Você está na página 1de 3

CONTRATAÇÃO DE PROFISSIONAIS – O PESADELO DE MUITAS EMPRESAS

Como muitos já sabem, atuo na área de Gestão de Pessoas há mais de 35 anos, já passei por
todos os setores da área, e um dos setores que eu gosto muito, inclusive dediquei muito
tempo e estudo, é setor de R&S, mais conhecido como recrutamento e seleção.

Nesta matéria vou esclarecer alguns pontos preocupantes da área e que vale a pena prestar
atenção. Cabe também alertar para os graves enganos que vejo acontecer no processo,
inclusive vou dar algumas dicas sobre como realizar um processo de contratação seguro.

Falando dos problemas, o ponto mais grave que vejo acontecer na maioria das empresas é o
temido “Turn Over” ou Rotatividade de Profissionais, esse é o ponto mais preocupante, pois é
lógico que vem de uma contratação equivocada, no mínimo um processo de recrutamento e
seleção sem os devidos cuidados ou até mesmo a falta de conhecimento. Falo que é grave
porque, se pararmos para pensar, pagamos para contratar, pagamos para demitir, temos
despesa com uniforme, temos problemas de clima entre as equipes causando insegurança
entre os colaboradores e o pior não temos produtividade e por fim não temos resultado
algum... Ah, se essa rotatividade for na área de vendas, aí o prejuízo é ainda pior, pois além de
comprometer o faturamento, corremos o sério risco de perder um dos nossos maiores
patrimônios, o cliente.... Total desastre!

O tempo também vira inimigo em um processo de recrutamento e seleção mal executado. Já


faz um tempo que se ouve dizer que “tempo é dinheiro” e no mercado atual muito mais, não
há tempo a perder e uma equipe voltada aos objetivos da empresa é primordial para seu
sucesso.

Pois bem, há uma série de outras situações graves que acontecem no setor de recrutamento e
seleção, mas acho melhor comentar as soluções, os dois casos comentados acima já assustam
demais, então vamos as dicas.

O primeiro ponto e o mais importante é que o setor de recrutamento e seleção deve ser
conduzido obrigatoriamente por um especialista no assunto, pois esse processo exige
conhecimento extremo, lidar com gente não é fácil, ainda mais quando ter que haver uma
indicação que deverá dar retorno satisfatório para a empresa contratante.

O segundo ponto é o cuidado em analisar o currículo, observando que, a maioria dos


profissionais não sabem descrever sua trajetória profissional, sem falar que cada um cria um
modelo diferente, dizem os especialistas e RH que a partir do 10º currículo sem padrão as
informações já se perdem para o analista, olha o problema...

O pior ainda está por vir, infelizmente uma boa parte inventa informações no documento,
atualmente é muito comum essa prática nociva.

Em seguida, possuir muito conhecimento no processo de entrevista. Pasmem, já vi até cursos


ensinando como se sair bem nas entrevistas... absurdo! Muitos profissionais se tornaram
especialistas nesse assunto, conseguem encantar, são contratados, mas em poucos dias
percebemos que fizemos uma contratação indevida, pois essas pessoas não entregam os
resultados esperados.

Então o que fazer?


Como comentado acima, no setor temos que ter o especialista no sentido da palavra, pois
além de ser especialista no processo de recrutamento e seleção, tem que ser especialista em
gente, e isso só se adquire com anos de experiência na prática, senão corre-se o risco de
enganos nas contratações.

Outra observação é que antes de irmos direto a análise curricular, o especialista tem que
definir qual deve ser o comportamento adequado ao profissional a ser contratado, falo de
postura, atitude, comunicação, educação e relacionamento que essa pessoa deve possuir e
deve estar alinhado a cultura da empresa, ou seja, o perfil pessoal do profissional deve estar
adequado ao perfil que a empresa tem como essência.

Posso afirmar com certeza que, pode ser o profissional mais qualificado para a vaga, mas se ele
jogar contra os princípios de comportamento da empresa, esse não vai durara muito tempo, é
como diz a célebre frase... “: As pessoas são contratadas pelo currículo e demitidas pelo
comportamento!” Sendo assim, antes de olharmos para o currículo, vamos olhar primeiro o
ser humano e ver se ele realmente está alinhado com o padrão ético da empresa.

A partir deste ponto, aí sim entra a análise curricular. Muita atenção e concentração são
imprescindíveis nesta fase, normalmente precisa-se de uma sala reservada e que não haja
interrupções ao analista, pois se prestarmos atenção realmente podemos identificar muitas
informações desconexas no documento e evitar dissabores no processo.

Aconselho a realizar a auditoria curricular, ou seja, verificar se as informações curriculares são


de fato verdadeiras, existem várias maneiras de realizar esta fase, deixo para cada um
encontrar sua melhor estratégia.

Definido a questão comportamento, definido os currículos que passaram na triagem, chega a


hora da entrevista, o especialista que realizar esta fase deve estar concentrado, estar com o
questionário de perguntas já pré estabelecido e prestar muita atenção na comunicação,
principalmente na linguagem corporal, poucos sabem que o corpo fala muito mais que as
palavras e um simples gesto pode dizer muitas coisas. É nesse momento que o profissional de
recrutamento e seleção experiente consegue extrair tudo o que precisa de informação dos
candidatos e poder ser assertivo na definição de qual ou quais profissionais irão para a fase
final do processo de contratação.

Na fase final, ainda há os testes psicológicos a serem aplicados nos candidatos finalistas, estes
vão mapear as condições comportamentais e psicológicas dos mesmos; Não preciso nem
comentar que esta fase deve ser conduzida por outro especialista mais conhecido por
psicólogo (a) que igualmente deve ter muita experiência.

A partir dos resultados, mais conhecidos como laudo psicológicos, o especialista em


recrutamento e seleção terá plenas condições de ter mas de 80% de acerto da indicação para
as contratações, uma vez que ele poderá comparar as fases iniciais de definição de perfil
pessoal, definição do perfil profissional, triagem e entrevista junto com os laudos elaborados
pelo psicólogo (a) e desta forma minimizar extremante os problemas que comentamos no
início desta matéria.

Na verdade, toda a empresa deviria ter um setor de recrutamento e seleção somente para
este fim, e poder evitar os tremendos custos e desgastes de uma contratação mal executada,
porém algumas podem não ter espaço ou condição de manter esse setor, aí a saída mais
inteligente será a contratação de um especialista terceirizado ou melhor, contratar uma
empresa especialista em Gestão de Pessoas e dispor de toda uma equipe de psicólogos e
especialistas no assunto, todos dentro de uma só empresa para poder prestar um trabalho de
excelência, inclusive as empresas especializadas além de o investimento ser menor que o custo
de um setor ou de ter um Turn Over alto, ainda oferece garantias pelo trabalho executado e
por fim tirar das costas da empresa esse peso enorme das contratações problemáticas.

Você também pode gostar