tinham recebido as aceitações de faculdade
deles/delas e os professores seguraram metade as classes deles/delas nos pátios ao ar
livre.
Felicidades lhe falaram que Dylan não estava sendo tomada cuidado of.and de
um modo ruim. Forsyth tinha sido mais que simpatizante à situação de Dylan. O
senador tinha lhe falado ainda poderia haver esperança por ele, até mesmo se ele tivesse
estado corrompido, desde que levou muito tempo para um Sangue Azul para se
transformar em um Sangue Prateado. Ainda poderia haver tempo para parar o processo.
Forsyth tinha o posto em um lugar onde ele poderia ser observado e poderia ser
reabilitado.
"Basicamente, ele está em centro de reabilitação", Felicidades explicaram como
eles caminharam além dos marcos familiares do bairro, enquanto evitando um grupo de
fazer carranca Rouxinol-Bamford as meninas nos uniformes azul-e-brancos deles/delas.
"Você sabe como Charlie Bank e Honra Leslie teve que ir para Transições ano passado?
E todo o mundo pensou que estava por causa de drogas?" Felicidades perguntaram,
enquanto nomeando dois estudantes de Duchesne que tinham desaparecido por meses
de cada vez de escola.
"Uh-huh." Schuyler acenou com a cabeça.
"Bem, eles não eram druggies. As transformações deles/delas estavam se
apavorando eles. Eles estavam tendo ilusões, eles não puderam separar o passado do
presente. Eles eram os humanos ataque, enquanto violando o Código. Assim lhes
despacharam que lidassem com isto. Centro de reabilitação uma cobertura boa é, você
não pensa? Os humanos pensam que eles são secar lá, o qual eu adivinho é de certo
modo verdade."
Sempre pasmou Schuyler como os vampiros acharam um modo para disfarçar as
reais vidas deles/delas integrando em sociedade de humano regular, mas Felicidades
explicaram era realmente ao contrário. "Aparentemente, a Clínica de Mayo, Hazelden, e
tudo que esses centros de centro de reabilitação famosos foram fundados através de
Sangues Azuis. Eles tiveram que começar serviço de bufê a problemas humanos quando
ficar à moda ir. Você pensa que ele será certo?" Felicidades perguntaram.
Schuyler não quis dar para Felicidades qualquer falsa esperança, mas ela pensou
que seria cruel dizer caso contrário. "Eu estou seguro eles tentarão o deles/delas
melhor."
Felicidades suspiraram. "Sim."
Eles fizeram planeja ir visitar Dylan em poucos dias e Schuyler disse adeus a
Octogésimo sexto pegar o Quinto ônibus de Avenida.
Toda a semana ela tinha forçado pensamentos de Mimi está advertindo da mente
dela. Mimi estava contando a verdade? Ela estava pondo o Jack em perigo? Ela tinha
querido perguntar por isto a Lawrence, mas ela tinha estado muito envergonhada. O que
tinha contado o avô dela lhe? Você deve ter notado ele é atraído a você. Agradeça
bondade que você não é atraído a ele. Soletraria desastre a ambos você.
Como pôde ela fala o avô dela que ele estava errado. Que ela devolveu os afetos
de Jack Força. Que ela era fraca e patética quando o Lawrence acreditou que ela era tão
forte. Ela não pôde. Ela se falou ela não o pôde aborrecer de qualquer maneira com tal
uma coisa tola como a vida de amor dela, enquanto ele estava lidando lá fora com um
problema como sepultura e sério como a possível destruição da mesma essência da
existência dos Sangues Azuis. Ela estava começando a preocupar sobre Lawrence. Não
tinha havido uma mensagem dele em dias.
O avô dela tinha sido cauteloso de usar os meios de comunicação normais e uma
vez ele tinha chegado em Rio tinha confiado exclusivamente em telepatia entrar em
toque e a deixar sabe que tudo era certo. Tão longe ele só tinha se queixado do tempo
(vaporoso) e a comida (muito picante). Ele não tinha tratado do problema de Corcovado
e Schuyler não soube se isso fosse bom ou ruim.
Tinha havido nenhuma oportunidade para ou perguntar o Jack pelas predições
medonhas da irmã dele. Eles não tinham podido se encontrar desde a noite do ataque de
Dylan. Mimi, Schuyler soube, estava levando tudo do tempo livre dele.
Quando ela chegar à casa de cidade, o Jack estava na sala de estar, enquanto
falando com o pai dele. Charles estava no roupão de banho dele. O líder anterior dos
Sangues Azuis passou os dias dele agora no estudo dele. Ele fez nem mesmo olhar
como se ele tivesse chovido aquele dia. Schuyler sentia piedade e aborrecimento. Ele
tinha a causado preocupação tanto. Ela tinha tido que evitar todo o mundo ela amou por
causa dele. Ela tinha acreditado as ameaças dele, mas ultimamente olhou como se o
Charles era só uma ameaça a ele. Entretanto ela percebeu se o Charles não a tivesse
arrastado para a casa dele, talvez ela e Jack nunca teriam tido a chance para descobrir só
quanto eles verdadeiramente gostaram um ao outro.
"Ei." Jack sorriu. "Você está de volta cedo."
"Eu fiz o ônibus este tempo", ela disse, enquanto fixando as coisas escolares
dela abaixo em uma mesa perto. Ela ainda não sentia confortável na casa deles/delas,
mas por outro lado, ela estava cansada de andar pé ante pé ao redor do lugar como se ela
não pertencesse lá.
"Oi, Schuyler", o Charles grunhiu.
"Charles", ela disse friamente.
O Régis anterior apertou o cinto no roupão dele e arrastou fora para a guarida
dele, enquanto deixando os dois deles só.
"Ela está aqui?" Schuyler perguntou, enquanto dando uma olhada ao redor do
espaço opulento que era a sala de estar das Forças. Decorado em estilo luxuriante,
francês-vitoriano, o quarto era próximo acumulado com antigüidades raras, mandíbula-
droppingly arte de museu-qualidade familiar e tecidos suntuosos. Os sensos dela lhe
falaram que Mimi não estava ao redor dos locais. Mas que soube.
"Não. Ela está a algum tipo de provar", ele respondeu.
Schuyler sentou próximo a ele em um veludo dourado que "beija cadeira" que
data ao décimo sexto*-século e assim nomeou porque um par teve que sentar vizinho e
enfrentando um ao outro. "Jack." Ela olhou para a face dele. A face que ela amou tanto.
"Eu quero lhe perguntar algo."
"Atire", o Jack disse, enquanto estirando as pernas dele fora em frente a ele e
trotando o braço longo dele em cima da extremidade da cadeira de forma que os dedos
dele descansaram ligeiramente nos ombros dela. Ela formigou ao toque mais leve dele.
"É isto retifique que o laço entre você e."
"Eu não quero falar sobre o laço", o Jack disse, enquanto a cortando e retirando
o braço dele. A face dele se ficava fria e para um momento ela viu um flash da
verdadeira natureza dele, viu o anjo escuro que ele era. O anjo que teve destruição
forjada em Paraíso, o que soaria a trompete ao Apocalipse quando veio. O seu era a face
de Abbadon, o executor, o sopro de martelo, o soldado mais perigoso no exército do
Todo-poderoso.
"Mas eu quero saber."
"Shh." O Jack virou a ela e apertou uma mão na bochecha dela. "Não deixe."
"Mas Mimi." Da mesma maneira que Schuyler disse o nome dela, ela sentia uma
presença na entrada dianteira. Mimi era casa, ou quase ser. Mais rapidamente que uma
piscadela, ou a velocidade de vampiro de máximo, Schuyler deixou a sala de estar e
correu para o quarto dela, enquanto fechando a porta atrás dela.
Quando Mimi entrar em meros segundos depois, enquanto levando várias bolsas
de compras com ela, ela achou Jack que lê um livro por ele.

Schuyler e Jack não estavam novamente sós aquela noite. A família inteira
juntou depois para o jantar obrigatório deles/delas alguns horas. Quando por semana,
requereu Fardo de Trindade, a mãe deles/delas, que as crianças estão em casa para
acompanhar os pais deles/delas ao jantar. Schuyler tinha sonhado uma vez com uma
família nuclear, de uma vida que incluiu uma mãe amorosa, um pai atento e irmãos que
arreliariam um ao outro em cima da carne e batatas.
Claro que, as Forças não eram nada assim.
Foram servidas refeições em casa no quarto jantando formal, em uma mesa tão
grande e intimidando, cada pessoa estava sentada uns dois pés bons longe do outro.
Cada entrada foi servida por um mordomo em uma bandeja prateada e o cardápio nunca
varied.it sempre era francês, sempre era rico e complicado e sempre estava
perfeitamente delicioso. Ainda Schuyler perdeu Hattie prático impetuosamente arte
culinária e ansiou por serviços simples, modestos de macarrão-e-queijo ou um assado de
panela que não exigiram uma redução de vermelho-vinho e um acento pronunciar.
Conversação era passada ou inexistente. Charles continuou sendo perdido no
próprio mundo dele, enquanto Trindade tentou empenhar os gêmeos dentro superficial
tagarele sobre as vidas deles/delas. O Jack era cortês enquanto Mimi era simplesmente
curto. Pelo menos alguém diferente de Schuyler pensou que estes jantares eram uma
farsa e um desperdício de tempo.
"Assim, o Jack e eu temos um anúncio", Mimi disse, quando o curso de
sobremesa chegou, um jubileu de pêssegos flamejante. "Nós escolhemos a data de nosso
vínculo."
Schuyler tentou compor a face dela mas achar ela não pôde ajudar encarando
Jack que olhou tão impassível quanto já. O vínculo deles/delas! Tão logo.
Mimi alcançou fora segurar a mão do irmão dela em seu.
"É um pouco cedo, você não pensa?" Trindade perguntou, enquanto parecendo
preocupado. "Você tem muito tempo."
Sim, pensamento de Schuyler. Lotes e muitos tempo. Possivelmente sempre.
Charles tossiu. "Se lembre aquela idade é uma ilusão entre nós, Trindade. Você
está começando a pensar como um Sangue Vermelho. O mais cedo eles unem, o mais
forte eles serão. Uma torrada está em ordem. Para os gêmeos."
"Para nós!" Mimi gritou de alegria, enquanto soando o copo dela contra Jack. O
cristal tocou como um sino estrondoso fundo.
"Aos gêmeos", sussurrou Schuyler. Ela tomou um gole mas achou ela não pôde
engolir o vinho no copo dela.

Depois aquela noite como sonhou Schuyler, ela recebeu uma mensagem de
Lawrence. O enviar era mais fácil no estado de sonho, ele explicou. Não era como
chocando aos sensos e adormecido a mente dela não segurou nenhuma distração.
"Corcovado afiançam. Tudo é bem."

Vinte e um

Contratando Lizbet Tilton era a melhor decisão que ela poderia ter tomado,
Mimi pensou, enquanto se felicitando na compreensão dela. Lizbet correu um navio
muito apertado e em resumo ordena as jurisdições foram focalizadas as datas pedidas,
contratos traçaram, orçamentos equilibraram, depósitos fizeram. Mais cedo aquele
Trindade de tarde e Mimi tinha revisado esquemas de cor e cardápios com o serviço de
bufê e o desenhista interior. Tudo estava operando igual mecanismo de relógio; embora
você pensaria que era o relógio de dia do juízo universal, o modo que o Jack estava
agindo.
"Você sabe o sobre o qual isto é?" ele perguntou, enquanto conhecer Mimi em
Trindade está sentando quarto a próxima noite.
O "mãe ".Mimi deles/delas sempre pensou na palavra em citações de ar, desde
que Trindade era como muito a mãe dela que como era o Jack que o brother.had dela
pediu a presença deles/delas antes do jantar. Ela tinha intimado que ela quis falar com
eles sobre algo interessando importante o vínculo deles/delas.
"Eu tenho um sentimento." Mimi sorriu. Ela arrepiou o cabelo de Jack e em
retorno ele pôs uma mão na cintura dela e a puxou perto dele. Eles sempre tinham sido
afetuosos e embora ela estivesse atenta da duplicidade contínua dele, ela não puderam
endurecer o coração dela contra ele. O Jack não tinha aceitado unindo tão cedo pelo
ciclo, mas por outro lado, ele não tinha feito nada que ou parar isto.
Talvez o dalliance com Schuyler simplesmente era isso. Jack estava há pouco a
usando como uma diversão. Um prato lateral. Mimi certamente entendido. Ela tinha
achado um gostoso novo familiar e tinha sido tão voraz no apetite dela ela tinha matado
quase o menino o outro dia. Ele seria certo; nada aquele resto e uma semana longe de
um certo vampiro loiro não puderam curar.
Mimi deu uma olhada com aprovação. O escritório de casa de trindade era
famoso entre o jogo dela por ser o mais pródigo e impecável. Esperado as paredes
aveludadas era retratos tamanho natural de décimo sétimo - e aristocratas do século
dezoito por Vigée-LeBrun e Winterhalter. Havia um piano de Erard no corner.the muito
mesmo um Chopin compunha os estudos dele. O jour de du de bonheurs, uma mesa de
escritura pequena, elegante onde Trindade escreveu o um-palavra dela lhe agradece
cartões ("Bravo!" buscava a exortação habitual dela comparecendo à festa de jantar de
um amigo) era originalmente comissionado para o Trianon Principal.
Mimi decidiu que quando ela entrar na herança volumosa dela, e ela e Jack
compraram o próprio lugar deles/delas em 740 Parque, ela contrataria o mesmo
decorador.
Alguns minutos depois, Trindade entrou no quarto que segura duas caixas de
ébano longas modelado com filigrana de ouro. Os sensos de Mimi trocaram, o
recordações correndo dela e ela soube de repente por que eles estavam lá. "Mas onde o
Charles é?" ela chorou. "Nós não podemos fazer isto sem ele, nós podemos?"
"Eu tentei, meu querido. Mas ele não deixará o estudo dele. Ele há pouco é."
Trindade já tremeu tão ligeiramente os ombros dela. Mimi entendeu que a mãe dela
aderiu a um código rígido de etiqueta. Tão aflito quanto ela poderia ser sobre a condição
do marido dela, ela nunca admitiria a isto ou mostraria qualquer exibição externa de
exasperação. Ela era uma mulher que era fundamentalmente desarvorado para fazer uma
cena.
O deterioração de Charles desde perder a posição dele como Régis do Coven era
algo sobre o que as Forças nunca falaram. Confundiu e os aborreceu, mas não havia
nada que eles poderiam fazer sobre isto. Eles assumiram o Charles simplesmente
estalaria fora disto um dia. Enquanto isso, a companhia e todas suas propriedades foram
corridas por um conselho de administração altamente eficiente que tinha deixado de
indagar sobre se o presidente deles/delas e fundador já compareceriam a outra reunião.
"É certo", o Jack assegurou o gêmeo dele. Ele também soube o que estava a
ponto de acontecer e não pôde disfarçar a excitação na voz dele. "Nós não precisamos
dele."
"Você está seguro?" Mimi perguntou, enquanto olhando desapontou. "Mas sem
o Arcanjo está abençoando."
"Eles serão da mesma maneira que mortalmente", o Jack acalmou. "Nada pode
mudar o poder deles/delas. O poder deles/delas vem dos dois de nós." Ele acenou com a
cabeça a Trindade. "Nós começaremos, Mãe?"
Em resposta, Trindade dobrou a cabeça dela. "Eu serei honrado para executar o
rito." Ela fechou a porta quietamente e escureceu o em cima luzes. As caixas no mesa
de centro emanaram um brilho macio, nebuloso.
"Eu lamento minha precipitação julgando o precipitancy de seu vínculo. Eu
estava errado, me perdoe. É talvez só que eu sou entristecido que eu já não posso ser
unido a meu gêmeo."
Mimi soube a história de Trindade. Trindade era Sandalphon, o Ángel de
Silêncio. Ela tinha perdido o gêmeo dela aos Sangues Prateados durante a batalha em
Roma. Trindade só tinha se casado o Charles no Sangue Vermelho senso quando o
gêmeo dele, Allegra, tinha quebrado o laço deles/delas. Era um matrimônio de
conveniência, nada mais. Trindade lamentou o anjo que Salgiel ainda está passando.
Trindade abriu os casos. Se conchegado dentro era dois holstered de espadas em
bainhas enfeitadas com jóias. Espadas que seriam usadas debaixo dos artigos de
vestuário deles/delas ao vínculo. Espadas que lhes permitiriam agora usar na briga
contra o Croatan.
Ela ainda apanhou a primeira espada em sua bainha e virou a Jack. "Ajoelhe,
Abbadon."
O Jack se levantava da cadeira dele e caminhou para estar de pé em frente a
Trindade. Ele ajoelhou antes dela, a cabeça dele se curvou baixo.
Trindade elevou a espada sobre a cabeça dela. "Com a autoridade dos Céus
vestida em mim, eu, Sandalphon, confiro em você todos os direitos e privilégios que
pertencem demais como o verdadeiro dono de Eversor Orbis."
Mundo-britador.
Ela bateu o direito e esquerda de Jack então ombro com a espada. "Suba,
Abbadon da escuridão."
Jack rosa com um sorriso severo na face dele como ele aceitou a espada dele.
Trindade sorriu orgulhosamente. Então ela virou a Mimi.
"Ajoelhe, Azrael."
Mimi levou um momento para entrar em posição, devido aos saltos de sapatos
altos dela. Trindade apanhou a segunda espada e uma vez mais elevou isto em cima da
cabeça dela.
"Com a autoridade dos Céus vestida em mim, eu, Sandalphon, confiro em você
todos os direitos e privilégios que pertencem demais como o verdadeiro dono de Lúmen
de Eversor."
Luz-destruidor.
Mimi sentia a espada a bata ligeiramente em ambos os ombros. Então ela se
levantava com um sorriso largo na face dela. Ela virou a Jack que acenou com a cabeça.
Junto os gêmeos desembainharam as espadas deles/delas e os ergueram no alto,
enquanto os apontando aos Céus.
"Nós aceitamos estas armas como nosso direito divino. Forjado em Céu, lançado
em Terra, eles são nossos criados em nossa procura para Redenção."
Trindade os uniu como eles terminaram a ladainha das Espadas.
"Só os use em necessidade mais medonha.
"Os mantenha escondido de inimigos.
"Só golpeie para matar."
Enquanto eles tinham recebido as espadas deles/delas a todo vínculo durante os
séculos, eles verdadeiramente não tinham sido desembainhados em milênios. Os
Sangues Prateados tinham sido derrotados, ou assim eles tinham acreditado. Mimi olhou
com maravilha para a arma esplendente na mão dela. Ela se lembrou de seu peso e a
agudez de sua lâmina. Se lembrado do terror que teve forjado uma vez nos inimigos
dela.
Ela notou como Abbadon estava segurando o dele delicadamente,
amorosamente. A pessoa é espada era uma extensão da pessoa é ego. Sem igual,
insubstituível, inesquecível. Espadas de vampiro mudaram forma e cor e tamanho.
Quando necessário eles poderiam ficar tão largos quanto machados ou tão estreito
quanto agulhas.
Ao vínculo, ela usaria isto no quadril dela, debaixo das anáguas de seda que
dariam para o vestido dela sua forma.
Trindade retrocedeu as luzes ao brilho cheio deles/delas. "Certo, então." Ela
acenou com a cabeça como se eles tivessem terminado de há pouco falar sobre algo
pequeno e trivial em vez de ter completado algo maravilhoso e vida-variável. Na luz de
tarde, com o som de táxis que descem rapidamente as avenidas e o metálico buzina da
máquina de fac-símile (ainda recebendo outra cópia de um clipe de imprensa no qual ela
tinha sido escrita para cima) de Trindade, era difícil de imaginar o mundo como cheio
de perigos primitivos, escondidos. Como reconciliar um mundo com momento-
transferência de mensagens e canais de notícias de vinte-quatro-hora com o mundo de
aço e sangue.
Mas isso é o que as pessoas deles/delas fizeram: eles evoluíram, eles adaptaram,
eles sobreviveram.
"Bem esfrie, huh?" O Jack perguntou, como eles saíram de licença da mãe
deles/delas e foram os modos separados deles/delas.
"Você betcha." Mimi acenou com a cabeça, enquanto comprimindo o caso de
ébano debaixo do braço dela. Ela correu para cima para o quarto dela e empurrou isto na
parte de trás do armário dela atrás de uma prateleira de sapatos.
Ela estava atrasada para Pilates. Se ela fosse ser a noiva mais bonita que o
Coven alguma vez tinha visto, ela puxaria melhor imediatamente asno ao estúdio do
treinador dela. Ela teve braços para esculpir.

Cordelia Van Alen arquivo pessoal


Repositório de história
DOCUMENTO CLASSIFICADO:
Liberação de Altithronus só
9 de maio de 1995
Querido Forsyth,

Como sabe você, eu apreciei sua lealdade firme e amizade profundamente ao


Van Alen a família. Me aborrece que nós fomos alienados ultimamente devido a sua
decisão correr e segurar um Sangue Vermelho escritório em violação direta de O
Código. Enquanto não me convencem que você fez a escolha de direito, eu respeito
isto.
Eu estou escrevendo para o pedir mudar sua mente interessando sua decisão
para não trazer o espírito novo do Guarda em sua família.
Eu tenho que insistir que você reconsidere. Nós precisamos de vigilância mais
que nunca e a sabedoria do Guarda para nos guiar em nosso modo. Eu temo o Charles
e a arrogância dele trarão nada mais que destruição a nossas pessoas. Forsyth, eu
atraio a sua amizade. Leve o Guarda e sua família. Como uma proteção contra as
forças da Escuridão.
Seu amigo, Cordelia Van Alen
Vinte e dois

Transições Centro de Tratamento Residencial ficava situado em um campus de


multi-edifício decomposto em Nova Iorque no interior do estado. O Oliver tinha se
oferecido para dirigir Felicidades e Schuyler, desde que ele tinha adquirido a licença
dele recentemente junto com um Mercedes G500 novo quente. O boxy SUV prateado
feito sob encomenda era a última fonte dele de orgulho.
Schuyler estava alegre escapar. Ela tinha estado sentindo culpado sobre o que
tinha acontecido a Dylan, quanto eles tinham o abandonado negligenciando alertar o
Conclave o mais cedo possível sobre a condição dele. Esperançosamente os Anciões
saberiam o melhor curso de ação. Felicidades lhes falaram o pai dela a assegurou que
Dylan viria a nenhum dano às mãos deles/delas e seria dado o melhor tratamento
possível, mas ela quis ver isto com o próprio eyes.they dela tudo fez.
No assento traseiro, Felicidades flutuaram entre ser amável de bummed e ser um
pouco muito alegremente maníaco, Schuyler notou. Ela tinha sido sombria e silenciosa
quando eles partiram, provavelmente preocupado sobre Dylan e que condição eles o
achariam dentro e Schuyler estava alegre quando a meio caminho pela viagem fora das
Felicidades de cidade se recuperadas e começou a tagarelar energicamente em cima do
GPS.
"Amendoim M&M?" Felicidades ofereceram, enquanto apoiando por cima com
uma bolsa de amarelo aberta grande.
"Nenhum obrigado", o Oliver disse, enquanto mantendo os olhos dele na
estrada.
"Seguramente", Schuyler concordou. Era engraçado como o Comitê não pôde
predizer tudo: embora eles fossem vampiros que eles não tinham perdido o gosto
deles/delas para doce.
Era agradável para deixar Duchesne, se só durante um dia. Todo o mundo na
escola já (ou pelo menos os Sangues Azuis fizeram) soube todos os detalhes de Mimi e
o vínculo a chegar de Jack e não pôde deixar de falar sobre isto. Os outros só
pensamento que as Forças estavam lançando uma festa fabulosa para a que eles não
foram convidados novamente e de certo modo a suposição deles/delas estava correta.
Schuyler estava doente de audição sobre o vestido de Mimi e como este vínculo
comparou a todo o passado na história compartilhada deles/delas. Flautista Crandall
constantemente lembrou todo o mundo que ela já tinha sido um bondsmaid para Mimi
três vezes.
Estava deprimindo para pensar que o Jack e Mimi tinham sido junto para tal um
incompreensivelmente tempo longo. Ela quase não pôde acreditar isto e não quis pensar
então nisto direito e se atarefou jogando com todos os botões no computador de painel
novo brilhante. "Janota, isto é como, o veículo de exército mais luxuoso no mundo. Saia
isto! Este é o botão que lança o M-15s", ela brincou.
"Cuidadoso, isso é o botão vermelho que destrói o mundo", o Oliver disse
corajosamente, enquanto seguindo as ordens automáticas do GPS como ele guiou o
carro em cima da George Washington Ponte. Tráfico estava claro na rodovia.
Foi a primeira vez que eles cortariam escola todo o semestre. Foram permitidos
os estudantes de Duchesne vários cortes por ano; a escola era tão progressiva que
rebelião plana foi escrita no currículo. Algumas crianças, como Mimi Force,
empurraram esta política a seus limites, mas a maioria fez nem mesmo vantagem de
objeto pegado disto. A escola estava cheia com esperançoso de overachieving que
ficariam mais cedo em classe que assoe uma chance a entrar em uma Hera. Diariamente
contado.
"Você os sujeitos sabem que isto pudesse arruinar meu GPA", o Oliver reclamou
como ele examinou o ombro dele para mudar pistas e adquirir à frente de uma Honda
que era ao redor estampagem debaixo da velocidade máxima.
"Relaxe por uma vez, você vai?" Schuyler repreendeu. "Todos os idosos têm
cortado desde que eles adquiriram as cartas de aceitação deles/delas." Oliver às vezes
poderia ser tal um vara-em-o-lama. Sempre regras seguintes. Ele era um bobão total
quando vier a acadêmicos.
"Sim, você não é de qualquer maneira nenhum legado em Harvard?" Felicidades
perguntaram.
"Faculdade parece como tal uma coisa estranha, não faz isto?" Schuyler
meditou.
"Eu sei o que você quer dizer. Antes de nós descobrimos aproximadamente o
Comitê, eu pensei que eu poderia ir para Vassar, você sabe? Principal em Art History ou
algo." Felicidades disseram. "Eu tipo de gostou da idéia de estudar o Renascimento Do
norte arte e trabalhando então em um museu ou galeria."
"O que quer dizer você 'tipo de gostou?'" Schuyler perguntou.
"Sim, você não pensa que isso vai acontecer mais?" O Oliver perguntou,
enquanto sacudindo pelas estações de rádio. Amy Winehouse estava cantando sobre
como ela não quis ir para o centro de reabilitação ("Não! Não! Não! Não!"). Schuyler
conheceu os olhos de Oliver e eles sorriram.
"Você os sujeitos, isso não é assim engraçado. Vire fora ou mude", Felicidades
preveniram. "Eu não sei. Eu tipo de não pense eu vou para a faculdade. Às vezes eu
sinto como eu não tivesse um futuro", ela disse, enquanto torcendo o colar dela.
"Oh shush", Schuyler disse, enquanto se virando assim ela pudesse falar
diretamente com Felicidades enquanto o Oliver achou algo mais apropriado no rádio de
satélite. "Claro que você vai para a faculdade. Todos nós somos."
"Você realmente acredita isso?" Felicidades perguntaram, enquanto soando
esperançoso.
"Totalmente."
Conversação desmaiou a uma calmaria depois de alguns minutos e Felicidades
acumularam fora dormir. No assento dianteiro, Schuyler escolheu a música, Oliver que
deixa o DJ dela este tempo. "Você gosta desta canção?" ele perguntou, quando ela
concordar em uma estação que toca melodia para um Rufus Wainwright.
"Não o faça?" ela perguntou, enquanto sentindo como se ela tivesse sido pegada
em flagrante. Sempre era a mesma canção que ela e Jack jogaram. Ela pensou que ela
pudesse escapar com escutar isto no carro. Oliver teve um pouco de uma raia de emo
nele. Ela gostou do arreliar que os gostos musicais dele correram para música-para-fora-
você-por.
"Você pensaria que eu vou, direito? Mas eu não faço."
"Por que não?"
O Oliver encolheu os ombros, enquanto olhando lateralmente para ela. "É
como.muito inchado ou algo. Ech."
"O que quer dizer você?" Schuyler perguntou. "Inchado?"
Ele encolheu os ombros. "Eu não sei, eu há pouco sinto como amor não é
suposto que é assim. angsty, você sabe? Como, se trabalhar, não deveria ser torturado
assim."
"Huh", Schuyler disse, enquanto desejando saber se ela mudar a estação. Parecia
traiçoeiro para jogar uma canção que a fez lembrar de outro menino. "Você é tão pouco
romântico."
"Não é."
"Mas você nunca esteve até mesmo apaixonado."
"Você sabe que isso não é verdade."
Schuyler estava calado. No último mês eles tinham executado o Caerimonia
duas vezes. Ela soube que ela deveria levar foram ditos outro familiars.vampires que
girassem os humanos deles/delas para não taxar them.but ela tinha podido ir mais longo
que ela tinha pensado sem uma alimentação. E ela tinha resistido a tomada outros
humanos, não bastante seguro aquele Oliver aprovaria.
Mas Schuyler não quis pensar no relationship.friendship.whatever deles/delas
era. Depois da explosão apaixonada de Oliver ao Odeon, não tinha subido novamente.
Ela quis difundir a tensão ela estava começando a sentir no carro. "Aposte você pode
nem mesmo nome um filme romântico você como", ela arreliou.
Ela sentia presumido quando alguns minutos passaram e o Oliver ainda não
pôde nomear um filme romântico ele poderia professar para desfrutar.
"As Greves de Império Atrás" o Oliver declarou finalmente, enquanto batendo o
chifre dele a um Prius que vagou em cima da linha.
"As greves de império atrás? O filme de Guerras de Estrela? Isso não é
romântico!" Schuyler xingou, enquanto tocando violino com os controles de
condicionador de ar.
"Contraire de Au, meu querido, é muito romântico. A última cena, você sabe,
quando eles são sobre Han posto naquela câmara criogênica fria ou tudo que? Se
lembre?"
Mmm-hmmmed de Schuyler.
"E Leia se apóia na borda e diz, 'eu o amo.'"
"Isso é queijoso, não romântico", Schuyler discutiu, embora ela gostou daquela
parte.
"Me deixe explicar. O que é romântico é o que Han diz atrás. Se lembre do que
ele diz a ela? Depois que ela diga 'eu o amo?'"
Schuyler sorriu. Talvez Oliver teve um ponto. "Han diz, 'eu sei.'"
"Exatamente." Oliver bateu a roda. "Ele não tem que dizer qualquer coisa tão
muito usado como 'eu o amo.' Porque isso já é compreendido. E isso é romântico."
Por uma vez, Schuyler teve que admitir ele tinha razão.

Vinte e três
Quando Felicidades acordarem do cochilo dela, o Oliver e Schuyler estavam
estalando a um ao outro no assento dianteiro. "O que é você sujeitos que discutem agora
sobre?" ela perguntou, enquanto esfregando os olhos dela.
"Nada", eles chorused.
Felicidades aceitaram a reticência deles/delas sem dúvida. Esses dois segredos
sempre mantidos dela, até mesmo quando eles não quiseram dizer.
"Certo, eu adivinho nós podemos parar para o almoço, então", que Schuyler
disse finalmente. Ai, de forma que era o sobre o qual era. Esses dois lutaram sobre tudo.
Tinha ficado pior desde que o Oliver tinha se tornado que Schuyler está familiarizado.
Eles agiram mais como um par casado velho que adiante. Na superfície, pelo menos,
fingiram eles a amizade deles/delas era exatamente o mesmo. Que há pouco estava bem
com Felicidades; ela não soube se ela realmente pudesse estar de pé qualquer Schuyler-
Ollie PDA.
"Eu estou dizendo que há pouco nós não vamos fazer Dylan qualquer bom por
indo faminto." Oliver encolheu os ombros.
Eles puxaram em uma área de resto, enquanto unindo os viajantes cansados nos
distribuidores automáticos e o tribunal de comida.
Oliver observou aquele das novidades de crescer como crianças de cidade era
que eles eram tudo viciados a cadeias fast-foodes suburbanas. Enquanto nenhum deles
já consideraria até mesmo ida para um McDonald em lugares de Manhattan.those era
basicamente anúncio-isto shelters.once sem-lar que eles estavam fora de limites de
cidade, as regras mudaram e ninguém se preocupou comer panini caro intercala e
saladas de alface orgânicas preciosas. Tire as refeições de supersized.
"Deus, eu sinto doente", Felicidades disseram, enquanto tomando um gole o
último do milk-shake dela.
"Eu penso que eu vou vomitar, o Oliver declarou, enquanto amassando a
envoltura do hambúrguer gorduroso dele e esfregando as mãos dele com vários
guardanapos.
"Sempre é divertido para comer este material. Mas posteriormente." Schuyler
concordou, embora ela ainda estivesse escolhendo às frituras.
"Posteriormente você sempre sente como você fosse lançar. Ou que sua conta de
colesterol há pouco subiu rapidamente", Felicidades disseram, enquanto fazendo uma
face.
Estava quieto quando eles escalaram atrás no carro e sentiam os efeitos
soporíferos da refeição pesada deles/delas. Uma meia hora depois, o GPS vociferou
"SAÍDA À direita EM Quinhentos METROS" e o Oliver seguiu o
sinais para cima a rampa e abaixo a estrada para um lote de estacionamento. Eles
tinham chegado.

As áreas de centro de reabilitação eram imaculadas. Se pareceu mais com um


recurso de cinco-estrela onde as celebridades foram esconder depois de um fim de
semana perdido, em lugar de uma facilidade de tratamento cara para vampiros
tropeçando. Eles viram um grupo chi de tai praticante no gramado, vários outros que
ioga de representação posa, e agrupamentos das pessoas que sentam na grama em um
círculo.
"Se agrupe terapia", Felicidades sussurraram como eles abriram o espaço
deles/delas à porta da frente do edifício principal. "Eu pedi a Honra o que estava como
aqui e ela disse há muita terapia de passado-vida-regressão."
Eles foram cumprimentados à entrada por uma mulher esbelta, bronzeada em
uma Camiseta branca e calças de branco. O efeito era menos clínico e mais
fashionable.like uma Idade Nova ashram.
"Eu posso o ajudar?" a mulher perguntou de uma maneira amigável.
"Nós estamos aqui para visitar um amigo", Felicidades disseram, que tinha se
tornado o de porta-voz de facto para o trio.
"Nome?"
"Dylan Ward."
O conselheiro conferiu o computador e acenou com a cabeça. "Você tem
permissão do senador visitar este paciente?"
"Eu sou, uh, a filha" dele, que Felicidades disseram, enquanto mostrando para a
mulher o ID dela.
"Grande. Ele está no campus de norte, em uma cabana privada. Siga o caminho
fora a porta, você verá sinais." Ela lhes deu adesivos de visita. "Horas visitante são até
as quatro. O café está no edifício principal. É Day.I Internacional pensam que é
vietnamita. Você os sujeitos gostam de pho?"
"Nós já comemos", o Oliver disse e Felicidades pensaram que ela sentia uma
sugestão de um sorriso nas palavras de Oliver. "Mas obrigado."

"Parece agradável aqui", Schuyler disse como eles caminharam pela verdura.
"O Comitê faz um trabalho bom, eu os darei isso. Nada mais que o melhor para
os remendos." O Oliver acenou com a cabeça e vestiu um par de óculos de sol escuros.
Felicidades não puderam acreditar como tranqüilo e organizado tudo era. Isto era
onde eles puseram Sangues Azuis preocupados? Talvez ela tinha cometido um erro
escondendo Dylan para tão longo. Talvez eles realmente poderiam o ajudar aqui. Ela
começou a sentir menos puxada e mais otimista. Vários pacientes ondularam a eles
como passaram eles.
O quarto de Dylan era um das cabanas mais agradáveis, com uma cerca de
piquete branca e roseiras que crescem pelas janelas. Um enfermeira estava sentando em
uma sala de espera.
"Ele está dormindo. Mas me deixou ver se ele levará visitas", ela lhes falou. Ela
desapareceu no quarto principal e eles poderiam a ouvir falando em uma voz macia,
suave com Dylan.
"Ele está pronto para você." O enfermeira sorriu e indicou que eles eram bem-
vindos para entrar.
Felicidades exalaram e não perceberam ela estava prendendo o fôlego dela tudo
isso tempo. Dylan olhou certamente melhor. Ele estava sentando para cima em cama,
havia cor nas bochechas dele e ele não olhou como magro ou desfigurado. O cabelo
preto dele tinha estado cortado assim não desabou praias magras na face dele, e ele era
cleanshaven. Ele olhou quase como o velho ego dele, como o menino que só tocou
violão de ar durante capela aborrecer os professores.
"Dylan! Agradeça Deus!" ela chorou. Ela estava contente para o ver parecendo
tanto mais saudável.
Ele sorriu agradavelmente a ela.
"Eu o conheço?" ele perguntou.

Vinte e quatro

"T ele passado às vezes pode nos encobrir do que está acontecendo hoje", o
diretor principal disse para começar a conferência dele. "É por que nós estávamos em
negação sobre a existência dos Sangues Prateados para tão longo. Porque nosso passado
tinha nos falado que eles eram nenhum mais longo uma ameaça. Porque o passado tinha
nos encoberto à existência deles/delas. Nós tínhamos esquecido o como o qual os dias
cedo em nossa história eram. Nós tínhamos nos esquecido da Grande Guerra. Sobre
nossos inimigos. Nós tínhamos ficado macios e contentes. Engolindo em Sangue
Vermelho e adquirindo gordo e preguiçoso e ignorante."
Uma coisa boa para dizer quando seu colete puxar aos botões, pensamento de
Schuyler. Ainda era outra segunda-feira. Ainda outra reunião de comitê. Um tedioso
também, desde que eles não seriam mutatio praticante hoje.
Sentando ao lado dela, Felicidades e Oliver olharam da mesma maneira que
entediado como sentia ela. A visita para Transições grandemente tinha estado
perturbando a tudo deles, Felicidades comoventes o mais mais. Schulyer não soube o
que eles esperaram ver, mas eles não tinham esperado achar as recordações de Dylan e
personalidade apagadas completamente certamente.
Seguramente, Dylan não parecia como ele estivesse a ponto de os bater fora com
um notar-sopro ou começo que borbota fora acusações aproximadamente um deles
sendo o favorito de Satanás, mas ele não parecia a todos ou o goste. Era como se ele
fosse completamente uma pessoa diferente. Ele era amável, agradável, e totalmente
entorpeça.
Nenhum dos doutores dele era ao redor responder qualquer pergunta e o
enfermeira não lhes falaria qualquer coisa a não ser que Dylan, até onde ela pudesse
contar, estava "bem." Ele ia com submissão para todas as sessões de terapia e
"progresso fazendo."
Schuyler soube que Felicidades se culparam, mas não havia nada que eles
poderiam fazer. Nenhum deles teve qualquer idéia como fixar tudo que tinha acontecido
a Dylan. Ela tinha tentado consolar Felicidades tanto quanto pôde ela. Ela soube como
terrível ela sentiria se ela tivesse visto o Jack que modo. Se ele já olhasse para ela como
se ele não a conhecesse nada. E ainda, isso era exatamente o que ia acontecer uma vez
que ele foi unido a Mimi. Ele se esqueceria completamente de Schuyler, se esqueça do
que eles quiseram dizer a um ao outro.
Schuyler tentou prestar atenção ao que Diretor Oelrich estava dizendo. Era
informação importante, mas ela não teve nenhuma paciência então por isto direito.
Sentado bem em frente dela era os gêmeos de Força. Ela tinha os assistido entra no
quarto junto, enquanto sentindo ressentido à vista de Jack que ri de algo a irmã dele
disse.
Embora, claro que ele teve que fingir. A atmosfera na casa de cidade era
frenética com unir preparações. Pacotes diferentes chegaram diariamente e muitas
pessoas vieram chamar. Mimi está unindo planejador, Lizbet Tilton, tinha chegado com
uma tripulação inteira de fotógrafos, estilistas, floricultores e "artistas de auricular-
paisagem" para (as palavras exatas dela para o DJ que era assumir depois que a
orquestra assinasse fora às duas pela manhã) Mimi aprovar.
Schuyler sentia doente há pouco os escutando conversa sobre o evento. Não só
porque o evento em questão levaria o Jack sempre longe dela, mas porque o modo que
Mimi estava agindo, você pensaria que ninguém alguma vez tinha sido hipotecado
antes. A cerimônia a chegar teve seu advantages.Mimi estava tão ocupado que o furto
insignificante e brincadeiras maliciosas tinham cessado finalmente.
Às vezes Schuyler sentiu falta de Jack tanto ela sentia uma dor oca na barriga
dela que sentia como nunca fosse enchido. Ela desejou que ele não teve que esconder o
modo que ele sentia sobre ela. Ela teve que se lembrar que era todos um ato, mas às
vezes a indiferença dele parecia tão real era difícil de se consolar com recordações das
reuniões privadas deles/delas. Às vezes sentia como se as recordações dela somente
fossem fantasias, especialmente quando ela o ver nos corredores na escola, ou quando
ele reconhecer a presença dela apenas na própria casa dele.
Até que outro livro foi deslizado debaixo da porta dela, um sinal que estava
seguro para eles se encontrarem. O último tinha sido um livro esbelto de poesia. John
Donne. Aquela noite tinha sorrido ela e tinha o arreliado sobre o gosto antiquado dele.
Ele tinha lhe perguntado que tipo de poesia preferiu ela, e ela lhe falou.
Para cima pelo atril, Edmund Oelrich continuou a conferência dele. "Um dos
truques do Croatan é usar ilusão para manipular seus inimigos.
"Você não deve cair para o truque do olho. Você tem que usar sua visão interna
para poder ver o que verdadeiramente está em frente a você. Use o animadverto e suas
recordações passadas para tomar uma decisão verdadeiramente informada."
Ele pediu a Mimi entregar documentos durante aquela semana está lendo tarefa.
Mimi planou ao redor do quarto que distribui as folhas grampeadas. Quando ela adquirir
à mesa de Schuyler que ela bateu tudo deliberadamente dos livros de Schuyler para o
chão.
"Oops!" ela disse deslealmente.
Schuyler apanhou os livros dela com uma carranca. Ela tinha tido bastante de
Mimi para toda a eternidade. Ela desejou saber como os outros vampiros aguentar isto.
Se ela tivesse que gastar o resto das vidas dela lidando com aquela bruxa, ela deixaria os
Sangues Prateados alegremente a levarem.
Ela ainda estava carranqueando como ela deslizou a leitura. Então os olhos dela
alargaram. Ao topo da página leu ela: Laços de vampiro, uma história.
Vários sócios riram silenciosamente fora de titilação e embaraço e Schuyler se
achou se ruborizando. Ela notou Oliver que chama pelo documento com um ar
pensativo, enquanto Felicidades estavam rabiscando nas margens.
O diretor principal clareou a garganta dele antes de se dirigir à audiência dele
novamente. "Eu quis falar hoje sobre gêmeos de vampiro. A sua idade, há muito
interesse neste tópico e eu pensei que eu terminaria esta reunião em uma nota mais
agradável. Você está familiarizado com o laço. Cada um de nós tem uma alma juntada
que foi formada em nosso passado divino. Pelos séculos, nós gastamos cada ciclo
procurando nosso gêmeo de forma que nós pode ser ligado uma vez mais a um ao outro
em uma vida nova."
Toda a cor escoou da face de Schuyler como ela escutou as palavras do diretor.
"Às vezes é difícil de reconhecer nosso espírito juntado em uma concha física
diferente. Ou, como em alguns casos sós, está a pessoa o gêmeo não foi chamado
novamente e novamente durante o mesmo ciclo e assim é perdido a tempo. Há histórias
de amantes que procuraram um ao outro em vão ao longo das idades, enquanto nunca
achando o gêmeo deles/delas."
Bem em frente dela, Mimi começou a massagem a parte de trás do pescoço de
Jack.
"Porém, estes são casos muito raros. Desde então há só quatrocentos de nós, não
é muito difícil para achar um ao outro. Esta reunião feliz normalmente resulta em um
namoro curto e uma apresentação pública na Quatrocentos Bola. O laço deve ser
renovado durante cada ciclo. Renovando o laço renova o espírito de vida que flui em
nossas veias. É um dos mistérios eclesiásticos. Mas talvez o laço é onde todas as lendas
sobre verdadeiro amor e romance neste mundo vindo de.
"Os Sangues Vermelhos igualam tenha o próprio nome deles/delas para isto: 'o
companheiro de alma.' Eles levaram muitas de nossas tradições e práticas para o próprio
deles/delas. A cerimônia de casamento deles/delas é derivada diretamente de nossa
comunhão de vampiro.
"Achando seu gêmeo de vampiro é um do mais feliz e a maioria fases frutíferas
da pessoa é ciclo. Eu conheço vários o já achou o seu e eu o felicito. O laço é uma parte
integrante de nossas vidas. Nutre e nos fortalece. Nós estamos incompletos sem nosso
gêmeo; nós somos meio de nós mesmos. Só quando nós achamos e unimos com nosso
espírito gêmeo que nós entramos em nossas recordações cheias e em nosso potencial
cheio."
Schuyler não precisou ouvir ou ler qualquer coisa mais. Ela examinou a Mimi e
Jack. Visto como a luz agiu a feira deles/delas, cabelo de platina, como bonito e imóvel
e remoto os dois deles olharam sentando junto. Visto com compreensão nova como os
dois deles complementaram e equilibraram um ao outro em todo atributo: A
desenvoltura de Mimi amolecida pela eloqüência de Jack, a agressividade dela conferida
pelo temperamento dele. Elas eram duas metades da mesma pessoa. Um par
emparelhado. Schuyler sentia instintivamente que fazia parte de Jack que sempre
permaneceria inacessível a ela; havia um otherness a ele que ela nunca poderia alcançar.
Ela soube que era raro álcoóis juntados nascerem na mesma família por um
ciclo, mas não era desconhecido de e tinha sido menos de um problema no passado,
quando pharaohs e imperadores se casarem as irmãs deles/delas habitualmente.
No evento que aconteceu na idade moderna, havia um feitiço que impediu os
Sangues Vermelhos notar qualquer coisa estranho. Força de Mimi ainda buscaria Força
de Mimi o vínculo, exclua os Sangues Vermelhos assumiriam era porque ela era a
esposa de Jack e não a irmã dele. Recordações eram facilmente mutáveis, a verdade
maleável.
Schuyler viu o Jack virar a Mimi com um olhar macio na face dele. Para a parte
dela, ardeu Mimi simplesmente.
Tudo de uma vez Schuyler sentia uma tristeza funda e dolorida. Estava
desesperado pensar que ela já teria uma chance de realidade, felicidade duradoura com
Jack.
Tem que ser um modo, ela pensou desesperadamente. Tem que ser um modo
para quebrar o laço e ser livre para amar quem você queira.
Há.
Ela começou. Para um momento tinha pensado ela que ela tinha ouvido a voz de
Jack na cabeça dela. Mas ela não ouviu isto novamente. Ainda, ela soube que tinha
acontecido. Ela não tinha imaginado isto. Ela sentia isqueiro de repente e mais otimista.
Teve que ainda ser esperança para os dois deles.

Vinte e cinco

Felicidades nunca entenderam a gamação de Schuyler com Jack Force e


desejaram o amigo dela renunciaria aquele fantasma de particular. Nada que bem já
poderia sair disto. Embora Felicidades fossem uma sócia nova do Comitê e há pouco
estavam começando a aceitar os modos do tipo deles/delas, ela sempre tinha entendido
uma coisa: você não desarrumou ao redor com o laço. O laço era material sério. Nada já
separaria o Jack e Mimi; já era suposto que nada que se colocava entre eles. Era
impossível igualar pense caso contrário. Felicidades pensaram que Schuyler sempre
tinha levado muito ligeiramente isto que era estranho para uma menina cuja muito
própria mãe foi a primeira da raça deles/delas quebrar o laço dela e viver (se você
pudesse chamar aquele sustento) com as conseqüências. Mas como dizem eles, amor é
cego.
Mas ela não disse que "eu lhe falei assim" depois da conferência. Felicidades
não eram aquele tipo de amigo. Nenhum deles falou como eles deixaram a reunião de
comitê. O Oliver tinha se desculpado depressa, enquanto partindo antes de a reunião
tinha sido despedida até mesmo, enquanto Schuyler estava mal-humorado e silencioso
na casa de passeio de escola. Felicidades não lhe perguntaram se ela ainda conhecesse o
Jack naquele centro da cidade segredo de apartment.a que Schuyler tinha derramado um
dia inocentemente, vários meses atrás, quando ela tinha contado Felicidades sobre a
chave que ela fundaria em um envelope com um endereço deslizou debaixo da porta
dela. O próximo dia, quando Schuyler tinha vindo a escola corada e sonhador,
Felicidades tinham reunido dois e dois.
Felicidades culparam Jack Force. Ele deveria saber melhor. Ele teve acesso à
sabedoria do passado dele, considerando que Schuyler era um espírito novo, como
cortina e bobo como um Sangue Vermelho, realmente. Ele deveria ter só Schuyler
partido só.
Ambos os pais de Felicidades eram casa quando ela chegou que a surpreendeu.
BobiAnne normalmente teve os tratamentos de celulite dela neste momento e era
suposto que Forsyth estava em Washington durante a semana. Ela pôs a chave dela no
prato de esterlino-prata na mesa dianteira e caminhou abaixo o corredor principal,
puxado pelas vozes briguentas.
Pareceu Forsyth e BobiAnne estava gritando a um ao outro. Mas Felicidades
perceberam logo era há pouco o vampiro dela que ouve isso fez isto parecer aquele
modo. Em realidade, estavam sussurrando eles.
"Você está seguro você tinha afiançado isto completamente?" Isso era
BobiAnne, enquanto soando mais agitada que Felicidades alguma vez tinham a ouvido
antes.
"Positivo."
"Eu lhe disse que levasse embora isto."
"E eu lhe falei isso não estaria seguro", Forsyth estalou.
"Mas quem levaria isto? Quem saberia até mesmo nós tivemos isto? Ele tem
nem mesmo percebido está perdendo. …"
Havia um riso oco. "Você tem razão. Ele é uma destruição. Ele é acabado. Tudo
que ele faz é lamentar e estudar álbuns de fotografia velhos por cima ou escuta fitas
velhas. Trindade está ao lado dela. É patético. Há nenhum modo que ele sabe."
"Assim quem, então?"
"Você sabe minhas suspeitas."
"Mas ela é há pouco uma menina."
"Ela é mais que isso. Você sabe isso."
"Mas como nós podemos estar seguros?"
"Nós não podemos ser."
"A menos que."
As vozes deles/delas enfraqueceram e Felicidades rastejaram para cima a
escadaria principal para o quarto dela. Ela se perguntou o sobre o qual eles estavam
falando. Soou como eles tivessem perdido algo. A mente dela flamejou ao colar que ela
estava usando. Ela nunca tinha devolvido isto ao pai dela depois da noite da
Quatrocentos Bola. Mas ele nunca tinha pedido de volta isto qualquer um. Não pôde ser
o colar, porque BobiAnne tinha a visto usando isto o outro dia e tinha comentado em
como bem foi com os olhos dela.
Ela guardou as coisas dela no quarto dela e apanhou o telefone dela. Dylan tinha
buscado na mente dela todo o dia a visita. Ela não pôde acreditar ele fez nem mesmo se
lembre dela. Ela não soube se rir ou chorar quando ela pensar nele. Felicidades
mudaram fora das roupas escolares dela e vestiram algo confortável. Ela andou na
cozinha onde ela achou Jordan que faz lição de casa no contador de ilha.
"O que está errado?" O Jordan perguntou, enquanto observando dos livros dela.
A criança estava em todas as honras Felicidades de classes.something não tinham
alcançado até que o sangue de vampiro chutou dentro.
"Nada." Felicidades tremeram a cabeça dela.
"É sobre aquele menino, não é? Seu amigo?" Jordan perguntou.
Felicidades suspiraram e acenaram com a cabeça.
Ela era aliviada quando a irmã dela não a apertar falar sobre isto. Ao invés,
Jordan quebrou a barra dela de Toblerone pela metade. Era o doce favorito de Jordan e
ela acumulou isto no quarto dela porque BobiAnne estava a arengando sempre sobre o
peso dela.
"Obrigado", Felicidades disseram, enquanto levando uma mordida. O chocolate
era doce e delicioso como derreteu na língua dela. Felicidades estavam emocionadas. A
pequena irmã dela tinha tentado fazer o dela sinta bem do único modo ela soube como.
"Você precisa de ajuda com qualquer coisa?" ela perguntou, como um modo para dizer
que ela apreciou o gesto pensativo.
"Não." Jordan tremeu a cabeça dela. "Você está de qualquer maneira
desesperado a matemática."
"Você tem aquele direito." Felicidades riram. Ela atirou o remoto para a
televisão de protoplasma pequena que pendura em cima do contador. "É esta ida para o
aborrecer?" Ela perguntou, enquanto sacudindo pelos canais.
"Nah."
Felicidades terminaram o chocolate e assistiram televisão enquanto o Jordan
continuou trabalhando nos problemas de matemática dela. Quando Forsyth e BobiAnne
entrarem na cozinha depois alguns horas reunir a família ao jantar, eles acharam as
irmãs que sentam quietamente junto ainda, lado a lado.

Vinte e seis

Um emergência Conclave se encontrando tinha sido chamado e ao término disto


Mimi foi pegado de surpresa para achar Felicidades que esperam fora das portas. "O que
está fazendo você aqui?" ela perguntou, enquanto atirando a bolsa de ginásio dela por
cima o ombro dela. Ela tinha estado no meio de uma sessão de cardio de duas horas
antes de ir à Torre de Força. Ela não tinha tido tempo para mudar ou parecer
apresentável. O cabelo dela ainda estava aderindo à testa suada dela.
"Forsyth me apanhou de escola e quando ele adquirir a convocação, ele me
trouxe com ele", Felicidades lhe falaram. "O que é acontecido?"
"Seu pai não lhe falou?" Mimi hesitou, enquanto usando um wristband de terry-
pano para esfregar a umidade na bochecha dela.
"Algo para ver com uma espada dourada?" Felicidades perguntaram.
Mimi encolheu os ombros sem confirmar a suposição de Felicidades. Ela estava
especialmente aborrecida com Felicidades quem ela sempre tinha assumido para ser
mais de um perdedor em lugar de rainha de volta ao lar no esquema principal de coisas.
Ainda o machers da cidade e árbitros de moda não puderam parecer adquirir bastante da
Amazona cor ruiva*-cabeluda. Depois de abrir o Rolf Morgan espetáculo, tinham
reservado Felicidades mais campanhas publicitárias que já. A face dela era outdoors de
everywhere.on, em cima de táxis. Ela era inevitável.
Mimi perdoaria fama súbita e glory.God sabe que isso é o que todo o mundo em
Nova Iorque era after.but que ela não pôde perdoar Felicidades por escolher lados,
especialmente desde que era a injustiça um. Todo o mundo na escola soube que
Felicidades e Schuyler eram besties. Mimi achou isto insultando que Felicidades, uma
menina que não teria tido uma perna social para estar de pé em em Duchesne sem Mimi
está abençoando, tinha virado o dela atrás no em-multidão pendurar com o pequeno
grupo roto de pessoas desajeitadas.
Ela não quis compartilhar a informação dela, mas a oportunidade para dominar o
estado de iniciado dela em cima do amigo anterior dela era muito para Mimi resistir. "É
a "espada de Michael, ela explicou. "A lâmina de Justice."
"O que sobre isto?"
"Está perdendo. Charles chamou a reunião assim que ele descobrisse que teve
sido ido." Mimi tinha chegado ao Conclave para achar o pai dela à cabeça da mesa.
Charles tinha estado furioso. Ele tinha certeza alguém no Conclave tinha levado isto e
tinha começado a assembléia acusando vários sócios de roubo.
Felicidades deram uma olhada aos Anciões que estavam deixando a reunião
sussurrando grupos. "Por que é importante?"
"Duh. Você não se lembra? É a espada do Arcanjo. É único de dois no mundo.
Gabrielle tem o outro, de course.you saiba, Allegra.but que ninguém conhece onde
desapareceu quando ela for AWOL. Esteve perdido durante décadas. Mas Charles,
Michael. ele manteve isto em uma sangue-fechadura no estudo dele. Mas alguém
arrombou. Foi. Ele está seguro o Croatan têm isto", Mimi explicou. A sangue-fechadura
era a segurança mais poderosa que os Sangues Azuis tiveram no arsenal deles/delas. Só
o sangue de um Arcanjo poderia abrir o caso. Era um quebra-cabeça impossível. Com
Allegra em um coma, não havia nenhum outro suspeito.
"É o que conseguiu ver com os Sangues Prateados?" Felicidades quiseram saber,
como ela chupou na bandagem que cobre o dedo polegar dela. Ela woken para cima
uma manhã para achar isto sangrando. Estranho. Talvez ela tinha entrado uma lasca no
sono dela?
"Só a espada de um Arcanjo pode matar outro Arcanjo. Eu não posso acreditar
que você não sabe que, Felicidades", Mimi ralhou. "Você não tem feito a leitura?"
"Mas por que o Charles quereria matar Allegra?"
"Não Allegra. Deus, eu tenho que soletrar tudo? Se o Lucifer está fora there.you
saiba? O príncipe alto de escuridão? Lucifer é um Arcanjo anterior. É a única coisa que
pode o matar. Sangue Azul normal swords.you os adquirem antes de você ser
hipotecado, a propósito, ou você não se lembra aquele ou? Esses só trabalho contra
qualquer Sangue Prateado velho. Mas a espada de Michael é o só um que pode matar o
Lucifer."
"E agora foi."
"Sim. Chupa. Charles realmente está perdendo isto se a espada deslizasse do
cuidado" dele, Mimi suspirou. Pareceu ruim verdadeiramente para o pai dela. Ela
poderia sentir que havia os sócios do Conclave que era suspeito deste "rombo." Mas por
que o Charles roubaria a própria espada dele? Eles acreditaram o Michael de fato, Puro
de Coração, se consorciaria com Sangues Prateados?
Felicidades deram uma olhada para o pai dela. Forsyth ainda estava no quarto,
enquanto provavelmente falando com Charles. "Assim quem pensam eles estola isto?"
"Eles não têm nenhuma idéia; embora o Charles disse que o Kingsley foi a
última pessoa que o visitou no estudo dele. Eu sei que eles nunca deveriam ter confiado
naquele perdedor. De qualquer maneira, o time de Kingsley é incomunicável em Rio.
Eles não o puderam adquirir no telépata. E o Lawrence ou não tem se registrado. É
caos", Mimi disse uma criança alegremente.
"Eu espero que eles não pensem que Dylan seja atrás isto. Ele não pode ser",
Felicidades disseram nervosamente.
"Sobre o que está falando você?" Mimi perguntou. "Dylan? Por que ele seria
envolvido? Ele não desapareceu em você alguns meses atrás? Ele é como, história."
Mimi se lembrou da história vagamente de como Dylan tinha arrombado a janela de
Felicidades antes de ser levado por um Sangue Prateado. Felicidades tinham sido há
dias inconsoláveis e Mimi tinha tentado confortar Felicidades a lembrando que o
monstro também pudesse a ter levado. Ela tinha sorte para estar viva. O Conclave tinha
enviado um time para investigar e encalçar os paradeiros de Dylan, mas o Venators não
tinha achado nada.
"Você não sabe?" Felicidades perguntaram.
"Saiba isso que?"
"Dylan atrás e ele está em centro de reabilitação."
"É você seguro nós estamos falando sobre o mesmo sujeito. Dylan. seu ex
abatido e o sujeito que mataram Aggie? Quem foi se transformado em um Sangue
Prateado?" Mimi exigiu. Felicidades não eram a faca mais afiada na gaveta. Uma
menina que ainda estava usando o saco de última estação veste em maio era totalmente
sem pista, até onde Mimi estava preocupado.
"Sim."
"Por que eu saberia sobre isto?" Mimi perguntou.
"Você está no Conclave. Eu o me recolhi para Forsyth. Ele disse que ele deixaria
o Conclave saber, de forma que todo o mundo poderia tomar uma decisão. Ele disse que
os Anciões decidiram o enviar a Transições."
Mimi tremeu a cabeça dela, enquanto parecendo místico. "Não. Seu pai nunca
mencionou isto em uma reunião. Nós não fizemos nenhuma tal coisa." Ela olhou para
Felicidades como ela estivesse fora da mente dela. Como estranho aquele Forsyth
manteria algo assim um segredo do Conclave.
"Isso é estranho, por que ele mentiria para mim?"
"Quem sabe?" Mimi estudou Felicidades. "Dylan realmente atrás? Você está
seguro?"
Felicidades acenaram com a cabeça. "Nós o visitamos a outra semana."
"Me leve a ele. Eu deixarei Forsyth saber que eu preciso fazer um relatório em
Dylan para o Conclave."

Cordelia Van Alen arquivos


Repositório de história
DOCUMENTO CLASSIFICADO:
Liberação de Altithronus só

Cordelia.. EU confio você achará este satisfatório. Forsyth L.

A ESTRELA DE HOUSTON
ANÚNCIO DE NASCIMENTO
CongressmanForsyth Llewellyn e a esposa dele, o Roberta Prescott anterior, são
os pais orgulhosos de uma filha de bebê nova. Jordan Grace Llewellyn nasceu
exatamente à meia-noite 1 de janeiro de 1994 aceso. Jordan é a segunda filha do
congressista. A mãe e bebê estão fazendo bem.

Vinte e sete
Porque Mimi quis ver Dylan imediatamente, eles decidiram o visitar o próximo
dia que significaria classes cortantes novamente. Não que Felicidades prestaram atenção
a todo o muito. Os graus dela eram a mais mais distante coisa na mente dela àquele
ponto. Aquela noite, Felicidades não perguntaram o pai dela por que ele não tinha
contado o Conclave sobre Dylan. Ela era cautelosa sobre o deixar saber que ela soube
que ele estava mantendo segredos dela. Forsyth deve ter tido as razões dele, mas de
alguma maneira Felicidades tiveram um sentimento ele não os compartilharia.
As próximas Felicidades de tarde empacotaram Dylan um pacote de cuidado.
Ela soube que ele estava recebendo que o melhor dinheiro de cuidado poderia comprar,
mas Transições não teriam a indie-pedra mais nova CD ou uma cópia de Sono
Absoluto. Ela pensou talvez se ele tivesse um par de as coisas favoritas dele, o
lembraria que era ele, e em tandem, que Felicidades tinham significado a ele. Ela há
pouco não quis desistir dele. Ela tinha decidido deixar de sentir até mesmo rejeitou
sobre o que tinha acontecido quando eles tinham entendido aquela noite fatal. Talvez
Dylan que se apavora nela era só parte da doença dele.
O Jordan caminhou pela entrada e espiou dentro do quarto de Felicidades. "Você
está subindo Saratoga novamente?" ela perguntou.
"Sim. Mimi quer ir ver Dylan para o Conclave. E o doutor dele está lá hoje. Eu
posso perguntar o que vai em com ele" finalmente, Felicidades explicaram, enquanto
dobrando uma jaqueta de motocicleta de couro nova que ela tinha tido o rasto de
estilista dela abaixo a Barneys e enchendo isto na bolsa de compras.
A irmã dela entrou e sentou na cama, enquanto assistindo pacote de Felicidades.
"Ei. Eu quis lhe perguntar.você sabe como você tinha seus blecautes?"
"Uh-huh." Felicidades acenaram com a cabeça, enquanto decidindo contra trazer
o ursinho um "Melhore Camiseta que ela tinha comprado em impulso em uma loja de
cartão. Dylan definitivamente pensaria era granuloso. Ele sempre tinha tirado sarro dela
por ter tantos animais enchidos na cama dela.
"Você ainda os adquire?"
Felicidades pausaram e pensaram nisto. Os blecautes vinham com enervar
regularidade. Ela desmaiaria e se despertaria em algum lugar para cima completamente
diferente donde ela tinha começado, sem conhecimento de como ela tinha chegado lá.
"Não. E eu ou não tive um pesadelo em meses."
"Isso é bom", o Jordan disse, enquanto parecendo aliviado.
Mas Felicidades não eram nenhum falando acabado. "É como, eu os adquiro
agora durante o dia. Como o outro day.I visse esta coisa estranha. Eu estava segurando
minha escova de cabelo e se transformou nisto, como, cobra de ouro. Assustado o
defeque fora de mim."
Jordan empalideceu. "Cobra de ouro?"
"Sim."
"E o outro dia que eu olhei para o céu e eu vi isto sete-encabeçou dragão. Se
apavorado eu."
"Isto acontece muito?" Jordan perguntou.
Felicidades encolheram os ombros. "Tipo de. Eu perguntei por isto a Pai. Ele
disse que era tudo."
"Parte da transformação", o Jordan repicou dentro.
"Sim." Felicidades terminaram embalagem. O telefone de cela dela zumbiu.
Mimi estava escada abaixo com o carro, enquanto esperando. Jordan estava ficando
parado lá, uma expressão estranha na face dela. Ela olhou como se ela estivesse lutando
com uma decisão. "O que é para cima?" Felicidades perguntaram.
"Nada." Jordan tremeu a cabeça dela. "Se divirta que visita seu amigo."

Felicidades não tinham pendurado por meses fora com Mimi e no princípio ela
pensou que seria incômodo entre eles, mas ela tinha esquecido como Força de Mimi
egocêntrica pudesse ser. Mimi conversou facilmente durante o passeio inteiro, enquanto
falando sobre tudo do elenco novo dela de familiars humano que incluiu os meninos
mais quentes de Colegial e Horace Mann, junto com uma criança de faculdade ou dois,
como também os planos dela durante o verão: um programa de Chinês-imersão
intensivo em Beijing, desde que ela quis exibir fluência de idioma pela aplicação de
Stanford dela ano que vem.
"Aquele engraçado não é? Chinês é o único idioma que não está em minhas
recordações. Huh. Eu estou ficando com Wah e Min., você conhece esses gêmeos
chineses que nós nos encontramos na Quatrocentos Bola?" Mimi deu risada.
Quando eles chegarem a Transições, Dylan estava só no quarto dele, enquanto
assistindo televisão. "Ei.Felicidades.direito?" ele perguntou, enquanto virando fora o
tubo. "E você é?"
"Mimi." Ela olhou nitidamente para ele. "Você não se lembra de nós
seriamente?"
"Eu me lembro dela", Dylan disse um pouco timidamente. "Ela veio me ver
alguns vezes."
"Eu trouxe um par de coisas" para você, Felicidades disseram, enquanto
sustentando a bolsa gorda de deleites.
"Esfrie", Dylan disse, enquanto cavando na bolsa. "Para o que é isto?" ele
perguntou, enquanto sustentando a jaqueta de couro preta.
Felicidades sentiam envergonhada. "EU. um.você tinha um."
"Não, é.Deus, é grande." Dylan vestiu isto. Ele olhou da mesma maneira que
bonito nisto como o velho. Ele sorriu a ela e o coração dela saltou uma batida. Ele
arraigou novamente na bolsa e removeu uma caixa de iPhone.
"Eu pensei que você poderia querer um", Felicidades disseram. "Eu espero que
você não note. Eu já programei meu número nisto."
"Felicidades", Mimi perguntou. "Você poderia nos deixar só um pouco para? Eu
gostaria de fazer Dylan algumas perguntas."
"Seguramente."
Felicidades deixaram o quarto. Alguns minutos depois, Mimi abriu a porta. Ela
olhou para Felicidades com uma mistura de piedade e desprezo. "Bem?" Felicidades
perguntaram.
"Realmente se parece com ele não tem nenhuma memória", Mimi disse.
"Eu lhe falei."
"Está pasmando. É como ele fosse uma ardósia em branco total."
"Você diz que como isto é uma coisa boa." Felicidades luziram a Mimi e
voltaram dentro do quarto.
"O que quis ela para saber?" ela pediu a Dylan.
Dylan encolheu os ombros. "Não muito.há pouco alguns coisas estranhas. e algo
sobre calças jeans ou algo. Eu realmente não adquiri o qual ela buscava. Eu lhe falei eu
fiz nem mesmo sabe meu nome quando eu acordei."
"Você realmente tem nenhuma idéia que eu sou?" Felicidades perguntaram,
enquanto sentando próximo a Dylan na cama.
Ele olhou para baixo ao livro cômico ele estava folheando por e guardou isto.
Então ele alcançou por cima e segurou a mão dela em seu. Ela estava surpresa e olhou
medrosamente para ele.esperançosamente.
Dylan carranqueou e então finalmente raio. "Eu não sei que é você. Mas eu sei
que toda vez eu o vejo, eu sinto bem."
Felicidades apertaram a mão dele e ele apertou o seu atrás. Eles sentaram,
enquanto segurando mãos durante um tempo muito longo. Até que Mimi bateu na porta
para deixar Felicidades saberem que o doutor de Dylan estava pronto para os ver.

Como eles caminharam ao edifício principal, Mimi se foi os óculos de sol dela e
piscou a uma figura que caminha para a cabana de Dylan. "Ei, aquele Oliver não é
Perigo-tudo que?"
"Sim", Felicidades disseram. Oliver tinha lhe falado ele poderia buscar Dylan
visitante escola. Aparentemente ele subiu muito para manter Dylan companhia. Os dois
deles jogaram xadrez. Dylan poderia ter perdido a memória dele, mas ele não tinha
perdido a habilidade dele para matar o Oliver ao jogo, o Oliver tinha lhe falado.
"Espere. Eu quero falar um pouco" com ele para, Mimi disse, enquanto
encabeçando na direção dele.
Felicidades se perguntaram isso que em terra Mimi quereria falar com Oliver
sobre. Os dois deles menosprezaram um ao outro. Mas eles eram muito longe para ela
os escutar.
Ela notou que quando Mimi devolveu, ela olhou extremamente agradada com
ela, até mesmo mais assim que habitual.
Como para Oliver, Felicidades não tiveram uma chance para o alcançar.
Qualquer Mimi disse a ele o tremeu tanto para cima, ele nunca visitou Dylan que dia.

Vinte e oito

Ela ouviu o carro antes de virasse o canto. Uma máquina ronronando macia que
cresceu a um rugido volumoso. Aproximou da ruela atrás do Perry Rua edifício. Uma
prata fica cinzento* 1961 Jaguar de XKE conversível, macio e lustroso e deslumbrante
como uma bala, com Jack Force à roda.
Schuyler deslizou dentro do carro, enquanto admirando seu fim clássico, suas
medidas antigas prateadas e mecanismos antiquados simples. Jack trocou as
engrenagens e o carro rugiram para cima a rodovia.
Eles teriam só alguns horas junto, mas era enough.although, claro que, nunca
seria bastante.
Cada dia trouxe o vínculo mais íntimo e mais íntimo.
Ela tinha espiado os convites e tinha merecido um ela. Ela tinha estado no
princípio surpresa, então percebeu era o modo de Mimi da deixar sabe exatamente onde
ela estava de pé. O outro dia ela tinha pegado um olhar rápido de Mimi até mesmo no
vestido de vínculo dela. Schuyler não soube que era mais o fool.she ou a menina no
vestido branco. Eles eram ambos furioso estar apaixonado pelo mesmo menino.
Jack era o bobo, Schuyler pensou, enquanto o assistindo habilmente manobra o
carro pela rua. Um bobo louco. Mas ela o amou, Deus como ela o amou. Ela só desejou
que eles não tiveram que esconder, que eles pudessem declarar o amor deles/delas para
o mundo. A outra noite que ela tinha lhe contado ela estava cansada de esconder em um
lugar. Até o apartamento dispôs uma fuga, também era uma prisão.
Schuyler estava desejando estar em outro lugar com ele, até mesmo durante uma
noite. Em resposta o Jack tinha deslizado ela uma nota que contando matutino ela para o
conhecer a crepúsculo no local designado. Ela não teve nenhuma idéia o que ele estava
planejando, mas o sorriso pequeno que agora jogou à extremidade dos lábios dele
indicou a uma surpresa maravilhosa.
Jack dirigiu o carro pela ponte em Nova Jersey. Em alguns minutos eles
puxaram em um aeródromo privado a Teterboro onde um jato estava esperando.
"Você não pode ser sério." Schuyler riu e aplaudiu as mãos dela quando ela ver
o avião.
"Você disse que você quis escapar." Jack sorriu. "Como sobre Tóquio? Ou
Londres? Seul? Eu sinto como churrasco. Madrid? Bruges? Onde você gostaria de ir
hoje à noite? Hoje à noite o mundo é seu, como é eu."
Schuyler não perguntou onde Mimi era; ela não se preocupou e ela não quis
saber. Se o Jack fosse arriscar isto, então ela não precisou perguntar.
"Viena", Schuyler decidiu. "Há uma pintura lá que eu sempre quis ver."

Assim isto é o que é gostar de ser um do mais rico e a maioria vampiros


poderosos no mundo, Schuyler pensou, como ela seguiu o Jack dentro do
Osterreichische Galerie no palácio de Belvedere. O museu estava fechado durante a
noite, mas quando eles chegarem às grandes portas de entrada que um guarda de
segurança de gloved os cumprimentou e o curador de museu os conduziu para a própria
galeria.
"Isto é o para o qual você está olhando?" o curador perguntou, enquanto
apontando a um pintar escuro no meio do quarto.
"Sim." Schuyler levou uma respiração funda e olhou para Jack para confiança.
Em resposta ele apertou a mão dela firmemente.
Ela moveu mais íntimo à pintura. Ela teve um cartaz enfraquecido da mesma
imagem alinhavado para cima no quarto dela. A realidade disto a surpreendeu. As cores
eram tanto mais vibrantes e atrativas, frescas e vivas. Egon Schiele sempre tinha sido
um dos artistas favoritos de Schuyler. Ela sempre tinha sido ao antagonista de
portraits.those dele, torturou linhas escuras, as figuras magras, que a tristeza eloqüente
aplicou tão grosso quanto pintura.
Foi chamado O Abraço simplesmente e descreveu um homem e uma mulher
com os corpos deles/delas enlaçados junto. Havia uma energia feroz ao pedaço e
Schuyler sentia como se ela pudesse sentir a intensa conexão do par a um ao outro. E
ainda o pedaço era longe de romântico. Estava carregado com ânsia, como se as duas
pessoas na pintura soubessem que o abraço deles/delas foi o último deles/delas.
Havia uma melancolia ao art.it dele não era para todo o mundo. No Art Hum de
Schuyler. classe todo o mundo estava enamorado pelo Art Nouveau de Gustav Klimt
obra-prima O Beijo. Mas Schuyler pensou preferência que pintura era muito fácil; era
decoração de dormitório-quarto, uma escolha segura típica.
Ela preferiu loucura e tragédia, solidão e tormento. Schiele tinha morrido jovem,
talvez de um coração quebrado. O professor de arte dela sempre estava falando sobre o
"remissório e qualidade de transformative de arte", e como ela esteve de pé em frente ao
Schuyler de pintura completamente entendida o que isso significou.
Ela não teve nenhuma palavra para o que ela estava sentindo. Ela sentia a mão
de Jack em hers.so esfrie e seque e se contou a menina mais afortunada no mundo.
"Onde para agora?" O Jack perguntou como eles deixaram o museu.
"Sua escolha."
Ice uma sobrancelha erguido. "Paremos por um café. Eu tenho um gosto para
torta de Sacher."

Eles jantaram no telhado de um prédio de apartamentos e assistiram a fratura de


amanhecer em cima do horizonte. Um das vantagens de ser um vampiro era que era
fácil de ajustar a um horário noturno. Schuyler não precisou tanto sono quanto ela usou,
e nas noites quando ela conhecer o Jack, eles apenas dormiram nada.
"Isto é o que você quis?" O Jack perguntou, enquanto se apoiando na mesa
raquítica pequena e vertendo mais vinho para ela.
"Como você soube?" ela sorriu, enquanto comprimindo o cabelo dela atrás da
orelha dela. Ele tinha a pegado de surpresa a trazendo contudo outro apartamento bonito
que a família dele possuiu. As Forças tiveram mais bens imóveis que Schuyler teve
suéteres pretos perfurados no armário dela.
"Venha, voltemos escada abaixo", o Jack disse, enquanto a conduzindo atrás
pela mão dentro do apartamento. "Eu quero que você ouça algo."
O pied-à-terre de Força ficava situado em um edifício que datou atrás a 1897, no
Nono Distrito prestigioso, com tetos arqueados, moldagens ornato e visões de toda
janela. Era aéreo e espaçoso, contudo ao contrário o deles/delas suntuosamente casa de
Nova Iorque enfeitada, o lugar era escassamente mobiliado e quase monástico.
"Ninguém é estado aqui em idades, desde então eles deixaram de fazer as Bolas
de Ópera vienenses corretamente", o Jack explicou. Ele tirou o pó de um Sony cassete
registrador antigo-olhando.
"Escute isto", ele disse, enquanto pondo uma fita dentro. "Eu penso que você
poderia gostar." Ele apertou JOGO.
Havia um som de vaia áspero. Então uma fêmea de voice.unmistakably cascuda,
baixa, mas soando saqueou antes de anos de smoking.began falar.
"Também era meu coração violento que quebrou."
Schuyler reconheceu as linhas. "É ela?" ela perguntou entusiasmadamente. "Isto
ela é, não é?"
Jack acenou com a cabeça. Era. "Eu achei a fita nesta livraria velha o outro dia.
Eles tiveram poetas que lêem o trabalho deles/delas."
Ele tinha se lembrado. Era o Anne Sexton. Lendo de poemas de amor. O poeta
favorito dela lendo do poema favorito dela, "A Fratura." Era o mais triste do lote, bravo
e amargo e bonito e enfurecido. Schuyler foi atraído às pinturas de grief.like Schiele, a
poesia de Sacristão era brutal, honesta em sua agonia. Não tinham sido escritos Poemas
de amor durante um caso o poeta had.an caso ilícito, secreto distinto o próprio
deles/delas. Ela ajoelhou e se precipitou perto do pequeno estéreo e o Jack a dobrou nos
braços dele. Ela não pensou que ela pudesse o amar mais que ela corrigiu então.
Talvez fazia parte dele que ela nunca entenderia, mas neste momento os dois
deles entenderam um ao outro perfeitamente.
Quando a fita terminou, eles estavam calados, enquanto desfrutando o calor dos
corpos de um ao outro.
"Assim." Schuyler sentia hesitante e ergueu para cima em um cotovelo falar com
ele. Ela temeu que falando sobre a realidade da situação deles/delas quebrasse a magia
da noite. E ainda ela quis saber. O vínculo era com velocidade máxima para a frente. "O
outro dia a A reunião de comitê você disse que havia um modo para quebrar o laço."
"Eu acredito assim."
"O que vai você fazer?"
Em resposta, Jack baixou Schuyler de forma que eles estava mentindo junto
novamente. "Schuyler, olhe para mim", ele disse. "Não, realmente olhe para mim."
Sim.
"Eu vivi um tempo muito longo. Quando a transformação acontece.quando você
começa a se dar conta de suas recordações.é um processo opressivo. É quase como você
tenha que reviver todo único engano", ele disse suavemente.
"Eu não quero cometer os mesmos erros eu fiz antes. Eu quero ser livre. Eu
quero estar com você. Nós seremos junto. Eu acredito que eu terei menos para viver
para, se eu não estiver com você."
Schuyler tremeu a cabeça dela vigorosamente. "Mas eu não o posso deixar fazer
isso. Eu não o posso deixar correr o risco. Eu o amo muito."
"Então você me preferiria ver hipotecado para uma mulher que eu não amo?"
"Não", ela sussurrou. "Nunca."
O Jack a segurou então e a beijou. "Há um modo. Confie em mim."
Schuyler o beijou atrás e todo momento era mais doce que o último. Ela confiou
nele completamente. Tudo que que era que ele ia fazer para quebrar o laço, eles seriam
junto. Sempre.

Vinte e nove
O doutor de Dylan era um urso de um homem, com uma barba fechada cheia e
uma andadura pesada inclinada. O vista em um terno vermelho e o envie abaixo a
chaminé, pensamento de Felicidades, confiando totalmente não para pôr a fé dela no
humano desajeitado, embora ele fosse um hematólogo muito proeminente e veio de um
Sangue Vermelho velho a família de Canais de confiança.
"Meu secretário me fala você é os amigos de Dylan Ward. Eu sei que você tem
tentado para adquirir em contato comigo. Eu me desculpo para a demora respondendo.
Foi uma semana muito ocupada. Alguém snuck um familiar em um dos dormitórios, e
era quase um banho de sangue." Ele estremeceu. "Mas não preocupar, tudo é sob
controle agora para." O doutor sorriu.
"Direito." Felicidades acenaram com a cabeça e se sentaram em frente à
escrivaninha dele. "Nós somos os amigos dele. Obrigado por nos ver."
"Eu não sou um amigo. Eu estou aqui para descobrir o que vai em com ele pelo
Conclave", Mimi estalou. "Eu sou um Diretor."
Ele elevou a sobrancelha dele. "Você parece jovem para sua idade."
Mimi sorriu maliciosamente. "Quando você pensar nisto, todos nós fazemos."
"Eu quero dizer, para alguém em sua posição", disse ele nervosamente, enquanto
tossindo e arrastando documentos na escrivaninha dele.
"Adquira ao ponto, doutor. Eu não vim aqui para debater as políticas do
Conclave. O que vai em com aquele caso de cesta?"
Dr. Andrews abriu o arquivo em frente a ele e fez careta. "Dylan parece estar
sofrendo de uma forma de desordem de tensão poste-traumática. Nós o associamos em
várias terapias de regressão ajudar recuperar as recordações dele. Mas tão longe ele não
fez nenhuma real conexão a qualquer coisa. Ele se lembra de nenhum o que aconteceu
para ele cem anos atrás nem o que aconteceu para ele um mês atrás."
Era da mesma maneira que Felicidades temeram. Dylan estava como um barco
desatracado, ancorado a nada e ninguém. "Assim ele terá há pouco amnésia
assim.sempre?"
"Duro dizer", o doutor disse indecisamente. "Nós não gostamos de nutrir falsas
esperanças."
"Mas por que", Felicidades disseram, enquanto sentindo extremamente agitado,
"por que aconteceu?"
"A mente às vezes faz isso; apaga fora tudo para funcionar. Cegar a força de um
recente trauma."
"Ele é estado terminado muito", Felicidades sussurraram.
"Ataque de Sangue prateado e tudo." Mimi acenou com a cabeça.
O doutor consultou o quadro dele novamente. "Isso é a coisa interessante. Como
eu contasse Senador Llewellyn, até onde nós podemos determinar, há nenhum sinal de
Sangue Prateado corrupção no sangue dele. Ele foi atacado, sim, e mal torturou, mas
nós somos céticos que ele executou o Caerimonia de fato em um vampiro da mesma
categoria. Ele não completou o processo. Ou me deixou fazer isto claro: ele tem nem
mesmo começado isto."
Felicidades começaram. "Mas."
"Isso é ridículo", Mimi disse de modo chato. "Todos nós sabemos que Dylan
matou Aggie. Ela foi escoada completamente. E ele era o único suspeito. Ele confessou
até mesmo a Felicidades."
"Ele fez", Felicidades concordaram.
Dr. Andrews tremeu a cabeça dele. "Talvez ele tinha sido iludido ou manipulou
em pensar ele era um deles. Nossos resultados são bastante conclusivos."
"Forsyth soube isto? Aquele Dylan era inocente?" Mimi perguntou nitidamente.
O doutor acenou com a cabeça. "Eu o chamei assim que os testes entrassem."
Mimi escarneceu um riso afiado, sarcástico. "Se Dylan não é um Sangue
Prateado e ele não levou Aggie que quer dizer ele provavelmente não era mentiroso
quando ele me falar que ele não sabe onde as calças jeans que ela tinha pedido
emprestado de mim são."
"Sobre o que está falando você?" Felicidades perguntaram, o awhirl de mente
dela.
"Não importa." Mimi encolheu os ombros. Ela se levantava e Felicidades
seguiram a dianteira dela. "Obrigado muito por nos conhecer, doutor. Você foi uma
grande ajuda."
Felicidades não puderam concentrar. Os dedos dela tremeram como ela abotoou
o casaco dela. Ela bateu o joelho dela na mesa e quase tropeçou.
Dylan era inocente.
Ele não era um Sangue Prateado nem sobre se tornar um.
Ele era uma vítima.
Por meses, todo o mundo na comunidade tinha acreditado na culpa de Dylan no
assassinato de Aggie Carondolet. Que ele tinha despachado as outras vítimas, Schuyler
atacado, e mortalmente tinha ferido Cordelia. Ele tinha contado Felicidades ele que ele
tinha feito essas coisas. E ela tinha o acreditado.
Mas o que se ele há pouco tivesse estado cobrindo para cima para outra pessoa?
O que se ele há pouco tivesse sido feito pensar que ele tinha sido infetado?
E se não tivesse sido Dylan que feito todas estas coisas, então quem teve?

Trinta

Estava igualando quando Schuyler deixar o apartamento em Rua de Perry. A


face dela ainda estava excitada dos beijos de Jack, as bochechas dela e lábios um
vermelho fundo róseo. Como tudo em Nova Iorque, Schuyler estava florescendo. Um
beijo para um beijo para um beijo, ela pensou, ainda nebuloso da noite deles/delas em
Viena. Eles há pouco tinham devolvido e tinham consertado para o esconderijo chover e
mudar.
Jack tinha deixado first.slipping fora o door.and lateral que ela tinha esperado a
meia hora requerida antes de tentar uma saída ela.
Ela estava sorrindo suavemente a ela, tentando acalmar o cabelo selvagem dela
em um vento súbito, quando ela ver alguém que ela não esperou ver.
Ele estava se levantando pela rua, a encarando com um olhar de choque e
desânimo. Um olhar nos olhos de Oliver e ela soube ele soube. Mas como? Como ele
poderia ter sabido? Eles tinham tido tanto cuidado para manter o amor deles/delas um
segredo.
A aflição cauterizada por toda parte na face dele era muito agüentar. Schuyler
sentia as palavras pegam na garganta dela como ela cruzou a rua para estar de pé em
frente a ele. "Ollie.não é."
O Oliver a atirou um olhar de puro ódio, virado no salto de sapato dele, e
começou a caminhar, então corrido fora.
"Oliver, por favor, me deixou explicar."
Num instante, ela estava se levantando bem em frente dele. Ele poderia correr,
mas ele não a pôde correr mais que. "Não faça isto. Fale comigo."
"Não há nada que dizer. Eu o vi partir, e então, da mesma maneira que ela tinha
dito, eu esperei uma meia hora e então você também partiu. Você estava com ele. Você
mentiu para mim."
"Eu não fiz nada como that.Oh Deus, Oliver." Os soluços que formam agora,
Schuyler sentia a tristeza dele e lavagem de raiva em cima dela. Se só ele batesse nela,
se só ele golpeasse her.do algo diferente de está de pé, enquanto olhando tão devastado
lá que ela só pudesse sentir em troca mais devastada.
Começou a chover. Nuvens de chuva abriram em cima e os primeiros pingos de
chuva jogaram pedras, então tocou tambor neles. Eles iam ser encharcados.
"Você tem que escolher", o Oliver disse, como a chuva misturou com lágrimas
que caíram das bochechas dele. "Eu estou cansado de ser seu melhor amigo. Eu estou
cansado de ser melhor segundo. Eu não resolverei para aquele mais. É tudo ou nada,
Schuyler. Você tem que decidir. Ele ou eu."
O melhor amigo dela e Canal ou o menino que ela amou. Schuyler soube que
um dia que surgiria a isto. Que ela teria que perder a pessoa para ter o outro. Que este
jogo teria conseqüências. Que ela não pudesse continuar da mesma maneira que ela
had.with um amante de vampiro e um humano familiar, com nenhum o mais sábio. Ela
tinha mentido para Oliver, mentiu a Jack, mentiu a todo o mundo, enquanto se
incluindo. Mas as mentiras dela tinham a alcançado finalmente.
"Você é egoísta, Schuyler. Você nunca deveria me ter feito seu familiar", o
Oliver disse indiferentemente. "Mas eu deixei isto acontecer porque eu me preocupei
com você. Eu estava preocupado ao que aconteceria a você se eu não fizesse. Mas you.if
que você já se preocupou comigo nada, se você estivesse pensando em mim nada, você
deveria ter tido a decência para se conter. Você soube exatamente como eu sentia sobre
você e você me usou de qualquer maneira."
Ele tinha razão. Schuyler acenou com a cabeça mudamente como a chuva correu
em rios em cima do cabelo dela e as roupas dela, os artigos de vestuário dela se
tornando uma bagunça encharcada. Oliver sempre tinha sido o mais sensato dos dois
deles. Ele tinha gostado do melhor amigo dele, a amou desde que eles tinham se
encontrado primeiro, levou uma tocha para ela durante anos, mas se ela não tivesse
trazido o Caerimonia nisto, não tinha bebido o sangue dele, não tinha se imprimido na
alma dele, talvez em algum dia ele teria deixado de sentir aquele modo sobre ela.
Se ela tivesse achado outro familiar, se ela tivesse escolhido outro menino
humano, o esmagamento de Oliver poderia ter enfraquecido em um afeto macio, não
obrigatório. Oliver poderia crescer, ame um Sangue Vermelho a menina, tenha a própria
família dele um dia. Mas ela tinha lhe feito o próprio dela. Ela tinha marcado o afeto
dele primeiro com isso mordida seduzível. O Beijo Sagrado tinha o marcado como seu.
Ela tinha agido egoisticamente, desnecessariamente, temerariamente.
Ele não teve nenhuma escolha mas a amar. Até mesmo se ele a deixasse agora,
ele nunca amaria outro; ele sempre estaria só.
Ele era maldito e ela tinha amaldiçoado ambos eles com a fraqueza dela.
"Eu sinto muito." Os olhos de Schuyler encheram de lágrimas. Haveria nenhum
modo para dobrar à direita.
"Se você sentir muito, você o deixará. Jack nunca será seu, Schuyler. Não como
eu fosse seu."
Ela acenou com a cabeça, enquanto chorando amargamente, esfregando as
lágrimas dela e nariz líquido com uma manga molhada. Ela soube que ela olhou tão
miserável quanto ela sentia.
Oliver amoleceu. "Venha, saiamos da chuva. Nós ambos vão pegar um
resfriado." Ele conduziu Schuyler suavemente no abrigo de um toldo de loja.
"Você é muito amável a mim", Schuyler sussurrou.
Oliver acenou com a cabeça. Ele soube o que era goste de amar um que fez
not.or pôde not.love atrás você. Mas ele tinha tido nenhum escolhido. Nenhum deles
fez.

ARQUIVO DE GRAVAÇÕES AUDITIVO:


Repositório de história
DOCUMENTO CLASSIFICADO:
Liberação de Altithronus só
Cópia de relatório de Venator arquivou 3/3

Venator Martin: Eles pediram a tentativa de sangue. Tudo será conhecido. Eu


serei descoberto.
Charles Force: Sim, eu ouvi. Você deve ser rápido. Você tem que desaparecer.
Eu o ajudarei.
VM: Mas eu quero saber por que. Por que você me teve chamar o Sangue
Prateado? Por que?
CF: Porque eu tive que saber.
VM: Tido que saber isso que?
CF: Se fosse possível.
VM: O que quer dizer você?
CF: Não deveria ter trabalhado, (agitado) nunca deveria ter happened.it era há
pouco um teste. Ver.
VM: O que?
CF: Nenhum tempo, eu (sussurros) sei o que eu tenho que fazer agora.
VM: Mas o Régis. Ele quererá uma explicação para minhas ações.
CF: Sim. Eu levarei ao cuidado de Lawrence. Não preocupe. Ele, de todas as
pessoas, entenderá por que eu fiz o que eu tive que fazer. Agora, me escute. Eu estou o
enviando a Corcovado..

Trinta e um

"Céu, você parece terrível. O que aconteceu?" Felicidades perguntaram,


enquanto achando Schuyler que se levanta sombriamente na entrada dela. Os olhos de
Schuyler eram vermelhos de chorar e ela estava assoando o nariz dela com um tecido.
"Sua empregada me deixou dentro. Eu espero que isso seja certo. Seus pais são
ao redor?" Schuyler perguntou, enquanto ainda cheirando.
"Não. Eles estão a algum angariação de fundos de campanha. Que mais é novo.
Entre em. Não que eles se preocupariam de qualquer maneira. Você sabe que eles
gostam de você", Felicidades disseram. Assim que ela dissesse isto, Felicidades
perceberam ela não estava segura se fosse verdade. Os pais dela nunca tinham mostrado
algum interesse nos amigos dela. Eles ainda assumiram ela pendurou fora com Força de
Mimi. Isso é como sem pista eles eram. Eles igualariam Schuyler nunca se encontrado
ou Oliver.
"Você é certo?" Felicidades perguntaram.
Schuyler tremeu a cabeça dela. Ela seguiu Felicidades no quarto dela e escalou
sobre a cama dela, enquanto apoiando atrás nos travesseiros e fechando os olhos dela.
"Oliver me" odeia, ela disse com um grito estrangulado como ela esfregou os olhos
dela. "Ele viu.o.dois de nós.Jack e."
"Ele sabe." Felicidades acenaram com a cabeça. De forma que é o que Mimi era
o Oliver revelador que tarde.
Em resposta, Schuyler agarrou um travesseiro fofo de entre o enorme ganso-
abaixo montão e pôs isto atrás do pescoço dela. "Sim."
Felicidades suspiraram. Ela apanhou a televisão remoto e começou sacudindo
por programas registrados. "Você viu o último episódio de A Praia?"
"Não, vista, Schuyler urgiu. O espetáculo de realidade" fabricado" sobre as vidas
de três vácuo e fascinando estranhamente ainda as meninas loiras do Los Angeles era o
favorito deles/delas.
"Assim como ele descobre?" Felicidades perguntaram, enquanto mantendo os
olhos dela na tela. Então ela interrompeu a ação e virou a Schuyler. "Embora, eu
adivinho não importa. Você sabe que ele vai eventualmente."
"Eu sei", Schuyler disse. "Eu desejo que você não olhasse para mim aquele
modo. Eu sei o que você está pensando."
"Eu não disse nada."
"Você não tem."
Felicidades esfregaram Schuyler está de volta. Ela era simpatizante, mas
Schuyler tinha sabido o que ela estava fazendo quando ela enganchou para cima com
Jack. Ela tinha alienado um amigo, e para Força de what.Jack? O que viu ela de
qualquer maneira nele?
"Olhe, eu tenho que lhe falar algo: Mimi e eu visitamos Dylan hoje", Felicidades
disseram. Ela repetiu tudo o doutor tinha lhe falado.
Schuyler estava surpreso e confuso. "Assim se isto Dylan não era que matou
Aggie e todos esse others.who isto era?"
"Quem sabe?"
"Qualquer um sabe outro sobre isto? Que ele não fez isto?"
"Diferente de Mimi e eu? Sim. Forsyth", Felicidades disseram. Ela percebeu ela
não pôde se trazer o chamar o "Pai" ultimamente de alguma maneira. "Dr. Andrews
disse que ele tinha o chamado uma vez que os testes entraram."
"Mas seu pai não mencionou nada a você?"
"Não uma palavra."
"Ou para o conclave?"
"Mimi disse que Forsyth não lhes falou sobre Dylan nada", Felicidades
disseram, enquanto sentindo cada vez mais envergonhada sobre as ações do pai dela.
"Eu desejo saber por que."
"Talvez ele fez isto para me" ajudar, Felicidades disseram defensivamente. "Ele
soube que o Conclave quereria que Dylan destruiu, assim ele o escondeu deles."
"Mas Dylan não é um Sangue Prateado", Schuyler disse. "E ele nunca era.
Assim havia nenhuma ameaça que ele seria destruído. Eles executaram o teste e ele
passou. Ei, o que está com a mala?" ela perguntou, motioning para os rolos de Tumi
meio-acumulados ao pé da cama de Felicidades.
"Oh sim, nós vamos embora."
"Onde?"
"Rio. Forsyth disse que o Cuteleiro de Nan chamou um Conclave se encontrando
principal, lhes falou seu avô precisou de ajuda e agora todo o mundo vai."
"Que tipo de ajuda?" Schuyler exigiu.
"Hey.do não preocupam", Felicidades disseram, enquanto vendo a expressão
apavorada na face do amigo dela. "Eu estou seguro ele é certo."
"Eu não tive notícias muito tempo" de Lawrence dentro, Schuyler admitiu. "Eu
fui alcançado Jack que eu fiz nem mesmo notificação assim. Que mais disseram
Forsyth?"
Felicidades eram relutantes dizer, mas decidiram Schuyler teve um direito para
saber. "Eu não sou cem por cento seguro, mas pareceu o Lawrence estava em algum
tipo de dificuldade."
"Que tipo de dificuldade?"
"Eu desejo que eu pudesse lhe falar. Tudo que eu sei é este Forsyth matutino nos
falou nós íamos para Rio. Negócio de conclave." Ela apontou o controle remoto na
direção da tela de televisão e rápido-remeteu pelos comerciais.
O espetáculo voltou em e Felicidades alcançaram debaixo da cama dela e deram
Schuyler uma bolsa das batatas fritas de jalapeño favoritas dela. "De qualquer maneira,
não preocupe sobre Ollie. Ele virá ao redor de. Você sabe que ele vai."
"Eu não sei sobre isso. Eu realmente penso que ele me odeia, Felicidades. Ele
me falou era ele ou Jack. Que eu tive que escolher."
"E o que disse você?"
"Nada." Schuyler piscou lágrimas frescas atrás. "Eu não posso escolher. Você
sabe que eu não posso." Ela lançou a bolsa vazia e chutou a um travesseiro. "Tudo está
podre."
Felicidades mantiveram um olho na televisão e o outro no amigo dela. Ela
concordou cordialmente com a avaliação de Schuyler. Tudo sentia podre. Como como
Forsyth nunca tinha sido direto com ela sobre Dylan. Às vezes sentia como se todo o
mundo estivesse mentindo sobre tudo.
Depois de alguns minutos de assistir a estrela principal da fratura de espetáculo
para cima com o namorado dela durante o tempo enésimo, raio de Schuyler. "Você
sabe, eu não tive notícias nada de Lawrence desde que ele é estado lá, a não ser que ele
deseja que o tempo esteja mais fresco. Se ele verdadeiramente estiver em perigo, você
não pensa que ele teria dito algo a mim? Talvez me enviado uma mensagem?"
"Talvez ele não quer que você preocupe", Felicidades disseram. "Ele está
fazendo há pouco isto para o proteger provavelmente. Se há algo errado com
Corcovado, ele disse que ele quis o manter longe disto", ela lembrou.
"Eu adivinho." Schuyler jogou com uma borla no travesseiro dela. "Mas sente
estranho, você sabe? Eu quero dizer, o Lawrence não confia no Conclave com qualquer
coisa. Não desde Plymouth", ela disse. "Por que ele os pediria agora?"
"O que está pensando você?" Felicidades perguntaram. Ela notou havia um olhar
propositado no olho de Schuyler. Pelo menos a menina tinha deixado de chorar
finalmente sobre esses meninos. Este era o Schuyler ela soube e admirou.
"Eu estou abaixando lá. Se o Lawrence realmente estiver em perigo, eu tenho
que o ajudar. Eu não pude viver caso contrário comigo."

ARQUIVO DE GRAVAÇÕES AUDITIVO:


Repositório de história
CANAL: Perigo-Perry, Oliver
POSIÇÃO: Van Alen a família
Relatório pessoal arquivou 5/19

"Cópia nota dois minutos de fita estavam perdidos em avaliação. Cópia começa
como segue:»
Schuyler lhe falará que eu não tive nenhuma escolha no assunto. Ela acredita
que eu a amo porque eu tenho, ou porque eu tive nenhum escolhido, mas ela está errada.
Ela às vezes se dá muito crédito.
Eu soube o que nós estávamos fazendo, quando nós fizermos o Caerimonia. Eu
soube o que significou exatamente. Eu soube o que faria. Mais importantemente eu
soube que ela não sentia o mesmo sobre mim. Eu soube que durante um tempo muito
longo. Você pensa que eu sou estúpido?
Assim por que eu fiz isto?
Eu não sei. Eu não ia. Em minha defesa, eu tinha lhe falado nenhum a primeira
vez. Nós estávamos sentando lá naquele quarto de hotel e ela estava sentando em meu
colo e sentia agradável, você sabe. Sendo assim perto dela. Sim, eu adivinho sentia
grande. Eu não quero não entrar em it.I'm um chupar-e-conte tipo de sujeito.
Ela pensa que eu estive apaixonado por ela desde que nós éramos as crianças, ou
desde que eu pus olhos primeiro nela, ou algum outro romântico defeque. Mas não era
como que. Nós éramos os amigos. Nós nos demos bem. Eu gostei do modo que ela
pensa. Gostado do som do riso dela. Gostado como ela vestido-em tudo essas camadas
escuras. Do que estava escondendo ela?
Eu pensei que ela estava bonita? Eu não sou cego, eu sou? Claro que eu pensei
que ela estava bonita. Mas era mais que that.I gostou que ela usava esta sombra feia de
sombra-meninas azuis pense que os sujeitos não notam encha como maquilagem, mas
nós do.and adquiriria todos o cakey e mancharia ao término do dia. Ela teria estes olhos
de guaxinim azuis enormes e ela vai nem mesmo notificação. Eu não sei. Eu estava
encantado.
Mas eu não sentia aquele modo então sobre a parte de trás dela. Nem mesmo em
oitavo grau quando nós tivermos que ir junto para o Sadie Hawkins dança e ela me
pediu que fosse a data dela e nós passamos a noite que senta em uma fabricação de
canto divertido de todo o mundo. Nós não dançamos uma vez e ela usou este vestido
horroroso, folgado. Não, eu não estava então apaixonado por ela.
Eu me apaixonei por ela quando ela a descobrir era um vampiro. Há pouco
alguns meses atrás. Quando ela aceitou a herança dela e não vacilou do destino dela.
Porque você sabe quem é suposta ela ser, direito? Eu quero dizer, a filha de Gabrielle.
Material pesado. Ela é tão forte me assusta. Eu não era mentiroso quando eu lhe falar
isso.
Assim, yeah.again, você está me perguntando por que eu fiz isto. Por que eu
deixei o dela leve meu sangue, a deixe me marcar como o próprio dela. Faça aquele
todo coisa "familiar." Tudo aquilo jazz.
Eu faço nem mesmo sabe por que eu aborreço com estes relatórios. Quem está
os escutando, de qualquer maneira?
De qualquer maneira, eu adivinho a verdade do assunto era, eu não queria que
ela tivesse que fazer isto com outra pessoa. Eu não quis compartilhar. Ela já era tão
diferente de mim, enquanto já mudando. Ela é diferente. Ela vai sempre viver, enquanto
eu só vou conseguir passar uma vez.
Eu quis esperar.
Porque sim, eu a amo.
Eu a amei quando ela vier a mim que noite em O Banco. Quando ela estava me
procurando e foi aliviada para me ver assim. Quando ela aceitar tudo para o que eu lhe
falei, e ela privou nem mesmo extravagância tanto quando eu lhe falar que eu já soube.
Que eu era o Canal dela.
Isso é por que eu peguei o próximo avião fora da cidade para Rio depois de seu.
Sim, Felicidades me falaram para o no qual ia. Você pensa que eu a deixaria ir só lá?
Você está brincando, direito?
Mas se você pensa que eu entrei nesta cortina, você está errado. Eu soube sendo
ela familiar não mudaria nada. Eu soube que até mesmo se ela soubesse que eu estava
apaixonado por ela, não mudaria como ela sentia sobre mim.
Eu soube que eu perderia no fim.
O que acho eu de Jack Force? Não. Eu não penso muito dele. Há pouco outro
sujeito que pensa ele é o presente de Deus a Terra. No caso dele, provavelmente
literalmente. Mas, você know.he é irrelevante a mim. Ele há pouco não conta. Até
mesmo se eles terminam junto, o qual eu duvido dado a força daquele laço de particular
altamente. Mimi não é nenhuma piada, eu não desarrumaria ao redor até mesmo com
Azrael.but se Schuyler ainda o ama, ou pensaria ela faz, não importa.
Porque o Jack vai partir um dia para ela. Eu sei que ele vai. Ele é muito para
Schuyler. Eles estão errados para um ao outro. Qualquer um pode ver isso.
E quando ele a deixar, eu estarei lá.
Porém longo leva, eu ainda estarei lá para ela.
Esperando.
Assim eu adivinho Schuyler erradamente. Eu adivinho eu sou afinal de contas
um sujeito bem romântico.

Trinta e dois

Há pouco pronunciando o nome de Rio airport.Galeao. poderia pôr a pessoa em


um humor Carnaval-pronto, pensamento de Schuyler. Gahhhlaaaeonnn. Agora ela
entendeu por que tantos pessoas viajaram a este país: até mesmo o nome de seu
aeroporto prometeu aventuras abafadoras e misteriosas.
Porém, Schuyler sentia longe de romance de qualquer amável. Ela não pôde
conseguir pensar em Jack sem pensar em Oliver. Era muito doloroso. Se afastando das
Forças tinha sido bastante fácil: ela há pouco caminhou fora a porta. Charles foi furado
novamente para cima no estudo dele, Trindade estava fora em uma férias de estância
termal menina-única, enquanto Mimi estava viajando a Rio com o Conclave. Jack era
permanecer em Nova Iorque. A outra noite ele tinha lhe deixado outro livro debaixo da
porta. Uma cópia de Anna Karenina. Mas ela não foi o conhecer. Ela fez nem mesmo
tenha o coração para levar o livro junto com ela no vôo de nove-hora.
Ela não dormiu nada durante a viagem e o assento de treinador espasmódico não
ajudou. Schuyler só tinha viajado já com Cordelia ou Oliver e a família dele. Com a avó
dela tinham levado eles pequeno suporte aplana a Nantucket e o Oliver só viajou
primeiro classe. Ela tinha pensado uma vez nela como uma menina forte que não
precisou dos poucos luxos de vida, uma terra comum bastante engano feito por esses
que nunca experimentaram as poucas inconveniências de vida.
O avião finalmente pousado e Schuyler recobrou a bolsa dela da caixa e arrastou
o modo dela à frente da linha. O próprio aeroporto era uma decepção, enquanto não
satisfazendo a promessa mágica de seu apelido. As alfândegas e espaços de imigração
eram grandes e abrem, mas a decoração estava fria, utilitária, datada e institucional. Não
beachy, sensual, ou tudo que que era que Schuyler tinha assumido a cumprimentaria
quando ela chegou. Estava vazio e quieto. Ela tinha esperado uma festa e foi conhecida
pelo Kremlin.
Schuyler entendeu que a cidade era considerada bem perigoso, e manteve um
olho cauteloso. Lawrence ainda era frustrantemente inalcançável. As últimas mensagens
que ela tinha lhe enviado tinham sido não devolvidas e Schuyler não pôde adquirir uma
fechadura no sinal dele. Ela seguiu a multidão fora para a frente do término. Felicidades
tinham lhe aconselhado que pegasse um táxi, mas com o pouco dinheiro tinha partido
ela, ela decidiu para valente isto levando um dos aviões raquíticos que dirigiram abaixo
as áreas centrais ao longo das praias e pararam ao redor dos hotéis principais.
O ônibus estava cheio de mochileiro australianos ruidosos e Schuyler achou um
assento na frente assim ela pudesse olhar fora a janela. O passeio do aeroporto estava
confundindo, como a rodovia fez várias curvas e curvas, inclusive ida por alguns túneis
que a deixaram com pequeno senso de direção. De vez em quando Schuyler viu
precipícios de pedra magníficos, musgo-cobertos e colinas cobertas com vegetação
tropical, sobre uma costa de areia amarelo-branca encalha e água azul. Ela também viu
olhar rápido do storied as favelas urbanas de país de favelas.the que pontilharam os
precipícios e ladeiras. Evidência do resultado do terremoto estava em todos lugares, dos
lotes lixo-cobertos enchidos de pássaros de comedor de carniça às hemorróidas de dois
andares de escombros que pontilhou a paisagem.
Entre as visões de montanha e mar ela olhou brevemente muito alto edifícios
altos, edifícios de aço-e-copo que eram não afetado pelo desastre. No modo ela notou
também vários carros fora no ombro da rodovia, parado por policial fortemente armados
a algum tipo de ad hoc posto de fiscalização.
Tudo era todo ao mesmo tempo exótico e bonito e feio. Finalmente os nomes
nos sinais de estrada parecidos familiar: Ipanema, Copacabana, Leblon. Ela viu a
estátua famosa do Jesus com os braços dele estendido como se abraçando a cidade,
Cristo o Redentor, O Cristo Redentor, em cima de Corcovado. Ela estava desfrutando a
visão como produziu som explosivo junto o ônibus, quando sua máquina morreu de
repente.
O motorista de ônibus amaldiçoou profusamente como ele puxou ao lado da
estrada.
Schuyler estava confuso, especialmente quando o motorista pedir aos
passageiros desembarcar ao longo da rodovia, e levar a bagagem deles/delas com eles.
"Isto novamente", um dos australianos magros reclamou.
"Isto acontece muito?" ela perguntou.
"Todo o tempo", foi lhe falada.
O motorista de ônibus os aconselhou dar um intervalo e vir atrás atrás de uma
hora enquanto ele tentou consertos. Felizmente eles também não estavam longe do
bulevar principal. Desde o princípio o shorefront era um passeio pavimentado com
seashells marchetado em um padrão de mosaico, abarrotado com corredores,
passeadores, Rollerbladers e carrinhos de criança. Schuyler achou um posto de suco
perto e comprou uma bebida. O calor tropical estava fazendo o dela sinta murchado.
Mas quando ela voltar depois à mancha designada uma hora, o ônibus de
transporte público, junto com os australianos tumultuosos, teve sido ido. Ela estava só.
O aborrecimento dela foi composto por um flash de incerteza quando ela notar um par
de toughs.thin jovem, sujeitos descalços em shorts enfraquecidos e Chicago Touros
Camisetas perfuradas que caminham para ela. Eles olharam curiosamente para o turista
preto-revestido. "Turista? "
Ela soube que ela não teve nada que temer, mas ela não quis assoar a cobertura
dela. Os meninos vieram mais próximos. Só então ela notou um deles estava segurando
uma garrafa quebrada.
E há pouco quando ela pensou que ela teria que começar se defendendo, um
carro preto brilhante parou. Pareceu à prova de balas, com escureceu rolar-para cima
janelas.
O que agora? Schuyler pensou que ela fundaria só mais dificuldade.
De então das janelas roladas abaixo. Schuyler estava seguro ela nunca tinha
sentido mais feliz para ver o menino dentro.
"Demorado um tempo para o achar. Arrependido eu o perdi no aeroporto. Meu
vôo foi demorado", o Oliver disse como ele lançou aberto a porta dos fundos. Schuyler
notou que ele teve dois homens de segurança no assento traseiro, e um na frente,
inclusive o motorista. "Pelo que está esperando você? Entre."

Trinta e três

O Copacabana Palácio Hotel era um dos destinos favoritos de Mimi. Ela tinha
viajado a Rio muitas vezes por Carnaval e sempre tinha ficado no mesmo apartamento
de canto. Ela não teve nenhuma idéia por que o Cuteleiro de Nan tinha trazido o
Conclave todo o modo para a América do Sul, mas ela não questionou isto. Além, não
era como se ela fosse rejeitar a oportunidade para perder escola.
O Jack não tinha expressado nenhum interesse a acompanhando e ela não
apertou o assunto. Quando eles eram hipotecados, eles viajariam o mundo junto. Ela
sentiu falta dele, mas ela também foi excitada para ser no próprio dela em uma cidade
nova.
Ela derrubou a toalha dela no longue de carruagem localizado no terraço de
telhado privado fora do quarto dela. O Conclave tinha sido convidado jantar a Casa
Alameida, uma vila nas colinas, depois aquela noite. O Almeidas tinha feito parte do
Sangue Azul contingente que tinha se mudado para o Brasil em 1808, quando a família
real portuguesa e muitos nobles tinham fugido de, em lugar de briga, o conquistador
vigoroso, Napoleon. Eles moveram o assento do tribunal do rei às colônias, enquanto
fazendo o Rio o primeiro capital não europeu de um país europeu.
Claro que, uma vez escondeu eles nunca voltaram e declararam o Brasil
independente e o príncipe, imperador. Mas quando o país se declarar uma república em
1889, os Sangues Azuis da cidade se retiraram e concentraram em o que eles fizeram
melhor: museus construindo e coleções de arte, hotéis principais, e encorajando o
renascimento cultural.
Mimi admirou o que os Sangues Azuis brasileiros tinham feito com a cidade
deles/delas e se lembrou que os convidasse tudo para a Primavera De gala. As famílias
realmente deveriam saber melhor um ao outro, ela pensou. Tantos deles viveu tão longe
agora de um ao outro. Claro que as cabeças dos vários Comitês se reuniriam com os
Anciões do Coven em Nova Iorque todos os anos, mas caso contrário eles não tiveram
quase nenhum contato entre si.
Ela pôs facedown na toalha e desamarrou as correias ao topo de biquíni dela.
Um menino de piscina muscular se aproximou, a pele escura dele e cabelo que
golpeiam contra o traje de banho branco dele. "Caipirinha?"
"Seguramente." Mimi se levantou nos cotovelos dela e não aborreceu para se
cobrir.
O gaze.almost desinteressado dele obnóxio realmente, o modo que ele encarou o
tórax dela, entusiasmado os sensos dela. Ela sempre estava em uma caça para um novo
familiar, e quando em Rio.

Trinta e quatro

Até onde Felicidades estavam preocupadas que ela sempre poderia ficar em Rio.
Toda a tarde ela tinha vagado as praias bonitas da cidade, enquanto usando um traje de
banho que ela tinha comprado na loja de hotel quando o um ela tinha trazido a golpeada
como modo muito puritano para esta cidade.
Eles estavam ficando no Hotel de Fasano fabuloso em Ipanema e embora
Felicidades desfrutaram tomando sol na coberta de telhado, ela tinham coçado para
caminhar a costa no próprio dela. BobiAnne tinha lhe pedido que levasse o Jordan com
ela e as irmãs estavam se divertindo que nada no oceano e vigilância de pessoas.
Brasileiros usaram biquínis insuficientes, não importa a forma deles/delas ou tamanho;
estava liberando e estava intimidando ao mesmo tempo um pouco. O americano em
Felicidades acreditadas que as avós não deveriam usar correias.
Ainda, ela realmente estava começando a se desfrutar, enquanto relaxando no
tempo abafador e esquecendo que eles estavam em Rio para alguns material bastante
sério. Ela tinha escutado Forsyth que fala com Cuteleiro de Nan e soou como se o
Lawrence estivesse em uma real bagunça. Os pais dela não disseram nada, mas era
óbvio eles eram inseguros e ansiosos. Forsyth persistiu mordaz em toda pequena coisa e
BobiAnne plano estava em extremidade. Felicidades desejaram saber se Schuyler
tivesse qualquer sorte que o contata.
Felicidades não tinham podido convencer trazer Schuyler com eles para a
família dela. ("Absolutamente não", o pai dela tinha dito. "Ela é a custódia de Charles e
eu não penso que ele dará permissão.") Ela tinha feito a próxima melhor coisa e
determinado Schuyler bastante dinheiro da conta pessoal dela afiançar um ingresso.
Schuyler provavelmente estava já na cidade, mas era suposto que ela chamava
Felicidades quando ela entrou, e Felicidades tão distantes não tinham tido notícias dela.
Ela esperou que Schuyler fosse certo. Rio não era um lugar para meninas jovens que
viajam só.
Ela tentou chamada novamente Dylan, mas não havia nenhuma resposta. Os dois
deles tinham entrado no hábito de falar todas as noites e se registrar entre si durante o
dia. Ela soube quando ele tiver ioga, quando ele tiver terapia, e que horas ele almoçou.
A aborreceu ele não tinha devolvido nenhum das mensagens dela. Onde ele estava?
Ela discou o número principal do centro e pediu o conselheiro dele.
"Dylan?" A voz do terapeuta era alegre. "Ele foi verificado o outro dia."
"Realmente?" Estas era notícias a Felicidades. Dylan teve nem mesmo
mencionado que ele era elegível para liberação. "Você sabe quem o apanhou?"
"Vejamos." Havia um som de documentos arrastar. "Diz aqui ele foi
descarregado a Senador Llewellyn."
Felicidades sentiam intranqüilo. O pai dela obviamente não teve mencionado
qualquer disto a ela. Talvez estava na hora para o confrontar sobre o que ela soube, mas
o pensamento de expor isto com Forsyth fez o dela engula sinta enjoado. Dylan a
chamaria quando ele tiver uma chance, ela estava segura que ele vai. Ela há pouco teria
que esperar. Próximo ao Jordan dela foi amontoada debaixo de um guarda-chuva,
coberto com toalhas e camadas de protetor solar. Felicidades a escarneceram para
it.taking fora o constrangimento dela em cima de Dylan insultando a irmã dela.
"Você não bronzeia qualquer um", o Jordan replicou.
"Sim, mas eu não me preocupo. Eu gosto de queimar."
"B, eu posso ter um suco de coco?" O Jordan perguntou, enquanto apontando a
um vendedor que estava apregoando as mercadorias geladas.
"Seguramente." Felicidades torceram na bolsa dela para a carteira dela, quando
tudo for branco de repente. Ela não pôde ver uma coisa. Ela era completamente a
cortina, embora os olhos dela fossem largos aberto. Era o feeling.almost mais
antinatural, inquietante como se outra pessoa estivesse vendo pelos olhos dela. Como se
havia outra pessoa dentro da cabeça dela.
Quando a visão dela devolveu, ela estava tremendo.
"O que só aconteceu?" ela pediu ao Jordan.
A face de Jordan foi escoada de cor.
"Seu eyes.they seja azul." Felicidades tiveram olhos verdes, tão verde quanto a
esmeralda que refletiu o pescoço dela ao redor.
"Você está brincando." Felicidades riram.
Jordan se pareceu com ela estava tentando para decidir algo. Finalmente ela
falou. "Escute, você tem que acreditar que eu não tive uma escolha, aprovadamente?"
Ela agarrou o braço de Felicidades.
"Sobre o que está falando você?" Felicidades perguntaram, totalmente
confundida.
O Jordan há pouco tremeu a cabeça dela e foram chocadas Felicidades para a ver
irmã mais jovem estóica assim perto de lágrimas.
"Nada, não é nada." Jordan cheirou.
Felicidades a abraçaram. "Leve fácil, criança."
"Se lembre que você era verdadeiramente como uma irmã para mim." O Jordan
sussurrou tão suavemente que Felicidades desejaram saber se ela realmente tivesse dito
isto ou se ela estivesse ouvindo há pouco coisas.
"Tudo que que é você está preocupado sobre, tudo vai ser certo,
aprovadamente?" Felicidades disseram, enquanto abraçando a irmã dela firmemente.
"Nada vai acontecer, eu prometo."

Trinta e cinco

Oliver, como poder eu já lhe" agradeço, Schuyler disse, enquanto afivelando o


cinto de segurança dela. Ela olhou para os guarda-costas armados. "Você não pensa que
você excedeu isto no músculo?"
Ele encolheu os ombros, "A pessoa nunca pode ter demasiado cuidado."
Schuyler acenou com a cabeça. "Isto significa você não está mais furioso a
mim?"
"Não falemos agora mesmo sobre isto. Nós aqui somos para Lawrence, direito?"
"Direito."
"Você soube que o Conclave inteiro aqui é?" ele perguntou. "Eu vi Diretor
Oelrich em meu vôo. E o Duponts e o Carondolets estão em meu hotel."
"Eu sei. Felicidades me falaram o Cuteleiro de Diretor chamou uma sessão de
emergência e os trouxe aqui. Eles acharam o Lawrence?"
"Isso é a coisa. Ninguém está falando sobre Lawrence nada. Todos eles estão se
preparando hoje à noite" para um jantar grande na casa de algum Sangue Azul
brasileiro, ele disse, como o carro dirigiu no centro da cidade próprio, e a paisagem
ficou mais cênica até mesmo: verdura luxuriante, praias deslumbrantes e as pessoas
igualmente deslumbrantes que tomam banho de sol neles.
"Onde você está ficando?" Schuyler perguntou.
"O Fasano. O hotel de Philippe Starck novo. Felicidades são lá também. Eu teria
o adquirido seu próprio quarto, mas eles não tiveram qualquer mais. Você pensa que
você será divisão certa comigo?" ele perguntou.
"Claro que", ela disse, enquanto tentando não parecer incômodo. "Escute.sobre o
que aconteceu a outra noite."
"Não falemos agora mesmo" sobre isto, o Oliver disse ligeiramente. "Eu quero
dizer, eu estava sendo um pouco dramático, eu não era? Ele ou eu. Tudo que."
"Assim você não quis dizer isto?" Schuyler perguntou esperançosamente.
"Eu não sei. Há pouco deixe.há pouco lidemos primeiro com Lawrence e fale
depois sobre isto. Aquele certo é?"
"Seguramente." Oliver tinha razão. Eles não tiveram tempo para morar naquele
agora. Eles tiveram que achar o Lawrence.
O silêncio continuado do avô dela a preocupou. O que se ele tivesse sido
apanhado, ou contido, ou pior? Tinha sido sábio para ele vir só a Rio? Ou se reunir com
o time de Kingsley? Kingsley que era agora como bem inalcançável, de acordo com
Felicidades. Schuyler ainda não entendeu por que Kingsley para que sido mostrado para
ser um Blood.albeit reformed.had Prateado sido permitido voltar como um Venator. O
avô dela não era uma pessoa crédula e ele deve ter tido razão boa para confiar em
Kingsley novamente, especialmente depois que o que aconteceu em Veneza.
Mas ainda.
Ela preocupou.
Ela fechou os olhos dela e pensamento do avô dela. Imaginado o cabelo leonino
dele, o porte aristocrático dele.
O enviando foi devolvido imediatamente.
O que está fazendo você aqui? Lawrence exigiu rabugentamente. Ele estava
obviamente muito aborrecido, e pior, soou multa perfeitamente.
O salvando? Schuyler enviou tentativamente.
Havia um pareça um bufo telepático.
Me conheça na barra de Palácio. Por uma hora.
O Lawrence era vestido nas roupa de lã habituais dele e lãs pesadas quando eles
o conhecerem na barra no Palácio de Copacabana. A face dele era vermelha e suor
estava pingando abaixo a testa dele. Schuyler pensou talvez ele não se queixaria tanto
do tempo se ele fosse vestido para isto.
"Era suposto que você permanecia em Nova Iorque", o Lawrence disse
severamente como uma saudação. Eles levaram assentos na barra e o Lawrence ordenou
um círculo de bebidas. Um Bellini para ele e coladas de piña de virgem para a neta dele
e o Canal dela. Até mesmo se álcool não afetasse os vampiros, o Lawrence gostou de
cumprir Sangue Vermelho regras e desaprovou bebendo "de menor idade."
"Mas avô. Eu ouvi você estava em dificuldade." Ela torceu no assento dela. Ela
sentia aliviado aquele Lawrence era certo, mas o olhar de aço do avô dela fez as
recentes ações dela sentir impulsivo e tolo. Cada vez mais se apareceu a viagem dela era
desnecessária e desnecessariamente dramático.
"Isso é notícias a mim", o Lawrence disse, enquanto tirando o tubo dele.
"Mas por que você não devolveu meu sendings então?" Schuyler perguntou. "Eu
estive preocupado."
Lawrence chupou no tubo dele antes de responder. "Eu não os ouvi. Eu não tive
notícias nada de você até hoje", ele disse, enquanto assoando fumaça no ar.
A garçonete devolveu com as bebidas deles/delas e os três deles soaram óculos.
"Não há nenhuma fumagem aqui, senhor", ela lhe falou.
"Claro que não." O Lawrence piscou como ele continuou fumando, enquanto
suplicando um cinzeiro prateado na mesa.
A garçonete pareceu confusa e caminhou fora, só outra vítima do glom.
Lawrence virou a Schuyler. "Você fez o exercício como eu o ensinei? Concentre em
localizar meu espírito?"
"Sim, claro que", Schuyler disse um pouco impacientemente.
Oliver assobiou dentro. São codificadas mensagens telepáticas", direito? Podido
alguém have.I dunno.subverted eles? Ou os apagou de alguma maneira?"
"Isso não é como trabalha", Schuyler disse. "Eles não estão como e-mails
enviados a uma rede. Usando o glom é uma linha direta à consciência de alguém. Não
pode ser. desarrumado com. Direito, avô?"
"Eu não estou seguro. Você pode ter um ponto, homem jovem", que o Lawrence
disse pensativamente como ele tomou um gole da bebida dele. "Usando telepatia
depende da habilidade de um vampiro para bater no 'otherworld,' o que os humanos
chamam o paranormal. A fonte de nosso poder vem do grande divida, o lugar onde os
limites habituais entre os mundos materiais e espirituais caem fora."
"E isso é Corcovado; o cruzamento está aqui", Schuyler disse.
"Sim", o avô dela disse, a carranca dele reveste aprofundamento.
"E Kingsley? Você o viu?" Schuyler perguntou.
"Nós entramos em contato."
"Assim ele ou não desapareceu."
O avô dela olhado confundido. "Nenhum ele não tem. Nós entramos em contato
o tempo inteiro."
Schuyler tremeu a cabeça dela. "Há pouco é. nós ouvimos." ela disse
debilmente. "Que você e Kingsley.não importa."
O Lawrence continuou parecendo místico como ele bateu a bebida dele atrás.

O Oliver se desculpou da mesa atender o telefone de cela dele e Schuyler


aproveitou a oportunidade para perguntar ao avô dela algo que tinha a estado
aborrecendo durante semanas. Mas a resposta não era o para o qual ela estava
esperando.
Lawrence olhou diretamente para a neta dele, debaixo de sobrancelhas curvadas.
"Não há nenhum modo. Suponha o Jack fraturas o laço dele, não há nenhum recurso
para ele. Está contra nossas leis. O código dos vampiros. Se o gêmeo dele invocar a
convenção, haverá uma tentativa. Se ele é achado culpado, ele será condenado.
Queimado. Se ele escolhe fugir em lugar de julgamento de face, o próprio gêmeo dele o
tem que trazer a justiça."
A respiração de Schuyler pegou na garganta dela. "Mas Allegra.ela está viva."
"Allegra é praticamente morto às próprias mãos dela. O Charles discutiu que a
oração não pudesse ser levada a cabo enquanto ela estava inconsciente. Mas uma vez
ela acorda, ela é assunto às leis, como também ele."
"Então por que ele continua esperando que ela acordará um dia?" Schuyler
perguntou, enquanto pensando em Charles que ajoelha pelo lado da cama da mãe dela.
"Charles recusa reconhecer o rompimento. Mas ele terá. Se ela acordar, o Coven
insistirá em uma tentativa."
"Mas você é Régis. Você poderia a" salvar, Schuyler insistiu. Você poderia
salvar o Jack.
"Ninguém está sobre o Código, Schuyler. Nem mesmo sua mãe", disse o
Lawrence e Schuyler poderia jurar ela ouviu angústia na voz dele.
"Assim o Jack perderá a vida dele de uma maneira ou de outra."
O Lawrence clareou a garganta dele e bateu os ruínas do tubo dele sobre o
cinzeiro cristalino. "Se ele quebra o laço, até mesmo se ele conseguir escapar tentativa,
o espírito dele diminuirá. Não há nenhuma morte para nosso tipo, mas ele estará
completamente atento da paralisia dele. Felizmente ele nunca foi tentado para quebrar
os votos dele. Abbadon é um namoradeira e um velhaco, mas ele é leal ao caroço dele.
Ele não cortará gravatas tão facilmente a Azrael. Mas Schuyler, me fale, por que tudo
isso interesse?"
"Nós estávamos aprendendo sobre isto nas reuniões de comitê é tudo, Avô."

De forma que era por que o Jack nunca quis falar sobre isto. Porque havia
nenhum modo para escapar o laço. Ele tinha mentido para ela. Uma mentira nascido de
amor. Não havia nenhuma esperança para os dois deles. Ele estava se pondo a risco
resistindo a isto.
Mimi tinha razão. Mimi estava contando a verdade.
Sem o laço o Jack seria nunca o vampiro que ele foi querido dizer ser. Ele seria
meio dele, debilitaria e destruiria. Aconteceria lentamente durante os séculos, mas
aconteceria. O espírito dele morreria. E se isso não o adquiriu, as leis vão. Mimi o
caçaria abaixo. O Conclave o condenaria ao Queimar. Amando Schuyler ele estava
arriscando a mesma alma dele. O mais longo eles continuaram se encontrando, o mais
perigo ele estava se pondo dentro.
Teve que terminar.
Ela pensou melancolicamente na última reunião deles/delas. Aquela noite divina
cheio de arte e poesia, como bonito e valente ele tinha olhado quando ele falar sobre
quebrar o laço. O que ele arriscaria para estar com ela. A pintura de Schiele veio notar
novamente. Havia uma razão por que ela amou isto tanto. Dois amantes, abraçando,
como se fosse os últimos deles/delas. Da mesma maneira que em Anne Sexton é "A
Fratura", a história de Schuyler era um de um coração quebrado.
Não haveria nenhuma mais noite pelo fogo. Nenhum mais livro deslizou
debaixo da porta dela. Nenhum mais segredo.
Adeus, Jack.
Tão duro quanto seria, como muito como a destruiria mesmo testamento viver
até mesmo, Schuyler soube o que ela teve que fazer.
Ela teve que contar outra mentira.
Uma mentira que o libertaria.

ARQUIVO DE GRAVAÇÕES AUDITIVO:


Repositório de história
DOCUMENTO CLASSIFICADO:
Liberação de Altithronus só
Cordelia Van Alen arquivo pessoal

Cópia, de conversação datou 12/25/98.


Cordelia Van Alen: Venha aqui, criança. Você me conhece?
Jordan Llewellyn: Seraphiel.
CVA: Bom.
CVA: Você sabe por que eu o trouxe?
JL: (a voz de criança muda) eu sou Pistis Sophia. O guarda. Um espírito nascido
com seus olhos largo aberto, nascido em consciência completa. Por que o ter woken eu?
CVA: Porque eu tenho medo.
JL: O que é você amedrontado de?
CVA: Eu tenho medo que nós abandonamos. Que a batalha em Roma era uma
farsa. Que nosso maior silêncio inimigo caminha esta terra, mas eu não sei como. Você
é Jordan Llewellyn. Durante este ciclo você é a filha de Forsyth Llewellyn. Se minhas
suspeitas estiverem corretas, então você será nossa primeira linha de defesa.
JL: O que tenho que fazer eu?
CVA: Você assistirá e escutará e observará.
JL: E então?
CVA: Se o que eu temo for verdade, você tem que completar o que nós não
fizemos em Roma. Mas eu não o posso ajudar. Eu sou encadernado pelo Código. Esta é
a última vez que nós falaremos.
JL: Eu entendo, Madrinha.
CVA: Seja bem, criança. Ocupe minha bênção no dia seu maio de viagem isto o
mantenha seguro. Facio Valiturus Fortis. Seja forte e valente. Cultive nós nos
encontramos novamente.
JL: O veja na próxima vida.

Trinta e seis

Dor.
Dor queimando.
Como se alguém estivesse segurando um pôquer quente ao coração dela. Estava
escaldando, queimando. Ela poderia sentir a volta de pele dela vermelho, então lustre,
poderia cheirar a fumaça que sobe dela fritando carne. Isto não era nada como o ataque
no Repositório. Ela não sobreviveria isto.
Felicidades choraram pela miasma de sono, se forçou a acordar. Acorde!
Acorde! Estava como ser sufocado e rasgado separadamente ao mesmo tempo. Mas ela
salvou que poder teve ela, e juntou tudo do esforço dela, toda a força dela, e
prosperamente repeliu a dor.
Havia um estrondo e um grito.
Ela piscou desperte e sentou para cima no sofá. Ela tinha tirado uma soneca no
apartamento deles/delas depois de voltar da praia. Ela ainda estava tentando para fazer
sentido do que tinha acontecido quando a porta voar aberto e os pais dela se apareceram
na entrada.
Na escuridão ela viu Jordan que mente no chão em um montão amassado,
enquanto segurando algo luminoso e brilhante na mão dela.
Os pais dela avaliaram a situação, quase professionalmente, depressa como se
eles tivessem estado esperando algo assim acontecer.
"Rapidamente, BobiAnne, ela ainda está atordoada. Fixe o feitiço", Forsyth disse
como ele começou a embrulhar a filha mais jovem dele com o acolchoado do hotel e
mantas.
"O que vai em? O que é você sujeitos fazendo?" Felicidades perguntaram de
modo embriagado. Coisas estavam acontecendo muito muito rápido para a compreensão
dela.
"Olhe", Forsyth disse, enquanto removendo uma lâmina pequena da mão de
Jordan e lançando isto à esposa dele. "Ela escolheu a abóbada."
Felicidades tentaram fazer sentido de tudo, mas pensamento lógico a iludiu no
estado atordoado e desorientado dela.Ela ia insana ou fez o Jordan só prova a matar?
Ela vacilou como a madrasta dela pôs uma mão na sobrancelha dela. "Ela está
morna", ela falou o marido dela. Então ela ergueu a camisa de Felicidades e examinou o
tórax dela. "Mas eu penso que ela é certa."
Forsyth acenou com a cabeça, enquanto ajoelhando para rasgar as folhas de
Felicidades em tiras de forma que ele pudesse amarrar o acolchoado que segura o
Jordan fechado.
Pensando a dor tinha vindo da pedra de esmeralda, Felicidades olharam para
baixo ao tórax dela. Sentia como se a pedra tivesse se queimado na pele dela, enquanto
a marcando com ferro. Mas quando ela tocar isto, era como esfrie como já. A pele dela
debaixo de era liso e incólume. Então ela entendeu. A esmeralda tinha a salvado de
qualquer arma há pouco tinha tentado perfurar o coração dela.
"Ela está bem", BobiAnne anunciou depois de conferir os alunos de Felicidades
e pulso. "Menina boa. Você nos deu um real susto", ela disse, enquanto batendo os
bolsos dela para as Luzes de Marlboro dela.
BobiAnne acendeu um cigarro e chupou profundamente nisto até que formou
uma coluna longa de cinza. Felicidades notaram que a face da madrasta dela era
perfeitamente feito para cima para uma festa, e ambos seus pais eram vestido em roupas
de jantar formais.
"O que vai em? Por que o Jordan me atacou?" Felicidades perguntaram,
enquanto achando a voz dela finalmente e virando estar em frente do pai dela.
Levou alguns minutos para ele responder. A reputação de Forsyth Llwellyn no
Senado era a partir de um facilitador moderado, alguém que estava disposto para
negociar com o outro lado, trazer consensos a festas em guerra. O charme texano liso
dele entrou dentro à mão durante batalhas partidárias na legislatura.
Felicidades poderiam ver ele estava virando este charme agora nela. "Doçura,
você tem que perceber aquele Jordan é diferente de nós", Forsyth disse, enquanto
afiançando o pacote que segurou a filha mais jovem dele. "Ela não é nenhum de nós."
"Um de nós? O que quer dizer você?"
"Você entenderá a tempo", ele a assegurou.
"Nós fomos forçados a levar a. Nós tivemos nenhum escolhido!" BobiAnne
estourou fora, uma amargura que rasteja na voz dela. "Cordelia Van Alen nos fez.
Aquela bruxa velha intrometida."
"Jordan não é desta família", o pai de Felicidades somou.
"Sobre o que está falando você?" ela chorou. Estava conseguindo para ser muito.
Todos estes segredos e mentiras, ela estava doente disto. Ela estava doente de ser detido
a escuridão sobre tudo. "Eu sei de Allegra!" ela declarou de repente, com um olhar de
desafio.
BobiAnne deu para o marido dela um olhar que disse, "eu lhe falei assim."
"Saiba isso que sobre Allegra?" Forsyth indagou, um olhar de inocência na face
dele.
"Eu achei isto." Felicidades alcançaram no bolso dela e lhes mostraram a
fotografia com a inscrição perto da qual ela manteve a toda hora. "Você mentiu para
mim. Você me falou o nome de minha mãe era o Charlotte Potter. Mas nunca Charlotte
Potter havia, havia?"
Forsyth hesitou. "No.but não é o que você pensa."
"Então me fale."
"É complicado", ele suspirou. Os olhos dele vagaram por cima à visão
panorâmica da praia, enquanto não querendo conhecer o olhar dela. "Um dia quando
você estiver pronto, eu lhe falarei. Mas não contudo."
Estava enlouquecendo. O pai dela estava fazendo isto novamente: evitando as
perguntas dela, stonewalling ela. A protegendo da verdade.
"O que sobre Jordan?" ela perguntou.
"Não preocupe. Ela não o ferirá novamente", Forsyth disse ternamente. "Nós
vamos a enviar seguro em algum lugar."
"Você está a enviando a Transições?"
"Algo assim", o pai dela disse.
"Mas por que?"
"Felicidades, mel, ela será melhor fora", BobiAnne disse.
"Mas." Felicidades estavam completamente confusas. Os pais dela estavam
falando sobre Jordan como se ela fosse um ser de cachorro enviado para o país. Eles
falaram sobre ela como ela não importasse.
Mas Felicidades tiveram que admitir a ela que as dinâmicas familiares estranhas
não eram completamente novas. Ela pensou sobre como BobiAnne nunca falou
amorosamente de Jordan, sempre tinha feito isto claro que ela preferiu Felicidades que
estavam nem mesmo a real criança dela. Como o pai dela sempre tinha mantido uma
distância equivalente ao comprimento de um braço da filha mais jovem estranha dele.
Quando Felicidades eram mais jovens que ela tinha apreciado a indiferença dos
pais dela à irmã mais jovem dela. Agora ela percebeu era patológico.
Os pais dela odiaram o Jordan.
Eles sempre tiveram.

Trinta e sete

"Isso era o hotel", o Oliver explicou, enquanto voltando à mesa. "Alguém é


saído e um quarto abriu. Eles me perguntaram se eu quisesse levar isto. Assim você tem
um quarto", ele contou Schuyler, a face dele neutro.
"Obrigado", ela disse, enquanto tentando fazer o dela expresse soe tão normal
quanto possível, até mesmo se havia um buraco onde o coração dela deveria ser. Mas
ela forçou todos os pensamentos de Jack fora da cabeça dela; depois.ela lamentaria
depois.
"Assim por que o Conclave está aqui, Lawrence?" Oliver perguntou. "Está por
causa de Leviatã?"
"O Conclave aqui é?" Lawrence perguntou nitidamente.
"Oh! Eu esqueci de mencionar it.yeah. Eles estão aqui. Todos eles", Schuyler
disse. "Eu penso que eles chegaram ontem à noite."
O Lawrence ponderou em cima deste último pedaço de informação enquanto
escoando a bebida dele. Como se ela tivesse habilidade de vampiro dela próprio, a
garçonete reapareceu com outro coquetel ao cotovelo dele. "Mais coladas de virgem?"
ela perguntou, motioning para os óculos meio-vazios enchidos de derreter goo amarelo.
"Faça mine um uísque", o Oliver tossiu.
"Faça que dois", Schuyler somou depressa, enquanto pensando que ela arriscaria
a censura do avô dela depois. "Quem é o Leviatã?" ela perguntou, enquanto virando a
Oliver. Ao redor deles a barra estava começando a encher para cima de turistas
queimado pelo sol que entram durante hora feliz e uma faixa de samba começou a jogar
um jogo despertador.
"Se você tivesse feito sua leitura, Neta, que você saberia a resposta àquela
pergunta", o Lawrence respondeu.
"Leviatã é um demônio." Oliver explicou.
"Um dos Sangues Prateados mais poderosos de todo o tempo", o Lawrence
disse. "O irmão do próprio Príncipe Escuro. O segundo em comando dele."
Schuyler estremeceu. "Mas ele é o que conseguiu ver com qualquer coisa?" Ela
desejou que a música não seja tão alto. O som luminoso, feliz estava em contraste
totalmente ao assunto escuro da conversação deles/delas.
"Corcovado é a "prisão de Leviatã, o Lawrence respondeu. "É o único lugar em
terra que poderia o segurar. Ele era muito forte ser matado e estava muito arraigado na
terra a ser mandada de volta a inferno. Quando ele foi capturado que ele foi prendido
em pedra debaixo da Estátua do Redentor. Sua própria mãe o tirou."
De forma que é o que o Lawrence estava mantendo dela a noite que ele partiu. A
protegendo da verdade e não lhe falando tudo sobre Corcovado. Leviatã. Aquele ódio
visceral ela tinha sentido o dia do desfile de modas. Se ela tivesse prestado mais atenção
aos livros dela que ela poderia ter entendido isto mais cedo. Mas ela tinha estado muito
distraída.
"Sim. Isso era ele que noite do terremoto", o Lawrence confirmou. "Ele é a razão
Corcovado é cuidadoso pela elite de Venator. Nós sempre mantivemos uma presença
forte aqui."
"Agora eu adquiro isto", Schuyler disse. "Por que você desceu aqui, eu quero
dizer."
Lawrence acenou com a cabeça. "Quando o Kingsley trouxer notícias dos
desaparecimentos estranhos primeiro em Rio, eu fui enervado um pouco. Depois do
terremoto, percebi eu eu teria que levar assuntos em minhas próprias mãos e fazer certo
Corcovado permanecido fortalecido. Eu jurei eu não deixaria a cidade até que eu estava
seguro que o threat.if havia completamente one.was desarmou.
"Então alguns semanas atrás, o Venators confirmou aquele Yana, o vampiro
jovem que está perdendo, simplesmente tinha escapado para uma férias de praia com o
namorado dela, da mesma maneira que a mãe dela tinha pensado. Enquanto isso o time
de Kingsley trouxe Alfonso Almeida, o patriarca perdido do Sul clã americano, depois
de uma procura extensa no Andes. Para ler um mapa, ele estava bem aparte de ulceração
e uma inabilidade.
"Para mim lhe falou em minhas mensagens, tudo estava seguro. Não havia
nenhum rompimento."
"Leviatã?" Oliver perguntou.
"Armado ciladas para eternidade até onde eu pudesse ver", o Lawrence disse
dismissively.
"Mas o enviando.o terremoto", Schuyler discutiu, enquanto tentando discutir o
som ensurdecedor da multidão e os tambores de samba inexoráveis.
"Meros sintomas na luta dele para quebrar livre das cadeias dele. Nada que o
Leviatã tentou adiante. Mas é inútil. Corcovado sempre segurará." Ele bateu a mesa
com o copo dele, como se dar ênfase a o ponto dele.
"Assim por que o Conclave pensa que Corcovado um perigo é então?" ela
perguntou.
"É que por que eles aqui são?"
Schuyler acenou com a cabeça.
"Eu não sei. Mas Nan tem que ter as razões dela; o Regente nunca agiria sem só
causa." Lawrence terminou a bebida dele. "Então novamente, talvez Kingsley tem
razão", ele disse suavemente a ele.
"Kingsley!" Schuyler explodiu. "Como você pode confiar nele? Você se disse,
nunca confiar em superfícies brilhantes. O Kingsley é tão liso quanto eles vêm."
"De fato Kingsley provou a lealdade dele ao Coven sobre e além da chamada de
dever. Não fale tão desrespeitosamente dele, Neta", o Lawrence disse severamente.
"Aquela sensação que ele puxou no Repositório? Isso era como ele provou a
lealdade dele?"
"Kingsley estava fazendo o que foi perguntado dele. Ele estava seguindo as
ordens do Régis dele."
"Você quer dizer o Charles toldhim chamar o Sangue Prateado?" Metade de
Schuyler riu em indignação. Michael era um Arcanjo. Ele nunca seria capaz de tal
deslealdade.
"Há uma razão para tudo. Talvez até mesmo para esta afluência súbita de
Anciões nesta cidade", Lawrence imaginou.
"Você sabe, o Almeidas estão dando um jantar hoje à noite", o Oliver
interrompeu. "Para o Conclave inteiro." Ele conferiu o relógio dele. "Eu penso que já é
começado."
Lawrence sinalizou para a conta. "Muito bom. Talvez nós acharemos nossas
respostas lá. Ao muito menos, o Almeidas dão uma festa maravilhosa."

Trinta e oito

Havia um piparote afiado na porta e Felicidades notaram como ambos seus pais
saltaram ao som. Forsyth deu um passo rápido e olhou pelo buraco da fechadura. "É
certo", ele declarou, enquanto destrancando a porta. Uma popa, a mulher elegante com
uma raia branca no cabelo preto dela escarranchou no quarto, seguido por dois criados.
Felicidades sempre tinham sido um pouco amedrontadas de Cuteleiro de Diretor.
O Ancião teve sido o que tinha sondado a mente dela para Sangue Prateado corrupção.
Ela ainda se lembrou do sentimento inquietando de ser julgada.
"Onde o Guarda está?" Cuteleiro de Nan perguntou.
BobiAnne indicou o pacote ao fim distante do quarto.
"Você a pôs em estase?"
Forsyth acenou com a cabeça. "Sim. Vai ser muito tempo até que ela acorda."
"Nós a achamos com isto", BobiAnne disse, enquanto dando a arma de Jordan
ao Diretor.
"Nós precisamos achar um modo para destruir isto; é muito perigoso para nós
usarmos", Forsyth disse. "Eu pensei que feitiço era bastante para segurar isto na
abóbada, mas obviamente ela pôde desarmar isto. Ela é muito inteligente através de
metade."
"Se há um modo para destruir isto", Nan disse. "Não é suscetível ao Fogo
Preto."
"Você poderá administrar?" Forsyth perguntou.
"Você não será seguido?" BobiAnne quis saber.
Felicidades assistidas como o Diretor severo-enfrentado tremeram a cabeça dela.
"Não, nós não seremos seguidos. Nós teremos certeza disso. Está pasmando ela esperou
este longo, realmente, fazer o dela mova. Mas não preocupa, eu farei certo que ela é
nenhum mais longo uma ameaça para nós." Ela olhou com desdém na direção do
acolchoado. "Cordelia Van Alen era fraco notado para pensar enviando o Guarda em
sua família como sempre resolveria qualquer coisa."
"Ela suspeitou, então?" BobiAnne perguntou.
"Claro que ela suspeitou", Forsyth estalou. "Você não lhe dá bastante crédito,
Nan. Aquele pássaro era afiado. Ela soube que algo era para cima."
"Uma piedade que o pequeno assassino dela era tão ineficaz quanto ela era,
então." Nan sinalizou e os criados dela apanharam o pacote e deixaram o quarto.
Felicidades não tiveram nenhuma idéia o sobre o qual eles estavam falando, mas
estavam desesperado para descobrir. O que fez Cordelia Van Alen o suspeito?
"Nós temos que se apressar", BobiAnne disse ao marido dela. "O jantar começa
por uma hora."
Forsyth acenou com a cabeça.
"O que vai em? Onde você vai?" Felicidades perguntaram, lágrimas lutadoras de
frustração. "Onde eles estão levando o Jordan?" Ela se perguntou o que tinha reluzido a
pequena irmã dela para fazer algo tão louco. Mas os pais dela recusaram explicar ou lhe
falar qualquer coisa mais que os comentários secretos eles tinham feito.
Eles deixaram para o jantar grande ao Almeidas, como se nada tivesse
acontecido. BobiAnne igualam Felicidades contadas ela poderia ordenar qualquer coisa
que ela quis fora o cardápio de quarto-serviço.
Ela teve que aceitar isto.
Jordan teve sido ido.
A irmã mais jovem dela que a seguia ao redor enquanto tentando a emular todo
movimento. Em cinco Jordan tinha querido cabelo ondulado grande como a irmã dela e
forçou as empregadas a usar um ferro frisado no dela obstinadamente fechaduras
diretas, de forma que o cabelo dela se assemelharia à irmã dela. Jordan que tinha
chamado o "Biss" dela quando ela era um bebê porque ela não pudesse pronunciar o
nome dela corretamente. Jordan que ofereceu o chocolate dela e conforta há pouco o
outro dia. Felicidades acharam que havia lágrimas nos olhos dela.
Felicidades entenderam que ela nunca veria novamente o Jordan.
Por que estas lágrimas? Uma baixa, voz simpatizante perguntou.
Eu estou triste.
Jordan tentou ferir Felicidades.
Eu sei. Mas ela era minha irmã. Meu amigo.
Que tipo de amigo traz dor?
Felicidades se lembraram de repente como ela tinha sentido como se ela
estivesse sendo rasgada em dois. Ela tinha experimentado mais dor que ela alguma vez
tinha sentido na vida dela. Jordan tinha feito isso. Ela tinha apontado para o coração. Ela
tinha tentado matar Felicidades com aquele weapon.something luminoso e dourado,
como uma espada.
Mas era diferente da espada que o pai dela deteve o estudo dele. A espada que
Forsyth tinha usado durante o ataque ao Repository.when o Sangue Prateado tinha
matado Priscilla Dupont.was um ouro amarelo sombrio. A lâmina que o Jordan tinha
usado emanado uma luz branca luminosa.
Cuteleiro de Nan tinha dito não pôde ser destruído e Felicidades se lembraram
das palavras de Mimi de repente: a Lâmina de Justice estava perdendo. O pai dela teve a
espada de Michael? A única coisa no mundo que poderia matar o Lucifer? A espada do
Arcanjo? E nesse caso, por que o Jordan tinha usado isto contra ela? Felicidades
sentiam uma dor de cabeça de pancadaria que vem.
Eu não tive uma escolha, a irmã dela tinha dito aquela tarde.
Por que não?
Felicidades deixaram de sentir tão arrependido para Jordan gradualmente. Ela
começou a sentir contente que eles tinham a levado embora. Onde quer que eles
tivessem a levado, o Jordan mereceu estar lá. Felicidades esperaram que fosse uma
escuridão, calabouço fundo onde o Jordan poderia pensar para eternidade nos crimes
dela.
Excelente, disse a voz na parte de trás da mente dela. Ela reconheceu isto agora.
Pareceu o cavalheiro no terno branco. O que chamou a "Filha dela."
Então uma vez mais ela poderia ver, mas ela não pôde ver. Ela ia lustrar fora.
Sim, estava acontecendo agora mesmo. Ela tentou se agarrar à visão dela, tentada
combater isto, mas a mesma voz dentro da cabeça dela dita, "Deixe vá."
E Felicidades deixaram vá.
Ela achou era doce alívio para render.

Trinta e nove

Mimi escolheu um pequeno Valentino coquetel vestido deslumbrante para usar à


festa de jantar. Era uma confecção tomara-que-caia branco e preto, com um justilho
apertado que acentuou a cintura minúscula dela. Uma faixa preta grossa e uns
dramáticos atam arco somou há pouco a sugestão certa de tranqüilidade como moça. Ela
tinha comprado isto diretamente do espetáculo de alta costura e trouxe isto para o
Brasil, porque ela soube que ela teria competição dura de todos esse Almeidas e da
Limas e Ribeiro. irritantemente os brasileiros bonitos com guarda-roupas de grande
sucesso. Ela ainda não entendeu o que todos eles estavam fazendo em Rio. Algo sobre
Lawrence, claro que. E Kingsley ela não estava segura. Cuteleiro de Nan que bruxa
enrugada, tinha sido um pouco vago sobre a coisa inteira. Mas isso era o modo do
Conclave: eles não questionaram os líderes deles/delas. O Cuteleiro de Nan era o
Regente e se ela quisesse os Anciões no Brasil, então os Anciões seria lá.
Um detalhe de segurança a apanhou do hotel e a levou para a vila decomposta.
Mimi pensou isto irônico aquele tempo que a mansão volumosa dos anfitriões dela
comandou uma visão principal da cidade, essas pequenas cabanas miseráveis ela viu no
modo, precariamente assentado nas extremidades de precipício, provavelmente teve
uma visão até melhor.
Ela tinha esperado uns maiores para-fazem e foram surpreendidos para achar
isso só os sócios de Conclave da mesma categoria dela foram esperados. Os brasileiros
normalmente deram festas volumosas, com os dançarinos de samba e festividades
durante toda a noite. Mas a noite era uma quieta e Mimi conversou educadamente a
alguns dos diretores e Alfonso Almeida está intimidando esposa, Dona Beatrice, antes
de achar o assento dela ao jantar.

O primeiro curso foi servido, uma sopa em forma de cogumelo morna e rica que
consistiu em um caldo claro verteu em cima de um montículo de cabeça em forma de
cogumelo. Mimi tomou um gole tentativo. Estava delicioso. "Assim Edmund, sobre
nosso comitê de anfitrião durante a primavera de gala", ela disse, enquanto virando ao
sócio de jantar no direito dela. Ela tinha esperado conhecer homens brasileiros mais
gostosos na festa, mas desde então nenhum seria tida, ela se conformou com tentar
resolver algum negócio de Comitê não resolvido.
"A namorada do prefeito já o recusou?" Edmund indagou, enquanto tocando de
leve os cantos da boca dele com o guardanapo dele.
Mimi fez careta. "Nós não perguntamos. Você não pode ser sério. Ela é tal um
desmazelado. Mais, ela não tem nenhum interesse em balé, você sabe."
Edmund Oelrich riu como ele tomou um gole do vinho dele, então de repente
começou a sufocar. Ela assumiu a refeição dele tinha abaixado o modo errado quando
sangue começar a jorrar da boca dele. Mimi gritou. O Diretor Principal tinha sido
apunhalado na parte de trás. Na esquerda dela, Sophia Dupont foi caído a sopa dela por
cima, um punhal prateado entalou no pequeno da parte de trás dela.
Então as luzes saíram e tudo era escuridão.
Esta é uma armadilha, Mimi pensou, enquanto sentindo uma calma de outro
mundo como ela mergulhou debaixo da mesa, mais rápido que a faca que foi significada
agora para o coração dela fixou à parte de trás da cadeira dela.
Sangues prateados!
Claro que. Mas o Almeidas.elas eram da linha real! Como eles poderiam ter
virado?
A briga estava calada e rápida. Havia um grito ou um grito quase não, só o som
horripilante dos Diretores da mesma categoria dela sangue murmurante. O Conclave
estava sendo matado.
Mimi tentou colecionar os pensamentos dela, se lembrar do que ela soube, se
lembrar como os combater. Deus bom, fazia séculos desde que ela tinha confrontado as
bestas. Felicidades tinham descrito vista uma criatura sombria com olhos prateados e
alunos carmesins que noite no Repositório. Mas Sangues Prateados poderiam assumir
qualquer forma que eles escolheram, camuflar a verdadeira forma deles/delas.
Bade de Mimi ela para pensar, se lembrar. As recordações dela respondidas
inundando a mente dela com imagens que quase fizeram o dela grite. Atravessando uma
floresta escura, a árvore se ramifica, enquanto raspando a pele dela, ouvindo o som das
sandálias de couro dela esbofeteando contra o caminho de sujeira, sentindo a pressa de
adrenalina alta de correr para a vida dela.mas o que era isto, shewas o um em
perseguição. A besta estava correndo longe dela. Ela viu a marca de Lucifer em sua
pele, enquanto ardendo na escuridão.
Ela voltou ao presente. Embora o quarto fosse lance preto, com a visão de
vampiro dela, que ela viu que Dashiell Van Horn apunhalou pelo coração, testemunhou
Cushing Carondolet escoou de todo seu sangue, como um Sangue Prateado segurou o
Diretor ancião em seu aperto. O quarto arremedado alternadamente com sons de sucção
violentos como os vampiros de predador bebeu ou dispôs das vítimas deles/delas.
Quando eles eram acabado que os Sangues Prateados levariam a forma das vítimas
deles/delas. O vampiro que tinha sido Dorothea Rockefeller era nenhum mais.
Substituído por um cadáver ambulante com olhos mortos.
Muitos dos Anciões estavam lentos e fora de forma. Fora de prática. Eles tinham
esquecido como lutar.
Mimi tremeu como ela agarrou a espada dela, atualmente o tamanho de uma
agulha que ela tinha alojado na bolsa de noite de sequined dela. Era a única chance dela
para sair da casa vivo. Mas ela foi excedida em número. Ela não poderia cortar o modo
dela a liberdade. Não agora. Havia muitos deles para ela levar só. Deus, os números
deles/delas! Quem soube que eles tiveram tantos? De onde eles tinham vindo? Ela teria
que esconder. Era a única esperança dela por sobrevivência.
Ela avançou lentamente o modo dela fora do quarto jantando para o corredor,
escolhendo o modo dela por para uma saída. Tão longe ela tinha escapado notificação.
Até que ela não fez.
"Azrael." A voz estava fria e mortalmente.
Mimi virou ver Cuteleiro de Nan que se levanta atrás dela, enquanto segurando
uma espada ao queixo dela. O Diretor tinha perdido o velho-velha dela disguise.she
pareceu tão jovem quanto Mimi e infinitamente forte. O cabelo branco dela era um
agora um ouro polido e a faixa preta um rio lustroso de preto.
"Você!" Mimi acusou. Mas os Cuteleiros eram um do original sete. Um das
famílias mais velhas e respeitadas. Cuteleiro de Nan era Harbonah. O Ángel de
aniquilação. Eles tinham lutado junto lado a lado durante o primeiro Inquisição, quando
o Michael tinha comandado um exército divino e tinha dizimado os inimigos de
vampiro de renegado deles/delas. "Mas por que?" ela perguntou, enquanto virando
depressa e desembainhando a lâmina dela, batendo a espada de Nan fora.
Em resposta, cortou Nan adiante, enquanto fatiando o ar onde Mimi tinha
estado.
Os olhos dela flamejaram. "Você não tem que perecer", ela disse, enquanto se
lançando adiante.
Mimi grunhiu, enquanto aparando com um contra-ataque rápido.
"Você poderia nos unir. Una seus irmãos e irmãs que ainda estão combatendo a
briga boa."
A bruxa estúpida na verdade pensa que eu uniria o lado deles/delas? Depois de
tudo Abbadon e eu fomos por afiançar esta paz frágil nós achamos em Terra? Mimi
pensou.
"Você é um de nós. Você não pertence à Luz. Não é sua verdadeira natureza,
Morte-portador."
Mimi recusou responder e ao invés focalizou em localizar a vulnerabilidade de
Nan. Eles batalharam pelo quarto que estava começando a encher de fumaça escura.
Eles estão queimando completamente a casa, Mimi pensou, enquanto
apavorando. Queimando isto com fogo preto, o único tipo que poderia destruir o azul de
sangre.o sangue azul imortal que correu nas veias deles/delas. Destrua o sangue, destrua
o vampiro.recordações sempre perderam. Verdadeira morte para o tipo deles/delas.
Nan cortou o braço de Mimi com a lâmina dela, a arma dela puxando primeiro
finalmente sangue.
Cadela!
Aquela lesão!
Mimi esqueceu de sentir amedrontado e pulado adiante sem pensamento à
segurança dela. Ela gritou um grito de batalha, um que veio só notar àquele momento.
Um aquele Michael ele tinha usado para reunir os exércitos dele para batalhar.
"NEXI INFIDELES!"ela rugiu. Morte para o incrédulo! Morte para os
traidores! Ela era Azrael. Dourado e espantoso. O cabelo dela e face e espada
chamejante com um brilhar, luz incandescente.
E com uma varredura poderosa ela cleaved o falso Diretor em dois.
Então ela cambaleou para trás. Fumaça preta estava enchendo os pulmões dela.
Ela teve que sair de lá. Ela sentia o modo dela à porta da frente e arrancou isto open.just
como um homem moreno estava entrando do outro lado. Em segundos ele segurou uma
faca à garganta dela.
O coração dela derrubou.
O homem que segura o cativo dela era Kingsley Martin.
O Sangue Prateado o traidor.
Esta era a destruição dela.

Quarenta

Lawrence tinha insistido ele passeio e como eles abriram o espaço deles/delas ao
longo da rodovia de curvy escura, Schuyler não pôde ajudar mas notar as luzes
minúsculas, bruxuleantes contra a ladeira e como bonito eles eram.
"Sim, mas eles provavelmente são das favelas que significam a infra-estrutura de
eletricidade não era corretamente fixo para cima. E é um perigo de incêndio potencial",
o Oliver mostrou.
Schuyler suspirou. A cidade era rica em justaposições: pobreza e riqueza, crime
e turismo em um precipitado, mistura de vertiginoso. Era impossível admirar a beleza
sem também notar a feiúra.
Eles arredondaram um canto particularmente afiado quando o Lawrence puxou o
carro de repente ao lado da estrada e caiu adiante no assento dele.
"Avô!" ela chorou, alarmado. Ela viu os olhos dele começarem a arremessar de
um lado para outro, como se ele fosse adormecido mas não adormecido. Ele estava
recebendo um enviando.
Quando terminou, a face dele estava pálida. Para um momento pensou Schuyler
que ele ia desfalecer.
"O que aconteceu? O que está errado?"
O avô dela tremeu o lenço dele e apertou isto à testa dele. "Isso era Edmund
Oelrich antes de ele passasse. O Conclave inteiro. Massacrado. Esses que não estavam
queimados foram levados."
"Eles todo o morto é?" Schuyler ofegou. "Mas como? Por que.?" Ela apertou o
braço dele. "O que quer dizer você, eles todo o morto é?"
No assento traseiro ela virou a Oliver para ajuda. Mas ele estava chocado em
silêncio, a face dele uma máscara de confusão desamparada.
"O Almeidas seja Sangues Prateados", o Lawrence disse, enquanto gaguejando
atipicamente. "Eles mostraram a mão deles/delas hoje à noite. Eu tinha suspeitado isto
que é por que eu fiquei em Rio para mais longo que eu pretendi, mas o Alfonso tinha
passado no teste. Ele não teve o Mark. Eu fui enganado." Lawrence estava tremendo.
"Mas eles tiveram ajuda. Edmund disse que o Cuteleiro de Nan era um deles."
Schuyler mordeu o lábio dela.
"Cuteleiro de Nan!" Lawrence soou feridos esmagadoramente. "Durante a crise
em Roma ela tinha sido integrante ao Sangue Prateado derrota. Eu fui encoberto antes
dos anos dela de lealdade para o Conclave. Esta é minha falta, eu era superconfiante e
confiante quando eu deveria ter sido cuidadoso e cauteloso." Abruptamente o Lawrence
virou o carro, enquanto fazendo o carro na direção oposta desviar para sair do modo
dele de modo selvagem. "Kingsley era right.I pôs muita fé em allegiances velho", ele
disse como ele pavimentou o pedal e o carro atirou adiante.
"Onde nós vamos?"
"Para Corcovado."
"Agora? Por que?"
Lawrence agarrou a roda firmemente. "O ataque no Conclave pode significar só
uma coisa: os Sangues Prateados estão planejando para livrar o Leviatã."

Eles estacionaram à base da entrada à Estátua do Redentor e correram fora do


carro. O lote de estacionamento estava vazio e aquieta e eles poderiam ver a estátua
iluminada para cima através de holofotes de abaixo. "O" disfarce, o Lawrence ordenou
Schuyler. "E você, fique aqui", ele falou o Oliver.
O Oliver começou a protestar, mas um olhar de Lawrence o silenciou.
"Eu não posso, Schuyler confessou ao avô dela. "Eu não posso executar o
mutatio."
Lawrence já estava na forma do homem jovem com o nariz de hawkish e atitude
imperial que ela tinha visto primeiro ao Veneza Biennale. "Claro que você pode", ele
disse, enquanto escalando a cerca facilmente.
"Avô, eu não posso. Eu não posso me transformar em uma névoa ou um
animal", ela disse, enquanto seguindo a dianteira dele.
"Quem disse que você pôde?" ele perguntou como eles voaram para cima a série
de escadarias de zigzagged à estátua. Os passos deles/delas fizeram qualquer barulho
quase não no concreto como correram eles.
"O que quer dizer você?"
"Provável você está como eu. Eu ou não posso me transformar em uma nuvem
ou uma criatura. Mas eu posso trocar minhas características, como assim, e assume um
different.but human.disguise. Tente."
Schuyler tentou. Ela fechou os olhos dela e concentrado em mudar as
características dela em vez de trocar a forma inteira dela. Dentro de segundos achou ela
ela teve morphed efetivamente em um dos ricos, bombear-para cima patronas argentino
que estava de férias no país.
Eles alcançaram o topo da montanha e se levantaram debaixo da estátua.
Ninguém estava lá. Estava quieto e calmo.
Não pela primeira vez aquela noite desejou saber Schuyler se o avô dela
estivesse perdendo isto. Eles não estavam no lugar errado? Por que ele tinha os trazido
aqui? Para isso que? "Talvez nós estamos muito atrasados. Ou eles não estão próximos.
Nós realmente deveríamos ir ao Almeidas e ver se."
"SILENCIE!" Lawrence comandou.
Ela se calou.
Eles caminharam o perímetro da base da estátua. Nada. Eles estavam sós.
Schuyler começou a apavorar. Por que eles estavam aqui quando as pessoas deles/delas
estavam sendo matadas em outro lugar? Eles deveriam voltar; este era um engano
grande.
Ela caminhou ao redor do lado nordeste, o Lawrence convencido tinha
adivinhado incorretamente. Não havia nada para.
"Schuyler! ASSISTA FORA!" Oliver gritou. Ele tinha se aproximado a
montanha atrás deles, pouco disposto ser partido atrás.
Schuyler observou. Havia um homem em um terno branco que se levanta bem
em frente dela, com uma espada dourada apontada diretamente ao tórax dela.
Ela abaixou e bateu no chão duro, da mesma maneira que o Lawrence removeu a
própria lâmina dele de uma bainha escondida na jaqueta dele.
As duas espadas colidiram, um dourado e ígneo, o outro frio e prateia, os metais
que tocam contra um ao outro, ecoando um som debaixo do que levou para o vale.

Quarenta e um

"Traidor de sangue!" Mimi assobiou.


"Derrube sua arma, Azrael", que o Kingsley disse quietamente, enquanto ainda
segurando o próprio dele.
"Você não me achará tal presa fácil como os outros", ela briga.
"Sobre o que está falando você?" ele exigiu. "Eu vi o preto fumar da rua. Meu
Deus, o que aconteceu aqui?"
"Você monta isto. Não jogue o inocente. Todos nós sabemos o que você
realmente é, Croatan." Mimi desovam, enquanto o atirando um olhar de puro desgosto.
"Eu percebo é duro você acreditar, mas eu tenho só só conseguiu se libertar de
um feitiço de estase bastante sórdido eu", ele disse acidamente. "Eu fui apanhar o
Alfonso para nossa partida de golfe habitual e a próxima coisa que eu sei que eu sou
apanhado na parte de trás de meu próprio carro. Assim que eu me desembaraçasse que
eu desci aqui para advertir os outros."
Mimi cheirou. Uma história boa que o Kingsley estava lhe contando. Jogando a
vítima uma vez mais. Sim, direito, ele tinha estado detido. Quando teria sido tão fácil
ele deixar a casa da parte de trás e entrar na porta da frente.
Mas pelo que ganharia ele a mantendo vivo? Por que não fez ele só fim isto
fora? Destripe a garganta dela e seja feito com isto?
"Onde o Lawrence é?" O Kingsley tossiu como várias explosões tremeram o
chão em baixo deles. "Eu tentei lhe enviando uma mensagem, mas eu não o pude achar
no glom."
"Ele não está aqui", Mimi disse, enquanto notando que o Kingsley tinha
abaixado o punhal dele. Ela poderia o matar agora, enquanto ele era desprotegido. Mas
o que se ele estivesse contando a verdade? Ou o ato dele era só outra parte da
armadilha?
Antes de ela pudesse tomar uma decisão, havia um estrondo e Forsyth Llewellyn
se apareceu. Ele estava levando o corpo flácido da esposa dele. As roupas dele foram
chamuscadas e ele brincou uns fundos cortam na testa dele. Assim ele tinha sobrevivido
como bem. Mimi sentia um pouco melhor. Talvez havia mais sobreviventes. Mas onde
os Sangues Prateados tinham ido? Depois que ela tinha derrubado o Cuteleiro de Nan, o
resto deles parecia ter desaparecido na fumaça.
"Todo o mundo está outro morto", Mimi contou Forsyth. "Você e eu somos a
única esquerda de ones. Eu vi Edmund cair, Dashiell, Cushing.todo o mundo. O
regente."
"O morto de Nan?" Forsyth Llewellyn perguntou, espantado.
"Ela era um deles", Mimi lhe falou, os olhos dela molhando da fumaça. "Eu a
matei eu."
"Você."
"C'mon, nós temos que chegar fora daqui", o Kingsley disse, enquanto
arrancando os dois deles de repente da entrada que bateu ao chão em chamas.
Se o Kingsley quisesse o morto dela, ele seguro não estava agindo goste.
"Obrigado", ela disse, enquanto comprimindo o sword.again dela o tamanho de
um needle.back na bolsa dela que ela achou milagrosamente que ela ainda estava
segurando.
Kingsley não respondeu, o endurecimento de face dele como ele olhou sobre o
ombro dela. Enquanto isso, Forsyth Llewellyn pareceu totalmente perdido, enquanto
sentando no meio da rua com a cabeça dele nas mãos dele.
Mimi virou onde o Kingsley estava olhando. A vila do século dezoito principal
era agora um globo de fogo preto gigantesco. Era um forno crematório. Os Sangues
Prateados estavam de volta. E eles tinham golpeado profundamente no coração do
Coven.
O Segundo que Grande Guerra tinha começado.

Quarenta e dois

De longe, Schuyler ouviu o som de grunhidos e gritos, o tinindo de metal contra


metal.
Acorde.
Acorde, criança.
Havia uma voz dentro da cabeça dela. Um enviando.
Uma voz antes da que ela tinha ouvido.
Ela abriu os olhos dela. A mãe dela se levantou antes dela. Allegra Van Alen era
revestido em raiments branco e ela segurou uma espada dourada nas mãos dela. Para
mim?
O que era uma vez meu é legalmente seu.
Atordoado, Schuyler levou a espada. Quando ela fez, a imagem da mãe dela
desapareceu. Allegra.Volte.Schuyler pensou, repentinamente amedrontado. Mas um
grito desesperado de Oliver trouxe o dela atrás para o presente.
Ela observou e viu o Lawrence prendeu em uma luta feroz com o adversário
dele. A espada dele caiu ao chão. Sobre ele ameaçou o branco, presença esplendente.
Era tão luminoso estava encobrindo, como olhar no sol. Era o Lightbringer. O
Morningstar.
O sangue dela gelou.
Lucifer.
"Schuyler!" A voz de Oliver estava rouca. "Mate!"
Schuyler elevou a espada da mãe dela, viu isto refletindo no luar, um cabo
longo, pálido, mortal. Elevado isto na direção do inimigo. Corrido com todos seu poder
e empurrou a arma dela para seu coração.
E perdeu.
Mas ela tinha dado para o Lawrence tempo recuperar a arma dele e era a lâmina
dele que achou sua marca, enquanto fatiando em todos lugares no tórax do inimigo e
sangue derramando.
Eles tinham ganho.
Schuyler afundou ao chão em alívio.
Entretanto entrou uma grande racha no céu, o som dos céus que dividem aberto,
o rugindo, som ensurdecedor de trovão. Então a estátua estava quebrada em dois. Suas
mesmas fundações quebraram. Havia um estrondo fundo e o chão debaixo deles
começou a tremer e dividir em dois.
"O que está acontecendo?" Schuyler gritou.
Uma chama escura estourou da terra e um demônio poderoso com olhos
carmesins e alunos de prata saltados no céu. Escarneceu um riso estrondoso fundo, e
com sua lança brilhando, Lawrence fixado para o chão onde ele se deitou.

Quarenta e três

O demônio desapareceu. A névoa ergueu e Schuyler cambaleou por cima para


onde o avô dela tinha caído. Para onde ele se deitou assim imóvel, os olhos dele largo
aberto. "Avô." Schuyler chorou. "Oliver, faça algo!" ela disse como ela tentou estancar
o fluxo de sangue de safira escuro que derramou da ferida aberta, o abrindo brecha,
buraco corrugado no meio do tórax de Lawrence.
"Está muito tarde", o Oliver sussurrou, enquanto ajoelhando pelo lado de
Lawrence.
"O que quer dizer você? Não.adquiramos um frasco. durante o próximo ciclo.
Leve para a clínica."
"A lança de leviatã é envenenada. Corroerá o sangue", o Oliver disse. "Tem o
fogo preto nisto. Ele tem sido ido." A face bonita dele era tirada com tristeza.
"Não!" Schuyler gritou, lágrimas que fluem abaixo as bochechas dela.
Havia um gemido do lado distante da montanha e eles viraram achar a forma do
homem no terno branco comece a mudar. As características dele amoleceram,
enfraquecido e o homem dourado desapareceu para revelar um menino ordinário em
uma jaqueta de couro preta.
Um menino com cabelo preto.
"Isso não é nenhum Sangue Prateado", o Oliver disse.
"Ele deveria ter sido possesso", Schuyler disse, o rompimento de voz dela um
pequeno tempo que o Oliver caminhou em cima de para suavemente os olhos de Dylan
íntimo. Schuyler notou havia lágrimas nos olhos de Oliver como também o próprio dela.
"Sim." Ele acenou com a cabeça.
"A brancura. era o alienari", Schuyler disse, enquanto percebendo como
profundamente eles tinham sido enganados.
"Um Sangue Prateado velho truque." Oliver acenou com a cabeça. "Disfarçado
como o próprio Lucifer, de forma que Lawrence mataria o próprio tipo dele. Um
inocente."
Schuyler acenou com a cabeça. "Eu sentia isto, Oliver.Lawrence também tem
que ter. Havia algo erradamente. A luz estava encobrindo, você pôde diretamente nem
mesmo olhar a ele. Era uma distração, de forma que nós não poderia ver o que estava
em frente a nós. A imagem de Lucifer era tão poderosa, nos se livrou. Eu deveria ter
usado o animaverto."
"Este era um plano bem-executado. Leviatã foi livrado pela morte de Dylan. Os
laços de prisão só podem ser quebrados quando um Sangue Azul cometer o crime mais
alto de all.murder do próprio tipo deles/delas. Está nos livros", o Oliver disse.
"Avô", Schuyler disse suavemente, enquanto levando a mão de Lawrence em
seu. Eles tinham tido muito pequeno tempo junto; havia tanto ela ainda teve que
aprender. Tanto ele ainda teve que a ensinar.
Então durante a última vez, ela ouviu a voz de Lawrence dentro da cabeça dela.
Escute.
Eu não era merecedor desta tarefa. Eu não aprendi nada durante os séculos. Eu
não achei o Príncipe Escuro. Eu não sou nenhum guardião. Você tem que pedir ao
Charles.você lhe tem que perguntar pelo Gates.sobre o Van Alen legado e os Caminhos
do Morto. Tem que ser uma razão por que os Sangues Prateados puderam quebrar as
divisões tão facilmente entre os mundos.
"Que portões? Que caminhos?"
Você é a filha de Allegra. Sua irmã será nossa morte. Mas você é nossa
salvação. Você tem que levar a espada de sua mãe e o matar. Eu sei que você triunfará.
Então Lawrence falou nenhum mais.

Quarenta e quatro

Sangue escuro. Havia sangue em todos lugares. Na face dela. Nos olhos dela.
Nas mãos dela. Nas roupas dela. Então lentamente começou a desaparecer, a cor
metálica se ficada branco e invisível como o ar noturno frio bateu no líquido. Sangue de
vampiro.
Felicidades encararam os braços dela.
O que aconteceu?
Ela não pôde se lembrar. Ela tinha desmaiado.
Ou teve ela?
As recordações começaram a inundar atrás.
Ela se viu adquirir dentro do carro com os pais dela, os viu acenarem com a
cabeça a ela. Eles estavam esperando que ela os acompanhasse. Como estranho. Estava
como ser em um filme. Ela poderia ver fora dos olhos dela, mas ela não pôde mover os
braços dela ou pernas ou até mesmo falar. Outra pessoa estava fazendo que para ela.
Outra pessoa estava dentro do corpo dela.
O homem no terno branco.
Sim.
Eu sou você. Você é eu. Nós somos um, minha filha.
Eles chegaram a uma mansão de cimo e Felicidades se lembraram de ocultação
nas sombras até que o tempo veio. Ela tinha assistido a matança desdobre com um senso
opressivo de horror. A massacre que ela tinha infligido com as próprias mãos dela. Ela
tinha sido prendida no próprio corpo dela, uma figura desamparada, apanhado dentro o
de cabeça dela enquanto os outros assumiram. Dentro dela tinha se enfurecido e tinha
lamentado e tinha gritado. Mas ela era impotente, com absolutamente nenhuma
habilidade para se parar.
Lentamente, ela começou a se lembrar do que aconteceu durante os blecautes
dela. Começado a perceber a verdade.
Ela foi o que tinha atacado Dylan que primeira noite em O Banco. Ela tinha
querido o escoar, mas something.a atração vestigial para him.had a parou, assim ela
tinha levado Aggie ao invés. Ela tinha tentado levar Schuyler duas vezes. Isso era por
que o sabujo de Schuyler tinha latido para her.Beauty que soube a verdadeira natureza
dela até mesmo se Schuyler não fizesse. Então ela tinha atacado Cordelia, tinha quase a
levado, se Dylan não a tivesse parado.
Dylan tinha sido um problema. Ele soube mas não soube. Isso era por que a
memória dele era tão aparafusada para cima todo o tempo. Ele soube a verdade embora
ela tivesse tentado esfregar isto da consciência dele.
Que primeiro tempo que ele tinha devolvido para a advertir sobre os Sangues
Prateados tinha resultado naquela cena sangrenta no banheiro. Ela se lembrou da jaqueta
de couro sangue-encharcada dele, os arranhões na face dela e a contusão no pescoço
dela. Mas ele tinha escapado e ela tinha tido que enviar outros o encalçar. Mas o
Venators adquiriu primeiro a ele. Oliver estava errado. Eles não eram Sangues
Prateados. Eles tinham deixado Dylan ir quando eles descobriram que ele era inocente.
Ele era grátis para voltar a ela.
O menino estúpido, estúpido.
"Eu sei que é" o Sangue Prateado, Dylan tinha dito que noturno ele bateu pela
janela. "É você."
E direito então e lá, ela tinha mudado a memória dele. O fez pensar que era
Schuyler.
Uma voz pequena, triste dentro dela começou a chorar.
Eu o amei. Eu amei Dylan.
Nós amamos ninguém.
Ninguém mas nós mesmos.
Forsyth tinha sabido desde o princípio. Isso é por que ela nunca pudesse se
trazer lhe perguntar por Dylan, porque em algum lugar nela subconsciente ela soube a
razão por que o pai dela estava mantendo coisas dela. Porque parte dela não pudesse
aceitar que que ela realmente era.
Ela assistiu como ela deixou a casa ardente, enquanto levando um carro que teve
um corpo enchido no tronco. Dylan. Ela tinha o levado ao mountaintop onde o
Lawrence e Schuyler estavam esperando. O levada a Corcovado onde ele seria um
sacrifício. Lá, ela tinha o amoldado na imagem dele.
Ela tinha o trazido à morte dele.
Era a lâmina de Lawrence que golpeou, mas era ela que tinha o matado.
Como ela tinha matado tantos outros. Ela ouviu as vozes de todo o mundo que
ela tinha levado. Eles estavam todo lá, dentro do de cabeça, agudo, chorão dela.
SILENCIE!Cuteleiro de Nan fazia parte disto, ela percebeu. Nan era o Diretor que tinha
inspecionado para o Mark de Lucifer o pescoço dela. Ela teve sido o que tinha clareado
Felicidades de suspeita durante a investigação. Felicidades tiveram uma idéia de repente
e ergueram o cabelo dela do pescoço dela e emocionado os dedos dela para a pele dela.
Ela sentia isto imediatamente. Ela virou ao espelho e viu isto. Uma cicatriz estrela-
amoldada pequena que a marcou com ferro como o diabo é própria.
Mas por que? a voz pequena, triste perguntou.
É que o que se chama "Felicidades." Ela está lá imóvel?
Sim, disse a mesma voz minúscula. Era a voz de Felicidades Llewellyn. A
mesma voz de Maggie Stanford antes dela. Sempre era o mesmo modo. Todos os ciclos.
Eles nunca quiseram aceitar a verdade da herança deles/delas.
Eu não soube.
Eu não quero isto.
Seus desejos são imateriais. Agora o apanhe e caminhe para seus amigos. Não
tudo foi planejar. Alguns de nós fomos matados. Nós temos que esperar nosso tempo
novamente.
Eu sei que é agora você, "Felicidades" disseram.
Você é o Lucifer.
Lightbringer.
Morningstar.
O Príncipe anterior de Céu.
O verdadeiro e imortal pai dela.

Quarenta e cinco

Lawrence estava morto. Schuyler sentia como se o coração dela quebrasse da


perda do avô amado dela. Como isto foi permitido acontecer? Sobre o que tinha estado
falando ele? A irmã dela? Quem? O que?
Os primeiros raios de amanhecer iluminaram o mountaintop. Uma figura
caminhou os passos.
"Alguém está vindo", o Oliver advertiu.
"É só Felicidades", Schuyler disse como o amigo deles/delas os localizou.
"Agradeça Deus você é certo."
"Minha irmã está morta. Minha madrasta também. Eu não sei onde meu pai é",
Felicidades disseram em um apartamento, voz estrangulada. "Havia fumaça preta. O
conclave.eles foram.O que é acontecido aqui?" ela perguntou, enquanto vendo os corpos
propensos de Lawrence e Dylan no chão.
"Isso é? Oh meu Deus!"
Schuyler agarrou Felicidades pela cintura e a deixou chorar no ombro dela. "Eu
sou assim, tão arrependido."
Felicidades se removeram do abraço de Schuyler e ajoelharam pelo corpo do
menino que ela amou. Ela o embalou nos braços dela e as lágrimas dela caíram nas
bochechas dele. "Dylan.não", ela sussurrou. "Não."
"Não havia nada que nós poderíamos fazer. era um engano", Schuyler disse,
enquanto tentando explicar. "Lawrence."
Mas Felicidades não estavam escutando. Ela limpou as lágrimas dela na manga
dela. "Eu o tirarei, ela disse, enquanto pondo os braços dela ao redor dele, o erguendo
para cima. Ele estava assim claro, ele era quase insubstancial. Estava como segurar ar.
Não havia nada partido dele. Ela desceu o dela a montanha só, soluçando soluços.
Schuyler os assistiu com lágrimas que caem dos próprios olhos dela. Ela não
tinha podido salvar Dylan. Ela tinha perdido dois amigos hoje.
"Será certo, você verá", o Oliver disse, enquanto ajoelhando para cobrir a ferida
no braço dela com uma tira rasgada da camisa dele.
Schuyler olhou para ele. Visto a expressão triste, tirada na face bonita dele, o
cabelo de caramelo escuro dele caindo em cima da testa ferida dele. Oliver amável,
suave, maravilhoso. A enormidade da decepção dela a golpeou. Ela tinha os enganado
ambos nas palavras dela e ações. Porque ela o amou. Sempre tinha o amado. O Oliver
amado e Jack ambos. Elas eram ambos parte dela. Ela tinha negado o amor dela por
Oliver para se permitir amar o Jack. Mas agora tanto estava claro.
"Eu o" amo, ela disse.
"Eu sei." O Oliver sorriu e continuou a bandagem o braço dela.

Epílogo
Duas semanas depois
Assim este era o pequeno ninho de amor sórdido deles/delas. Mimi se deixou no
apartamento escuro. Ela tinha achado uma chave que ela nunca tinha visto antes no
quarto de Jack. Ela tinha suspeitado onde conduziu, e ela soube que ele não seria longo
vindo.
A porta abriu silenciosamente e o Jack entrou.
O olhar na face do irmão dela lhe falou para tudo que ela precisou saber. Mimi
sorriu a ela. Assim o pequeno mestiço cortou as gravatas dela finalmente.
"Você ganhou", o Jack disse suavemente. Ele olhou para Mimi com tal ódio
ígneo que ela quase se encolheu às palavras dele. Mas ela não era nenhum fraco. Ela era
Azrael e Azrael não se encolheu, nem mesmo para Abbadon.
"Eu não ganhei nada", Mimi respondeu friamente. "Por favor se lembre que
quase todos os Anciões estão mortos, que o Príncipe Escuro é ascendente, e o que é
esquerdo do Conclave está sendo conduzido por um homem quebrado que era os mais
fortes de nós tudo. E ainda tudo que você parece se preocupar sobre, meu bem, é que
você já não consegue jogar com seu pequeno brinquedo de amor."
Em vez de lhe responder, Jack voou pelo quarto e a esbofeteou duro pela face,
lhe enviando batendo ao chão. Mas antes de ele pudesse brandir outro sopro, Mimi
saltou para cima e o bateu contra a janela, enquanto o batendo completamente esfalfado.
"Isto é o que você quer?" ela assobiou como ela o ergueu para cima pelo
colarinho de camisa dele, o torneamento de face dele uma sombra horrível de vermelho.
"Não me deixe o" destruir, ele zombou.
"Há pouco tente, meu docemente."
O Jack torceu fora do aperto dela e a sacudiu em cima de, enquanto chutando o
dela abaixo o comprimento do quarto. Ela pulada para cima com as mãos dela
apertadas, as unhas dela afiado como garras, e colmilhos descobriram. Eles se
encontraram a meio caminho no ar e o Jack pôs uma mão na garganta dela e começou a
apertar. Mas ela arranhou aos olhos dele e arrancou o corpo dela de forma que ela
estava rolando em cima dele, a espada dela à garganta dele, com a mão superior.
SUBMETA. Mimi enviou.
NUNCA.
Você é meu.
Você está errado.
Mimi o lançou pelo quarto. Foi contundido e sangra. A blusa de Mimi foi
rasgada pela metade e a camisa de Jack era rasgada ao colarinho.
Jack atacou tempo de again.this que fixa Mimi ao chão. A respiração dele estava
quente na orelha dela. Ela poderia sentir o tempo de corpo dele, rígido, e pulsando em
cima de seu, poderia ver quase a aura vermelha da raiva dele.
"Você quer isto", ela disse astutamente. "Você me quer."
"Não."
"Sim."
Ele torceu os braços dela atrás a parte de trás dela, fixou os joelhos dele contra
os quadris dela, então apertou o aperto dele nos pulsos dela de forma que eles cresceu
roxo com contusões. Durante semanas, a forma dos dedos dele seria imprimida na carne
dela.
Para um momento ela estava verdadeiramente apavorada. Este era Abbadon o
Cruel. O Ángel de destruição. Ele pôde e a destruiria se ele tivesse. Se ele sentisse como
isto. Ele tinha destruído mundos antes. Ele tinha dizimado Paraíso no nome do
Morningstar.
Ela tremeu no aperto dele.
Toda sua bondade, toda sua bondade, todo o gorgeousness esplendente luminoso
do amor dele, que ele sempre tinha dado a outra pessoa. Ele tinha adorado Gabrielle,
tinha a adorado, tinha escrito os poemas dela e tinha cantado as canções dela e para
Schuyler havia romances e notas de amor e doces beijos e reuniões tenras furtivas por
uma lareira.
Mas para o gêmeo dele, Azrael, ele tinha mostrado nada mais que a raiva dele e
violência. A força dele e destruição.
Ele economizou o melhor dele para esses que não mereceram isto. Nunca
mostrado a verdadeira face dele a essas Filhas condenáveis da Luz.
Para Azrael, havia só escuridão e aniquilação.
Estupro e carnagem.
Guerra e pilhagem.
Uma lágrima se libertou do olho dela e brilhou no luar.
Mas da mesma maneira que Mimi pensou que ele a destruiria sempre, o Jack
começou à beijar com tal força que os lábios dela e pescoço estariam doloridos e
inchados com as mordidas dele. Em resposta, ela o puxou para ela, tão duro quanto ela
pôde, pelas raízes do cabelo dele.
Amor. É assim perto de ódio, é quase indistinguível.
Mas isto é como era para os dois deles.
Amor e ódio.
Vida e morte.
Joy e angústia.
Finalmente ele ainda se deitou contra ela, enquanto vagueando em um sono de
dreamless. Ela alisou o cabelo dele da sobrancelha dele e chamou o nome dele
suavemente. Abbadon o improvável. Nomeado assim porque a natureza saudosa dele
mascarou uma raiva fria e feroz.
O Destruidor de Mundos e o imperador do próprio coração dela.
Um dia ele lhe agradeceria que tenha economizado a vida dele.

Reconhecimentos

Lhe agradeça a todo o mundo que ajudou fazer este livro uma realidade, a
maioria de todos meu marido maravilhoso (e editor/co-criador de defacto), Mike
Johnston que propõe todas as idéias brilhantes; meu soberbamente editor temeroso,
Jennifer Besser; e todo o mundo a Hyperion que foi os campeões enormes da série
especialmente Jennifer Corcoran, Angus Killick, Nellie Kurtzman, Colin Hosten, Dave
Epstein e Elizabeth Clark (obrigado pelas coberturas surpreendentes!).
Lhe agradeça a Alicia Carmona, para toda a pesquisa de Brasil temerosa. Muito
ame meu insanamente a família encorajadora, o DLCs e Johnston, especialmente
Christina Green e Alberto de la Cruz que há pouco não é relacionado a mim mas
também mantém o "Escritório de Melissa em bom estado de funcionamento de la o
Cruz." Lhe agradeça a meus agentes, Richard Abate, Richie Kern, Melissa Myers, e
todo o mundo a Empenho, para todo seu trabalho duro em meu lado. Também lhe
agradeça a Kate Lee e Larissa Silva a ICM, para todo seu apoio.
A maioria de tudo que eu gostaria de agradecer meus leitores que querem dizer o
mundo a mim. Obrigado por compartilhar seus pensamentos, sonhos e perguntas em e-
mails ou no local de Web. Lhe agradeça à Amanda fabulosa que corre os Sangues Azuis
temerosos tábuas de mensagem; e para todo o mundo que fez um local de fã, enquanto
atuando jogo, ou grupo on-line dedicou à série. Todos vocês balançam tão duros dói.

Interesses relacionados